Curso: NF-e 2.0 para a CadeiaProdutiva 2.0 <br />“Somente se melhora o que se podemedir”<br />Prof. Vicente Falconi<br />p...
Qual é a novidade?<br />O que é a Nota Fiscal Eletrônica - NF-e? <br />Podemosconceituar a Nota Fiscal Eletrônicacomosendo...
DocumentoEletrônico<br />
Apresentação<br />"Conheçoapenas a minhaignorância” 				                                 Sócrates<br />SPED Expert <br />D...
Ameaça x Oportunidades<br />No total, quantashoras de cursosvocêjáparticipousobre o SPED?<br />Com a implantação do SPED/N...
Empresas no Contexto do SPED<br />FCONT<br />e-Lalur<br />
NF-e é XML assinado<br />
DANFE é DANFE<br />
Emitente & Destinátário<br />Envio eletrônico (EDI)‏<br />Contribuinte<br />Remetente<br />Contribuinte<br />Destinatário<...
Consulta à NFe<br />
Consulta à NFe<br />
ObrigatoriedadedaNF-e: <br />Protocolo ICMS 10/2007<br />
Obrigatoriedadepara 2010<br />Protocolo ICMS 42/2009<br />1º de dezembro de 2010, oscontribuintesque, independentementedaa...
Obrigatoriedadepara 2010<br />Protocolo ICMS 42/2009:<br /><ul><li>Cláusula quinta: “Ficam mantidas as obrigatoriedades e ...
O Anexo apresenta mais de 500 CNAE’s: abril, julho e outubro;
O § 3º acrescenta:
“Para fins do disposto neste protocolo, deve-se considerar o código da CNAE principal do contribuinte, bem como os secundá...
Principais Dúvidas<br />PROCESSO DE HABILITAÇÃO<br /> Para quais tipos de operações (ex: entrada, saída, importação, expor...
Principais Dúvidas<br />PROCESSO DE HABILITAÇÃO<br />Empresa optante pelo Simples Nacional pode estar obrigada a emissão d...
Principais Dúvidas<br />PROCESSO DE HABILITAÇÃO<br />Uma empresa credenciada a emitir NF-e deve substituir 100% de suas No...
Principais Dúvidas<br />PROCESSO DE HABILITAÇÃO<br />Quais são as validações realizadas pela Secretaria da Fazenda na auto...
Principais Dúvidas<br />PROCESSO DE HABILITAÇÃO<br />Em que estabelecimento deve ser emitida a NF-e?<br />A legislação do ...
Principais Dúvidas<br />PROCESSO DE HABILITAÇÃO<br />É possível alterar uma Nota Fiscal Eletrônica emitida?<br />Após ter ...
Principais Dúvidas<br />PROCESSO DE HABILITAÇÃO<br />Quais são as condições e prazos para o cancelamento de uma NF-e? (atu...
Principais Dúvidas<br />PROCESSO DE HABILITAÇÃO<br />Como fica a chamada carta de correção no caso de utilização da NF-e? ...
Principais Dúvidas<br />PROCESSO DE HABILITAÇÃO<br />Como serão solucionados os casos de erros cometidos na emissão de NF-...
Principais Dúvidas<br />PROCESSO DE HABILITAÇÃO<br />As empresas de varejo (venda direta ao consumidor) também estão obrig...
Passospara NF-e<br />1. Nivelamentoconceitualparatodas as áreasenvolvidas.<br />2. NF-e é um projeto de gestão, elabore:<b...
Plano financeiro
Escopo
Prazos
Métricas de controle.</li></ul>3.Identifique quemseráafetadoe suasexpectativas: cadadepartamento, clientes, fornecedores e...
Passospara NF-e<br />4. Analise e defina as questõesfundamentais do projeto:<br />a) Emissãocentralizadaoudistribuída<br /...
Nota Fiscal Eletrônica2.0<br /><ul><li>Adequação da NF-e para registrar as operações do SIMPLES NACIONAL
Impactos:
B2B
Auditoria eletrônica (entrada)</li></li></ul><li>Nota Fiscal Eletrônica2.0<br /><ul><li>Inclusão de regras de validação co...
Total dos valores difere do somatório dos itens
Se CST de ICMS = 00, 10, 20, 51, 70, 90: Valor ICMS  difere de Base de Cálculo x Alíquota
Impactos:
Inteligência Fiscal
Auditoria eletrônica (entrada)</li></li></ul><li>Nota Fiscal Eletrônica2.0<br /><ul><li>Eliminação da necessidade de lavra...
