Loading…

Flash Player 9 (or above) is needed to view presentations.
We have detected that you do not have it on your computer. To install it, go here.

Like this document? Why not share!

Like this? Share it with your network

Share

Ci0717 gestão de contextos

on

  • 1,742 views

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento
no Contexto de Organizações
Atuantes no Brasil: uma Mudança
em Direção ao Conceito de
“Gestão de Contextos Capacitantes" - Rivadávia Alvarenga Neto

Statistics

Views

Total Views
1,742
Views on SlideShare
1,739
Embed Views
3

Actions

Likes
2
Downloads
43
Comments
0

1 Embed 3

http://www.linkedin.com 3

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Ci0717 gestão de contextos Document Transcript

  • 1. CADERNO DE IDÉIAS CI0717 NOV.2007 Gestão do Conhecimento no Contexto de Organizações Atuantes no Brasil: uma Mudança em Direção ao Conceito de “Gestão de Contextos Capacitantes" Rivadávia Correa Drummond de Alvarenga Neto www.fdc.org.br
  • 2. Caderno de Idéias Ano 7 – N0 17 – Novembro de 2007
  • 3. Gestão do Conhecimento no Contexto de Organizações Atuantes no Brasil: uma Mudança em Direção ao Conceito de "Gestão de Contextos Capacitantes" Rivadávia Correa Drummond de Alvarenga Neto Doutor em Ciência da Informação (UFMG); professor e pesquisador convidado da FDC
  • 4. Projeto gráfico Célula de Edição de Documentos Revisão Célula de Edição de Documentos Assessoria editorial Teresa Goulart Supervisão de editoração José Ricardo Ozólio Impressão Fundação Dom Cabral 2007 Este artigo foi elaborado pelo(s) autor(es). Seu conteúdo é de total responsabilidade do(s) autor(es), não tendo a Fundação Dom Cabral qualquer responsabilidade sobre opiniões nele expressas. A publicação deste artigo no Caderno de Idéias FDC foi realizada com autorização do(s) autore(s). Para baixar a versão digital desta e de outras publicações de temas relacionados à Gestão Empresarial, acesse a Sala do Conhecimento da Fundação Dom Cabral através do link http://www.fdc.org.br/pt/sala_conhecimento Copyright© 2007, Fundação Dom Cabral. Para cópias ou permissão para reprodução, contatos pelo telefone 55 31 3589-7465 ou e-mail: teresa@fdc.org.br. Esta publicação não poderá ser reproduzida sem a permissão da FDC. Campus Aloysio Faria – Centro Alfa – Av. Princesa Diana, 760 – Alphaville Lagoa dos Ingleses 34000-000 Nova Lima, MG – Brasil Tel.: 55 31 3589-7465 Fax: 55 31 3589-7402 e-mail: teresa@fdc.org.br – www.fdc.org.br
  • 5. Sumário Introdução ........................................................................................................................... 9 O Contexto: a Era da Informação e a Explosão Informacional .................................. 11 Da Gestão da Informação à Gestão do Conhecimento(GC) ................... 13 Gestão do Conhecimento: uma Proposta de Mapeamento Conceitual Integrativo .. 17 Procedimentos Metodológicos ........................................................................................ 23 Experiências e práticas de organizações atuantes no Brasil .......................................... 27 Conclusões ......................................................................................................................... 39 Referências ......................................................................................................................... 41
  • 6. 6 Caderno de Idéias CI0717
  • 7. Resumo Investiga e(GC) efetivamente implementados empráticas e resultados de “gestão do conhecimento” analisa as concepções, motivações, três grandes organizações atuantes no Brasil. A estratégia de pesquisa qualitativa baseou-se em estudos de casos múltiplos com unidades de análise incorporadas e três critérios foram observados para o julgamento da qualidade da pesquisa: a validade do construto, a validade externa e a confiabilidade. Fontes múltiplas de evidências foram utilizadas e a análise de dados coletados em campos consistiu de três fluxos concomitantes de atividades, a saber: redução de dados, display ou exibição de dados e verificação/conclusões com base em inferências a partir de evidências ou premissas. Os resultados confirmaram os pressupostos e conclui-se que os principais desafios impostos às organizações comprometidas com a GC concentram-se na gestão de mudanças culturais e comportamentais e na criação de um contexto organizacional favorável à criação, uso e compartilhamento de informações e conhecimentos. Palavras-chave: gestão do conhecimento; contexto capacitante; metáfora do guarda- chuva conceitual da gestão do conhecimento; gestão da informação e do conhecimento; gestão estratégica do conhecimento. Gestão do conhecimento no contexto de organizações atuantes no Brasil: uma mudança em direção ao conceito 7 de "gestão de contextos capacitantes"
  • 8. 8 Caderno de Idéias CI0717
  • 9. Introdução Aemergência decomoparadigma tecno-econômicotecnologias, como a microeletrônica,e conhecimento, bem um a crescente consolidação de baseado em inovação, informação a tecnologia de informação e as redes de computadores, trazem à tona questões complexas e multifacetadas para as organizações contemporâneas. Uma breve análise do cenário atual permite algumas constatações de vulto, a saber: (i) a percepção de que a informação e o conhecimento consolidam-se como os principais fatores de diferenciação para a competitividade organizacional e o surgimento de um sem fim de novas abordagens e/ou ferramentas gerenciais atinentes às questões da informação e do conhecimento nas organizações, sob a égide da área denominada “gestão do conhecimento organizacional”: gestão integrada de recursos informacionais e gestão estratégica da informação, gestão do capital intelectual, aprendizagem organizacional e e-learning, inteligência competitiva e monitoração ambiental, sistemas de informação gerenciais e balanced scorecard', memória organizacional e gestão de conteúdo, entre outros; (ii) a existência de uma certa indefinição conceitual e toda a controvérsia acerca da discussão sobre a epistemologia da área que vem sendo denominada “Gestão do Conhecimento” ou Knowledge Management. Trata-se de uma deriva semântica pop-management ou de uma mudança conceitual? Um caso de “velhos vinhos em novas garrafas” ou um repensar das estratégias e práticas de gestão para as organizações da era do conhecimento? Este trabalho é fruto de uma tese de doutorado que procurou discutir o conceito da Gestão do Conhecimento (GC), seus motivadores e elementos constituintes, áreas fronteiriças e interfaces, origens, cenários e perspectivas, práticas, abordagens gerenciais e ferramentas, dinâmica e demais aspectos, pari passu ao distanciamento da discussão puramente terminológica, de viés ingênuo, ensimesmado e inócuo. A discussão terminológica acerca da GC alimenta-se da indefinição, da discussão e de toda a controvérsia sobre os conceitos e linhas divisórias entre dado, informação, conhecimento e sabedoria. Ainda não há um consenso ente as áreas de conhecimento consolidadas, como a sociologia e a filosofia, e por outras áreas, como a administração, a ciência da informação e a ciência da computação. Tal discussão epistemológica não é objetivo deste trabalho, embora se reconheça que seu cunho filosófico é interessante, relevante e intelectualmente estimulante. Fato é que a GC vem se constituindo como inovação organizacional, requerendo, assim, uma nova forma de se olhar e de se pensar a organização. Gestão do conhecimento no contexto de organizações atuantes no Brasil: uma mudança em direção ao conceito 9 de "gestão de contextos capacitantes"
