Your SlideShare is downloading. ×
Meu primeiro beijo blog
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Meu primeiro beijo blog

1,075
views

Published on


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,075
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. MEU PRIMEIRO BEIJOANTÔNIO BARRETO
  • 2. Sequência de AprendizagemTurma 206Professores Cursistas:- Rosângela Silveira Vieira de Paula- Rosângela Barros Chiozzini- Rosane Casotti Câmara- Renata de Souza Pataro- Rosemari Garcia Estanho- Zeli Cordeiro de Novais Torrente
  • 3. Literatura na escola - 9º ano:Crônica de Antônio BarretoObjetivos- Estimular o gosto pela leitura;- Desenvolver a competência leitora;- Desenvolver a sensibilidade estética, a imaginação, acriatividade e o senso crítico;- Estabelecer relações entre o lido/vivido ou conhecido(conhecimento de mundo).
  • 4. Desenvolvimento:1ª Etapa: Sondagem oralPergunte se os alunos já ouviram falar do cronista AntônioBarreto.Conhecem alguma obra que ele publicou?E sobre Crônica, já ouviram falar?Onde nós encontramos esse tipo de texto?A partir desta primeira sondagem, inicie sua aula,apresentando à turma o escritor.
  • 5. BiografiaAntônio Barreto
  • 6. Antônio Barreto (Antônio de Pádua Barreto Carvalho) nasceu em Passos (MG)em 13 de junho de 1954. Reside em Belo Horizonte desde 1973. Morou tambémem algumas cidades do Oriente Médio, onde trabalhou como projetista deEngenharia Civil, na construção de estradas, pontes e ferrovias. Tem váriosprêmios nacionais e internacionais de literatura, para obras inéditas e publicadas,nos gêneros: poesia, conto, romance e literatura infanto-juvenil. Entre eles:Prêmio Jabuti (Câmara Brasileira do Livro - três vezes, oito vezes indicado), BolsaVitae de Literatura, Prêmio Remington, Bienal Nestlé de Literatura, Prêmio Minasde Cultura, Prêmio Nacional de Contos do Paraná, Prêmio “Guimarães Rosa” deromance, Prêmio “Emílio Moura” de poesia, Prêmio “Cidade de Belo Horizonte” -poesia e contos, Prêmio “João-de-Barro” de literatura infantil e juvenil , Prêmio“Carlos Drummond de Andrade” e “Manuel Bandeira” de poesia, UBE (SP), UBE(PE), UBE(RJ); Prêmio “Henriqueta Lisboa”, Prêmio “Petrobrás” de Literatura,Prêmio Nacional de Literatura/UFMG, Prêmio Bienal do Livro de BH, Prêmio BienalInternacional do Livro de SP, Prêmios de “Leitura Altamente Recomendável” paracrianças e jovens/FNLIJ-RJ, Prêmio “Tereza Martin” de Literatura, PrêmioInternacional da Paz/Poesia (ONU), Prêmio “Ezra Jack Keats” da Unesco/Unicef(EUA), Prêmios/ Obras/Catálogo do IBBY (Unesco) e Prêmios/Obras/CatálogosBienais Internacionais do Livro de Bratislava, Barcelona, Bolonha, Frankfurt eCidade do México. Participa também de várias antologias nacionais e estrangeirasde poesia e contos. Foi redator do Suplemento Literário de Minas Gerais, articulistae cronista do jornal Estado de Minas e da revista “Morada” (BH). Colabora comtextos críticos, poemas e artigos de opinião para “El Clarín” (Buenos Aires), “Ror”(Barcelona); “Zidcht” (Frankfurt), “Somam” (Bruxelas); ” : e outros periódicos.Atualmente coordena a Coleção “Para Ler o Mundo”, da Formato Editori.
  • 7. Curiosidades do vocabulário científicoSUBSTÂNCIASAs substâncias naturais podem ser classificadas em orgânicos e inorgânicos. Assubstâncias orgânicas são formadas a partir dos arranjos do elemento químicocarbono. O carbono é, por esse motivo, a base de todas as formas de vida queconhecemos.Substâncias Naturais OrgânicasOs açúcares, as proteínas e os lipídios são substâncias orgânicas encontradas nostecidos vivos.Glicose, sacarose, frutose, lactose, por exemplo, são substâncias empregadas pelaindústria alimentícia na fabricação de balas, bombons, biscoitos, bolos. A indústriafarmacêutica também as emprega. Essas substâncias são açúcares.Na agricultura, utilizam-se fertilizantes em cuja composição entra a uréia, umasubstância de origem animal -- apesar de poder ser produzida em laboratórios.Diariamente, consumimos produtos derivados do leite, um alimentoessencialmente orgânico. A indústria de cosméticos também usa substânciasorgânicas de origem animal e vegetal na fabricação de xampus, óleos, loções,cremes, sabonetes, etc. Na composição desses produtos também entramcompostos orgânicos sintéticos, como acontece com os detergentes, os pigmentosaromatizantes, etc.