Registro no XML da data e hora de início e a justificativa para a contingência.
Impactos:
Agilidade
Exposição</li></li></ul><li>Nota Fiscal Eletrônica2.0<br /><ul><li>Inclusão da Forma de Emissão na chave da NF-e: Normal, ...
Impactos:
Maior controle pelo Fisco</li></li></ul><li>Nota Fiscal Eletrônica2.0<br /><ul><li>Cancelamento, o emissor deverá disponib...
Impactos:
B2B
Agilidade
Exposição</li></li></ul><li>Nota Fiscal Eletrônica2.0<br /><ul><li>Alteração da forma de preenchimento do campo NCM. Comér...
Impactos:
B2B
Classificação
Exposição</li></li></ul><li>Nota Fiscal Eletrônica2.0<br /><ul><li>Inclusão de campos: E-mail do destinatário.
Impactos:
Agilidade
Exposição
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Curso: NF-e 2.0 para a Cadeia Produtiva 2.0

2,133

Published on

Curso: NF-e 2.0 para a Cadeia Produtiva 2.0 realizado em Divinópolis/MG

Published in: Business
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
2,133
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
107
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Curso: NF-e 2.0 para a Cadeia Produtiva 2.0

  1. 1. Curso: NF-e 2.0 para a CadeiaProdutiva 2.0 <br />“Somente se melhora o que se podemedir”<br />Prof. Vicente Falconi<br />por: prof. Roberto Dias Duarte <br />
  2. 2. Qual é a novidade?<br />O que é a Nota Fiscal Eletrônica - NF-e? <br />Podemosconceituar a Nota Fiscal Eletrônicacomosendoumdocumento de existênciaapenasdigital, emitidoe armazenadoeletronicamente, com o intuito de documentar, para fins fiscais, umaoperação de circulação de mercadoriasouumaprestação de serviços, ocorrida entre as partes. Suavalidadejurídica é garantidapelaassinatura digital do remetente (garantia de autoria e de integridade) e pelarecepção, peloFisco, do documentoeletrônico, antes daocorrência do fatogerador. <br />
  3. 3. DocumentoEletrônico<br />
  4. 4. Apresentação<br />"Conheçoapenas a minhaignorância” Sócrates<br />SPED Expert <br />Diretor de Alianças<br />www.robertodiasduarte.com.br<br />
  5. 5. Ameaça x Oportunidades<br />No total, quantashoras de cursosvocêjáparticipousobre o SPED?<br />Com a implantação do SPED/NF-e, seutrabalhoterá:<br />
  6. 6. Empresas no Contexto do SPED<br />FCONT<br />e-Lalur<br />
  7. 7. NF-e é XML assinado<br />
  8. 8. DANFE é DANFE<br />
  9. 9. Emitente & Destinátário<br />Envio eletrônico (EDI)‏<br />Contribuinte<br />Remetente<br />Contribuinte<br />Destinatário<br />Trânsito Autorizado (DANFE)‏<br />Envia<br />NF-e<br />Retorna<br />Autorização<br />NF-e<br />Consulta NF-e<br />Retransmite NF-e<br />SPED<br />SEFAZ/UF<br />
  10. 10. Consulta à NFe<br />
  11. 11. Consulta à NFe<br />
  12. 12. ObrigatoriedadedaNF-e: <br />Protocolo ICMS 10/2007<br />
  13. 13. Obrigatoriedadepara 2010<br />Protocolo ICMS 42/2009<br />1º de dezembro de 2010, oscontribuintesque, independentementedaatividadeeconômicaexercida, realizemoperaçõesdestinadas a:<br />“I – AdministraçãoPúblicadiretaouindireta, inclusive empresapública e sociedade de economiamista, ;<br />II – destinatáriolocalizadoemunidadedaFederaçãodiferentedaquela do emitente;<br />As unidadesdaFederaçãopodeminstituir, a partir de 1º de janeiro de 2010, a obrigatoriedade de emissãoda Nota Fiscal Eletrônica – NF-e, “paraoscontribuintesenquadradosnoscódigos das divisões 01, 02 e 03 daClassificaçãoNacional de AtividadesEconômicas – CNAE, relativos a atividadesagropecuárias.”<br />
  14. 14. Obrigatoriedadepara 2010<br />Protocolo ICMS 42/2009:<br /><ul><li>Cláusula quinta: “Ficam mantidas as obrigatoriedades e prazos estabelecidos no Protocolo ICMS nº 10/07, de 18 de abril de 2007.”;
  15. 15. O Anexo apresenta mais de 500 CNAE’s: abril, julho e outubro;
  16. 16. O § 3º acrescenta:
