Your SlideShare is downloading. ×
0
A revolucao russa-1
A revolucao russa-1
A revolucao russa-1
A revolucao russa-1
A revolucao russa-1
A revolucao russa-1
A revolucao russa-1
A revolucao russa-1
A revolucao russa-1
A revolucao russa-1
A revolucao russa-1
A revolucao russa-1
A revolucao russa-1
A revolucao russa-1
A revolucao russa-1
A revolucao russa-1
A revolucao russa-1
A revolucao russa-1
A revolucao russa-1
A revolucao russa-1
A revolucao russa-1
A revolucao russa-1
A revolucao russa-1
A revolucao russa-1
A revolucao russa-1
A revolucao russa-1
A revolucao russa-1
A revolucao russa-1
A revolucao russa-1
A revolucao russa-1
A revolucao russa-1
A revolucao russa-1
A revolucao russa-1
A revolucao russa-1
A revolucao russa-1
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

A revolucao russa-1

2,712

Published on

Published in: Technology
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
2,712
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. A REVOLUÇÃO RUSSA<br />1917<br />
  • 2. Os fundamentos do Socialismo de Marx<br /><ul><li>Que o socialismo surgiria em países centrais do capitalismo: França, Inglaterra e Alemanha, onde a burguesia e o proletariado são classes bem definidas. Assim, a luta de classes e a contradição entre ambos são mais explícitas.
  • 3. O socialismo se valeria de um grande desenvolvimento econômico e tecnológico, propiciado pelo capitalismo, para reorganizar as relações sociais em bases solidárias, humanistas e democráticas.</li></ul>A RÚSSIA PRÉ-REVOLUCIONÁRIA<br /><ul><li>Rússia: era um país rural, com vestígios do feudalismo, atrasado economicamente.
  • 4. Mais da metade do capital russo provinha de uma agricultura atrasada.
  • 5. O capitalismo russo dependia de capitais estrangeiros.
  • 6. A pretensão tzarista era tornar a Rússia uma potência imperialista. </li></li></ul><li>Diversos grupos lutaram contra o tzarismo, entre eles: populistas, terroristas, intelectuais, agraristas e, finalmente, os socialistas: <br />MENCHEVIQUES  social-democratas.<br />BOLCHEVIQUES  comunistas.<br />Ambas as correntes se consideravam marxistas, embora com interpretações diferentes do pensamento de Marx.<br />MENCHEVIQUES<br />A Rússia precisava, antes de tudo, recuperar seu atraso em relação aos outros países da Europa Ocidental, realizando uma revolução democrática, que acabasse com o tzarismo, instalasse uma democracia liberal e realizasse transformações industriais, introduzindo o capitalismo no país. A partir do desenvolvimento econômico e cultural obtido e da formação de um proletariado, é que se lutaria pelo socialismo na Rússia.<br />
  • 7. BOLCHEVIQUES: <br />Tinham uma proposta audaciosa, pois o próprio Marx já havia advertido que a socialização do atraso levaria à barbárie, à desigualdade e aos privilégios e não ao socialismo, o qual só seria possível através do desenvolvimento econômico como condição necessária à passagem do capitalismo para o socialismo.<br />O ENSAIO GERAL: A REVOLUÇÃO DE 1905<br /><ul><li>A primeira chance de se fazer uma revolução.
  • 8. Antes a Rússia havia declarado guerra ao Japão
  • 9. A guerra aumentou as dificuldades do povo russo
  • 10. Nicolau II era chamado de “Paizinho”
  • 11. Em janeiro de 1905, o povo organizou uma enorme passeata pacífica
  • 12. O tzar mandou os cossacos atirarem contra a multidão</li></ul>DOMINGO SANGRENTO<br />
  • 13. <ul><li>ETAPAS DA REVOLUÇÃO RUSSA</li></ul>Em 1917, houve duas revoluções na Rússia: uma em fevereiro  a dos mencheviques. E outra em outubro  a dos bolcheviques.<br />REVOLUÇÃO DE FEVEREIRO Dos Mencheviques:<br /><ul><li>Procurou democratizar o país;
  • 14. Pôr fim ao regime tzarista;
  • 15. Teve dificuldades para resolver os problemas econômicos e sociais que o povo enfrentava.
