Governança de T.I. em entidades Públicas

113
-1

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
113
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
6
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Governança de T.I. em entidades Públicas

  1. 1. GOVERNANÇA DE T.I. EM ENTIDADES PÚBLICAS1ROKSON SILVA GONÇALVES 2RESUMOO artigo apresenta elementos para discussão teórica a respeito de me-todologias para gestão de tecnologia na informação em entidades pú-blicas, mais precisamente entidades executivas municipais. Aborda-gens como COBIT que são utilizadas normalmente em empresas pri-vadas podem ser adaptadas a este setor ocasionando uma melhora nagestão de tecnologia, facilitando assim a comunicação entre prefeiturae empresas locatárias de software. A discussão teórica foi embasadana visita em uma entidade pública a Prefeitura Municipal de Jaguaru-na.PALAVRAS-CHAVEGestão de T.I., metodologias, gestão pública.1 INTRODUÇÃOO setor público é uma área complexa de estudar devido a sua forma de adminis-tração, seus recursos e estrutura que muitas vezes se encontram precárias. Acompanhamosmuitas vezes pelos meios de comunicação escândalos de corrupção, desvios de recursos e má1Este artigo apresenta alguns dos elementos estudados no Curso “Governança de Tecnologia da Informação” efoi apresentado ao final do curso sob a orientação do Prof. MSc. Enzo de Oliveira Moreira.2Breve currículo que o(s) qualifique na área de conhecimento do artigo. O currículo, bem como os endereçospostal e eletrônico, devem aparecer em rodapé indicado por asterisco na página de abertura. Não deve ultra-passar 5 linhas.
  2. 2. 2administração nesta área, porém é um setor que devemos sempre dar uma atenção especial,pois estamos falando de interesse público, de cidadãos, pessoas que buscam a transparência eo bem- estar da sociedade.Devido à falta de organização deste setor em órgãos públicos quem também sofresão empresas locatárias de softwares de gestão pública, onde na falta de profissional qualifi-cado, ou de metodologias de trabalho ocasionam em uma maior dificuldade de suporte, admi-nistração e segurança de sistemas extremamente importantes.Esta dificuldade encontrada pelas empresas de softwares envolve diversos entes eorganizações como: locatárias de softwares, tribunal de contas, usuários, técnicos, analista deórgãos fiscalizadores e sociedade. Estes encontram dificuldades ao se depararem com a faltade uma metodologia e estruturas das T.I.‟s de Prefeituras Municipais.O presente estudo despertou interesse devido uma visão obtida de 4 anos de expe-riência no setor de T.I. em órgãos públicas e também na atual trajetória de trabalho que visa alocação de softwares de contabilidade, tributário, recursos humanos e educação para entidadepúblicas de esfera municipal, estadual e federal. O foco vai ser especialmente em órgãos exe-cutivos municipais do sul de Santa Catarina devido a atualiza vivência e também a experiên-cias anteriores, como caso de estudo vai ser adotado a Prefeitura Municipal de Jaguaruna dan-do enfoque no seu setor de T.I juntamente com o setor de contabilidade e seus sistemas.A decisão por analisar este tema em prefeituras do sul de Santa Catarina ocorreudevido à necessidade de aperfeiçoar e aumentar o resultado no suporte de sistemas em clientesdeste tipo. Buscar ideias e soluções vai contribuir para que ambas as partes possam realizar asatividades de interesse com maior qualidade e eficiência.Quando se trata de sistema de contabilidade pública os interessados não são so-mente empresas de softwares e entidades públicas e sim toda a sociedade buscando transpa-rência e eficiência na computação dos dados. O aumento da qualidade e eficácia do atendi-mento, suporte e software vai agilizar os processo contábeis, assim como o envio de dadospara tribunais de conta tendo assim um processo mais otimizado para que a sociedade possater acesso aos conteúdos públicos.Um projeto desta abrangência envolve uma série de fatores para que possa ser e-xecutado com máxima eficiência. Conforme Neto (1999) para um estrutura de T.I alguns pon-tos devem ser observados e implementados como: ter um nível de gerência no setor, alteração
