Descrição completa theobroma speciosum  cacauí
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Descrição completa theobroma speciosum cacauí

on

  • 939 views

 

Statistics

Views

Total Views
939
Views on SlideShare
939
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
7
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Descrição completa theobroma speciosum  cacauí Descrição completa theobroma speciosum cacauí Document Transcript

  • PROJETO: “EXTRATIVISMO NÃO-MADEIREIRO E DESENVOLVIMENTOSUSTENTÁVEL NA AMAZÔNIA (ITTO – PD 31/99 Ver. 3 (I)”. BANCO DE DADOS “NON WOOD”NOME CIENTÍFICO: Theobroma speciosum Willd. ex Spreng.FAMÍLIA: SterculiaceaeNOMES VULGARES:Brasil: cacao azul, cacau, caca-y (Amazonas); cacau-da-mata (Maranhão); cacao, cacau-de-macaco, cacaueiro, cacaueiroí, cacauí, cacaurana, cacauú, chocolate.Outros Países: cacao sasha, chocolate de la sierra; chocolatillo (Espanhol); wild cacao(EUA); cacao forastero, cacaoyer, criollo, kakao, sacha copoasu. Kaka-ran-i (Ka’apor);mura cuat’re (Tacana).Descrição botânica Árvore de porte pequeno a mediano, raramente atingindo os 15m, de troncoramificado a pequena altura e copa muito frondosa e dotada de ramos curtos. Folhas depecíolo longo, limbo coriáceo, oblongo, ovado ou elíptico (20-25 x 6-12cm), nervurassecundárias fazendo com a nervura principal um ângulo muito agudo, luzídio na páginasuperior e ferrugíneo na página inferior. Flores com cálice e corola pentâmeros, pétalasvermelho-escuro, 5 estaminódios alternando com outros tantos estames. Fruto baga sub-esférica ou sub-pentagonal em corte transversal, com cerca de 10-12cm de comprimento, decasca aveludada e amarela na altura da maturação. Sementes envolvidas numa polpaesbranquiçada praticamente inodora (Ferrão, 2001)._______________________________________ Informações adicionais A planta é cauliflora, isto é, as flores aparecem ao longo do tronco e ramos maisgrossos (Ferrão, 2001). De acordo com Cavalcante (1974) e Silva et al. (1977), as floresvermelho-escuras cheiram a capim santo ou capim-de-cheiro.Distribuição A sua distribuição abrange a Amazônia, estendendo-se daí para o nordeste até aparte sul da América Central. Também foi observada no norte do Tocantins (Cavalcante,1991)._______________________________________ Informações adicionais Conforme Porto (1936) as árvores da espécie plantadas no Jardim Botânico do Riode Janeiro em 1923, floresceram bem, em abril, mas não haviam frutificado até então.
  • Aspectos ecológicos Espécie perenifólia, clímax, de luz difusa. Ocorre como parte do sub-bosque(Lorenzi, 1998). Conforme Fróes (1959) os indivíduos, normalmente, ficam entre o terceiroe quarto andares da floresta de mata virgem. É espontânea na Amazônia (Gomes, 1977), onde é muito comum e de grandeocorrência (Fróes, 1959). Cresce preferencialmente na mata de terra firme não inundável,sendo bastante dispersa, não freqüente e pouco cultivada (Cavalcante, 1991; Zoghbi et al.,2000). Revilla (2002) menciona que a espécie habita áreas de terra firme em bosqueprimário e Ducke (1953) cita ainda a ocorrência em capoeiras ao redor dos povoados. A floração ocorre durante os meses de agosto a outubro, com os frutosamadurecendo entre fevereiro e abril (Lorenzi, 1998; Zoghbi et al., 2000). Produzanualmente grande quantidade de sementes viáveis, disseminadas pela fauna em geral(Lorenzi, 1998). Ratos roem a casca do fruto, retiram as sementes para o exterior econsomem a polpa, abandonando as sementes que são amargas (Ferrão, 2001). SegundoSouza (1996), na Floresta Estadual do Antimari (Acre), o fruto maduro serve de alimentopara a caça. O cacauí possui síndrome floral adequada à polinização por dípteros saprófagos. Osinsetos polinizadores de T. speciosum foram avaliados em duas áreas de preservação (aprimeira in situ e a segunda ex situ) e constatou-se que os insetos da família Drosophilidaee Phoridae visitam as flores no horário de maior receptividade floral, carreando pólen emseus corpos e apresentando comportamento característico de polinizadores. As guildas dasduas famílias, comparadas nas duas áreas de preservação, apresentaram-se distintas e maisdiversas na área de preservação in situ. Neste estudo não foi observada a ausência defrutificação na área de preservação ex situ, apesar da perda de diversidade e alteração nacomposição da guilda de polinizadores entre as duas áreas. Drosophila sp.foi o principalpolinizador (Martins & Silva, 2003)._______________________________________ Informações adicionais O trabalho de Martins & Silva (2003) foi realizado na coleção de germoplasma doCentro de Pesquisa do Trópico Úmido da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária(EMBRAPA/CPATU), localizada em Belém (PA) e na área de mata primária na EstaçãoCientífica Ferreira Penna (ECFPn/MPEG), no município de Melgaço (PA). Procurou-secaracterizar e comparar a guilda de polinizadores da espécie nas duas áreas distintas depreservação contribuindo assim para estratégias de conservação naqueles locais. Crinipellis perniciosa (vassoura-de-bruxa) e Micropeltis theobromae var.pentaseptata são fungos que podem ser encontrados no cacauí (Mendes et al., 1998)
  • T. speciosum está entre as espécies ecologicamente mais importantes, segundo otrabalho de Balée (1994), executado no Posto Indígena Awá, ocupados pelos Guajá, naReserva Indígena Caru, na Amazônia.Cultivo e manejo Apesar de silvestre, T. speciosum é deliberadamente plantado em quintais (Balée,1994). Propaga-se por sementes, sendo que um quilograma contém cerca de 380 unidades(Lorenzi, 1998). As sementes apresentam comportamento recalcitrante quanto ao armazenamento(Carvalho et al., 2001). Os frutos devem ser colhidos diretamente da árvore quandoadquirem coloração amarela e as sementes devem ser colocadas para germinar logo após acolheita, diretamente em embalagens individuais contendo substrato organo-arenoso edepois são deixadas em ambiente sombreado. A emergência ocorre em 15-25 dias, comuma taxa baixa de germinação (Lorenzi, 1998). Índios plantam as sementes apenas quandoo exocarpo do fruto torna-se amarelo, de outra forma as sementes estão em estágio inviável(Balée, 1994). As mudas devem ser transplantadas no local definitivo em 6-7 meses. No campo odesenvolvimento é lento, com as mudas atingindo 1,5m de altura aos 2 anos de idade(Lorenzi, 1998)._______________________________________ Informações adicionais T. speciosum consta do grupo das principais espécies utilizadas em um modeloempírico de crescimento de florestas de terra firme no Jarí e Tapajós, na Amazônia,realizado por Alder & Silva (2000). Silva et al. (2004) caracterizaram híbridos inter-específicos do gênero TheobromaL.. Verificaram que o híbrido entre T. sylvestre x T. speciosum é muito similar à espécieparental, produzindo flores no tronco.Utilização A espécie é empregada como alimento humano, cosmético, para fins medicinais eornamentais.  Alimento humano Os frutos quando maduros podem ser encontrados em feiras (Cavalcante,1974,1991). A polpa açucarada é consumida in natura, chupando-a, mas também pode serretirada para confeccionar refrescos, geléias (Ferrão, 2001), doces e sorvetes (Saddi, 1977). As sementes são amplamente utilizadas na confecção de chocolates, bombons ebebidas (vinhos, licores, vinagres etc.) (Saddi, 1977). Quando descascadas, contêm 27% de
