Your SlideShare is downloading. ×
Comunicação XIII Arquisur Maquetes
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Comunicação XIII Arquisur Maquetes

1,277
views

Published on


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,277
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
15
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. MAQUETES COMO MATERIAL PEDAGÓGICO DE APOIO DIDÁTICO AO ENSINO DE DESENHO ARQUITETÔNICO EIXO TEMÁTICO 2 PALAVRAS-CHAVE: MAQUETES, MODELOS TRIDIMENSIONAIS,REPRESENTAÇÃO DA ARQUITETURA, DESENHO ARQUITETÔNICO, MATERIAL PEDAGÓGICO Artur Rozestraten, Aran Lopes dos Santos, Gabriel Negri Nilson, Luiz Felipe Amado da Cunha, Rainer Grassmann Orientador Prof. Dr. Artur Rozestraten Metodologia – Representação do projeto Departamento de Tecnologia Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Universidade de São Paulo São Paulo, Brasil Rua do Lago, 876 Cidade Universitária 05508-080 55 11 30914570 artur.rozestraten@usp.br 1
  • 2. APRESENTAÇÃO Esta comunicação apresenta uma pesquisa em andamento com alunos bolsistas eminiciação científica para criar desenhos e maquetes como material didático de apoio àdisciplina obrigatória AUT-0512 Desenho Arquitetônico, do primeiro ano da graduação docurso de arquitetura e urbanismo da FAUUSP. A equipe de trabalho envolve quatro alunos, do segundo ano de graduação emArquitetura e Urbanismo da FAUUSP, bolsistas da Pró-reitoria de Graduação daUniversidade de São Paulo no programa “Ensinar com Pesquisa”. Esse programa iniciadoem 2007, e que conta atualmente com 800 bolsistas, é parte das ações da Universidade deSão Paulo para promover a convergência da pesquisa acadêmica e do ensino por meio deprojetos de iniciação científica que se dediquem ao enfrentamento de desafios para oincremento do ensino de graduação na USP. Os alunos bolsistas, selecionados pelaCoordenadoria de Assistência Social da universidade prioritariamente dentre estudantescom renda familiar mensal de até 5 (cinco) salários mínimos (cerca de U$ 1.337,00),recebem uma bolsa anual no valor mensal de R$ 300,00 (cerca de U$ 172,00) e escolhemos projetos de seu interesse. A seleção desses alunos considera, além do critérioeconômico, seu desempenho acadêmico no curso, e a disponibilidade mínima de 8 horassemanais para dedicação à pesquisa. O projeto que aqui se coloca consiste na confecção de maquetes de madeira a partirde conjuntos completos de desenhos de arquitetura (plantas, cortes e elevações) emAutoCAD, normatizados, de quatro residências projetadas por João Batista Vilanova Artigas(1915-1985): 1. a “Casinha” (1942); 2. a Segunda Casa do Arquiteto (1949); 3. a Casa Baeta (1956); 4. a Casa Bittencourt 2 (1959). A escolha dessas 4 residências partiu da intenção de oferecer aos alunosingressantes exemplos para leituras comparativas entre esses exemplares bastantesignificativos da arquitetura moderna brasileira, sua própria casa onde vive, outras casasonde eventualmente já viveu, e sua nova casa, a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo,também projetada por Artigas. O propósito é que a aproximação dos alunos a diversasobras do mesmo arquiteto estimule construir relações entre aspectos singulares e comunsaos vários edifícios em questão. O material gráfico e os modelos tridimensionais resultantes desse projeto apoiarãodiretamente o desenvolvimento de exercícios de desenho, compreensão e interpretação doespaço arquitetônico propostos aos alunos ingressantes na FAUUSP. Para o aprofundamento dos estudos e a fundamentação conceitual do materialpedagógico original em elaboração, a pesquisa envolveu a visita e o registro fotográfico dascasas, a contextualização histórica desses exemplares na produção da arquitetura modernano Brasil (Acayaba, 1986; Julio, 1987; Fundação Vilanova Artigas, 1993; Ferraz, 1994;Kamita, 2000; Vilanova Artigas, 2003), a fundamentação teórica-conceitual de aspectosrelacionados à representação (Sainz, 2005; Ching e Juroszek, 2007; Derdyk, 2007) e aelaboração dos critérios técnicos, artísticos e arquitetônicos que orientam o desenvolvimentoatual dos trabalhos de desenho e modelagem (Castilhos, 1959; Rolf, 1968; Mills, 2007). Em suma, este projeto associa a Iniciação Científica ao empenho da Universidade deSão Paulo e dos professores responsáveis pela disciplina nos últimos anos, convergindo naconcepção e construção de um material didático especialmente voltado ao ensino dodesenho como recurso de representação de conteúdos arquitetônicos indispensável aosestudantes de graduação em Arquitetura e Urbanismo. 2