  3. 3. 3no processo de trabalho para focar nos objetivos, mudança no perfil do profissional buscandose adequar as necessidades do setor. Sua viabilidade é excelente, pois melhorar este serviço écontribuir de forma direta para que os dados públicos tenha um melhor cuidado. O projetodeste porte nãot traria um alto custo e os benefícios seriam de muita importância.Este documento tem como objetivo estudar metodologias de gestão de T.I. paraaplicar em entidades públicas que possuem pouca estrutura e dificuldades de gerenciar estesetor. Facilitar a comunicação entre prefeituras e empresas locatárias de softwares para que osserviços possam ser agilizados e obter uma melhor qualidade e eficiência neste serviço. Dimi-nuir a dificuldade de comunicação entre empresa de software e prefeitura.De forma objetiva este estudo pretende conhecer estrutura e gestão de T.I. em umaentidade pública do sul Santa Catarina, estudar metodologias e abordagens de gestão de Tec-nologia da Informação, adequar abordagens existentes a realidade das prefeituras, alinhar ges-tão de T.I. com o negócio da empresa locatária de softwares de gestão pública, corrigir falhasde processos de gerenciamento interno na área de T.I. das prefeituras, aumentar eficiência equalidade de transparência pública, implantar política de segurança de informação.2 GESTÃO DE TECNOLGIA DA INFORMAÇÃO EM ENTIDADES EXECUTIVASMUNICIPAIS.Segundo Albano (2006, p.3), „‟o software de gestão, utilizado para atividades fins,é na maioria dos casos terceirizados ou vai ser terceirizado, o que está se tornando uma ten-dência nos órgãos públicos‟‟. Com esta afirmação é possível identificar a necessidade de asempresas privadas locatárias de software de gestão pública se preparem cada vez mais paraoferecer um serviço de qualidade e eficiente, porém tal preparação não pode vir somente dosetor privado, o setor público deve fazer sua parte. Tão importante quanto ter um software deum empresa preparada e estruturada é ter sua própria estrutura tecnológica juntamente comuma gestão eficiente, com abordagens e metodologias para otimizar os serviços do setor, pois,não adianta receber um serviço de qualidade se a estrutura não comporta tal eficiência.Quando o assunto é setor público as opiniões podem ser bem diversificadas, poiscom frequentes escândalos, greves entre outros fatores que assistimos diariamente na mídiaenvolvendo este órgão podem ocasionar em muitas desconfianças quando executado um pro-
  4. 4. 4jeto no mesmo. Quanto se trata em planejamento estratégico de tecnologia da informação den-tro de uma prefeitura, muitas pessoas podem não achar necessário ou até mesmo achar queinvestimentos para este fim seja um equívoco de aplicação de verbas, quando em dias atuaisse vivência grandes dificuldades de evolução de questões como saúde pública e educação. Agestão de tecnologia vai influencia em diversos assuntos de interesse público, seja direta ouindiretamente, imagine se dados são manipulado incorretamente, transferindo recursos dasaúde para outra área menos necessitada, com certeza esta situação seria descoberta antesmesmo de o recurso ser aplicado, porém os transtornos poderiam gerar atrasos e desconfortos.De acordo com Rezende, Denis e Guagliard (2007) O alinhamento entre TI e os planos e pla-nejamentos municipais pode constituir-se a partir das satisfatórias relações verticais, horizon-tais, transversais, dinâmicas e sinérgicas das funções municipais e dos recursos da tecnologiada informação. O alinhamento pode promover o ajuste ou a adequação operacional e estraté-gica das tecnologias disponíveis de todo município, como uma ferramenta de gestão munici-pal contemplada pelos conceitos de qualidade, produtividade, efetividade, perenidade, inteli-gência competitiva e inteligência municipal.Segundo a SISP (2012) a gestão de tecnologia da Informação está em crescenteevolução e o setor público não está fora, m