Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
5,491
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
6

Actions

Shares
Downloads
140
Comments
0
Likes
2

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide
  • Professor : a amebíase ou disenteria amebiana é causada pelo rizópode parasita Entamoeba histolytica (entameba). A pessoa adquire a parasitose ao ingerir cistos de entameba presentes na água ou em alimentos contaminados com fezes de pessoas doentes. O cisto da entameba é capaz de sobreviver por longos períodos fora do corpo de organismos hospedeiros. O cisto é uma bolsa de parede rígida que contém em seu interior amebas jovens, capazes de infestar um novo hospedeiro. No intestino, a parede do cisto se rompe e liberta as amebas, que invadem glândulas da parede intestinal, onde passam a se alimentar de sangue e de células do hospedeiro. Os locais infectados pelas amebas podem inflamar e se romper, liberando sangue, muco e milhares de amebas, muitas das quais na forma de cistos. Ao serem eliminados com as fezes da pessoa doente, os cistos podem contaminar água e alimentos (verduras, por exemplo) e ser transmitidos a outras pessoas. Atenção : na imagem as amebas não estão representadas na mesma escala que o intestino (estão em escala muito maior − lembre-se de que elas são microscópicas).

Transcript

  • 1. ProtozoosesProfessor Rodrigo Nogueira
  • 2. FISIOLOGIA Equilíbrio osmótico Protozoários marinhos – isotônicos em relação ao meio Protozoários dulcícolas – hipertônicos em re- lação ao meio, apresentam vacúolo contrátil (eliminação do excesso de água)
  • 3. Trocas gasosas e excreção Difusão simples A excreção também pode ser realizada pelo vacúolo contrátilAlimentação Fagocitose Vacúolo digestivo Vacúolo residual Clasmocitose
  • 4. Classificação De acordo com as estruturas de locomoção
  • 5. PROTOZOÁRIOSDesignação coletiva para unicelulareseucariontes heterótrofos (Reino Protista) queobtêm seus alimentos por ingestão ouabsorção.
  • 6. DIVISÃO EM GRUPOSBaseada no tipo de estrutura locomotora(e/ou de captura de alimentos) ou na suaausência: protozoários amebóides: deslocam-se ou capturam alimentos por meio de pseudópodes (pseudo = falso; podos = pés).  antiga classificação em Filo Sarcodina
  • 7. DIVISÃO EM GRUPOSprotozoários flagelados: deslocam-se ou obtêm alimento por meio de flagelos. antiga classificação em Filo Mastigophora (mastix = flagelo; phoros = portador) ou Flagellata
  • 8. DIVISÃO EM GRUPOSprotozoários ciliados: deslocam-se ou obtêm alimento por meio de cílios. único filo (manutenção da classificação antiga)  Filo Ciliophora.
  • 9. DIVISÃO EM GRUPOSprotozoários esporozoários: sem estruturas especiais para o deslocamento  flexões do corpo ou deslizamento. obtêm alimento principalmente por absorção ou pinocitose. antiga classificação em Filo Sporozoa
  • 10. MOVIMENTO AMEBÓIDEEmissão de pseudópodes: locomoção; captura de alimento por fagocitose.
  • 11. VACÚOLO PULSÁTIL OU CONTRÁTILPresente em protozoários de água doce: expulsa o excesso de água que entra por osmose.
  • 12. REPRODUÇÃOAssexuada:divisão binária, bipartição ou cissiparidade.
  • 13. MUTUALISTASTrichonympha:  vive no intestino de cupins e de baratas comedoras de madeira;  digere a celulose que esses animais não conseguem digerir sozinhos.
  • 14. Filo Protozoa• Cerca de 6000 espécies conhecidas - ~10000 são parasitas.• Eucariotos unicelulares• Apresentam variadas formas, processo de alimentação, reprodução e locomoção
  • 15. ClassificaçãoDe acordo com a estrutura de locomoção• Sarcodina (Rhizopoda) - presença de pseudópodes Ex.: Amoeba, Entamoeba.• Mastigophora (Flagelatta) - presença de flagelos Ex.: Trypanosoma, Leishmania
  • 16. Classificação• Cilliata (Ciliophora) - presença de cílios Ex.: Paramercium• Sporozoa - ausência de estrutura para locomoção, todos parasitas Ex.: Plasmodium, Toxoplasma
  • 17. Protozooses• Amebíase• Giardíase• Doença de Chagas• Leishmaniose visceral• Leishmaniose tegumentar• Malária
  • 18. Amebíase
  • 19. Amebíase• Agente etiológico: Entamoeba histolytica.• ~100.000 de mortes/ano.• Forma de transmissão: ingestão de cistos maduros, juntamente com água e/ou alimentos contaminados.• Cistos permanecem viáveis por 20 dias.