  • 16. A Primeira Guerra Mundial  impôs como prioridade desviar recursos para as frentes de batalha, ao invés de se suprir as necessidades da população carente. Além disso, a guerra mobilizou a população adulta: camponeses e operários, o que provocou sofrimentos, perdas e danos familiares.</li></li></ul><li>MENCHEVIQUES  responsáveis pela Revolução de Fevereiro (1917) <br />O que fizeram Derrubaram o regime tzarista através de uma greve geral e uma insurreição de massas, com operários criando conselhos (os sovietes) junto com os soldados, formados por camponeses mobilizados para a guerra. Contudo, não realizaram a reforma agrária.<br />O que não fizeram Reforma agrária: essencial para o país, e não tiraram a Rússia da guerra devido às alianças com a social-democracia européia.<br />
  • 17. Fracasso e Crise da revolução  porque a Rússia continuou dependendo dos países cujos capitais essenciais controlavam a economia russa e a economia mundial. Países estes que só pensavam em ganhar a guerra e ampliar seus impérios. <br />BOLCHEVIQUES lançaram-se na disputa da direção daquele processo político. Seu lema: <br />PAZ, PÃO E TERRA<br />Paz: representava a saída imediata da guerra.<br />Pão: resolução do problema da fome no país.<br />Terra: atender à demanda da população que vivia no campo, sem acesso à terra.<br />TESES DE ABRIL – “TODO PODER AOS SOVIETES”<br />
  • 18. A Revolução de Outubro (1917)  tomada do poder pelos bolcheviques  poder nas mãos dos trabalhadores.<br />Objetivos:<br /><ul><li> Implantar a pequena propriedade privada e não a propriedade social;
  • 19. O setor social era composto basicamente por operários urbanos interessados em destruir o tzarismo como regime político e as relações feudais no campo;
  • 20. Construir a socialização da economia;
  • 21. A construção de um Estado socialista.</li></li></ul><li>Atitudes:<br /><ul><li> Repartição das terras da aristocracia pelo campesinato: “Avancem e tomem as terras”.
  • 22. Uma revolução proletária: término da propriedade individual e sua socialização geral.
  • 23. Os proletários da cidade – embora minoria – apoiaram a revolução.
  • 24. Seus objetivos eram anticapitalistas: Socialização das fábricas, do grande comércio, dos bancos, pôr “fim à exploração do homem pelo homem”. E foi isso o que o Estado fez.
  • 25. Para tanto, contou com a aliança operário-camponês: “Triunfavam ao mesmo tempo o coletivismo dos operários e a propriedade individual do camponês, contra os latifundiários no campo e a burguesia industrial, comercial, financeira nas cidades”.</li></li></ul><li>Contudo, os problemas começaram a aparecer:<br /><ul><li> A agricultura, da qual viviam ¾ da população da Rússia, estava atomizada em cerca de 24 milhões de pequenas propriedades, cuja produtividade era muito baixa, devido à dificuldade de especialização e de divisão do trabalho que esse tipo de propriedade no campo apresenta.</li></ul> 1ª contradição: <br /><ul><li>Visão de Marx: o socialismo teria que surgir nos países mais desenvolvidos, por razões econômicas, sociais e culturais.
  • 26. Visão de Lenin: Era mais fácil tomar o poder num país da periferia do capitalismo, como a Rússia, onde a burguesia era mais débil. Essa vulnerabilidade facilitava a tomada do poder pelos trabalhadores. Por outro lado, era mais difícil construir o socialismo.</li></li></ul><li>Outros Problemas:<br /><ul><li> O atraso econômico, social e cultural do povo russo, daí seu despreparo para construir uma sociedade socialista.
  • 27. Isolamento internacional da Rússia, uma vez que os outros países (Alemanha, Inglaterra e França) estavam mais preocupados com seu empenho na Primeira Guerra Mundial.
  • 28. O capitalismo passava por sua fase imperialista, constituindo uma espécie de mercado mundial único, apesar do nível desigual de desenvolvimento social e econômico dos países – que era o caso da Rússia.