  17. 17. “Para fins do disposto neste protocolo, deve-se considerar o código da CNAE principal do contribuinte, bem como os secundários, conforme conste ou, por exercer a atividade, deva constar em seus atos constitutivos ou em seus cadastros, junto ao Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ) da Receita Federal do Brasil (RFB) e no cadastro de contribuinte do ICMS de cada unidade federada.”</li></li></ul><li>Principais Dúvidas<br />PROCESSO DE HABILITAÇÃO<br />Quais os tipos de documentos fiscais em papel que a NF-e substitui?<br />Atualmente a legislação nacional permite que a NF-e substitua apenas a chamada nota fiscal modelo 1 / 1A, que é utilizada, em regra, para documentar transações comerciais com mercadorias entre pessoas jurídicas.<br />Não se destina a substituir os outros modelos de documentos fiscais existentes na legislação como, por exemplo, a Nota Fiscal a Consumidor (modelo 2) ou o Cupom Fiscal.<br />Os documentos que não foram substituídos pela NF-e devem continuar a ser emitidos de acordo com a legislação em vigor.<br />
  18. 18. Principais Dúvidas<br />PROCESSO DE HABILITAÇÃO<br /> Para quais tipos de operações (ex: entrada, saída, importação, exportação, simples remessa) a NF-e pode ser utilizada?<br />A NF-e substitui a nota fiscal modelo 1 e 1-A em todas as hipóteses previstas na legislação em que esses documentos possam ser utilizados. Isso inclui, por exemplo: a Nota Fiscal de entrada, operações de importação, operações de exportação, operações interestaduais ou ainda operações de simples remessa.<br />
  19. 19. Principais Dúvidas<br />PROCESSO DE HABILITAÇÃO<br />Empresa optante pelo Simples Nacional pode estar obrigada a emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) e ao cumprimento das obrigações do sistema eletrônico de processamento de dados - SEPD (Convênios 57/95 e 58/95)?<br />A legislação que dispensou algumas obrigações acessórias aos optantes pelo Simples Nacional não incluiu a desobrigação da emissão de documento fiscal próprio para as operações ou prestações que realizarem.<br />E ainda determinou:<br />Resolução CGSN nº 10, de 28 de junho de 2007<br />Art. 2º As ME e as EPP optantes pelo Simples Nacional utilizarão, conforme as operações e prestações que realizarem, os documentos fiscais, inclusive os emitidos por meio eletrônico, autorizados pelos entes federativos onde possuírem estabelecimento.<br />Art. 8º O ente tributante que adote sistema eletrônico de emissão de documentos fiscais ou recepção eletrônica de informações poderá exigi-los de seus contribuintes optantes pelo Simples Nacional, observando os prazos e formas previstos nas respectivas legislações.<br />Portanto, as empresas optantes pelo Simples Nacional, que estejam no âmbito da obrigatoriedade, devem utilizar apenas NF-e e estão obrigadas ao cumprimento das obrigações relativas ao SEPD, incluindo-se aqui os emissores voluntários <br />
  20. 20. Principais Dúvidas<br />PROCESSO DE HABILITAÇÃO<br />Uma empresa credenciada a emitir NF-e deve substituir 100% de suas Notas Fiscais em papel pela Nota Fiscal Eletrônica? (Atualizado em 31/12/08)‏<br />O estabelecimento credenciado a emitir NF-e que não seja obrigado à sua emissão deverá emitir, preferencialmente, NF-e em substituição à nota fiscal em papel, modelo 1 ou 1-A.<br />Os estabelecimentos obrigados a emitir NF-e, após o início da obrigatoriedade prevista na legislação, devem emitir NF-e em todas as operações nas quais emitiriam nota fiscal modelo 1 ou 1A (salvo situações de exceção previstas na própria legislação da obrigatoriedade). No caso de a empresa obrigada ou voluntariamente credenciada emitir também cupom fiscal, nota fiscal a consumidor (modelo 2), ou outro documento fiscal (além de mod. 1 ou 1-A), deverá continuar emitindo-os, concomitantemente com a NF-e, pois a nota fiscal eletrônica substituirá apenas as operações anteriormente acobertadas por notas fiscais modelo 1 ou 1-A. <br />