  • 20. CicloMonoxênico - apenas um hospedeiroIngestão de cistos Chegada no intestinomaduros delgado onde ocorre o desencistamento Metacisto sofre várias divisões celularesProdução de cistos e transformando-se emliberação nas fezes trofozoíto Invasão da mucosa Migração para o intestinal intestino grosso
  • 21. Amebíase
  • 22. Amebíase ou disenteria amebiana Liberação da ameba no intestino Hemácias ingeridas pela ameba Núcleos Cisto INTESTINO Formas vegetativas multiplicam-se Ingestão e lesam vasos de cistos Contaminação de sanguíneos de ameba alimentos e água Intestinais. potável Eliminação de cistos com as fezes Parede do cistoCiclo de Entamoeba histolytica
  • 23. Profilaxia• Educação sanitária• Saneamento básico• Lavar bem os alimentos crus• Combate às moscas• Tratamento dos doentes• Realização de exames em “manipuladores de alimentos” com freqüência
  • 24. Giardíase
  • 25. Giardíase• Agente etiológico: Giardia lamblia• Causas mais comuns de diarréias em crianças - freqüentemente encontrado em ambientes coletivos.• Forma de transmissão: ingestão de cistos maduros• O cisto resiste até 2 meses no meio exterior
  • 26. Giardia lamblia
  • 27. CicloMonoxênico Desencistamento noIngestão de duodeno e liberação decistos trofozoítos Colonização do intestino delgado Produção de cistos e liberação nas fezes Várias divisões Invasão da mucosa binárias intestinal - diarréia
  • 28. Profilaxia• Higiene pessoal• Saneamento básico• Proteção dos alimentos - moscas e baratas• Tratamento da água• Tratamento dos doentes
  • 29. Doença de Chagas
  • 30. Doença de Chagas (Tripanossomíase)Carlos Chagas
  • 31. Trypanossoma Cruzi (flagelado)
  • 32. Doença de Chagas
  • 33. Doença de Chagas• Agente etiológico: Trypanosoma cruzi• Doença freqüente na América Latina• Vetor: o barbeiro Triatoma infestans
  • 34. Barbeiro• Triatoma infestans• Insetos hematófagos• Hospedeiro intermediário (vetor)
  • 35. Doença de ChagasMorfologia:- epimastigota – presente no trato intestinal do barbeiro- tripomastigota – presente na parte final do trato intestinal do barbeiro e no sangue do vertebrado- amastigota – presente nos músculos do vertebrado
  • 36. tripomastigotaamastigota epimastigota
  • 37. Transmissão• Via vetor - FEZES• Transfusão sangüínea• Transmissão congênita• Via leite materno• Acidentes de laboratório
  • 38. Infecção via oral
  • 39. Chagomas
  • 40. Ciclo• Heteroxênico (dois hospedeiros)• Hospedeiro vertebrado: homem e outros mamíferos (tatu gambá, rato)- multiplicação intracelular• Hospedeiro invertebrado: barbeiros triatomíneos - multiplicação extracelular
  • 41. Picada do barbeiro e fezesna pele do hospedeiro Homem Fezes com formasvertebrado tripomastigotas caem no sangue do vertebrado Picada e defecação Entrada nas fibrasLiberação de muscularesepimastigotas Transformaçãonas fezes para amastigotas Mitoses Divisões celulares das epimastigotas Algumas amastigotas saem Picada das céls., caem no Transformação para sangue e se epimastigotas no trato transformam em digestivo do barbeiro tripomastigotasBarbeiro
  • 42. Incidência da Doença deChagas (Endemismo)
  • 43. Profilaxia Os tratamentos são paliativos. Prevenção:3.Combate ao barbeiro; Construção de casas de alvenaria Uso de inseticidas6.Controle rigoroso de doadores nos bancos de sangue.7.Cuidados com alimentos consumidos in natura.