  • 29. A Revolução Russa era vítima de um duplo cerco: o das potências imperialistas mundiais e o das forças da propriedade privada, residentes no campo russo.</li></li></ul><li>DIFICULDADES:<br /><ul><li>A produção industrial estava mais debilitada do que antes da guerra.
  • 30. A guerra civil contra os adeptos do regime deposto (os mencheviques), os quais tinham apoio financeiro e militar das potências estrangeiras  os exércitos brancos (contra-revolução).</li></ul>Além da agressão militar, o isolamento diplomático e econômico por parte dos outros países avançados do capitalismo.<br />
  • 31. ORIGINALIDADE DA RÚSSIA:<br />Enquanto as potências imperialistas disputavam quem teria mais colônias, a Rússia, um país atrasado, colocava no poder operários e camponeses, entregava terra a estes, as fábricas àqueles, derrubava o tzarismo, colocava em seu lugar um Estado baseado no poder direto dos conselhos de trabalhadores, expropriava a burguesia e criava uma economia socializada.<br />
  • 32. CRISE NA UNIÃO SOVIÉTICA SOCIALISTA:<br /><ul><li> Morte de LENIN, em janeiro de 1924. Este já havia atentado para o perigo da burocratização e das ameaças à democracia no Estado soviético.
  • 33. Pressão para que o Estado atuasse de forma enérgica para resolver os problemas agudos e urgentes que assolavam a Rússia, substituindo, inclusive, a classe trabalhadora.
  • 34. Eis que surge JOSEF STALIN e assume a linha de que o fundamental era a sobrevivência do Estado soviético. Para isso, seria necessário um esforço concentrado de industrialização, à custa da socialização forçada da propriedade privada, mesmo contra a vontade da maioria dos camponeses.</li></li></ul><li><ul><li> Contra Stalin havia LEON TROTSKY, que concordava com Marx no fato de quenão era possível a construção do “socialismo num só país”, ainda mais atrasado como a Rússia.
  • 35. O socialismo seria uma tarefa não apenas de superação do capitalismo, mas de caráter internacional; daí a necessidade de expandir a revolução para o mundo.
  • 36. Antes de morrer, Lenin deixou escrita uma carta-testamento tecendo críticas aos seus possíveis sucessores, dentre eles, à propensão ditatorial de Stalin, que por isso proibiu a divulgação </li></ul>desta carta.<br />
  • 37. O GOLPE DE ESTADO DE STALIN:<br /><ul><li> Stalin manteve o controle da organização do partido e do Estado;
  • 38. Apelou para o discurso patriótico;
  • 39. Utilizou-se de métodos drásticos para afastar os principais líderes da revolução (chamados de “traidores”): Bukharin, Zinoviev, Kamenev e o próprio Trotsky  assassinado no México, em 1940.
  • 40. Instituiu o poder absoluto, decretou a estatização generalizada da propriedade camponesa, apoiado na ação do Exército, levou à morte milhões de camponeses.
  • 41. Estes, aliados aos trabalhadores urbanos, se negavam a vender sua produção ao governo, preferindo queimá-la ou vender no mercado negro.
  • 42. Muitos chegaram à miséria da noite para o dia.</li></li></ul><li><ul><li> Por outro lado, investiu na industrialização acelerada.
  • 43. Com os recursos extraídos do campesinato investiu no processo industrial.
  • 44. Pretendia levar o país – em dez anos – a ter condições de enfrentar militarmente as grandes potências capitalistas.
  • 45. Na década de 20 a URSS representava os sonhos utópicos, a resistência heróica e a deteriorização econômica.
  • 46. Na década de 30 representou a decolagem econômica do país mediante as transformações industriais, conduzidas pela mão de ferro do Estado soviético dirigido centralizadamente por Stalin. Não faltava trabalho para toda população da URSS.
  • 47. O endurecimento do regime instituiu os campos de concentração assumira caráter policial.</li></li></ul><li><ul><li>A URSS ganha prestígio em todo o mundo  um Estado forte, longe das irracionalidades do capitalismo.