  • 8. O que são bactérias?Bactérias são seres muito pequenos que, em sua maior parte, não podem ser vistosa olho nu. Apesar de seu tamanho, elas se multiplicam em grande velocidade, e,muitas delas, conhecidas como germes, são prejudiciais a saúde do homem, poispodem causar inúmeras doenças.Características e informações sobre as bactériasElas se encontram por toda parte, e há milhares delas no ar, na água, no solo e,inclusive, em nossos corpos. Contudo, nem todas são maléficas, há aquelas quedesempenham papéis extremamente úteis para muitas formas de vida, inclusivepara os seres humanos. No caso de plantas, como as ervilhas, elas se beneficiamdesta forma de vida, que habita em suas raízes dentro de pequenos caroços, emseu crescimento através da substância química que estas bactérias produzem.No solo existem bactérias que podem ser benéficas de várias maneiras, uma delasé ajudar as folhas velhas das plantas a apodrecerem fornecendo alimento às novasplantas. Entretanto, há certas bactérias que são daninhas aos vegetaisprejudicando-os a ponto de destruí-los.No caso dos seres humanos, elas podem ser combatidas através do usode antibióticos, que, quando usados conforme orientação médica, tem efeito eficazsobre os germes prejudiciais a saúde. Caso contrário, elas aumentarão rapidamenteampliando o número de colônias. Em muitos casos, elas podem ser transferidas depessoas para pessoas.
  • 9. BEIJOBeijo de língua movimenta 29 músculos, sendo17 nela mesmaO beijo é um termômetro dorelacionamento, sua ausênciapode sinalizar que a relaçãoestá se deteriorando e precisaser reavaliada e resgatada.Beijar é como dançar com umparceiro, quanto mais seconhece o outro e maior aintimidade, mais gostoso fica
  • 10. Um beijo de língua movimenta 29 músculos, sendo 17 nela mesma. Algunsestudiosos estimam que um beijo prolongado gaste entre 12 e 14 calorias.Cientistas afirmam que uma pessoa apaixonada tem seu corpo invadido por váriassubstâncias como a fenietilamina que está ligada a sensações de amor, dopaminaligada à emoção amorosa e as endorfinas ligadas ao prazer. Nessa química dobeijo os batimentos cardíacos podem aumentar de 70 para 150 bpm.Veja uns exemplos:Beijo superficial: quando os lábios dos amantes pouco se tocamBeijo chupada: quando um dos amantes leva o lábio inferior do outro entre osseus e o suga para dentro da sua boca com um movimento de chuparBeijo lambida: quando um dos amantes lambe os lábios do amante com a línguaBeijo apertado: acontece quando um dos amantes, segura o lábio inferior entreos lábios dele e aperta forte.Beijo direto: os lábios dos amantes ficam pressionados diretamente cara a cara.Uma variação é o beijo inclinado.
  • 11. Cuidados para um beijo prazerosoO primeiro cuidado essencial para que o beijo seja um encontroprazeroso, é uma boca com bom hálito e limpa. Por isso é tãoimportante a higiene bucal, mas se apesar de bom hábito dehigiene o mau hálito persistir, consulte um dentista ou ummédico.Fique atento se o parceiro não apresenta nenhuma bolinha,vermelhidão ou ferida, na boca, pois são indícios de doençastransmissíveis.
  • 12. A história do beijoNão se sabe ao certo quando e como surgiu o beijo na humanidade. Entreos romanos existiam três tipos de beijo: o trocado entre conhecidoschamado debasium; o dado apenas em amigos íntimos conhecido porosculum; e o beijo dos amantes conhecido como suavium.Entre os romanos o beijo fazia parte da demonstração de poder, pois osnobres mais influentes podiam beijar os lábios dos imperadores romanos,mas os menos importantes tinham de beijar suas mãos e os súditospodiam beijar apenas seus pés.Na Rússia o beijo também era fonte de poder, pois um beijo do czar erauma das mais altas formas de reconhecimento oficial.Os nobres franceses detinham o poder e podiam beijar as mulheres quequisessem no século XV.Os portugueses também abusavam de seu poder na época dodescobrimento do Brasil. O interessante é que as índias passavam malquando os portugueses a beijavam, elas tinham nojo desse contato debocas e línguas, pois entre os índios era considerado gostoso cheirar ocorpo. Ao cheirar o corpo do outro você inala os feronômios sexuais o queestimula o desejo.
