Robert Half White Paper - O RH dos sonhos dos CEOs

  • 124 views
Uploaded on

“O que os presidentes das empresas esperam de seus RHs? A Robert Half fez uma pesquisa com 100 presidentes de empresas em todo o Brasil, que falaram sobre seus planos e expectativas para suas equipes …

“O que os presidentes das empresas esperam de seus RHs? A Robert Half fez uma pesquisa com 100 presidentes de empresas em todo o Brasil, que falaram sobre seus planos e expectativas para suas equipes de Recursos Humanos. O resultado foi apresentado em um evento realizado no dia 20 de março de 2014, em São Paulo, onde 3 CEOs convidados comentaram o resultado da pesquisa e também falaram sobre as suas principais experiências com RH.

Veja neste material os principais destaques da pesquisa e do evento, que reuniu mais de 100 altos executivos de RH."

More in: Business
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
124
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
8
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. O RH dos sonhos dos CEOs
  • 2. Expectativas e estratégias da liderança para os Recursos Humanos Quais são os maiores desafios de gestão de pessoas na sua empresa em 2014? implementar planos salariais e de carreira 24,6 Novas gerações nos postos de liderança 24,6 Implementar meritocracia/política de remuneração variável 29,2 Treinamento e desenvolvimento 49,2 Retenção de 56,9 Atração de talentos 58,5 Presidentes de empresas de todos os portes falaram sobre a importância dos Recursos Humanos para as suas empresas e como devem investir na evolução dos talentos em suas organizações. “O RH dos Sonhos dos CEOs” foi realizado no dia 20 de março de 2014, em São Paulo, e teve como base uma pesquisa exclusiva da Robert Half realizada com 100 CEOs no Brasil sobre as expectativas e os planos das empresas para o RH. Veja os principais destaques do levantamento que inspirou o debate dos presidentes convidados. % % % % % %
  • 3. Quais características você acredita que é preciso desenvolver nos potenciais líderes de sua empresa? 29,5 33,0 36,0 37,5 37,5 39,5 Gestão próxima dos liderados Motivação e engajamento Trabalho em equipe Criatividade e inovação Relacionamento e comunicação Capacidade pessoas Em 2014, para quais áreas estará direcionado o maior investimento do orçamento de RH? %% % % % % 24,5% Melhoria do pacote de benefícios 31% Recrutamento e seleção 34,5% Treinamentos comportamentais 36% Programas de mentoring ou coaching 51% Treinamentos de liderança 51% Treinamentos de técnicos
  • 4. A quem o principal executivo de RH da sua empresa se reporta? Diretoria de Marketing Diretoria de Finanças CEO 77% 22% 1% REPORTES
  • 5. Na sua opinião, quais são os pontos fortes da sua empresa em termos de atração e retenção de talentos? Se você pudesse definir em uma palavra, qual a sua maior preocupação em RH para 2014? 26% 28% 37,5% 44,5% 57,5% empresa/momento econômico Pacote salarial Cultura corporativa Marca da empresa Clima interno
  • 6. Liberdade é ferramenta de motivação para Maia. Na opinião do CEO, o segredo não é a existência de plano de carreira, mas sim cada profissional ser livre para direcionar seu futuro dentro da companhia. Quando surgem novas oportunidades, a preferência é que sejam preenchidas internamente. A característica de cada um escolher seu rumo profissional faz com que a mobilidade seja grande e a rotatividade, pequena. Como são as pessoas que fazem a diferença dentro de uma empresa, o executivo acredita que o principal desafio do RH está no desenvolvimento dos profissionais. A compreensão de que todos os problemas e conquistas estão relacionados às pessoas tem tornado o RH cada vez mais essencial e visível dentro das companhias. O executivo acredita que os próprios RHs ainda trazem em seu DNA a visão de uma área de suporte e que é preciso que saibam vender a sua própria relevância para serem respeitados como deveriam. É preciso que o RH tenha a convicção de que contribui para os resultados da empresa tanto quanto o melhor executivo da área comercial. O RH dos sonhos é aquele que conhece a estratégia da empresa, mas principalmente entende a estratégia e metas dos clientes finais e consegue traduzir este entendimento em ações internas. Em relação às características comportamentais que o profissional de alto desempenho deve ter, Maia diz que o respeito é fundamental, motivação e engajamento são bons, mas alerta que nada é construído apenas com discurso, e sim com exemplos. Segundo ele, a liberdade de ação é um desses casos. Se o profissional sempre seguir exatamente o que foi determinado não há inovação nem aprendizado. Cada um precisa contribuir com o seu “tempero” nas ações. O executivo também defende o direito ao erro como forma de estimular a inovação entre os colaboradores. Carlos Maia Atlas Copco É preciso que o RH tenha a convicção de que contribui tanto para os resultados da empresa quanto o melhor executivo da área comercial “ ”