  • 48. CRISE DE 29 levou os países capitalistas do mundo inteiro a entrar em crise.
  • 49. Crise no liberalismo  o Ocidente vivia na década de 30 a pior crise de desemprego de sua história.
  • 50. A sociedade socialista  saía da posição de um dos países mais atrasados do mundo para uma posição de destaque.
  • 51. a URSS se urbanizou, com a população das cidades aumentando rapidamente em mais de 100 milhões de habitantes.
  • 52. Êxodo Rural  não se deu de forma ordenada e programada. Eram camponeses que se integravam à nova classe operária industrial.</li></li></ul><li><ul><li> Os conselhos operários – sovietes – foram esvaziados de representatividade.
  • 53. Este regime antidemocrático  perdeu o apoio dos intelectualidade em todo mundo.
  • 54. Nova situação  uma burocracia que dirigia o Estado soviético em nome do proletariado, gozando de privilégios do monopólio do poder político e de um nível de vida muito superior ao da média da população soviética.
  • 55. Não se realizou o que Marx pretendia:”uma socialização dos meios de produção”. O que houve foi um Estado controlado pelo partido, no qual não reinava nenhum tipo de democracia  ocorreu a estatização.
  • 56. A URSS foi um inimigo intransigente da Alemanha nazista, assim como todos os países comunistas se posicionaram contra Hitler.</li></li></ul><li>O CAPITALISMO:<br />“(...) é um sistema de reprodução das relações sociais baseado na acumulação de capital, e no qual se funda uma ideologia, uma visão de sociedade, um sistema de valores, que se materializa em Estados, mas que transcende esses limites e chega a todos os cantos do mundo, a partir do momento em que estende seu mercado a todo planeta” (p. 68).<br />O SOCIALISMO CIENTÍFICO – KARL MARX:<br />O socialismo era a negação e, ao mesmo tempo, a superação do capitalismo. (...) Um movimento histórico e social de geração global de um novo tipo de sociedade, o qual supõe um processo revolucionário (...) Supõe a mais radical transformação que a humanidade já viveu, o que inclui a economia, as relações sociais, a política, a cultura. <br />
  • 57. SOBRE A HISTÓRIA...<br />Para Marx, toda a história vivida até aquele momento era a pré-história da humanidade, porque era a história vivida sem consciência. Para ele, <br />“A história consciente se iniciaria quando os homens tomassem em suas mãos as rédeas de seu destino para construir uma sociedade à sua imagem e semelhança – humana, solidária e livre”. (p.68-69).<br />
  • 58. O MUNDO CONTEMPORÂNEO<br />ASSUNTO-TEMA: QUE MUNDO É ESSE, NA VIRADA DO SÉCULO XX PARA O XXI?<br />Emir Sader retrata o CAOS do mundo hoje, a saber:<br /><ul><li> Metade da riqueza mundial está nas mãos dos norte-americanos.
  • 59. Quanto ao nível educacional, 670 – dois em cada três – não sabem ler nem escrever.
  • 60. De cada dez que morrem, oito são de causas sociais.
  • 61. Desigualdade social provocada pela má distribuição de renda.</li></li></ul><li><ul><li> Quanto mais aumenta o consumo (nos países capitalistas avançados), menos se consome nas casas africanas.
  • 62. No mundo todo, 20% da população foi excluída do crescimento de consumo.
  • 63. 20% não têm energia proteínas suficientes.
  • 64. No mundo, há 2 bilhõesde pessoas anêmicas, incluindo 5,5 milhões nos países capitalistas avançados.
  • 65. Metade da população do mundo vive subalimentada: 3 bilhões de pessoas.
  • 66. A desigualdade social aumentou conforme avançou o século, apesar das inovações tecnológicas e do aumento da produção.
  • 67. A concentração de renda aumentou nas décadas de 70, 80 e 90, desenfreadamente.</li></li></ul><li><ul><li>82,7% da riqueza mundial se encontra nas mãos dos países do capitalismo central, no hemisfério norte; e 17,3% repartidos nos países do hemisfério sul ou da periferia capitalista.
