Aula 09  oxigênioterapia
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Aula 09 oxigênioterapia

on

  • 70,347 views

 

Statistics

Views

Total Views
70,347
Views on SlideShare
70,347
Embed Views
0

Actions

Likes
18
Downloads
944
Comments
2

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Aula 09  oxigênioterapia Aula 09 oxigênioterapia Presentation Transcript

  • OXIGENOTERAPIA Rodrigo Abreu
  • OXIGENOTERAPIA Consiste na administração de oxigênio,como forma terapêutica, numa concentração de pressão superior à encontrada na atmosfera ambiental para corrigir e atenuar deficiência de oxigênio. Administração de oxigênio acima da concentração do gás ambiente (FiO2 21%)
  • OBJETIVOS DA OXIGENOTERAPIA 1. Corrigir e reduzir os sintomas relacionados à hipoxemia e melhorar a Difusão do O 2;2. Melhorar a oxigenação tissular de pacientes com dificuldades de transporte de O2 ; 3. Facilitar a absorção de ar das cavidades orgânicas; 4. Minimiza a carga de trabalho cárdio-pulmonar. 5. Manter PaO2 entre 80-100mm Hg Sat O2 de 90 a 100%.
  • HIPOXEMIA Falta ou entrega reduzida de O2, acarretando  PaO2 < 60 mm Hg ≈ Sat O2 < 90% . Sinais clínicos de Hipoxemia 1. Agitação; 2. Cianose de extremidades ou central; 3. Sat. de O2 < 90%. 4. PaO2 < 60 mmHg.
  • EFEITOS FISIOLÓGICOS DO OXIGÊNIO• Melhora da troca gasosa;• Vasodilatação arterial pulmonar;• Baixa resistência arterial pulmonar;• Baixo DC;• Baixa sobrecarga de trabalho cardíaco;• Vasoconstricção sistêmica.
  • MODOS DE ADMINISTRAÇÃO 1. Sistemas de baixo fluxo; 2. Sistemas de alto fluxo;3. Sistemas com reservatório.
  • SISTEMAS DE BAIXO FLUXO O fluxo de O2 é menor que a demanda do paciente; Há diluição do gás inspirado; Fornece FiO2 baixa e variável dependendo do VC. CÁTETER NASAL; CÂNULA NASAL; CATETER TRASTRAQUEAL; MÁSCARA FACIAL SIMPLES.
  • COMO TITULAR A FiO2 NOSSISTEMAS DE BAIXO FLUXO? Fluxo de O2 FiO2 1 Lpm 24 % 2 Lpm 28 % 3 Lpm 32 % 4 Lpm 36 % 5 Lpm 40 % 6 Lpm 44 % FiO2 – Frequência inspiratória de O2
  • Régua de gases medicinais
  • SISTEMAS DE BAIXO FLUXO CÂNULA NASAL Empregado quando o paciente requer uma concentração média ou baixa de O2. É relativamente simples e permite que o paciente converse, alimente, sem interrupção de O2. FiO2 de 0.24 a 0.40
  • SISTEMAS DE BAIXO FLUXO CÂNULA NASAL 1- Vantagens: - Conforto e comodidade; - Economia, não necessita ser removida; - Convivência - pode comer, falar, sem obstáculos; - Facilidade de manter em posição. 2- Desvantagens: - Não pode ser usada por pacientes com problemas nos condutos nasais; - Concentração de O2 inspirada desconhecida; - De pouca aceitação por crianças pequenas; - Não permite nebulização.
  • SISTEMAS DE BAIXO FLUXO MÁSCARA FACIAL SIMPLES Empregado quando o paciente requer uma concentração média ou baixa de O2. Serve como veículo para administração de medicações inaláveis e umidificar as vias aéreas.
  • SISTEMAS DE BAIXO FLUXO MÁSCARA FACIAL SIMPLES 1- Vantagens: -Respiração nasal e oral; -Veículo para administração de medicações inalatórias; -FiO2 de 0.40 a 0.60 2- Desvantagens: -Dificulta comunicação oral; -Dificuldade para beber e comer -Evitar uso prolongado,devido lesões por pressão;
  • SISTEMAS DE BAIXO FLUXO CATÉTER NASOFARÍNGEO Inserção de uma sonda de aspiração conectada à uma fonte de O2,através das fossas nasais até a nasofaringe. 1- Vantagens: -Redução da perda de O2; 2- Desvantagens: -Pouco utilizado, devido grande desconforto; -Realizar medição(do lobo da orelha até a ponta do nariz) -Induz reflexo de vômito; -Deglutição de gás; -As narinas devem ser alternadas de 8/8 horas.
  • SISTEMAS DE BAIXO FLUXO CATÉTER TRASTRAQUEAL Introdução de catéter através de TOT ou Traqueóstomo. Posicionar entre o 2º e 3º anel traqueal. Utilizado quando há obstruçõa das Vias aéreas.
  • SISTEMAS DE BAIXO FLUXOCATÉTER NO TOT OU TRAQUEÓSTOMO 1- Vantagens: -Melhor aproveitamento do O2; -Maior reservatório anatômico que aumenta a FiO2 e diminui os custos com o gás; 2- Desvantagens: -Ressecamento das secreções; -Cuidados com a umidificação; - Procedimento invasivo; -Maior risco para infecções do trato respiratório;
