A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
FATORES PARA IMLANTAÇÃO INDUSTRIAL <ul><li>Fatores histórico-econômicos (mão-de-obra, capital, mercado consumidor - intern...
CARACTERÍSICA DA INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA <ul><li>INDUSTRIALIZAÇÃO TARDIA </li></ul><ul><li>Os países subdesenvolvidos,...
FASES DA INDUSTRIALIZAÇÃO DO BRASIL <ul><li>1a fase: 1822 a 1930   </li></ul><ul><li>Período de reduzida atividade industr...
2a fase: 1930 a 1956  <ul><li>O ano de 1930 é considerado por alguns autores como o da &quot;Revolução Industrial&quot; no...
No segundo governo Vargas (1950-1954) a industrialização se consolidou, fortalecida por uma política nacionalista. A campa...
3a fase: 1956 a 1989  <ul><li>Aliança entre o capital estatal e o capital estrangeiro.  </li></ul><ul><li>O governo Juscel...
Parque Industrial (Gilberto Gil) Retocai o céu de anil Bandeirolas no cordão Grande festa em toda a nação Despertai com or...
 
JK dirige o L-312, primeiro caminhão da Mercedes-Benz no Brasil. 1956.  Área de produção da Mercedes-Benz em São Bernardo ...
4a fase: 1989 a ... <ul><li>Neoliberalismo: Esta fase iniciada no Governo Collor com continuidade até o Governo Fernando H...
Leilão de Privatização na Bolsa de Valores do Rio de Janeiro. desempregado consulta o jornal em busca de colocação.  A déc...
 
 
Brasil: Distribuição dos estabelecimentos industriais, pessoal ocupado e valor da produção industrial por região Tendência...
OS FATORES LOCACIONAIS <ul><li>Fatores locacionais devem ser entendidos como as vantagens que um determinado local pode of...
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA <ul><li>Pensar na origem da indústria no Brasil, tem que se incluir necessariamente, a econo...
OS PRINCIPAL CENTRO INDUSTRIAL DO BRASIL A REGIÃO SUDESTE <ul><li>Causas da concentração industrial na Região: </li></ul><...
A DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL NO BRASIL O QUE SIGNIFICA ISSO? Significa que as indústrias estão se espalhando mais pelo paí...
A DESCENTRALIZAÇÃO INDUSTRIAL   <ul><li>Atualmente, seguindo uma tendência mundial, o Brasil vem passando por um processo ...
Cont... <ul><li>Dentro da Região Sudeste há uma tendência de saída do ABC Paulista, buscando menores custos de produção do...
Cont... <ul><li>A desconcentração industrial entre as regiões vem determinando o crescimento de cidades-médias dotadas de ...
 
CONTEXTUALIZAÇÃO DO TEMA Abertura Econômica  e  Plano Real Custos Produtividade Lucratividade Inovações Reestruturação Pro...
 
MODELOS PRODUTIVOS ( Da Segunda revolução industrial à revolução Técnico-científica) . <ul><li>TAYLORISMO </li></ul><ul><l...
FORDISMO <ul><li>Produção e consumo em massa. </li></ul><ul><li>Extrema especialização do trabalho. </li></ul><ul><li>Rígi...
PÓS-FORDISMO <ul><li>Estratégias de produção e consumo em escala planetária. </li></ul><ul><li>Valorização da pesquisa cie...
CLASSIFICAÇÃO DAS INDÚSTRIAS <ul><li>As indústrias podem ser classificadas com bases em vários critérios, em geral o mais ...
Indústrias de bens de capital ou intermediárias : <ul><li>são aquelas que produzem equipamentos necessários para o funcion...
Indústrias de bens de consumo : <ul><li>são aquelas que produzem bens para o consumidor final, a população comum, elas sub...
CLASSIFICAÇÃO DAS INDÚSTRIAS <ul><li>As indústrias podem ser classificadas com bases em vários critérios, em geral o mais ...
<ul><li>c .1)  Bens duráveis : as que produzem bens para consumo a longo prazo, como automóveis. </li></ul><ul><li>c.2)  B...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

A grande concentração industrial na região sudeste

56,677

Published on

Apresenta o processo de industrialização do Brasil, bem como o atual processo de deseconomia de escala do país.