  • 68. Metade dos pobres do mundo vivem no sul da Ásia, 25% na África subsaariana, 6,6% na América Latina e no Caribe e 5,9% na Europa, Oriente Médio e norte da África.
  • 69. 45 países vivem abaixo da linha de pobreza.
  • 70. Nos países do centro do capitalismo a esperança de vida é superior a 77 anos e o analfabetismo inferior a 5%. Nos países mais pobres (periferia do capitalismo), a esperança de vida é de 59 anos e a taxa de analfabetismo é de 50%.
  • 71. Década de 80  pagamento da dívida externa  transferência da riqueza dos países da periferia para os países mais ricos do centro capitalista.</li></li></ul><li><ul><li>Mais de 100 milhões de pessoas nos países considerados ricos, vivem na pobreza.
  • 72. No Brasil, desde a década de 80, que os ricos se tornam mais ricos e os pobres mais pobres.
  • 73. As 225 pessoas mais ricas do mundo somam uma fortuna superior a 1 trilhão de dólares, cuja soma é igual à média anual dos 47% mais pobres da população mundial (2,5 bilhões de pessoas).
  • 74. Dessas 225 pessoas, 60 delas são, respectivamente, dos EUA, da Alemanha e do Japão.
  • 75. A África conta com dois super-ricos: ambos brancos da África do Sul.
  • 76. O desenvolvimento econômico tem sido devastador para o meio ambiente  contaminação, desperdício, deteriorização de recursos renováveis (água, solo, bosques, peixes, espécies silvestres, etc).</li></li></ul><li>O MAIOR ABSURDO !!!<br /><ul><li> 6 bilhões de dólares ao ano para garantir o ensino básico a todos no planeta  os EUA gastam 8 bilhões de dólares ao ano com cosméticos
  • 77. 9 bilhões de dólares ao ano são necessários para garantir água e saneamento básico para todos  o consumo anual de sorvete na Europa é de 11 bilhões.
  • 78. A saúde reprodutiva da mulher  garantida mundialmente com 12 bilhões de dólares anuais  Gasta-se isso em perfume por ano na Europa e EUA.</li></li></ul><li><ul><li> Saúde e nutrição básica a todos  13 bilhões de dólares ao ano  17 bilhões são consumidos nos EUA e na Europa com alimentos para animais domésticos.</li></ul> Cigarros na Europa anualmente  50 milhões de dólares.<br /><ul><li> Bebidas alcoólicas na Europa, ao ano  105 bilhões de dólares.
  • 79. Drogas estupefacientes no mundo, ao ano  400 bilhões de dólares.
  • 80. Gasto militar no mundo, anualmente  780 bilhões de dólares.</li></li></ul><li>O MEIO-AMBIENTE SOFRE A AÇÃO HUMANA:<br /><ul><li> Emissão de dióxido de carbono no mundo: 53% países ricos e 3% de países pobres.
  • 81. Pesca excessiva  prejuízo para 1 bilhão de pessoas.
  • 82. Reflorestação  Dá-se em países da periferia, mas o consumo é de países do centro do capitalismo.
  • 83. Fumaça a lenha  atingem inúmeras mulheres que cozinham  mais perigosa que a do cigarro.
  • 84. Combustível com chumbo  risco para saúde (muito usado em Bangcoc).
  • 85. ESPIRAL NEGATIVO  a degradação ambiental aumenta a pobreza e vice-versa.
  • 86. Aumento da população mundial  aumento na necessidade de alimentos</li></li></ul><li><ul><li> Consumismo exagerado  pressão da propaganda e sua homogeneização internacional.
  • 87. Pressão do consumo  as dívidas das famílias crescem.
  • 88. O IDH (Índice de Desenvolvimento Humano das Nações Unidas) revela melhoria nos índices.
  • 89. Melhorias quantitativas e não qualitativas  A diferença entre países aumenta (Canadá e Serra Leoa).
  • 90. Índices de Alfabetização também camuflados  “analfabetos funcionais”.
  • 91. Continuam as disparidades étnicas e raciais, mesmo com o fim do apartheid na África do Sul.