  • óleo branco, pouco consistente, que com a refinação deveria tornar-se comestível, mas nãoé muito interessante. Quando secas (42% de umidade), as sementes possuem um pesomédio de 1,5g, compostas de casca (30%) e amêndoas (70%) (Pesce, 1941). A amêndoa érica em diversos alcalóides, cafeína e teobromina e serve para fabricar manteiga de cacau(Saddi, 1977). Em seu trabalho sobre o aproveitamento da sabedoria feminina com os recursosflorísticos em Reservas Extrativistas no Acre, Kainer & Duryea (1992) identificaram que T.speciosum é utilizado como alimento. Da mesma maneira, Balée (1994) detectou o usoalimentício pelos Ka’apor e Dewalt et al. (1999) pelos Tacana (Bolívia).  Cosmético A casca do fruto associada à cinza da madeira é designada para a produção de umsabão artesanal, usado no interior da Amazônia como excelente desodorante (Di Stasi &Hiruma-Lima, 2002).  Medicinal A infusão das folhas e da casca serve para tratar brotoejas na pele. A folha emcataplasma ameniza dores de cabeça. Estas informações foram obtidas a partir do trabalhode etnobotânica realizado por Dewalt et al. (1999), com os índios Tacana, na Bolívia. Paratratar infecções da garganta, as folhas, após a secagem, devem ser colocadas na regiãoafetada (Di Stasi et al., 1989; Di Stasi & Hiruma-Lima, 2002).  Ornamental Empregada esporadicamente em jardins e arruamentos por causa do seu efeitoornamental, pois na altura da floração fica muito vistosa em conseqüência da floraçãoabundante distribuída pelo tronco e ramos grossos (Ferrão, 2001). Cavalcante (1991) acrescenta ainda que a mais notável característica desta espéciediz respeito à posição de suas flores, distribuídas ao longo do tronco, desde a base até o altoe, com a sua cor vermelha-púrpura, oferece um belo efeito decorativo, adequado paralogradouros públicos._______________________________________ Informações adicionais Madeira pesada, com densidade de 0,79g/cm3, macia, textura fina, indicada paraconstruções rústicas, lenha e carvão (Lorenzi, 1998). Os índios Tacana, na Bolívia, utilizama madeira em construções (vigas de casas) e para lenha. A madeira queimada é útil nopreparo do “piti”, um aditivo da coca (Dewalt et al., 1999). Assim como no cupuaçu (T. grandiflorum), esta espécie possui ácido 1,3,7,9-tetrametilúrico (Di Stasi et al., 1989; Di Stasi & Hiruma-Lima, 2002). Além de açúcares
  • totais, ácido lático, ácido cítrico, taninos teobromina, gorduras, taninos condensados, (-)-epicatequina, (+)-catequina e antocianinas, estão presentes nas sementes de T. speciosum.Essas duas últimas substâncias atuam contra o fitopatógeno Crinipellis perniciosa(Vassoura-de-bruxa). Cafeína e teobromina são os alcalóides purínicos encontrados nassementes da espécie (Di Stasi & Hiruma-Lima, 2002). Quanto à composição química das flores podem ser citados, dentre outros (%): 2-heptanol (3,8), linalol (1,7), citronelal (0,3), α-terpineol (3,9), biciclogermacreno (1,4),butanoato de geranila (1,4), metilbutanoato de linalila (1,6), (Z-Z)-farnesol (2,7), 2-metilpropanoato de geranila (3,1), (E,Z)-farnesol (3,9), ácido mirístico (1,1), ácidopalmítico (3,1), ácido oleito (1,0) (Zoghbi et al., 2000). As constantes químicas do óleo do cacauí são: densidade a 100ºC de 0,8580; acidezde 