 A prevenção de acidentes, a preocupação com a saúde, a
melhoria contínua do ambiente de trabalho e qualidade de vida são...
“CIPARTICIPARMOS” PODEMOS
EVITAR !
“ CIPARTICIPARMOS” PODEMOS
EVITAR !
“ CIPARTICIPARMOS” PODEMOS
EVITAR !
“ CIPARTICIPARMOS” PODEMOS
EVITAR !
Objetivo do Curso
Levar ao conhecimento do membro da CIPA as
principais normas, instruções e rotinas sobre
segurança e sa...
Conteúdo Programático
 Estudo do ambiente, das condições de trabalho;
 Metodologia de investigação e análise de acidente...
Não é permitido...
PRECEITOS LEGAIS
 Após a edição do Decreto Lei nº 5452 de 1943, que criou a Consolidação das Leis do
Trabalho - CLT, dest...
AÇÕES
DISPLICENTES
OU INSEGURAS
NO TRABALHO
FALHAS OU
AUSÊNCIA DE
PROCEDIMENTOS
DE SEGURANÇA
CONDIÇÕES
INSEGURAS
NO POSTO
...
Objetivos da CIPA
 Prevenção de Doenças e Acidentes de Trabalho, mediante o
controle dos Riscos presentes:
 no ambiente
...
Organização da CIPA
DEVEM ORGANIZAR A CIPA
Empresas Privadas, Públicas, Sociedades
de Economia Mista, Órgãos da
Administr...
Organização da CIPA
A CIPA é composta por representantes do
empregador (indicados) e dos empregados
(eleitos), em igual n...
Organização da CIPA
 O mandato dos membros eleitos da CIPA terá a duração de
um ano, permitida uma reeleição.
 É vedada ...
COMPOSIÇÃO
(Representantes)
COMPOSIÇÃO
(Representantes)
SECRETÁRIOSECRETÁRIO
EMPREGADOREMPREGADOR TRABALHADORESTRABALHADOR...
Compete ao empregador convocar eleições para escolha dos
representantes dos empregados da CIPA, até 60 dias antes do
térm...
Processo Eleitoral
(Condições)
 Publicação e divulgação de Edital, no mínimo 45 dias antes da data de
eleição;
 Inscriçã...
Atribuições do Presidente
Convocar os membros para as reuniões da CIPA;
Coordenar as reuniões da CIPA, encaminhando ao
e...
Atribuições do Vice-Presidente
Executar as atribuições que lhe
forem delegadas pelo Presidente;
Substituir o Presidente ...
Atribuições do Presidente e
Vice-Presidente em conjunto
 Cuidar para que a CIPA disponha de condições necessárias
para o ...
Atribuições do(a) Secretário(a)
Acompanhar as reuniões da CIPA, e redigir
as atas apresentando-as para aprovação e
assina...
Funcionamento
 A CIPA terá reuniões ordinárias mensais, de acordo
com o calendário preestabelecido;
 As reuniões ordinár...
Atribuições da CIPA
 Colaborar no desenvolvimento e implementação do PCMSO, PPRA
bem como de outros programas de seguranç...
 Pelo exercício do Trabalho.
 A serviço da Empresa.
 Lesão Corporal
 Perturbação Funcional
 Redução da Capacidade e/o...
ACIDENTE DO TRABALHO
(CONCEITO LEGAL)
Considera-se acidente do trabalho as
seguintes entidades mórbidas:
 doença profiss...
ACIDENTE DO TRABALHO
(CONCEITO LEGAL)
 o acidente sofrido, ainda fora do local e horário de trabalho:
a) na execução de o...
ACIDENTE DE TRABALHO
(CONCEITO PREVENCIONISTA)
É todo fato inesperado, não planejado, que
interrompe ou interfere num pro...
Causas de Acidentes
do Trabalho
ATOS INSEGUROS
relacionadas com falhas humanas
 CONDIÇÕES INSEGURAS
relacionadas com a...
Causas de Acidentes
do Trabalho
Causas de Acidentes
do Trabalho
Causas de Acidentes
do Trabalho
Causas de Acidentes
do Trabalho
Causas de Acidentes
do Trabalho
Causas de Acidentes
do Trabalho
Causas de Acidentes
do Trabalho
CLASSIFICAÇÃO DOS ACIDENTES
 ACIDENTE SEM AFASTAMENTO – É todo acidente que possibilita o acidentado voltar à
sua ocupaçã...
Conseqüências dos Acidentes
de Trabalho:
 PARA O TRABALHADOR
 Ferimentos, afastamento do trabalho,
redução de salário, d...
Conseqüências dos Acidentes
de Trabalho:
 PARA A FAMÍLIA
 Impacto da notícia, redução no
orçamento, despesas com remédio...
Comunicação de
Acidente do Trabalho
De acordo com a legislação, todo acidente do
trabalho deve ser imediatamente comunica...
Benefícios da Previdência Social
DECRETO N.º 611 – (21/07/92). (Lei n.º 8213)
Art. 169 – O segurando que sofreu acidente ...
& 1º - CONSTITUI CONTRAVENÇÀO PENAL, PUNÍVEL COM
MULTA, DEIXAR A EMPRESA DE CUMPRIR AS NORMAS DE
SEGURNÇA E HIGIENE DO TR...
Coletar os fatos, descrevendo o ocorrido;
 Analisar o acidente, identificando suas causas;
 Definir as medidas preventi...
Inspeção de Segurança
 É a parte do controle de riscos que consiste em efetuar vistorias
nas áreas e meios de trabalho, c...
Inspeções de Rotina:
Realizadas diariamente nos diversos setores da empresa, pelos cipeiros
e funcionários com vistas à ...
GERAL;
ESPECÍFICAS:
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS;
EDIFICAÇÃO;
INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS;
DISPOSITIVOS DE PROTEÇÕES EM MÁQUINA...
Aquelas realizadas por grupos previamente escolhidos,
com a obrigatória participação de Técnicos ou
Engenheiros de Segura...
Campanhas de Segurança
 Campanhas de segurança são eventos voltados para a
educação e sensibilização dos funcionários, tr...
Riscos Ambientais
 São agentes presentes nos ambientes de trabalho,
capazes de afetar o trabalhador a curto, médio e long...
Riscos Ambientais
Classificação
Riscos Físicos: (Verde)
 Riscos Químicos: (Vermelho)
 Riscos Biológicos: (Marron)
 Ris...
TEMPO DE
EXPOSIÇÃO
SENSIBILIDADE INDIVIDUALSENSIBILIDADE INDIVIDUAL
 CONCENTRAÇÃO
 INTENSIDADE
 NATUREZA DO RISCO
Risco...
Riscos Ambientais
VIAS DE PENETRAÇÃO
CUTÂNEA
DIGESTIVA
RESPIRATÓRIA
Riscos Ambientais
RISCO FÍSICO CONSEQÜÊNCIAS
Ruído Cansaço, irritação, dores de cabeça, diminuição da audição, problemas d...
Riscos Ambientais
RISCO
QUÍMICO
CONSEQÜÊNCIAS
Poeiras Minerais(silicose, asbestose), vegetais (bissinose, bagaçose) ,
alca...
Riscos Ambientais
RISCO
BIOLÓGICO
CONSEQÜÊNCIAS
Vírus Hepatite, poliomielite, herpes, varíola, febre amarela, raiva (hidro...
Riscos Ambientais
RISCO ERGONÔMICO CONSEQÜÊNCIAS
Esforço físico intenso
Levantamento e transporte manual de
peso
Exigên...
Riscos Ambientais
RISCO ACIDENTE CONSEQÜÊNCIAS
Arranjo físico inadequado
Máquinas e equipamentos sem proteção
Ferrament...
Prioridades no Controle de Risco
Eliminar o risco;
 Neutralizar / isolar o risco, através do uso
de Equipamento de Prote...
EPC
EPI
Técnica
Médica
Administrativa
Educativa
{
MEDIDAS DE CONTROLE
EPC EPI
AMBIENTE HOMEM
O RISCO A LESÃO
elimina/neutraliza/sinaliza evita ou diminui
MEDIDAS TÉCNICAS
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO
COLETIVAS – EPC’S
 São os equipamentos que neutralizam o risco na
fonte, dispensando, em determi...
SINALIZAÇÃO DE CANTEIROS DE
OBRAS
No canteiro de obras e no perímetro da obra, será sinalizada com avisos, placa de
adver...
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO
INDIVIDUAL- EPI’S
 Todo dispositivo ou produto, de uso individual utilizado pelo
trabalhador, de...