  • 13. 2ª Etapa• Ativação de conhecimento de mundo• Antecipação ou predição de conteúdo• Checagem de hipóteseConhecimentos préviosAntes de ler a crônica faça perguntas aos alunos. Solicitar que façam olevantamento de hipóteses sobre o tema (Meu primeiro beijo) ejustifiquem essas respostas.O que o título do texto sugere?A experiência do primeiro beijo é boa ou ruim?O que vocês esperam desse título?Quem já beijou?Beijar tem haver com amor?
  • 14. Primeira impressãoLeitura atenta silenciosa do textoMeu Primeiro BeijoAntônio BarretoÉ difícil acreditar, mas meu primeiro beijo foi num ônibus, na volta da escola. Esabem com quem? Com o Cultura Inútil! Pode? Até que foi legal. Nem eu nem elesabíamos exatamente o que era "o beijo". Só de filme. Estávamos virgens nesseassunto, e morrendo de medo. Mas aprendemos. E foi assim...Não sei se numa aula de Biologia ou de Química, o Culta tinha me mandado umdos seus milhares de bilhetinhos:" Você é a glicose do meu metabolismo.Te amo muito!Paracelso"E assinou com uma letrinha miúda: Paracelso. Paracelso era outro apelido dele.Assinou com letrinha tão minúscula que quase tive dó, tive pena, instintomaternal, coisas de mulher...E também não sei por que: resolvi dar uma chancepra ele, mesmo sem saber que tipo de lance ia rolar.No dia seguinte, depois do inglês, pediu pra me acompanhar até em casa. Noônibus, veio com o seguinte papo:- Um beijo pode deixar a gente exausto, sabia? - Fiz cara de desentendida.
  • 15. Mas ele continuou:- Dependendo do beijo, a gente põe em ação 29 músculos, consome cerca de 12calorias e acelera o coração de 70 para 150 batidas por minuto. - Aí ele tomoucoragem e pegou na minha mão. Mas continuou salivando seus perdigotos:- A gente também gasta, na saliva, nada menos que 9 mg de água; 0,7 mg dealbumina; 0,18 g de substâncias orgânica; 0,711 mg de matérias graxas; 0,45 mgde sais e pelo menos 250 bactérias...Aí o bactéria falante aproximou o rosto do meu e, tremendo, tirou seus óculos,tirou os meus, e ficamos nos olhando, de pertinho. O bastante para que eudescobrisse que, sem os óculos, seus olhos eram bonitos e expressivos, azuis ebrilhantes. E achei gostoso aquele calorzinho que envolvia o corpo da gente. Elebeijou a pontinha do meu nariz, fechei os olhos e senti sua respiração ofegante.Seus lábios tocaram os meus. Primeiro de leve, depois com mais força, e entãonos abraçamos de bocas coladas, por alguns segundos.E de repente o ônibus já havia chegado no ponto final e já tínhamos transposto ,juntos, o abismo do primeiro beijo.Desci, cheguei em casa, nos beijamos de novo no portão do prédio, e aí ficamosapaixonados por vária semanas. Até que o mundo rolou, as luas vieram evoltaram, o tempo se esqueceu do tempo, as contas de telefone aumentaram,depois diminuíram... e foi ficando nisso. Normal. Que nem meu primeiro beijo. Masfoi inesquecível!BARRETO, Antônio. Meu primeiro beijo. Balada do primeiro amor. São Paulo: FTD, 1977. p.134-6.
  • 16. • Localização de informação• Comprovação de informações• GeneralizaçãoPerguntas sobre o textoVocês já conheciam o texto?O que acharam dele?Qual é o tema tratado no texto?Qual é o público alvo desse texto?Em que veículo ou instituição o autor publica seus textos?Com que finalidade?Quem lerá esse tipo de texto?Você consegue imaginar a idade das personagens da história? Por quê?Indique com passagens do texto onde aconteceu o primeiro beijo.O que você imagina ser “Cultura Inútil"
  • 17. • Produção de inferências locais• Produção de inferências globais• Recuperação de contato de produçãoLer novamente o texto em uma leitura compartilhadaQUESTÕES PARA SEREM FEITAS DURANTE A LEITURA PROGRESSIVA DOTEXTOA cada pergunta feita e resposta dada, solicitar dos alunos quejustifiquem essa resposta apontando no texto trechos que permitiram aele responder como fez. É importante focalizar os recursos linguísticosque permitiram as inferências e antecipações realizadas.Capacidades de Leitura priorizadas durante a leitura: realização deinferências e antecipações; articulação entre trechos do texto pararealização de reconstrução de informação semântica.