  • 3. CONTEXTUALIZAÇÃO O ensino de desenho arquitetônico na prancheta, retomado em 2001 na FAUUSP,tem sido fundamental para a capacitação dos alunos ingressantes no uso da representaçãográfica da arquitetura, no domínio técnico do desenho, na compreensão das relações entredesenho e espaço arquitetônico, promovendo assim um entendimento mais claro danatureza do desenho, que conduz ao reconhecimento de suas possibilidades e limitações, esuas interações complementares com outros meios para registrar, elaborar e comunicarconteúdos formais, construtivos e espaciais. A disciplina AUT-0512 Desenho Arquitetônico propõe aos alunos do primeiro ano dagraduação do curso de arquitetura e urbanismo da FAUUSP desenhar as plantas, cortes eelevações de um edifício de pequeno porte, uma casa. O objetivo pedagógico é caracterizaro desenho como recurso gráfico analítico para a comunicação de característicasarquitetônicas no plano, e o apoio das normas como convenção histórica e social para acomunicação gráfica. Essa disciplina é posterior a duas disciplinas básicas de Geometria Descritiva (PCC-0201) e Geometria aplicada à produção arquitetônica (AUT-0510) e é pré-requisito para adisciplina de Computação Gráfica (AUT-0514) que introduz o uso do computador comoferramente de desenho geométrico e técnico com base no AutoCAD. De modo que o alunopassa por uma formação de dois semestres de desenho à mão livre e com instrumentosantes de lidar sistematicamente com os recursos eletrônicos de representação. A dinâmica da disciplina de Desenho Arquitetônico envolve em um primeiro momentoa aproximação dos alunos à arquitetura que irão desenhar, por meio de visita in loco, filmeou conjunto de fotografias. Em seguida os alunos são estimulados a entrar em contato com os desenhosoriginais da residência em estudo existentes no acervo da biblioteca da FAU: desenhos ananquim sobre papel vegetal e cópias heliográficas (Marques, 2001). Essa etapa de estudoda arquitetura envolve também o contato com referências bibliográficas de apoio queapresentem desenhos arquitetônicos diversos e os associem a considerações teóricas,críticas e interpretações (Segawa, 1999; Mindlin, 2000; Bruand, 2003). Depois desse contato com a arquitetura e suas representações os alunosfamiliarizam-se com os instrumentos de desenho na prancheta – régua paralela, esquadros,gabaritos e lapiseiras –, assim como com a Norma Geral de Desenho Técnico (NBB), aNorma de Execução de Desenho da Arquitetura (NB43) e a Norma de emprego em escalade desenho técnico (NBR8402). A etapa seguinte é a apresentação de um roteiro para a sequência construtiva dodesenho que se inicia com a marcação dos eixos estruturais, o posicionamento da estruturae então, sucessivamente, a inserção dos vedos e vãos, escadas e rampas, diferenças depiso, posicionamento de caixilhos, lay-out, até a finalização com a inserção de cotas e asdemais indicações de linhas de cortes e elevações. A intenção pedagógica é estabelecer umparalelo direto que evidencie semelhanças e diferenças entre a construção do desenho e aconstrução da arquitetura, entre a ocupação do espaço da folha e a ocupação do terreno,entre a marcação do terreno com linhas e gabarito, e o posicionamento de eixos no papelbalizado pela régua paralela e esquadros. A partir de então, em aulas de ateliê, os alunos recebem a planta baixa da casa queirão desenhar, impressas em folha A4 – sem escala matemática precisa apenas escalagráfica –, cotada, e a reproduzem em folhas A1 em escala 1:50. A sequência de exercíciosenvolve o mesmo procedimento para os desenhos da planta do pavimento superior, cortes,elevações e perspectiva. A ênfase da disciplina é a relação entre o desenho e as características ambientais,necessariamente tridimensionais, da arquitetura e do urbanismo, o que amplia o papel dodesenho no processo de conhecimento muito além da simples atividade mecânica de riscarcorretamente linhas no papel. 3
