Indisciplina
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Indisciplina

on

  • 3,367 views

 

Statistics

Views

Total Views
3,367
Views on SlideShare
3,185
Embed Views
182

Actions

Likes
4
Downloads
126
Comments
0

7 Embeds 182

http://riscieriberto.blogspot.com 84
http://riscieriberto.blogspot.com.br 39
http://blogproinfo2012.blogspot.com.br 24
http://www.blogproinfo2012.blogspot.com.br 17
http://blogproinfo2012.blogspot.com 16
http://www.riscieriberto.blogspot.com 1
http://docenciainloco.com 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Indisciplina Indisciplina Presentation Transcript

  • Como se resolve a indisciplina?Não há soluçãofácil. Mas éessencial trabalhar- como conteúdosde ensino - asquestõesrelacionadas àmoral e ao convíviosocial e criar umambiente decooperação
  • As estratégias usadas atualmente porgrande parte dos professores para lidarcom a indisciplina têm sido desastrosas eestão na contramão do que osespecialistas apontam ser o maisadequado. O teste ao lado é uma forma demostrar que é preciso rever conceitos.Não se assuste se você pensou que algunsdos itens estivessem corretos - a maioriados docentes brasileiros tende aconcordar com eles. Pesquisa realizada em2008 pela Organização dos EstadosIbero-Americanos com cerca de 8,7 milprofessores mostrou que 83% delesdefendem medidas mais duras em relaçãoao comportamento dos alunos, 67%acreditam que a expulsão é o melhorcaminho e 52% acham que deveriaaumentar o policiamento nas escolas.
  • Se a repreensão funcionasse, aindisciplina não seria apontada como o "O problema é que asaspecto da Educação com o qual é intervenções são muitomais difícil lidar em sala de aula, pontuais e imediatistas. Ocomo mostrou outra pesquisa, da resultado é uma piora nasFundação SM, feita em 2007 com 3,5mil docentes de todo o país. Até relações entre alunos emesmo os alunos acreditam que o professores e,problema vem crescendo. Em consequentemente, noinvestigação feita em 2006 por Isabel comportamento da turma",Leme, da Universidade de São Paulo acredita Adriana de Melo(USP), com 4 mil estudantes dasredes pública e privada de São Paulo, Ramos, do Grupo de Estudomais de 50% deles afirmaram que os e Pesquisa em Educaçãoconflitos aumentaram mesmo nas Moral (Gepem), da Unesp,escolas que estão cada vez mais campus de Rio Claro.rígidas.
  • FALTA DE AUTORIDADEO que se espera da escola é conhecimento. É isso que faz o aluno respeitar o ambiente à sua volta. Se a aula está um tédio, ele vaiprocurar algo mais interessante para fazer.
  • Distinguir as regras morais das convencionais e discutí-las“As morais merecem mais atenção.“ Já as convencionaisestão mais ligadas ao andamento do trabalho. Aodistinguí-las, você será capaz de interpretar melhor umatransgressão e, assim, encaminhá-la. Não mentir é umexemplo clássico de regra moral. Quando algum alunomente, a solução passa por uma boa conversa.
  • DIDÁTICA INADEQUADANão adianta exigir que os alunos cumpram as tarefas sea estratégia de ensino e o tema não dizem nada a eles.
  • Equilibrar demaneira justasua reação aum problemaÉ sempre importanteavaliar a real gravidade datransgressão. Um exemplorelatado por Telmamostra como uma açãodesigual é temerosa. Elaconta que uma professoramandou para a diretoriaum jovem que se recusou atirar o boné. Logo depois,uma garota a procurou,dizendo ter sido xingadade "piranha". E ela disseapenas: "Não ligue. Vocênão é peixe".
  • Quando algo foge desseimaginado controle, oimpulso é mandar para adiretoria ou censurar. "Oideal é respirar, tentar secontrolar e reconhecerque o embate pertenceaos envolvidos. No caso deuma discussão mais quenteentre a garotada, ocaminho é relatar o quevocê viu com linguagemdescritiva e ouvir aspartes. "Peça que todoscontem como se sentirame por que discutiram. Issodemonstra respeito pelosvalores de cada um",sugere Vanessa Vicentin,da Universidade de Franca(Unifran).
  • REGRAS IMPOSTAS Quando a conversa é sempre proibida, você perde a chance de favorecer a troca de ideias.Seu papel na construção é conhecer como se dá a aprendizagem e, com base nessa compreensão, planejar as aulas, além de ter segurança sobre o conteúdo a ser trabalhado. A medida parece muito básica - e é. Ela vale para manter a disciplina e para chegar ao objetivo principal: fazer com que todos aprendam.
  • Um ponto de atenção: o desrespeito do professor emrelação aos alunos também alimenta a indisciplina. Quase25% dos estudantes afirmam ser vítimas disso de vez emquando - e mais de 12%, que o fato ocorre comfrequência. Quem nunca ouviu uma criança reclamando:"Nem me ouviu e já me colocou para fora"? Outrasituação corriqueira é a da desconfiança: "Você precisamesmo ir ao banheiro ou está querendo passear?"
  • Incentivar e respeitar a autonomia do alunoOs problemas de comportamento podem ser umjeito de as crianças mostrarem a você que umaregra é desnecessária ou não está funcionando. PROMOVA A COOPERAÇÃO O clima pautado na colaboração e no respeito é mais eficiente porque não expõe as crianças, como Calvin e Susi, ao medo das sanções
  • PRESERVE A AUTORIDADEEM VEZ DE RESOLVER A QUESTÃO, APROFESSORA DE CALVIN TRANSFERE OPROBLEMA PARA O DIRETOR QUE TINHAMUITO MENOS CONDIÇÕES DO QUE ELA DEINTERVIR NA SITUAÇÃO.
  • Ficar alerta porque a indisciplina nunca acabaEsse trabalho não tem fim. Mesmo que a equipe já esteja atenta ecapacitada para encarar a indisciplina sob esse prisma mais amplo, épreciso manter o tema vivo. Primeiro porque a escola está sempre emmovimento. A cada ano, chegam novos professores e alunos, quepodem não estar alinhados com essa visão. Segundo porquediferentes casos de indisciplina vão continuar aparecendo.