IntroduçãO Ao Linux

2,768 views
2,639 views

Published on

introdução ao linux

Published in: Technology
0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
2,768
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
110
Actions
Shares
0
Downloads
40
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

IntroduçãO Ao Linux

  1. 1. Introdução ao Linux [email_address]
  2. 2. Introdução <ul><li>Introdução ao sistema operacional Linux: </li></ul><ul><li>Sistema baseado no Sistema Operacional Unix. </li></ul><ul><li>Linus Torvalds iniciou seu desenvolvimento em 1991 em um sistema operacional chamado Minix. </li></ul><ul><li>Teve como base a livre distribuição do código-fonte para alteração e melhoramento por vários desenvolvedores ao redor do mundo. </li></ul><ul><li>Unix possui várias versões: Solaris, Irix, AIX e BSD – Cada uma com sua particularidade. </li></ul><ul><li>No mundo Unix o hardware escolhe o sistema operacional – SUN -> Solaris; IBM -> AIX. </li></ul><ul><li>No mundo linux depende das características que você escolher. R$ 50,00 faz diferença para um estudante? E para uma empresa? </li></ul><ul><li>Serviços (Treinamento/Qualificação/Certificação) e Suporte são os grandes atrativos das distribuições pagas. </li></ul>
  3. 3. Requisitos de Hardware <ul><li>Servidor DNS – Pentium 133MHZ/64 MB/500 MB. </li></ul><ul><li>Servidor de Correio – Pentium 233/128 MB/4 GB (100 usuários – 20 MB por usuário). </li></ul><ul><li>Servidor de Impressão – Pentium 133MHZ/64 MB/1 GB. </li></ul><ul><li>Base de Hardware </li></ul><ul><li>Linux nos dá todos os detalhes dos periféricos instalados no equipamento, isso pode gerar confusão caso você não saiba para que precisa da informação. </li></ul><ul><li>Barramento PCI/ISA/AGP. </li></ul>
  4. 4. O que você precisa saber para poder começar a instalar? <ul><li>Característica do Disco Rígido; </li></ul><ul><li>Adaptador Ethernet; </li></ul><ul><li>Monitor de Vídeo; </li></ul><ul><li>Interface de Vídeo; </li></ul><ul><li>Processador; </li></ul><ul><li>Memória; </li></ul><ul><li>Rede: </li></ul><ul><ul><li>Endereço IP; </li></ul></ul><ul><ul><li>Mascara de Rede; </li></ul></ul><ul><ul><li>Nome do Host; </li></ul></ul><ul><ul><li>Nome do Domínio; </li></ul></ul><ul><ul><li>Endereço do DNS; </li></ul></ul><ul><ul><li>Endereço do Gateway; </li></ul></ul>
  5. 5. Quais são os métodos de instalação? <ul><li>FTP; </li></ul><ul><li>HTTP; </li></ul><ul><li>NFS; </li></ul><ul><li>SMB; </li></ul><ul><li>Disco Local; </li></ul><ul><li>CD-Rom; </li></ul>
  6. 6. Criando um disco de inicialização <ul><li>Para criar um disco de inicialização você precisa utilizar um programa chamado RAWRITE que esta no primeiro disco de instalação da distribuição. </li></ul>
  7. 7. Nomes dos Dispositivos em Linux A: B: Fd0-fd1 ou floppy Drive 3 ½ Com1 – Com4 St0-st1 Fita SCSI Lpt1 – Lpt2 Lp0-lp1 Saída Paralela Com1 – Com4 Ttys0-ttys3 Saída Serial psaux PS/2 Com1 – Com4 cua0-cua3 Modem C: D: ... sda-sdh Unidade SCSI C: D: ... hda-hdh Unidade IDE DOS/Windows Linux Dispositivo
  8. 8. Particionamento de Disco <ul><li>O Linux oferece dois métodos para particionamento; </li></ul><ul><li>Disk Druid e Fdisk; </li></ul><ul><li>Se você tem um conhecimento em Windows perceberá a diferença entre o particionamento em Linux, o programa divide uma unidade de 2 partes, por exemplo, gerando duas unidades lógicas C: e D:, para o usuário a idéia passada é a de dois dispositivos de armazenamento separados fisicamente. </li></ul><ul><li>O particionamento em Linux unifica todos os dispositivos em um único sistema Raiz, ao invés de dispositivos separados, o usuário “vê” o sistema como uma única unidade. </li></ul><ul><li>O diretório ao qual o dispositivo é “Ligado”, nos chamamos de “Ponto de montagem”. </li></ul><ul><li>Os pontos de montagem estão escritos no arquivo /etc/fstab (usado no momento da inicialização) </li></ul><ul><li>Objetivo é o mesmo, manter dados incompatíveis separados. </li></ul><ul><li>Linux necessita de 2 partições – Swap e Root (raiz). </li></ul><ul><li>Administradores experientes separam arquivos de dados dos programas dos arquivos dos usuários em partições diferentes. </li></ul>
