Pesquisa, orientação profissional e iniciacao cientifica modulo iii
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Pesquisa, orientação profissional e iniciacao cientifica modulo iii

on

  • 1,164 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,164
Views on SlideShare
977
Embed Views
187

Actions

Likes
0
Downloads
16
Comments
0

3 Embeds 187

http://proejarioreal.blogspot.com.br 181
http://proejarioreal.blogspot.com 4
http://proejarioreal.blogspot.pt 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Pesquisa, orientação profissional e iniciacao cientifica modulo iii Pesquisa, orientação profissional e iniciacao cientifica modulo iii Document Transcript

  • 1 PROFESSOR(A):________________________________________
  • 2 ESTUDO E PESQUISA NA BIBLIOTECA Apesar de não ser o responsável pela organização das prateleiras, cabe ao professor conhecer a variedade de títulos e materiais disponível nas bibliotecas escolares para, como um planejamento eficiente e estratégias pensadas, enriquecer o ensino dos conteúdos curriculares. "O docente deve procurar saber quais são as possibilidades para a sua disciplina. Essa etapa vai facilitar a discussão sobre o formato e o papel das atividades", afirma Lucila Martínez, especialista que implementou políticas da área para governos latino-americanos pela Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco). Segundo ela, com a correta utilização das obras, é possível expandir o conhecimento da turma e ampliar os horizontes dos estudantes, que sentirão necessidade de acessar outras estações, como bibliotecas públicas. "Também é possível valorizar a produção própria dos alunos, que vão ser representados entre os autores tradicionais, e estimular a leitura pelo prazer, em rodas de leitura, por exemplo", complementa a especialista. Pesquisas feitas pelo governo federal nos últimos anos já detectaram uma relação clara entre o uso frequente do espaço e o bom desempenho dos estudantes. "A biblioteca escolar bem utilizada funciona como uma potente ferramenta para o desenvolvimento do aluno, de sua autonomia intelectual e também do processo de ensino e aprendizagem", afirma Marcelo Soares, diretor de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e de Tecnologias para a Educação Básica, do Ministério da Educação (MEC). Por meio de livros, mas também de revistas, mapas, atlas e materiais multimídia, o educador de todas as disciplinas pode ampliar a bagagem das crianças, ensinar e fazê-las tomar gosto pelo conhecimento e pela leitura. Confira, a seguir, as seis estratégias fundamentais para utilizar a biblioteca escolar de forma mais eficaz com a turma. Educação, cultura e informação Educação engloba os processos de ensinar e aprender. É um fenômeno observado em qualquer sociedade e nos grupos constitutivos destas, responsável pela sua manutenção e perpetuação a partir da transposição, às gerações que se seguem, dos modos culturais de ser, estar e agir necessários à convivência e ao ajustamento de um membro no seu grupo ou sociedade. Enquanto processo de sociabilização, a educação é exercida nos diversos espaços de convívio social, seja para a adequação do indivíduo à sociedade, do indivíduo ao grupo ou dos grupos à sociedade. Nesse sentido, educação coincide com os conceitos de socialização e endoculturação, mas não se resume a estes. Nivel de alfabetização pelo planeta inteiro: veja as desigualdades do sistema de ensino em cada região do mundo, ampliando a imagem.
  • 3 A prática educativa formal — que ocorre nos espaços escolarizados, que sejam da Educação Infantil à Pós Graduação — dá-se de forma intencional e com objetivos determinados, como no caso das escolas. No caso específico da educação formal exercida na escola, pode ser definida como Educação Escolar. No caso específico da educação exercida para a utilização dos recursos técnicos e tecnológicos e dos instrumentos e ferramentas de uma determinada comunidade, dá-se o nome de Educação Tecnológica. A educação sofre mudanças, das mais simples às mais radicais, de acordo com o grupo ao qual ela se aplica, e se ajusta a forma