Your SlideShare is downloading. ×
2008 11-4-9-25-37-31 -testes_avaliacao_03
2008 11-4-9-25-37-31 -testes_avaliacao_03
2008 11-4-9-25-37-31 -testes_avaliacao_03
2008 11-4-9-25-37-31 -testes_avaliacao_03
2008 11-4-9-25-37-31 -testes_avaliacao_03
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

2008 11-4-9-25-37-31 -testes_avaliacao_03

1,606

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,606
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
32
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. TESTE 03NOME Nº TURMA I1. Analisa os documentos 1 e 2. Responde, depois, às questões de 1.1. a 1.6. Documento 1 Os Açores foram atravessados pelo Gordon, um furacão de categoria 1 (ventos acima de 119km/hora). A tempestade passou entre São Miguel e Santa Maria, o que evitou a catástrofe. Na semana seguinte, a depressão tropical Helene, voltou a ameaçar o arquipélago. O inesperado da ocor- rência de um furacão em águas portuguesas motivou alarmismo, mas não passou de um susto. Terá sido um acontecimento esporádico, ou serão os furacões mais uma consequência das alterações climáticas? Expresso, 2006 (adaptado) Documento 2 Em 2005, a Europa teve um ano de catástrofes excepcionais semelhantes aos Estados Unidos da América. O gráfico seguinte representa o número de situações de cheia, por conti- nente e por década. 350 Número de grandes cheias 300 250 200 150 100 50 ©Areal Editores 0 1950-1959 1960-1969 1970-1979 1980-1989 1990-2000 Europa América Ásia1.1. Define catástrofe natural.1.2. Para além das catástrofes mencionadas nos documentos, dá dois exemplos de catástrofes naturais.1.3. Refere o continente com maior número de cheias.1.4. Indica para a década 1950-1959: 1.4.1. o número aproximado de cheias na Ásia; 1.4.2. o número aproximado de cheias na Europa.1.5. Indica para a década 1990-2000: 1.5.1. o número aproximado de cheias na Ásia; 1.5.2. o número aproximado de cheias na Europa. NOVO DESCOBRIR A TERRA 8 | CADERNO DE APOIO AO PROFESSOR
  • 2. TESTE1.6. Utilizando os dados dos documentos 1e 2, responde à questão sublinhada no Documento 1.2. Um relatório entregue, pelos bombeiros chilenos que ajudaram a combater os incêndios de 2006, ao Presidente do Serviço Nacional de Bombeiros e Pro- tecção Civil, considera que em Portugal se gasta demasiada água na extin- ção de fogos, em vez de se investir no desbaste de arbustos e árvores para combater as chamas. O objectivo é rodear um incêndio com uma área sem vegetação. O gráfico seguinte ilustra a Área arborizada percorrida pelo fogo área arborizada percorrida % média de incidência, 1990-2000 (apr) pelo fogo em diferentes países. Portugal 2,2 Itália 1,4 Em 2005, em2.1. Indica o país com maior per- França 0,9 Europa Portugal, este valor centagem de área ardida. Grécia 0,6 atingiu 5,2%. Espanha 0,42.2. Dá uma possível explicação Rússia 0,1 Turquia 0,1 para o facto de um país, como, Canadá 0,7 por exemplo, o Canadá ter uma EUA 0,7 Outros percentagem de incêndios Chile 0,3 Austrália 0,2 inferior a Portugal. Marrocos 0,1 China 0,02.3. Menciona duas medidas de 0 0,5 1 1,5 2 2,5 protecção contra os incêndios florestais.3. O que todos os GEE têm em comum é o facto de permitirem que a radia- ção solar entre na atmosfera, mas retendo uma porção da radiação infravermelha que se destinava ao exterior da Terra. Uma determinada quantidade de GEE é benéfica, sem eles a temperatura média da superfí- cie terrestre rondaria os -18 °C e o nosso Planeta seria um local pouco agradável para viver. Observa a figura. 33.1. Diz o que significa a sigla GEE. 23.2. Propõe uma legenda para a figura.3.2.1. Explica o significado das setas 1, 2 e 3. 1 ©Areal Editores3.3. Relaciona o efeito de estufa com o aquecimento global.3.4. Refere duas medidas para travar o aquecimento global. NOVO DESCOBRIR A TERRA 8 | CADERNO DE APOIO AO PROFESSOR |
  • 3. TESTE4. Um estudo realizado na Holanda, mostra que o aquecimento global está a desequilibrar relações ecológicas entre as espécies. Os gráficos das fig. 1 e 2 mostram os resultados obtidos nesse estudo. Chegada das aves Eclosão dos ovos das aves Nascimento das larvas das lagartas 25 de Abril 3 de Junho Auge da chegada de aves Anterior auge da eclosão dos ovos das aves e época das lagartas 1 de Abril 1 de Maio 1 de Junho 1. Alterações nas estações verificadas em 1980. Chegada das aves Eclosão dos ovos das aves Nascimento das larvas das lagartas 25 de Abril 15 de Maio 25 de Maio Auge da chegada Novo auge Novo auge da época da eclosão das aves da época dos ovos das aves das lagartas ©Areal Editores 1 de Abril 1 de Maio 1 de Junho 2. Alterações nas estações verificadas em 2000.4.1. Indica a relação biótica existente entre as aves e as lagartas.4.1.1. Justifica a resposta.4.2. Menciona a data de chegada da maioria das aves.4.3. Relaciona a eclosão dos ovos das aves com a época das lagartas, em 1980.4.4. Relaciona a eclosão dos ovos das aves com a época das lagartas, em 2000.4.5. Dá uma possível explicação para a alteração do auge das lagartas de 3 de Junho, para 15 de Maio.4.6. Justifica a afirmação sublinhada. NOVO DESCOBRIR A TERRA 8 | CADERNO DE APOIO AO PROFESSOR