  9. 9. Nomes das partições mais comuns <ul><li>Swap – Contém o espaço de troca para o sistema operacional; </li></ul><ul><li>Root (/) – É a base de todo o sistema de arquivo; </li></ul><ul><li>Boot (/boot) – Algumas distribuições colocam os arquivos de inicialização em um diretório separado para que um partição “boot” possa ser criada separada do partição Raiz (/); </li></ul><ul><li>Usr (/usr) – Contém a maior parte dos programas de sistemas; </li></ul><ul><li>Home (/Home) – Contém os diretórios e arquivos pessoais; </li></ul><ul><li>Var (/var) – Contém arquivos da fila de impressão, correio, noticias e os logs do sistema; </li></ul><ul><li>Opt (/opt) – Contém os programas opcionais, alguns programas se instalam nesse diretório; </li></ul><ul><li>Etc (/etc) – Contém os arquivos de configuração. </li></ul>
  10. 10. Visão Geral do Sistema Linux <ul><li>Linux composto por 3 partes </li></ul><ul><ul><li>Kernel; </li></ul></ul><ul><ul><li>Aplicações do Sistema; </li></ul></ul><ul><ul><li>Aplicações do usuário. </li></ul></ul><ul><li>Kernel é o núcleo do sistema operacional e é responsável pelas funções de baixo nível (gerenciamento de memória, processos, CPU) é também responsável pelo suporte aos arquivos e periféricos. </li></ul><ul><li>Número de série: 2.4.4-CL (2.4 é a versão; 4 diz se o kernel é estável (par) ou de teste (impar); -CL é a distribuição). </li></ul><ul><li>Aplicações de sistema são necessários para os programas funcionarem. Ex: Init, Getty e syslog. </li></ul><ul><ul><li>Init – responsável por executar outros programas, garante que o getty seja executado e adota processos órfãos, é pai de todos os processos. </li></ul></ul><ul><ul><li>Getty – responsável pelo “login” tem terminal. </li></ul></ul><ul><li>Syslog – captura as mensagens de erro geradas pelo Kernel ou por outras aplicações. </li></ul>
  11. 11. Processo de inicialização <ul><li>Essencial para o administrador de sistemas ou redes; </li></ul><ul><li>Boot – Bootstrap Loader </li></ul><ul><li>“ Pull yourself up by your bootstraps” </li></ul><ul><li>“ Levante-se com suas próprias forças” </li></ul><ul><li>ROM BIOS - > Boot - > Kernel - > Init </li></ul><ul><li>* Servidores não têm dual boot, pois nunca vão ter dois sistemas operacionais instalados, pois a sua dedicação é exclusiva, diferente de um desktop. </li></ul>
  12. 12. LILO <ul><li>Ferramenta versátil </li></ul><ul><li>Gerência mais de 60 imagens </li></ul><ul><li>Pode ser instalado em disquete/HD </li></ul><ul><li>/etc/lilo.conf </li></ul><ul><li>#Exemplo </li></ul><ul><li>#Global Section </li></ul><ul><li>boot = /dev/hda3 -> onde esta o boot </li></ul><ul><li>map = /boot/map -> onde esta fisicamente </li></ul><ul><li>install = /boot/boot.b -> arquivo que é carregado na memória </li></ul><ul><li>prompt </li></ul><ul><li>timeout = 50 </li></ul><ul><li>#Default image </li></ul><ul><li>image = /vmlinux - > Qual a imagem do Kernel </li></ul><ul><li>label = Linux </li></ul><ul><li>root = /dev/hda3 - > Onde esta a raiz do sistema </li></ul><ul><li>read-only – > garante a execução do fschk, kernel intacto </li></ul><ul><li>other = /dev/hda1 </li></ul><ul><li>label = dos </li></ul><ul><li>table = /dev/hda </li></ul>