  21. 21. Principais Dúvidas<br />PROCESSO DE HABILITAÇÃO<br />Quais são as validações realizadas pela Secretaria da Fazenda na autorização de uma NF-e? (atualizado em 31/12/08)‏<br />Na recepção de cada NF-e pela Secretaria da Fazenda, para fins de autorização de uso, é feita uma validação de forma, sendo validados:<br /> * Assinatura digital – para garantir a autoria da NF-e e sua integridade;<br /> * Formato de campos – para garantir que não ocorram erros de preenchimento dos campos da NF-e (por exemplo, um campo valor preenchido com letras);<br /> * Numeração da NF-e – para garantir que a mesma NF-e não seja recebida mais de uma vez;<br /> * Emitente autorizado – se a empresa emitente da NF-e está credenciada e autorizada a emitir NF-e na Secretaria da Fazenda;<br /> * A regularidade fiscal do emitente – se o emissor está regularmente inscrito na Secretaria da Fazenda da unidade federada em que estiver localizado.<br />Dessa forma, o fato de uma NF-e estar com seu uso autorizado pela Secretaria da Fazenda (SEFAZ) significa simplesmente que a Sefaz recebeu uma declaração da realização de uma determinada operação comercial a partir de determinada data e que verificou previamente determinados aspectos formais (autoria, formato e autorização do emitente) daquela declaração, não se responsabilizando, em nenhuma hipótese, pelo aspecto do mérito dela, que é de inteira responsabilidade do emitente do documento fiscal.do.<br />
  22. 22. Principais Dúvidas<br />PROCESSO DE HABILITAÇÃO<br />Em que estabelecimento deve ser emitida a NF-e?<br />A legislação do ICMS considera cada estabelecimento do contribuinte um estabelecimento autônomo para efeito de cumprimento de obrigação acessória.<br />Assim, cada estabelecimento do contribuinte deverá estar inscrito no cadastro de contribuintes do ICMS e emitir os documentos fiscais previstos na legislação.<br />A emissão da NF-e depende de prévio credenciamento do contribuinte junto à SEFAZ de circunscrição do estabelecimento interessado.<br />O processo de geração e transmissão da NF-e é um processo eletrônico e pode ser realizado em qualquer local, desde que a NF-e seja emitida por um emissor credenciado e assinada digitalmente com o certificado digital do estabelecimento emissor credenciado ou do estabelecimento matriz do emissor credenciado.<br />
  23. 23. Principais Dúvidas<br />PROCESSO DE HABILITAÇÃO<br />É possível alterar uma Nota Fiscal Eletrônica emitida?<br />Após ter o seu uso autorizado pela SEFAZ, uma NF-e não poderá sofrer qualquer alteração, pois qualquer modificação no seu conteúdo invalida a sua assinatura digital.<br />O emitente poderá:<br /> * dentro de certas condições, cancelar a NF-e, por meio da geração de um arquivo XML específico para isso. Da mesma forma que a emissão de uma NF-e de circulação de mercadorias, o pedido de cancelamento de NF-e também deverá ser autorizado pela SEFAZ. O Layout do arquivo de solicitação de cancelamento poderá ser consultado no Manual de Integração do Contribuinte.<br /> * dentro de certas condições, emitir uma Nota Fiscal Eletrônica complementar, ou uma Nota Fiscal Eletrônica de ajuste, conforme o caso.<br /> * sanar erros em campos específicos da NF-e, por meio de Carta de Correção Eletrônica - CC-e transmitida à Secretaria da Fazenda. Como esta modalidade de emissão ainda não foi implantada, o contribuinte poderá emitir Carta de Correção Complementar, em papel, conforme definido através do Ajuste Sineif 01/07.<br />
  24. 24. Principais Dúvidas<br />PROCESSO DE HABILITAÇÃO<br />Quais são as condições e prazos para o cancelamento de uma NF-e? (atualizado em 31/12/08)‏<br />Somente poderá ser cancelada uma NF-e cujo uso tenha sido previamente autorizado pelo Fisco (protocolo “Autorização de Uso”) e desde que não tenha ainda ocorrido o fato gerador, ou seja, ainda não tenha ocorrido a saída da mercadoria do estabelecimento. Atualmente o prazo máximo para cancelamento de uma NF-e é de 168 horas (7 dias), contado a partir da autorização de uso. <br />