  • 4. É justamente neste ponto que se concentram as maiores dificuldades dos alunos:perceber a relação entre a representação bidimensional e o ambiente arquitetônico comoespaço tridimensional, entender o significado de certas convenções de desenho comosituações espaciais, associar o enfoque analítico do desenho arquitetônico à apreensãosintética do espaço. Atualmente o corpo docente desta disciplina empenha-se em resolver dois aspectosque dificultam o andamento dos exercícios e interferem no aproveitamento. O primeiro é a falta de padronização dos desenhos base apresentados aos alunoscomo modelo. No acervo da disciplina existem alguns desenhos feitos à mão livre e outrosem AutoCAD, alguns desenhos em escala gráfica, outros em escala matemática e outrosainda sem escala. Além dessas variações há ainda divergências de cotas e de dimensõesentre os vários desenhos. O segundo aspecto é a inexistência de maquetes das obras estudadas, feitas emescala, que possam facilitar a compreensão dos alunos, tanto das qualidades arquitetônicasdas obras, quanto das convenções de passagem e representação entre espaço e plano. Para enfrentar estes aspectos, diretamente relacionados às dificuldades enfrentadaspelos alunos, este projeto desenvolve um material pedagógico específico composto por: • um conjunto padronizado, normatizado e cotado de desenhos arquitetônicos (plantas, cortes e elevações) de cada uma das quatro residências mencionadas feito no AutoCAD e impresso em escala gráfica para referenciar os desenhos que os alunos elaboram em escala 1:50. • quatro maquetes didáticas destas mesmas obras, em madeira, em escala 1:25, com fins específicos de apoio à compreensão das relações entre desenho e espaço arquitetônico, isto é, ressaltando os elementos construtivos e expondo os planos de intersecção dos desenhos com a volumetria do objeto arquitetônico. Os planos de corte horizontais e verticais que seccionam a arquitetura e referenciam a composição de desenhos em planta e corte serão representados diretamente na maquete permitindo que os alunos “abram” o modelo e percebam as interações entre os planos de corte e a volumetria do objeto. Os alunos bolsistas que trabalham no projeto são graduandos do curso de arquiteturae urbanismo da FAUUSP, já cumpriram a disciplina AUT-0512 Desenho Arquitetônico e jácumpriram ou estão cumprindo a disciplina AUT-0514 Computação Gráfica. Cada aluno bolsista desenvolve desenhos e maquetes para uma casa ao longo dos12 meses de Iniciação Científica. Aran Lopes dos Santos pesquisa a “Casinha” (1942);Gabriel Negri Nilson, a Segunda Casa do Arquiteto (1949); Luiz Felipe Amado da Cunha, aCasa Baeta (1956); e Rainer Grassmann, a Casa Bittencourt 2 (1959). As quatro obras de arquitetura em foco são edifícios de pequeno porte (Fig. 1 e Fig.2), o que viabiliza a Iniciação Científica e também o desenvolvimento futuro do exercício nadinâmica da disciplina ao longo de um semestre. São todas residências, o que aproxima oaluno de seu repertório mais íntimo de vivências (a casa em que mora, as casas queconhece, as que imagina, etc), e facilita a intuição e a compreensão de qualidadesarquitetônicas. Além disto, quando comparadas ao próprio edifício da FAU, também projetode Artigas (1962-69), permitem ao aluno acompanhar a diversidade da produção de umarquiteto ao longo de três décadas fundamentais na história da arquitetura moderna noBrasil. A cada edição da disciplina as quatro residências mencionadas poderão se revezar,colocando em teste suas representações e possibilitando, em um processo contínuo deexperimentação, o aprimoramento gradual desse material didático. 4
  • 5. Fig. 1: Entrada da garagem da “Casinha”, residência do próprio arquiteto João Batista Vilanova Artigas, projetada em 1942, no Campo Belo em São Paulo, capital. Fonte: fotografia de autor desconhecido. Fig. 2: Escada da Casa Baeta, projetada por João Batista Vilanova Artigas, em São Paulo, capital (1956). Fonte: Luiz Felipe Amado da Cunha. 5
