Geração Y e o Mundo Corporativo

6,238 views
6,133 views

Published on

Published in: Business

Geração Y e o Mundo Corporativo

  1. 1. Geração Y: características e considerações Alunos de MBA em Gestão de Pessoas – Faculdades Anhanguera Grupo: Andresa, Francislaine, Irma Regiane, João Ricardo Corbo, Juliana Castilho, Karina Priscila, Maria Eduarda, Rodrigo Afonseca, Rodrigo Bonfim A Geração Y e suas características O termo Y ou “Ipisilones” surgiu à primeira vez na edição de agosto de 1993 da Revista Advertising Age. É formada pelos jovens e adolescentes que nasceram entre 1981 a 1995. Em algumas pesquisas esse período apresenta uma ligeira diferença, algo em torno de 1976 a 1985. Antes de se aprofundar no conceito de geração Y é necessário conhecer a antecedência desta geração, a Geração X, que são os filhos que nasceram após a segunda guerra mundial, tendo seu período entre aproximadamente 1960 a 1970, ou seja, os nascidos após a geração baby boomers, esses, nascidos entre 1945 e 1955. Vale ressaltar que a divisão dessas gerações não está diretamente relacionada com a árvore genealógica de cada indivíduo, e sim com as características de um determinado grupo de pessoas nascidas em um período, que por sua vez, possuem atitudes, formas de pensar e agir semelhantes. Um ponto que se deve levar em conta quando abordamos esse assunto é que muitos conceitos e características que definem cada geração refletem o modo de vida do norte americano. Ou seja, é um conceito utilizado mundialmente, mas que pouco reflete a realidade dos demais países. Um dos conceitos utilizados para definir a geração Y é que as pessoas dessa geração são conhecidas como os nativos digitais, o que não é uma realidade no Brasil, pois a geração Y no Brasil participou da migração digital. Mesmo que vagamente os pertencentes a essa geração lembram-se dos discos de vinil, das fitas cassetes, das máquinas de datilografar, das provas com cheiro de álcool dos mimeógrafos, das máquinas fotográficas que necessitavam de filmes para funcionar; e o pior: quantas fotos perdidas quando por um descuido entrava luz por dentro das engenhocas. Escrever sobre o assunto é o mesmo que fazer uma viagem pelo “túnel do tempo” através das lembranças e perceber o quanto o mundo mudou nesta geração ou o quanto essa geração mudou o mundo.
  2. 2. A Geração Y e o Mundo Corporativo Segundo estimativas de consultorias, no Brasil, em 2025, 73% da força de trabalho será formada pela Geração Y. A sociedade prestadora de serviços terá atingido uma estabilidade e o mundo será completamente diferente do que é hoje. As organizações que querem sobreviver e prosperar nesse novo cenário terão a árdua tarefa de atrair e reter os talentos da Geração Y. Segundo a DeAnne Aguire, sócia sênior da Consultoria Internacional Booz & Company, é necessário criar um novo contexto para esses executivos. "O primeiro motivador, e o mais importante, é ter colegas com que gostem de trabalhar. Igual ou mais importante que o salário é a possibilidade de se ter muitas experiências diferentes. Para a Geração Y, progredir não é subir numa escada, mas aprender a fazer coisas novas. Ter uma jornada flexível gera mais motivação que o dinheiro, uma vez que não separam o que fazem no trabalho do que fazem fora do trabalho. Vivem uma mistura de tudo isso em tempo integral". A questão dos horários é algo com que os Ys não se preocupam, e geralmente recusam regularizar sua entrada/saída do trabalho, pois estão trabalhando o tempo todo, eles também buscam impactar positivamente a sociedade e a comunidade através do seu trabalho. Escolhem as organizações que fazem o bem, tanto para trabalhar como para ser cliente delas. DeAnne afirma que um em cada três amigos mais próximos de alguém da Geração Y tem uma origem étnica diferente da sua. Em pesquisa realizada em todo o planeta, centenas de empresas constataram que 78% dos Ys sentem-se totalmente confortáveis trabalhando com pessoas de qualquer lugar do mundo, sendo que as pesquisas com gerações anteriores essa aceitação não atingia 27%. Esses índices demonstram o quanto às pessoas tem mudado seus conceitos em relação ao mundo e ás pessoas que vivem nele. Podemos tomar como exemplo a maior aceitação dos homossexuais, pois apesar do preconceito ainda existir já não é algo tão chocante quanto no passado. Outro exemplo é o caso de uma das maiores economias do mundo ter como representante um negro.
  3. 3. A maioria ainda pretende permanecer na mesma organização, desde que sejam frequentemente expostos a novos desafios, ou seja, "serão fiéis e leais onde a mudança permanente seja a única componente fixa". Mas a grande maioria da Geração Y é independente, prefere empreender e ser dona do próprio nariz. Uma das maiores características dos Ys é ser capaz de realizar grande quantidade de tarefas simultâneas, chamado de multi-task. Essa qualidade faz com que a força empreendedora desses jovens seja de proporções enormes, pois em poucas pessoas eles podem desempenhar o papel profissional de diversos cargos de uma empresa tradicional. Para eles, não tem hora nem lugar. Os dias úteis se misturam com feriados e finais de semana. E a facilidade com que lidam com a tecnologia faz com que possam controlar todas as etapas do processo produtivo ou serviço que estão desempenhando. Vista a grande oferta de talentos, em contrapartida com a escassez de oportunidades promissoras, muitos deles montam seu próprio negócio e já saem da faculdade montando grupos empreendedores e desafiadores, com ótima oferta de qualidade de serviço a um valor competitivo, por serem uma organização extremamente enxuta. Em entrevista para o site Somos Biografia, Fernanda Trugilho, 28 anos, conta que sonhava com