• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Caso clínico onco
 

Caso clínico onco

on

  • 1,621 views

.

.

Statistics

Views

Total Views
1,621
Views on SlideShare
1,621
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
11
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Caso clínico onco Caso clínico onco Presentation Transcript

    • CASO CLÍNICO ONCOLOGIA RODRIGO A. PEREIRA DEUSDEDIT NETO Prof.Dr .Leonardo Oncologista DEZ 2012
    • Identificação: D. M. J, Sexo masculino Casado, Católico, Representante comercial, Natural e residente de Itororó-Bahia, 50 anos.
    • Queixa Principal: “Dor no pé da barriga”.há 10 meses
    • História da Doença Atual Paciente obeso, inicia quadro com dor difusa em baixo ventre, de intensidade leve, sem fator de melhora ou piora, há 10 meses, logo após ter começado uma dieta a fim de tratar, segundo informa SIC, uma esteatose hepática.Ha 9 meses atrás ao quadro do paciente foi somado ainda 2 episódios(durando cerca de 24h cada) em uma semana, de; diarréia aquosa , presença de sangue vivo nas fezes, vômitos de repetição(conteúdo; restos alimentares), e piora da dor em baixo ventre(10 em escala 0-10). Ao contrário dos outros sintomas o sangramento nas fezes não diminuiu de intensidade, mesmo após o fim das crises. Paciente então decide se consultar com um gastroenterologista, que solicita um TC de abdômen, e uma colonoscopia, fechando diagnóstico de câncer colon rectal. Atualmente o paciente encontra-se em quimioterapia, estando na 4 seção, de um total de 5, e a espera da cirurgia.
    • HPP Esteatose hepática há 11 meses. Arritmia cardíaca há 5 anos . HAS há 5 anos Cirurgia Miopia há 14 anos. Cirurgia fimose há 44 anos Cirurgia de Hérnia inguinal há 25anos.
    • História Familiar Pai 86 anos- AVE, vivo com sequelas. Mãe 83 anos. Hérnia disco. Litíase Biliar Tia Paterna: faleceu de câncer de útero.
    • Revisão de Sistemas Cabeça e pescoço: obstrução de narinas, recorrente.Nega demais alterações/queixas. Tórax: Dispnéia aos intensos esforços. Abdômen: vide HDA. Genitourinário: Nega Pêle e franeros: Manchas hipercrômicas na região do acesso venoso, membros superiores.
    • História Social/Hábitos de vida Boas condições socioeconômicas Fumou por 13 anos, 12 aos 25 anos.3 maços dia. Bebeu por35 anos, 15-50 anos. 3 garrafas de 600 ml durante a semana. Uma caixa de 24 cervejas de 600ml aos fins de semana. Mais um litro de destilado(cachaça ou uísque), nos fins de semana em que havia pescaria. Alimentação hipercalórica, hiperssódica, hiperlipídica. Não praticava exercícios físicos.
    • Outras queixas: Hérnia iguinal Hérnia umbilical.
    • Exame físico Sinais Vitais; FC:92bpm, P.A: 120x85 mmhg, FR:16 ipm, Pulso:ritímico, regular.IMC:33 Ectoscopia: Bom estado geral, anictérico, acianótico, mucosas bem coradas,pct disposto, comunicativo. Cabeça e pescoço: Ausência de linfonodoadenopatias, mucosa oral íntegra, ausência de estase jugular.
    • Exame físico Aparelho respiratório: Tórax Brevilineo, Expansibilidade mantida, percurssão claro pulmonar, murmúrio vesicular bem distribuído, FTV mantido. Ap.Cardíaco BCNF, em 2 tempos, sem sopro, ictus não palpado.
    • Exame físico Abdômen; Globoso, flácido, RHA diminuídos em quadrantes inferiores. Percussão predominantemente som timpânico nos 4 quadrantes. Indolor a palpação, sem visceromegalias palpáveis.Fígado não palpável, baço não palpável, Giordano negativo. Pele e fâneros Manchas hipercromicas nos membros superiores seguindo o trajeto das veias acessadas.
    •  O câncer colorretal é uma neoplasia maligna que afeta o intestino grosso e/ou o reto, acometendo a parede intestinal, e que dependendo do grau de invasão desta, pode comprometer outros órgãos, directamente ou através de metastases.
    • Epidemiologia MUNDO O segundo em número de mortes (atrás do câncer de pulmão) O terceiro câncer mais comum no mundo ocidental (atrás apenas do cancer de pulmao e de mama) A mortalidade cinco anos após diagnóstico varia entre 30% a 40% Terceiro tipo de câncer mais comum entre os homens Cerca de 60% dos casos ocorrem em regiões mais desenvolvidas BRASIL No Brasil, no ano de 2012, esperam-se 14.180 casos novos de câncer do cólon e reto em homens e 15.960 em mulheres. Risco estimado de 15 novos casos a cada 100 mil homens e 16 a cada 100 mil mulheres. Mulheres sendo mais afetadas do que homens (12,5 mil homens e 14,5 mil mulheres) no Brasil em 2008