  • 44. LeishmanioseVisceral e Tegumentar
  • 45. Úlcera de BauruCausada pelo flageladoLeishmania brasiliensis
  • 46. Leishmaniose• Leishmaniose tegumentar (úlcera de Bauru) – lesões ulcerosas cutâneas.• Agente etiológico: Leishmania braziliensis, L. amazonensis, L. guyanensis• Vetor: flebotomíneo Lutzomya longipalpis (mosquito-palha)
  • 47. Leishmaniose• Leishmaniose visceral (calazar) – hepatoesplenomegalia, anemia, edema, dentre outros• Agente etiológico: Leishmania donovani, L. chagasi• Vetor: flebotomíneo Lutzomya longipalpis (mosquito-palha)
  • 48. • Transmissão:- picada do flebotomíneo- Acidentes de laboratório- Transfusão sanguínea- Via congênita •Reservatórios: -Cães -Raposas -Preguiças -Gambás -Roedores em geral
  • 49. Phlebotomus(mosquito-palha ou birigüi)
  • 50. Formas do parasita• Amastigota: encontrado no vertebrado, não apresenta flagelo. •Promastigota : forma infectante, encontrado no flebotomíneo.
  • 51. Ciclo Biológico• Heteroxênico• Hospedeiro vertebrado: homem e outros mamíferos• Hospedeiro invertebrado: Lutzomya
  • 52. H Inoculação de formas Promastigotas penetram em o promastigotas na macrófagos e se transformam m corrente sanguínea do em amastigotas e vertebrado m PicadaMigração de Várias divisões celularespromastigotas para e liberação deglândula salivar do amastigotas na correnteflebotomíneo sanguínea PicadaVárias divisões Ingestão decelulares macrófagos infectados No intestino do flebotomíneo amastigotasLutzomya se transformam em promastigotas
  • 53. Leishmaniose
  • 54. Leishmaniose• Leishmaniose tegumentar (úlcera de Bauru ou ferida brava) – lesões ulcerosas cutâneas.• Agente etiológico: Leishmania braziliensis, L. amazonensis, L. guyanensis• Vetor: flebotomíneo Lutzomya longipalpis (mosquito-palha ou brigui, cangalha) Obs: Reservatório: animais silvestres• Leishmaniose visceral (calazar) – anemia, edema, inflamações.• Agente etiológico: Leishmania donovani, L. chagasi.• Vetor: flebotomíneo Lutzomya longipalpis (mosquito-palha ou brigui, cangalha) Obs.: reservatório: cães Tratamento: drogas de antimônio Prevenção: evitar contato com o mosquito.
  • 55. Profilaxia• Evitar desmatamento• Uso de repelentes, telas nas portas e janelas• Construção de casas a ~500 metros da mata.• Combate a cães vadios (leishmaniose visceral)• Tratar os doentes
  • 56. Malária (Impaludismo/Maleita) • Plasmodium vivax; • Esporozoário;
  • 57. Gênero Anopheles(mosquito prego)
  • 58. Malária• Ou paludismo, febre palustre, impaludismo, maleita, sezão.• Agente etiológico:Plasmodium falciparum – febre terçã malignaPlasmodium vivax – febre terçã benignaPlasmodium malariae – febre quartã benigna
  • 59. • Vetor: mosquitos do gênero Anopheles (mosquito-prego)• Transmissão:- Picada do mosquito- Transfusão sanguínea- Acidentes de laboratório- Compartilhamento de seringas Mais raras contaminadas- Via congênita
  • 60. Formas do Parasita• Esporozoítos – forma infectante, encontrada na glândula salivar do mosquito-prego• Trofozoítos – encontrado nos hepatócitos• Merozoítos – encontrado nas hemácias• Gametócitos – encontrado na corrente sanguínea• Macro e microgameta – encontrado no tubo digestivo do mosquito
  • 61. Formas de reprodução do PlasmodiumEsquizogonia (divisão múltipla): um núcleo sofre váriasmitoses e após isso o citoplasma de divide em váriascélulas – reprodução assexuada, ocorre no hospedeirointermediário (homem)
  • 62. Formas de reprodução do PlasmodiumGametas R! Fecundaçã oEsporogonia: fusão do gameta feminino com omasculino formando o zigoto. Após várias meioses sãoliberados esporozoítos. Reprodução sexuada –hospedeiro definitivo (Anopheles)