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO
INDIVIDUAL- EPI’S
PROTEÇÃO DA CABEÇA:
É obrigatória a utilização de capacete de segurança em at...
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO
INDIVIDUAL- EPI’S
PROTEÇÃO DOS OLHOS E FACIAL:
É obrigatória a utilização de óculos de proteção...
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO
INDIVIDUAL- EPI’S
PROTEÇÃO DAS VIAS RESPIRATÓRIAS:
É obrigatória a utilização de máscaras ou re...
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO
INDIVIDUAL- EPI’S
 PROTEÇÃO AUTIDIVA:
 É obrigatória a utilização de protetores auditivos nas s...
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO
INDIVIDUAL- EPI’S
 PROTEÇÃO DE MÃOS E BRAÇOS:
 É obrigatória a utilização de luvas de segurança...
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO
INDIVIDUAL- EPI’S
 PROTEÇÃO DO TRONCO:
 É obrigatória a utilização de proteção ao tronco nas se...
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO
INDIVIDUAL- EPI’S
 PROTEÇÃO DOS PÉS:
 É obrigatória a utilização de botas de segurança em todas...
PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA DO
TRABALHO
 A empresa DELTA CONSTRUÇÕES S.A estabelece
procedimentos de segurança do trabalho...
PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA DO
TRABALHO
 Todavia, realizar a interface entre os responsáveis da obra e os
demais colaborad...
PROCEDIMENTOS DE SISTEMAS
 PS.ST.01 - ARQUIVAMENTO DE DOCUMENTAÇÃO DE SST
 PS.ST.02 - HABILITAÇÃO, QUALIFICAÇÃO E CAPACI...
PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS
 PO.ST.01 - DOCUMENTAÇÃO DE SST – PROCEDIMENTO DE ELABORAÇÃO
 PO.ST.02 - DOCUMENTAÇÃO PARA IN...
PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS
 PO.ST.13 - SERVIÇOS EM FLUTUANTES
 PO.ST.14 - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
 PO.ST.15 - MÁQUINAS PA...
PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS
 PO.ST.23 - ESTRUTURA DE CONCRETO
 PO.ST.24 - ESTRUTURA METÁLICA
 PO.ST.25 – EXPLOSIVOS
 PO...
 Reunir as informações necessárias para estabelecer o
diagnóstico da situação;
 Possibilitar, durante a sua elaboração, ...
 Conhecer o processo de trabalho no local analisado;
 Identificar os riscos existentes no local analisado;
 Identificar...
Trabalho em pé
Área de Montagem
cadeiras Administração Sala de Testes Ruído
inadequadas
estanho
Sala de Projetos substânci...
PREVENÇÃO DE INCÊNDIO
 Prevenir o surgimento do fogo.
 Os combustíveis podem ser:
sólidos, líquidos e gasosos.
 Setenta...
TRIÂNGULO DO FOGO
 Além dos combustíveis, para
que haja fogo, também é
necessário uma fonte de calor,
que em alguns casos...
CLASSE DO FOGO
 CLASSE “A”: São materiais de fácil combustão, queimam tanto
na superfície como em profundidade, deixando ...
TIPOS DE EXTINTORES
 Dióxido de Carbono, mais conhecido como CO2, usado
preferencialmente nos incêndios classe “B” e “C”....
LOCALIZAÇÃO DO EXTINTOR
 Os extintores deverão ser instalados em locais de fácil
acesso e visualização;
 Sua parte super...
Inspeção de Extintores
Todo extintor deverá ter uma ficha de
controle de inspeção, devendo ser
inspecionado no mínimo 1 v...
ANEXO DO ITEM 23.14
MARCA: TIPO: EXTINTOR N.º:
ATIVO FIXO: LOCAL: ABNT N.º:
HISTÓRICO
Data Recebido Inspecionado Reparado ...
Localização dos Extintores
Os extintores deverão ser instalados em
locais de fácil acesso e visualização;
Sua parte supe...
SINALIZAÇÃO DOS EXTINTORES
 Os locais destinados aos
extintores devem ser
sinalizados por um círculo
vermelho ou uma seta...
SINALIZAÇÃO DOS EXTINTORES
Primeiros Socorros
Introdução
Primeiros socorros, são todas as
medidas que devem ser tomadas de
imediato para evitar agra...
Ações do Socorrista
 Isolar a área, evitando o acesso de curiosos;
 Observar a vítima, verificando alterações ou ausênci...
 Exposição excessiva ao calor
que pode se apresentar
subitamente, a vítima cai
desacordada, ou após enjôo,
dor de cabeça,...
Intermação
 Enfermidade produzida pela
ação do calor em ambientes
fechados com temperaturas
muito altas. A vítima pode
ap...
Desmaio
 Normalmente, o desmaio não
passa de um acidente leve, só
se agravando quando é
causado por grandes
hemorragias.
...
Crise Convulsiva
 A vítima de crise convulsiva
(ataque epiléptico), fica retraída
e começa a se debater
violentamente, po...
Ferimentos - tipos
 Contusão (beliscão, batidas),
hematoma (local fica roxo), perfuro
cortante (ferimento com faca prego,...
Hemorragias
 Hemorragia é a perda de
sangue que acontece
quando há rompimento de
veias ou artérias,
provocadas por cortes...
Fraturas
 É um tipo de lesão onde
ocorre a quebra de um osso.
 Existem 2 tipos db fraturas:
Exposta ou aberta: quando há...
O transporte adequado
de feridos é de suma
importância. Muitas
vezes, a vítima pode ter
seu quadro agravado
por causa de ...
Parada Cardiorespiratória
Parada Cardíaca
 É preciso estar atento
quando ocorrer uma
parada cardíaca, pois
esta pode esta...
Síndrome da Imunodeficiência
Adquirida - AIDS
O HIV, o vírus da Aids, é um retrovírus que,
ao invés de ter DNA, possui RN...
O Sistema Imunológico
O organismo humano é protegido dos vírus e de
outros agentes invasores, como micróbios, bactérias e...
Ao penetrar no corpo humano, e logo nas
primeiras semanas de infecção, o HIV aloja-se
nos nódulos linfáticos, que se torn...
 O HIV prolifera-se e cresce no sangue, no esperma e nas
secreções vaginais. No entanto, quando está fora desses
ambiente...
Os únicos meios de transmissão do HIV
são o Sangue, o Esperma, a Secreção
Vaginal e o Leite Materno.
O vírus da Aids tam...
 Como sabemos que os meios de transmissão do HIV
são o sangue, o esperma, a secreção vaginal e o
leite materno, as formas...
Usando camisinha em todo e qualquer tipo de relação
sexual, seja vaginal, oral ou anal;
Dando abraço ou beijo em pessoa ...
Como não se pega AIDS
Exigindo a devida higiene de aparelhos de
manicure, acumpuntura, etc.;
Compartilhando roupas de ca...
Mordeduras e Picadas
Os princípios de primeiros socorros, nos casos
de mordeduras e picadas são:
limitar a disseminação ...
Picadas de Cobras
 Existem no Brasil, 4 grupos de
serpentes venenosas. As
serpentes do grupo Bothrops
(jararacas) são res...
Picadas de Aranhas e Escorpiões
Os acidentes causados por picadas de
aranhas e escorpiões, com dor intensa,
podem ser gra...
Escorpiões
Como socorrer:
 manter a vítima em repouso;
 colocar compressas quentes;
 providenciar assistência
médica.
...
Aranhas
 As aranhas não são agressivas, picam apenas
quando molestadas.
 Tarântulas e Caranguejeiras, não são considerad...
Aranhas
Em caso de acidente, seus sinais e
sintomas são: dor intensa, náuseas,
vômitos, salivação, sudorese, agitação,
vi...
Picadas de Abelhas e Vespas
 Os acidentes causados
por picadas de abelhas e
vespas, apresentam
manifestações clínicas
dis...
Picadas de Insetos
 Embora não sejam considerados animais
peçonhentos, existem insetos como: formigas,
pernilongos, mosqu...
Queimaduras
O contato com chamas, substâncias super-
aquecidas, a exposição excessiva à luz solar
e mesmo à temperatura a...
Queimadura de 1º grau
Causa pele avermelhada, com edema e
dor intensa.
Como socorrer:
resfriar o local com água corrente
Causa bolhas sobre uma pele vermelha,
manchada ou de coloração variável, edema,
exsudação e dor.
Como socorrer:
esfriar ...
Queimadura de 3º grau
Neste tipo de queimadura, a pele fica
esbranquiçada ou carbonizada, quase sempre
com pouca ou nenhu...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Treinamento CIPA

14,654

Published on

TREINAMENTO DE CIPA
Levar ao conhecimento do membro da CIPA as principais normas, instruções e rotinas sobre segurança e saúde do trabalho;
Definir competências relativas às atividades desenvolvidas pelo membro da CIPA;
Fixar diretrizes de atuação das CIPAs;
Conhecer e identificar Riscos Ambientais...