  25. 25. Principais Dúvidas<br />PROCESSO DE HABILITAÇÃO<br />Como fica a chamada carta de correção no caso de utilização da NF-e? (atualizado em 31/12/08)‏<br />Primeiramente, cabe esclarecer que a CC-e ainda não foi implementada. Conforme o caso e o que necessitar ser corrigido, o contribuinte poderá utilizar-se da NF-e de Ajuste, ou buscar o procedimento fiscal adequado para a situação (NF-e Complementar, NF-e de Entrada, etc.).<br />(...)‏<br />Similar ao que ocorre com a NF-e de Ajuste, não poderão ser sanados erros relacionados:<br />1 - às variáveis consideradas no cálculo do valor do imposto, tais como: valor da operação ou da prestação, base de cálculo e alíquota (para estes casos deverá ser utilizada NF-e Complementar);<br />2 - a dados cadastrais que impliquem alteração na identidade ou no endereço de localização do remetente ou do destinatário;<br />3 - à data de emissão da NF-e ou à data de saída da mercadoria.<br />Importante: Não só a CC-e ainda não foi implementada como também seu leiaute ainda não foi publicado em Ato Cotepe, sendo permitido o uso da Carta de Correção em papel, conforme definido através do ajuste Sineif 01/07<br />
  26. 26. Principais Dúvidas<br />PROCESSO DE HABILITAÇÃO<br />Como serão solucionados os casos de erros cometidos na emissão de NF-e (há previsão de NF-e complementar)? E erros mais simples como nome do cliente, erro no endereço, erro no CFOP - como alterar o dado que ficou registrado na base da SEFAZ?<br />(...)‏<br />Uma NF-e autorizada pela SEFAZ não pode ser mais modificada, mesmo que seja para correção de erros de preenchimento. (...)‏<br />Há ainda a possibilidade de emissão de NF-e complementar nas situações previstas na legislação.<br />(...) <br />
  27. 27. Principais Dúvidas<br />PROCESSO DE HABILITAÇÃO<br />As empresas de varejo (venda direta ao consumidor) também estão obrigadas a emitir NF-e?<br />Em regra, as operações de venda a varejo não estão alcançadas pela obrigatoriedade de emissão de NF-e. Porém, se o contribuinte atuar como fabricante e/ou atacadista de atividade enquadrada na obrigatoriedade e também atuar no varejo, deverá emitir NF-e nas situações em que emitia a nota fiscal modelo 1 ou 1-A. No caso de efetuar a venda no varejo por meio de cupom fiscal ou de nota fiscal de venda a consumidor (modelo 2), estas continuarão sendo normalmente emitidas em papel.<br />
  28. 28. Passospara NF-e<br />1. Nivelamentoconceitualparatodas as áreasenvolvidas.<br />2. NF-e é um projeto de gestão, elabore:<br /><ul><li>Objetivos
  29. 29. Plano financeiro
  30. 30. Escopo
  31. 31. Prazos
  32. 32. Métricas de controle.</li></ul>3.Identifique quemseráafetadoe suasexpectativas: cadadepartamento, clientes, fornecedores e parceiros.<br />
  33. 33. Passospara NF-e<br />4. Analise e defina as questõesfundamentais do projeto:<br />a) Emissãocentralizadaoudistribuída<br />b) Software <br />c) Estruturadaplataformatecnológica<br />d) Certificado Digital<br />e) Armazenamento e recuperação de dados<br /> f) Definae implementeformas de contingência<br /> g) Definaosprocessos de auditoria.<br />5. Não se esqueça do ajuste de cadastros<br />6. Crie um plano de trabalho: o quê, quem, como, quando, quanto.<br />
  34. 34. Nota Fiscal Eletrônica2.0<br /><ul><li>Adequação da NF-e para registrar as operações do SIMPLES NACIONAL
  35. 35. Impactos:
  36. 36. B2B
  37. 37. Auditoria eletrônica (entrada)</li></li></ul><li>Nota Fiscal Eletrônica2.0<br /><ul><li>Inclusão de regras de validação como, por exemplo:
  38. 38. Total dos valores difere do somatório dos itens
  39. 39. Se CST de ICMS = 00, 10, 20, 51, 70, 90: Valor ICMS difere de Base de Cálculo x Alíquota
  40. 40. Impactos:
  41. 41. Inteligência Fiscal
  42. 42. Auditoria eletrônica (entrada)</li></li></ul><li>Nota Fiscal Eletrônica2.0<br /><ul><li>Eliminação da necessidade de lavratura de termo no RUDFTO, em caso de emissão em contingência.
