• Save
O Novo Ecossistema da Informação, Comunicação e Articulação da Sociedade
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

O Novo Ecossistema da Informação, Comunicação e Articulação da Sociedade

on

  • 2,286 views

um retrato em construção da transição da época do domínio da audiência, a época de gutenberg, do livro, para outra sustentada por um sistema aberto e fluido.

um retrato em construção da transição da época do domínio da audiência, a época de gutenberg, do livro, para outra sustentada por um sistema aberto e fluido.

Statistics

Views

Total Views
2,286
Views on SlideShare
1,164
Embed Views
1,122

Actions

Likes
0
Downloads
8
Comments
0

17 Embeds 1,122

http://articulaconfins.com.br 655
http://tendenciasnews.blogspot.com.br 344
http://www.scoop.it 80
http://tendenciasnews.blogspot.com 12
http://pinterest.com 7
http://tendenciasnews.blogspot.pt 4
http://confins.tumblr.com 4
http://cloud.feedly.com 3
http://www.linkedin.com 3
http://translate.googleusercontent.com 2
https://www.rebelmouse.com 2
http://tendenciasnews.blogspot.se 1
http://webcache.googleusercontent.com 1
http://tendenciasnews.blogspot.co.at 1
http://tendenciasnews.blogspot.ca 1
http://tendenciasnews.blogspot.hk 1
http://tendenciasnews.blogspot.de 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

CC Attribution-ShareAlike LicenseCC Attribution-ShareAlike License

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

O Novo Ecossistema da Informação, Comunicação e Articulação da Sociedade O Novo Ecossistema da Informação, Comunicação e Articulação da Sociedade Presentation Transcript