  • 6. OBJETIVOS Para atingir o objetivo geral deste projeto já se cumpriu os seguintes objetivosespecíficos: • A visita às obras mencionadas para a experiência direta do ambiente arquitetônico e para o registro fotográfico sistemático das casas; • O levantamento da documentação gráfica existente a respeito das residências nos arquivos da biblioteca da FAU, e na bibliografia específica relacionada no item 7 deste projeto; • O estudo comparativo dos vários desenhos distintos existentes sobre uma mesma obra (Projetos Legais, Projetos Executivos, Desenhos referenciados na obra construída) para a identificação de compatibilidades e incompatibilidades; • A revisão crítica dos desenhos existentes a partir da visita e do levantamento fotográfico realizados; • O redesenho normatizado de plantas, cortes e elevações em AutoCAD, com especial atenção para: definir eixos estruturais e linhas de corte; compatibilizar e arredondar cotas compatíveis com a escala 1:50; explorar a ausência pedagógica de certas cotas (exigindo que o aluno deduza certas medidas); padronizar espessuras de linhas, camadas de desenho (layers) e hachuras; • O desenvolvimento do estudo preliminar do projeto das maquetes atentando para: a característica específica desta maquete como modelo de estudo do espaço e das intersecções dos planos de corte do desenho sobre o objeto; a complementaridade de informações entre desenhos e modelo tridimensional; a ênfase na relação construtiva entre modelo e obra, salientando estrutura, vedos e vãos, pisos e coberturas; • A montagem das bases de apoio das maquetes; • A confecção de maquetes de estudo em escala 1:100, em cartão, para estudo volumétrico; • A confecção de maquetes de estudo em escala 1:25 em papelão de caixa para estudo completo de peças e planejamento da montagem em madeira; • A definição de espessuras de madeira, tipo de madeira, soluções técnicas de colagem e encaixe, e a especificação e quantificação do material para execução das maquetes finais. No momento a equipe de pesquisa acompanha pela primeira vez uma edição dadisciplina de Desenho Arquitetônico da FAUUSP com a aplicação de exercícios apoiados nomaterial desenvolvido, o que possibilita um registro sistemático da prática para avaliaçãopedagógica e eventuais revisões críticas. No caso, ao longo desse segundo semestre de2009, a turma de alunos trabalha sobre a Casa Baeta. A próxima etapa de trabalho, que é a última, envolve a confecção das maquetesfinais em madeira. 6
  • 7. MEMÓRIA DO TRABALHO E CRONOGRAMA Os primeiros dois meses de trabalho envolveram visita às obras para o registrofotográfico, levantamento da documentação gráfica existente a respeito das residências nosarquivos da biblioteca da FAU, e estudo da bibliografia. O segundo bimestre envolveu o estudo comparativo dos desenhos existentes, suarevisão crítica e o redesenho normatizado de plantas, cortes e elevações em AutoCAD. Os quatro meses seguintes envolveram trabalhos de modelagem de estudo eplanejamento do processo de produção das maquetes finais. Esses últimos quatro meses envolvem: • o acompanhamento da primeira edição da disciplina com a monitoria dos alunos bolsistas e o apoio dos desenhos revisados pelo projeto; • a comunicação do projeto em andamento em eventos científicos como o XIII ArquiSur e o 17º SIICUSP, Simpósio Internacional de Iniciação Científica promovido pela Pró-Reitoria de Pesquisa da Universidade de São Paulo ocasiões nas quais os alunos bolsistas e o orientador poderão conhecer e dialogar com outros colegas pesquisadores, professores, e público visitante, o que sempre resulta em uma perspectiva crítica sobre o próprio projeto; • a construção das maquetes finais em madeira. A previsão de conclusão desse projeto é fevereiro de 2010 quando as quatromaquetes prontas serão levadas para o ateliê dos alunos do primeiro ano de graduação, eos arquivos eletrônicos dos desenhos em AutoCAD serão reunidos a conjuntos impressos,fotografias das obras e fotografias das maquetes para a composição do relatório final dapesquisa que já poderá conter uma análise crítica do uso prático do material desenvolvido. ASPECTOS METODOLÓGICOS O trabalho dos alunos em Iniciação Científica conta com o apoio direto deinfraestrutura do Laboratório de informática, do Laboratório de Produção Gráfica (LPG) e doLaboratório de Modelos e Ensaios (LAME) da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo daUniversidade de São Paulo. A Biblioteca da FAU também apoia o desenvolvimento do projeto facilitando o acessoaos desenhos originais assim como aos arquivos eletrônicos desses desenhos digitalizados. Todo o trabalho de modelagem está sendo feito no LAME, com a supervisão detécnicos especializados, e o uso seguro de instrumentos e máquinas adequados para otrabalho com madeira. A confecção das maquetes finais usará além da madeira em chapa(compensada e MDF), alguns elementos em madeira maciça e em acrílico transparente, esempre que possível reaproveitando retalhos e sobras de madeira existentes no própriolaboratório. 7