  43. 43. Registro no XML da data e hora de início e a justificativa para a contingência.
  44. 44. Impactos:
  45. 45. Agilidade
  46. 46. Exposição</li></li></ul><li>Nota Fiscal Eletrônica2.0<br /><ul><li>Inclusão da Forma de Emissão na chave da NF-e: Normal, FS, SCAN, DEPEC, FS-DA
  47. 47. Impactos:
  48. 48. Maior controle pelo Fisco</li></li></ul><li>Nota Fiscal Eletrônica2.0<br /><ul><li>Cancelamento, o emissor deverá disponibilizar para o destinatário o mesmo conteúdo da NF-e enviada para a SEFAZ, complementada com os dados da homologação do pedido de cancelamento.
  49. 49. Impactos:
  50. 50. B2B
  51. 51. Agilidade
  52. 52. Exposição</li></li></ul><li>Nota Fiscal Eletrônica2.0<br /><ul><li>Alteração da forma de preenchimento do campo NCM. Comércio exterior ou o produto seja tributado pelo IPI: NCM completo.
  53. 53. Impactos:
  54. 54. B2B
  55. 55. Classificação
  56. 56. Exposição</li></li></ul><li>Nota Fiscal Eletrônica2.0<br /><ul><li>Inclusão de campos: E-mail do destinatário.
  57. 57. Impactos:
  58. 58. Agilidade
  59. 59. Exposição
  60. 60. Cadastro</li></li></ul><li>Nota Fiscal Eletrônica2.0<br /><ul><li>Inclusão de campos:
  61. 61. CT-e referenciado;
  62. 62. Cupom fiscal referenciado;
  63. 63. Nota de produtor rural referenciada.
  64. 64. Impactos:
  65. 65. Exposição
  66. 66. Cadastro
  67. 67. Integração</li></li></ul><li>Nota Fiscal Eletrônica2.0<br /><ul><li>Inclusão de Campos para identificação do pedido e item de compra.
  68. 68. Impactos:
  69. 69. Integração
  70. 70. B2B
  71. 71. Auditoria eletrônica</li></li></ul><li>Nota Fiscal Eletrônica2.0<br /><ul><li>Inclusão/ajuste de campos para veículos novos. Exemplo:
  72. 72. Não há mais campo RENAVAM.
  73. 73. Cor: conforme DENATRAN
  74. 74. Tipo Combustível conforme RENAVAM.
  75. 75. Restrição:
  76. 76. Impactos:
  77. 77. Integração</li></li></ul><li>Nota Fiscal Eletrônica2.0<br /><ul><li>Inclusão de regras de validação como, por exemplo:
  78. 78. Para o pedido de cancelamento, verificar registro de Circulação de Mercadoria
  79. 79. Para o pedido de cancelamento, verificar recebimento da NF-e pelo Destinatário (a ser implementada)
  80. 80. Impactos:
  81. 81. Segurança
  82. 82. Redução de Fraudes
  83. 83. B2B</li></li></ul><li>Nota Fiscal Eletrônica2.0<br /><ul><li>Registro dos Eventos do Ciclo de Vida da NF-e
  84. 84. Autorização
  85. 85. Denegação
  86. 86. Cancelamento
  87. 87. Desclassificação
  88. 88. Cancelamento de ofício
  89. 89. Reversão do cancelamento
  90. 90. Vistoda NF-e
  91. 91. Carta de Correção
  92. 92. Carta de Correção de ofício
  93. 93. NF-e referenciada de ofício;
  94. 94. Registro de Veículos;
  95. 95. Outros
  96. 96. Registrosde saída
  97. 97. Registro de passagem
  98. 98. InternalizaçãoSuframa
  99. 99. Saídaparaexportação
  100. 100. Internalização no país (desembaraço)‏
  101. 101. Confirmação de recebimento
  102. 102. Desconhecimentodaoperação
  103. 103. Devolução de mercadoria</li></li></ul><li>Fluxo de Eventos<br />
  104. 104. Fluxo de Eventos<br />
  105. 105. Brasil-ID<br />Fonte: www.brasil-id.org.br<br />
  106. 106. Brasil-ID: Organização<br />Coordenação: ENCAT e Centro de Pesquisas Avançadas WernhervonBraun<br />Fonte: www.brasil-id.org.br<br />