Published in: Business

Treinamento CIPA

  1. 1.  A prevenção de acidentes, a preocupação com a saúde, a melhoria contínua do ambiente de trabalho e qualidade de vida são obrigações constantes de todos os colaboradores dentro de uma empresa;  Todavia a participação do “CIPEIERO” é fundamental na conscientização de um contingente cada vez maior nessa jornada prevencionista;  Por tanto, a empresa Delta Construções S.A gostaria de solicitar aos presentes uma colaboração mais efetiva na promoção da Segurança e Saúde do trabalhador;
  2. 2. “CIPARTICIPARMOS” PODEMOS EVITAR !
  3. 3. “ CIPARTICIPARMOS” PODEMOS EVITAR !
  4. 4. “ CIPARTICIPARMOS” PODEMOS EVITAR !
  5. 5. “ CIPARTICIPARMOS” PODEMOS EVITAR !
  6. 6. Objetivo do Curso Levar ao conhecimento do membro da CIPA as principais normas, instruções e rotinas sobre segurança e saúde do trabalho; Definir competências relativas às atividades desenvolvidas pelo membro da CIPA; Fixar diretrizes de atuação das CIPAs;
  7. 7. Conteúdo Programático  Estudo do ambiente, das condições de trabalho;  Metodologia de investigação e análise de acidentes e doenças do trabalho;  Acidentes e Doenças do trabalho decorrentes de exposição aos riscos;  Noções sobre a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida - AIDS ou SIDA;  Noções sobre legislações trabalhistas e previdenciária relativas à Segurança e Saúde;  Princípios gerais de higiene do trabalho e de medidas de controle dos riscos;  Organização e outros assuntos necessários as atribuições da CIPA;
  8. 8. Não é permitido...
  9. 9. PRECEITOS LEGAIS  Após a edição do Decreto Lei nº 5452 de 1943, que criou a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, destacamos os seguintes fatos mais marcantes:  Criação da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA, através do Decreto Lei nº 7.036 de 10 de novembro de 1944;  Criação da Fundação Centro Nacional de Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho, hoje Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho- FUNDACENTRO, instituída pela Lei nº 5.161 de 21 de outubro de 1966;  Integração do Seguro de acidentes do Trabalho à Previdência Social, através da Lei nº 5.316 de 14 de setembro de 1967;  Criação obrigatória dos Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho pelas empresas, através da edição da Portaria nº 3.237 de 17 de julho de 1972;  Aprovação das Normas Regulamentadoras NR-Capitulo V, título II da CLT, através da Portaria nº 3.214 de 08 de junho de 1978;
  10. 10. AÇÕES DISPLICENTES OU INSEGURAS NO TRABALHO FALHAS OU AUSÊNCIA DE PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA CONDIÇÕES INSEGURAS NO POSTO DE TRABALHO FALTA DE VALORIZAÇÃO DO FATOR SEGURANÇA NO PROCESSO PRODUTIVO REDUÇÃO DE PERDAS REDUÇÃO DE ACIDENTES REDUÇÃO DE CUSTOS (LUCRO) MUDANÇA COMPORTAMENTAL, ENFOCANDO PRIORITARIAMENTE A SEGURANÇA DO TRABALHO MELHORIA CONSTANTE DO AMBIENTE DE TRABALHO
  11. 11. Objetivos da CIPA  Prevenção de Doenças e Acidentes de Trabalho, mediante o controle dos Riscos presentes:  no ambiente  nas condições e  na organização do trabalho Visando:Visando: À PRESERVAÇÃO DA VIDA E PROMOÇÃO DA SAÚDE DOS TRABALHADORES.
  12. 12. Organização da CIPA DEVEM ORGANIZAR A CIPA Empresas Privadas, Públicas, Sociedades de Economia Mista, Órgãos da Administração Direta e Indireta, Instituições Beneficentes, Associações Recreativas, Cooperativas e outras instituições que admitam trabalhadores como empregados.
  13. 13. Organização da CIPA A CIPA é composta por representantes do empregador (indicados) e dos empregados (eleitos), em igual número, sendo composta de Titulares e Suplentes e sua quantidade é definida pelo grau de risco de sua atividade que é definido pelo CNAE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas) e pelo número de funcionários da empresa. Haverá também um secretário e seu substituto.
  14. 14. Organização da CIPA  O mandato dos membros eleitos da CIPA terá a duração de um ano, permitida uma reeleição.  É vedada a dispensa arbitrária ou sem justa causa do empregado eleito para cargo de direção de Comissões Internas de Prevenção de Acidentes desde o registro de sua candidatura até um ano após o final de seu mandato.  O empregador designará entre seus representantes o Presidente da CIPA, e os representantes dos empregados escolherão entre os titulares o vice-presidente.
  15. 15. COMPOSIÇÃO (Representantes) COMPOSIÇÃO (Representantes) SECRETÁRIOSECRETÁRIO EMPREGADOREMPREGADOR TRABALHADORESTRABALHADORES INDICAÇÃOINDICAÇÃO ELEIÇÃOELEIÇÃO Presidente Membros Suplentes Presidente Membros Suplentes Vice-Presidente Membros Suplentes Vice-Presidente Membros Suplentes
  16. 16. Compete ao empregador convocar eleições para escolha dos representantes dos empregados da CIPA, até 60 dias antes do término do mandato em curso. O Presidente e o Vice-Presidente da CIPA constituirão dentre seus membros, com no mínimo 55 dias do início do pleito, a Comissão Eleitoral - C.E., que será a rsponsável pela organização e acompanhamento do processo eleitoral. Processo Eleitoral
  17. 17. Processo Eleitoral (Condições)  Publicação e divulgação de Edital, no mínimo 45 dias antes da data de eleição;  Inscrição e eleição individual, sendo que o período mínimo para inscrição será de 15 dias;  Liberdade de inscrição para todos os empregados da empresa, com fornecimento de comprovante;  Garantia de emprego para todos os empregados da empresa até a eleição;  Realizar eleição no mínimo 30 dias antes do término do mandato;  Realizar eleição em dia normal de trabalho, respeitando os horários dos turnos;
  18. 18. Atribuições do Presidente Convocar os membros para as reuniões da CIPA; Coordenar as reuniões da CIPA, encaminhando ao empregador e ao SESMT, as decisões da comissão; Manter o empregador informado sobre os trabalhos da CIPA; Coordenar e supervisionar as atividades de
  19. 19. Atribuições do Vice-Presidente Executar as atribuições que lhe forem delegadas pelo Presidente; Substituir o Presidente nos seus impedimentos eventuais ou nos afastamentos temporários.
  20. 20. Atribuições do Presidente e Vice-Presidente em conjunto  Cuidar para que a CIPA disponha de condições necessárias para o desenvolvimento de seus trabalhos;  Coordenar e supervisionar as atividades da CIPA, zelando para que os objetivos propostos sejam alcançados;  Delegar atribuições aos membros da CIPA;  Promover o relacionamento da CIPA com o SESMT;  Divulgar as decisões da CIPA a todos os trabalhadores da
  21. 21. Atribuições do(a) Secretário(a) Acompanhar as reuniões da CIPA, e redigir as atas apresentando-as para aprovação e assinatura dos membros presentes; Preparar as correspondências; Executar as atribuições que lhe forem
  22. 22. Funcionamento  A CIPA terá reuniões ordinárias mensais, de acordo com o calendário preestabelecido;  As reuniões ordinárias da CIPA serão realizadas durante o expediente normal da empresa;  As reuniões da CIPA terão atas assinadas pelos presentes;  As reuniões extraordinárias serão realizadas quando houver denúncia de situação de risco grave e iminente que determine aplicação de medidas corretivas de
  23. 23. Atribuições da CIPA  Colaborar no desenvolvimento e implementação do PCMSO, PPRA bem como de outros programas de segurança e saúde desenvolvidos pela empresa;  Divulgar e promover o cumprimento das Normas Regulamentadoras, bem como cláusulas de acordos e convenções coletivas de trabalho e normas internas de segurança relativas à segurança no trabalho;  Participar em conjunto com o SESMT da análise das causas das doenças e acidentes do trabalho e propor medidas de solução dos problemas identificados;  Promover, anualmente, em conjunto com o SESMT, a Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho - SIPAT;
  24. 24.  Pelo exercício do Trabalho.  A serviço da Empresa.  Lesão Corporal  Perturbação Funcional  Redução da Capacidade e/ou  Morte Temporária ou Permanente PROVOCANDOPROVOCANDO ACIDENTE DO TRABALHO (CONCEITO LEGAL)
  25. 25. ACIDENTE DO TRABALHO (CONCEITO LEGAL) Considera-se acidente do trabalho as seguintes entidades mórbidas:  doença profissional, assim entendida a produzida ou desencadeada pelo exercício de trabalho peculiar a determinada atividade (...).  doença do trabalho, assim entendida a adquirida ou desencadeada em função de condições especiais em que o trabalho é realizado e com ele se relaciona diretamente (...).  doença proveniente da contaminação acidental do empregado
  26. 26. ACIDENTE DO TRABALHO (CONCEITO LEGAL)  o acidente sofrido, ainda fora do local e horário de trabalho: a) na execução de ordem ou na realização de serviços sob a autoridade da empresa; b) na prestação espontânea de qualquer serviço á empresa para lhe evitar prejuízo ou proporcionar proveitos; c) em viagem a serviço da empresa, inclusive para estudo, quando financiada por esta, dentro de seus planos para melhor capacitação da mão-de-obra, independente do meio de locomoção utilizado, inclusive veículo de propriedade do segurado; d) no percurso da residência para o local de trabalho ou deste para aquela, qualquer que seja o meio de locomoção, inclusive veículo de propriedade do segurado.
