Resumo QSB

  • 21,979 views
Uploaded on

Esta apresentação contempla os nove pilares do QSB (Sistema Básico da Qualidade) desenvolvido pela GMB e os exemplos de formulários e registros que precisam ser implantados para o atendimento e …

Esta apresentação contempla os nove pilares do QSB (Sistema Básico da Qualidade) desenvolvido pela GMB e os exemplos de formulários e registros que precisam ser implantados para o atendimento e manutenção da metodologia.
Requer extrema DISCIPLINA, porém os resultados positivos são alcançados em curto espaço de tempo após o início das Reuniões de Resposta Rápida.

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
No Downloads

Views

Total Views
21,979
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
927
Comments
2
Likes
7

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. RESUMO DO PROCESSO DE RESPOSTA RÁPIDA A Organização deve: manter uma reunião diária de Resposta Rápida. utilizar um formulário, como o formulário de Rastreamento de Resposta Rápida para identificar: o status geral para os problemas sinificativos de qualidade. o responsável por cada item. os critérios de saída necessários ao fechamento um item problema. exibir o status diário de Qualidade.
  • 2. 16/05/2009 RASTREAMENTO DE RESPOSTA RÁPIDA Área: Manufatura Resp: Rogério Souza Horário Início da Reunião Diária: 8h00 Usinagem - 8h30 Pintura & Personalização CRITÉRIO DE SAÍDA Fechamento Contenção / Trabalho / Trabalho / Auditoria Instrução Data da Controle Treinam. Processo Padrão Status P.Yoke Escal. Nº do Alerta Data Auto Cliente / Produto Descrição do Problema Data de início Origem do Problema Responsável próxima tópico ação Luís: Aguardando o retorno do produto para análise; Luis: SAC não tem data de retorno da peça ainda; Fábio Betozzi Enviada com profundidade Luis: Elaborado o alerta da Anderson Alves 1 BPS 0804014 errada 545mm. Correto 03/05/2009 MA qualidade AQ-0156; 20/05/2009 G 20/mai Paulo Alves Prateleira Corrediça 495mm Testar ESQUADRO Graduado para conferência do dimensional na Bancada. Aumentar dimensões do esquadro para 650 x 1300mm - Loerme Alexandre Maurano Luis: Aguardando a peça. G 2 DD1 042205 Enviada manchada 04/05/2009 MA Luis: Assistência Técnica não tem Lucas Kleber OK G G G G G 15/05/2009 Prateleira 25mm data de retorno ainda. Luis: Elaborado o alerta da qualidade AQ-0145; Refazer os dispositivos de furação para broca 5,0mm; Sérgio Augusto Constantini Furação para Puxador HOOP Anderson: Formalizar Solicitações 3 GMS 0807002 05/05/2009 MA Anderson Alves 30/05/2009 G 30/mai maior entre centros de Investimento através de um Frente de Gaveta Projeto para os Dispositivos de usinagem. ACIONAR FORNECEDOR DE DISPOSITIVOS Luis: Elaborado o Alerta da Qualidade AQ-0151; Está sendo avaliado o tempo em aberto e o tempo de cura da cola para definição de instrução de Carlos Dinucci processo com controle do tempo de 4 GMS 0711054 Couro está com Bolhas 10/05/2009 MA fabricação; Anderson Alves 24/05/2009 G G 24/mai Porta Pele Painel Central Rogério: Modificar o cronograma de elaboração de instruções de processo e implementar este documento até 21/11. Luis: Elaborado a intrução de processo IP-D-0702 Visita a obra do Cliente marcada para 21/10, para avaliação do defeito detectado. O problema reclamado refere-se a interferência entre as TOLERÂNCIAS de fabricação do painel e puxadores, ambos com Carlos Alberto Marranghello 500mm ± 1,0mm. Problemas em 27 PAINÉIS. 5 GMS 0807096 13/05/2009 MA Foi solicitado ao Desenvolvimento Nelson Luna 22/05/2009 NA G G 22/mai Pintura Trincada. Portas Componível de Produto reduzir a nominal dos puxadores em 1,0mm. Definir REGISTRO para garantia das TOLERÂNCIAS com diferença de 1,0mm. Testar bordo de 0,4mm na região do rebaixo Ok à partir da semana 45/2008.