Published in: Education
2 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
56,677
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
7
Actions
Shares
0
Downloads
787
Comments
2
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

A grande concentração industrial na região sudeste

  1. 1. A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
  2. 2. FATORES PARA IMLANTAÇÃO INDUSTRIAL <ul><li>Fatores histórico-econômicos (mão-de-obra, capital, mercado consumidor - interno e externo - tecnologia, transportes etc.); </li></ul><ul><li>Fatores naturais, isto é, aqueles que derivam das condições naturais de uma certa área ou região (matérias-primas e fontes de energia, por exemplo). </li></ul>
  3. 3. CARACTERÍSICA DA INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA <ul><li>INDUSTRIALIZAÇÃO TARDIA </li></ul><ul><li>Os países subdesenvolvidos, outrora agrupados dentro do &quot;Terceiro Mundo&quot;, tiveram uma industrialização bem posterior ao nascimento das grandes potências industriais. Esse processo consolidou-se fundamentalmente logo após a 2.a Guerra Mundial. </li></ul><ul><li>INDUSTRIALIZAÇÃO SUBSTITUTIVA </li></ul><ul><li>- atuação do Estado na infra-estrutura e na indústria de base; - estratégia de &quot;substituição de importações&quot;, através de políticas protecionistas (restringindo as importações de bens industriais) e fomento à nascente indústria nacional; </li></ul><ul><li>INDUSTRIALIZAÇÃO DEPENDENTE </li></ul><ul><li>estímulo à implantação de filiais das empresas transnacionais ou multinacionais, principalmente no setor de bens de consumo duráveis (automobilísticas e eletro-eletrônicas, por exemplo); - produção voltada essencialmente para o mercado interno. </li></ul>
  4. 4. FASES DA INDUSTRIALIZAÇÃO DO BRASIL <ul><li>1a fase: 1822 a 1930 </li></ul><ul><li>Período de reduzida atividade industrial, dado à característica agrário-exportadora do país. Nessa fase, no entanto, ocorrem dois fatos que facilitam a industrialização futura: a Abolição da Escravatura e a entrada de imigrantes, que vão servir e mão-de-obra. </li></ul>
  5. 5. 2a fase: 1930 a 1956 <ul><li>O ano de 1930 é considerado por alguns autores como o da &quot;Revolução Industrial&quot; no Brasil. Efetivamente é o ano que marca o início da industrialização (processo através do qual a atividade industrial vai se tornar a mais importante do país). </li></ul><ul><li>Crise de 1929 e pela Revolução de 1930). </li></ul><ul><li>&quot;Substituição de importações&quot;. </li></ul><ul><li>Estado começa a alterar o quadro, com o Governo Vargas criando as empresas estatais do setor de base, como a CSN (siderurgia), PETROBRÁS e a CVRD (mineração). </li></ul>
  6. 6. No segundo governo Vargas (1950-1954) a industrialização se consolidou, fortalecida por uma política nacionalista. A campanha &quot;O Petróleo é Nosso&quot; garantiu o monopólio estatal e a criação da Petrobrás (1953). Em Minas foi inaugurada a Cia. Siderúrgica Mannesmann (agosto de 1954), com a presença do Presidente Getúlio Vargas, a última solenidade a que compareceu antes de morrer. Petróleo jorrando na Bahia. C. 1950. Acervo Departamento Nacional do SESI Inauguração da Cia. Siderúrgica Mannesmann, agosto de 1954. Acervo Centro de Memória.
  7. 7. 3a fase: 1956 a 1989 <ul><li>Aliança entre o capital estatal e o capital estrangeiro. </li></ul><ul><li>O governo Juscelino Kubitschek dá início a chamada &quot;Internacionalização da Economia&quot;, com a entrada de empresas transnacionais, notadamente do setor automotivo. </li></ul><ul><li>Continuidade durante a Ditadura Militar (1964 a 1985). </li></ul><ul><li>Modernização Conservadora: Governo Médici, período do &quot;Milagre Brasileiro&quot;, que determinou crescimento econômico, mas também aumento da dívida externa e concentração de renda. </li></ul>
