Slide história da paraíba
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Slide história da paraíba

on

  • 2,670 views

Slide sobre a História da Paraíba

Slide sobre a História da Paraíba

Statistics

Views

Total Views
2,670
Views on SlideShare
2,670
Embed Views
0

Actions

Likes
2
Downloads
249
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Slide história da paraíba Slide história da paraíba Presentation Transcript

  • História da Paraíba Prof. Rodolfo Hiroshi
  • • Etimologicamente o nome Paraíba de origem tupi, Para (rio) Iba (mau), significa rio mau ou rio caudaloso. • Portugal teve muitas dificuldades em oficializar sua posse do território brasileiro e na região da Paraíba não foi diferente, faltavam recursos financeiros e gente com habilidades para o trabalho agrícola, enquanto isso os franceses aliados aos nativos Potiguaras usurpavam a riqueza da região, o pau-brasil (ibirapitanga). • Após conquistarem de fato e de direito as terras paraibanas, os portugueses avançaram ao Norte, possibilitando criar as terras do Rio Grande do Norte, do Ceará e do Maranhão. Introdução
  • • A partir de 1526, Portugal envia a expedição punitiva de Cristovão Jacques com intuito de afastar de vez os franceses de nossa costa litorânea. • Em 1534 a Paraíba era desconhecida e pertencia a Capitania de Itamaracá (Pero Lopes de Souza), que se estendia de Igarassu (Rio Santa Cruz) até a Baía da Traição (Baía de Acejutibiró), essa Capitania de pouco desenvolvimento servia de acesso aos nativos Potiguaras que constantemente faziam incursões a Capitania de Pernambuco (Duarte Coelho). Primeiros passos
  • • Portugal a partir 1549 estabelece o Governo Geral do Brasil (Tomé de Sousa) buscando melhores resultados que o Sistema de Donatários, retomando assim para a coroa as Capitanias sem atendimento. • Desse modo, em 1574 sob o Governo Geral de Luís de Brito e Almeida, a Capitania de Itamaracá sofreu um desmembramento e assim era criada a Capitania Real da Paraíba, pelo rei de Portugal, D Sebastião, tendo fato decisivo para tal o “Massacre de Tracunhaém”, incursão francês-potiguara no Engenho Tracunhaém, na qual atearam fogo nos canaviais, mataram os animais de serviço e mais de 500 pessoas desse engenho, inclusive seu proprietário Diogo Dias e sua família.
  • • 1574 – O Governador Geral D Luís de Brito e Almeida por ordem de D Sebastião, designa o Ouvidor Geral D Fernando e Silva (Fernão da Silva) para a conquista das terras paraibanas. D Fernando tomou posse das terras em nome do rei sem que houvesse resistência, mas os nativos atacaram de surpresa e retomaram suas terras pondo em fuga a tropa portuguesa. Tentativas de conquista da Paraíba
  • • 1575 e 1578 – A segunda expedição é comandada pelo Governador Geral, D Luís de Brito e Almeida (1575) com sua frota sendo desviada da Paraíba por fortes ventos e não completa o intento da conquista. Em 1578, o então Governador Geral, Lourenço da Veiga, tenta chegar ao Rio Paraíba (Rio São Domingos), mas não obtém êxito. Tentativas de conquista da Paraíba
  • • 1579 e 1582 – Sob ordens do rei e cardeal D Henrique, o comerciante português, Frutuoso Barbosa faz sua primeira investida para a conquista da Paraíba, mas ainda em mar, próximo de Pernambuco, sofre forte tormenta e retorna com sua frota para Portugal, perdendo sua esposa nessa investida. • Na segunda investida (1582) com o mesmo objetivo, Frutuoso Barbosa, nesta sob ordens de D Felipe II/I (Espanha/Portugal), tenta conquistar a Paraíba, mas cai na armadilha dos nativos Potiguaras e franceses. Nesse enfrentamento perde muitos participantes da expedição, dentre eles, alguns parentes e seu filho, retornando agora à Pernambuco. Tentativas de conquista da Paraíba