  • 3. Nome da Empresa LTDA. Demonstrativo Diário da Qualidade MÊS ANO MAIO 2009 31 29 28 30 ATENDIMENTO À CLIENTES 22 24 26 21 23 25 27 13 15 17 19 12 14 16 18 20 2 4 6 8 10 1 3 5 7 9 11 LEGENDA: QUALIDADE OK PROBLEMA INTERNO PROBLEMA NO CLIENTE : FALTANTE / QUALIDADE
  • 4. Nome da Empresa LTDA. DEMONSTRATIVO DIÁRIO DA QUALIDADE MÊS ANO MAIO 2009 Nº DO DATA DA ORIGEM DO STATUS DIA PEÇA / COMPONENTE / SISTEMA DESCRIÇÃO DO PROBLEMA TÓPICO RECLAMAÇÃO PROBLEMA Metra Service GMS 0802094 Desenvolvimento 1 Porta de espelho Espelho trincado na região do puxador 03/05/2009 de Produto 03 monograma Lydia Politi GMS 0710208 2 Divisória de acrílico Divisória com problema dimensional (maior) 04/05/2009 Aquisição 04 média Lydia Politi Porta óculos, porta jóias, porta objetos e porta 3 GMS 0710208 passaporte com diferença de tonalidade 05/05/2009 Aquisição 05 Acessórios Bege Roberto Lima RJC 060405 4 Película prata para Instalação de película em obra 10/05/2009 Usinagem 10 colocar atrás do vidro Renata Magalhães RJC 0711120 5 Porta de Correr vidro Mancha na parte inferior direita 13/05/2009 Pintura 13 perfil vertical Yves Besse Alteração do projeto na Engenharia sem Engenharia de 6 DD10711185 comunicação ao cliente 14/05/2009 Projeto 14 Porta Fresada Horiz. Francisco Carlos 7 RJC 0710037 Porta com mancha rosada 17/05/2009 Pintura 17 Porta Batente Lisa 8 9 10
  • 5. Reunião de Resposta Rápida - QSB Demonstrativo Diário De Disciplina Maio 2009 8:30 às 8:50 Pintura PARTICIPANTES 01 02 03 06 07 08 09 10 13 14 15 16 17 20 21 22 23 24 27 28 29 30 ( Gerente Pintura ) ( Encarregado da Pintura ) ( Líder da Pintura ) ( Gerente da Qualidade ) LEGENDA DE PRESENÇA Dia Operador Participante Dia Operador Participante Dia Operador Participante DISCIPLINADO ☺ 1 13 23 2 14 24 ATRASADO 3 15 27 6 16 28 FALTA 7 17 29 8 20 30 JUSTIFICADO ( Férias ) ⊗ 9 21 10 22
  • 6. RESUMO - CONTROLE DE PRODUTOS NÃO-CONFORME O Produto Não-Conforme deve: claramente identificado utilizando um sistema de identificação consistente (etiquetagem). contido através do uso de uma Planilha de Contenção. segregado em áreas bem identificadas. liberado utilizando um processo e autoridade definidos. reintroduzido no processo no ponto ou antes de onde foi removido. Os tópicos da Contenção do Produto devem ser analisados criticamente pela liderança.
  • 7. PLANILHA DE RETENÇÃO CÉLULA: RESPONSÁVEL PELA RETENÇÃO DO PRODUTO. DATA: CÓDIGO: NOME DO PRODUTO: NÃO CONFORMIDADE DO PRODUTO: ESCOPO DE RETENÇÃO DO PRODUTO IDENTIFIQUE TODAS AS ÁREAS ONDE O PRODUTO SUSPEITO PODE SER LOCALIZADO QUANTIDADE QUANTIDADE QUANTIDADE RESPONSÁVEL LOCAL SUSPEITA REVISADA NÃO CONFORME PELA VERIFICAÇÃO TOTAL ENCONTRADO LOCALIZAÇÃO DE SEGREGAÇÃO DAS PEÇAS SUSPEITAS: MÉTODO DE SELEÇÃO: CRITÉRIO DE SELEÇÃO: MÉTODO DE IDENTIFICAÇÃO DE PEÇAS CONFORMES: MÉTODO DE IDENTIFICAÇÃO DE PEÇAS NÃO CONFORMES: Nº SAC (SOLICITAÇÃO DE AÇÃO CORRETIVA:
  • 8. Célula: COLABORADORES DA CÉLULA ALERTA DA QUALIDADE Produto : Código do Produto : Nome Registro Assinatura Não Conformidade: RASP N°: Local da ocorrência da Não - Conformidade Interno Cliente Defeitos Quantidade Data 1 2 3 4 Observações : Elaborado por: Data de elaboração: Nº Alerta: Aprovado por: Arquivo: Revisão nº:
  • 9. RESUMO DO TRABALHO PADRONIZADO A organização deve: desenvolver e implementar instruções de trabalho padronizado utilizando times multidisciplinares. postar as instruções de trabalho padronizado em todas as operações. treinar os funcionários atuais e os novos para utilizarem as instruções de trabalho padronizado (Treinamento Padrão*). garantir que as folhas de trabalho padrão incluem os elementos de trabalho, movimentos do operador e o tempo de ciclo da operação. desenvolver e melhorar continuamente as instruções de trabalho padronizado baseado no andamento da performance de qualidade.