  • O Novo Ecossistemada Informação, Comunicação eArticulação da Sociedade
  • Esta é a crise que economistas e políticos ignoram. Na perspectivaeconômica, seu primeiro sinal aparece na década de 70 com adisparada dos preços do petróleo. As instituições e entidades queregulam a sociedade foram ultrapassadas por ela. A revoluçãotecnológica estava em curso. A nova plataforma de informação,comunicação e articulação da sociedade estava em formação. Aformulação da frase acima é de 2000.
  • Hoje, a informação está presente em nossas vidas emtodos pontos, a todo momento.
  • A McKinsey não se distingue como uma empresa de consultoriainovadora. É conservadora. No seu último relatório sobre socialmedia, ela faz este desenho e conclui que as empresas que estãofora deste universo estão fora do mercado.
  • As previsões da McKinsey
  • O sistema de educação que impera no mundo nasceu e amadureceuem função da era industrial. Emula a linha de produção: criançasdivididas por idade e recebendo uma carga de informaçãoenciclopédica. Muitas vezes, este processo mata eventuais vocaçõesna infância.
  • O desafio que temos pela frente é ensinar a aprender. No mundoem rede, o aprendizado é um processo sem fim.
  • Plataformas como a Coursera (https://www.coursera.org/)carregam dezenas de universidades norte-americanas comcentenas de cursos. Neste primeiro ano de atividade já tem mais 1000 000 de alunos em mais de 90 países. Por meio de umaparceria (http://gigaom.com/video/coursera-amara-captions/)com a Amra (http://www.universalsubtitles.org/en/ ), vãotraduzir os cursos para cerca de 30 línguas. Nos EUA há um esforçodo governo para entender estas plataformas.
  • Tudo é social (social media) nestes novos tempos.
  • SaaS ou Software como ServiçoO software é oferecido como serviço, assim, o usuário nãoprecisa adquirir licenças de uso para instalação ou mesmocomprar computadores ou servidores para executá-lo. Nestamodalidade, no máximo, paga-se um valor periódico - como sefosse uma assinatura - somente pelos recursos utilizados e/oupelo tempo de uso
  • PLATAFORMAS INFORMACIONAIS GLOBAISFacebook [que provê conexões], Amazon [conteúdo, acima de tudo], Twitter[sincronização], Microsoft [produtividade], Apple [experiência de uso], Google[organização de informação], e Salesforce [informaticidade corporativa emlarga escala].
  • Há três anos, menos de 50% das 500 maiores empresas da Fortuneusavam alguma ferramenta/mídia social. Hoje, o índice é este. Issonão significa que as empresas estão organizando suas redes sociaisna rede com as ferramentas/mídias sociais (facebook, twitter,youtube, blog, tumblr, google+, instagram, delicious, linked in,pinterest, sulia, memolane, sccop.it, paper.li etc etc etc). Elascomeçam a usar algumas ferramentas.
  • Grau de satisfação das 500 maiores empresas listadas pelaForbes com ferramentas/mídias da rede. Importante:ferramentas, não processos de relacionamento em redes sociais
  • A rede e suas ferramentas permitem e fomentam novasarquiteturas de negócios e de relacionamento social e político.
  • Nenhuma empresa, entidade e instituição poderá fugir destaestrutura
  • O mercado ainda procura transferir modelos analógicos para omundo digital, o que não funciona. Não existem dois mundos. Omundo digital é uma extensão do analógico e nenhum dos doissobreviveria sem o outro. A convergência dos dois é a condição paraa emergência e amadurecimento da era do conhecimento.
  • As pequenas e médias empresas não tiverem acesso num primeiromomento à informática no lato sensu. O processamento na nuvem,que gera infinitos serviços a custo baixos, tráz este segmento daeconomia para o centro do processo. Além das ferramentas deprodutividade, a rede permite composições entre elas e com omercado impossíveis de serem realizados no mundo analógico.
  • O facebook representa um momento da rede. Não será eterno. Aglobalização privilegia antes de tudo o glocal.
  • A globalização privilegia antes de tudo o glocal
  • O Brasil tem cerca de 6 milhões de PMEs formais.
  • A imagem representa um projeto. Poderia representar aestruturação de um empreendimento que se sustenta na rede etecnologias digitais
  • Um retrato de tecnologias sociais da “conservadora” McKinsey. Asempresas da era industrial são naturalmente conservadoras, osistema econômico/financeiro as obriga a ser. A McKinsey é umporto seguro para estas empresas, um referência para anecessidade de avançar no novo mundo.
  • Um retrato, num determinado momento, das conexões dofacebook. Qualquer estrutura de qualquer natureza temcondições de ter o retrato de suas conexões a qualquermomento por um custo adequado na rede.
  • Os consumidores estão adiante dos empregados de empresasna utilização das tecnologias sociais. Os empregados deempresas são também consumidores. São as empresas queficam para trás ao não permitirem ou limitarem o uso da redenas suas estruturas de trabalho.
  • Modelo de negócios de empresas de tecnologia
  • As empresas do mundo antigo que abraçaram de forma ampla eirrestrita as tecnologias sociais são mais competitivas das que pormedo não adotam ou adotam com restrições as tecnologiassociais. Este dado é da McKinsey, em seu relatório do final de2012 sobre o mundo digital. Hoje, todas as empresas são tambémempresas de informação. A interação e conversação foram, são eserão os fundamentos de todas empresas.
  • Modelos de negócio paraempreendimentos sustentados por tecnologia
  • Nunca nenhuma tecnologia avançou tão rapidamente sobre omercado quanto a mobilidade.
  • O próximo salto será consequência dos smart glasses. Google,Apple e Microsoft estão trabalhando nesta direção(http://www.businessinsider.com/the-end-of-the-smartphone-era-is-coming-2012-11)
  • Um retrato dos tradicionais meios broadcast frente àsestruturas de informação, comunicação e articulação que sesustentam na internet, na rede. A próxima vítima do processode disrupção contínua será a TV.
  • Um centro de monitoramento da rede com uma perspectivaglobal. É possível monitorar 24hs por dia todas asferramentas/mídias da internet. Assim como é possívelmonitorar as estruturas dos meios tradicionais que atuam narede. O foco do monitoramento é definido pelos seus objetivos.
  • Quartz (qz.com) é uma estrutura de processamento e distribuição deinformação arquitetada em função do futuro
  • Não tem sentido criar barreiras para o seu conteúdo na rede. Eletem que ser construído em ambientes que permitam ocompartilhamento.
  • A situação hoje da indústria, a da informação,que foi um dos pilares da era industrial, da consolidação dademocracia e da economia de livre mercado.(http://www.mondaynote.com/2012/07/08/transfer-of-value/)
  • O Mercado
  • O MercadoA foto foi convencionada como um retrato da rede. É o mercadoqualquer que seja sua área de atuação
  • A mídia digital está longe de engendrar um mundo fragmentadohabitado por míopes preocupados com seus próprios interesses. Em vez disso,está liberando em cada um de nós nosso desejo básico de compartilhar,o que às vezes se traduz num compartilhamento de informações, ideias políticas e sociais oubens e serviços. O processo já começou e é de fato uma mudança paradigma;o consumidor está se transformando num criador. E mais ainda, sendo orgânico, esteprocesso pode aumentar sem limites; pode crescer incrementalmente ecada indivíduo pode acrescentar capacidade e valor ao todo.
  • A mídia digital está longe de engendrar um mundo fragmentadohabitado por míopes preocupados com seus próprios interesses. Em vez disso,está liberando em cada um de nós nosso desejo básico de compartilhar,o que às vezes se traduz num compartilhamento de informações, ideias políticas e sociais oubens e serviços. O processo já começou e é de fato uma mudança paradigma;o consumidor está se transformando num criador. E mais ainda, sendo orgânico, esteprocesso pode aumentar sem limites; pode crescer incrementalmente ecada indivíduo pode acrescentar capacidade e valor ao todo.A frase do pesquisador Walter Bender é de 2006. O termo redesorgânicas foi criado no Media Lab por volta do ano 2000. Ainda nãotinha sido cunhado o termo rede social. O futuro próximo é dasredes de nicho, plataforma com foco específico.
  • Jamais ousei imaginar quetinha o direito ou o deverde formar a opinião públicado meu Estado. Tudo o quefiz na minha vida foiprocurar sondar a opiniãopública e me deixar levartranquilo e sossegado pelacorrente que me pareciamais acertada.Júlio Mesquita1862 – 1927,uma cabeça de redeem qualquer época