  • 92. Na virada do século, 40 milhões de pessoas estão com HIV  Das 16 mil que se contaminam por dia, 90% vivem na periferia do capitalismo. </li></li></ul><li><ul><li> Os 22 milhões de portadores de AIDS na África representam 65% das pessoas atingidas pelo vírus no mundo todo.
  • 93. Conflitos bélicos  De cada 10 pessoas que morrem em conflitos bélicos, 9 são civis.
  • 94. No fim do séc. XX  2 milhões de crianças morreram em conflitos armados; 4 ou 5 milhões ficaram inválidas, 12 milhões sem casa e 10 milhões traumatizadas.
  • 95. Há mais de 110 milhões de minas ativas em 68 países no mundo.
  • 96. Cálculo geral (somando-se os conflitos armados na Chechênia, Bósnia, Somália, Afeganistão e Siri Lanka)  100 milhões de pessoas envolvidas em conflitos civis e fome.
  • 97. Recessão econômica e pagamento de dívida externa  aumento da pobreza na periferia capitalista.</li></li></ul><li>AS GUERRAS DO FIM DO MUNDO<br /><ul><li> Século XX: duas grandes guerras (1914 – 1945).
  • 98. EUA: maior protagonista, sem ter que amargar conflitos bélicos em seu território.
  • 99. Final do século XX: 50 conflitos armados.
  • 100. Desde 1945, final da 2ª G.M., eclodiram 160 conflitos no mundo  40 milhões de mortos: </li></ul>10 milhões soldados,<br />30 milhões civis,<br />2 milhões crianças.<br />FOLHA EM ANEXO: <br /><ul><li>EUA: “Senhor das Armas” (40% total armas vendidas no mundo)
  • 101. Milênio de guerras: quadro com número de mortos em cada guerra do século XX.</li></li></ul><li>MAQUIAVEL...<br />“A guerra – continuação política por outros meios – tornou-se um fim em si mesma, uma atividade que se auto-alimenta, por sua própria característica de destruição das mercadorias que produz, promovendo novas demandas. Uma atividade viciada pelos interesses e lucros que a permeiam. Fazer a guerra passou a ser instrumento de afirmação da hegemonia, da força política, mais ainda quando, ao lado da superioridade militar, se detém o controle dos grandes meios de comunicação. Faz-se a guerra e se dá a versão da guerra”. (p. 114) <br />
  • 102. QUE SÉCULO FOI ESTE?<br />FOI, SEM DÚVIDA, O SÉCULO DO CAPITALISMO NORTE-AMERICANO.<br /><ul><li> Os EUA tiveram projeção mundial a partir da 1ª GM, reafirmaram a hegemonia na 2ª GM e disputaram com a URSS socialista (Guerra Fria).
  • 103. Século XX, para Hobsbawm: “A Era dos Extremos”.
  • 104. Século XX: produziu catástrofes humanas, as maiores fome e o genocídio sistemático.
  • 105. Ao mesmo tempo, foi o século da tecnologia, da modernização da vida: período conhecido como Belle Époque.</li></li></ul><li>ENFIM ...<br />“Nada indica que a humanidade esteja condenada a viver no capitalismo ao longo de todo o século XXI ou que, ao contrário, caminhe necessariamente para o socialismo. O que o século mostrou de mais evidente é que a história é um processo aberto, em que os homens não estão condenados a viver em nenhum tipo de sociedade em particular. É a ação, consciente ou não, dos homens que decide o seu destino, a partir das condições já existentes”. (p. 129)<br />
  • 106.  QUE TIPO DE IMPERIALISMO DOMINA O MUNDO NO COMEÇO DO NOVO SÉCULO? <br /><ul><li> SÉCULO XX  CAPITALISMO X SOCIALISMO. </li></ul> A CONTINUIDADE DAS CONTRADIÇÕES DO CAPITALISMO.<br /> POR UMA SOCIEDADE MAIS JUSTA, DE COLABORAÇÃO E DE FRATERNIDADE. <br />Bibliografia:<br />SADER, Emir. Século XX Uma Biografia não-autorizada. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2000.<br />

×