• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
1a. Aula Prof. Telma Regina Bueno
 

1a. Aula Prof. Telma Regina Bueno

on

  • 3,188 views

Arquivo utilizado na primeira aula do curso de Didatica no IPEC.

Arquivo utilizado na primeira aula do curso de Didatica no IPEC.

Statistics

Views

Total Views
3,188
Views on SlideShare
3,175
Embed Views
13

Actions

Likes
0
Downloads
91
Comments
0

3 Embeds 13

http://www.slideshare.net 9
http://www.via6.com 3
http://webcache.googleusercontent.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    1a. Aula Prof. Telma Regina Bueno   1a. Aula Prof. Telma Regina Bueno Presentation Transcript

    • Curso de Extensão em Didática do Ensino Superior (sábados) Profª. Telma Regina Bueno
    • AULA COMO COMUNICAÇÃO DOCENTE E COMO PRÁXIS
      • Por que tratar do tema: “aula” diante de tantos problemas que parecem muito mais relevantes no contexto escolar?
      • A razão principal que justifica tal iniciativa advém do fato de que a aula constitui uma relação que se dá uma dada situação, num dado ambiente, num espaço-tempo onde se fazem presentes todos aqueles grandes problemas próprios do processo de interação educativa, onde professores e alunos se encontram para a comunicação e o desenvolvimento de um programa de formação, de profissionalização e de aprendizagem; tudo isso contextualizado por diferentes mundos: o mundo do professor, o mundo do aluno; o mundo do programa.
      • A forma como se dá o processo de relação e de interação (comunicação) entre esses três mundos, marcará e desvelará – entre outras coisas – a concepção que o professor tem da aprendizagem e do processo ensino-aprendizagem; do papel que ele (docente) desempenha nesse processo; o papel que cabe ao aluno; a visão de mundo e da sociedade contemporânea: de sua competência pedagógica e política.
      • Revelará ainda, a concepção de teoria/prática que ilumina e norteia a caminhada docente; a concepção de ciência e realidade no cotidiano escolar e de suas vinculações e interfaces com um modo complexo e globalizado. A forma de comunicação docente revelará também a existência ou não de articulação do processo ensino-aprendizagem com as diretrizes da política educacional do Ministério da Educação e do Desporto (MEC), bem como com o projeto didático-pedagógico da instituição concreta onde a aula está se realizando.
      • A aula vista desse ângulo, se reveste de um caráter de pequeno mundo, no qual as ações e interações dos diversos sujeitos traduzem os sonhos, as expectativas, as angústias, as decepções de professores-alunos-programas. É nesse cenário complexo, e ao mesmo tempo interativo, do dia-a-dia da sala-de-aula onde está ocorrendo a educação dos nossos educandos e educadores. Sim, nós educamos e nos educamos no seio desse processo interativo e de reciprocidade.
      • Isso posto, nos parece relevante e pertinente que façamos uma reflexão sistemática organizada, contínua, de forma interrogativa e questionadora, a cerca do ser e do saber no interior do espaço acadêmico da sala-de-aula.
      •  
      • É nesse contexto e nesse sentido que a aula se apresenta como uma atitude de prática e de práxis (ação/reflexão/ação...).
      • No interior do processo ensino-aprendizagem se fazem presentes as variáveis: ser, querer, poder, saber, dever, fazer, articuladas entre si e tendo como pano de fundo a atitude de prática de práxis .
      • Ser implica auto-conhecimento. Querer revela vontade política. Poder significa disponibilidade dos meios para a ação. Saber tem a ver com a competência didático-pedagógica para o fazer. Dever de apresenta como a dimensão ético-política do dever-fazer. Fazer assume a característica de práxis: estou fazendo o que quero, posso, sei e devo?
      • A aula é um espaço de con-vivência humana e relações pedagógicas.
      •  
      • Nesse espaço de vida vivenciada a aula assume um caráter de relação e interação com a realidade, onde há lugar para a discussão, para o estudo, para a pesquisa, para o debate e para o enfrentamento de tudo que constitui o ser e a existência na sua complexidade. Nesse pequeno mundo estão presentes as contradições, as transformações, o dinamismo e a força do ser humano com seus valores, com a sua historicidade.
      • A sala de aula é um mundo onde coexistem diferentes mundos. A comunicação docente (aula) se dá no seio dessa complexidade. É um espaço aberto impregnado de fatos, acontecimentos, estudos, análises, conflitos, competições, prioridades, tudo isso numa relação e numa interação contínua e constante com o mundo exterior (a realidade).
      • A aula terá tanto mais sentido para alunos e professores, quanto mais próxima ela estiver dessa realidade. É o vivido, o científico, o atual, o desafio. Assim, torna possível o confronto com o cotidiano para aprofundá-lo, apropriar-se dele e superá-lo. Os desafios postos pela prática social de cada sujeito se transformam em novas buscas que proporcionam novas descobertas; que geram novos desafios. Unindo, dessa forma, teoria e prática restabelecendo o elo perdido necessário entre o pensar e o fazer.
      • A aula é um espaço de con-vivência múltipla, onde as diversas áreas do conhecimento se confrontam e se fecundam, num processo de busca constante e contínua de construção e reconstrução de significados para cada universo individual. É nessa dinâmica que se vai construindo e reconstruindo historicamente o sujeito epistêmico: sujeito do conhecimento.
      • A aula, enquanto prática & práxis favorece e possibilita a superação das dimensões espaço-tempo . Ali se fazem presentes – simultaneamente – o próximo e o remoto; o imediato e o mediato; passado, presente e futuro – tudo a se confundir e a se misturar num processo incessante de busca da síntese. Aí, não há lugar para fragmentos de conhecimentos, nem para qualquer tipo de reducionismo. As convivências e as informações se constituem em ingredientes fundamentais e indispensáveis para a construção da síntese. Síntese é conhecimento.
      • O conhecimento é a base para qualquer formação – intelectual ou profissional. Conhecer é apreender o sentido do meu universo – interior e circundante . É a descoberta do meu eu no mundo e como o mundo. Nesse sentido, cada área do conhecimento contribui com sua parcela para o processo de construção e reconstrução de um significado dinâmico maior, e cada vez mais complexo. A certeza cede lugar para a incerteza. O ensinar cede lugar para o aprender a aprender.
      •