  • 10. Uma premissa deste trabalho é que o conhecimento só existe na mente humana e no “espaço imaginário entre mentes criativas em sinergia de propósitos”. O conhecimento fora desse contexto é visto como informação, e a GC ganha terreno a partir da compreensão de que sua terminologia é metafórica, uma vez que o conhecimento é inerente aos seres humanos e não se transfere ou se compartilha com facilidade ou espontaneidade. Reconhece- se também que a GC é fenômeno complexo e multifacetado, seu conceito polêmico e controverso, e acredita-se que a expressão, embora largamente utilizada, apresenta ênfases e interfaces diferenciadas, merecedoras de análises mais meticulosas e articuladas. Infere-se que tais análises possam ser possivelmente mapeadas e integradas em um modelo conceitual, arquétipo ou mapa, sem a pretensão ao hermetismo e congruente aos propósitos metodológicos de definição e redefinição à exaustão. Os pressupostos básicos do referido trabalho foram dois, respectivamente: (i) grande parte do que se convenciona chamar ou ao qual se atribui o nome de GC é na verdade gestão da informação e a gestão da informação é apenas um dos componentes da GC. Destarte, acredita-se que a GC vá além da pura gestão da informação por incluir e incorporar outros aspectos, temas, abordagens e preocupações, como as questões de criação, uso e compartilhamento de informações e conhecimentos, criação do contexto adequado ou contexto capacitante, entre outros; (ii) um modelo conceitual pode ser formulado a partir de três concepções básicas que são formadoras das estruturas ou pilares nas quais esse mesmo modelo ou mapa se fundamenta e se sustenta, a saber: (a) uma concepção estratégica da informação e do conhecimento, fatores de competitividade para organizações e nações, (b) a introdução de tal estratégia nos níveis tático e operacional através das várias abordagens gerenciais e ferramentas orientadas para as questões da informação e do conhecimento nas organizações, que chamam continuamente ao diálogo, sendo imbricadas e passíveis de orquestração e (c) a criação de um espaço organizacional para o conhecimento, o “Ba” ou o contexto capacitante – que são as condições favoráveis que devem ser propiciadas pelas organizações para possibilitar o compartilhamento e a aprendizagem, as idéias e inovações, a tolerância a “erros honestos” e a solução colaborativa de problemas, entre outros. A problemática que se desenha no campo se revela e se desdobra na forma de perguntas de pesquisa: “Dado que a informação e o conhecimento se consolidam como os principais fatores de diferenciação para a competitividade organizacional dos tempos atuais, como as organizações brasileiras entendem, definem, implementam, praticam e avaliam a GC? Quais as motivações que as levaram a essas iniciativas e o que elas esperavam alcançar?” Com base nas premissas supracitadas, este trabalho objetiva investigar as motivações, concepções, conjunto de práticas gerenciais, ênfases e resultados de GC efetivamente implementados em três organizações atuantes no Brasil e adotantes de programas, áreas ou projetos de GC, com vistas à proposição e validação de um modelo ou mapa conceitual integrativo. Para a escolha das organizações atuantes no Brasil, optou-se pela formação de amostra não probabilística e intencional constituída de um representante de cada um dos três setores da economia brasileira – a primeira organização pertence ao setor primário, a segunda ao setor secundário e a terceira ao setor terciário. Os resultados desse estudo serão aqui apresentados. 10 Caderno de Idéias CI0717
  • 11. O Contexto: a Era da Informação e a Explosão Informacional A emergência decomoparadigma tecno-econômicotecnologias, como a microeletrônica, ea conhecimento, bem um a crescente consolidação de baseado em inovação, informação tecnologia de informação e as redes de computadores, trazem à tona questões complexas e multifacetadas para as organizações contemporâneas. De acordo com Stewart (1998), o ano 1 da era informacional ou do pós-industrialismo é o ano de 1991. A análise do autor tomou como base os dispêndios de capital nos Estados Unidos, assim como os registrados pela Agência de Análise Econômica do Departamento de Comércio Norte Americano, no período 1965-1991. Comparou-se o dispêndio das empresas americanas com bens de capital típicos da era industrial – motores e turbinas, equipamentos de controle e de distribuição elétrica, máquinas para trabalho em metal, equipamentos para tratamento de materiais e industriais em geral e para campos de mineração e petrolíferos, máquinas agrícolas e de construção – vis-à-vis o dispêndio de capital com equipamentos de informação – computadores e equipamentos de telecomunicações. Plotadas em um gráfico, as duas linhas – dispêndios de capital na era industrial e dispêndios de capital na era da informação – cruzam-se em 1991. Conclui-se que, a partir de 1991, as empresas passam a gastar mais com equipamentos que coletam, processam, analisam e disseminam informações e menos com equipamentos típicos da era industrial, como máquinas e equipamentos para engenharia de produção. O GRAF. 1 ilustra a assertiva supracitada: GRÁFICO 1 Fonte: STEWART, 1998 (Adaptação). Gestão do conhecimento no contexto de organizações atuantes no Brasil: uma mudança em direção ao conceito 11 de "gestão de contextos capacitantes"
  • 12. Em conjuminância com a análise de Stewart (1998), Lyman & Varian (2003) estimaram o número de novas informações criadas a cada ano, as quais são distribuídas em quatro tipos de mídias de armazenagem – impressa, filme, magnética (disco rígido e disco flexível) e ótica (cd e dvd) – e são vistas e/ou ouvidas em quatro tipos de fluxos de informação – telefone, rádio, tv e internet. Em estudo anterior datado de 2000, com dados de 1999, os autores concluíram que a produção mundial total anual, nos suportes impresso, filme, magnético e ótico, requereria aproximadamente 1,5 bilhão de gigabytes de armazenamento. Isso equivaleria a 250 megabytes por pessoa para cada homem, mulher ou criança na face da terra. O estudo de 2000 relata que 93% da informação produzida em 1999 estava em formato digital e revela ainda a ubiqüidade dos EUA, responsáveis por 35% da produção impressa, 40% da produção de imagens e um pouco mais de 50% de todo o conteúdo digital produzido no mundo a cada ano. Os resultados de 2003, com dados de 2002, revelaram que a quantidade de novas informações armazenadas nas mídias supracitadas mais que dobrou nos últimos três anos, com uma taxa de crescimento anual em torno de 30%. Tal mídia armazenada significou a produção de cinco exabytes1 de novas informações em 2002, ao passo que o fluxo de informações através de canais eletrônicos continha quase 18 exabytes de novas informações. Por fim, a pesquisa de 2003 revelou que a quantidade de informação armazenada produzida por pessoa2 é de 800 megabytes. É bem provável que a edição de domingo da Folha de São Paulo contenha mais informações fatuais numa única edição do que todo o material escrito com que contavam os leitores do século XV. A explosão da produção informacional revela que o desafio organizacional contemporâneo traduz-se em aprender a nadar em um oceano de informações, prospectando e coletando informações relevantes para a sobrevivência/prosperidade organizacional e para a compreensão de um ambiente de negócios cada vez mais dinâmico e mutável. Essa transição da “velha rigidez dos átomos para a fluidez dos bits” nas organizações vem suscitando inúmeras discussões a respeito da miríade de novas terminologias criadas na era da informação. As organizações deparam-se, cada vez mais, com novos termos como “gestão do conhecimento”, “comunidades de prática”, “gestão estratégica do capital intelectual”, “aprendizagem organizacional”, “gestão estratégica da informação”, "inteligência competitiva" e outros mais. Essas diferentes perspectivas refletem diferentes concepções do que são o conhecimento e a própria organização. Com vistas a iluminar o debate, prosseguir-se-á com a discussão de tais temas em uma perspectiva evolutiva, da gênese da temática na gerência de recursos informacionais à sua consolidação como inovação organizacional na gestão do conhecimento. 1 Exabyte é o equivalente a 1.000.000.000.000.000.000 bytes, ou 1 quintilhão de bytes. 5 exabytes correspondem ao total de todas as palavras faladas por todos os seres humanos. 2 Estimativas sugeriam que a população mundial atual gira em torno de 6,3 bilhões de pessoas, dados do “Population Referrence Bureau”. 12 Caderno de Idéias CI0717