  • • 1584 – O Governador Geral Teles Barreto junto com os Capitães mores de Itamaracá e Pernambuco, mais Frutuoso Barbosa, fazem nova expedição de conquista à Paraíba. Essa dividida em mar, sob o comando do General espanhol Diogo Flores de Valdez, com nove naus, e, por terra sob o comando do Capitão Felipe de Moura, reunindo brancos, nativos cativos e mestiços. Valdez após destruir algumas naus francesas, chega primeiro a foz do Rio Paraíba e tempo depois chega a expedição vinda por terra. Constroem o Forte S Felipe e S Tiago (1/5/1584) de taipa e barro, na margem esquerda da foz do Rio Paraíba (Forte Velho / Ilha da Restinga). Esse forte teve pouca duração devido aos constantes ataques dos nativos Potiguaras e franceses, é destruído pelo próprio comandante do Forte, Capitão Francisco Castrejon que com o apoio de Martim Leitão retorna à Pernambuco. Tentativas de conquista da Paraíba
  • • 1585 – Os nativos Tabajaras viviam na região do São Francisco, na Bahia, e após o massacre a uma expedição portuguesa que pretendia apresar os nativos, fogem de suas terras com medo da represália e aportam nas terras dos Potiguaras, que após acerto de convivência são aceitos e permitidos que ocupem a margem direita do Rio Paraíba. • Após desentendimento com os Potiguaras e sofrendo fortes embates destes, os Tabajaras pedem ajuda aos portugueses e enviam emissários de seu Chefe Piragibe (Braço de Peixe), para conseguir apoio dos mesmos. O Ouvidor Gera Martim Leitão prepara uma caravela como apoio e convida João Tavares, que conhecia o Chefe Tabajara, para presidir essa expedição de apoio. Em 2 de agosto de 1585 encontra-se com o Chefe Tabajara e no dia 5 de agosto de 1585 é selada a paz entre portugueses e tabajaras. Então, João Tavares sobe o Rio Paraíba para escolher um local de fortificação. Tentativas de conquista da Paraíba
  • • A primeira criação da Paraíba foi executada na Metrópole por meio de Alvará em 29 de dezembro de 1583. • A definitiva e de direito com João Tavares, após acordo de paz com os Tabajaras, em 5 de agosto de 1585, ao escolher o local para o forte que seria na encosta da colina, em cuja base se espraia o Rio Sanhauá, braço do Rio Paraíba. Início que foi lento e concretizou-se com a chegada de Martim Leitão em 4 de novembro de 1585, trazendo homens e materiais necessários para construção do forte e das casas. • O forte localizava-se onde hoje é a Praça Álvaro Machado, logo acima iniciava a ladeira de São Francisco, primeira rua da cidade que ligava o forte à Capela, no alto da colina. Depois foi edificada a Casa da Pólvora, no meio dessa ladeira. A conquista e o início da Paraíba
  • • Nessa conquista, a sede da Capitania da Paraíba foi denominada oficialmente como Cidade de Filipéia de Nossa Senhora das Neves. • João Tavares, com o apoio de Martim Leitão, foi o primeiro Governador da Capitania, no período de 1585 até 1588. • Destacaram-se nessa conquista definitiva, Martim Leitão, como líder, fundador e construtor inicial, João Tavares como negociador da paz, Governador e construtor do primeiro engenho: Engenho de el-Rei em Tibirí e o Forte São Sebastião para sua proteção. A conquista e o início da Paraíba
  • • Também se destacam o Tabajara Piragibe que possibilitou a conquista e sua manutenção, primordial nas incursões militares, Frutuoso Barbosa, segundo Governador, no período de 1588 até 1591, e, Duarte Gomes da Silveira que juntamente com Martim Leitão, participaram das lutas visando à consolidação da conquista, rico e senhor de engenho, Duarte da Silveira oferecia a cada edificador de casas térreas, de pedra e cal, a quantia de dez mil réis, e de sobrado, vinte mil réis, incentivando a ocupação efetiva da nova cidade. A conquista e o início da Paraíba
  • • 1586 – Era chamada Povoação de N Sra das Neves. • • 1587 – Nominada de Cidade de N Sra das Neves. • • 1589 – Chamava-se Filipéia de N Sra das Neves, em homenagem a Felipe II, então Rei da União Ibérica. • • 1599 – É denominada Cidade da Parahyba. • • 1634 – Com a invasão holandesa é nominada Frederica, homenagem ao Príncipe de Orange, Frederico. • • 1654 – Após expulsão dos holandeses, volta a ser chamada de Parahyba. • • 1930 – Sob clamor popular a Assembléia muda o nome da Capital (Sede) para João Pessoa, homenagem ao líder e reformista, assassinado em 1930. Nomes de nossa Parahyba