Formação territorial e estr. geol. do Brasil

10,104 views

Published on

A formação do Brasil desde sua localização inicial, principais tratados para sua formação e noções de Estado-nação

Published in: Education, Travel
0 Comments
9 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
10,104
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
173
Actions
Shares
0
Downloads
439
Comments
0
Likes
9
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Formação territorial e estr. geol. do Brasil

  1. 2. Os limites, as fronteiras e a divisão política Território de um Estado nação Área em que o governo do país tem poder para atuar Limites naturais (serras ou rios) Linhas imaginárias Delimitado por linhas divisórias chamadas limites Fronteira política: trecho do território que define o limite. Zona ou faixa pela qual passa a linha de separação.
  2. 3. O ESTADO-NAÇÃO É comum referir-se ao país como sendo também um Estado. Diversos geógrafos, historiadores, sociólogos entendem que o termo que melhor traduz a idéia de país é Estado-nação . A nação é constituída por um conjunto de pessoas que tem o mesmo passado histórico, os mesmos costumes e valores e, às vezes, a mesma língua e religião. Tudo isso faz com que a nação tenha uma identidade cultural e se forme uma consciência nacional . Apesar de algumas particularidades, que podem ser até línguas diferentes, há nas pessoas que pertencem a uma mesma nação a idéia de pertencer a uma identidade superior, chamada de identidade nacional.
  3. 4. Assim, o país ou o Estado-nação são termos que se referem à organização político administrativa do território — o Estado — e à sociedade, que está sob o governo desse Estado. A sociedade pode ser formada por uma única nação ou por várias nações. O termo Estado nacional também é utilizado para se referir ao Estado-nação. Os geógrafos Milton Santos e Maria Laura Silveira afirmaram que “ a existência de um país supõe um território. Mas a existência de uma nação nem sempre é acompanhada da posse de um território e nem sempre supõe a existência de um Estado ”.
  4. 5. <ul><li>Os limites são resultados de longos processos de ocupação. Muitos são motivo de conflito e podem ser modificados. </li></ul><ul><ul><li>Eles não delimitam apenas o espaço físico que cabe a cada Estado governar. Em muitos casos, a divisão política representa formas diferenciadas de desenvolvimento tecnológico, de normas (leis), de valores e costumes. </li></ul></ul>
  5. 6. Fazer fronteiras com muitos países, como no caso do Brasil Vantagens : facilita a formação de blocos comerciais com os países próximos, a fim de facilitar o processo de produção, importação e exportação de mercadorias. Desvantagens: dificuldade do governo para controlar e fiscalizar as fronteiras terrestres, tentando impedir o tráfico de armas e drogas, o contrabando e a imigração ilegal. O Brasil apresenta a 3ª maior fronteira do mundo , com aproximadamente 16,8 mil km de fronteiras.
  6. 7. A formação do território brasileiro Final do séc. XVII Exploração das drogas do sertão na Amazônia Descoberta de pedras preciosas e ouro na região Centro Oeste Mostraram que a área ocupada pelos portugueses era bem mais ampla do que a estabelecida pelo Tratado de Tordesilhas. Drogas do sertão: cacau, cravo, espécies oleaginosas (castanha- do-pará)
  7. 10. Durante o século XVIII e início do século XIX, diversos tratados foram assinados para delimitar o território brasil eiro
  8. 11. <ul><li>Nordeste : cultivo de cana-de-açúcar; </li></ul><ul><li>Norte : extração de borracha e a exploração das drogas do sertão; </li></ul><ul><li>Sudeste : mineração e cafeicultura; </li></ul><ul><li>Sul : pecuária e agricultura familiar. </li></ul>A formação do território brasileiro deu-se com a ocupação decorrente da prática de diversas atividades econômicas.