  • 13. Da Gestão da Informação à Gestão do Conhecimento (GC) Alvarenga Neto (2002) concluiu que as organizações que afirmavam ter programas de GC praticavam, na verdade, a gestão estratégica da informação que, por sua vez, também é conceito rico em significado. Contudo, esse autor afirma que, apesar de toda a polêmica e controvérsia a respeito do termo “gestão do conhecimento”, motivo de discussões, debates, artigos e teses acaloradas, os resultados de sua pesquisa demonstram que a área conhecida como GC tem surpreendido aqueles que apostaram em um modismo e tem-se estabelecido como um consistente paradigma gerencial do século que se inicia (SOUZA & ALVARENGA NETO, 2003). Esse ponto de partida – a gestão estratégica da informação – norteia e valida amplamente outras atividades e outros temas de grande importância vinculados à GC, como a gestão do capital intelectual, a aprendizagem organizacional, a criação e transferência do conhecimento, a gestão da inovação e a gestão tecnológica, as comunidades de prática e a inteligência competitiva, entre outros. De acordo com Marchand & Davenport (2004), grande parte do que se faz passar por GC é, na verdade, gestão da informação, mas a GC vai além da gestão da informação, visto que incorpora outras preocupações, como a criação e o uso do conhecimento nas organizações. A gestão da informação é apenas um dos elementos da GC e ponto de partida para quaisquer outras iniciativas e abordagens associadas à GC. Muitos pesquisadores arriscaram definições para a GC. Wilson (2002) examinou as bases de dados da Web of Science – em período compreendido entre 1981 até 2002 – e constatou a grande diversidade de conceitos atribuídos à GC, re-afirmando toda a polêmica e controvérsia terminológica. Esse autor constatou o crescimento vertiginoso e exponencial das publicações com a expressão “gestão do conhecimento”. Para iluminar o debate ora proposto, partir-se-á do princípio de que a gestão do conhecimento (GC) tem suas origens na gestão de recursos informacionais (GRI). De acordo com Barbosa & Paim (2003) e também Bergeron (1996), a GRI, já no início da década de 1970, procurava projetar e implementar modelos de gestão com base na integração entre a ciência da informação, a ciência da computação e a administração. Sob a perspectiva da ciência da computação, são especialmente relevantes para a GC os aspectos relacionados a software, hardware, redes e telecomunicações. Do campo das ciências administrativas emanam temas como aprendizagem organizacional, cultura organizacional, desenvolvimento organizacional e gestão de pessoas, entre outros. É mister afirmar que a preocupação com aspectos relativos à informação e ao conhecimento não constitui novidade no campo da administração. Fato é que essa preocupação se deu, na maior parte das vezes, com as questões do uso da informação – pouca atenção foi conferida às questões da coleta, tratamento, organização e disseminação. Por fim, da miríade de contribuições da Ciência da Informação destacam-se estudos de (i) usos e usuários da Gestão do conhecimento no contexto de organizações atuantes no Brasil: uma mudança em direção ao conceito 13 de "gestão de contextos capacitantes"
  • 14. informação, (ii) fontes de informação e bases de dados, (iii) serviços e produtos de informação e (iv) organização e tratamento da informação, que incluem temáticas que versam sobre indexação, recuperação, taxonomias, vocabulários controlados, ontologias, tesauros e esquemas classificatórios, representação do conhecimento, entre muitos outros. Davenport & Cronin (2000) sugerem que, embora muita atenção acadêmica e profissional tenha sido devotada à GC na última década, o conceito ainda não é estável: o termo aparenta ser usado de maneiras diferentes em vários domínios e cada domínio clama para si que a compreensão parcial da temática represente a articulação definitiva do conceito. Trata-se de uma deriva semântica ou de uma mudança conceitual? (DAVENPORT & CRONIN, 2000). Esses autores propuseram-se a explorar o conceito de GC no contexto de três domínios interessados na área, respectivamente, (1) biblioteconomia e ciência da informação, (2) engenharia de processos e (3) teoria organizacional. O objetivo da proposta intitulada “tríade da gestão conhecimento” configura-se na proposição de uma ferramenta ou instrumento de análise que sirva para explorar as tensões que possam surgir em quaisquer organizações comprometidas com a GC, em que diferentes domínios possuam diferentes compreensões. O modelo aqui denominado “tríade da GC” pode ser utilizado para identificar conflitos ou embates territoriais e contribuir para um entendimento coletivo entre os atores do espaço da GC nas organizações. No primeiro domínio - biblioteconomia e ciência da informação (denominado GC-1) – a GC é predominantemente vista como gestão da informação – gestão de publicações internas e externas. A tendência percebida à complacência com os conceitos da GC pode ser atribuída a um grande número de fatores, a saber: (1) a fusão de “gestão do conhecimento” com “a organização do conhecimento” – rótulo tradicional para a codificação e classificação de material registrado (conteúdo) embutido em artefatos, estruturas, sistemas e repositórios, algo reificado já acumulado e utilizado; (2) a percepção de que os trabalhadores do conhecimento necessitam de intermediários para dar suporte ao seu trabalho através da gestão ou organização do conteúdo apropriado. Tal posição é, de acordo com esses autores, articulada em uma gama de publicações que combinam miopia com defesa de território e a conclusão final é a de que a gestão da informação é parte do ambiente da GC – é somente uma parte e é somente e verdadeiramente efetiva quando aplicada com uma compreensão holística da GC. No segundo domínio – engenharia de processos (denominado GC-2) – a GC é vista como a gestão do know-how e freqüentemente igualada à tecnologia da informação, detentora de papel fundamental. Tal perspectiva enfatiza processos e atividades, com forte ênfase nas representações (ontologias) de atividades e capacidades. Os autores argumentam que a aderência à engenharia de processos, com forte orientação a sistemas, seja ela engenharia de processos de negócios ou engenharia de processos de conhecimento, é míope. Embora seja capaz de gerar inovações, a abordagem não faz jus à aplicação das habilidades, talentos, competências, pensamentos, idéias, intuições, comprometimentos, motivações e imaginações das pessoas, ou seja, o domínio do conhecimento tácito. Em um nível conceitual, a modelagem de processos objetiva identificar e criar elos através das divisões organizacionais – a representação e o mapeamento são componentes-chave. A premissa básica é a de que insights úteis podem ser acumulados e a inovação promovida através do uso de uma variedade de técnicas sofisticadas, 14 Caderno de Idéias CI0717