considerada padrão na sociedade. Mas, acontece também no dia-a-dia, na informalidade, no cotidiano do cidadão. Nesse caso sendo ela informal. Cultura (do latim colere, que significa cultivar) é um conceito de várias acepções, sendo a mais corrente a definição genérica formulada por Edward B. Tylor, segundo a qual cultura é “aquele todo complexo que inclui o conhecimento, as crenças, a arte, a moral, a lei, os costumes e todos os outros hábitos e capacidades adquiridos pelo homem como membro da sociedade”. Em Roma, na língua latina, seu antepassado etimológico tinha o sentido de “agricultura” (significado que a palavra mantém ainda hoje em determinados contextos), como empregado por Varrão, por exemplo.2 Cultura é também associada, comumente, a altas formas de manifestação artística e/ou técnica da humanidade, como a música erudita europeia (o termo alemão “Kultur” – cultura – se aproxima mais desta definição). Definições de cultura foram realizadas por Ralph Linton, Leslie White, Clifford Geertz, Franz Boas, Malinowski e outros cientistas sociais. Em um estudo aprofundado, Alfred Kroeber e Clyde Kluckhohn encontraram pelo menos 167 definições diferentes para o termo cultura. Por ter sido fortemente associada ao conceito de civilização no século XVIII, a cultura muitas vezes se confunde com noções de: desenvolvimento, educação, bons costumes, etiqueta e comportamentos de elite. Essa confusão entre cultura e civilização foi comum, sobretudo, na França e na Inglaterra dos séculos XVIII e XIX, onde cultura se referia a um ideal de elite.3 Ela possibilitou o surgimento da dicotomia (e, eventualmente, hierarquização) entre “cultura erudita” e “cultura popular”, melhor representada nos textos de Matthew Arnold, ainda fortemente presente no imaginário das sociedades ocidentais. Informação é o resultado do processamento, manipulação e organização de dados, de tal forma que represente uma modificação (quantitativa ou qualitativa) no conhecimento do sistema (pessoa, animal ou máquina) que a recebe. Informação enquanto conceito carrega uma diversidade de significados, do uso quotidiano ao técnico. Genericamente, o conceito de informação está intimamente ligado às noções de restrição, comunicação, controle, dados, forma, instrução, conhecimento, significado, estímulo, padrão, percepção e representação de conhecimento.
  • 4 É comum nos dias de hoje ouvir-se falar sobre a Era da Informação, o advento da "Era do Conhecimento" ou sociedade do conhecimento. Como a sociedade da informação, a tecnologia da informação, a ciência da informação e a ciência da computação em informática são assuntos e ciências recorrentes na atualidade, a palavra "informação" é frequentemente utilizada sem muita consideração pelos vários significados que adquiriu ao longo do tempo. De acordo com o Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa, informação vem do latim informatio,onis, ("delinear, conceber ideia"), ou seja, dar forma ou moldar na mente, como em educação, instrução ou treinamento. A palavra do grego antigo para forma era μορφή (morphe; cf. morfo) e também εἶδος (eidos) "tipo, ideia, forma, 'aquilo que se vê', configuração", a última palavra foi usada famosamente em um sentido filosófico técnico por Platão (e mais tarde Aristóteles) para denotar a identidade ideal ou essência de algo (ver Teoria das ideias). "Eidos" também podem ser associados com pensamento, proposição ou mesmo conceito. De acordo com o Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa, informação vem do latim informatio,onis, ("delinear, conceber ideia"), ou seja, dar forma ou moldar na mente, como em educação, instrução ou treinamento. A palavra do grego antigo para forma era μορφή (morphe; cf. morfo) e também εἶδος (eidos) "tipo, ideia, forma, 'aquilo que se vê', configuração", a última palavra foi usada famosamente em um sentido filosófico técnico por Platão (e mais tarde Aristóteles) para denotar a identidade ideal ou essência de algo (ver Teoria das ideias). "Eidos" também podem ser associados com pensamento, proposição ou mesmo conceito. Como utulizar a biblioteca: é aberta ao público em geral para consultas e pesquisas, sendo que a retirada de materiais é permitida apenas para alunos e usuários residentes na Cidade de São Paulo. Para utilizar a biblioteca basta associar-se. Hábito de leitura e pesquisa: refere-se à frequência em que um indivíduo lê, principalmente livros e jornais, embora o termo seja mais amplo e inclua qualquer espécie de leitura. Pode-se dizer que existem três objetivos básicos para aquele que cultiva o hábito de ler, a saber ler por prazer, para estudar ou para se informar,1 mostrando, assim, que não se vincula somente a um objetivo geral de educação mas também às vontades e ambições individuais de cada um. Nos dias atuais, no entanto, o termo também é marcadamente ligado à questões como o alfabetismo e a educação de crianças. A leitura frequente auxilia no conhecimento de novas ideias, palavras, expressões, é capaz de corrigir conceitos pré-determinados, ajudando, assim, o leitor a viajar por
  • 5 ambientes vastos como a gramática, a literatura, etc., embora o termo "hábito de leitura" ou "hábito de ler" não se referia somente a um hábito frequente; isso significa que o termo pode ser utilizado também àquele homem que cultiva o hábito de ler somente um jornal de manhã, por exemplo, ou um adolescente que leia regularmente, ou raramente, e assim por diante, sendo um termo neutro. De qualquer forma a leitura diversificada amplica o vocabulário e a capacidade de argumentação. O acervo bibliográfico: conhecimento e preservação Biblioteca Nacional (2009) entende a preservação como sendo “todas as ações que se fonteinam a salvaguardar e a recuperar as condições físicas dos suportes que contém informações, com vistas à permanência [das] fontes materiais para as futuras gerações”, acrescentando que esta “é o ‘guarda – chuva’, sob o qual se ‘abrigam’ a conservação preventiva, a conservação reparadora e a restauração”. Atividades do processo de preservação Conservação preventiva Conservação preventiva é o estudo e o controle das principais fontes de degradação do acervo. Para evitar disseminação dos efeitos da degradação, deve-se tomar medidas preventivas contra essas ações. Os três principais agentes de destruição de acervos, são: os fatores internos; fatores externos; ação do homem sobre o acervo. Conservação reparadora Procedimento simples destinado ao tratamento do livro como remendos e reparos em geral que sejam necessários ao resgate estrutural das partes danificadas, como rasgos nas folhas ou capas; perda do suporte das folhas ou capas; lombadas rasgadas ou danificadas; capas separadas do corpo do livro e folhas dobradas, vincadas que necessitam reforços para evitar rasgos. Elemento fundamental de atenção na mediada em que as ações se realizarão diretamente na obra a ser preservada: manuseio dos livros e documentos em geral; reprodução do acervo; transferência do suporte* *microfilmagem, digitalização e fotografia. De acordo com Boito (2003) “o termo conservação refere-se a toda ação estabilizadora que visa desacelerar ou interromper o processo de degradação”. De modo semelhante, a Biblioteca Nacional (c2009) enxerga “a conservação como um conjunto de procedimentos que tem por objetivo melhorar o estado físico do suporte, aumentar sua permanência e prolongar-lhe a vida útil, possibilitando [dessa maneira] o seu acesso por parte das futuras gerações”. Etapas do processo de conservação O trabalho de conservação deverá se acontecer de forma continua obedecendo ao seguinte processo: Limpeza página a página, utilizando, para tanto, material adequado; Acondicionamento dos itens do acervo em caixas-boxe, quando necessário; Diagnóstico da obra (descrição pormenorizada de marcas que indiquem a condição de obra rara, como assinaturas, dedicatórias, exlíbris, carimbos entre outros)