  • 18. Meu primeiro beijoAntônio BarretoÉ difícil acreditar, mas meu primeiro beijo foi num ônibus, na volta daescola. E sabem com quem? com o Cultura Inútil! Pode? Até que foi legal.Nem eu nem ele sabíamos exatamente o que era “o beijo”. Só de filme.Estávamos virgens nesse assunto, e morrendo de medo. Masaprendemos. E foi assim…1º Momentoa) Quem será o Cultura Inútil e por que o estranhamento?b) E foi assim como?c) Que pistas no texto te permitem fazer essa afirmação?Capacidades Tematizadas: antecipação de informações, realização deinferências locais.Não sei se numa aula de Biologia ou de Química, o Culta tinha memandado um dos seus milhares de bilhetinhos:
  • 19. 2º Momentoa) Quem é Culta?b) O que estaria escrito nesse bilhete?Capacidades Tematizadas:Estabelecer comparações com o novo trecho earticulando-os, de modo a reconstruir informaçõessemânticas.” Você é a glicose do meu metabolismo.
  • 20. 3º Momentoa) O que ele quis dizer com essa expressão?Capacidades Tematizadas: realização de inferências ; realização dereconstrução de informação semânticaTe amo muito!Paracelso”4º Momentoa) Quem era Paracelso?Capacidades Tematizadas: realização de inferências;E assinou com uma letrinha miúda: Paracelso. Paracelso era outroapelido dele. Assinou com letrinha tão minúscula que quase tive dó, tivepena, instinto maternal, coisas de mulher…E também não sei por que:resolvi dar uma chance pra ele, mesmo sem saber que tipo de lance iarolar.No dia seguinte, depois do inglês, pediu pra me acompanhar até emcasa. No ônibus, veio com o seguinte papo:
  • 21. 5º Momentoa) Qual foi o assunto desse papo?- Um beijo pode deixar a gente exausto, sabia? – Fiz cara dedesentendida.Mas ele continuou:6º Momentoa) O que ele disse?Capacidades Tematizadas: Realização de inferências globais; realizaçãode antecipações- Dependendo do beijo, a gente põe em ação 29 músculos, consomecerca de 12 calorias e acelera o coração de 70 para 150 batidas porminuto. – Aí ele tomou coragem e pegou na minha mão. Mas continuousalivando seus perdigotos:
  • 22. 7º Momentoa) Que situação está para acontecer?b) Por que você levantou essa hipótese?Capacidades Tematizadas: Realização de inferências globais; realizaçãode antecipações.- A gente também gasta, na saliva, nada menos que 9 mg de água; 0,7mg de albumina; 0,18 g de substâncias orgânica; 0,711 mg dematérias graxas; 0,45 mg de sais e pelo menos 250 bactérias…8º Momentoa) Será que sairá algum beijo?Capacidades Tematizadas: Realização de antecipações.Aí o bactéria falante aproximou o rosto do meu e, tremendo, tirou seusóculos, tirou os meus, e ficamos nos olhando, de pertinho. O bastantepara que eu descobrisse que, sem os óculos, seus olhos eram bonitos eexpressivos, azuis e brilhantes. E achei gostoso aquele calorzinho queenvolvia o corpo da gente. Ele beijou a pontinha do meu nariz, fechei osolhos e senti sua respiração ofegante. Seus lábios tocaram os meus.Primeiro de leve, depois com mais força, e então nos abraçamos debocas coladas, por alguns segundos.
  • 23. 9º Momentoa) O que será que vai acontecer agora?E de repente o ônibus já havia chegado no ponto final e já tínhamos transposto ,juntos, o abismo do primeiro beijo.10º Momentoa) E agora como terminará essa história?b) Por que você levantou essa hipótese?Capacidades Tematizadas:Realização de inferências locais e globais; realização de antecipações.Desci, cheguei em casa, nos beijamos de novo no portão do prédio, e aí ficamosapaixonados por vária semanas. Até que o mundo rolou, as luas vieram evoltaram, o tempo se esqueceu do tempo, as contas de telefone aumentaram,depois diminuíram…e foi ficando nisso. Normal. Que nem meu primeiro beijo. Masfoi inesquecível!a) As hipóteses levantadas por você corresponderam ao apresentado notexto?b) Que pistas levaram você a estas hipóteses?Capacidades Tematizadas:Verificação de inferências e antecipações realizadas, procurando corrigireventuais equívocos a partir da identificação das pistas que levaram àinadequação da resposta.BARRETO, Antônio. Meu primeiro beijo. Balada do primeiro amor. São Paulo: FTD, 1977. p. 134-6.