  • 15. como a garimpagem de dados (data mining) e os manuais de processos (process handbooks), entre outros. O foco principal concentra-se na avaliação de ativos, tornando visíveis valores latentes ou escondidos. Em sua forma mais reducionista, a GC-2 é contraproducente, porque restringe o escopo da inovação em uma organização ao que é formalmente codificado como processo. Uma tentativa de re-endereçar tal problemática está embutida na abordagem da engenharia de processos de conhecimento, que procura equilibrar recursos codificados e não codificados. Tal abordagem reconhece que valiosos insights e elos através de processos e recursos são feitos por humanos, capazes de contextualizar e eficazmente avaliar o potencial de novas relações. No terceiro domínio – teoria organizacional (denominado GC-3) – a GC denota uma mudança conceitual maior do conhecimento como recurso para o conhecimento como uma capacidade: uma prontidão para responder que permite que a organização co- evolua eficazmente em um dado ambiente. A questão colocada é que GC-1 e GC-2 preocupam-se com o conhecimento codificado – parte do capital estrutural de uma organização: ambas são incompletas, visto que o conhecimento não codificado ou tácito foi alijado da concepção. Há um crescente reconhecimento de que a chave para a GC é a interação entre o conhecimento tácito e o conhecimento explícito. Na perspectiva GC-3, o que é gerenciado não é um recurso, mas o contexto em que tal prontidão se manifesta. É mister salientar que esse contexto é visto como um espaço de interação entre os conhecimentos tácitos e explícitos de todos os membros de uma organização. Davenport & Cronin (2000) sugerem que a GC-3 é um conceito-chave para os gestores do conhecimento e um conceito que os profissionais da biblioteconomia e ciência da informação devem encarar com seriedade. A compreensão de conceitos relativos ao “espaço do conhecimento” ou “contexto capacitante” possibilita a captura de várias características importantes da GC-3: a natureza dinâmica do contexto, a co-evolução organizações-ambientes e o desenvolvimento conjunto do conhecimento tácito e explícito em comunidades de prática. A novidade da proposta de Davenport & Cronin (2000) é a contribuição para a compreensão da natureza mutável do complexo ambiente baseada no conhecimento no qual se vive e se trabalha. Outras contribuições fundamentais para os objetivos deste trabalho constituem-se em alguns aspectos, respectivamente: (1) no reconhecimento da necessidade de um marco teórico conceitual para a GC, (2) na compreensão de que a gestão da informação e a tecnologia da informação são elementos constituintes de um conceito maior denominado gestão do conhecimento e, (3) em termos evolucionários, na mudança, que parte da gestão da informação (GC-1), passa pela informatização (GC-2) e aporta nas “etologias” informacionais (GC-3). Gestão do conhecimento no contexto de organizações atuantes no Brasil: uma mudança em direção ao conceito 15 de "gestão de contextos capacitantes"
  • 16. 16 Caderno de Idéias CI0717
  • 17. Gestão do Conhecimento: uma Proposta de Mapeamento Conceitual Integrativo Uma de um mapeamento conceitual integrativo de gestão eixos temáticos, apresenta-sesera proposta vez estabelecidos alguns fundamentos essenciais e do conhecimento que pode expresso através da convergência de três pilares: a) o modelo proposto por Choo (1998); b) a idéia do contexto capacitante, como sugerida por Von Krogh, Ichijo & Nonaka (2001) e c) a metáfora do “guarda-chuva conceitual da GC”. Para Choo (1998), “organizações do conhecimento” são aquelas que fazem uso estratégico da informação para atuação em três arenas distintas e imbricadas, a saber: a) sensemaking ou a construção de sentido, b) criação de conhecimento, por intermédio da aprendizagem organizacional e c) tomada de decisão, com base no princípio da racionalidade limitada. Sob o aspecto de construção de sentido, Choo (1998) afirma que o objetivo imediato do sensemaking é permitir aos membros da organização a construção de um entendimento compartilhado do que é a organização e o que ela faz. O objetivo de longo prazo do sensemaking é a garantir que as organizações se adaptem e continuem a prosperar em um ambiente dinâmico através da prospecção do ambiente organizacional, em busca de informações relevantes que lhes permitam compreender mudanças, tendências e cenários acerca de clientes, fornecedores, concorrentes e demais atores ambientais. As organizações enfrentam questões como a redução da incerteza e o gerenciamento da ambigüidade. A inteligência competitiva e do concorrente, a monitoração ambiental, a prospecção tecnológica e atividades correlatas são iniciativas empresariais que têm como um de seus objetivos a construção de sentido a respeito de questões para as quais não existem respostas claras. O Quadro 1, a seguir, apresenta, de forma esquematizada, e sob uma perspectiva informacional, o processo de construção de sentido em contextos organizacionais. Gestão do conhecimento no contexto de organizações atuantes no Brasil: uma mudança em direção ao conceito 17 de "gestão de contextos capacitantes"
  • 18. QUADRO 1 Processo de construção de sentido Necessidade de Informação Busca de Informação Uso da Informação Quais são as novas tendências Escaneamento ambiental Redução de incerteza da indústria/setor? e ambigüidade: interpretação coletiva Quais são as competências Sistema de informações Construção de essenciais dos concorrentes? conhecimento compartilhado. O que os nossos clientes Pesquisas Processo decisório valorizam? Fonte: CHOO, 1998 (Adaptação) A criação do conhecimento é o processo pelo qual as organizações criam ou adquirem, organizam e processam a informação, com o propósito de gerar novo conhecimento através da aprendizagem organizacional. O novo conhecimento gerado, por sua vez, permite que a organização desenvolva novas habilidades e capacidades, crie novos produtos e serviços, aperfeiçoe os antigos e melhore seus processos organizacionais. O Quadro 2 fornece uma analogia entre modelos de criação de conhecimento e permite inferências entre suas similitudes e dissonâncias. QUADRO 2 Processos de criação do conhecimento Processos de conhecimento Fases de criação do Atividades construtoras de (WIKSTRÖM & NORMANN, 1994) conhecimento conhecimento (NONAKA & TAKEUCHI, 1997) (LEONARD-BARTON, 1998) Processos generativos, Compartilhamento do Solução compartilhada de gerando novo conhecimento conhecimento tácito problemas Criação de conceitos Experimentação e prototipagem Processos produtivos: Justificação de conceitos Implementação e integração operacionalizando novo Construção de arquétipo de novas metodologias e conhecimento ferramentas Processos representativos: Conhecimento de níveis Importação de conhecimento. difundindo e transferindo novo cruzados conhecimento Fonte: CHOO , 1998, p.130. 18 Caderno de Idéias CI0717
  • 19. O terceiro componente do modelo de Choo (1998) é o que se refere ao processo decisório. Aqui, a empresa deve escolher a melhor opção entre todas as que se configuram e persegui-la com base na estratégia empresarial. O processo decisório nas organizações, conforme a visão de March & Simon (1975), é constrangido pelo princípio da racionalidade limitada. Várias decorrências podem ser enumeradas da teoria das decisões, Choo (1998) e March & Simon (1975) enumeram algumas delas: (i) o processo decisório é dirigido pela busca de alternativas que sejam boas o bastante, em detrimento da busca pela melhor alternativa existente; (ii) a escolha de uma alternativa implica a renúncia das demais alternativas e a criação de uma seqüência de novas alternativas ao longo do tempo – entende-se a relatividade como um custo de oportunidade, que aponta também para a avaliação das alternativas preteridas; (iii) uma decisão completamente racional iria requerer informações além da capacidade de coleta da empresa e também um processamento de informações além da capacidade de execução de seres humanos. A criação do conhecimento organizacional é a ampliação do conhecimento criado pelos indivíduos, se satisfeitas as condições contextuais que devem ser propiciadas pela organização. Isso é o que Von Krogh, Ichijo & Nonaka (2001) denominam “contexto capacitante”, “Ba”3 ou “condições facilitadoras”. Sob essa ótica, a compreensão da palavra gestão, quando da sua associação com a palavra conhecimento, não deve ser entendida como sinônimo de controle. Gestão, no contexto capacitante, significa promoção de atividades criadoras de conhecimento em nível organizacional, e a GC assume uma nova perspectiva hermenêutica – de gestão do conhecimento para o significado de “gestão para o conhecimento”. Nonaka & Takeuchi (1997) e Von Krogh, Ichijo & Nonaka (2001) enumeram os vários elementos constituintes do “contexto capacitante”, a saber: intenção ou visão do conhecimento organizacional, cultura e comportamento organizacionais, caos criativo, redundância, variedade de requisitos, mobilização dos ativistas do conhecimento, autonomia e delegação de poderes, além de questionamentos acerca da estrutura organizacional, layout e hierarquia, entre outros. Finalmente, a metáfora