Aula Síndrome Metabólica Paab VI

6,473
-1

Published on

Aula do Professor Martim sobre síndrome metabólica

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
6,473
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
201
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Aula Síndrome Metabólica Paab VI

  1. 1. APS / SÍNDROME METABÓLICA DR. MARTIM ELVIRO DE MEDEIROS JUNIOR PAAB - VI SLIDES PROF. Dra Daniéla Oliveira Magro
  2. 2. Qual o papel da APS frente a Síndrome Metabólica? <ul><li>Acesso </li></ul><ul><li>Longitudinalidade </li></ul><ul><li>Coordenação </li></ul><ul><li>Integralidade </li></ul>
  3. 3. TRANSIÇÃO NUTRICIONAL Diminuição da desnutrição em adultos e aumento de obesos é a tendência no país desde os anos 80. A prevalência de obesidade mórbida na população brasileira é de 2% em Homens e 4% EM Mulheres (3% da população geral) SBCB2008. Segundo POF-IBGE (2003) – famílias de baixo poder aquisitivo estão mais expostas à obesidade. Comprar alimentos de baixa qualidade nutricional e elevada densidade energética – a preços mais acessíveis – é mais viável economicamente que adquirir verduras, frutas, legumes e carnes magras.
  4. 4. % Tendência de obesidade em adultos brasileiros IMC ≥30. Monteiro C & Conde WL. Arq Bras Endocrinol Metab 1999; 43: 1586-196 Ministério da Saúde - 2006
  5. 5. ALIMENTAÇÃO ATIVIDADE FÍSICA DESEQUILÍBRIO ENERGÉTICO
  6. 6. A Síndrome Metabólica é uma condição de risco para o desenvolvimento de doença aterosclerótica sistêmica, em especial a coronariana, e esta relacionada ao desenvolvimento do Diabetes tipo 2 SÍNDROME METABÓLICA Arq Bras Endocrinol Metab, 50:400-07;2006
  7. 7. SÍNDROME METABÓLICA SBD, 2006 <ul><li>Prevalência: 20 a 25% na população normal. </li></ul><ul><li>A redução da ação insulínica pode estar acompanhada de um grupo de alterações metabólicas e cardiovasculares. </li></ul><ul><li>HAS; hipertrigliceridemia; redução do HDL-colesterol; intolerância aos carboidratos, obesidade central; hiperuricemia e doença cardiovascular </li></ul>
  8. 8. Fatores de risco para o desenvolvimento da Síndrome Metabólica SBD, 2006 <ul><li>Sobrepeso: IMC ≥25 Kg/m 2 ou cintura >102cm em homens e >88cm em mulheres. </li></ul><ul><li>Hábitos de vida sedentários. </li></ul><ul><li>Glicemia de jejum ≥100mg/dl. </li></ul><ul><li>Idade acima de 40 anos. </li></ul>
  9. 9. Fatores de risco para o desenvolvimento da Síndrome Metabólica SBD, 2006 <ul><li>História pessoal de diabetes gestacional. </li></ul><ul><li>Diagnóstico de hipertensão arterial, dislipidemia ou doença cardiovascular. </li></ul><ul><li>História familiar de diabetes tipo 2, hipertensão arterial ou doença cardiovascular. </li></ul><ul><li>Presença de acantose nigricans ou síndrome dos ovários policísticos. </li></ul>
  10. 10. “ Diferentes propostas para caracterização da Síndrome Metabólica” OMS – Organização Mundial da Saúde -1998 NCEP – National Cholesterol Education Program - 2001 AACE – Associação Americana de Endocrinologistas - 2003 EGIR – European Group for the Study of Insulin Resistance - 1999
  11. 11. OMS NCEP-ATPIII AACE/ACE EBIR Uso de anti-hipertensivos ou PA ≥140/90mmHg Uso de anti-hipertensivos ou PA ≥130/85mmHg PA ≥130/85mmHg PA ≥140/90mmHg ou o uso de anti-hipertensivo TG ≥150mg/dl HDL <35 (H) <39mg/dl (M) TG ≥150mg/dl HDL <40 (H) e < 50mg/dl (M) TG ≥150mg/dl HDL <40 (H) e < 50mg/dl (M) TG ≥150mg/dl ou HDL <40mg/dl ou trat. para dislipidemia IMC ≥30Kg/m 2 e(ou) C/Q >0,9 (H) e >0,85 (M) Cintura >102cm (H) e >88cm (M) - Cintura ≥94cm (H) e ≥80cm (M) DM2 ou tolerância à glicose diminuída ou RI Glicemia de jejum ≥110mg/dl Jejum 110-125mg/dl ou 2 horas após TOTG >140mg/dl Glicemia de jejum ≥110mg/dl e <126mg/dl DM2 ou TG ou RI e mais duas alterações Três alterações Não estabelece Hiperinsulinemia jejum e mais duas alterações