  • 8. CONSIDERAÇÕES FINAIS Como dito, uma parte do material produzido pelos alunos bolsistas em IniciaçãoCientífica ao longo do primeiro semestre de 2009 já está sendo usado na edição dadisciplina AUT-0512 Desenho Arquitetônico ao longo desse segundo semestre. A CasaBaeta está sendo o objeto de estudo da disciplina nesse momento e o aluno responsávelpor seu desenvolvimento, Luiz Felipe Amada da Cunha, é atualmente monitor junto aocurso, acompanhando as aulas e os trabalhos no ateliê, registrando em fotografias otrabalho dos colegas, e revisando o material que produziu. Esse breve acompanhamento da disciplina já permitiu à equipe de pesquisa emdiálogo com o grupo de docentes esboçar um desdobramento para projetos futuroscomplementares a esse. Em primeiro lugar, a composição de filmes sobre essas casas com um olharespecialmente atento às configurações espaciais, à relação da arquitetura com o terreno e oentorno, e aos detalhes construtivos. Esses filme proporcionariam um “passeioarquitetônico” complementar à visita in loco, e reforçariam a interação entre diferentes meioscomo o desenho, a modelagem, a fotografia e o filme. Uma interação mais intensa com a Internet também merece estudos cuidadosos epode enriquecer bastante a dinâmica da disciplina. Outro aspecto que também surgiu das reflexões conduzidas ao longo dessesemestre, e que poderá ser trabalhado em um próximo semestre, é a intensificação doestudo da casa reforçando o contato visual diário com a arquitetura estudada. Isso poderiaser feito, por exemplo, dispondo nas paredes do ateliê imagens fotográficas em grandeformato assim como conjuntos completos de desenhos técnicos que poderão serrelacionados às maquetes diariamente presentes no estúdio. Enfim, este projeto busca conciliar a Iniciação Científica – experiência altamenteestimulante na formação de futuros pesquisadores – ao projeto e produção de um materialdidático específico, tão necessário ao ensino de Desenho Arquitetônico na graduação daFAUUSP. Espera-se que esta experiência venha enriquecer, em diferentes instâncias, aformação dos alunos bolsistas, dos professores, e dos demais alunos, futuros arquitetos eurbanistas. 8
  • 9. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASAcayaba, M. (1986) Residências em São Paulo 1947-1975. Projeto, Grupo Eucatex, São Paulo.Bruand, Y. (2003) Arquitetura Contemporânea no Brasil. Editora Perspectiva, São Paulo.Castilhos, J. R. de. (1959) O Modelo tridimensional no ensino da arquitetura. Tese de concurso para a cadeira de modelagem da Faculdade de Arquitetura da Universidade do Rio Grande do Sul, Porto AlegreChing, F.D.K. e Juroszek, S.P. (2007) Representação gráfica para desenho e projeto. Editorial Gustavo Gili, Barcelona.Derdyk, E. (org.). (2007) Disegno. Desenho. Desígnio. Editora SENAC São Paulo, São Paulo.Ferraz, M. (org.). (1994) Vilanova Artigas. Fundação Vilanova Artigas, Instituto Lina Bo e Pietro Maria Bardi, São Paulo.Fundação Vilanova Artigas. (1993) Casas de Artigas. apresentação Fábio Penteado; introdução Dalva Thomaz. FVA, São Paulo.Julio, R. (1987) Vilanova Artigas. FAU, São Paulo.Kamita, J. M. (2000) Vilanova Artigas. Cosac & Naify, São Paulo.Marques, E.A. (2001) O acervo Vilanova Artigas no SIBI-FAUUSP. Casa da Cerca, Almada.Mills, C.B. (2007) Projetando com maquetes. Artmed, Porto Alegre.Mindlin, H. E. (2000) Arquitetura moderna no Brasil. Aeroplano Editora, IPHAN, Rio de Janeiro.Rolf, J. (1968) Architectural Models. Thames and Hudson, Londres.Sainz, J. (2005) El dibujo de arquitectura. Teoría e historia de un lenguaje gráfico. Editorial Reverté, Barcelona.Segawa, H. (1999). Arquiteturas no Brasil 1900-1990. Edusp, São Paulo.Vilanova Artigas. (2003) Catálogo de Exposição. Julio Katinsky (curador); Rosa Artigas e Ruy Ohtake (coordenadores). São Paulo, Instituto Tomie Ohtake. 9