  13. 13. Sequência de BOOT <ul><li>Rom BIOS -> BOOT-> Kernel -> Init -> rc.sysinit </li></ul><ul><li>Run Levels </li></ul><ul><ul><li>De 0 a 6 </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>0 – Halt </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>1 – Single </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>2 – Modo sem Rede </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>3 – Modo texto/terminal </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>4 – Não utilizado </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>5 – Gráfico </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>6 – Reboot </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Definido no arquivo /etc/inittab </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Id:N:initdefault (onde N é o número do run level). </li></ul></ul></ul><ul><li>rc.local – Arquivos de carregamento de scripts do administrador de sistemas </li></ul>
  14. 14. Interpretador de Comandos <ul><li>Shell – analisa o texto digitado na linha de comando e gera algum resultado; </li></ul><ul><li>Cshell; Kshell, etc. </li></ul><ul><li>[root@localhost root]$ </li></ul><ul><li>[usuario@localhost usuario]# </li></ul>
  15. 15. Sintaxe de Comandos <ul><li>Padrão: comando [opções] [argumentos] </li></ul><ul><li>Opções mudam o comportamento usual do comando </li></ul><ul><li>Argumento é referente a algum arquivo/localidade por exemplo. </li></ul><ul><li>#cat /var/log/messages </li></ul>
  16. 16. <ul><li><commando> & </li></ul><ul><li>tail </li></ul><ul><li>mount / umount </li></ul><ul><li>join </li></ul><ul><li>fg / bg </li></ul><ul><li>head </li></ul><ul><li>pstree </li></ul><ul><li>cal </li></ul><ul><li>ps </li></ul><ul><li>rm </li></ul><ul><li>shutdown </li></ul><ul><li>mv </li></ul><ul><li>logout </li></ul><ul><li>cp </li></ul><ul><li>locate </li></ul><ul><li>rmdir </li></ul><ul><li>updatedb </li></ul><ul><li>mkdir </li></ul><ul><li>find </li></ul><ul><li>pwd </li></ul><ul><li>whereis </li></ul><ul><li>cd </li></ul><ul><li>makewhatis </li></ul><ul><li>more </li></ul><ul><li>whatis </li></ul><ul><li>cat </li></ul><ul><li>apropos </li></ul><ul><li>touch </li></ul><ul><li>grep </li></ul><ul><li>ls </li></ul><ul><li>uname </li></ul><ul><li>man </li></ul>
  17. 17. Comandos básicos <ul><li>touch saida.txt </li></ul><ul><li>cat saida.txt </li></ul><ul><li>vi saida.txt </li></ul><ul><li>Cat /var/log/messages </li></ul><ul><li>tail /var/log/messages </li></ul><ul><li>Head /var/log/messages </li></ul>
  18. 18. Redirecionamento/condutores <ul><li>Entrada Padrão (0) – Teclado/Mouse </li></ul><ul><li>Saída Padrão (1) – Monitor/Impressora </li></ul><ul><li>Saída de Erro (2) – Log/Monitor </li></ul><ul><ul><li>Ex: ls > saída.txt ou ls 2 > saída.txt </li></ul></ul><ul><ul><li>No primeiro exemplo o resultado do comando ls é redirecionado para o arquivo saída.txt. Já no segundo exemplo somente os erros. </li></ul></ul>
  19. 19. Manutenção do Sistema <ul><li>free – Tem como objetivo a verificação de espaço livre da memória. </li></ul><ul><li>ntsysv – Tem a função de exibir e configurar os serviços que serão inicializados junto com o sistema. </li></ul><ul><li>chkconfig – Semelhante ao ntsysv mas com um nível de detalhamento entre os modos de inicialização (texto/gráfico). </li></ul><ul><li>ps – Verifica os processos ativos (tabela init) </li></ul><ul><ul><li>-axjf </li></ul></ul><ul><ul><li>-aux </li></ul></ul><ul><ul><li>-axms </li></ul></ul><ul><ul><li>-ely </li></ul></ul><ul><li>Pstree </li></ul><ul><ul><li>Pstree –G </li></ul></ul><ul><ul><li>Pstree –G –c </li></ul></ul><ul><ul><li>Pstree –G –c -p </li></ul></ul><ul><li>kill – Termina os processos </li></ul><ul><ul><li>Kill [sinal] PID </li></ul></ul><ul><ul><li>Sinal – verificar 1,2,9,15,18 ... O que faz cada um deles? PESQUISAR! </li></ul></ul><ul><li>killall </li></ul>