bom exemplo de iniciativa é o portal SISP queatua na orientação e no processo de planejamento estratégico, na normalização, na gestão derecursos do Sistema, no incentivo de ações prospectivas e na disseminação de informações econhecimentos disponíveis a todos os seus órgãos participantes. Este é um projeto, onde seusconceitos devem ser observados atentamente, pois mesmo não tendo o foco de atender entida-des executivas municipais, a maiorias dos seus ponto e enfoques devem ser analisados e apli-cados em outras entidades públicas. Com um órgão de apoio às prefeituras a utilização deabordagens por estes entes poderia se tornar uma tarefa mais fácil além de efetuar uma padro-nização, irá fazer a disseminação deste conceito nas prefeituras.Um projeto de adequação de um modelo de governança de TI em um prefeito de-ve ser bem estudado, pois não é fácil, as dificuldades que serão encontradas vãs ser maiores ecom soluções mais difíceis quando comparado com empresa privada. De acordo com Fonseca(2010) cada área tem suas peculiaridades, por isso é preciso caracterizar com precisão cadauma. Na afirmação deste autor fica claro que independente do tipo de entidade é necessárioefetuar um estudo de todas as característica e necessidades, ou seja, ao adotar um modelo paradeterminada prefeitura o mesmo pode não surgir o mesmo efeito em outra, pois cada entidadevai ter suas particularidades, porém por se tratar de estrutura parecida é possível identificar
  5. 5. 5um modelo que possa se enquadrar em sua maioria e satisfazer as necessidades de gestão deT.I.De acordo com Gartlan e Shanks (2007) escolher uma abordagem para aplicar emuma prefeitura é necessário observar questões como alinhamento estratégico, onde o setor deT.I. terá que trabalhar em conjunto com os negócios da entidade, como montar planejamentospara operações frequentes, estabelecer prazos e metas para execução de serviços, efetuandouma gestão de recursos para buscar sempre implementar melhorias em aplicativos, pessoas eestrutura física. Outro ponto importante é efetuar a gestão de riscos, pois prefeituras contêmdados importantes e que não podem ser manipulados por qualquer usuário. Quando pensamosem estratégia de TI podemos alinhar os conceitos passados à seguinte afirmação: estratégia deT.I. é uma ferramenta estratégica usada para estruturar um caminho futuro e implicar o uso e agestão de recursos de T.I., relações negócio T.I. internas e externas e o fluxo e armazenamen-to de informações da organização.Para gestão de Tecnologia de informação temos algumas práticas que são adota-das no mercado, todas com enfoque em governança de tecnologia da informação. ConformeFonseca (2010, p.24)[...] as principais práticas em circulação no mercado são: a ITIL (Information Te-chnology Infrastructure Library), o COBIT (Control Objectives for Informationand Related Technology), a ASL (Apliction Services Library), o PMBOK (ProjectManagement Body of Knowledge), a SEIS SIGMA, a SAS 70 (Statements on Au-diting Standards), etc.Neste trabalho serão detalhadas apenas as práticas do PM-BOK, COBIT e ITIL.Escolher um modelo mais adequado para aplicar em uma prefeitura vai ser levadoem consideração alguns aspectos como facilidade de entendimento do modelo, menor requisi-ção de estrutura e o principal, um modelo que alinhe as necessidades de comunicação entreempresas de softwares e a entidades. Para escolher o melhor modelo é necessário verificar oconceito das abordagens que mais irão se enquadrar nestas características, vamos citar nesteartigo uma das práticas que é mais utilizadas e que permitem uma melhor adequação a cadacaso, que é o modelo COBIT.Vamos falar primeiramente do modelo COBIT(Control Objectives for Informati-on and Related Technology), este é uma abordagem orientada ao negócio com seu foco emgerenciamento dos processos se alinhando ao negócio da organização, é uns dos modelos
