Eproinfo

2,378 views
2,345 views

Published on

0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
2,378
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
115
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Eproinfo

  1. 1. E. E. PROFª. MARIA MACHADO EQUIPE: ALVANI ÂNGELA ALVES FLÁVIO FONSECA JANICE FONSECA JOHN HENRIQUE LUCÍLIA MERCÊS RODE ROSANA SOUTO
  2. 2. ALCOOLISMO HISTÓRICO ÁLCOOL é uma palavra de origem árabe e quer dizer “coisa fina”, “coisa sutil”, “enganadora”. O Consumo de bebidas alcoólicas data de mais de três mil anos a. C., porém o termo “alcoolismo” foi usado pela primeira vez em 1854 por Magno Huss (Médico sueco). Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o alcoolismo é uma doença primária, crônica e progressiva que pode ser controlada (estacionada), mas não curada. Atinge o indivíduo físico, mental e espiritualmente. O sintoma mais evidente da doença é a dificuldade que o indivíduo tem de controlar a ingestão de bebida alcoólica após o primeiro gole.
  3. 3. Alcoólatra: É utilizado para designar aqueles indivíduos que bebiam abusivamente e que, por conta disto, tinham uma série de problemas decorrentes do álcool.  Alcoolista: Foi proposto pelos pesquisadores como estigmatizante, visto que, o termo coloca o indivíduo como alguém que tem afinidade pelo álcool. Forma de utillização é: dependente do álcool.
  4. 4.  Primeira fase: A pessoa bebe para relaxar; usa o álcool para se socializar; mente à respeito de seus hábitos em relação à bebida  Segunda fase: A pessoa precisa de cada vez mais álcool; surge a tolerância;  Terceira fase: A pessoa não consegue mais se controlar, não consegue parar; começa a ter amnésia; surgem problemas familiares, financeiros, no trabalho, relacionados com a própria saúde;
  5. 5. De acordo com o Ministério da Saúde, 80% de jovens entre 10 e 19 anos já usaram bebidas alcoólicas pelo menos uma vez; A dependência do álcool atinge cerca de 10% da população mundial; No Brasil os acidentes de trânsitos representam a primeira causa de morte entre jovens de 14 e 26 Anos; EPIDEMIOLOGIA
  6. 6. Dados estatísticos • O alcoolismo no Brasil atinge entre 10 a 20% da população. • O álcool é responsável por 60% dos acidentes de trânsito nas cidades brasileiras e aparece em 70% dos laudos cadavéricos das mortes violentas. • Estima-se que 1 em cada 3 leitos hospitalares no Brasil é ocupado em decorrência direta ou indireta do consumo abusivo de álcool. • De cada 11% de brasileiros alcoólatras, somente 1% consegue vaga para uma internação pelo Sistema Público de Saúde. Os demais vão para a rua ou morrem por falta de assistência nos hospitais públicos.
  7. 7. PRINCÍPIO ATIVO DO ÁLCOOL •ETANOL - presente nas bebidas alcoólicas, vem da fermentação microbiológica de açucares; •BEBIDAS DESTILADAS: maior teor alcoólico, 35% ( Whisky, vodka, aguardente etc..); •BEBIDAS NÃO DESTILADAS: menor teor alcoólico CERVEJA 4 a 5 % e VINHOS 12%; DROGA LÍCITA.
  8. 8. Bebida Porcentagem de Álcool Cerveja 5% Cerveja "light" 3,5% Vinho 12% Vinhos fortificados 20% Uísque, Vodka, Pinga 40%
  9. 9. 5%  provoca acidentes no trânsito, no trabalho e no lar por falta de reflexos; 15%  vira palhaço, faz macaquices; 20%  surge a fase da valentia, vira brigão; 30%  a fase do porco, cai e se suja todo; 40%  torna-se inconsciente, insensível, entra em coma e sofre de apagamento; 50%  morre.
  10. 10. •COMPORTAMENTO DESINIBIDO •DESCOORDENAÇÃO MOTORA •SENTIDOS PREJUDICADOS (Visão e audição) •FALA PASTOSA •DIFICULDADE DE LOCOMOÇÃO E DE •RACIOCÍNIO •SONOLÊNCIA, NÁUSEAS E VÔMITOS •COMA ALCOÓLICO, MORTE PRINCIPAIS EFEITOS
  11. 11. EFEITOS NO CORPO A)Cérebro: agressividade, irritação, depressão, alterações de humor, ansiedade, medos inexplicáveis, nervosismo, perda de auto-estima, alucinações, epilepsia, demência, "apagões", perda de memória, danos ao sistema nervoso, diminuição da concentração, danos à visão, dor de cabeça, insônia e impaciência.
  12. 12. EFEITOS NO CORPO B) Rosto: deterioração facial, irritação e inchaço nos olhos, envelhecimento prematuro, câncer na boca C) Garganta: câncer e tosse crônica D) Esôfago: câncer e varizes E) Estômago: inflamação, vômito, diarreia, deficiência de vitaminas e úlcera
  13. 13. EFEITOS NO CORPO F) Duodeno: úlcera G) Fígado: cirrose, câncer e hepatite H) Coração: cardiomiopatia, insuficiência cardíaca, pressão alta, taquicardia, fraqueza do músculo cardíaco, problemas de coagulação sanguínea I) Pâncreas: inflamação