  12. 12. AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA INSULÍNICA HOMA – IR (Homeostasis Model Assessment) HOMA IR = [insulina de jejum (mU/ml) x glicemia de jejum (mmol/L]/22,5 Arq Bras Endocrinol Metab vol 50 2006:208-215 Glicemias entre 140-199mg/dl, 2 horas após a ingestão de 75g de glicose ou glicemias de jejum entre 100-125mg/dl sugerem a presença de RI. Valores de corte para o diagnóstico da RI = Homa IR >2,71
  13. 13. Valores da Circunferência da cintura (cm) considerados como risco para doenças associadas a Obesidade Fonte: NCEP - 2001
  14. 14. MEDIDA DA CIRCUNFERÊNCIA DA CINTURA
  15. 15. OUTROS FATORES QUE CONTRIBUEM PARA O DESENVOLVIMENTO DA SÍNDROME METABÓLICA ALIMENTAÇÃO Framingham Offspring Study; Diabetes Care 2004; 538-46 Aumento consumo de fibras Quantidade de açúcar ingerida Alto índice glicêmico Resistência à insulina Menor Resistência à insulina
  16. 16. TRATAMENTOS CONSERVADORES NÃO-FARMACOLÓGICOS DA SÍNDROME METABÓLICA MUDANÇAS NO ESTILO DE VIDA: Dietoterapia, exercício regular e cessar o fumo. Arq Bras Endocrinol Metab 2006:400-07 Reduzem a obesidade visceral e a RI. Melhoram o perfil lipídico e controle glicêmico. Controlam a pressão arterial.
  17. 17. ATIVIDADE FÍSICA 150 minutos/semana. Caminhadas de 10 a 12 Km/semana. O exercício é o fator chave da manutenção do peso e para a preservação da massa magra. Os indivíduos devem começar a praticar atividade física .
  18. 18. TRATAMENTO DIETOTERÁPICO NA SM O objetivo primário da terapia nutricional na SM é limitar a ingestão de gorduras saturadas . Alguns estudos mostraram efeitos benéficos da dieta mediterrânea, melhorando a sensibilidade insulínica. Dietas hiperglicídicas estão associadas ao aumento de triglicérides, bem como à redução de HDL-col. Alimentos com alto teor de Índice Glicêmico (IG) diminuem a sensibilidade à insulina.
  19. 19. TRATAMENTO DIETOTERÁPICO NA SM Dietas com baixo IG estão associadas a um menor risco de desenvolvimento de diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares e alguns tipos de câncer. Os alimentos com baixo IG são ricos em fibras alimentares, em especial as fibras solúveis. As fibras alimentares melhoram a resposta glicêmica e as concentrações de insulina prandial. As concentrações de insulina em jejum são menores em indivíduos que relatam maior ingestão de fibras.
  20. 20. TRATAMENTO DIETOTERÁPICO NA SM O aporte protéico assemelha-se ao da população geral, com ênfase no consumo de proteínas como a soja e o peixe. O objetivo é diminuir a ingestão de gorduras saturadas e colesterol. A substituição de proteína de origem animal por proteína de soja diminui as concentrações sanguíneas de colesterol total e LDL-col. Deve-se limitar o consumo de sal. O excesso de sódio, além de elevar a pressão arterial e aumenta a calciúria.
  21. 21. ELABORAÇÃO DO PLANO ALIMENTAR <ul><li>Composição da dieta (NCEP - 2001) macronutrientes </li></ul><ul><ul><li>Carboidratos : 50 a 60% </li></ul></ul><ul><ul><li>Proteínas: 15 a 20% </li></ul></ul><ul><ul><li>Gorduras: 25 a 35%; sendo </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>7% de gordura saturada </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>10% de gordura poliinsaturada </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>20% de gordura monoinsaturada </li></ul></ul></ul>Jama 2001; 2486-97
  22. 22. NOVO MODELO DE PIRÂMIDE DE ALIMENTOS
  23. 23. TRATAMENTO MEDICAMENTOSO NA SÍNDROME METABÓLICA <ul><li>HAS </li></ul><ul><li>DM </li></ul><ul><li>DISLIPIDEMIA </li></ul><ul><li>OBESIDADE </li></ul>
  1. ¿Le ha llamado la atención una diapositiva en particular?

    Recortar diapositivas es una manera útil de recopilar información importante para consultarla más tarde.

×