5,55%; índice de saponificação de 189; índice refratométrico (Zeiss a 40ºC) de 1,4565(Pesce, 1941).Informações econômicas Da mesma forma que outras espécies do gênero Theobroma, T. speciosum tem sidoutilizado em estudos para o aproveitamento das sementes como cacau comercial. Algumaspesquisas concentram-se na produção de uma gordura sucedânea à manteiga de cacau eoutras se preocupam com o emprego das sementes na fabricação de chocolates. Mesmo nãosendo muito animadores, os resultados obtidos ainda não permitiram obter um produto degrande circulação no mercado internacional (Ferrão, 2001). Saddi (1977) ressaltou, nadécada de 1970, que os frutos possuíam larga aplicação na economia nacional. Por outrolado, Pesce (1941) mencionou que o rendimento em óleo da semente e a pouca importânciade sua colheita, não a tornava interessante para a indústria.Quadro resumo de usosQuadro resumo de usos de Theobroma speciosum Willd. ex Spreng.: Parte da Categoria do planta Forma uso UsoCaule Infusão Medicinal A infusão da casca para tratar brotoejas na pele.Folha - Medicinal Após secagem, devem ser colocadas na região afetada da garganta para tratar infecções desse tipo.Folha Cataplasma Medicinal Ameniza dores de cabeça.Folha Infusão Medicinal Tratar brotoejas na pele.Fruto Polpa Alimento A polpa serve para doces, sorvetes, refrescos e geléias. humanoFruto In natura Alimento A polpa açucarada é consumida in natura. humanoFruto - Cosmético A casca do fruto associada à cinza da madeira é designada para a produção de um sabão artesanal.Inteira Integral Ornamental Com potencial ornamental.Semente - Alimento Confecção de chocolates, bombons, bebidas (vinhos, humano licores, vinagres etc.); serve para fabricar manteiga de
  • cacau.Links com imagens1. Missouri Botanical Garden - MBG. MOBOT. W3TROPICOS.2. Field Museum.Chicago, USA. Neotropical Herbarium Specimens.BibliografiaALDER, D.; SILVA, J.N.M. An empirical cohort model for management of Terra Firmeforests in the Brazilian Amazon. Forest Ecology and Management, v.130, p.141-157,2000.BALÉE, W. Footprints of the Forest – Ka’apor ethnobotany – the historical ecology ofPlant Utilization by an Amazonian people. New York: Columbia University Press, 1994.369p.CARVALHO, J.E.U. de; MÜLLER, C.H.; NASCIMENTO, W.M.O. do. Classificação desementes de espécies frutíferas nativas da Amazônia de acordo com o comportamentode armazenamento. Belém: EMBRAPA-CPATU, 2001. 4p. (Embrapa-CPATU.Comunicado Técnico, 60).CAVALCANTE, P.B. Frutas comestíveis da Amazônia. Belém: Museu Paraense EmílioGoeldi, 1974. 73p. (Publicações avulsas, 27).CAVALCANTE, P.B. Frutas comestíveis da Amazônia. Belém: CEJUP/CNPq/MuseuParaense Emílio Goeldi, 1991. (Coleção Adolfo Ducke).DEWALT, S.J.; BOURDY, G.; MICHEL, L.R.C. de; QUENEVO, C. Ethnobotany of theTacana: quantitative inventories of two permanent plots of northwestern Bolivia.Economic Botany, v.53, n.3, p.237-260, 1999.DI STASI, L.C.; HIRUMA-LIMA, C.A. Plantas medicinais na Amazônia e na MataAtlântica. 2.ed. São Paulo: UNESP, 2002. 604p.DI STASI, L.C.; SANTOS, E.M.G.; SANTOS, C.M. dos; HIRUMA, C.A.;SANTALUCIA, M.; PUPO, A.S. Plantas medicinais da Amazônia. São Paulo: EditoraUniversidade Estadual Paulista, 1989. 194p.DUCKE, A. As espécies brasileiras de cacau (gênero Theobroma L.), na botânicasistemática e geográfica. Rodriguésia, Rio de Janeiro, v.4, n.13, p.265-276, dez./mar.1940.DUCKE, A. As espécies brasileiras do gênero Theobroma L. Belém: InstitutoAgronômico do Norte, 1953. 89p. (Boletim Técnico, 28).