  14. 14. J) Rins: defeito no funcionamento e infecção urinária K) Sistema reprodutivo: diminuição da fertilidade, diminuição do desempenho sexual em homens e mulheres e impotência (nos homens), aborto, desregulação na menstruação EFEITOS NO CORPO
  15. 15. EFEITOS NO CORPO L) Mãos: tremores, formigamento nos dedos, sensação de não sentir os dedos M) Pés: formigamento nos dedos, sensação de não sentir os dedos N) Pernas: enfraquecimento, levando a quedas, desidratação, hipoglicemia, degeneração muscular, obesidade e síndrome metabólica, diabetes
  16. 16. ELIMINAÇÃO DO ÁLCOOL Demora de 6 (seis) a 8 (oito) horas e é feita através : do fígado (90%)  da respiração (8%) da transpiração (2%)
  17. 17.  É causado por vários fatores: herança genética - de pais, avós ou  bisavós alcoólatras; fatores psicológicos - baixa auto-estima,  conflitos amorosos, vida estressante,  aceitação social do vício.
  18. 18. A maior parte dos alcoólatras começa a beber na infância ou adolescência. EDUCAR E PREVINIR
  19. 19. Fator psicofisiológico Hereditariedade Transtorno mental Doença física Tendência hedonista Fator social Exemplo familiar Estímulo grupal Profissão Vivência de solidão Fator cultural Tolerância da sociedade Publicidade
  20. 20. •FAMÍLIA •PROBLEMAS NO TRABALHO •HABITAÇÃO •DIFICULDADES FINANCEIRAS •CRIMES,INCLUINDO CRIMES VIOLENTOS E SEXUAIS •DIRIGIR ALCOOLIZADO •IMPACTO SOBRE A EDUCAÇÃO E O TREINAMENTO PROFISSIONAL ALCOOLISMO E COMPLICAÇÕES SOCIAIS
  21. 21. Causas O alcoólico tem necessidade de álcool porque: quer fugir às suas responsabilidades; sofre de angústia, é agressivo, resiste mal às frustrações e às tensões; o seu nível de consciência tende a levá-lo a uma conduta impulsiva; é negligente perante a família; tem frequentes perdas de emprego; tem problemas financeiros; sofre de agressividade perante a sociedade; tem dificuldade em colaborar.
  22. 22. Consequências Para além do sofrimento físico e psíquico que o álcool pode causar ao indivíduo, ele provoca ainda graves problemas sociais: Na família o alcoolismo provoca: - Discussões, maus tratos e más condições económicas (Os filhos são as principais vitimas). No trabalho o alcoolismo provoca: - Dificuldade de convívio; - Grande número de faltas e baixo rendimento; - Grande número de acidentes. Na sociedade o álcool é causa de: - Relações sociais violentas, crimes; - Grande número de acidentes de trânsito; -Grandes gastos em tratamentos, internamentos, reformas antecipadas.
  23. 23.  Ansiedade , depressão, baixa auto-estima, dificuldades de relacionamento  Mau desempenho escolar  Comportamento antissocial  Abuso físico e sexual  Ferimentos acidentais  Risco de alcoolismo posterior  Outros problemas posteriores (depressão, desarmonia conjugal
  24. 24. A maioria dos adolescentes é influenciada pela família e amigos a consumir bebidas alcoólicas e a bebida simboliza uma espécie de rito de passagem na transição da infância para a vida adulta.  Se é mau para o adulto, em geral, o abuso do álcool é pior ainda para o jovem e adolescente. Ao encontrar-se numa importantíssima fase do seu desenvolvimento físico e psicológico, a ingestão sistemática de bebidas alcoólicas vai provocar a construção continuamente adiada do adulto, do homem e do cidadão.  Quanto mais o jovem bebe, mais se vicia; quanto mais se vicia, menos se autonomiza; quanto menos se autonomiza, mais demora a separar-se da família e a tornar-se adulto.
  25. 25. FATORES DE RISCO * para o uso de drogas na adolescência: Baixa auto-estima Sintomas de depressão Intolerância a frustrações Problemas de saúde física, mental e emocional Pouca religiosidade Baixo comprometimento com a escola Evasão escolar Carência de vínculos familiares, escolares e comunitários Relacionamento deficitário com os pais Ausência de normas e regras claras Tolerância da família às infrações
  26. 26. FATORES DE RISCO * para o uso de drogas na adolescência Pais com comportamentos antissociais, sexualmente inadequados ou com doenças mentais Mãe solteira sem o apoio de outros familiares Uso ou dependência de álcool e outras drogas pelos pais Uso precoce de álcool, tabaco e outras drogas Conflito e/ou violência familiar Leis e normas sociais favoráveis ao uso Facilidade de acesso Serviços sociais e de saúde inadequados
  27. 27. 2. Quanto menor a informação do grupo social com o qual o jovem relaciona-se maior a influência deste sobre o jovem em relação ao consumo de álcool. Hipóteses 1. Quanto maior a propaganda televisiva maior o consumo de álcool. 3. Quanto maior a desestruturação familiar maior a propensão dos jovens ao consumo de álcool.