  27. 27. ACIDENTE DE TRABALHO (CONCEITO PREVENCIONISTA) É todo fato inesperado, não planejado, que interrompe ou interfere num processo normal de trabalho, resultando lesão e/ou danos e/ ou perda de tempo.
  28. 28. Causas de Acidentes do Trabalho ATOS INSEGUROS relacionadas com falhas humanas  CONDIÇÕES INSEGURAS relacionadas com as condições de trabalho FATOR PESSOAL DE SEGURANÇA
  29. 29. Causas de Acidentes do Trabalho
  30. 30. Causas de Acidentes do Trabalho
  31. 31. Causas de Acidentes do Trabalho
  32. 32. Causas de Acidentes do Trabalho
  33. 33. Causas de Acidentes do Trabalho
  34. 34. Causas de Acidentes do Trabalho
  35. 35. Causas de Acidentes do Trabalho
  36. 36. CLASSIFICAÇÃO DOS ACIDENTES  ACIDENTE SEM AFASTAMENTO – É todo acidente que possibilita o acidentado voltar à sua ocupação habitual no mesmo dia, ou então no dia imediato ao do acidente, no horário regulamentar, resultando incapacidade temporária parcial;  ACIDENTE COM AFASTAMENTO – É todo acidente que impossibilita ao acidentado retornar ao trabalho até o dia imediato ao do acidente, no horário regulamentar, podendo dele resultar morte, incapacidade permanente total ou parcial e incapacidade temporária total;  INCAPACIDADE TEMPORÁRIA PARCIAL – É a perda de parte da capacidade para o trabalho por determinado período, não afastando o acidentado do trabalho;  INCAPACIDADE TEMPORÁRIA TOTAL – É a perda total da capacidade para o trabalho por um período que varia do início da jornada do dia subsequente ao do acidente até 360 dias após o mesmo, excetuados a morte, incapacidade permanente parcial e total;  INCAPACIDADE PERMANENTE PARCIAL – É a redução de parte da capacidade para o trabalho, impossibilitando a execução de algumas tarefas ou exigindo maior esforço para a sua realização, decorrente da perda de qualquer membro ou parte do corpo, perda total do uso desse membro ou parte do corpo, ou qualquer redução permanente de função orgânica;
  37. 37. Conseqüências dos Acidentes de Trabalho:  PARA O TRABALHADOR  Ferimentos, afastamento do trabalho, redução de salário, dependência seguro do INSS, insegurança quanto a manutenção do emprego...  PARA A EMPRESA  Pagamento dos primeiros 15 dias de afastamento, contratação/substituição do trabalhador afastado...
  38. 38. Conseqüências dos Acidentes de Trabalho:  PARA A FAMÍLIA  Impacto da notícia, redução no orçamento, despesas com remédios, tratamento...  PARA O PAÍS  Um trabalhador a menos produzindo = um segurado a mais para bancar...  Todos nós acabamos pagando...
  39. 39. Comunicação de Acidente do Trabalho De acordo com a legislação, todo acidente do trabalho deve ser imediatamente comunicado à empresa pelo acidentado ou por qualquer pessoa que dele tiver conhecimento; Em caso de morte, é obrigatória a comunicação à autoridade policial; A empresa por sua vez, deve comunicar o acidente do trabalho à Previdência Social até o primeiro dia útil
  40. 40. Benefícios da Previdência Social DECRETO N.º 611 – (21/07/92). (Lei n.º 8213) Art. 169 – O segurando que sofreu acidente do trabalho tem garantia, pelo prazo mínimo de 12 meses, a manutenção do seu contrato de trabalho na empresa, após a cessação do auxílio-doença acidentário, independentemente da percepção de auxílio-acidente; Art. 172 – O pagamento pela previdência das prestações por acidente do trabalho não exclui a responsabilidade civil da empresa ou de outrem; IMPLICAÇÕES DECORRENTES DOS ACIDENTES DE TRABALHO
  41. 41. & 1º - CONSTITUI CONTRAVENÇÀO PENAL, PUNÍVEL COM MULTA, DEIXAR A EMPRESA DE CUMPRIR AS NORMAS DE SEGURNÇA E HIGIENE DO TRABALHO. & 2º - Ë DEVER DA EMPRESA PRESTAR INFORMAÇÕES PORMENORIZADAS SOBRE OS RISCOS DA OPERAÇÀO A EXECUTAR E DO PRODUTO A MANIPULAR. Art. 176 – Nos casos de negligência quanto às normas padrão de segurança e higiene do trabalho indicado para a proteção individual e coletiva, a Previdência Social proporá ação regressiva contra os responsáveis. IMPLICAÇÕES DECORRENTES DOS ACIDENTES DE TRABALHO
  42. 42. Coletar os fatos, descrevendo o ocorrido;  Analisar o acidente, identificando suas causas;  Definir as medidas preventivas, acompanhando sua execução. Etapas da Investigação
  43. 43. Inspeção de Segurança  É a parte do controle de riscos que consiste em efetuar vistorias nas áreas e meios de trabalho, com o objetivo de descobrir e corrigir situações que comprometam a segurança dos trabalhadores;  Uma inspeção para ser bem aproveitada precisa ser planejada, e o primeiro passo é definir o que se pretende com a inspeção e como fazê-la;  A classificação dos riscos pode ser feita após a inspeção, através de consenso entre os participantes da inspeção;  Para as não conformidades detectadas na inspeção, após a mesma, fazer uso das ferramentas do programa de segurança que se aplicam.
  44. 44. Inspeções de Rotina: Realizadas diariamente nos diversos setores da empresa, pelos cipeiros e funcionários com vistas à identificação de deficiências existentes que possam resultar em danos ao homem e/ou instalação e/ou produto. EX.: Início de atividade produtiva, início de turno, no posto de trabalho, na adoção de “Permissão para Trabalho em Risco”, etc. Inspeções Programadas: Realizadas nos diversos setores da empresa, por grupo de funcionários acompanhados por representante do setor inspecionado, nas datas e horários sempre que possível previamente definidos em “Programa Anual de Inspeções”, com o objetivo de serem verificadas as condições sanitárias, ordem, limpeza e conforto, uso e operação de edificações, máquinas, equipamentos, dispositivos, instalações de energia (Elétrica, hidráulica, pneumática, etc.). Inspeção de Segurança
  45. 45. GERAL; ESPECÍFICAS: INSTALAÇÕES ELÉTRICAS; EDIFICAÇÃO; INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS; DISPOSITIVOS DE PROTEÇÕES EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS; ILUMINAÇÃO; SISTEMAS DE EMERGÊNCIA (SAÍDAS DE EMERGÊNCIA, ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA, SISTEMAS CONTRA INCÊNDIO, ETC). Tipos de Inspeções Programadas:
  46. 46. Aquelas realizadas por grupos previamente escolhidos, com a obrigatória participação de Técnicos ou Engenheiros de Segurança do Trabalho, representante da área e representante da Engenharia da empresa, com vistas à detecção/eliminação de riscos de acidentes que possam ser gerados por ocasião da introdução de mudanças ou alterações nos processos de fabricação, lay-out, instalações, máquinas, equipamentos, dispositivos, ou outras condições de trabalho, bem como aquelas realizadas oficialmente por Órgãos ou Entidades ligadas aos Poderes Públicos. Inspeções Extraordinárias:
  47. 47. Campanhas de Segurança  Campanhas de segurança são eventos voltados para a educação e sensibilização dos funcionários, transmitindo conhecimentos sobre segurança e saúde no trabalho.  Os eventos mais comuns e que envolvem a CIPA são:  Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho - SIPAT;  Campanha Interna de Prevenção da AIDS - CIPAS;  Antitabagismo - cabe também à CIPA, recomendar que em todos os locais de trabalhos e adotem medidas restritivas ao hábito de fumar.