    • Fatores de risco Idade acima de 50 anos: maioria dos casos ocorre entre 60 e 70 e antes de 50 anos são incomuns Pólipos: pólipos no cólon, principalmente os adenomatosos, são lesões que poderão sofrer transformação História de câncer: diagnóstico e tratamento prévios para câncer colorretal e mulheres que já tiveram câncer de ovário,endométrio ou mama Hereditariedade: história familiar de câncer de cólon ou de reto, Polipose Adenomatosa Familiar está relacionada a um risco de cerca de 100% Câncer Colorretal Não Polipóide Hereditário Cigarro: mulheres que fumam são 40% mais prováveis de morrer por câncer colorretal e homens fumantes têm um risco 30% maior Dieta: ricas em carnes vermelhas, baixo teor de cálcio, pobres em frutas frescas e vegetais, aves e peixes Vírus: exposição a alguns vírus (como algumas cepas de HPV) Doenças inflamatórias intestinais: história de Colite Ulcerativa Primária e doença de Crohn colorretal tem um risco maior Colangite Esclerosante Primária Uso de hormônios exógenos Obesidade Sedentarismo. Álcool: principalmente em grande quantidade, consomem mais de 30 gramas de álcool por dia, especialmente aquelas que consomem mais de 45 gramas por dia, parecem ter um risco maior
    • Quadro Clinico Dor abdominal Alteração do hábito intestinal (mudança da consistência das fezes e da freqüência de evacuações) Sangramento anal (hematoquezia) ou melena Anemia Fraqueza (ocorre em 20% dos pacientes). Perda de peso (não é um achado comum no câncer colorretal) Tenesmo (sensação de defecação incompleta) Náuseas e vômitos. Redução no diâmetro das fezes Presença de sangue ou muco nas fezes Obstrução intestinal Tumoração abdominal, observada pelo paciente ou por médicos
    • Diagnostico Historia clinica Exame fisico - Toque Retal: somente cerca de 20% dos tumores colorretais estão ao alcance do dedo, e somente tumores grandes o suficiente podem ser sentidos através desta técnica Exame de sangue oculto nas fezes: teste que verifica a presença de sangue nas fezes Sigmoidoscopia: avalia o reto e o cólon inferior para detectar pólipos e outras anormalidades. Colonoscopia: avalia reto e todo o cólon, para detectar pólipos e outras abnormalidades. Polipos podem ser removidos, tecido pode ser removido (biopsia), além de abranger todo o cólon Exame radiológico contrastado do cólon (enema opaco): deverá ficar reservado para quando não houver acesso à colonoscopia ou quando existir alguma contra-indicação para esse exame
    • Outros exames Diagnosticos TC: determinar o grau de espalhamento do câncer, mas não é utilizado detecção precoce Exames de sangue: antígene carcinoembriônico usados para monitorar o paciente após o tratamento. Aconselhamento genético: famílias que possuem uma forma hereditária do câncer colorretal, Exame de DNA nas fezes: Adenomas pré-malignos e células cancerígenas liberam marcadores de DNA que não são decompostos no processo digestivo, tem uma sensitividade de detecção de câncer de 71% a 91%.
    • Tratamento Cirurgia: único tratamento curativo Quimioterapia: reduzir o risco de metástases, para reduzir o tamanho do tumor. Pode ser neoadjuvante, adjuvante ou paliativa Radioterapia: não é muito utilizada por não ter uma precisao no foco Tratamento de metástases no fígado: 20% tem metastase e destes 25% são no figado que podem ser removidas com cirurgia Terapias de suporte: suporte psicológico Vacina: TroVax, estimula o sistema imunológico do indivíduo a enfrentar as células cancerígenas? Aspirina: inibe crescimento do tumor e metástases? Imunoterapia?
    • Prognostico Sucesso do tratamento: depende do estágio do câncer 90% dos pacientes que são diagnosticados em estágios iniciais sobrevivem cinco anos 64% tem sobrevida de 5 anos se o tumor invadiu nódulos linfáticos e/ou órgãos próximos Se diagnosticado em estágio avançado (metástases distantes) a taxa de sobrevivência de cinco anos é de 20%.
    • Prevenção Detecção precoce: pólipos podem ser detectados e removidos através de colonoscopia(após 50 anos) Estilo de vida e nutrição: atividade física, baixa ingesta de carne vermelha, dieta rica em fibras? Quimioprevenção: aspirina, calcio, acido folico?