  • FATORES QUE AFETAM A FiO2NOS SITEMAS DE BAIXO FLUXO? Fluxo de oxigênio; Respiração com a boca fechada; Freqüência Respiratória; Tempo inspiratório;
  • SISTEMAS DE ALTO FLUXO  Fornece O2 em fluxos iguais ou superiores ao fluxo inspiratório máximo do paciente;  FiO2 fixa; Utiliza orifícios de tamanhos diferentes com fluxos de O2 variáveis para ajuste da FiO2.
  • SISTEMAS DE ALTO FLUXO SITEMA DE VENTURI Constitui o método mais seguro e exato para liberar a concentração necessária de oxigênio, sem considerar a profundidade ou freqüência da respiração.
  • SISTEMAS DE ALTO FLUXO SITEMA DE VENTURI 1-características: -Não ocluir a região do anel de arrastemento; -Titular o fluxo em lpm compatível com a FiO2 designada em cada adaptador (FiO2 0.24 a 0.50);
  • Fluxo de O2FiO2 Cor (Lts/min)0.24 Azul 30.28 Amarelo 60.31 Branco 80.35 Verde 120.40 Rosea 150.50 Alaranjado 15
  • Concentração de O2 geradas por diferentes dispositivos de administração Fluxo O2 (L/min) FiO2 %Ar ambiente 0 0,21 1 0,24 2 0,28Cânulas ou catéteres nasais 3 0,32 4 0,36 5 0,40 5-6 0,40Máscara simples 6-7 0,50 7-8 0,60 3 0,24 6 0,28Máscara tipo Venturi 9 0,35 12 0,40 15 0,50
  • SISTEMAS COM RESERVATÓRIO  Coletam e armazenam O2 entre as inspirações do paciente; O paciente utiliza o suprimento dereserva quando seu fluxo inspirtório For maior que o fluxo de O2;  Oferecem FiO2 maiores que os sistemas de baixo fluxo.
  • SISTEMAS COM RESERVATÓRIO- Máscara simples;- Máscara de reinalação parcial;- Máscara de não reinalação.
  • SISTEMAS COM RESERVATÓRIO 1) O corpo da máscara coleta e armazena oxigênio entre as inspirações do paciente. 2) Variações de fluxo de 5 à 12 lpm. 3) Fornece FiO2 variavéis: - Fluxo de entrada; - Coletor da máscara; - Padrão ventilatório.Máscaras simples / reservatório 100 / 200 ml.
  • SISTEMAS COM RESERVATÓRIOMáscara de reinalação parcial; • Sem válvula anti-retorno • FiO2 de 60 – 80% • Reinalação parcial do CO2 expirado no reservatório;Máscara de não reinalação • Com Válvula anti-retorno • FiO2 de até 90% • Não há reinalação do CO2 expirado
  • SISTEMAS COM RESERVATÓRIOMáscara de reinalação parcial Máscara de não reinalação Máscaras com reservatório de 1 L.
  • SISTEMAS DE CERCADAS1) Capacetes ou Halos- Cobre somente a cabeça;- Oxigênio liberado por nebulizador;- Fluxo de O2 de acordo com o tamanho.2) Incubadoras:- Combinam o aquecimento com acomplementação de O2;- Concentração de oxigênio variável.
  • SISTEMAS DE CERCADAS
  • SISTEMAS DE CERCADAS
  • EFEITOS DELETÉRIOS DO O2 Depressão da respiração e aumento da PaCO2; Desidratação das mucosa; Lesões locais pelos catéteres; Tosse seca e irritativa; Diminuição da atividade ciliar Lesão do endotélio capilar;
  • MEDIDAS ADJUNTAS AO TRATAMENTO Desobstrução das VA; Posicionamento do paciente; Suporte nutricional; Otimização do débito cardíaco; Manutenção dos níveis de Hb.
  • OXIGENOTERAPIA HIPERBÁRICA
  • A Medicina Hiperbárica ou OxigenoterapiaHiperbárica(OHB) é uma modalidade terapêutica queutiliza o efeito experimentado pelo organismo ao ser submetido a uma pressão acima da pressão atmosférica. Nestas condições, observa-se uma rápida normalização dos processos de cicatrização de feridas e um combate efetivo a várias infecções. Devido a estes efeitos cicatrizantes da oxigenoterapia hiperbárica sobre os tecidos, o método é indicado como tratamento principal oucoadjuvante a diversas doenças agudas ou crônicas, de natureza isquêmica, infecciosa, traumática ou inflamatória, geralmente graves e refratárias aos tratamentos convencionais.
  • Indicações- Embolias gasosas- Gangrena gasosa- Síndrome de Fournier- Infecções necrotizantes detecidos moles- Isquemias agudas traumáticas- Vasculites agudas- Queimaduras- Lesões por radiação- Retalhos ou enxertoscomprometidos ou de risco- Osteomielites
  • CONSIDERAÇÕES FINAIS1. Reconhecer a oxigenoterapia;2. Reconhecer os possíveis riscos;3. Reconhecer e saber manusear os sistemas de oferta de O2;4. Gerenciar os gastos com O2;5. Saber o momento certo de utilizare suspender (Adequada avaliação clínica)
  • OBRIGADO !