  • 24. • Recuperação do contextoExercícios:1. O texto que você leu faz parte da obra Balada do primeiro amor, deAntônio Barreto. Nele, a protagonista é uma adolescente, Larissa, queno trecho lido conta um momento importante de sua vida.a) Que momento é esse?b) Quando e onde aconteceu?c) Com quem ela viveu essa experiência?d) Qual o ponto de vista da narrativa: primeira ou terceira pessoa?Justifique com trechos do texto.e) Qual o efeito causado por essa escolha do ponto de vista?- Professor: na última pergunta, espera-se que o aluno perceba que, aocontar uma história em primeira pessoa, o autor consegue exprimirmais veracidade e mais emoção.
  • 25. 2. Releia o texto e procure pistas que o ajudem a responder asquestões abaixo.a) O que faz o menino ser chamado de “Cultura Inútil” e “Culta”?Justifique sua resposta.b) Quanto tempo se passou entre o recebimento do bilhete e oprimeiro beijo? Justifique.3. Como você pode constatar, no primeiro parágrafo, a narradora mudade opinião a respeito da experiência do primeiro beijo.a) Qual é o primeiro julgamento que ela faz? Retire do texto um trechoque ilustre sua resposta.b) E o segundo julgamento? Ilustre também com um trecho do texto.4. Aponte mudanças que ocorreram com a narradora-personagem emrelação ao menino.5. Que estratégia o menino usou para que a menina mudasse seucomportamento em relação a ele?
  • 26. 6. Releia “(...) tínhamos transposto, juntos, o abismo do primeiro beijo.” Aexpressão em negrito contém uma figura de linguagem.a) Que figura é essa?b) A que se refere essa figura?7. O que o trecho “(...) as contas do telefone aumentaram, depois diminuíram...”quer dizer?8. Que opção melhor retrata o tratamento dado ao sentimento amor no texto?a) O amor infinito, disposto a enfrentar qualquer barreira.b) O amor como sentimento não correspondido, vivido e sofrido por apenas umser.c) O amor como descoberta feita por dois seres, que vão tirando lições dashistórias vividas.d) O amor idealizado, perfeito, fruto de uma paixão ardente que nunca se acaba.9. No texto, não fica claro qual o desfecho da narrativa. A seu ver, comoterminou essa história?- Dê tempo para que os alunos façam as atividades e depois corrija essesexercícios oralmente. Ouça as respostas dadas por eles e complete-as, casonecessário.
  • 27. • Finalidades e metas da atividade de leituraLer para informar-se, ler para atualizar-se, ler para entreter-se.3ª Etapa• Intertextualidade• Percepção de outras linguagensFilme Meu primeiro amorhttp://www.youtube.com/watch?v=qShSJUklmaE
  • 28. PoemaUm beijo – Olavo BilacPublicado por: Mariana Treska, em 14 janeiro, 2010Foste o beijo melhor da minha vida,Ou talvez o pior…Glória e tormento,Contigo à luz subi do firmamento,Contigo fui pela infernal descida!Morreste, e o meu desejo não te olvida:Queimas-me o sangue, enches-me o pensamento,E do teu gosto amargo me alimento,E rolo-te na boca malferida.Beijo extremo, meu prêmio e meu castigo,Batismo e extrema-unção, naquele instantePor que, feliz, eu não morri contigo?Sinto-te o ardor, e o crepitar te escuto,Beijo divino! e anseio, delirante,Na perpétua saudade de um minuto…
  • 29. Musica: Já sei namorar(Tribalhista)Já sei namorarJá sei beijar de línguaAgora só me resta sonharJá sei onde irJá sei onde ficarAgora só me falta sairNão tenho paciência pra televisãoEu não sou audiência para a solidãoEu sou de ninguémEu sou de todo mundoE todo mundo me quer bemEu sou de ninguémEu sou de todo mundoE todo mundo é meu tambémJá sei namorarJá sei chutar a bolaAgora só me falta ganharNão tenho juízoSe você quer a vida em jogoEu quero é ser felizNão tenho paciência pra televisãoEu não sou audiência para a solidãoEu sou de ninguémEu sou de todo mundoE todo mundo me quer bemEu sou de ninguémEu sou de todo mundoE todo mundo é meu tambémTô te querendoComo ninguémTô te querendoComo Deus quiserTô te querendoComo eu te queroTô te querendoComo se quer(2x)