seu próprio empreendimento. “A percepção de que eu poderia avançar com as minhas idéias e tirá-las do papel veio com muita leitura e conversa. Percebi que não era um sonho individual, mas sim uma característica intrínseca dessa minha geração, a tão falada Geração Y”. Os jovens dessa geração também apresentam alto senso colaborativo. Isto é, cresceram na Era da Informação e agora estão na Era do Conhecimento. Hoje a informação não é mais o maior valor corporativo e estratégico de uma organização. O conhecimento assumiu esse papel. A informação é algo banal, pode ser encontrada facilmente em qualquer computador conectado à internet. Saber administrar essa informação para então gerar conhecimento é o grande diferencial competitivo que as empresas buscam nas pessoas. Visando aproximar as pessoas e facilitar o contato entre elas, centros de trabalho colaborativos foram criados recentemente a fim de agrupar os empreendedores de diversos ramos e atividades. Esses espaços são compostos por um grande salão com mesas de trabalho, sofás, salão de jogos, sala de reuniões e muitas tomadas para conectar todos os seus acessórios digitais e computadores pessoais. A vantagem desse espaço colaborativo está principalmente em intensificar as relações pessoais e profissionais de cada empreendedor da Geração Y, que consideram o networking a matéria-prima das oportunidades de trabalho. O espaço fornece o ambiente perfeito para essas inter-relações, além de estimular a criatividade, e também reduzir os custos com as instalações.
  4. 4. Para os jovens da Geração Y, ser empreendedor é ser promovido a diretor, gerente, estagiário, copeiro e tudo isso ao mesmo tempo. Quanto mais trabalho, mais resultado e mais realização. Para esses empreendedores autônomos, o estímulo se baseia na possibilidade de manuseio com a tecnologia, no real crescimento e na certeza de estar fazendo o bem para a sociedade que está inserido. No ambiente corporativo, os estímulos se estendem para a flexibilidade empresarial e para a qualidade do ambiente de trabalho. Os profissionais da Geração Y buscam o reconhecimento através de princípios característicos: poder opinar e contribuir, pertencer a um grupo, sugerir uma idéia, estar em equilíbrio entre a vida pessoal e profissional, ter possibilidade de aprender coisas novas diariamente e ter acesso à tecnologia de ponta (gadgets). O espaço corporativo que não fornecer essas condições de trabalho para a chegada da Geração Y, irá se deparar com uma legião de ansiosos, impacientes, infiéis, arrogantes e egoístas. Essas são as características que vários líderes experientes estão usando para classificar a nova geração de profissionais. Essa nova geração, segundo os líderes, é extremamente informada, porém são alienados, pois não são capazes ainda de lidar de forma produtiva toda essa informação. São ambíguos em suas decisões, questionadores por natureza, ambiciosos, focados em resultados de curto prazo e motivados por desafios e reconhecimento. Apesar dos pontos negativos listados acima pesarem contra a geração, devemos lembrar que os integrantes da mesma são extremamente éticos, honestos e comprometidos com que se propõem a realizar. Outra característica é que também são capazes de aprender novas habilidades, e podem, portanto colaborar mais facilmente com os outros sobre as causas que lhes interessam. Nas organizações que estão para receber esses profissionais, há a necessidade de modernizar sua política pessoal e automatizar o processo de gerenciamento de aplicações para alinhar os avanços tecnológicos e sociais. O profissional da Geração Y deve ser mantido motivado pela organização. O profissional precisa ser ouvido no ambiente de trabalho e deve receber da empresa uma atenção personalizada, que acompanhe seu progresso, sua aprendizagem e evolução, e atenda às suas expectativas e necessidades. Assim a organização pode direcionar melhores seus recursos humanos e garantir um rendimento maior de suas tarefas utilizando-se de menos tempo e recursos, maximizando seus lucros. A organização que conseguir envolver os indivíduos, interagir e ouvir seus feedbacks conseguirá reter seus talentos da Geração Y e terá uma força de trabalho forte e inovadora.
  5. 5. Mas enquanto a Geração Y não assume papel significativo no cenário corporativo internacional, o papel dos gestores está em identificar as necessidades das gerações, provocarem discussões, informar, trocar experiências e estimular a flexibilidade empresarial na conduta das várias gerações presentes na organização. Considerando o exposto no texto, vale ressaltar que todo o conhecimento adquirido no decorrer do tempo é de grande importância para a evolução humana. Nada do que conhecemos hoje existiria se não houvesse um início para que tudo fosse construído. É fato que podemos não ter a paciência, a tolerância, a subordinação das gerações passadas, mas é fundamental que passemos a relevar cada forma de ser e agir para que possamos viver em harmonia com o mundo. Bibliografia OLIVEIRA, Sidnei. Como liderar a Geração Y. http://www.sidneioliveira.com.br/ servicos_interna.php?id=6 DOHERTY, Richard. L'heureux mariage de la Génération Y et des enterprises. ITR Manager: http://www.itrmanager.com/articles/97336/heureux-mariage-generationentreprises- br-richard-doherty-vp-group-chez-jobpartners.html SÉRGIO, Júlio. Preparem-se, a geração Playstation já está entre nós. HSM Global: http://hsm.updateordie.com/diversos/2009/10/preparem-se-a-geracao-playstation-jaesta- entre-nos/ SOARES, Luis. O que é a geração Y. Obvious: http://blog.uncovering.org/archives/ 2007/12/o_que_e_a_gerac.html Geração Y na voltagem dos negócios. Somos Biografia: http:// www.somosbiografia.com.br/?p=1328

×