Cateterismo vesical
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Cateterismo vesical

on

  • 56,671 views

 

Statistics

Views

Total Views
56,671
Views on SlideShare
56,671
Embed Views
0

Actions

Likes
11
Downloads
603
Comments
3

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Cateterismo vesical Presentation Transcript

  • 1. Cateterismo Vesical Prof. Rodrigo Abreu
  • 2. Eliminações urináriaA eliminação urinária depende da função dos rins,ureteres, bexiga e uretra;Os rins removem resíduos do sangue para formar aurina;Os ureteres transportam a urina dos rins até abexiga;A bexiga retém a urina até que se desenvolva avontade de urinar;A urina sai do corpo através da uretra.
  • 3. Semiologia do sistema renal
  • 4. Cateterismo O cateterismo da bexiga envolve a introdução de sonda de silicone, polietileno ou borracha através da uretra e dentro da bexiga. A sonda proporciona um fluxo de urina contínuo nos clientes incapazes de controlar a micção ou naqueles com obstruções. Também é usado para avaliar o débito urinário horário em clientes com instabilidade hemodinâmica.
  • 5. TIPOS DE SONDAS OU CATETERES Variam de modelos e materiais, de acordo com o tipo de sondagem, se de alívio ou de demora. Para as sondagens de alívio, as mais utilizadas são a sonda de nelaton; Para as sondagens de demora temos as sondas de duas vias, como a de Foley ou a de três vias para lavagem vesical, a de Owen.
  • 6. Cateterismo vesical de alívio Um cateter reto e de uso único é introduzido por um período suficiente para drenar a bexiga. Quando a bexiga estiver vazia o cateter deve ser retirado imediatamente. Este tipo de cateterismo pode ser repetido quando necessário, porém, o uso repetido aumenta os riscos de trauma e infecção. Numeração de 8 – 12 Fr.
  • 7. Cateterismo vesical de alívio Indicações para o cateterismo de alívio: Alívio para retenção urinária; Obtenção de urina estéril; Avaliação de urina residual depois da micção;
  • 8. Cateterismo vesical de alívio Cateterismo intermitente: Utilizado em horários pré-estabelecidos: Ex. a cada 6 horas Ex. portadores de bexiga neurogênica
  • 9. Cateterismo vesical de demora Uma sonda de demora ou foley permanece no local por um período prolongado. Possui um balão insuflável com água que envolve a sonda exatamente abaixo da extremidade, quando insuflado, o balão repousa contra a saída da bexiga, fixando a sonda na posição. A sonda de retenção ou de demora possui duas ou três luzes dentro do corpo da sonda. Tempo de permanência Indeterminado Numeração de 14 – 16 Fr em mulheres 16 - 20 Fr em homens
  • 10. CATETERES UTILIZADOS NA SONDAGEM VESICAL DE DEMORA  Sonda de foley possui uma via para drenagem de urina e outra para inflar e desinflar o balonete. Sonda de Owen é usada quando é necessário manter a irrigação da bexiga, instilação de medicamentos.
  • 11. FINALIDADES Facilitar a eliminação vesical. Facilitar a coleta de amostras estéreis de urina. Facilitar a avaliação da quantidade de urina residual. Permitir uma avaliação continua e apurada da diurese. Fornecer uma via para irrigação da bexiga. Realizar o controle indireto da função hemodinâmica e promover a drenagem de paciente com incontinência urinaria. Esvaziar a bexiga para procedimentos cirúrgicos ou diagnósticos. Controlar sangramentos.
  • 12. Cuidados de Enfermagem O cateterismo deve ser realizado quando absolutamente necessário, devido ao grande risco de originar infecção no trato urinário. Quando paciente estiver com retenção urinaria, realizar algumas técnicas que levam a micção voluntária. Transmitir atitudes calmas ao paciente. Oferecer medicamentos para o alivio da dor . Atender prontamente a solicitação do paciente urinar. Proporcionar privacidade. Favorecer a posição mas adequada ao paciente. Proporcionar estímulos que facilitem a micção, como deixar uma torneira aberta perto do paciente. Colocar bolsas com água morna sobre a região inferior do abdômen do paciente. Oferecer banho quente que pode resultar em relaxamento muscular.
  • 13. COMPLICAÇÕES Infecção urinaria: mas comum causada principalmente pelo uso incorreto da técnica asséptica. Hemorragia: pode ser causada pela utilização de uma sonda de calibre inadequado ao tamanho da uretra, passagem incorreta , existência de patologias previas. Formação de cálculos na bexiga: devido a,longa permanência da sonda. Bexiga neurogênica: nos pacientes com permanência prolongada da sonda . Trauma tissular: devido a aplicação de força durante a passagem ,utilização de sonda muito calibrosa.
  • 14. MATERIAL NECESSARIOSONDA DE FOLEY Sistema fechado de coleta de urina
  • 15. Água destilada Seringa de 20 ml Luvas de Procedimento lidocainaAntisséptico tópico Micropore Saco de lixo Luvas estéreis
  • 16. Campo estéril; cuba redonda ou cúpula; gaze; pinça Sheron; cuba rim;Recipiente para coleta de urina; Recipiente estéril para coleta de amostra deurina; Biombo s/n.
  • 17. Vamos Praticar ???
  • 18. PROCEDIMENTO1 Orientar o paciente quanto ao procedimento se este estiver lúcido. 2 Lave bem as mãos.3 Reunir material necessário em bandeja4 Organizar a unidade do paciente Manter a privacidade Calçar as luvas de procedimento Fazer assepsia (higiene do paciente)
  • 19. 5 Posicionar o paciente em decúbito dorsal (Homem) e posição ginecológica(Mulher). 6 Abrir o pacote de sondagem sobre a mesa auxiliar. 7 Abrir o material sobre o campo (de forma estéril) 8 Colocar antisséptico na cuba redonda.9 Colocar 10 ml de lidocaina gel na seringa (homem) e na gaze (mulher).10 Calçar as luvas de Procedimento
  • 20. 11 Realizar antissepsia do períneo12 Colocar campo fenestrado13 Calçar Luvas estéreis14 Testar o balonete15 Conectar a bolsa coletora
  • 21. 16 Visualizar o meato uretral e introduzir a sonda lenta e delicadamente
  • 22. 17 Inflar o balonete com 10 a 20 ml de água destilada18 Tracionar a sonda para posiciona-la e testar segurança19 Retira o campo estéril20 Fixar a Sonda Homens : região supra púbica Mulher : face interna da coxa.
  • 23. •Manter a unidade em ordem•Descartar material usado•Registrar procedimento no prontuário da paciente.