  9. 13. BRASIL – SÉCULO XIX <ul><li>Características gerais: </li></ul><ul><li>Consolidação da economia cafeeira </li></ul><ul><li>Concentração da produção em função do centro administrativo </li></ul><ul><li>Ampliação da malha ferroviária </li></ul><ul><li>Decadência da economia mineira </li></ul><ul><li>Abolição da escravidão </li></ul><ul><li>Inicio da decadência do café </li></ul><ul><li>Indústria nacional </li></ul><ul><li>Crescimento da população urbana e dos fluxos migratórios </li></ul>
  10. 14. BRASIL – SÉCULO XX <ul><li>Características gerais: </li></ul><ul><li>Reorganização administrativa </li></ul><ul><li>Crescimento urbano interiorizado </li></ul><ul><li>Redirecionamento dos fluxos migratórios internos </li></ul><ul><li>Agravamento de problemas ambientais </li></ul><ul><li>Comprometimento dos recursos hídricos </li></ul><ul><li>Crescimento da área marítima (1988 – 200 milhas náuticas) </li></ul>
  11. 15. <ul><li>Tipos de regionalização brasileira: </li></ul><ul><li>IBGE </li></ul><ul><li>GEOECONÔMICA </li></ul><ul><li>IDH </li></ul>
  12. 16. BRASIL: DIVISÃO IBGE <ul><li>CRITÉRIO: aspectos fisiográficos e econômicos. </li></ul><ul><li>REGIÕES: norte, nordeste, centro-oeste, sudeste e sul. </li></ul><ul><li>PRINCIPAIS PROBLEMAS: </li></ul><ul><li>Grandes contrastes econômicos e físicos dentro da mesma região e respeito somente aos limites políticos dos estados. </li></ul><ul><li>EX: o norte de Minas Gerais possuía mais caracteristicas da Região Nordeste que da Região Sudeste. </li></ul>
  13. 17. BRASIL: DIVISÃO GEOECONÔMICA <ul><li>CRITÉRIO: características histórico-econômicas do Brasil, ou seja, os aspectos da economia e da formação histórica e regional. </li></ul><ul><li>REGIÕES: Amazônia, Centro-Sul e Nordeste. </li></ul><ul><li>PRINCIPAIS PROBLEMAS: </li></ul><ul><li>Respeito somente as caracteristicas econômicas, esconde realidades e diferenças sociais gritantes. </li></ul><ul><li>EX : Contrastes sociais existentes em relação aos estados dentro de uma mesma região. </li></ul>
  14. 18. BRASIL: DIVISÃO IDH <ul><li>CRITÉRIO: avalia os indicadores de educação, renda e longevidade. </li></ul><ul><li>REGIÕES: Alto IDH (próximo de 1,0), Médio IDH (próximo de 0,5), baixo IDH ( muito abaixo da média geral do país). </li></ul><ul><li>PRINCIPAIS PROBLEMAS: </li></ul><ul><li>Privilegia somente critérios sócio-econômicos, constante mutação. </li></ul>
  15. 19. <ul><li>Transformações territoriais no Brasil foram motivadas: </li></ul><ul><li>Interesses políticos e estratégicos – exploração de recursos e escoamento de produção </li></ul><ul><li>Interesses econômicos – exportação, indústrias e novos mercados </li></ul><ul><li>Aspectos naturais – relevo, clima etc. </li></ul><ul><li>Organização interna foi motivada: </li></ul><ul><li>Interesses políticos externo e interno – proximidade do mercado consumidores, facilidade para escoar produção </li></ul><ul><li>Interesses econômicos – urbanização crescente em regiões de interesse, decadência de regiões </li></ul><ul><li>Planejamento estratégico – garantia de riquezas e ocupação de vazios demográficos </li></ul>