  20. 20. Manutenção do sistema <ul><li>/etc/inittab </li></ul><ul><li>id:N:initdefault </li></ul><ul><li>N é o runlevel </li></ul><ul><li>ca::ctrlaltdel:/sbin/shutdown –t3 –r now </li></ul><ul><li>Substituir /sbin/shutdown … por texto com propriedade 666 para desabilitar o reboot do sistema </li></ul><ul><li>Uname –r ?? </li></ul><ul><li>cat /prov/version ?? </li></ul><ul><li>lsmod </li></ul>
  21. 21. Manutenção do Sistema <ul><li>fsck – Corrige erros da estrutura de arquivos e diretórios. </li></ul><ul><li>fdisk – Criar, listar, alterar e apagar partições </li></ul><ul><li>mkfs – formata a partição criada pelo fdisk com o sistema de arquivos. </li></ul><ul><ul><li>Mke2fs e mkdosfs são variações do comando acima. </li></ul></ul><ul><li>mkswap - prepara o disco para ser usado como memória virtual </li></ul><ul><li>du – listagem detalhada da capacidade do ocupada </li></ul><ul><li>df – capacidade armazenada </li></ul><ul><li>updatedb – cria um banco de dados com as localizações do arquivos no sistema. </li></ul><ul><li>locate – localiza na banco de dados criado pelo updatedb o arquivo desejado. </li></ul><ul><li>mount – monta uma unidade/partição no sistema de arquivos do linux. </li></ul><ul><li>umount – desmonta a unidade. </li></ul><ul><li>grep – Procura por texto em um arquivo. </li></ul><ul><li>which – Recebe um argumento e retorna a sua localização no disco </li></ul><ul><li>find – localiza a partir de uma caminho ou diretorio uma expressão no sistema de arquivos </li></ul>
  22. 22. Arquivo /etc/fstab <ul><li>Armazena configurações de quais dispositivos devem ser montados e qual o seu ponto de montagem para cada carga do sistema operacional. </li></ul><ul><li>cat /etc/fstab </li></ul><ul><li>Analizar este arquivo. </li></ul>
  23. 23. Ponto de Montagem? <ul><li>Sistema de arquivos no linux é hierarquico e admite diversos dispositivos sejam mapeados a partir da raiz (root “/” ). Desta forma CD-Rom, Pendrives, etc podem ser utilizados e o usuário “enxergará” como um diretorio na estrutura linux </li></ul><ul><li>Ponto de montagem para cd-rom “/mnt/cdrom” </li></ul><ul><li>mount e unmount </li></ul><ul><ul><li>mount /dev/fd0 /mnt/floppy </li></ul></ul><ul><ul><li>mount /dev/cdrom /mnt/cdrom </li></ul></ul><ul><ul><li>unmount /mnt/cdrom ou unmount /dev/cdrom </li></ul></ul>
  24. 24. Administração de Grupos/Usuários <ul><li>useradd – Adiciona um usuário ao sistema. </li></ul><ul><li>usermod – Modifica as características do usuário. </li></ul><ul><li>userdel – Deleta o usuário do Sistema. </li></ul><ul><li>passwd – altera senha do usuário. </li></ul><ul><li>whoami – mostra o usuário logado. </li></ul><ul><li>su – altera para o modo do super-usuário. </li></ul><ul><li>exit – Efetua o logoff do sistema. </li></ul><ul><li>tty – exibe o terminal que esta logado. </li></ul><ul><li>ls – l – listas as permissões dos arquivos/diretórios. </li></ul><ul><li>finger – exibe informações dos usuários. </li></ul><ul><li>chfn – adiciona informações dos usuário. </li></ul>
  25. 25. Adicionando contas <ul><li># groupadd faat </li></ul><ul><li># useradd -d /home/aluno2 -g faat -s /bin/bash aluno2 </li></ul><ul><li># passwd aluno2 </li></ul>
  26. 26. Permissões <ul><li>D - Diretório </li></ul><ul><li>R – Leitura =4 </li></ul><ul><li>W – Escrita = 2 </li></ul><ul><li>X – Executável = 1 </li></ul><ul><li>Ex: Chmod 700 arquivo1 </li></ul><ul><li>-RWX------ </li></ul>