  • 10. REV. DATA REVISÃO DATA INICIAL PÁGINA FLUXOGRAMA DE PROCESSO 3 15/12/08 23/10/07 1/1 ELABORADO POR: CLIENTE PRODUTO Nº DO PRODUTO Nº DESENHO ALTERAÇÃO TÉCNICA Fabio Gomes Início Montagem Receber painel com Receber Material pintura / revestimento de couro Possui N Vidro com S Enviar vidros para Vidro? Pintura? Depto Pintura S N OP10 - Cortar Alumínio Receber Vidro Pintado Emmegi Peça S OP20 - Usinar Montagem S OP 30 - Montar Usinada? Pantógrafo Dolby K ? Bancadas OP 10 - Montar e N N Embalar Bancadas OP40 - Embalar Bancada Fim Fim LEGENDA Inicio/Fim Operação Inspeção Armazenagem Transporte Decisão
  • 11. Anexo II - PO-MA-01 Anexo III - PO-MA-01 IP IP - B - 02.01 1 Número da IP DETALHAMENTO IP - B - 02.01 Instrução de Processo Folha: 1/5 Instrução de Processo Autocontrole Folha 4/5 Operação: Produção Horária / Ciclo de Produção : OP10 - Aplicar Primer (UV) 826 ml/h Operação 2 OP10 - Aplicar Primer (UV) Peça: Número da Peça: 2 Diversos Não Aplicavel Peça Número da Peça Diversos Não Aplicavel Recursos / Etapa C.E. Descrição da Operação Componentes Detalhamento da Atividade Ajuste da Lixadeira Tecmatic Esp. da Chapa Parâmetro Verificar o tipo de acabamento e 6 mm 5,5 - 5,7 1 Ficha de Produção espessura da peça. 9 mm 8,5 - 8,7 15 mm 14,5 - 14,7 20 mm 19,5 - 19,7 25 mm 24,5 - 24,7 30 mm 29,5 - 29,7 35 mm 34,5 - 34,7 2 Medir a espessura da peça. Paquimetro Ajuste dos rolos Esp. da Chapa Parâmetro 6 mm 5,5 9 mm 8,5 15 mm 14,5 20 mm 19,5 25 mm 24,5 30 mm 29,5 35 mm 34,5 Ajustar no painel da Lixadeira Tecmatic o parâmetro de acordo com a espessura 3 Lixadeira Tecmatic medida. (Vide Detalhamento da Atividade). Enviar as peças aprovadas para a próxima operação : OP20 - Acabamento Manutenções que devem ser executadas pelo operador : EPI´s Obrigatórios : Não passar arremate Troca de lâmpadas de galio e mercurio. Luva boiserie na máquina Troca de lixas. Protetor Auricular Limpezas dos rolos para trocar de cor. sem colocar um Plano de Reação / Observações : sarrafinho na parte 1 - Em caso de defeitos na mesma região em 3 peças consecutivas, o operador deve parar a produção de seu posto de trabalho e acionar o líder de turno de produção para a tomada de ações. inferior para apoiar. 2 - O Colaborador é responsável pela limpeza e organização do seu posto de trabalho. 3 - O Colaborador é responsável pela manutenção dos padrões de defeitos / comparação. 4 - O Colaborador é responsável pela verificação e identificação de código da peça. Histórico de Revisões Histórico de Revisões Rev. Data Alteração Elaborador Aprovador Rev. Data Alteração Elaborador Aprovador 4 22/09/2008 Verificação da velocidade do rolo e esteira Luis Alberto Rogério 4 22/09/2008 Verificação da velocidade do rolo e esteira Luis Alberto Rogério 3 21/08/2008 Inspeção do lixamento Luis Alberto Rogério 3 21/08/2008 Inspeção do lixamento Luis Alberto Rogério 2 12/08/2008 Pintura arremate boiserie Luis Alberto Rogério 2 12/08/2008 Pintura arremate boiserie Luis Alberto Rogério 1 30/05/2008 Emissão Inicial Anderson/Álvaro Rogério 1 30/05/2008 Emissão Inicial Anderson/Álvaro Rogério Arquivo : #NOME?
  • 12. NÚMERO P.C. FAMÍLIA REV. DATA REVISÃO DATA INICIAL PÁGINA NÚMERO P.C. FAMÍLIA REV. DATA REVISÃO DATA INICIAL PÁGINA AUTOCONTROLE PC-B-02.04 Armários 5 13/01/09 04/06/08 01/03 AUTOCONTROLE PC-B-02.04 Armários 5 13/01/09 04/06/08 02/03 Aprovado Aprovado Elaborado por: Luis Alberto Visto: LA por: Rogério Souza Visto: RAS Elaborado por: Luis Alberto Visto: LA por: Rogério Souza Visto: RAS OPERAÇÃO: U.V. primer branco e barbante OPERAÇÃO: U.V. primer branco e barbante ITEM C.E. CARACTERÍSTICA DE CONTROLE / ESPECIFICAÇÃO MEIO DE MEDIÇÃO AMOSTRA FREQUÊNCIA ITEM C.E. CARACTERÍSTICA DE CONTROLE / ESPECIFICAÇÃO MEIO DE MEDIÇÃO AMOSTRA FREQUÊNCIA - Acabamento superficial Inspeção Visual 100% Todo lote - Acabamento superficial Inspeção Visual 100% Todo lote - Inspeção do lixamento Inspeção Visual 1 peça 2 Horas - Inspeção do lixamento Inspeção Visual 1 peça 2 Horas - Brilho Glossmeter 1 peça 2 Horas - Brilho Glossmeter 1 peça 2 Horas - Espessura de camada Medidor de camada 1 peça 2 Horas - Espessura de camada Medidor de camada 1 peça 