Paciente em fase terminal

35,567 views
34,712 views

Published on

Aula da disciplina de semiologia e semiotécnica II.

Published in: Education
4 Comments
8 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
35,567
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
11
Actions
Shares
0
Downloads
567
Comments
4
Likes
8
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Paciente em fase terminal

  1. 1. Assistência de Enfermagem ao Paciente em Fase Terminal Prof. Rodrigo abreu
  2. 2. A morte é a incapacidade de manter a homeostasia pela perda das funções e integridade celular, podendo ocasionar necrose ou morte sistêmica.• Necrose é a morte celular ocorrida em uma organismo vivo, havendo a reconstituição pelo próprio.• Morte sistêmica ocorre da morte celular em cadeia, onde há a disfunção sistêmica básica do organismo.
  3. 3. Fases que Precedem a morte A reação psíquica determinada pela experiência com a morte, vivida pelo indivíduo ou familiares, foi descrita por Elisabeth Kubler-Ross como tendo cinco estágios sequênciais:1. Negação2. Raiva3. Barganha4. Depressão5. Aceitação
  4. 4. NEGAÇÃOSão mecanismos de defesa temporáriosdiante da morte. A intensidade e duraçãodesses mecanismos de defesa dependem decomo a própria pessoa que sofre e as outraspessoas ao seu redor são capazes de lidar comessa dor.Negação é a não aceitação da realidade.Em geral, a Negação e o Isolamento nãopersistem por muito tempo.
  5. 5. RAIVASurge devido à impossibilidade de manter a Negação eo Isolamento. Os relacionamentos se tornamproblemáticos e todo o ambiente é hostilizado.Junto com a raiva, também surgem sentimentos derevolta, inveja e ressentimento.Transformar a dor psíquica em agressão é, mais oumenos, o que acontece em crianças com depressão. Éimportante, nesse estágio, haver compreensão dosdemais sobre a angústia transformada em raiva napessoa que sente interrompidas suas atividades devida pela doença ou pela morte.
  6. 6. BARGANHAAcontece após a pessoa ter deixado de lado a Negação e oIsolamento, “percebendo” que a raiva também não resolveu.A maioria dessas barganhas é feita com Deus e, normalmente,mantidas em segredo.A pessoa se envolve com a religiosidade e implora que Deusaceite sua “oferta” em troca da vida, como por exemplo, suapromessa de uma vida dedicada à igreja, aos pobres, àcaridade, ou promessas como deixar de beber, fumar. Narealidade, a barganha é uma tentativa de adiamento.Nessa fase o paciente se mantém sereno, reflexivo e dócil(não se pode barganhar com Deus, ao mesmo tempo em quese hostiliza pessoas).
  7. 7. DEPRESSÃO Aparece quando o paciente toma consciência de sua debilidade física, quando já não consegue negar suas condições de doente, quando as perspectivas da morte são claramente sentidas. Evidentemente, trata-se de uma atitude evolutiva; negar não adiantou, agredir e se revoltar também não, fazer barganhas não resolveu. Surge então um sentimento de grande perda.• Aqui a depressão assume um quadro clínico mais típico e característico; desânimo, desinteresse, apatia, tristeza, choro, etc.
  8. 8. ACEITAÇÃONesse estágio o paciente já não experimenta odesespero e nem nega sua realidade. Esse éum momento de repouso e serenidade antesda morte.Assim ocorrendo, o processo até a morte pôdeser experimentado em clima de serenidadepor parte do paciente e, pelo lado dos queficam, de conforto, compreensão ecolaboração para com o paciente.
  9. 9. Orientações para ajudar os Pacientes a enfrentar a Morte• Aceite o comportamento dos pacientes não importando qual seja;• Oportunize aos pacientes momentos para a expressão livre de seus sentimentos;• Trabalhe para compreender os sentimentos dos pacientes;• Use afirmações de ampla abertura, como "Deve ser difícil para você", e "Gostaria de conversar a respeito?"
  10. 10. REALIZANDO OS CUIDADOS TERMINAIS• Hidratação• Alimentação• Eliminação Fisiológica,• higiene,• posição• conforto
  11. 11. Alterações fisiológicas pós morteAs alterações pós morte são observadas emum indivíduo que houve interrupção da vida,ocasionando morte celular sistêmica, afetandodiversos órgãos e tecidos vitais.- Parada das funções cárdio-respiratórias.- Arreflexia ou Ausência de reflexos (Morte cerebral)- Inconsciência
  12. 12. - Livor mortis ou Hipostase cadavérica- Algor mortis ou Frialdade cadavérica(interrupção da termoregulação – metabolismocassado)- Rigor mortis ou Rigidez cadavérica (Contraçãomuscular pela falta de ADP e ATP)- Coagulação do Sangue- Deslocamento, Torção ou Ruptura de Vísceras(lise celular)- Prolapso Retal Cadavérico e Relaxamentoesfincteriano- Perda do brilho da córnea- Midríase ou Pupilas dilatadas
  13. 13. CUIDADOS PÓS-MORTE• Envolvem a limpeza e o preparo do corpo de modo que o mesmo seja entregue a família o mais integro possível.• São realizados procedimentos que retardam ou disfarçam as alterações ocorridas com o corpo no pós morte.
  14. 14. Preparo do Corpo• Puxe as cortinas em torno do leito;• Calçar luvas;• Coloque o corpo em decúbito dorsal, com os braços estendidos dos lados ou dobrados sobre o abdômen;• Remova todo o equipamento médico, tais como cateter intravenoso, cateter urinário, curativos, sondas, etc;• Abaixe as pálpebras;• Eleve discretamente a altura da cabeça;• Reponha ou mantenha as dentaduras na boca;• Higienizar o corpo;• Realizar tamponamento de cavidades e orifícios (narinas, boca, traqueostomias, anus e vagina (S/N);• Fechar ostomias;
  15. 15. • Aplique um ou mais forros higiênicos descartáveis entre as pernas e sob as nádegas;• Prenda uma etiqueta de identificação no tornozelo, no pulso ou fronte (conforme rotina do serviço);• Envolva o corpo em uma mortalha ou outro tipo de cobertura para o corpo, e cubra-o com um lençol;• Fixe um etiqueta de identificação na parte externa do corpo envolvido;• Organize a área próxima à cama e descarte o equipamento sujo;• Retire as luvas e lave as mãos;• Saia do quarto e feche a porta, ou transporte o corpos ao necrotério, área na qual o corpo do indivíduo falecido é mantido temporariamente ou é examinado;• Faca um inventario dos pertences e envie-os à administração, onde serão entregues à família;• Notifique o pessoal da manutenção após a remoção do corpo do quarto.• Organizar prontuário e exames do paciente;• Realizar evolução no Prontuário.
  16. 16. EVOLUÇÃO DE ENFERMAGEM• Mencionar intercorrências e procedimentos realizados pela equipe;• Informar Hora da morte;• Informar realização de exames que indicam que o paciente está morto;• Cuidados com o corpo;• Horário em que o corpo foi encaminhado ao necrotério.• Informar emissão de Declaração de óbito ou encaminhamento para SVO / IML.

×