  27. 27. Permissões <ul><li>Chown – altera o dono do arquivo ou diretório </li></ul><ul><li>Chgrp – altera o grupo de arquivos e diretórios </li></ul><ul><li>Chattr – modifica atributos de arquivos e diretórios </li></ul><ul><li>Lsattr – lista atributo de arquivos e diretórios </li></ul>
  28. 28. Quotas em disco <ul><li>Possibilidade de controle de armazenamento em disco por usuários </li></ul><ul><ul><li>É preciso que esta opção esteja habilitada no Kernel do Linux </li></ul></ul><ul><ul><li>O arquivo fstab/mtab tem que ter a habilidade de gerenciar por dispositivo </li></ul></ul><ul><ul><li>Quota, quotaon, quotaoff, repquota, quotacheck, edquota…. </li></ul></ul>
  29. 29. Compactadores/ Descompactadores <ul><li>- Zip </li></ul><ul><li>- Gzip </li></ul><ul><li>- Unzip </li></ul><ul><li>- Gunzip </li></ul>
  30. 30. Empacotadores <ul><li>Tar </li></ul><ul><ul><ul><li># tar –cMf backup.tar arq1 arq2 arq3 </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>c – create </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>M – Modular (vários volumes) </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>f – arquivo </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li># tar xvfz batckup.tar.gc –C /tmp </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>x –extrair </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>z – descomprimir </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>f – arquivo </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>C - direcionar </li></ul></ul></ul></ul>
  31. 31. RPM (Red Hat Package Manager) <ul><li>Método criado pela Red Hat para realizar a compactação / empacotamento / instalação dos softwares de uma maneira padronizada. </li></ul>
  32. 32. RPM <ul><li>rpm –ivh <pacote> (instalação) </li></ul><ul><li>rpm –ivh <pacote> --force (instalação forçada) </li></ul><ul><li>rpm –ivh <pacote> -- nodeps (sem dependências) </li></ul><ul><li>rpm –ivh <pacote> --force –nodeps </li></ul><ul><li>Para desinstalar pacotes: </li></ul><ul><li>rpm –e <pacote> (desinstala) </li></ul><ul><li>rpm –e <pacote> --allmatches (desinstala todas as versões) </li></ul><ul><li>rpm –e <pacote> --nodeps (desinstala sem depedências) </li></ul><ul><li>Para atualizar pacotes: </li></ul><ul><li>rpm –uvh <pacote> </li></ul><ul><li>Para consultar pacotes, informações e sumário: </li></ul><ul><li>rpm –q <pacote> </li></ul><ul><li>rpm –qi <pacote> </li></ul><ul><li>rpm –qil <pacote> </li></ul><ul><li>rpm –qa > /home/usuário/informacao </li></ul><ul><li>rpm –qpl *.rpm > /home/usuário/sumario </li></ul>
  33. 33. YUM <ul><li>Sistema de gerenciamento de instalação </li></ul><ul><li>yum install <pacote> </li></ul><ul><li>yum remove <pacote> </li></ul><ul><li>yum update <pacote> </li></ul>
  34. 34. Kernel <ul><li>Modular </li></ul><ul><li>Vantagem: pode ser recompilado e customizado para se adequar melhor a tarefa que irá executar. </li></ul><ul><li>Drivers podem ser carregados/compilados no Kernel </li></ul><ul><ul><li>Módulos escritos em C, mas não ligados ao Kernel (linker) </li></ul></ul><ul><ul><li>/lib/modules/versão-do-kernel </li></ul></ul>
  35. 35. Kernel <ul><li>lsmod </li></ul><ul><li>insmod <modulo> </li></ul><ul><li>rmmod <modulo> </li></ul><ul><li>modinfo <modulo> </li></ul><ul><li>modprobe <modulo> </li></ul><ul><li>cat /etc/modules.conf </li></ul><ul><li>depmod <modulo> </li></ul>
  36. 36. Recompilando Kernel <ul><li>Obter as fontes do Kernel (kernel-source.rpm) ou kernel.org </li></ul><ul><li>/usr/src/linux </li></ul><ul><li>make mrprobe </li></ul><ul><li>make menuconfig ou xconfig ou config </li></ul><ul><li>make dep </li></ul>

×