  • 7. Pascal Vitantonio ALD Automotive Para Pascal, a gestão da mobilidade interna é o grande desafio das empresas. Faz parte desta tarefa entender o plano de carreira dos colaboradores, como os profissionais transitam na organização e a atração de talentos. É preciso criar um projeto de identidade cultural capaz de estimular e engajar os colaboradores a se manterem na companhia. Para que isso se torne realidade, é fundamental que o RH seja estratégico para facilitar essa mobilidade e alinhar as expectativas dos funcionários e da empresa. Ao refletir sobre as competências essenciais dos profissionais e desafios estratégicos das empresas, o executivo afirma que nenhum deles é tema que o RH deva enfrentar de forma isolada, mas sim a empresa como um todo. A maior parte dos acontecimentos nas instituições são resultados das interações entre pessoas e equipes e é justamente nesse ponto que o RH possui o seu papel mais importante: gerir essa interação. É preciso definir a identidade, valores e missões para que cada pessoa saiba qual é o seu papel e também para que possa se verificar qual é a aderência à imagem da empresa. A voz do RH tem de ter o mesmo peso que a das outras áreas para auxiliar nas tomadas de decisões corretas. Para driblar a escassez de profissionais qualificados, Pascal acredita que a diversificação das formas de recrutamento na busca por colaboradores é a solução. Para ele, às vezes é melhor recrutar pessoas com determinadas atitudes e competências comportamentais do que se limitar apenas às habilidades técnicas, que podem ser desenvolvidas dentro da empresa com programas de capacitação. Segundo o executivo, características como motivação e engajamento são cada vez mais importantes e desejadas nos colaboradores. A palavra utilizada por Pascal para definir um profissional de alto desempenho é resiliência, uma característica natural do brasileiro por conta do jogo de cintura, disposição e capacidade de lidar com situações adversas. Como líder estrangeiro, o executivo afirma que as empresas têm muito a se beneficiar com esse perfil brasileiro, desde que se saiba desenvolver essa habilidade da maneira correta. É melhor recrutar pessoas com deter- minadas atitudes e competências com- portamentais do que se limitar apenas às habilidades técnicas“ ”
  • 8. Para Paulo, os principais desafios enfrentados pelas empresas hoje em dia são o conflito de gerações e o desenvolvimento organizacional. Em uma companhia onde é preciso criar líderes, é fundamental o investimento em treinamentos comportamentais, além de saber lidar com o dilema entre gestores que “vivem para trabalhar” à frente de equipes de jovens talentos que “trabalham para viver”. O executivo acredita que a premissa de um líder deve ser o respeito. Demonstrar consideração e desejo genuíno de ajudar possibilita a mudança de realidade e faz surgir o espírito colaborativo na equipe. Desta forma é possível alcançar o crescimento como um todo, e não apenas o pessoal. Quando o assunto é atração de talentos, Paulo diz que a melhor ferramenta utilizada é mostrar aos candidatos as oportunidades oferecidas pela empresa. É preciso identificar e investir em profissionais de alta performance. O segredo está em mostrar ao colaborador que a companhia precisa e valoriza o seu trabalho.O executivo ressalta que o RH é um dos pilares da estratégia de uma companhia, essencial para a formação da uma cultura corporativa de alto nível. Com a criação dessa identidade, o RH ajuda os gestores a alinhar os perfis profissionais com o da empresa. É necessário o entendimento perfeito do negócio para que exista o encontro ideal com os desejos organizacionais. PauloPortes Wirex É fundamental saber lidar comodilemaentregestores que ‘vivem para trabalhar’ à frente de equipes que ‘trabalham para viver’ “ ”
  • 9. Sobre o evento Pela primeira vez, a Robert Half reuniu CEOs de empresas renomadas para discutir a importância estratégica da área de Recursos Humanos para o negócio. Inspirado em uma pesquisa feita com CEOs de empresas de todos os portes, o evento“O RH dos sonhos dos CEOs”foi desenvolvido para atender às inquietações e desafios do público de altos executivos de RH. Sobre a Robert Half A Robert Half é a primeira e maior empresa de recrutamento especializado no mundo. Fundada em 1948, a empresa opera sete divisões no Brasil, selecionando executivos de finanças, contabilidade, mercado financeiro, engenharia, tecnologia, jurídico, recursos humanos, marketing e vendas. A Robert Half tem 345 escritórios na América do Norte, Europa, Ásia, América do Sul e Oceania.
  • 10. CONTATOS ESCRITÓRIOS São Paulo: (+55 11) 3382.0100 Campinas: (+55 19) 2514.8100 Rio de Janeiro: (+55 21) 3523.0100 Belo Horizonte: (+55 31) 3194-0100 www.roberthalf.com.br Redes Sociais