do “guarda-chuva conceitual da GC” pressupõe que debaixo dele são abarcados vários temas, idéias, abordagens e ferramentas gerenciais, concomitantemente distintos e imbricados. Entre esses, podem ser destacados a gestão estratégica da informação, a gestão do capital intelectual, a aprendizagem organizacional, a inteligência competitiva e as comunidades de prática. É justamente a inter-relação e a permeabilidade entre esses vários temas que possibilitam e delimitam a formação de um possível referencial teórico de sustentação, intitulado “gestão do conhecimento”. Ou seja, defende-se que a GC seja vista como uma área “guarda-chuva”. O feedback do modelo se dá pela classificação dos temas inseridos no guarda-chuva dentro do modelo de Choo (1998). A inteligência competitiva é uma iniciativa de sensemaking ou construção de sentido, a gestão estratégica da informação e as comunidades de prática encaixam-se na temática de criação de conhecimento e assim por diante. Por fim, o contexto capacitante preenche o hiato entre estratégia e ação. A FIG. 1 apresenta a proposta integrativa supracitada: 3 Von Krogh, Ichijo e Nonaka (2001): segundo esses autores, a eficácia da criação do conhecimento depende de um contexto capacitante – um espaço compartilhado que fomente novos relacionamentos; a idéia japonesa do ba (ou lugar) ou espaço do conhecimento: pode ser físico, virtual, mental, ou – mais provavelmente – todos os três. Gestão do conhecimento no contexto de organizações atuantes no Brasil: uma mudança em direção ao conceito 19 de "gestão de contextos capacitantes"
  • 20. Figura 1 - Proposta de Mapeamento Conceitual Integrativo da GC Fonte: ALVARENGA NETO, 2005, p.370. 20 Caderno de Idéias CI0717
  • 21. Recorrer-se-á, uma vez mais, a CHOO (2002) para o encerramento desta seção. Esse autor sugere um esquema conceitual passível de ser utilizado para a comparação de possíveis estratégias de gestão da informação e do conhecimento. Como ponto de partida, esse autor sugere o modelo intitulado “Janela de JOHARI”, uma abordagem que descreve a dinâmica da comunicação e da interação humanas e tem a gênese de seu nome a partir dos primeiros nomes de seus inventores, Joseph Luft e Harry Ingham. Sua linha de chegada é a proposição da criação de uma janela da gestão do conhecimento, apresentada no Quadro 3. QUADRO 3 Janelas da Gestão do Conhecimento Sabemos o que sabemos Sabemos o que não sabemos Provisão de acessos às informações e Busca de informação direcionada facilitação do compartilhamento do conhecimento Promoção de criação do conhecimento Intranets, Portais, Taxonomias, Inteligência Competitiva, Pesquisa & Esquemas Classificatórios e Benchmarking. Desenvolvimento, Pesquisa de Mercado. Não sabemos o que sabemos Não sabemos o que não sabemos Auditoria de Informações Monitoração Ambiental Mapeamento do Conhecimento Descoberta do conhecimento Comunidades de Prática, Redes de Planejamento de Cenários, Prospecção no Conhecimento. Futuro, Diálogo. Fonte: CHOO, 2002, p.261 (Adaptação) Gestão do conhecimento no contexto de organizações atuantes no Brasil: uma mudança em direção ao conceito 21 de "gestão de contextos capacitantes"
  • 22. 22 Caderno de Idéias CI0717
  • 23. Procedimentos Metodológicos A estratégia de pesquisa qualitativa – incorporadas, aplicados abaseou-seorganizacionais casos múltiplos com unidades de análise de natureza descritiva – estudos em estudos de e gerenciais (YIN, 2001; EISENHARDT, 1989). Os componentes do projeto de pesquisa foram desenhados e estruturados a partir das questões de estudo, pressupostos, unidades de análise, lógica que une os dados às proposições e critérios de interpretação das descobertas. Três critérios foram observados para o julgamento da qualidade da pesquisa: validade do construto (fontes múltiplas de evidências e seus encadeamentos), validade externa (lógica de replicação: replicações teóricas e literais) e confiabilidade (operações do estudo podem ser repetidas apresentando os mesmos resultados). Fontes múltiplas de evidências foram utilizadas – pesquisa documental (documentos em papel e arquivos eletrônicos), entrevistas semi-estruturadas e observação direta – e a análise de dados (FIG. 2) coletados em campo consistiu de três fluxos concomitantes de atividades, a saber: redução de dados, display ou exibição de dados e verificação/conclusões com base em inferências a partir de evidências ou premissas (MILES & HUBERMAN, 1984). Como forma de se estudar as visões e iniciativas concretas das empresas no campo da GC, foram realizados estudos de casos em três grandes organizações atuantes no Brasil, que implementaram programas e iniciativas de GC. São elas o Centro de Tecnologia Canavieira (CTC), a Siemens do Brasil e a PricewaterhouseCoopers (PwC). Figura 2 – Componentes da análise de dados – Modelo Interativo Fonte: MILES & HUBERMAN, 1984, p. 23. Gestão do conhecimento no contexto de organizações atuantes no Brasil: uma mudança em direção ao conceito 23 de "gestão de contextos capacitantes"
  • 24. A pesquisa de campo foi realizada nas cidades de (i) Piracicaba, SP; (ii) São Paulo, SP e (iii) Belo Horizonte, MG, no período compreendido entre 19 de março a 12 de abril de 2005. Um total de 17 entrevistas semi-estruturadas foram realizadas, as quais resultaram em 35 horas de gravações e 533 páginas de transcrições. A pesquisa documental coletou e selecionou, aproximadamente, 1600 páginas com um descarte de 12%. Quatro ciclos de redução de dados foram necessários até que os dados pudessem ser incluídos no corpo do trabalho e oito matrizes de redução foram produzidas com base nas categorias de análise criadas (Quadro 4). QUADRO 4 Processos de redução - Análise de dados da pesquisa de campo Processos de redução De (páginas) Para (páginas) 1o. Processo de redução 2150 180 2o. Processo de redução 180 100 3o. Processo de redução 100 52 4o. Processo de redução 52 corpo da tese Fonte: ALVARENGA NETO, 2005, p.217. Apresentação e análise dos resultados Observou-se, com base na investigação, que os principais motivadores para a GC nas organizações estudadas giram em torno de constatações acerca dos seguintes aspectos: (i) inexistência de práticas de compartilhamento e proteção de informações e conhecimentos, levando à re-invenção da roda e à duplicação de esforços; (ii) problemas com coleta, tratamento, organização e disseminação de informações, denotando ausência de uma gestão estratégica da informação; (iii) reconhecimento de que a informação e o conhecimento são os principais fatores de competitividades dos tempos atuais e (iv) premência da criação de um contexto capacitante na organização vis-à-vis à necessidade de se endereçarem questões culturais e comportamentais. A seguir encontram-se depoimentos dos entrevistados nas empresas estudadas, os quais confirmam tais constatações: "[...] cada área da empresa tinha métodos idiossincráticos de armazenamento, gestão e explicitação de conhecimentos. [...] a empresa está atualmente preocupada com o conhecimento porque ele é hoje o principal fator de competitividade. [...] havia problemas na recuperação da informação."(Coordenador de transferência de tecnologia do CTC) "[...] eu acho que um pouco de ameaça: a entrada de concorrentes no mercado, principalmente mercado externo. [...] e a necessidade de se fazer pesquisas mais rápidas e enfrentar os novos entrantes: Austrália, Índia e África do Sul – principais concorrentes. 24 Caderno de Idéias CI0717