  16. 20. <ul><li>Território – 8.514.876 Km² (país de dimensão continental, ocupa 47% do território da América do Sul) </li></ul><ul><li>5º país mais extenso do mundo </li></ul><ul><li>Suas terras localizam-se nos hemisférios norte (7%), sul (93%) e oeste (100%) </li></ul><ul><li>90% de seu território localiza-se na Zona Intertropical </li></ul><ul><li>Cortado pelo Trópico de Capricórnio e pela linha do Equador </li></ul>
  17. 22. FRONTEIRAS <ul><li>Possui 23.086 Km de fronteira ( 15.719 Km de fronteira terrestre e 7.367 Km de fronteira marítima </li></ul><ul><li>Dos países da América do Sul, não possui fronteiras apenas com Chile e Equador </li></ul>
  18. 24. <ul><li>Possui 3 fusos: </li></ul><ul><ul><li>1º FUSO (-2 hrs em relação ao GMT) – ilhas oceânicas </li></ul></ul><ul><ul><li>2º FUSO (-3 hrs em relação ao GMT) – horário oficial do Brasil </li></ul></ul><ul><ul><li>3º FUSO (-4 hrs em relação ao GMT) – abrange alguns estados das regiões Norte e Centro-Oeste </li></ul></ul>
  19. 25. PROBLEMAS FRONTEIRIÇOS <ul><li>O Brasil não possui problemas de litígios fronteiriços (conflitos) </li></ul><ul><li>Porém, devido a sua grande extensão territorial enfrenta outros problemas em suas fronteiras (tráfico de drogas, contrabando, invasão de terras, entre outros, especialmente na Amazônia (área de difícil monitoração) </li></ul>
  20. 26. PROJETOS PARA CONTROLE DAS FRONTEIRAS NACIONAIS <ul><li>RADAMBRASIL </li></ul><ul><li>CALHA NORTE </li></ul><ul><li>SIVAM </li></ul>
  21. 27. RADAMBRASIL <ul><li>Criado nos anos 1970 </li></ul><ul><li>Visa realizar levantamentos sobre os recursos minerais do país através do uso de tecnologias (radares e aerofotogrametria) </li></ul>
  22. 28. CALHA NORTE <ul><li>“ Desenvolvimento e Segurança ao Norte das Calhas dos rios Solimões e Amazonas” </li></ul><ul><li>Efetivou-se em 1985 </li></ul><ul><li>Visa proteger o território contra o tráfico de drogas, guerrilhas, contrabando de animais, invasão de terras indígenas, garimpos e desmatamento ilegal </li></ul>
  23. 29. SIVAM (SISTEMA DE VIGILÂNCIA DA AMAZÔNIA) <ul><li>Elaborado entre 1990/1997 </li></ul><ul><li>Projeto mais amplo, mas ainda não foi completamente efetivado </li></ul><ul><li>Objetiva coletar e processar as informações obtidas por cada órgão governamental que trabalha na Amazônia, criando uma base de dados da qual todos poderão compartilhar </li></ul>
  24. 30. SIVAM
  25. 32. FRONTEIRAS TERRESTRES A faixa interna de 150 quilômetros de largura, no Brasil, a partir desse limite é considerada indispensável à segurança nacional, e nela é proibido construir pontes, estradas internacionais, campos de pouso ou indústrias sem autorização prévia do governo federal.