  8. 8. Parque Industrial (Gilberto Gil) Retocai o céu de anil Bandeirolas no cordão Grande festa em toda a nação Despertai com orações O avanço industrial Vem trazer nossa redenção Tem garotas propaganda Aeromoças e ternura no cartaz Basta olhar na parede Minha alegria num instante se refaz Pois temos o sorriso engarrafado Já vem pronto e tabelado É somente requentar e usar É somente requentar e usar O que é made, made, made Made in Brazil O que é made, made, made Made in Brazil Retocai o céu de anil Bandeirolas no cordão Grande festa em toda a nação Despertai com orações O avanço industrial Vem trazer nossa redenção A revista moralista Traz uma lista dos pecados da vedete E tem jornal popular que Nunca se espreme Porque pode derramar É um banco de sangue encadernado Já vem pronto e tabelado É somente folhear e usar É somente folhear e usar O que é made, made, made Made in Brazil O que é made, made, made Made in Brazil O que é made, made, made Made in Brazil Made in Brazil
  9. 10. JK dirige o L-312, primeiro caminhão da Mercedes-Benz no Brasil. 1956. Área de produção da Mercedes-Benz em São Bernardo do Campo, São Paulo, 1959. Acervo Departamento Nacional do SESI. A produção de veículos automotores foi impulsionada na década de 1950, com a instalação de diversas montadoras, produzindo automóveis, ônibus, caminhões e tratores. À medida que a indústria crescia, a urbanização se acelerava e novas transformações sociais mudavam a &quot;cara&quot; do Brasil.
  10. 11. 4a fase: 1989 a ... <ul><li>Neoliberalismo: Esta fase iniciada no Governo Collor com continuidade até o Governo Fernando Henrique </li></ul><ul><li>Repercussões no setor secundário da economia. </li></ul><ul><li>O modelo neoliberal adotado determinou a privatização de quase todas as empresas estatais, tanto no setor produtivo, como as siderúrgicas e a CVRD, quanto no setor da infra-estrutura e serviços, como o caso do sistema Telebrás. </li></ul>
  11. 12. Leilão de Privatização na Bolsa de Valores do Rio de Janeiro. desempregado consulta o jornal em busca de colocação. A década de 1990 foi marcada por profundas mudanças na economia brasileira. Ocorreu uma brusca abertura do mercado interno, grande parte do setor estatal foi privatizado, e as indústrias passaram por um grande processo de desnacionalização, aumento da automação e da produtividade industrial, buscando a inserção no mercado globalizado. Esse processo vem sendo difícil para os brasileiros, especialmente em função do crescimento do desemprego industrial.
  12. 15. Brasil: Distribuição dos estabelecimentos industriais, pessoal ocupado e valor da produção industrial por região Tendências da industrialização no Brasil 100% 100% 100% BRASIL 1,9% 2,5% 3,2% NORTE 1,2% 1,8% 4,2% CENTRO-OESTE 7,7% 10,0% 14,3% NORDESTE 16,2% 19,4% 20,3% SUL 73% 66,3% 58% SUDESTE Valor da produção industrial Pessoal ocupado Estabelecimentos industriais Regiões
  13. 16. OS FATORES LOCACIONAIS <ul><li>Fatores locacionais devem ser entendidos como as vantagens que um determinado local pode oferecer para a instalação de uma indústria. </li></ul><ul><li>Podem ser eles: </li></ul><ul><li>Matéria prima abundante e barata; </li></ul><ul><li>Mão de obra abundante e barata; </li></ul><ul><li>Energia abundante e barata; </li></ul><ul><li>Mercados consumidores; </li></ul><ul><li>Infra-estrutura; </li></ul><ul><li>Vias de transporte e comunicações; </li></ul><ul><li>Incentivos fiscais; </li></ul><ul><li>Legislações fiscais, tributárias e ambientais amenas. </li></ul>