  • 4. TESTE5. Analisa os documentos 1 e 2. Responde, depois, às questões que se seguem. Documento 1 Para estabilizar as concentrações na atmosfera de gases com efeito de estufa, de modo a reduzir o impacte das alterações climáticas originadas pelo Homem, o Protocolo de Quioto tem como principal objectivo redu- zir as emissões destes gases. Assim, em 1998, quinze países da UE decidi- ram estabelecer o compromisso de reduzir em 8% as emissões de GEE. Os países mais pobres poderão aumentar as emissões e os países mais desenvolvidos suportarão os custos. Por exemplo, Portugal poderá aumentar as emissões em 27%, enquanto que a Alemanha tem que as reduzir em 21%. Países como a China podem emitir à vontade. Documento 2 O quadro que se segue mostra a evolução da concentração dos três prin- cipais gases com efeito de estufa na atmosfera. DIÓXIDO DE ÓXIDO METANO (CH4) CARBONO (CO2) NITROSO (N2O) Contribuição para o efeito de estufa com 60% 15% 5% origem humana – Agricultura e pecuá- – Solos agrícolas (fertilizan- – Queima de combus- ria (55%) tes): 52% Principais fontes tíveis fósseis – Combustíveis fósseis – Dejectos da pecuária: 26% – Desflorestações – Queima de biomassa – Queima de biomassa: 6% ©Areal Editores Tempo de vida 50 a 200 anos 10 anos 150 anos na atmosfera Taxa anual 0,5% 0,9% 0,3% de aumento5.1. Refere o principal objectivo do Protocolo de Quioto.5.2. Indica a percentagem total de GEE com origem na actividade humana.5.3. Menciona as principais fontes de GEE.5.3.1. Refere a principal fonte de óxido nitroso.5.4. Indica a taxa anual de aumento de CO2 e CH4.5.5. Explica, justificando, qual o GEE cuja concentração baixará mais rapidamente na atmosfera, se forem cumpridas as directrizes de Quioto.5.6. Comenta a afirmação: Segundo o Protocolo de Quioto, países como a China podem emitir GEE à vontade. NOVO DESCOBRIR A TERRA 8 | CADERNO DE APOIO AO PROFESSOR |
  • 5. TESTE6. Analisa o documento. Responde, depois, às questões que se seguem. Documento Os cursos de água e os oceanos são, desde os primórdios das civilizações, utilizados no transporte de pessoas e bens. Um dos produtos actualmente mais transportados, por via marítima, é o petróleo. O transporte de petróleo e seus derivados é a principal causa da poluição dos oceanos. Nos acidentes com petroleiros, para os quais contribui o envelhecimento da frota mundial, e na lavagem ilegal dos seus tanques, são derramadas enormes quantidades de petróleo que, flu- tuando, se alastra formando enormes manchas, as marés negras. Como o petróleo não se dissolve na água flutua à superfície prejudicando todos os seres vivos, mesmo os que vivem em profundidade, já que impedem a ©Areal Editores entrada dos raios solares. Nas zonas costeiras, as marés negras, para além de destruírem a fauna e a flora existentes, impedem a pesca e o turismo, porque a remoção do poluente é difícil e demorada.6.1. Refere o principal poluente dos oceanos.6.2. Define poluentes.6.3. Indica o que são marés negras.6.4. Explica por que razão as marés negras prejudicam os seres vivos que vivem em profundidade.6.5. Menciona as principais causas de derrames petrolíferos.6.6. Indica duas medidas de combate à poluição dos oceanos.7. Completa o texto, usando os seguintes termos: óxido nitroso; óxido de enxofre; chuva ácida; agricultura excessiva; poluentes; sobrepastagem; chuvas ácidas. O povo Saami da Lapónia cria renas de acordo com os métodos naturais de pasto. No entanto, devido ao número excessivo de animais reunido numa pequena área, as populações de ervas, ciperáceas e líquenes estão a desapa- recer devido à . As florestas e lagos da Lapónia encontram-se ameaça- dos pelas devido à emissão para a atmosfera de como o eo de .A pode também alterar a composi- ção química da água dos lagos, tornando-a inabitável. Também o estilo de vida nómada dos cerca de 2 milhões de pessoas que vivem no deserto do Sara está a ser destruído principalmente devido às fron- teiras artificiais que impedem os nómadas de atravessar diferentes países. O maior impacto sobre o deserto provém da junto aos seus limites, o que conduz à erosão do solo.8. Justifica a afirmação: “A verdade sobre a crise climática é inconveniente porque significa que vamos ter que mudar a maneira como vivemos” . | NOVO DESCOBRIR A TERRA 8 | CADERNO DE APOIO AO PROFESSOR

×