2 Horas - Gramatura Balança 1 peça 2 Horas - Gramatura Balança 1 peça 2 Horas CRITÉRIO PARA ACEITAÇÃO (MÉTODO DE AVALIAÇÃO) CRITÉRIO PARA ACEITAÇÃO (MÉTODO DE AVALIAÇÃO) OPERADOR DEVE CONFRONTAR FICHA DE PRODUÇÃO X PEÇA, APÓS A CONFERÊNCIA INICIAR VERIFICAR SE AS PEÇAS O PROCESSO DE ESTÃO SENDO PINTURA. DEVIDAMENTE LIXADAS A CADA SETUP. OPERADOR DEVE VERIFICAR SE AS PEÇAS ESTÃO MAL ACABADAS, BATIDAS, RALA, PIPOCADO E MANCHADAS. AO REALIZAR O PROCESSO VERIFICAR O BRILHO E A VERIFICAR A LIXAÇÃO E O CAMADA DE TINTA A ACABAMENTO FINAL PEÇA. CADA 2 HORAS. VERIFICAR REGULAGEM DE: QUEIMA = 30 a 32 / 19 a 20 / 15 a 20 g/m² E NO REPASSE = 20 a 25 / 17 a 15 / 13 a 10 g/m², NO INÍCIO DE CADA TURNO E NO INTERVALO DE 2 EM 2 HORAS. CADA RESULTADO DEVE SER REGISTRADO NO FORMULÁRIO DE INSPEÇÃO FINAL. NÃO PODE APRESENTAR PODE APRESENTAR NÃO PODE APRESENTAR PODE APRESENTAR Peças batidas, mal acabamento, rala, pipocado e manchada. Gramatura dentro da tolerância Peças batidas, mal acabamento, rala, pipocado e manchada. OBSERVAÇÕES: OBSERVAÇÕES: HISTÓRICO DE REVISÕES HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO ALTERAÇÃO ELABORADOR APROVADOR REVISÃO ALTERAÇÃO ELABORADOR APROVADOR 5 Inclusão de registro de brilho e camada Luis Alberto Rogério 5 Inclusão de registro de brilho e camada Luis Alberto Rogério 4 Revisão Geral Luis Alberto Rogério 4 Revisão Geral Luis Alberto Rogério 3 Gramatura Luis Alberto Rogério 3 Gramatura Luis Alberto Rogério Arquivo: P:QualidadeQualidadePCPC-B-0204.xls Arquivo: P:QualidadeQualidadePCPC-B-0204.xls
  • 13. Anexo III - PO-MA-01 2 Nº do Autocontrole DETALHAMENTO PC-B-02.04 Instrução de Processo Autocontrole Folha 03/03 Operação U.V. primer branco e barbante 2 Peça Número da Peça Familia armario Toda linha Detalhamento da Atividade TABELA DE CÓDIGOS DE ERROS 46X- PEÇA COM ADERÊNCIA FORA DO PADRÃO. 47X- PEÇA QUEIMADA NA U.V. 49X- ACABAMENTO RUIM. 50A- PINTURA COM IMPUREZA. 52A- PINTURA COM ACABAMENTO ERRADO. 59G- PEÇA DANIFICADA NO SETOR. TODAS AS PEÇAS CONSIDERADAS SUSPEITAS DEVERÃO SER IDENTIFICADAS COM SPOT AZUL DESCREVENDO O CÓDIGO DO DEFEITO DESCRITO ACIMA. TODAS AS PEÇAS CONSIDERADAS IMPEDIDAS DEVERÃO SER IDENTIFICADAS COM SPOT AMARELO DESCREVENDO O CÓDIGO DO DEFEITO DESCRITO ACIMA. TODAS AS PEÇAS CONSIDERADAS REPROVADAS DEVERÃO SER IDENTIFICADAS COM SPOT VERMELHO DESCREVENDO O CÓDIGO DO DEFEITO DESCRITO ACIMA. Histórico de Revisões Rev. Data Alteração Elaborador Aprovador 5 13/01/09 Inclusão de registro de brilho e camada Luis Alberto Rogério 4 29/10/08 Revisão geral Luis Alberto Rogério 3 17/09/08 Gramatura Luis Alberto Rogério Arquivo : P:QualidadeQualidadePCPC-B-0204.xls
  • 14. Anexo VII - PO-MA-01 PC-B-0204 AUTOCONTROLE Folha: 1/1 Operação: Equipamento: Departamento: Elaborador: Aprovador: Data: Rev. UV PRIM ER - BRANCO E BARBANTE TECM ATIC PINTURA LUIS ALBERTO ROGÉRIO 20/10/2008 4 ITEM AUTOCONTROLE MEIO FREQUÊNCIA REGISTROS INSPEÇÃO DO LIXAMENTO VISUAL 2 HORAS VIDA ÚTIL DA LIXA VISUAL 2 HORAS VELOCIDADE 1º ROLO VISUAL 2 HORAS DOSADOR VELOCIDADE 1º ROLO VISUAL 2 HORAS APLICADOR ABERTURA 1º ROLO VISUAL 2 HORAS GRAM ATURA 1º ROLO BALANÇA 2 HORAS VELOCIDADE 2º ROLO VISUAL 2 HORAS DOSADOR VELOCIDADE 2º ROLO VISUAL 2 HORAS APLICADOR ABERTURA 2º ROLO VISUAL 2 HORAS GRAM ATURA 2º ROLO BALANÇA 2 HORAS VELOCIDADE 3º ROLO VISUAL 2 HORAS DOSADOR VELOCIDADE 3º ROLO VISUAL 2 HORAS APLICADOR ABERTURA 3º ROLO VISUAL 2 HORAS GRAM ATURA 3º ROLO BALANÇA 2 HORAS GRAM ATURA TOTAL BALANÇA 2 HORAS VELOCIDADE DAS ESTEIRAS TACÔMETRO 2 HORAS TEMPERATURA BANHO TERMÔMETRO 2 HORAS MARIA LIMPEZA DAS FACAS VISUAL 2 HORAS INSPEÇÃO FINAL VISUAL 2 HORAS DATA / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / : : : : : : : : : : : HORA SEMANA COR VISTO
  • 15. RESUMO DO TREINAMENTO PADRONIZADO DO OPERADOR A Organização deve: garantir que o treinamento dos operadores está sendo rastreado através das “Folhas de Rastreamento do Operador Treinado”. postar as Folhas de Rastreamento do Operador Treinado em todas as operações. notificar as sequências de operações dos novos operadores. treinar funcionários adicionais que não tenham realizado o trabalho dentro dos últimos três meses.