  14. 17. A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA <ul><li>Pensar na origem da indústria no Brasil, tem que se incluir necessariamente, a economia cafeeira desenvolvida no pais durante o século XlX e boa parte do XX, pois ela foi quem deu as bases para o surgimento da indústria no país, que começou a ocorrer ainda na Segunda metade do século XlX. Dentre as contribuições da economia cafeeira para a industrialização, podemos mencionar: </li></ul><ul><li>a)  Acumulação de capital necessário para o processo; </li></ul><ul><li>b)  Criação de infra-estrutura; </li></ul><ul><li>c)   Formação de mercado de consumo; </li></ul><ul><li>d)  Mão de obra utilizada, especialmente os migrantes europeus não portugueses, como os italianos. </li></ul>
  15. 18. OS PRINCIPAL CENTRO INDUSTRIAL DO BRASIL A REGIÃO SUDESTE <ul><li>Causas da concentração industrial na Região: </li></ul><ul><li>Acumulação de capital proveniente do café; </li></ul><ul><li>Desenvolvimento das cidades; </li></ul><ul><li>Infra-estrutura criada no auge do período cafeeiro; </li></ul><ul><li>Declínio do café na década de 1930. </li></ul><ul><li>Características gerais: </li></ul><ul><li>Indústrias mais concentradas no estado de São Paulo rodovias ; </li></ul><ul><li>Parque industrial diversificado; </li></ul><ul><li>Tecnopólos: Universidades e Centros de Pesquisa; </li></ul><ul><li>Disponibilidade de energia: Usinas Hidrelétricas, Petróleo, Minerais Metálicos (quadrilátero ferrífero). </li></ul>
  16. 19. A DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL NO BRASIL O QUE SIGNIFICA ISSO? Significa que as indústrias estão se espalhando mais pelo país. QUAIS SÃO AS CAUSAS DESSA DESCONCENTRAÇÃO? <ul><li>Necessidade de redução de custos; </li></ul><ul><li>Vantagens oferecidas por outros estados  GUERRA FISCAL; </li></ul><ul><li>Implantação do Mercosul; </li></ul><ul><li>Inovações tecnológicas; </li></ul><ul><li>Infra-estrutura em outras regiões. </li></ul>A DESCONCENTRAÇÃO RELATIVA - Movimento de ida das fábricas das capitais para o interior; - Predomina em São Paulo  “desconcentração concentrada” - Os centros de gestão da produção industrial, escritórios e sedes das empresas permanecem na região Sudeste, principalmente em São Paulo.
  17. 20. A DESCENTRALIZAÇÃO INDUSTRIAL <ul><li>Atualmente, seguindo uma tendência mundial, o Brasil vem passando por um processo de descentralização industrial, chamada por alguns autores de desindustrialização, que vem ocorrendo intra-regionalmente e também entre as regiões. </li></ul>
  18. 21. Cont... <ul><li>Dentro da Região Sudeste há uma tendência de saída do ABC Paulista, buscando menores custos de produção do interior paulista, no Vale do Paraíba ao longo da Rodovia Fernão Dias, que liga São Paulo à Belo Horizonte. Estas áreas oferecem, além de incentivos fiscais, menores custos de mão-de-obra, transportes menos congestionados e por tratarem-se de cidades-médias, melhor qualidade de vida, o que é vital quando trata-se de tecnopólos. </li></ul>
  19. 22. Cont... <ul><li>A desconcentração industrial entre as regiões vem determinando o crescimento de cidades-médias dotadas de boa infra-estrutura e com centros formadores de mão-de-obra qualificada, geralmente universidades. Além disso, percebe-se um movimento de indústrias tradicionais, de uso intensivo de mão-de-obra, como a de calçados e vestuários para o Nordeste, atraídas sobretudo, pela mão-de-obra extremamente barata. </li></ul>
  20. 24. CONTEXTUALIZAÇÃO DO TEMA Abertura Econômica e Plano Real Custos Produtividade Lucratividade Inovações Reestruturação Produtiva e Organizacional <ul><li>Deseconomias de aglomeração </li></ul><ul><li>Outras cidades desenvolveram infra-estrutura. </li></ul><ul><li>Expansão da fronteira agrícola e mineral. </li></ul><ul><li>Incentivos Fiscais </li></ul><ul><li>Evolução da urbanização do país e dos mercados de consumo final </li></ul>Estratégias Desconcentração Industrial Determinantes Espaciais