  48. 48. Riscos Ambientais  São agentes presentes nos ambientes de trabalho, capazes de afetar o trabalhador a curto, médio e longo prazo, provocando acidentes com lesões imediatas e/ou doenças chamadas profissionais ou do trabalho, que se equiparam a acidentes do trabalho;  Uma das atribuições da CIPA, é a de identificar e relatar os riscos existentes nos setores e processos de trabalho. Para isso é necessário que se conheça os riscos que podem existir nesses setores, solicitando medidas para que os mesmos possam ser eliminados e/ou neutralizado;  Identificados esses riscos, os mesmos deverão ser
  49. 49. Riscos Ambientais Classificação Riscos Físicos: (Verde)  Riscos Químicos: (Vermelho)  Riscos Biológicos: (Marron)  Riscos Ergonômicos: (Amarelo)  Riscos de Acidentes: (Azul)
  50. 50. TEMPO DE EXPOSIÇÃO SENSIBILIDADE INDIVIDUALSENSIBILIDADE INDIVIDUAL  CONCENTRAÇÃO  INTENSIDADE  NATUREZA DO RISCO Riscos Ambientais FATORES QUE INFLUENCIAM
  51. 51. Riscos Ambientais VIAS DE PENETRAÇÃO CUTÂNEA DIGESTIVA RESPIRATÓRIA
  52. 52. Riscos Ambientais RISCO FÍSICO CONSEQÜÊNCIAS Ruído Cansaço, irritação, dores de cabeça, diminuição da audição, problemas do aparelho digestivo, taquicardia, perigo de infarto. Vibração Cansaço, irritação, dores nos membros, dores na coluna, doença do movimento, artrite, problemas digestivos, lesões ósseas, lesões dos tecidos moles. Calor Taquicardia, aumento da pulsação, cansaço, irritação, intermação, prostração térmica, choque térmico, fadiga térmica, perturbação das funções digestivas, hipertensão etc. Radiação não ionizante Queimaduras, lesões nos olhos, na pele e em outros órgãos Radiação ionizante Alterações celulares, câncer, fadiga, problemas visuais, acidente do trabalho. Umidade Alterações celulares, câncer, fadiga, problemas visuais, acidente do trabalho. Pressões anormais
  53. 53. Riscos Ambientais RISCO QUÍMICO CONSEQÜÊNCIAS Poeiras Minerais(silicose, asbestose), vegetais (bissinose, bagaçose) , alcalinas (enfizema pulmonar) e incomodas (potencializa nocividade). Fumos metálicos Intoxicação específica de acordo com o metal, febre dos fumos metálicos, doença pulmonar obstrutiva. Névoas, Neblinas, Gases e vapores Irritantes: irritação das vias aéreas superiores. Ac. Clorídrico, Soda Cáustica, Ac.Sulfúrico etc. Asfixiantes: dor de cabeça, náuseas, sonolência, convulsões, coma e morte. Ex.: Hidrogênio, Nitrogênio, Hélio, Acetileno, Metano, Dióxido de Carbono, Monóxido de Carbono etc. Anestésicos: ação depressiva sobre o sistema nervoso, danos aos diversos orgãos, ao sistema formador do sangue. Ex.: Butano, Propano, Aldeídos, Cetonas, Cloreto de Carbono, Tricloroetileno, Benzeno, Tolueno, Álcoois, Percloroetileno, Xileno etc.
  54. 54. Riscos Ambientais RISCO BIOLÓGICO CONSEQÜÊNCIAS Vírus Hepatite, poliomielite, herpes, varíola, febre amarela, raiva (hidrofobia), rubéola, aids, dengue, meningite. Bactérias/Bacilos Hanseniese, tuberculose, tétano, febre tifóide, pneumonia, difteria, cólera, leptospirose, disenterias. Protozoários Malária, mal de chagas, toxoplasmose, disenterias. Fungos Alergias, micoses.
  55. 55. Riscos Ambientais RISCO ERGONÔMICO CONSEQÜÊNCIAS Esforço físico intenso Levantamento e transporte manual de peso Exigência de postura inadequada Controle rígido de produtividade Imposição de ritmos excessivos Trabalho em turno ou noturno Jornada prolongada de trabalho Monotonia e repetitividade Outras situações causadoras de “stress” físico e/ou psíquico Cansaço, dores musculares, fraquezas, doenças como hipertensão arterial, úlceras, doenças nervosas, agravamento do diabetes,alterações do sono,da libido, da vida social com reflexos na saúde e no comportamento, acidentes, problemas na coluna vertebral, taquicardia, cardiopatia (angina, infarto), agravamento da asma, tensão, ansiedade, medo, comportamentos estereotipados.
  56. 56. Riscos Ambientais RISCO ACIDENTE CONSEQÜÊNCIAS Arranjo físico inadequado Máquinas e equipamentos sem proteção Ferramentas inadequadas ou defeituosas Iluminação inadequada Eletricidade Probabilidade de incêndio ou explosão Armazenamento inadequado Animais peçonhentos Outras situações de risco que poderão contribuir para a ocorrência de acidentes Acidentes de forma geral.
  57. 57. Prioridades no Controle de Risco Eliminar o risco;  Neutralizar / isolar o risco, através do uso de Equipamento de Proteção Coletiva;  Proteger o trabalhador através do uso de Equipamentos de Proteção Individual.
  58. 58. EPC EPI Técnica Médica Administrativa Educativa { MEDIDAS DE CONTROLE
  59. 59. EPC EPI AMBIENTE HOMEM O RISCO A LESÃO elimina/neutraliza/sinaliza evita ou diminui MEDIDAS TÉCNICAS
  60. 60. EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVAS – EPC’S  São os equipamentos que neutralizam o risco na fonte, dispensando, em determinados casos, o uso dos equipamentos de proteção individual.
  61. 61. SINALIZAÇÃO DE CANTEIROS DE OBRAS No canteiro de obras e no perímetro da obra, será sinalizada com avisos, placa de advertências, afim de: Identificar locais de apoio que compõem áreas de vivência; Sinalizar entradas e saídas por meio de dizeres ou setas; É obrigatório o uso de colete ou tarjas refletivas no uniforme, posicionados em local de fácil visibilidade, quando estiver em serviço em vias publicas, sinalizando o acesso ao canteiro de obras e frentes de serviços ou em movimentação e transporte de materiais; Alertar quanto à obrigatoriedade do uso de EPI, especifico para a atividade executada, com a devida sinalização e advertência próxima ao posto de trabalho; Alertar quanto ao isolamento das áreas de transporte e circulação de materiais, ou áreas de perigo; Identificar acessos, circulação de veículos e equipamentos.
  62. 62. EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL- EPI’S  Todo dispositivo ou produto, de uso individual utilizado pelo trabalhador, destinado a proteção de riscos suscetíveis de ameaçar a segurança e a saúde no trabalho.  A empresa fornecerá os EPIs para você gratuitamente.  Utilizados tipos e marcas aprovados pelo MTE mediante Certificado de Aprovação - CA
  63. 63. EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL- EPI’S PROTEÇÃO DA CABEÇA: É obrigatória a utilização de capacete de segurança em atividades como: Trabalho em altura; Escavação; Içamento de carga; Espaço Confinado; Atividades com ferramentas manuais tais como enxada, pá e picareta; Entre quaisquer atividades que exista a possibilidade de existir desprendimento ou queda de materiais;
  64. 64. EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL- EPI’S PROTEÇÃO DOS OLHOS E FACIAL: É obrigatória a utilização de óculos de proteção ou protetor facial nas seguintes atividades: Manipulação de substâncias químicas; Ferramentas manuais, tais como: martelo, serra manual, rolo de pintura, pincel, espátula,enxada, picareta, pá, etc; Utilização de equipamentos, tais como: furadeira, betoneira, esmeril, serra tico-tico, roçadeira, serra circular, policorte, makita; Entre quaisquer atividade que projete partículas, fagulha e centelhas.