  • 16. 5) RELACIONE ABAIXO OS DADOS COMPLETOS DOS PARTICIPANTES Nº.: ______ TREINAMENTO OPERACIONAL Nº. Nome Completo do Participante Registro C.C. Assinatura 1 2 TREINAMENTO EM: PROCESSO PRODUTIVO 3 4 PROBLEMA DE QUALIDADE 5 OUTROS 6 EMITENTE: __________________________________ / CÉLULA: ______________ ÁREA 7 8 9 DOCUMENTO DE REFERÊNCIA:_______________________________________ 10 11 DATA DA REVISÃO: _____/_____/_____ 12 13 1) ASSUNTO 14 15 16 17 18 19 20 2) OBJETIVO 21 Descreva os resultados que se pretende alcançar com a realização deste treinamento 22 23 24 25 26 27 28 3) CONTEÚDO 29 Descreva de maneira objetiva, as informações transmitidas durante o treinamento 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 4) DURAÇÃO 44 45 Anote a data e o horário em que foi realizado o treinamento 46 47 _____/_____/_____ Horário: ______:______ às ______:______ RESPONSÁVEL PELO TREINAMENTO Observações: NOME ASSINATURA CARGO: __________________________________________ C.C.: _____________
  • 17. EXEMPLO Carta de Versatilidade AVALIAÇÃO DE COLABORADORES x ATIVIDADES (ÁREA / CÉLULA / PROCESSO) Registro Colaborador 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 18145 João Alberto d ez-0 4 d ez-0 4 d ez-0 4 d ez-0 4 d ez-0 4 d ez-0 4 jan-0 4 jan-0 4 jan-0 4 jan-0 4 jan-0 4 jan-0 4 18366 Adão Domingos mar-0 3 mar-0 3 o ut-0 3 mar-0 3 d ez-0 3 mar-0 3 mar-0 3 mar-0 3 d ez-0 4 d ez-0 4 d ez-0 4 d ez-0 4 d ez-0 4 d ez-0 4 18367 José Cristo mar-0 3 mar-0 3 o ut-0 3 mar-0 3 d ez-0 3 mar-0 3 mar-0 3 mar-0 3 d ez-0 4 d ez-0 4 d ez-0 4 d ez-0 4 d ez-0 4 d ez-0 4 18560 Maria das Neves fev-0 4 fev-0 4 fev-0 4 fev-0 4 fev-0 4 fev-0 4 fev-0 4 fev-0 4 fev-0 4 jul-0 3 ag o -0 3 s et-0 3 18800 Thiago Ribeiro fev-0 4 fev-0 4 fev-0 4 fev-0 4 fev-0 4 fev-0 4 fev-0 4 fev-0 4 fev-0 4 jul-0 3 ag o -0 3 s et-0 3 18850 Clayton Assis d ez-0 4 d ez-0 4 d ez-0 4 d ez-0 4 d ez-0 4 d ez-0 4 jan-0 4 jan-0 4 jan-0 4 jan-0 4 jan-0 4 jan-0 4 18900 Ronaldo Borges fev-0 4 fev-0 4 fev-0 4 29010 Ana Glaúcia fev-0 4 fev-0 4 fev-0 4 29050 Rogéria Cerqueira fev-0 4 fev-0 4 fev-0 4 29060 Adilson Moreira d ez-0 4 d ez-0 4 d ez-0 4 d ez-0 4 d ez-0 4 d ez-0 4 jan-0 4 jan-0 4 jan-0 4 jan-0 4 jan-0 4 jan-0 4 29068 Jorge Alberto d ez-0 4 d ez-0 4 d ez-0 4 d ez-0 4 d ez-0 4 d ez-0 4 mar-0 3 ab r-0 3 mar-0 3 mai-0 3 mar-0 3 jun-0 3 mar-0 3 mar-0 3 mar-0 3 29080 Raquel Silva d ez-0 4 d ez-0 4 d ez-0 4 d ez-0 4 d ez-0 4 d ez-0 4 mar-0 3 ab r-0 3 mar-0 3 mai-0 3 mar-0 3 jun-0 3 mar-0 3 mar-0 3 mar-0 3 C ritério de pontuação: S e m t re in a m e n t o E m t re in a m e n t o A p t o ( t re in a d o ) P ró xim o t re in a m e n t o C o la b o ra d o r t re in a d o r 1 Operar prensa 7 Retrabalho de peças 13 19 Área/ Célula/ Processo: 2 Refilar peça 8 Operar Empilhadeira 14 20 Lateral de porta / corsa 4portas 3 Colagem 9 Colar peça de couro 15 21 Assinatura do responsável: 4 Inspeção final 10 Aprovação 16 22 5 Abastecimento de linha 11 Liberação do processo 17 23 Data da revisão: 6 Troca de ferramenta 12 Setup 18 24 13 de Fevereiro de 2004
  • 18. ANEXO VIII - PO RH-01 Roteiro para Treinamento Operacional do Novo Colaborador Colaborador:____________________________________________________ Registro__________________ Área:_________________________________ Admissão:_____/_____/_____ Sistemática para treinar os operadores Status Demonstrar a função da peça e responder as dúvidas do novo colaborador Demonstrar dispositivos à prova de erros, validação e responder as dúvidas Fazer que o novo colaborador realize a operação e responder as dúvidas Orientar sobre os problemas anteriores ocorridos (listar principais problemas) Verificar as primeiras unidades produzidas pelo novo colaborador Retornar dentro do turno e realizar as verificações Retornar no Segundo dia e realizar as verificações quanto ao padrão