  107. 107. Brasil-ID<br />Posto fiscal:<br /><ul><li>Menor tempo de inspeção
  108. 108. Produtos com TAG sãoliberados</li></ul>Fonte: www.brasil-id.org.br<br />
  109. 109. Brasil-ID<br />Fonte: www.brasil-id.org.br<br />
  110. 110. CadeiaProdutiva 2.0<br />Mudança cultural <br />emtodosdepartamentos, clientes e fornecedores<br />Mudança logística <br />& administrativa<br />Exposição Fiscal daCadeiaProdutiva<br />Irregularidade fiscal<br />emitente e destinatário<br />Restrição à <br />manipulação de dados<br />Guarda de documentos<br />digitais: segurança<br />“Importação” & “exportação” dainteligência fiscal<br />Novo patamar de gestão<br />integradoaoecossistema<br />
  111. 111. O SPED vaipegar?<br />1/9/2009<br />11/11/2009<br />7/4/2009<br />5/7/2009<br />
  112. 112. O SPED vaipegar?<br />01/04/2010<br />5 milhões/diaútil<br />
  113. 113. O SPED: Alémda NF-e<br />
  114. 114. Cenário e Tendências....<br />
  115. 115. Sonegação Fiscal <br />“Com osnovossistemas de controlesfiscais, em 5 anos o Brasilterá o menoríndice de sonegaçãoempresarialdaAmérica Latina e em 10 anosíndicecomparadoao dos paísesdesenvolvidos.”<br />IBPT – InstitutoBrasileiro de PlanejamentoTributário<br />
  116. 116. MaiorImpacto<br />x<br />Vírus Fiscal:<br />Errosoufaltadainformação:<br />NCM, CFOP, CST, <br />Alíquotas, bases, valores<br />Pedido, item<br />Inteligência:<br />Informaçõesprecisas<br />Capital Intelectual<br />Integração<br />Apoio a clientes<br />Apoio a fornecedores<br />Gestão & Tecnologia<br />
  117. 117. Fornecedor<br />Cliente<br />Cliente<br />Fornecedor<br />Fornecedor<br />Cliente<br />SPED<br />Vírus Fiscal<br />
  118. 118. Vírus Fiscal<br />
  119. 119. Fimda Era do Envelope Pardo‏<br />Empresa<br />Escritório Contábil<br />Sistemas não integrados <br />ou inexistentes<br />Sistema Fiscal/Contábil<br />X<br />X<br />X<br />DANFE + <br />Documentos<br />X<br />X<br />X<br />X<br />X<br />ProcessosOperacionais<br />Processos Fiscais/Contabeis<br />Ineficiência e ineficácia: envelope paralá; guiaparacá<br />
  120. 120. BPO na Estrutura do Cliente<br />Representante<br />Legal<br />EFD<br />SPED<br />ECD<br />Administrador<br />Contabilista<br />BACEN, SUSEP, CVM,<br />DNRC, RFB, SEFAZ<br />Empresa<br />Escritório Contábil/Contador<br />Sistema ERP + Contabil + Fiscal<br />Acessoremoto<br />+<br />Atendimento local<br />Processos Operacionais<br />Processos Fiscais/Contabeis<br />Soluçãoparaempresasmaiores: terceirização de processos com infraestrutura do cliente<br />
  121. 121. BPO na Estrutura do Contador<br />Representante<br />Legal<br />EFD<br />SPED<br />ECD<br />Administrador<br />Contabilista<br />BACEN, SUSEP, CVM,<br />DNRC, RFB, SEFAZ<br />Empresa<br />Escritório Contábil ou datacenter<br />Sistema ERP + Contabil + Fiscal<br />Acessoremoto<br />+<br />RedesSociais<br />ProcessosOperacionais:<br />Foco no Negócio<br />Processos Fiscais/Contabeis<br />Soluçãoparaempresaspequenas: terceirização de processos com infraestrutura do contador<br />
  122. 122. Inteligência no mundopós SPED<br />
  123. 123. Bem-vindos à Era do Conhecimento<br />Informações e slides em:<br />www.robertodiasduarte.com.br<br />Siga-me pelo Twitter: <br />www.twitter.com/robertoduarte<br />Ou me encontrena Web:<br />
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×