2010 08 31_apimec mg_final

356 views
285 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
356
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
30
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

2010 08 31_apimec mg_final

  1. 1. Reunião com Investidores<br />Resultados 2T10<br />Belo Horizonte, 31 de agosto de 2010<br />
  2. 2. Agenda<br />1) A Companhia<br />2) Setorial<br />3) Destaques<br />4) Resultados 1S10<br />5) Perspectivas<br />2<br />
  3. 3. Visão<br />“ SERMOS MUNDIALMENTE RECONHECIDOS COMO O MELHOR FORNECEDOR DE NÃOTECIDOS”<br />3<br />
  4. 4. Estrutura Societária<br />27,5% das ações da Cia Providência, são negociadas no mercado;<br />A Cia tem como MarketMaker, o BTG Pactual;<br />Debêntures emitidas e classificadas na categoria “A” pela agência de Rating Standard & Poor’s.<br />Composição Acionária<br />4<br />
  5. 5. Estrutura Organizacional<br />Em junho de 2010:<br />Total Colaboradores: 641<br />Pouso Alegre: 61 funcionários; São José dos Pinhais: 580 <br />15% dos colaboradores na área administrativa e 85% na área operacional<br />5<br />
  6. 6. Estrutura Física - Brasil<br />Pouso Alegre - MG<br /> 1 linha de produção – 10 mil ton/ano<br />25 mil m2 de área construída em terreno de 75 mil m2<br />KAMI 10<br />Pouso Alegre – MG<br />KAMI 1 a 9<br />São José dos Pinhais - PR<br />São José dos Pinhais - PR<br />9 linhas de produção – 70 mil ton/ano<br />72 mil m2 de área construída em terreno de 189 mil m2<br />6<br />6<br />
  7. 7. Estrutura Física - EUA<br />Statesville – Carolina do Norte - EUA<br />1 linha de produção – 20 mil ton/ano<br />34mil m2 de área construída em terreno de 640 mil m2<br />Previsão de início: 1º semestre de 2011.<br />Mar/2010<br />7<br />Jun/2010<br />Ago/2010<br />
  8. 8. Agenda<br />1) A Companhia<br />2) Setorial<br />3) Destaques<br />4) Resultados 1S10<br />5) Perspectivas<br />8<br />
  9. 9. Papel<br />Nãotecido<br />Plástico<br />Tecido<br />O NãoTecido<br />Criado quando as tecnologias do papel, tecido e plástico foram combinadas para produzir novos tecidos e produtos com os atributos dos tecidos a custos significativamente mais baixos<br />Polipropileno é a principal matéria-prima<br />9<br />
  10. 10. Principais <br />Usos<br />Principais Clientes<br />Nãotecidos<br /><ul><li>Fabricante #1 de nãotecidos na América Latina
  11. 11. Marketsharede 51% no Brasil
  12. 12. Marketsharede 35% na América Latina, exceto Brasil
  13. 13. Fraldas
  14. 14. Absorventes femininos
  15. 15. Móveis e colchões
  16. 16. Produtos médicos descartáveis</li></ul>Mercado de Atuação<br />Em novembro de 2009, a Providência retomou o projeto de internacionalização, com a instalação de uma nova planta nos EUA, com capacidade instalada de 20 mil toneladas/ano. A entrada em operação da linha de produção está prevista para o primeiro semestre de 2011.<br />10<br />
  17. 17. Foco em Nãotecidos:<br />Indústrias de bens de consumo<br />A Providência está focada em produtos de alto valor agregado e elevado potencial de crescimento (higiene e descartáveis médicos)<br />Mix de Produtos – 06/2010<br /> (% da Receita Bruta de Nãotecidos)<br />Segmentação de Mercado<br />Margem Operacional<br />Cresci-mento Esperado<br />Tamanho do Mercado<br />Produto de Valor Agregado<br />  <br />Descartáveis<br />Médicos*<br />Doisdígitos<br />Alta<br />Pequeno<br /> <br />Higiene / Bens de Consumo*<br />Dois dígitos<br />Média<br />Grande<br /><br />Duráveis<br />Um dígito<br />Baixa<br />Médio<br />11<br />* Também exportados para Estados Unidos e América Latina<br />