de produção e qualidade Notificar as operações que envolvam defeitos em potencial Roteiro de treinamentos operacionais Status Correta utilização dos equipamentos de segurança individual e coletivo Cumprimento dos procedimentos operacionais de acordo com a norma ISO 9001:2000 Operação dos equipamentos e correto manuseio das ferramentas Treinar o novo colaborador no processo de acordo com as Instruções de Processo e o Auto Controle Registros da qualidade a serem preenchidos (Folha de inspeção, diário de bordo, Painter Chart) Correta utilização de dispositivos a Prova de Erro Identificação, Embalagens, Acondicionamento Controle de Produto Não Conforme (Identificação, Segregação e Destinação) ________________________________ ______________________________________ Assinatura Colaborador Assinatura Líder Data Final: _____/_____/_____
  • 19. RESUMO DA VERIFICAÇÃO DO DISPOSITIVO À PROVA DE ERRO Dispositivos à prova de erro devem ser verificados pelo menos uma vez ao dia; Dispositivos à prova de erro devem ter suas localizações documentadas; Plano de Reação para quando o Dispositivos à prova de erro falhar deve ser desenvolvido; Resultados da verificação devem ser registrados; Liderança deve revisar os resultados da verificação.
  • 20. P A Y E
  • 21. RELAÇÃO DE DISPOSITIVOS À PROVA DE ERROS Unidade Fabril: Área: Responsável: CÓDIGO CÓDIGO DESCRIÇÃO DATA DATA DA ÁREA NOME NÚMERO DISPOSITIVO PRODUTO DO PRODUTO DE ÚLTIMA DE DO IP / LIBERAÇÃO REVISÃO USO RESPONSÁVEL AUTOCONTROLE
  • 22. PROVA DE ERROS PRODUTO Nº DESENHO CLIENTE DATA DE ENTRADA Nº DISP./EQUIP
  • 23. RESUMO - C.A.R.E. A Organização deve: Identificar os itens de Satisfação do Cliente; Implementar inspeção 100% ou inspeção alternativa quando 100% for inviável; Manter a atividade de C.A.R.E. até que uma ação corretiva irreversível seja implementada; Estabelecer um Plano de Reação para as não conformidades; Revisar os resultados do C.A.R.E.
  • 24. CHECK LIST PAINEL DE PORTA ASTRA DIANT. / TRAS. Itens a verificar OK Ñ OK 1) Rebarbas, riscos, cortes, manchas e deformações ( ) ( ) 2) Invasão de pintura na parte texturizada ( ) ( ) 3) Solda do porta mapas, gatilho e medalhão ( ) ( ) 4) Gap entre medalhão e painel de porta ( ) ( ) 5) Gap deformação e desalinhamento da pestana ( ) ( ) 6) Falta de componentes ( Clip pinheirinho, Pin look, etc... ) ( ) ( ) 7) Gap e alinhamento entre porta mapas e painel de portas ( ) ( ) 8) Gap entre cuba, painel de portas e medalhão ( Pnl Tras.) ( ) ( ) 9) A embalagem garante a integridade do Produto ( ) ( ) 10) A etiqueta de identificação corresponde com o produto ( ) ( ) CHECK LIST PAINEL DE PORTA ASTRA DIANT. / TRAS. Itens a verificar OK Ñ OK 1) Rebarbas, riscos, cortes, manchas e deformações ( ) ( ) 2) Invasão de pintura na parte texturizada ( ) ( ) 3) Solda do porta mapas, gatilho e medalhão ( ) ( ) 4) Gap entre medalhão e painel de porta ( ) ( ) 5) Gap deformação e desalinhamento da pestana ( ) ( ) 6) Falta de componentes ( Clip pinheirinho, Pin look, etc... ) ( ) ( ) 7) Gap e alinhamento entre porta mapas e painel de portas ( ) ( ) 8) Gap entre cuba, painel de portas e medalhão ( Pnl Tras.) ( ) ( ) 9) A embalagem garante a integridade do Produto ( ) ( ) 10) A etiqueta de identificação corresponde com o produto ( ) ( )