  21. 26. MODELOS PRODUTIVOS ( Da Segunda revolução industrial à revolução Técnico-científica) . <ul><li>TAYLORISMO </li></ul><ul><li>Separação do trabalho por tarefas e níveis hierárquicos. </li></ul><ul><li>Racionalização da produção. </li></ul><ul><li>Controle do tempo. </li></ul><ul><li>Estabelecimento de níveis mínimos de produtividade. </li></ul>
  22. 27. FORDISMO <ul><li>Produção e consumo em massa. </li></ul><ul><li>Extrema especialização do trabalho. </li></ul><ul><li>Rígida padronização da produção. </li></ul><ul><li>Linha de montagem. </li></ul>
  23. 28. PÓS-FORDISMO <ul><li>Estratégias de produção e consumo em escala planetária. </li></ul><ul><li>Valorização da pesquisa científica. </li></ul><ul><li>Desenvolvimento de novas tecnologias. </li></ul><ul><li>Flexibilização dos contratos de trabalho. </li></ul>
  24. 29. CLASSIFICAÇÃO DAS INDÚSTRIAS <ul><li>As indústrias podem ser classificadas com bases em vários critérios, em geral o mais utilizado é o que leva em consideração o tipo e destino do bem produzido: </li></ul><ul><li>Indústrias de base : são aquelas que produzem bens que dão a base para o funcionamento de outras indústrias, ou seja, as chamadas matérias primas industrias ou insumos industriais, como o aço. </li></ul>
  25. 30. Indústrias de bens de capital ou intermediárias : <ul><li>são aquelas que produzem equipamentos necessários para o funcionamento de outras indústrias, como as de máquinas. </li></ul>
  26. 31. Indústrias de bens de consumo : <ul><li>são aquelas que produzem bens para o consumidor final, a população comum, elas subdividem-se em: </li></ul><ul><li>c .1) Bens duráveis : as que produzem bens para consumo a longo prazo, como automóveis. </li></ul><ul><li>c.2) Bens não duráveis : as que produzem bens para consumo em geral imediato, como as de alimentos. </li></ul>
  27. 32. CLASSIFICAÇÃO DAS INDÚSTRIAS <ul><li>As indústrias podem ser classificadas com bases em vários critérios, em geral o mais utilizado é o que leva em consideração o tipo e destino do bem produzido: </li></ul><ul><li>Indústrias de base : são aquelas que produzem bens que dão a base para o funcionamento de outras indústrias, ou seja, as chamadas matérias primas industrias ou insumos industriais, como o aço. </li></ul><ul><li>Indústrias de bens de capital ou intermediárias : são aquelas que produzem equipamentos necessários para o funcionamento de outras indústrias, como as de máquinas. </li></ul><ul><li>Indústrias de bens de consumo : são aquelas que produzem bens para o consumidor final, a população comum, elas subdividem-se em: </li></ul>
  28. 33. <ul><li>c .1) Bens duráveis : as que produzem bens para consumo a longo prazo, como automóveis. </li></ul><ul><li>c.2) Bens não duráveis : as que produzem bens para consumo em geral imediato, como as de alimentos. </li></ul><ul><li>Se levarmos em consideração outros critérios como por exemplo: </li></ul><ul><li>1-Maneira de produzir: </li></ul><ul><li>Indústrias extrativas; </li></ul><ul><li>Indústrias de processamento ou beneficiamento; </li></ul><ul><li>Indústria de construção; </li></ul><ul><li>Indústria de transformação ou manufatureira. </li></ul><ul><li>2-Quantidade de matéria prima e energia utilizadas: </li></ul><ul><li>Indústrias leves; </li></ul><ul><li>Indústrias pesadas. </li></ul><ul><li>3-Tecnologia empregada: </li></ul><ul><li>Indústrias tradicionais; </li></ul><ul><li>Indústrias dinâmicas. </li></ul>
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×