  65. 65. EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL- EPI’S PROTEÇÃO DAS VIAS RESPIRATÓRIAS: É obrigatória a utilização de máscaras ou respiradores as seguintes atividades: Manipulação de substâncias químicas; Utilização de equipamentos, tais como: betoneira, esmeril, serra tico-tico, serra circular, roçadeira, policorte,makita, máquina de solda, conjunto de oxi-corte; Entre quaisquer atividades que possam expor o colaborador a poeiras, vapores, fumos, névoas e gases.
  66. 66. EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL- EPI’S  PROTEÇÃO AUTIDIVA:  É obrigatória a utilização de protetores auditivos nas seguintes atividades :  Ferramentas manuais, tais como: martelo, serra manual, rolo de pintura, pincel, espátula,enxada, picareta, pá, etc;  Utilização de equipamentos, tais como: furadeira, betoneira, esmeril, serra tico-tico, roçadeira, serra circular, policorte, makita;martele;compressor.  Entre quaisquer atividade próximo de máquinas e fontes de ruído intenso.
  67. 67. EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL- EPI’S  PROTEÇÃO DE MÃOS E BRAÇOS:  É obrigatória a utilização de luvas de segurança nas seguintes atividades:  Manipulação de substâncias químicas;  Ferramentas manuais, tais como: martelo, serra manual, rolo de pintura, pincel, espátula,enxada, picareta, pá, etc;  Utilização de equipamentos, tais como: furadeira, betoneira, esmeril, serra tico-tico, roçadeira, serra circular, policorte, makita; martele; compressor;máquina de solda e conjunto de oxi-corte;  Carregamento de materiais ásperos, pontiagudos ou com superfície cortante;  Atividades de limpeza em geral e contato com lixo;  Entre quaisquer atividade que projete partículas, fagulha e centelhas.
  68. 68. EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL- EPI’S  PROTEÇÃO DO TRONCO:  É obrigatória a utilização de proteção ao tronco nas seguintes atividades:  Utilização de equipamentos, tais como: betoneira, esmeril, serra tico-tico, roçadeira, serra circular, policorte, martele; compressor; máquina de solda e conjunto de oxi-corte;  Entre quaisquer atividade que projete partículas, fagulha e centelhas.  É obrigatório o uso de colete ou tarjas refletivas no uniforme, posicionados em local de fácil visibilidade, quando estiver em serviço em vias publicas, sinalizando o acesso ao canteiro de obras e frentes de serviços ou em movimentação e transporte de materiais;
  69. 69. EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL- EPI’S  PROTEÇÃO DOS PÉS:  É obrigatória a utilização de botas de segurança em todas as atividades, sendo especificadas de acordo com a natureza do serviço.  PROTEÇÃO CONTRA-QUEDAS:  É obrigatória em atividades acima de 2,00 m a utilização de cinto de segurança travado em estrutura fixa e solidarizada, ou acoplado em cabo-guia com trava-quedas .
  70. 70. PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO  A empresa DELTA CONSTRUÇÕES S.A estabelece procedimentos de segurança do trabalho como requisitos e condições mínimas para a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos, de forma a garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores que, direta ou indiretamente, interajam em atividades ou operações de risco.  As responsabilidades quanto ao cumprimento deste documento são solidárias aos contratantes e contratados envolvidos. Cabendo ao Lideres de Contratos, assim como dos demais responsáveis da obra (Engenheiros, Mestre de Obras, Encarregados,etc.): fazer cumprir este documento.
  71. 71. PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO  Todavia, realizar a interface entre os responsáveis da obra e os demais colaboradores, de forma a orientar, supervisionar e garantir o cumprimento deste procedimento, é responsabilidade dos Técnicos de Segurança do Trabalho, assim como aos Células (supervisores de segurança do trabalho).  É dado ao colaborador mediante aos Procedimentos de Segurança do Trabalho a recusa de tarefa.  Os trabalhadores devem interromper suas tarefas exercendo o direito de recusa, sempre que constatarem evidências de riscos graves e iminentes para sua segurança e saúde ou a de outras pessoas, comunicando imediatamente o fato a seu superior hierárquico, que diligenciará as medidas cabíveis.
  72. 72. PROCEDIMENTOS DE SISTEMAS  PS.ST.01 - ARQUIVAMENTO DE DOCUMENTAÇÃO DE SST  PS.ST.02 - HABILITAÇÃO, QUALIFICAÇÃO E CAPACITAÇÃO DOS TRABALHADORES  PS.ST.03 - COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES (CIPA)  PS.ST.04 - COMUNICAÇÃO PRÉVIA  PS.ST.05 - EQUIPAMENTO DE SEGURANÇA DO TRABALHO (EPI)  PS.ST.06 - ADICIONAL DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE  PS.ST.07 - DIRETRIZES DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO  PS.ST.08 - SERVIÇO ESPECIALIZADO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO (SESMT)  PS.ST.09 - COMUNICAÇÃO DE ACIDENTE DO TRABALHO (CAT)  PS.ST.10 - OBRIGAÇÕES DAS EMPRESAS TERCEIRIZADAS EM RELAÇÃO À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO
  73. 73. PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS  PO.ST.01 - DOCUMENTAÇÃO DE SST – PROCEDIMENTO DE ELABORAÇÃO  PO.ST.02 - DOCUMENTAÇÃO PARA INÍCIO DE OBRA  PO.ST.03 - DIRETRIZES BÁSICAS PARA ATIVIDADES DO CÉLULA E TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO  PO.ST.04 - TRABALHO EM ANDAIMES E PLATAFORMAS  PO.ST.05 - TRABALHO EM ALTURA  PO.ST.06 - ÁREAS DE VIVÊNCIA  PO.ST.07 - ARMAÇÕES DE AÇO  PO.ST.08 - ARMAZENAGEM E ESTOCAGEM DE MATERIAS  PO.ST.09 - CARPINTARIA  PO.ST.10 - ESCADAS, RAMPAS E PASSARELAS
  74. 74. PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS  PO.ST.13 - SERVIÇOS EM FLUTUANTES  PO.ST.14 - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS  PO.ST.15 - MÁQUINAS PARA MOVIMENTAÇÕES DE CARGA VERTICAL  PO.ST.16 - MÁQUINAS PARA MOVIMENTAÇÃO DE CARGA HORIZONTAL  PO.ST.17 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS – EDIFICAÇÕES  PO.ST.18 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS – OBRAS E FRENTES DE SERVIÇO  PO.ST.19 - TREINAMENTO
  75. 75. PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS  PO.ST.23 - ESTRUTURA DE CONCRETO  PO.ST.24 - ESTRUTURA METÁLICA  PO.ST.25 – EXPLOSIVOS  PO.ST.26 – GRUA  PO.ST.27 - OPERAÇÃO DE SOLDAGEM E CORTE A QUENTE  PO.ST.28 - MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS (IÇAMENTO DE CARGAS)  PO.ST.29 - OPERAÇÃO DE ROÇADEIRA  PO.ST.30 - MOTORISTAS CONTRATADOS (USINA DE ASFALTO)
  76. 76.  Reunir as informações necessárias para estabelecer o diagnóstico da situação;  Possibilitar, durante a sua elaboração, a troca e divulgação de informações entre os funcionários; O Mapa de Riscos é a representação gráfica do reconhecimento dos riscos existentes nos setores de trabalho, por meio de círculos de diferentes cores e tamanhos; O Mapa de Riscos deve ser refeito a cada gestão da Mapa de Riscos
  77. 77.  Conhecer o processo de trabalho no local analisado;  Identificar os riscos existentes no local analisado;  Identificar as medidas preventivas existentes e sua eficácia;  Identificar os indicadores de saúde;  Conhecer os levantamentos ambientais já realizados no local;  Elaborar o Mapa de Riscos, sobre o lay-out da empresa, indicando através de círculos, colocando em seu interior o risco levantado (cor), agente especificado e número de trabalhadores expostos. Mapeamento de Riscos Etapas de Elaboração
  78. 78. Trabalho em pé Área de Montagem cadeiras Administração Sala de Testes Ruído inadequadas estanho Sala de Projetos substâncias químicas Sala de Reunião Banheiros Almoxarifado GRADUAÇÃO CLASSIFICAÇÃO COR FÍSICO GRANDE QUÍMICO BIOLÓGICO MÉDIO ERGONÔMICO PEQUENO DE ACIDENTES 3 3 3 5 Mapa de risco
  79. 79. PREVENÇÃO DE INCÊNDIO  Prevenir o surgimento do fogo.  Os combustíveis podem ser: sólidos, líquidos e gasosos.  Setenta e cinco por cento são provocados por equipamentos elétricos, fumantes descuidados e/ou brincadeiras.  Vinte e cinco por cento são provocados por combustão espontânea, atritos, reações químicas, etc.