  18. 18. MarketShare & Mercado de Fraldas<br />MarketShare Brasil(1S10 em toneladas)<br />MarketShare América do Sul, <br />excluindo Brasil (1S10, em toneladas)<br />Evolução da Penetração de Fraldas Infantis no Brasil<br />12<br />
  19. 19. Agenda<br />1) A Companhia<br />2) Setorial<br />3) Destaques<br />4) Resultados 1S10<br />5) Perspectivas<br />13<br />
  20. 20. Destaques<br /> Em abril de 2010, a Companhia obteve restituição de créditos tributários de IPI relativo ao exercício de 2008 e complemento da restituição do crédito relativo ao exercício de 2006, no montante de R$ 13 milhões;<br /> Recebimento de R$ 16,5 milhões do Programa Recovery Zone Facility Bond, criado pelo Governo Norte-Americano com o objetivo de financiar projetos de investimentos. Este benefício é destinado para as obras de construção civil da primeira planta da Companhia no exterior, na Cidade da Carolina do Norte – EUA, com prazo de pagamento de 20 anos;<br /> Ainda durante o 2T10, o CPV foi impactado pelo aumento de nossa principal matéria prima, o polipropileno, que subiu cerca de 14%, acumulando alta aproximada de 35% no 1º semestre de 2010. Esse aumento no preço do polipropileno é decorrente da restrição temporária da oferta do seu principal insumo, propeno, e do atraso na entrada em operação de novas plantas petroquímicas na Ásia. Ressaltamos que o efeito foi minimizado pelos itens de mão-de-obra direta, manutenção, energia elétrica e outros insumos.<br />14<br />
  21. 21. Agenda<br />1) A Companhia<br />2) Setorial<br />3) Destaques<br />4) Resultados 1S10<br />5) Perspectivas<br />15<br />
  22. 22. VOLUME DE VENDAS <br />(emmilhares de toneladas)<br />Crescimento de 21,7% no volume de nãotecidos quando comparado com o 2T09 e 5,3% em relação ao 1T10.<br />16<br />
  23. 23. RECEITA LÍQUIDA <br />DIVISÃO NÃOTECIDOS (em milhões de Reais)<br />Na comparação com o 2T09, registramos um aumento de R$ 21,9 milhões, equivalente a 23,6% e 13,2% quando comparado ao 1T10;<br />Os principais fatores para o aumento na receita líquida são o maior volume de vendas, realinhamento de preços e efeito câmbio.<br />17<br />
  24. 24. CPV<br />DIVISÃO DE NÃOTECIDOS<br /> O aumento em termos absolutos de 38,9% na comparação com o 2T09 e 14,1% com o 1T10, se deve, principalmente, ao maior volume de vendas e aumento do preço do polipropileno;<br /> O aumentono CPV unitário, se deve ao reajuste de nossa principal matéria-prima (Polipropileno), que variou cerca de 35% durante o 1º semestre de 2010. Contudo, os demais componentes do CPV (mão-de-obra direta, manutenção, energia elétrica e outros insumos), contribuíram positivamente para que os efeitos fossem minimizados.<br />18<br />
  25. 25. EBITDA (R$ milhões) <br />e MARGEM EBITDA (%) <br /> O Ebitda de Nãotecidosfechou o 2T10 , com um acréscimo de 9,2% ou R$ 2,1 milhões em relação ao 1T10 e uma redução de 0,8 p.p. na margem EBITDA.<br /> Na comparação com o 2T09, houve uma redução de R$ 2,2 milhões e 7,5 p.p. na margem EBITDA.<br />19<br />