  • 25. Célula de Montagem Lanternas Elaborado por Data Início : : Rogério 01/10/2004 Controle de boletas Data Término Data Revisão : : 31/10/2004 01/10/2004 Últimas 5 Setembro Pareto de Defeitos Semanas 20 20 10 8 16 16 6 12 12 4 8 8 2 4 4 0 0 0 0 0 0 0 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 36 37 38 39 40 Dia 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 Total Quantidade Defeito Quantidade Boletas % Rejeição 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Objetivo 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Defeito Dia 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 Total 1 Terminal Afastado 0 2 Circuito com defeito 0 3 Lâmpada queimada 0 4 Etiqueta não conforme 0 5 Farolete com mau contato 0 6 Farolete não funciona 0 7 Infiltação de água 0 8 Lâmpada com defeito 0 9 Lâmpada invertida 0 10 Lâmpada solta 0 11 Lente trincada 0 12 Luz de freio não funciona 0 13 Luz de seta não funciona 0 14 Conector não trava 0 15 Falta componente 0 16 Jogo & Perfil irregular 0 17 Lente deformada 0 18 Terminal sem chanfro 0 19 Luz de ré não funciona 0 20 Curto circuito 0 21 0 22 0 23 0 24 0 25 0 26 0 27 0 28 0 29 0 30 0 31 0 32 0 33 0 34 0 35 0 0 0 TOTAL 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
  • 26. Defeito Ações Responsável Data Situação Legenda : R Em atraso R EM ATRASO G Fechado G FECHADO Y Fechado em atraso Y FECHADO EM ATRASO B Em andamento B EM ANDAMENTO
  • 27. RESUMO – AUDITORIAS ESCALONADAS A Organização deve: Designar a manufatura para dirigir e conduzir as Auditorias Escalonadas; Desenvolver um check-list para os itens de alto risco a ser verificado durante o processo da auditoria; Estabelecer freqüências para as auditorias (Itens de alto risco deve ser auditada pelo menos uma vez por turno); Verificar apropriadamente as documentações da qualidade; Acompanhar e revisar os resultados das Auditorias Escalonadas.
  • 28. Nome da Peça: Código: Mês e Ano: AUDITORIA ESCALONADA 1.0 PEÇA / PRODUTO DIA Liberação de Processo / Set Up Verificação do dispositivo à prova de erros Verificação do dispositivo de testes Existência I.P./ Auto Controle Embalagem adequada conforme especificado Identificação correta no produto e embalagem Existência de Treinamento Padronizado do Operador Existência dos recipientes para peças suspeitas Utilização de E.P.I.'s 2.0 PROCESSO Parâmetros conforme Ficha Técnica Existência da Peça Liberação Set Up Utilização dos dispositivos / instrumentos de medição Verificar registros de inspeção (IP) Auditoria Escalonada 3.0 SISTEMA Aferição dos dispositivos / instrumentos Existência da Manutenção Preventiva Rastreabilidade do lote Auditoria de Processo Auditoria de Produto 4.0 AVALIAÇÃO DO CLIENTE Existência de quadro de gestão à vista Plano de Ações atualizados PRR's/ Boletas - afixados Existência de postos da VFP Desempenho na Entrega ao Cliente PREENCHIMENTO: primeiro turno segundo turno terceiro turno Lider de produção
  • 29. Nome da Peça: Código: Data: AUDITORIA ESCALONADA 1.0 PEÇA / PRODUTO DATA Liberação de Processo / Set Up Verificação do dispositivo à prova de erros Verificação do dispositivo de testes Existência I.P./ Auto Controle Embalagem adequada conforme especificado Identificação correta no produto e embalagem Existência de Treinamento Padronizado do Operador Existência dos recipientes para peças suspeitas Utilização de E.P.I.'s 2.0 PROCESSO Parâmetros conforme Ficha Técnica Existência da Peça Liberação Set Up Utilização dos dispositivos / instrumentos de medição Verificar registros de inspeção (IP) Auditoria Escalonada 3.0 SISTEMA Aferição dos dispositivos / instrumentos Existência da Manutenção Preventiva Rastreabilidade do lote Auditoria de Processo Auditoria de Produto 4.0 AVALIAÇÃO DO CLIENTE Existência de quadro de gestão à vista Plano de Ações atualizados PRR's/ Boletas - afixados Existência de postos da VFP Desempenho na Entrega ao Cliente Operações Manufatura Qualidade Qualidade Qualidade Gerente Gerente Gerente Analista Chefe / Diretor Chefe
  • 30. RESUMO DA REDUÇÃO DE RISCO PRÓ-ATIVO A Liderança deve suportar as atividades de redução de NPR disponibilizando os recursos necessários; PFMEA’s deve passar por uma revisão completa; Uma lista com mais altos NPR’s deve ser estabelecida; Um Plano de Ação ou equivalente deve ser implementado por um time multi-disciplinar para o acompanhamento do processo de Redução do Índice de NPR; REATIVO Uma lista de falhas da qualidade interna e externa deve ser estabelecida; Times devem desenvolver um Plano de Ação com Dispositivos à Prova de Erro para evitar as falhas;