  • 25. “[...] O CTC diminuiu muito e isso gerou perda de conhecimento, pessoas saindo sem registro, sem explicitação do conhecimento – downsizing e aposentadorias.” (Gestor do Conhecimento do CTC) “[...] conhecimentos e informações importantes se perdiam e não eram compartilhados.” (Gerente de auditoria da PwC) “[...] uma transformação no modelo de gestão: de um modelo muito mais hierárquico – carimba aqui, carimba ali, que é um modelo lento –, para um modelo muito mais orgânico em rede. [...] a idéia de GC é essa, quebrar todos os tipos de barreiras: geográficas, temporais, hierárquicas, lingüísticas, pessoais, entre outras.”(Gerente de gestão do conhecimento e da informação da Siemens) “[...] acesso rápido aos conhecimentos da organização é um diferencial competitivo.”(Gerente de vendas da Siemens) “[...] alguém em algum lugar do mundo já resolveu esse problema.” (Gerente de recursos humanos da Siemens) “[...] se a Siemens soubesse o que ela sabe... [...] colocar todo o conhecimento da Siemens em rede, a empresa tem mais valor quando utiliza o seu próprio conhecimento. [...] GC é um dos processos que suportam a estratégia através de inovação, satisfação do cliente e competitividade global.” (Diretor Regional da Siemens) Constatou-se a ausência de consenso acerca de uma definição para a GC nas organizações estudadas. Contudo, alguns termos eram comuns nas respostas dos entrevistados: processo, informação, conhecimento, inovação, explicitação, registro, compartilhamento, cultura organizacional, acesso e utilização, entre outros. Eis alguns trechos de depoimentos que confirmam tal assertiva: “[...] não há consenso sobre o que é ou deva ser GC na organização – é um desafio. [...] há uma delimitação das áreas de atuação: tratar a informação, o conhecimento tácito, facilitar o compartilhamento. [...] GC é um processo, tem fases, mas não tem fim. [...] processo que visa facilitar compartilhamento, proteção de ativos intangíveis, entre os quais o conhecimento.”(Gestor do conhecimento do CTC) “[...] não é muito claro, mas é tudo aquilo que se gerencia para a obtenção do conhecimento, inovação.” (Diretor superintendente do CTC) “[...] processo que contribui para colocar os conhecimentos dos colaboradores em rede.”(Diretor Regional da Siemens) “[...] não é milagre, não é um knowledge unlocker plus. É muito mais uma mudança da filosofia da gestão estratégica da organização. [...] ferramentas para colaboração e criar canais...” (Gerente de gestão do conhecimento e da informação da Siemens) Gestão do conhecimento no contexto de organizações atuantes no Brasil: uma mudança em direção ao conceito 25 de "gestão de contextos capacitantes"
  • 26. “[…] GC é como sustentar um ambiente onde há criação, desenvolvimento, troca e disseminação de conhecimentos estratégicos para a organização – é criar o contexto, é um processo que deveria permear todos os processos de negócios da organização.” (Coordenador de GC para América do Sul e Central da PwC) “[...] GC não é um projeto, mas um processo que envolve toda a organização: disponibilizar o conhecimento certo para as pessoas certas no momento certo, ser o fator-chave para manter uma cultura de valores, estilos e comportamentos compartilhados.” (Pesquisa Documental, PwC, 2005) Em seguida, com o objetivo de verificar a proposta intitulada “guarda-chuva conceitual de GC”, solicitou-se aos entrevistados que respondessem quais eram os aspectos, abordagens/práticas gerenciais e ferramentas consideradas sob a égide da área, programa ou projeto de GC em suas respectivas organizações. Eis a síntese das respostas: (a) monitoração ambiental, inteligência competitiva, pesquisa de mercado; (b) gestão estratégica da informação, gestão eletrônica de documentos, mapeamento de processos; (c) gestão do capital intelectual, competências, pessoas e ativos intangíveis; (d) comunidades de prática – reais e virtuais; (e) aprendizagem organizacional, inclusive e-learning; (f) apoio ao processo decisório e (f) criação do contexto capacitante: “[...] sim, informações do exterior, produtos da concorrência, tendências de mercado, clippings [...] há também uma coleta informal feita por colaboradores que 'pinçam' algo no mercado e colocam na intranet – até mesmo boatos!” (Gerente de Vendas da Siemens) “[...] implementar uma rigorosa taxonomia para todo o conteúdo organizacional.”(Pesquisa documental, PwC, 2005) “[...] gestão estratégica da informação, criação do contexto adequado para troca e compartilhamento, como por exemplo, o ‘Banco de Idéias’ e o ‘Momento Cultural’.”(Analista de informações do CTC) Complementarmente, os entrevistados foram inquiridos acerca da ênfase4 ou aspectos prioritários da GC em suas organizações. Observou-se que a fase inicial e o ponto de partida para quaisquer iniciativas de GC – a gestão estratégica da informação - estava em estágios de quase maturidade, com a consciência de que é um processo permanente. As organizações procuravam avançar para aspectos relativos ao compartilhamento, à cultura organizacional e à criação do contexto organizacional favorável ou contexto capacitante, Ressalta-se a existência de várias iniciativas genuinamente brasileiras adotadas por tais organizações em tais sentidos, como o “Momento Cultural” no CTC e o “Happy Hour do Saber” na Siemens. Consultar exemplo constante do Anexo 1 - Escopo delineado pelo CTC. 4 26 Caderno de Idéias CI0717
  • 27. Essa última iniciativa é “[...] é uma prática informal de palestras, em que são compartilhados conhecimentos essenciais da organização de forma mais ‘tácita’ e espontânea. Trata-se de uma iniciativa local específica, que se enquadra na política geral. As palestras têm duração de uma hora e são ministradas por colaboradores da empresa. (todos podem ser palestrantes: colaboradores, estagiários e terceiros)”. (Pesquisa Documental, Siemens do Brasil, 2005) Por fim, os principais resultados alcançados com a GC pelas organizações deste estudo foram: (a) redução do ciclo de inovações e aceleração do tempo de entrega de soluções ao mercado; (b) ampliação da fatia de mercado, aumento do portfólio de negócios e aumento da carteira de clientes; (c) melhoria na colaboração entre as pessoas e equipes, facilidade de se localizar expertise; (d) diminuição do re-trabalho e redução de custos; (e) preservação da memória organizacional; (f) aumento da potência de aprendizagem organizacional e (g) antecipação de movimentos estratégicos da concorrência, entre outros. Experiências e práticas de organizações atuantes no Brasil Para a apresentação dos resultados, optou-se pelo agrupamento das práticas de GC em sete categorias, a saber: (a) monitoração ambiental, inteligência competitiva, pesquisa de mercado e atividades correlatas; (b) gestão estratégica da informação, gestão eletrônica de documentos, mapeamento de processos e tecnologias de informação (TI); (c) gestão do capital intelectual, competências, pessoas e ativos intangíveis; (d) comunidades de prática - reais e virtuais; (e) aprendizagem organizacional e e-learning; (f) criação do contexto capacitante. Eis o conjunto de práticas no contexto de organizações atuantes no Brasil: a)Monitoração ambiental, inteligência competitiva,pesquisa de mercado e atividades correlatas Relata-se a existência de: (i) Processos formais e estruturados: Clippings (produzidos internamente ou externamente), pesquisas de mercado, buscas auxiliadas por bibliotecários, participações em seminários, assinaturas de jornais e periódicos, inteligências do concorrente, competitiva e monitoração ambiental, benchmarking, sistemas de informações e bases de dados (externos, como Reuters, Factiva, Dow Jones, entre outros). No CTC, com o Gestão do conhecimento no contexto de organizações atuantes no Brasil: uma mudança em direção ao conceito 27 de "gestão de contextos capacitantes"
  • 28. objetivo de estabelecer padrões de comportamento espectral que permitam a identificação e a quantificação de áreas cultivadas com variedades registradas, utilizam- se fotos de satélite e geoprocessamento (FIG.3). (ii) Processos informais e desestruturados: Viagens internacionais, contatos com pessoas, internet, boatos, “colaboradores pinçam algo no mercado”, networking e trabalhos de campo dos colaboradores. Figura 3 – Utilização de imagens de satélite e geoprocessamento no CTC – Landsat Fonte: ALVARENGA NETO, 2005, p.291. b) Gestão estratégica da informação, GED, mapeamentode processos e tecnologia da informação (TI) Optou-se por dividir os resultados desta parte em: (i) Gestão estratégica da informação, GED (FIG. 4) e mapeamento de processos: Gestão eletrônica de documentos (GED), workflow, criação de repositórios únicos para a informação organizacional, taxonomias e processos de disseminação seletiva da informação, bibliotecas corporativas, centros de documentação e arquivística, bibliotecas digitais, árvores de decisão (FIG. 5), definição de ciclo de vida da informação (FIG. 6), tabelas de temporalidade e descarte de documentos, tratamento e organização da informação, gestão de conteúdo, gestão de projetos, gestão de 28 Caderno de Idéias CI0717