  6. 6. 6mais utilizado nos última anos e que tem como característica marcante um nível baixo de im-plantação. Conforme Efagundes (2013, p.1)O CobiT é um guia para a gestão de TI recomendado pelo ISACF (Information Sys-tems Audit and Control Foundation, www.isaca.org P. 1). O CobiT inclui recursostais como um sumário executivo, umframework, controle de objetivos, mapas de au-ditoria, um conjunto de ferramentas de implementação e um guia com técnicas degerenciamento. As práticas de gestão do CobiT são recomendadas pelos peritos emgestão de TI que ajudam a otimizar os investimentos de TI e fornecem métricas paraavaliação dos resultados. O CobiT independe das plataformas de TI adotadas nasempresas.Efagundes(2013), explica que o COBIT abrange 5 categorias que são eles: Princípios, políticas e quadros, onde se encontra meios de manifestarcomportamentos desejados em orientações práticas para o dia a dia degestão. Processos que descrevem o conjunto de práticas e atividades para chegarao seu objetivo; Estrutura organizacional, onde terá uma entidade para tomada de deci-sões; Cultura, a ética e comportamento, pois para a obtenção de sucesso é ne-cessário altear comportamento das pessoas aplicando uma cultura quepossa possibilitar a prática da abordagem; A informação, pois atividades técnicas e operacionais se devem manterem atividade em todo o momento não deixando o usuário sem sua execu-ção; Os serviços, a infraestrutura e as aplicações, onde é necessário que tenharecursos e os serviços estejam sempre disponíveis; As pessoas, Habilidade e competência são fatores essenciais para tomadade decisão e para aplicar um serviço de qualidade;Com as características descritas acima se pode observar que é possível implantartal prática em uma prefeitura, pois a mesma possui os requisitos como compreensão, e aplica-
  7. 7. 7ção não complexa, o que torna um projeto viável e de grande importância para todas as partesenvolvidas.3 EXECUÇÃO DE GOVERNÇA DE T.I. NA GESTÃO PÚBLICAAo efetuar uma visita no município de Jaguaruna constatamos que a mesma pos-sui um setor precário de Tecnologia, onde o mesmo é utilizado para pequenos suportes nasunidades pertencentes à prefeitura. Quando é necessário elaborar ajustes para suporte ou im-plantação de um sistema a empresa de softwares encontra grandes dificuldades, pois se deparacom estruturas precárias e profissionais não preparadas para organizar o setor de T.I. Comeste material elaborado é possível iniciar um pensamento diferente de comandar este setor,pois ao implantar uma abordagem neste órgão iria contribuir em diversos aspectos, não só nafacilidade de manter seus sistemas em pleno funcionamento.A forma desorganizada de trabalhar dentro do município é observada com o se-guinte caso ocorrido na mesma. Ao se deparar com o sistema sem funcionamento a empresalocatária do software foi constatada, onde a mesma identificou que o servidor não estava fun-cionamento de forma correta, os profissionais não possuem o conhecimento para efetuar umaconfiguração ou constatar falha do equipamento. Juntamente com esta questão entra a falta deorganização do setor, onde esta situação poderia ser evitado com a frequente manutenção doservidor, ou até mesmo montado um plano de troca ou monitoramento frequente do equipa-mento. Ao observar os princípios básicos do COBIT citados no capítulo anterior, esta situaçãopode ser evitada adotando os princípios de conjunto de práticas, plano de ação para manter osserviços sempre disponíveis ao usuário, infraestrutura e qualificação profissional.Como exemplo o caso exposto acima podemos afirmar que alguns prejuízos cau-sados ao usuário do sistema como a perda de prazo, pois o tribunal de contas é rigoroso quan-to ao envio de arquivos para prestação de contas, atraso no andamento das atividades, assimcomo a sua execução com mais calma, fazendo com que aumente a qualidade e inserindo da-dos mais precisos. De acordo com o site oficial da cidade, Jaguaruna tem cerca de 20 mil ha-bitantes cadastra muitos empenhos diariamente, para compras de matérias e pagamento defornecedores, uma pane desta ocasiona em prejuízos não só para a entidade como para seusfornecedores, parceiros e sociedade.