  • 31. Anexo I REV. DATA REVISÃO DATA INICIAL PÁGINA FMEA ANÁLISE DO MODO DE FALHA E SEUS EFEITOS ELABORADO POR: CLIENTE PRODUTO Nº DO PRODUTO Nº DESENHO ALTERAÇÃO TÉCNICA 0 0 0 0 0 0 de 00/01/00 C A US A ( S ) C O N T R OLE S C O N T R OLE S E F E IT O A ÇÕ E S M OD O D E F A LH A P OT E N C IA L P R E V E N T IV OS D E T E C T IV OS IT E M F UN ÇÃ O P OT E N C IA L D A P R E V E N T IV A S R ESP ON SÁ VEL DATA P O T E N C IA L M E C A N IS M O ( S ) E X IS T E N T E S N O E X IS T E N T E S N O F A LH A R EC OM EN D A D A S D E F A LH A P R OC ESSO P R OC E S S O 1 2 3 4 5 6 7 8 CARACTERÍSTICAS EQUIPE ANÁLISE CRÍTICA OBSERVAÇÕES SIMB. TIPO DESCRIÇÃO DEPTO R EP R ESEN T A N T E APROVADO Variação com baixa probabilidade de afetar significativamente o Qualidade NÃO APROVADO NÃO ESPECIAL produto Qualidade OBSERVAÇÕES Característica do produto para a qual uma variação tem Produção ESPECIAL - Não relacionado probabilidade de afetar significativamente a satisfação do Produção com a segurança Cliente com o produto Laboratório Usinagem Característica do produto para a qual uma variação pode afetar Pintura ESPECIAL - Relacionado significativamente a segurança do produto ou sua conformidade com a segurança (inflamabilidade, freios, ruídos).
  • 32. Qualificação dos FM EAs Produtos DCBr Recom endação jan/06 fev/06 mar/06 abr/06 mai/06 jun/06 jul/06 ago/06 set/06 out/06 nov/06 dez/06 ACIMA DE 120 42 44 101 à 120 27 25 81 à 100 5 5 61 à 80 4 4 41 à 60 2 2 =<40 5 5 Atual 74 74 O be je tivo 11 11 Total 85 85 Risco Re al 22580 23160 Risco me ta 11952 12002 Lista de FMEA´s incluídos Índices Risco Ítem FMEA´s >120 101 a`120 81 à 100 61à 80 41à 60 =<40 Real Meta 1 R 376 188 0902 11 9 5 4 2 5 5216 2404 2 R 634 351 0108 9 7 5 6 5 5 4792 2404 3 A 366 142 0901 7 9 4 16 5 6 4903 3044 4 A 457 011 0907 9 0 6 9 4 18 4331 2080 5 R 316 353 0025 8 0 6 10 4 3 3918 2070 Total 44 25 26 45 20 37 23160 12002 Classificação Geral de FMEA´s Risco Real 25000 Risco meta 20000 42 44 ACIMA DE 120 101 à 120 15000 81 à 100 61 à 80 41 à 60 10000 27 25 =<40 5000 5 5 4 4 2 2 5 5 0 out/06 ago/06 nov/06 jan/06 fev/06 set/06 mar/06 dez/06 jun/06 mai/06 jul/06 abr/06 nov/06 ago/06 jan/06 fev/06 jun/06 set/06 mar/06 jul/06 out/06 mai/06 dez/06 abr/06 Elaborado por : Rogério Souza Data: 17/05/2009
  • 33. RESUMO – LIÇÕES APRENDIDAS A Organização deve: Autorizar cada pessoa da organização a participar do processo de Lições Aprendidas; Estabelecer um processo para capturar Lições Aprendidas; Estabelecer e criar um sistema documentado de Lições Aprendidas; Estabelecer uma abordagem disciplinar para soluções de problemas preventivos utilizando Lições Aprendidas; Revisar o processo de Lições Aprendidas para garantir a implementação.
  • 34. Listagem de FMEA FMEA Nº PRO DUTO C LIENTE MO DO DE FALHA NPR ANTERIO R RESPO NSÁVEL E PRAZO AÇÃO PREVENTIVA RECO MENDADA NPR ATUAL LIÇÕ ES APRENDIDAS 1 R 376 188 0902 DCBr Gás 448 2 R 634 351 0108 DCBr Metal frio 448 3 A 366 142 0901 DCBr Gás 448 4 A 457 011 0907 DCBr Trinca 280 5 R 316 353 0025 DCBr Rechupe (Porosidade) 392
  • 35. RESUMO DE LIÇÕES APRENDIDAS 1. PROCESSO 2. PROBLEMA 3. CAUZA RAIZ 4. LIÇÃO APRENDIDA 5. APLICAÇÃO DA LIÇÃO APRENDIDA DATA: _____/_____/____
  • 36. QSB ALINHAMENTO COM A ISO 9000 / ISO TS 16949 ESTRATÉGIA QSB ISO 9000 Resposta Rápida 8.5.2 & 8.5.3 Controle de Produtos Não Conforme 8.3 Redução de Risco 7.3 Treinamento Padronizado 6.2.2 do Operador Trabalho Padronizado 7.1, 7.5.1, 7.6, 8.1 & 8.2.3 Auditoria Escalonada 8.2.2 Verificação da Prova de Erro Sem referência C.A.R.E. 8.2.4 Lições Aprendidas 7.3 & 8.4