Futuro, uma visão

  • 377 views
Uploaded on

Toda pessoa conectada tem o capital físico necessário para produzir e distribuir informação, cultura e conhecimento. …

Toda pessoa conectada tem o capital físico necessário para produzir e distribuir informação, cultura e conhecimento.
Na economia da abundância, o processamento migra para a rede, o armazenamento é gartuito, a informação de qualidade está disponível para todos e o acesso tende à comoditização.

More in: Technology
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
377
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
4
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. LEI DE MOORE RESTRIÇÃO A B U N D Â N C I A INFRA DE TI PREÇO TENDENDO A ZERO A Lei de Moore se refere a uma afirmação feita em Abril de 1965 por Gordon Moore , fundador da Intel , na qual ele assume que a cada 2 anos a capacidade de processamento dos computadores dobraria, enquanto os custos permaneceriam constantes. Fonte: Wikipedia ESPAÇOS DE MÍDIA
  • 2. ECONOMIA DA INFORMAÇÃO EM REDE
      • Toda pessoa conectada tem o capital físico necessário para produzir e distribuir informação, cultura e conhecimento.
      • Os hyperlinks entre os ambientes de informação possibilita a conexão de pessoas em torno de temas de interesse comum.
      • A conexão entre pessoas permite o compartilhamento de conhecimento e a colaboração massiva para a produção em pares e com baixo custo de:
    Informação Códigos de Software Conhecimento Inovação Canais de distribuição Serviços PRODUÇÃO SOCIAL Outros
  • 3. ECONOMIA DA INFORMAÇÃO EM REDE Estrutura transacional Com foco no mercado Sem foco no mercado Centralizado Descentralizado Cobrado Compartilhamento e trocas sociais Empresas Governos e Ongs A produção social coloca as estruturas transacionais das sociedades industrial e do conhecimento em um processo de negociação contínua para readequação dos modelos de negócio.
  • 4. ECONOMIA DA INFORMAÇÃO EM REDE Esta negociação gera uma nova competição: E uma oportunidade de inovação para as empresas tradicionais: P2P FREE OPEN SOFTWARE WIKIPEDIA SKYPE INDÚSTRIA FONOGRÁFICA EMPRESAS DE SOFTWARE (PROPRIETÁRIAS) ENCICLOPÉDIAS TELECOM REDES SOCIAIS E BLOGS JORNAIS, RÁDIO E TELEVISÃO X X X X X Manutenção da operação tradicional Fornecimento de serviços para as necessidades de produção social dos clientes tradicionais Em paralelo
  • 5. ECONOMIA DA INFORMAÇÃO EM REDE Interoperabilidade entre plataformas: O conhecimento necessário para a integração de conteúdos e aplicativos entre ambientes colaborativos é básico. E se alastra velozmente entre os conectados. R eal S ymple S indication EMBED A pplication P rogramming I nterface MASH UP INFRA-ESTRUTURA DE TI (COMUNICAÇÃO, ARMAZENAMENTO E PROCESSAMENTO) ABUNDANTE: GRATUITA OU COM CUSTO MUITO BAIXO. A restrição é com relação a adaptação dos modelos de negócio tradicionais em função desta nova realidade.
  • 6. SITES BLOGS REDES FORMS VÍDEOS APRESENTAÇÕES E DOCS WIDGETS E GADGETS MAPAS IMAGENS ÁUDIOS NOTÍCIAS PAGTO ON LINE ATENDIMENTO ON LINE REDES MICRO BLOGS SOCIAL BOOKMARKS MECANISMOS DE BUSCA ECONOMIA DA INFORMAÇÃO EM REDE Esta infra-estrutura amadurece rapidamente com o surgimento e consolidação de aplicações acessíveis pela internet para suportar praticamente qualquer processo produtivo.
  • 7. http://www.barackobama.com ECONOMIA DA INFORMAÇÃO EM REDE Case Obama
  • 8. ECONOMIA DA INFORMAÇÃO EM REDE
      • Os modelos de negócio baseados em audiência e publicidade estão sendo revistos.
      • A Lei de Moore também se aplica ao preço da mídia. Isto porque a abundância de espaços de divulgação gerada pela disponibilidade de infra-estrutura de TI gratuita aumenta.
      • Empresas como Google e Twitter se consolidam atuando como fornecedores de
    • serviços que apóiam a produção social de seus clientes.
      • Criaram um backbone que atua na “cauda longa”, que é constituída por uma infinidade de atores sociais.
  • 9. CLIENTES CUSTOMIZADO SÓCIOS CUSTOMIZADO DESENVOLVIMENTO E OPERAÇÃO DE PROJETOS E NEGÓCIOS NA INTERNET (MÍDIA SOCIAL, WEB 2.0, ECONOMIA DO CONHECIMENTO, ECONOMIA DA ABUNDÂNCIA, ECONOMIA DA COLABORAÇÃO MASSIVA, FREECONOMICS) PARA QUEM? SMB PADRONIZADO (ESCALA) USUÁRIOS WIZARD TEIA INCUBADORA MENOS CARBONO INCUBADORA COMO COBRAMOS? Assinatura Fee de consultoria e operação Participação no negócio ONDE TRABALHAMOS?
  • 10. CICLO DE APRENDIZAGEM SOBRE A INTERNET COMO OPORTUNIDADE DE PROSPECÇÃO E CAPTAÇÃO DE CLIENTES E SÓCIOS CONHECIMENTO APLICADO SOBRE A INTERNET RECEITA MEMBROS DO PEABIRUS (usuários, comunidades e redes) CLIENTES DAS CÉLUAS (SCS, City Computer, TEIA, Lan houses) NETWORK DOS SÓCIOS CLIENTES E SÓCIOS
  • 11.  
  • 12.