  8. 8. 8Os prejuízos exposto pode causar impactos cujos prejuízos podem ser irreversí-veis, porém e uma pequena cidade como a citada acima os prejuízos normalmente são meno-res ou são cotornáveis, agora imagine uma grande cidade que pode movimentar centenas ouaté milhares de dados diariamente, é possível não ter uma estrutura juntamente com uma a-bordagem eficiente para gestão tecnológica?4 CONCLUSÃOCom este documento foi possível entender melhor a realidade de uma prefeiturade nosso país, principalmente nos aspectos que envolvem a tecnologia. O conceito de adapta-ção de uma metodologia já existe no mercado é possível desde que seja aplicado de acordocom a realidade da entidade, ou seja, adaptado os conceitos juntamente com a estrutura e ne-cessidade da prefeitura.Com a aplicação de uma abordagem em prefeituras municipais o processo acabase tornando ágil e organizado, garantindo mais segurança nos dados e uma melhor comunica-ção entre empresas de software e entidade. Um projeto deste nível tende a trazer somente me-lhorias, pois é mais uma etapa da informatização global que está ocorrendo no Brasil. O gran-de ganho com este estudo com certeza é da sociedade que poderá ter mais qualidade e eficiên-cia na divulgação de dados e uma maior transparência. Deixamos um alerta que o modelo queo modelo descrito neste documento é utilizado principalmente me organizações privada, po-rém sua aplicação sem setores públicos é possível, basta que a mesma sofra algumas adapta-ções para que se enquadre a forma de trabalho deste setor.O setor público pode ser melhorado de forma significativa em diversos setores easpectos, a tecnologia contribui muito para estas melhorias, porém são necessários frequentesestudos e projetos que envolvem estas entidades. Como sugestão fica a criação de uma abor-dagem com foco total em prefeituras municipais, onde o mesmo contenha práticas e conceitos
  9. 9. 9que visa à realidade das prefeituras de nosso país, levando em conta todo o processo de gestãodessas entidades.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASALBANO, Cláudio Sonáglio. Utilização da Tecnologia da Informação no Setor Público:Um Estudo Comparativo entre Organizações Municipais . Disponível em:http://www.ufpel.edu.br/cic/2007/cd/pdf/SA/SA_00367.pdf acesso Fev. 2013.FONSECA, Aparecida. Análise de Boas Práticas de Governança de T.I. no Centro deOperações Integradas em São José dos Campos. Disponível emhttp://fatecsjc.edu.br/trabalhosdegraduacao/wpcontent/uploads/2012/04/TGCTRC_2010.pdfAcesso Fev. 2013.OLIVEIRA, Fernando e BRITO, Max. Alinhamento Estratégico Em T.I. Disponível emhttp://www.slideshare.net/marcuspessoal/alinhamento-estratgico-em-ti-7384910 Acesso emFev. 2013.EFAGUNDES. Um Kit de Ferramentas para Excelência em T.I. Acesso emhttp://www.efagundes.com/artigos/COBIT.htm Acesso em Fev. 2013.NETO, Luiz. Os Impactos da Tecnologia da Informação nas Organizações: Uma visãoPolítica. Acesso em http://www.unifenas.br/pesquisa/download/ArtigosRev1_99/pag95-01.pdf Acesso em Mar. 2013
  10. 10. 10ABSTRACTThe article presents evidence for theoretical discussion of methodolo-gies for managing information technology in the public, specificallymunicipal executive bodies. Approaches such as COBIT that are nor-mally used in private companies can be adapted to this sector leadingto an improvement in technology management, thus facilitating com-munication between city hall and tenant software companies. Thetheoretical discussion was based on a public tour in the City of Jagua-runa.KEYWORDSManagement T.I., Methodologies, Governance.

×