  80. 80. TRIÂNGULO DO FOGO  Além dos combustíveis, para que haja fogo, também é necessário uma fonte de calor, que em alguns casos, até o calor do sol é suficiente para combustão.  Todo fogo é alimentado pelo oxigênio, portanto completando o triângulo do fogo, existe o comburente.  Eliminando-se qualquer um desses elementos, não haverá fogo.
  81. 81. CLASSE DO FOGO  CLASSE “A”: São materiais de fácil combustão, queimam tanto na superfície como em profundidade, deixando resíduos. Ex.: madeira, papel, etc.  CLASSE “B”: São os produtos que queimam somente na superfície. Ex.: gasolina, óleos, graxas, etc.  CLASSE “C”: Ocorre em equipamentos elétricos energizados. Ex.: motores, quadros de distribuição, etc.  CLASSE “D”: Ocorre em materiais pirofóricos como magnésio, zircônio, titânio, etc.
  82. 82. TIPOS DE EXTINTORES  Dióxido de Carbono, mais conhecido como CO2, usado preferencialmente nos incêndios classe “B” e “C”.  Pó Químico Sêco, usado nos incêndios classe “B” e “C”. Em materiais pirofóricos (classe “D”), será utilizado um pó químico especial.  Água Pressurizada, usado principalmente em incêndios de classe “A”. Em incêndios de classe “C”, só deve ser utilizado sob forma de neblina. Nunca utilizar este tipo de extintor em incêndios de classe “B”.
  83. 83. LOCALIZAÇÃO DO EXTINTOR  Os extintores deverão ser instalados em locais de fácil acesso e visualização;  Sua parte superior não poderá estar a mais de 1,60 m acima do piso;  Extintores não poderão estar instalados em paredes de escadas e não poderão ser encobertos por pilhas de materiais.
  84. 84. Inspeção de Extintores Todo extintor deverá ter uma ficha de controle de inspeção, devendo ser inspecionado no mínimo 1 vez por mês, sendo observado seu aspecto externo, os lacres, manômetros e se os bicos e válvulas de alívio não estão entupidas; Cada extintor deverá ter em seu bojo, uma etiqueta contendo data de carga, teste hidrostático e número de identificação.
  85. 85. ANEXO DO ITEM 23.14 MARCA: TIPO: EXTINTOR N.º: ATIVO FIXO: LOCAL: ABNT N.º: HISTÓRICO Data Recebido Inspecionado Reparado Instrução Incêndio Código e reparos 1. Substituição de Gatilho 2. Substituição de Difusor 3. Mangote 4. Válvula de Segurança 5. Válvula Completa 6. Válvula Cilindro Adicional 7. Pintura 8. Manômetro 9. Teste Hidrostático 10. Recarregado 11. Usado em Incêndio 12. Usado em Instrução 13. Diversos CONTROLE DE EXTINTORES Ficha de Inspeção de Extintores
  86. 86. Localização dos Extintores Os extintores deverão ser instalados em locais de fácil acesso e visualização; Sua parte superior não poderá estar a mais de 1,60 m acima do piso; Extintores não poderão estar instalados em paredes de escadas e não poderão ser encobertos por pilhas de materiais.
  87. 87. SINALIZAÇÃO DOS EXTINTORES  Os locais destinados aos extintores devem ser sinalizados por um círculo vermelho ou uma seta larga vermelha com bordas amarelas;  Embaixo do extintor, no piso, deverá ser pintada uma área de no mínimo 1m x 1m, não podendo ser obstruída de forma nenhuma;
  88. 88. SINALIZAÇÃO DOS EXTINTORES
  89. 89. Primeiros Socorros Introdução Primeiros socorros, são todas as medidas que devem ser tomadas de imediato para evitar agravamento do estado de saúde ou lesão de uma pessoa antes do atendimento médico.
  90. 90. Ações do Socorrista  Isolar a área, evitando o acesso de curiosos;  Observar a vítima, verificando alterações ou ausência de respiração, hemorragias, fraturas, colorações diferentes da pele, presença de suor intenso, expressão de dor;  Observar alteração da temperatura, esfriamento das mãos e/ou pés;  Manter a calma, assumindo a liderança do atendimento;  Procurar que haja comunicação imediata com hospitais, ambulâncias, bombeiros, polícia se necessário.  A atitude do socorrista pode significar a vida ou a morte do acidentado.
  91. 91.  Exposição excessiva ao calor que pode se apresentar subitamente, a vítima cai desacordada, ou após enjôo, dor de cabeça, pele seca e quente, febre alta. Como socorrer:  retirar a vítima do local de exposição, colocando-a na sombra;  colocar compressas frias sobre a cabeça;  envolver o corpo com toalhas constantemente molhadas;  se estiver consciente, dê- lhe água para beber. Insolação
  92. 92. Intermação  Enfermidade produzida pela ação do calor em ambientes fechados com temperaturas muito altas. A vítima pode apresentar: cansaço, náuseas, calafrios, respiração superficial, palidez ou tonalidade azulada no rosto, temperatura corporal elevada, pele úmida e fria e pressão baixa. Como socorrer:  retirar a vítima do ambiente e levá-la para um local fresco e arejado;  deitar a vítima com a cabeça mais baixa que o corpo;  retirar as vestes da vítima envolvendo-a num lençol úmido;  se estiver consciente, oferecer água em pequenas quantidades;  encaminhar a vítima para atendimento médico
  93. 93. Desmaio  Normalmente, o desmaio não passa de um acidente leve, só se agravando quando é causado por grandes hemorragias. Como socorrer:  se a pessoa estiver prestes a desmaiar, coloque-a sentada com a cabeça entre as pernas;  se o desmaio já ocorreu, deitar a vítima no chão, verificar respiração e palidez;  afrouxar as roupas;  erguer os membros inferiores; Obs.: Se a vítima não se recuperar de 2 a 3 minutos, procurar assistência médica.
  94. 94. Crise Convulsiva  A vítima de crise convulsiva (ataque epiléptico), fica retraída e começa a se debater violentamente, podendo apresentar os olhos virados para cima. Como socorrer:  deite a vítima no chão e afaste tudo que estiver ao seu redor que possa machucá-la;  retire objetos como próteses, óculos, colares, etc;  coloque um pano ou lenço dobrado entre os dentes e desaperte a roupa da vítima;  não dê líquido à pessoas que estejam inconscientes;  cessada a convulsão, deixa a vítima repousar calmamente, pois poderá dormir por minutos ou horas;  nunca deixa de prestar socorro à vítima de convulsão.
  95. 95. Ferimentos - tipos  Contusão (beliscão, batidas), hematoma (local fica roxo), perfuro cortante (ferimento com faca prego, mordedura de animais, armas de fogo) e escoriação (ferimento superficial, só atinge a pele). Como socorrer: Contusões e Hematomas.  repouso da parte contundida;  aplicar gelo até melhorar a dor e o inchaço se estabilize;  elevar a parte atingida. Perfuro cortantes e Escoriações.  lavar as mãos;  lavar o ferimento com água e sabão;  secar o local com gase ou pano limpo;  se houver sangramento comprimir o local;  fazer um curativo;  manter o curativo limpo e seco;  proteger o ferimento para evitar contaminação.
  96. 96. Hemorragias  Hemorragia é a perda de sangue que acontece quando há rompimento de veias ou artérias, provocadas por cortes, tumores, úlceras, etc. Existem 2 tipos de hemorragias, as externas (visíveis) que devem ser estancadas imediatamente e as internas (não visíveis), mas que podem levar a vítima à morte. Como socorrer:  manter a vítima deitada com a cabeça para o lado;  afrouxar suas roupas;  manter a vítima agasalhada;  procurar assistência médica imediatamente.
  97. 97. Fraturas  É um tipo de lesão onde ocorre a quebra de um osso.  Existem 2 tipos db fraturas: Exposta ou aberta: quando há o rompimento da pele. Interna ou fechada: quando não há o rompimento da pele.  Em ambos os casos, acontece dor intensa, deformação do local afetado, incapacidade de movimento e inchaço. Como socorrer:  imobilização;  movimentar o menos possível;  colocar gelo no local de 20 a 30 minutos;  improvisar talas;  proteger o ferimento com gase ou pano limpo (para casos de fraturas expostas ou abertas).