  28. 28. Sete mitos nos quais os anunciantes de álcool desejam que os adolescentes acreditem: 1. Todos bebem álcool; 2. Beber não traz riscos; 3. Beber ajuda a solucionar problemas; 4. O álcool é uma poção mágica que pode transformá-lo; 5. Esportes e álcool andam juntos; 6. Se álcool fosse realmente perigoso, não estaria sendo anunciado; 7. As companhias de bebida alcoólicas promovem apenas o beber com moderação (p. 397)
  29. 29. Grande parte dos acidentes de trânsito, comportamentos anti-sociais, violência doméstica, fim de relacionamentos, problemas no trabalho, como alterações na percepção, reação e reflexos, aumentando a chance de acidentes de trabalho, são provenientes do abuso de álcool.
  30. 30. ÁLCOOL – VERDADES E MENTIRAS O álcool é cercado de mito. Veja a seguir o que está comprovado e o que é falso.  Fontes: Universidade da Carolina do Norte (EUA) e Instituto Nacional de Alcoolismo e Instituto Nacional de Alcoolismo e Abuso de Álcool dos EUA
  31. 31. Beber melhora o desempenho sexual. Mentira. A bebida aumenta o desejo, mas estraga o desempenho dos homens. É fato que o álcool diminui inibições, inclusive as sexuais. Mas também faz cair a produção do hormônio masculino, a testosterona.
  32. 32. Mulher grávida não pode beber. Verdade. O álcool causa vários danos ao feto: retardamento mental, anormalidades orgânicas e problemas de aprendizado no futuro. Por isso , o melhor é não arriscar.
  33. 33. Misturar bebidas deixa o sujeito mais bêbado. Mentira. O que deixa o indivíduo mais embriagado é a quantidade de álcool que ingeriu, não o tipo de bebida. Tomar bebidas de sabores diferentes, uma em seguida à outra, pode deixar o beberrão apenas mais enjoado porque os diferentes sabores geralmente não combinam.
  34. 34. Comer antes de beber, ou durante, diminui o efeito do álcool. Verdade. Isso acontece porque a própria comida, quando encontra o álcool no estômago, absorve parte da substância. Evita que ele passe ao intestino delgado e, dali, chegue ao cérebro pela corrente sangüínea.
  35. 35. Tomar café ou banho gelado ajuda a ficar sóbrio. Mentira. É o fígado que metaboliza (transforma em outras substâncias) o álcool na corrente sangüínea. Nem café nem água gelada apressam o funcionamento dele.
  36. 36. As mulheres são mais vulneráveis ao álcool que os homens? De uma forma geral, sim. Elas atingem concentrações sanguíneas de álcool mais altas com as mesmas doses quando comparadas aos homens. Os homens têm mais água no corpo(61% a 52%).  Os homens produzem mais a enzima que quebra as moléculas de álcool.
  37. 37. Cerveja engorda e dá barriga? Apesar da quantidade de calorias presente nas bebidas alcoólicas , estudos populacionais mostram que homens que bebem têm, em média, o mesmo peso dos abstêmios. No caso das mulheres, até um pouco menos.
  38. 38. Pessoas que estão tomando medicamentos não devem beber? Mais de 150 medicamentos interagem com o álcool de maneira prejudicial ao organismo, o que pode resultar em doenças e até levar à morte. Que medicamentos mais interagem com o álcool? Os efeitos do álcool são potencializados por medicamentos que deprimem o sistema nervoso central (como as pílulas para dormir, os antidepressivos e até mesmo alguns analgésicos) e remédios para doenças como diabetes, pressão alta e problemas cardíacos.
  39. 39. Tratamento dos Alcoólicos Ambulatório – permite abordar o problema do álcool, possibilitando que o doente continue a ter a sua vida normal. Internamento – destina-se a pessoas que necessitam de mais tempo para efectuar o seu tratamento físico e para restabelecer o equilíbrio psicológico.
  40. 40. Tratamento O tratamento é fundamentado na aceitação da doença, enfrentamento e prevenção a recaída. Atualmente o tratamento do alcoolismo, envolvem duas etapas: • Desintoxicação e Reabilitação.
  41. 41. Recomenda-se durante o tratamento Alcoólicos Anônimos - Associações altamente positivas concomitantemente com um tratamento profissional. Terapias comportamentais cognitivas - Estratégias de autocontrole e automonitorização (recusa para aceitar bebidas) juntamente com aprendizagem de alternativas para enfrentamento de situações conflitivas. Terapia conjugal e familiar - No ambiente pós- tratamento, com enfoque para o relacionamento do paciente com familiares.

×