  26. 33. FRONTEIRAS MARÍTIMAS
  27. 35. ZONA ECONÔMICA EXCLUSIVA <ul><li>ZEE – ABRANGE 200 MN(MILHAS NÁUTICAS), </li></ul><ul><li>370 KM. </li></ul><ul><li>TOTAL LIBERDADE DE NAVEGAÇÃO </li></ul><ul><li>SOBREVÔO, CONSTRUÇÃO DE DUTOS E CABOS SUBMARINOS. </li></ul><ul><li>OBS: O BRASIL TEM O MONOPÓLIO SOBRE OS RECURSOS BIOLÓGICOS E RIQUEZAS DO SUBSOLO MARINHO E DE TODA PLATAFORMA CONTINENTAL. </li></ul>
  28. 39. ESTRUTURA GEOLÓGICA <ul><li>NAS ÁREAS EMERSA, A CROSTA TERRESTRE É FORMADA POR TRÊS TIPOS DE ESTRUTURAS GEOLÓGICAS, AS QUAIS SÃO CARACTERIZADAS PELOS TIPOS DE ROCHAS PREDOMINANTES E O SEU PROCESSO DE FORMAÇÃO, E PELO TEMPO GEOLÓGICO EM QUE SURGIRAM. </li></ul><ul><li>ESSAS ESTRUTURAS GEOLÓGICAS SÃO: </li></ul><ul><ul><li>DOBRAMENTOS MODERNOS </li></ul></ul><ul><ul><li>MACIÇOS ANTIGOS (ESCUDOS CRISTALINOS) </li></ul></ul><ul><ul><li>BACIAS SEDIMENTARES </li></ul></ul>
  29. 40. TIPOS DE ESTRUTURAS GEOLÓGICAS <ul><li>DOBRAMENTOS MODERNOS – SÃO ÁREAS RECENTES (PERÍODO TERCIÁRIO DA ERA CENOZÒICA), APRESENTAM INSTABILIDADES TECTÔNICAS (VULCANISMO E TERREMOTOS), SÃO ALTAS E PONTIAGUDAS. EX: ANDES, HIMALAIA ETC. </li></ul><ul><li>ESCUDOS CRISTALINOS – SÃO ÁREAS ANTIGAS (PRÉ-CAMBRIANO), COM ALTITUDES MODESTAS E RELEVO ERODIDO (DESGASTADO), ARREDONDADO DO TIPO MEIA-LARANJA (MAMILAR). SÃO ÁREAS FAVORÁVEIS AO APARECIMENTO DE MINERAIS METÁLICOS. EX: SERRA DO MAR, DA CANASTRA ETC. </li></ul><ul><li>BACIAS SEDIMENTARES – SÃO ÁREAS REBAIXADAS QUE FORAM PREENCHIDAS DE SEDIMENTOS. SÃO ÁREAS FAVORÁVEIS AO APARECIMENTO DE MINARAIS COMBUSTÍVEIS. EX: BACIA AMAZÔNICA, DO PARANÁ ETC. </li></ul>
  30. 41. ESTRUTURA GEOLÓGICA BRASILEIRA <ul><li>Escudos cristalinos:  são áreas cuja superfície se constituiu no Pré-Cambriano, essa estrutura geológica abrange aproximadamente 36% do território brasileiro. Sendo 32% da Arqueozóica e 4% da Proterozóica (minerais metálicos) </li></ul><ul><li>Bacias sedimentares:  estrutura geológica de formação mais recente, que abrange pelo menos 58% do país. Áreas favoráveis ao aparecimento de minerais combustíveis. </li></ul><ul><li>Terrenos vulcânicos: estrutura que ocupa 8% do território nacional. Tais terrenos foram submetidos a derrames vulcânicos que deram origem ao basalto que é responsável pela formação dos solos mais férteis do Brasil, a “terra roxa”. </li></ul>
  31. 45. RELEVO BRASILEIRO <ul><li>PLANÍCIE – SUPERFÍCIE ESSENCIALMENTE PLANA, ONDE OS PROCESSOS DE SEDIMENTAÇÃO SUPERAM OS DE EROSÃO </li></ul><ul><li>PLANALTOS – PORÇÕES RESIDUAIS SALIENTES DO RELEVO QUE OFERECEM MAIS RESISTÊNCIA AO PROCESSO EROSIVO </li></ul><ul><li>DEPRESSÕES – ÁREAS REBAIXADAS POR EROSÃO QUE CIRCUNDAM AS BORDAS DAS BACIAS SEDIMENTARES, INTERPONDO-SE ENTRE ESTAS E OS MACIÇOS CRISTALINOS </li></ul>

×