  98. 98. O transporte adequado de feridos é de suma importância. Muitas vezes, a vítima pode ter seu quadro agravado por causa de um transporte feito de forma incorreta e sem os cuidados necessários. Por isso é fundamental saber como transportar um acidentado. Transporte de pessoas acidentadas
  99. 99. Parada Cardiorespiratória Parada Cardíaca  É preciso estar atento quando ocorrer uma parada cardíaca, pois esta pode estar ligada a uma parada respiratória e ambas acontecerem simultaneamente. Parada Respiratória  É a parada da respiração por: afogamento, sufocação, aspiração excessiva de gases venenosos, soterramento e choque.
  100. 100. Síndrome da Imunodeficiência Adquirida - AIDS O HIV, o vírus da Aids, é um retrovírus que, ao invés de ter DNA, possui RNA, ou seja, no seu processo de infecção da célula T4 hospedeira tem que transformar seu RNA em DNA. Essa característica o torna muito variável, como todo retrovírus. O HIV é da família lentivírus, indicando que entre a infecção e a manifestação, podem decorrer vários anos.
  101. 101. O Sistema Imunológico O organismo humano é protegido dos vírus e de outros agentes invasores, como micróbios, bactérias e fungos, pelo sistema imunológico, que podemos chamar de defensor do corpo humano. Existem três componentes básicos do sistema imunológico:  as células do sangue;  o sistema linfático, constituído de gânglios espalhados pelo corpo;  a medula, que tem como uma das principais funções, produzir as células de defesa.
  102. 102. Ao penetrar no corpo humano, e logo nas primeiras semanas de infecção, o HIV aloja-se nos nódulos linfáticos, que se tornam reservatórios do vírus - 98% das células de defesa ficam nesses nódulos e não no sangue: o intestino também é um grande reservatório dessas células. Nos nódulos linfáticos encontram-se, no mínimo, 10 vezes mais HIV do que no sangue. Nestes nódulos, o HIV pode ficar “inativo” durante muito tempo. O Que Ocorre Quando o HIV Entra no Organismo
  103. 103.  O HIV prolifera-se e cresce no sangue, no esperma e nas secreções vaginais. No entanto, quando está fora desses ambientes favoráveis, morre em pouco tempo, em questão de segundos. Durante as relações sexuais com penetração, ocorrem pequenos ferimentos nos órgãos genitais, que, às vezes, não são visíveis nem provocam dor.  Esse é o caminho que o HIV percorre para infectar o organismo.  Previna-se da AIDS, no entanto, não é evitar o sexo, deixar de sentir prazer, aproveitar o que a vida tem de bom, isolar-se das pessoas, viver relacionamentos sob um efeito terrorista. AIDS e o Sexo
  104. 104. Os únicos meios de transmissão do HIV são o Sangue, o Esperma, a Secreção Vaginal e o Leite Materno. O vírus da Aids também foi encontrado em secreções corpóreas como o suor, a lágrima e a saliva, mas nenhuma dessas secreções contém quantidade de vírus (carga vital) suficiente para que ocorra a infecção de outra pessoa. Meios de Transmissão
  105. 105.  Como sabemos que os meios de transmissão do HIV são o sangue, o esperma, a secreção vaginal e o leite materno, as formas de transmissão são:  Sexual - Durante a relação sexual com penetração anal, vaginal ou oral sem camisinha, com pessoas infectadas.  Sanguínea - Receber sangue contaminado, por meio de transfusões, usando seringas e agulhas ou materiais perfurocortantes, inseminação artificial ou transplante de órgãos.  Vertical ou Perinatal - Durante a gestação, parto ou aleitamento, caso a mãe esteja infectada. Formas de Transmissão
  106. 106. Usando camisinha em todo e qualquer tipo de relação sexual, seja vaginal, oral ou anal; Dando abraço ou beijo em pessoa contaminada; Exigindo, nas transfusões, sangue analisado por exames de laboratório; Usando seringas e agulhas descartáveis; Exigindo uso de ferramentas médicas e odontológicas devidamente esterilizadas; Como não se pega AIDS
  107. 107. Como não se pega AIDS Exigindo a devida higiene de aparelhos de manicure, acumpuntura, etc.; Compartilhando roupas de cama, vaso sanitário ou utensílios domésticos; Nadando na mesma piscina ou sentando na mesma cadeira usada por pessoa contaminada; Sendo picado por inseto; Doando sangue (desde que a agulha seja descartável).
  108. 108. Mordeduras e Picadas Os princípios de primeiros socorros, nos casos de mordeduras e picadas são: limitar a disseminação de venenos específicos; tratar os venenos específicos; controlar qualquer sangramento; verificar se existe choques e problemas respiratórios, tratando-os se necessário; evitar infecção pela limpeza da área mordida; procurar assistência médica.
  109. 109. Picadas de Cobras  Existem no Brasil, 4 grupos de serpentes venenosas. As serpentes do grupo Bothrops (jararacas) são responsáveis por 90% dos acidentes. Seus sinais e sintomas são: dor, edema, eritema e calor local. Como socorrer:  mantenha a pessoa deitada e calma;  não use garrotes ou torniquetes, pois estes podem causar gangrena;  não fazer incisões ou cortes, pois existe risco de hemorragia;  limpe bem o local da picada com água;  procure assistência médica.
  110. 110. Picadas de Aranhas e Escorpiões Os acidentes causados por picadas de aranhas e escorpiões, com dor intensa, podem ser graves em crianças e idosos. O reconhecimento da aranha ou escorpião, pode ajudar na identificação do tratamento. Se possível capture o animal para que possa ser identificado.
  111. 111. Escorpiões Como socorrer:  manter a vítima em repouso;  colocar compressas quentes;  providenciar assistência médica. Os escorpiões (lacraus) não são agressivos, picam somente para se defender e quando isso ocorre, seus sinais e sintomas são: dor, náuseas, vômitos, diarréia, dores no estômago, vontade constante de urinar, dificuldade de respirar, palidez e sudorese.
  112. 112. Aranhas  As aranhas não são agressivas, picam apenas quando molestadas.  Tarântulas e Caranguejeiras, não são consideradas perigosas, pois não causam sintomatologia grave.  Armadeiras são venenosas e responsáveis pela maioria dos acidentes graves.  Viúvas Negras, não são agressivas e, quando alguém é picado, apresenta uma elevação avermelhada no local.  Aranhas Marrons, não são agressivas, picam somente quando não há possibilidade de fuga.
  113. 113. Aranhas Em caso de acidente, seus sinais e sintomas são: dor intensa, náuseas, vômitos, salivação, sudorese, agitação, visão turva, febre e anemia. Como socorrer: Aplicar compressa no local da picada; Se a dor for intensa, procurar assistência médica para receber soro.
  114. 114. Picadas de Abelhas e Vespas  Os acidentes causados por picadas de abelhas e vespas, apresentam manifestações clínicas distintas, dependendo da sensibilidade do indivíduo ao veneno e do número de picadas Como socorrer: tentar tirar o ferrão; colocar gelo; passar uma pomada anti- histamínica no local. Obs.: No tratamento de pessoa sensibilizada ou de múltiplas picadas, procurar assistência médica com urgência.
  115. 115. Picadas de Insetos  Embora não sejam considerados animais peçonhentos, existem insetos como: formigas, pernilongos, mosquitos, pulgas, piolhos, percevejos, borrachudos, mutucas, etc., podem provocar reações graves e generalizadas, suas picadas podem causar os seguintes sinais e sintomas: dor intensa, inchaço, náusea, vômito, tontura, sudorese, rigidez no músculo e dificuldades de respiração. Como socorrer:  manter a vítima em repouso;
  116. 116. Queimaduras O contato com chamas, substâncias super- aquecidas, a exposição excessiva à luz solar e mesmo à temperatura ambiente muito elevada, provocam reações no organismo, que podem se limitar à pele ou afetar funções vitais. As queimaduras podem ser de 1º grau, 2º grau e 3º grau, cada uma delas com suas próprias características.
  117. 117. Queimadura de 1º grau Causa pele avermelhada, com edema e dor intensa. Como socorrer: resfriar o local com água corrente
  118. 118. Causa bolhas sobre uma pele vermelha, manchada ou de coloração variável, edema, exsudação e dor. Como socorrer: esfriar o local com água corrente; nunca romper as bolhas; nunca utilizar produtos caseiros, como: pó de café, pasta de dente, etc. Queimadura de 2º grau
  119. 119. Queimadura de 3º grau Neste tipo de queimadura, a pele fica esbranquiçada ou carbonizada, quase sempre com pouca ou nenhuma dor (aqui incluem-se todas as queimaduras elétricas). Como socorrer: não usar água; assistência médica é essencial; levar imediatamente ao médico.
  1. Gostou de algum slide específico?

    Recortar slides é uma maneira fácil de colecionar informações para acessar mais tarde.

×