  • 29. processos e redesenho de processos organizacionais, organização de arquivos físicos e eletrônicos e mapeamento do acervo público das organizações. (ii) Tecnologia da informação: Redes, intranets (FIG.7), softwares e ferramentas, digitalização, segurança de informações, bases de dados. “[..] os principais projetos da área de gestão do conhecimento do CTC são estruturados da seguinte maneira: Gestão de documentos – objetiva criar um repositório único para os documentos, compartilhar e facilitar o acesso ao conhecimento explícito; desenvolvimento de sistema de GED – gestão eletrônica de documentos; organização, padronização e compartilhamento dos documentos, taxonomia e processo de disseminação seletiva da informação – o passado foi digitalizado (Hoje: 15.000 documentos armazenados); média de 200 documentos incluídos por mês;” (Pesquisa Documental, ALVARENGA NETO, 2005) Figura 4 – Gestão Estratégica da Informação no CTC – Fluxo de pesquisa de informações depois do sistema GED Fonte: Pesquisa Documental, ALVARENGA NETO, 2005. Gestão do conhecimento no contexto de organizações atuantes no Brasil: uma mudança em direção ao conceito 29 de "gestão de contextos capacitantes"
  • 30. 30 Caderno de Idéias CI0717 Figura 5 - Colaboração - Árvore de Decisão - Siemens do Brasil Fonte: ALVARENGA NETO, 2005, p. 319.
  • 31. Figura 6 - Gesto de Conteúdos e Ciclo de Vida da Informação - Siemens Fonte: ALVARENGA NETO, 2005, p. 320. Gestão do conhecimento no contexto de organizações atuantes no Brasil: uma mudança em direção ao conceito 31 de "gestão de contextos capacitantes"
  • 32. Figura 7 – Knowledge Curve – A Intranet da PricewaterhouseCoopers Fonte: ALVARENGA NETO, 2005, p.276. c) Gestão do capital intelectual, competências, pessoas e ativos intangíveis Os resultados revelam a existência de atividades e ou abordagens gerenciais relacionadas ao capital intelectual assim estruturadas: (i) Gestão do capital intelectual e ativos intangíveis: Patentes, royalties e registros. (ii) Gestão de competências e programas de acompanhamento de aposentadorias. (iii) Programas de idéias e sugestões (FIG.8): Idéias que fortaleçam as competências essenciais da organização e seu portfólio de conhecimentos. (iv) Sistemas localizadores de expertise (Yellow Pages ou páginas amarelas corporativas). (v) Gestão de competências, treinamento e desenvolvimento. 32 Caderno de Idéias CI0717
  • 33. Figura 8 – Programas de Idéias e Sugestões – Idéias 3i (Idéias, Impulsos e Inovações) – Siemens Fonte: ALVARENGA NETO, 2005, p.326. d) Comunidades de prática – reais e virtuais Constatou-se a existência de: (i) Comunidades reais de prática: Reuniões, sessões de atualização técnicas, “rodas de bate-papo”. (ii) Comunidades virtuais de prática: Participação em comunidades virtuais internas (FIG. 9) e externas à organização; extensão e abertura das comunidades para atores do ambiente organizacional externo – clientes, parceiros, entre outros; utilização de tecnologias de colaboração síncronas (chats, conference call, videoconferência) e assíncronas (news, knowledge library, fóruns de discussão, gestão de documentos, pedidos urgentes), compartilhamento de melhores práticas e aprendizagem. Gestão do conhecimento no contexto de organizações atuantes no Brasil: uma mudança em direção ao conceito 33 de "gestão de contextos capacitantes"
  • 34. Figura 9 – Comunidades Virtuais de Prática – A Sharenet da Siemens Fonte: ALVARENGA NETO, 2005, p.272. e) Aprendizagem organizacional – e-learning Os resultados revelam a existência de atividades e ou abordagens gerenciais relacionadas à aprendizagem organizacional fortemente correlacionadas à gestão do capital intelectual e gestão de competências. Tais atividades e/ou abordagens são assim estruturadas: (i) Apoio à formação continuada: Especialização, MBA, mestrado e doutorado, idiomas - com liberação de tempo e pagamento integral do salário. (ii) Profissional com expertise deve explicar assunto para outros interessados: grupos presenciais de estudo, sessões de atualização técnica. (iii) e-learning (FIG. 11) e cursos a distância. (iv) Universidades corporativas e parcerias com universidades. 34 Caderno de Idéias CI0717
  • 35. (v) Bancos de melhores práticas (FIG. 10). vi) Programas internos de treinamento e desenvolvimento, centros de auto-instrução, programas de treinamento – com as áreas de recursos humanos, comercial e de tecnologia de informação. Figura 10 – Bancos de Melhores Práticas – O Global Best Practices da PwC Fonte: ALVARENGA NETO, 2005, p.278. Gestão do conhecimento no contexto de organizações atuantes no Brasil: uma mudança em direção ao conceito 35 de "gestão de contextos capacitantes"
  • 36. Figura 11 – O Sistema Hestia da Siemens – Ferramenta de Aprendizagem Fonte: ALVARENGA NETO, 2005, p. 273. f) Criação do contexto capacitante Os resultados apontam para significativos esforços em relação à compreensão e criação de um contexto organizacional favorável. Além disso, as organizações estão conscientes de que são elas as responsáveis pela criação e manutenção do contexto capacitante. Eis os principais aspectos levados em conta: (i) Layout (físico e virtual). (ii) Criação de locais de encontro, troca e compartilhamento (FIG. 12 e 13). (iii) Cultura organizacional e valores. (iv) Caos criativo, liberdade de expressão e autonomia; gestão participativa. (v) Incentivo à aprendizagem e busca de conhecimentos, tolerância com "erros honestos". 36 Caderno de Idéias CI0717
  • 37. Ressalta-se a existência de várias iniciativas genuinamente brasileiras adotadas por tais organizações, como o “Momento Cultural” no CTC (FIG. 8) e o Happy Hour do Saber na Siemens. A exemplo da primeira, esta última iniciativa é “[...] uma prática informal de palestras, em que são compartilhados conhecimentos essenciais da organização de forma mais ‘tácita’ e espontânea. Trata-se de uma iniciativa local específica, que se enquadra na política geral. As palestras têm duração de uma hora e são ministradas por colaboradores da empresa. (Todos podem ser palestrantes: colaboradores, estagiários e terceiros)”. (Pesquisa Documental, Siemens do Brasil, 2005) Figura 12 – Convite para o “Momento Cultural” Fonte: ALVARENGA NETO, 2005, p.350 Figura 13 – Happy Hour do Saber Fonte: ALVARENGA NETO, 2005, p.274. Gestão do conhecimento no contexto de organizações atuantes no Brasil: uma mudança em direção ao conceito 37 de "gestão de contextos capacitantes"
  • 38. 38 Caderno de Idéias CI0717