  • FERRÃO, J.E.M. Fruticultura tropical: espécies com frutos comestíveis. v.3. Lisboa:Instituto de Investigação Científica Tropical, 2001. 652p.: il.FRÓES, R.L. Informações sobre algumas plantas econômicas do Planalto Amazônico.Boletim Técnico do Instituto Agronômico do Norte, Belém, v.35, p.5-105, 1959.GOMES, R.P. Fruticultura brasileira. São Paulo: Nobel, 1977. 448p.: il.KAINER, K.A.; DURYEA, M.L. Tapping women’s knowledge: plant resource use inextractive reserves, Acre, Brazil. Economic Botany, v.46, n.4, p.408-425, 1992.LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreasdo Brasil. Nova Odessa: Instituto Plantarum de Estudos da Flora, 1998. v.2.LORENZI, H.; SARTORI, S.F.; BACHER, L.B.; LACERDA, M.T.C. de. Frutasbrasileiras e exóticas cultivadas (de consumo in natura). São Paulo: Instituto Plantarumde Estudos da Flora, 2006. 640p.MARTINS, M.B.; SILVA, A.R. da. Insetos polinizadores e conservação da biodiversidade.Um estudo de caso com Theobroma speciosum (Sterculiaceae). In: CONGRESSOBRASILEIRO DE BOTÂNICA, 54., 2003, Belém. Desafios da botânica brasileira nonovo milênio: inventário, sistematização e conservação da diversidade vegetal. Anais...Belém: MPEG/ UFRA/ EMBRAPA, 2003. p.111-114.MATTA, A.A. Flora médica brasiliense. 3.ed. Manaus: Editora Valer e Governo doEstado do Amazonas, 2003. 356p. (Série Poranduba, 3).MENDES, M.A.S.; SILVA, V.L. da; DIANESE, J.C. Fungos em plantas do Brasil.Brasília: Embrapa – SPI, 1998. 569p.MISSOURI BOTANICAL GARDEN – MBG. MOBOT. W3 TROPICOS. Specimendatabase. Theobroma speciosum Willd. ex Spreng. EUA. Disponível em:http://mobot.mobot.org/W3T/Search/vast.html. Acesso em: 26/04/2004.PESCE, C. Oleaginosas da Amazônia. Belém: Oficina Gráfica da Revista da Veterinária,1941. 130p.PORTO, P.C. Plantas Indígenas e exóticas provenientes da Amazônia cultivadas no JardimBotânico do Rio de Janeiro. Rodriguésia, Rio de Janeiro, v.2, n.5, p.93-157, jun./set. 1936.REVILLA, J. Plantas úteis da Bacia Amazônica. Manaus: INPA/SEBRAE, 2002. 2v.RIBEIRO, V.M.L.; COSTA, E.L.; BARROSO, M.A.L. Catálogo de nomes científicos evulgares de plantas de porte arbóreo ocorrentes no Brasil. Rodriguésia, v.31, n.49, 1979.
  • SADDI, N. A primeira contribuição sobre a flora de Humboldt (Aripuanã, Mato Grosso).In: CONGRESSO NACIONAL DE BOTÂNICA, 26., 1975, Rio de Janeiro. Trabalhos...Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Ciências, 1977.SILVA, M.F. da; LISBOA, P.L.B.; LISBOA, R.C.L. Nomes vulgares de plantasamazônicas. Manaus: CNPq/INPA, 1977.SILVA, C.R.S.; VENTURIERI, G.A.; FIGUEIRA, A. Description of amazonianTheobroma L. collections, species identification, and characterization of interspecifichybrids. Acta Botanica Brasilica, v.18, n.2, p.333-341, 2004.SOUZA, J.M.A. Estudos de etnobotânica. In: ______ Floresta estadual do Antimari.Estudos básicos. Rio Branco: FUNTAC, 1996. 206p.ZOGHBI, M. das G.B.; ANDRADE, E.H. de; MAIA, J.G.S. Aroma de flores daAmazônia. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, 2000. 240p: il.