  26. 26. LUCRO LÍQUIDO (R$ milhões) <br />E MARGEM LÍQUIDA (%)<br /> O aumento do lucro líquido no 2T10 x 1T10 deve-se ao aumento do volume de vendas, repasse de custos e menor despesas financeira.<br /> Em relação ao 2T09, as principais diferenças devem-se as despesas não recorrentes e variação cambial, que foi favorável no resultado financeiro.<br />20<br />
  27. 27. CAIXA E APLICAÇÕES FINANCEIRAS<br />(emmilhões de Reais)<br />O Caixa da Companhia reduziu 14,4% ou R$ 38,1 milhões, na comparação com o 1T10, principalmente em função de pagamento de principal e juros semestrais sobre a dívida, além de dividendos.<br />21<br />
  28. 28. DÍVIDA LÍQUIDA<br />(em milhões de Reais) <br />A Dívida Líquida da Companhia aumentou 5,9%, ou R$ 10,7 milhões, na comparação com o 2T09, tendo como destaque a captação dos recursos do programa Recovery Zone Facility Bond, no montante de R$ 16,5 milhões, para financiamento das obras de construção civil do projeto nos EUA;<br />67% do endividamento é baseado em moeda local e 33% em moeda estrangeira.<br />22<br />
  29. 29. Endividamento / Caixa<br />Dívida Líquida Consolidada<br />23<br />
  30. 30. Mercado de Capitais<br />Dividendos (R$ MM)<br />Pagamento de 50% do Lucro Líquido no exercício de 2009<br />PRVI3 X IBOVESPA<br />24<br />
  31. 31. Perspectivas<br /> Forte expectativa no 2º semestre de 2010 de manutenção da plena capacidade de produção, corroborada pelos pedidos já existentes para o 3T10;<br /> Ao final deste trimestre já percebemos estabilização nos preços de mercado de nossa principal matéria prima, o polipropileno, o que esperamos venha contribuir para melhoria de margens no próximo trimestre;<br /> O principal projeto de investimento da Companhia neste ano, a planta nos Estados Unidos, está sendo desenvolvido dentro do cronograma previsto, tanto do ponto de vista operacional quanto financeiro. O primeiro, dos cinco embarques programados ocorreu em julho e a montagem tem previsão de início durante o mês de agosto;<br /> A fábrica nos EUA fornecerá 10 mil toneladas/ano de nãotecidos a clientes atuais, para os quais a companhia exporta do Brasil. Além disso, aproximadamente 5 mil toneladas/ano estão com contratos pré-acordados para o início de operações da subsidiária. <br />25<br />
  32. 32. CEO: Hermínio V. S. de Freitas<br />CFO: Eduardo Feldmann Costa<br />RI : Gizele Rigoni<br />Tel: +55 (41) 3381-8673 <br />Fax: +55 (41) 3283-5909<br />São José dos Pinhais – PR<br />www.providencia.com.br/ri<br />www.twitter.com/providencia_ri<br />As palavras “acredita”, “antecipa”, “espera”, “estima”, “irá”, “planeja”, “pode”, “poderá”, “pretende”, “prevê”, “projeta”, entre outras palavras com significado semelhante, têm por objetivo identificar estimativas e projeções. Estimativas e projeções futuras envolvem incertezas, riscos e premissas, pois incluem informações relativas aos nossos resultados operacionais futuros possíveis ou presumidos, estratégia de negócios, planos de financiamento, posição competitiva no mercado, ambiente setorial, oportunidades de crescimento potenciais, efeitos de regulamentação futura e efeitos da competição. Devido aos riscos e incertezas descritos acima, os eventos estimados e futuros discutidos nesta apresentação podem não ocorrer e não são garantia de acontecimento futuro. A Providência não se obriga a atualizar essa apresentação mediante novas informações e/ou acontecimentos futuros.<br />26<br />

×