  • 39. Conclusões Estedoartigo objetivou investigar as concepções, motivações,três organizações atuantes “gestão conhecimento” (GC) efetivamente implementadas em práticas e resultados de no Brasil, com vistas à proposição e validação de um modelo ou mapa conceitual integrativo. Longe de almejar uma solução definitiva ou um modelo acabado, esperou-se contribuir para a formulação de um melhor entendimento da área, suas fronteiras e conexões. Os pressupostos e o modelo conceitual integrativo foram validados em campo. As conclusões sugerem que não se gerencia conhecimento, apenas se promove ou se estimula o conhecimento através da criação de contextos organizacionais favoráveis. Em outras palavras, o que é gerenciado é unicamente o contexto e a prontidão em que o conhecimento se manifesta. O termo GC tem significado similar ao termo gestão para as organizações da era industrial ou, em outras palavras, a GC revela-se como um repensar da gestão para as organizações da era do conhecimento. Tal ênfase deriva-se do entendimento de que a informação e o conhecimento constituem-se como os principais fatores de competitividade dos tempos atuais para organizações e nações. Acrescenta-se ainda que a palavra gestão, quando associada à palavra conhecimento, deva ser apreendida como promoção do conhecimento ou estímulo ao conhecimento e a GC assume o significado de uma gestão de e para o conhecimento. Concluiu-se também que grande parte do que se intitula ou convenciona chamar de GC é, na verdade, gestão da informação, contudo ela é apenas um dos elementos da GC e ponto de partida para a mesma. O conceito de GC não pode ser igualado à tecnologia da informação, contudo GC pode ser vista como um conjunto de práticas sustentadas por tecnologia da informação. Tal assertiva não alija as micro e pequenas empresas de adotar práticas de GC. Fato é que nem todas as iniciativas de GC envolvem tecnologias, como já comprovado por iniciativas genuinamente brasileiras, como o “Momento Cultural” do CTC e o “Happy Hour do Saber”, na Siemens. A idéia por trás de se divulgar casos de sucesso e até mesmo de “contar casos” reforça os ideais e as práticas de GC. Entre os principais desafios colocados para a GC nas organizações, destacam-se as questões relativas à cultura organizacional, comportamento humano e criação do contexto capacitante, além da criação de um conjunto de indicadores para se medir os retornos e benefícios de GC. Afirma-se que não se pode avaliar a GC somente com indicadores quantitativos, uma vez que se está gerenciando mudanças culturais, comportamentais e atitudinais. A adoção de indicadores quali-quantitativos é condição sine qua non. Recomenda- se a ampliação desse estudo e a validação do modelo ora proposto no contexto de pequenas e médias empresas brasileiras. Gestão do conhecimento no contexto de organizações atuantes no Brasil: uma mudança em direção ao conceito 39 de "gestão de contextos capacitantes"
  • 40. 40 Caderno de Idéias CI0717
  • 41. Referências ALVARENGA NETO, R. C. D. de. Gestão da informação e do conhecimento nas organizações: análise de casos relatados em organizações públicas e privadas. 2002 (Mestrado em Ciência da Informação) - PPGCI, Escola de Ciência da Informação da UFMG, Belo Horizonte. ALVARENGA NETO, R. C. D. de. Gestão do conhecimento em organizações: proposta de mapeamento conceitual integrativo. 2005. 400 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) - PPGCI, Escola de Ciência da Informação da UFMG, Belo Horizonte. BARBOSA, R. R., PAIM, I. Da GRI à gestão do conhecimento. In: PAIM, ISIS. (org.). A Gestão da Informação e do Conhecimento. Belo Horizonte: Escola de Ciência da Informação da UFMG, 2003. BERGERON, P. Information Resources Management. ARIST, v.31, p.263-300, 1996. CHOO, C. W. Information management for the intelligent organization: the art of scanning the environment. Medford, New Jersey: Information Today, 2002, 3rd edition. CHOO, C. W. The Knowing Organization: How Organizations Use Information for Construct Meaning, Create Knowledge and Make Decisions. Nova Iorque: Oxford Press, 1998. DAVENPORT, E. & CRONIN, B. Knowledge management: semantic drift or conceptual shift? Journal of Education for Library and Information Science, 41(4): 294-306, 2000. EISENHARDHT, K.M. Building theories from case study research. Academy of Management Review, 1989, vol.14, n.4. 532-550. LEONARD-BARTON, D. Nascentes do saber: criando e sustentando as fontes de inovação. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 1998. LYMAN & VARIAN. How much information 2003? Disponível em (http:// www.sims.berkeley.edu/research/projects/how-much-info-2003/ ). Acesso em:set. 2004. MARCH, J. G, SIMON, H. A. Limites cognitivos da racionalidade. In: Teoria das organizações. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1975. MARCHAND, D. A.; DAVENPORT, T. H. Dominando a gestão da informação. Porto Alegre: Bookman, 2004. Gestão do conhecimento no contexto de organizações atuantes no Brasil: uma mudança em direção ao conceito 41 de "gestão de contextos capacitantes"
  • 42. MILES, M. B., HUBERMAN, A . M. Qualitative data analysis: a sourcebook of new methods. Newbury Park, California, 1984. Sage Publications. NONAKA, I. & TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus, 1997. SOUZA, R. R.; ALVARENGA NETO, R. C. D. A construção do conceito de gestão do conhecimento: práticas organizacionais, garantias literárias e o fenômeno social. KM BRASIL 2003. Encontro da Sociedade Brasileira de Gestão do Conhecimento, São Paulo, Anais do KM Brasil 2003. STEWART, Thomas A. Capital Intelectual. Rio de Janeiro: Campus,1998. VON KROGH, G., ICHIJO, K., NONAKA, I. Facilitando a criação de conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 2001. WIKSTRÖM, S.; NORMANN, R. Knowledge and value: a new perspective on corporate transformation. London, UK: Routledge, 1994. WILSON, T. D. The nonsense of ‘Knowledge management’. Information Research, v.8, n.1, October 2002. YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2001. 42 Caderno de Idéias CI0717
  • 43. Gestão do conhecimento no contexto de organizações atuantes no Brasil: uma mudança em direção ao conceito 43 de "gestão de contextos capacitantes"
  • 44. 44 Caderno de Idéias CI0717
  • 45. Caderno de Idéias FDC CI0701 O Brasil na competitividade mundial. Análise do World Competitiveness Yearbook 2007. Carlos Arruda, Marina Araújo. Julho 2007. CI0702 Classification of growth opportunities for brazilian companies by sector. Haroldo Guimarães Brasil, José Antônio de Sousa Neto, Adelaide Baêta. Julho 2007. CI0703 Competências individuais: um estudo com mestrandos em administração de instituições mineiras de ensino superior. Anderson de Souza Sant'anna, Maria Celeste Vasconcelos Lobo, Lúcio Flávio Renault de Moraes, Vera L. Cançado. Agosto 2007. CI0704 A América Latina no Relatório 2007 do IMD. Carlos Arruda, Marina Araújo, Vanja Abdallah Ferreira . Agosto 2007. CI0705 Adoção de tecnologias e relacionamentos colaborativos no canal. Áurea Helena Puga Ribeiro, Anthony K. Asare, Thomas G. Brashear, Cinthya Brito Carvalho, Plínio Rafael Monteiro, Rodrigo Araújo Alves. Agosto 2007. CI0706 Network learning: a methodological proposal for CEO´s, directors and executives' education. Antonio Batista da Silva Jr., Daniel Jardim Pardini, Priscila de Jesus Papazissis Matuck. Setembro 2007. CI0707 Competências em liderança: Um estudo com gestores do setor bancário. Cleuma Coimbra, Maria Laetetia Corrêa. Setembro 2007. CI0708 Estratégias de valor, capacidades e competências em mercados organizacionais: tendências e desafios. Áurea Helena Puga Ribeiro, Plínio Rafael Monteiro, Cinthya Brito Carvalho, Rodrigo Araújo Alves. Setembro 2007. CI0709 O processo de internacionalização de escolas de negócios: o caso da Fundação Dom Cabral Ricardo Dias Pimenta, Roberto Gonzalez Duarte. Setembro 2007. CI0710 The impact of channel governance forms on the selection of channel performance measures. Áurea Puga Ribeiro, Thomas G. Brashear, Virgínia Izabel de Oliveira, Ieda Lima Pereira. Setembro 2007. CI0711 A análise de dados qualitativos na prática: grounded theory e o software NVivo 7. Samir Lotfi Vaz. Setembro 2007. CI0712 Trends in business-to-business relationships: a comparative study. Áurea Helena Puga Ribeiro, Plínio Rafael Monteiro, Cinthya Brito Carvalho, Rodrigo Araújo Alves. Setembro 2007. CI0713 Análise da utilidade do endividamento das empresas alimentícias em termos de rentabilidade do capital próprio. Annévia Palhares Vieira Diniz Oliveira, José Antônio de Sousa Neto. Setembro de 2007. CI0714 As redes interorganizacionais para inovação no Sistema Financeiro Nacional: uma discussão a partir da literatura. Rosiléia Milagres, Hérica Morais Righi , Vanessa Parreiras Oliveira. Setembro 2007. CI0715 As redes interorganizacionais para inovação no Sistema Financeiro Nacional: uma discussão a partir da literatura. Alessandro Caldeira Pereira, José Antônio de Sousa Neto, Luciano de Castro Garcia leão. Setembro 2007. CI0716 O papel de um centro de informações no processo de gestão do conhecimento de uma escola de negócios um estudo de caso. Maria Bernadette Amâncio de Sá Alves, Jorge Tadeu de Ramos Neves. Novembro 2007.