  • 63. Destruição das hemáceas
  • 64. Ciclo Biológico• Heteroxênico: dois ou mais hospedeiros- Hospedeiro definitivo – Anopheles- Hospedeiro intermediário – homem e outros primatas
  • 65. Inoculação de Invasão dos hepatócitos Homemesporozoítos no – trofozoítossangue do vertebrado Esquizogonia e Ciclo exo- liberação de eritrocítico merozoítos Picada Invasão das hemácias – Migração dos trofozoítos esporozoítos para glândula salivar do Ciclo mosquito eritrocítico Esquizogonia, liberação deFecundação, esporogonia e merozoítos eliberação de esporozoítos gametócitosno intestino do mosquito Ingestão de sangue Formação dos macro e do vertebrado Picada microgametas contendo merozoítos e gametócitosAnopheles
  • 66. ovocisto zigotogametócito merozoítos trofozoítos trofozoítos Hemácias
  • 67. Ciclo Biológico Heteroxênico: dois ou mais hospedeirosH.D. – Anopheles H.I. – homem e outros primatas http://highered.mcgraw-hill.com/olc/dl/120090/bio44.swf
  • 68. Variação da temperatura corporal de um portador de malária
  • 69. Chinchona (quinino)
  • 70. Profilaxia• Uso de repelentes• Uso de telas nas portas e janelas• Evitar o desmatamento• Combate ao vetor (adultos e larvas)• Evitar a formação de “criadouros”• Tratamento dos doentes
  • 71. Malária (paludismo, febre palustre, impaludismo, maleita, sezão)• Agente etiológico:Plasmodium falciparum – febre terçã maligna (36 a 48 horas) * incubação de 6 a 10 dias, infecta apenas eritrócitos (20% dos total) principalmente do fígado e do baço.Plasmodium vivax e P. ovale – febre terçã benigna (48 – 48 horas)* Incubação de 15 dias, infecta o fígado e eritrócitos jovens, formas hipnozóides no fígado (crises recorrentes ao longo dos anos)Plasmodium malariae – febre quartã benigna (72 – 72 horas)* Incubação de 15 dias, infecta o fígado e eritrócitos envelhecidos, não forma hipnozóides.
  • 72. Toxoplasmose• Toxoplasma gondii (esporozoário);• Manifestação benigna no organismo;• Durante a gravidez o protozoário pode atingir o feto acarretando-lhe má formação, cegueira, deficiência mental ou até mesmo a morte.
  • 73. Toxoplasmose hidrocefaliaDeficiência visual Cegueira no adulto (raro)
  • 74. Transmissão
  • 75. Ciclo O contágio pode ocorrer pelo leite,Carne mal carnes ou ainda porcozida relações sexuais.
  • 76. Doença do Sono• Agente etiológico: Trypanosoma gambiense, T. brucei rhodesiensis• Transmissão: picada do mosquito tsé-tsé(Glossina palpalis).• Sintomas: Lesões no SNC que causa fadiga, letargia, paralisia que pode levar ao coma e à morte Profilaxias: - Evitar picada da mosca - Medicamento (estágios iniciais) Mais de 10 mil novos casos / ano
  • 77. Tricomoníase DST• Agente etiológico: Trichomonas vaginalis• Transmissão: uso comum de roupas íntimas e toalhas; Ato sexual Obs.: o cisto pode permanecer resistente até 6 horas em ambiente úmido• Sintomas: corrimentos vaginais e ardor ao urinar.• Tratamento: cremes e medicações via oral• Profilaxia: evitar contato íntimo com doentes, uso de camisinha e evitar uso de peças intimas alheias.
  • 78. TricomoníaseTrichomonas vaginalisRelações sexuais euso de sanitários ouobjetoscontaminados. Corrimentos e infecções vaginais e uretrais
  • 79. Balantidiose Disenteria• Agente etiológico: Balantidium coli• Transmissão: água e alimentos contaminados.• Sintomas: cólicas intensas,Diarréias sanguinolentas e tenesmos.• Profilaxia: higiene pessoal esaneamento básico.