  • 6 Amarrar com cadarço, quando necessário; Restauração Para Boito (2003) “o termo restauração refere-se a ações que visam reter danos físicos e químicos, possibilitando a recuperação e restituindo a funcionalidade dos documentos deteriorados”. Para a Biblioteca Nacional (2009) o processo de restauração consiste em “um conjunto de procedimentos que visa recuperar, o máximo possível, o seu estado original”. Para tanto “são realizadas intervenções de tratamento individual por peça” (BN, 2009). Proteção para a cabeça Entre os equipamentos usados para proteger a cabeça, podemos destacar: Óculos de segurança ou óculos de proteção Os óculos de segurança precisam ser de qualidade comprovada, garantindo proteção contra a contaminação de substâncias poluentes, evitando doenças como conjuntivite, irritações oculares e alergias. Deve-se proporcionar ao profissional uma visão transparente, sem distorções ou opacidade. Proteção respiratória (máscara) As máscaras semi-faciais, descartáveis, são leves e oferecem proteção ao rosto do funcionário e não causam irritação. Os tipos mais simples dessas máscaras destinam-se exclusivamente a reter poeira, devendo ser descartadas após o dia de trabalho. Nenhum tipo de manutenção ou reparo deve ser realizado: a própria peça facial é filtrante. Deve ser trocada sempre que se encontrar saturada, perfurada, rasgada, com elástico solto ou rompido, ou quando o usuário perceber o cheiro de poeira. É indicado para proteger o aparelho respiratório contra partículas nocivas suspensas no ar (poeira, vapores e partículas sólidas) evitando sérios problemas respiratórios. Existem vários modelos que oferecem praticidade e proteção. Contudo, depende do usuário escolher a que melhor se adaptar à sua necessidade. Toucas protetoras As toucas descartáveis são leves e de polipropileno “spum bonded”, material que oferece resistência e ventilação, seladas eletronicamente por ultra-som, com garantia de melhor acabamento. Seguem as normas internacionais de qualidade e segurança. Oferecem maior conforto, melhor ajuste, apresentam elástico especial em todo o perímetro da touca. É indicado para proteger a cabeça contra partículas suspensas no ar. O cabelo exposto absorve essas partículas que causam sérios danos à saúde do couro cabeludo e dos folículos pilosos de quem executa a higienização do acervo. Protetores para o tronco e os membros Avental ou jaleco O tipo mais comum de protetor para o tronco é o avental ou jaleco. Além dos tradicionais de tecido 100% algodão, existem produtos leves e confortáveis que são confeccionados em não- tecidos - 100% polipropileno ou sontara (55% polpa de celulose e 45% poliéster), fabricado pelo processo de filamentos contínuos consolidados por termo-soldagem, constituindo-se como elemento básico de maior confiabilidade para confecção de produtos descartáveis de proteção, por ser atóxico, anti-alérgico, permeável ao ar, não inflamável.
  • 7 Os aventais devem, preferencialmente, cobrir completamente as vestimentas, ou seja, serem fechados nas costas, compridos e terem mangas longas, protegendo o profissional contra dermatites e alergias. São indicados para proteger as roupas contra a sujidade na realização da higienização, oferecendo maior segurança, conforto e proteção ao corpo humano. Proteção dos membros superiores Luvas As luvas de látex para o procedimento são fabricadas para que sejam suficientemente resistentes de acordo com as normas internacionais. Elaboradas com látex natural, hipo-alérgica, para uso ambidestro, punhos longos com reforço para reduzir rupturas. São indicadas para proteção contra os microorganismos, que podem causar dermatites. Durante o trabalho, o funcionário munido de luvas não deve levar as mãos aos olhos, à boca ou ao nariz. Recomenda-se descartá-las a cada dia de trabalho, porque são produtos de uso único. Proteção dos membros inferiores (pés) Pró-pé/ botas O pro-pé é um acessório indicado para ser usado em ambientes especiais, como: sala de obras raras, museu e outros que o profissional julgar necessário. Com formato anatômico e confortável têm, por finalidade, evitar a entrada de partículas vindas do ambiente externo, trazidas nas solas dos sapatos, além de dar proteção para o profissional contra fluídos corporais. É indicado para proteção dos pés contra microorganismos em ambientes de muita contaminação, salas de depósito ou no caso de inundação.