J.p. morgan 6th annual – brazil retail e healthcare check up

  • 484 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
484
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4

Actions

Shares
Downloads
5
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. J.P. Morgan 6th Annual – Brazil Retail & Healthcare Check UpAgosto, 2012
  • 2. Agenda Visão Geral – Magazine Luiza Destaques do 2T12 Indicadores Financeiros do 2T12 Indicadores Operacionais do 2T12 Expectativas para os Próximos Trimestres 2
  • 3. Visão Geral – Magazine LuizaLiderança de Mercado  Uma das maiores redes de bens duráveis do Brasil com 731 lojas − Receita Bruta de R$7,6 bilhões e EBITDA ajustado de R$346 em 2011 − Mais de 20 mil funcionários atendendo 30 milhões de clientesForte cultura corporativa com foco em pessoas e inovaçãoModelo multicanal ímpar sob uma única marca  Lojas físicas, virtuais e websiteFoco na classe de renda que mais cresce no Brasil  Classe C representa 53% da população brasileira ou 102 milhões de habitantesHistória bem sucedida de crescimento orgânico e aquisições 8 aquisições nos últimos 10 anos e, recentemente, a aquisição da Lojas Maia  Julho 2011, conclusão da aquisição de 121 lojas do Baú da FelicidadePioneirismo no segmento de Serviços Financeiros no varejo Primeira rede de varejo a formar JVs com instituições financeiras focadas no crédito ao consumoDisciplina financeira com foco em resultados 3
  • 4. Comprovado histórico de forte crescimento orgânico e sucesso em aquisições, mesmo em momentos de crises econômicas18 90016 728 70014 604 Madol, Killar12 444 455 500 391 Baú:10 Lojas Líder 351 346 + 104 lojas Rede Wanel 253 Nordeste: 300 8 174 +136 lojas 7,1 111 127 São Paulo (Capital): 6 96 +46 lojas 5,3 100 Santa Catarina: Rio Grande Sul +51 lojas +100 lojas 3,8 4 Interior de SP: Campinas: 3,2 +5 lojas +20 lojas 2,2 2,6 -100 1,4 1,9 2 0,9 0,5 0,6 0,7 0 -300 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Receita Bruta das Operações de Varejo (R$ bilhões) Número Total de Lojas 4
  • 5. Ampla presença geográfica com destaque para a região nordeste Presença geográfica Evolução da Receita Bruta – Nordeste R$ MM 731 lojas 992,1 52% Cabedelo Simões Filho 651,8 Ribeirão Preto Contagem 31% Ibiporã Loureira Navegantes % de lojas por região Caxias Sul 30% 24% Sudeste 48% 20% 2% Nordeste Centro-Oeste 2010 2011Estados com Lojas Centro de Distribuição (8) 5
  • 6. Foco no melhor mix de produtos...Mix% das vendas, 2011 Outros 10% Eletrodomésticos Móveis e Cozinha 31% 15% 20% Tecnologia 24% Som e Imagem 6
  • 7. Modelo de Negócio ÚnicoPosicionamento diferenciado para capturar o crescimento do setor 1 Forte cultura corporativa, centrada na valorização das pessoas 2 Plataforma de vendas integrada por meio da multi- canalidade Ampla base de clientes, com gestão de relacionamento 3 voltada para fidelização e retenção 4 Portfólio amplo e competitivo de serviços e produtos financeiros 7
  • 8. Estrutura Corporativa 100% 40,55% 50% 100% 100% 3 1 3 2 9,45%(1) JV com Itaú Unibanco(2) JV com Cardif(3) Integrações de ambas empresas concluídas 8
  • 9. Estrutura societária Pré – IPO Pós – IPO 12,4% 6,7% 29,7% 5,6% 2,5% 60,6% 2,7% 75,4% 4,5% 150.000.000 ações 186.494.467 ações LTD Administração e Part. S.A.LTD Administração e Part. S.A. Wagner Garcia Part. S.A.Wagner Garcia Part. S.A. Membros da FamíliaMembros da Família Capital Int’l Inc. (Private Equity Fund)Capital Int’l Inc. (Private Equity Fund) Free Float 9
  • 10. Forte cultura corporativa e modelo de vendas que é apoiado por equipes motivadas Importância de atendimento e crédito na 14 anos entre as melhores empresas para decisão de compra se trabalhar Marcas oferecidas Outros Pontualidade de 7,1% Entrega 4,5%Variedade de 3,2% Produto Preço 8,4% 39,8%  Comunicação: TV Luiza, Rádio Luiza, Rito  Transparência: Informações gerenciais e alinhamento freqüente - P&L mensal das lojas disponível 37,0%  Empowerment: Vendedores e gerentes tem flexibilidade Atendimento/ para negociar condições de venda Crédito  Remuneração: sobre lucro bruto e qualidade do crédito concedido 10
  • 11. Classificada como a 23º marca mais valiosa do Brasil Ranking publicado pela revista Isto é Dinheiro – Maio de 2012 1. Petrobras 5 2. Bradesco 3. Itaú primeiras 4. SKOL mais valiosas 5. Banco do Brasil 6. Natura 11. Vivo 16. OI 7. Brahma 12. Perdigão 17. Casas Bahia 6 – 20 mais valiosas 8. Vale 13. Lojas Americanas 18. Totvs 9. Sadia 14. Bohemia 19. TAM 10. Antartica 15. Ipiranga 20. Cielo 21. Multiplus 26. Net 31. Iguatemi 22. Porto Seguro 27. Extra 32. Odontoprev 21 – 35 mais valiosas 23. Magazine Luiza 28. BM&F 33. Pão de Açúcar 24. GOL 29. Banrisul 34. União 25. Redecard 30. Hering 35. Embratel 36. Anhanguera 41. Durafloor 46. Havaianas 37. Amil 42. Arezzo 47. Deca 38. Lojas Renner 48. PDG 36 – 50 marcas mais valiosas 39. MRV 43. Gerdau 44. Drogasil 49. Localiza 40. Marisa 45. Swift 50. Riachuelo Valor da marca do Magazine Luiza: 479 milhões de dólares1) Fonte: Ranking Istoé Dinheiro, Milward Brown/Brandanalytics 11
  • 12. TOP 10 em atendimento ao consumidor Ranking publicado pela revista Exame – Agosto de 20121) Source: Ranking Exame, Instituto Ibero-Brasileiro de Relacionamento com o Cliente (IBRC) 12
  • 13.  Visão Geral – Magazine Luiza Destaques do 2T12 Indicadores Financeiros do 2T12 Indicadores Operacionais do 2T12 Expectativas para os Próximos Trimestres 13
  • 14. Destaques do 2T12 Iniciativas e Conquistas Impactos nos Resultados Crescimento expressivo em vendas versus 2T11  Expansão e Investimentos em infraestrutura • 21,6% de crescimento nas vendas • Investimentos totais: R$35,1 milhões • 13,0% de crescimento mesmas lojas • Abertura de 1 nova loja convencional no NE o 45,0% de crescimento da Internet • Reformas de lojas o 9,0% de crescimento mesmas lojas físicas • Investimentos em TI e Logística (conclusão da expansão do CD de Louveira) Crescimento sustentável • Evolução da margem bruta consolidada – 33,5% da  Despesas extraordinárias de integração: receita líquida • Total de R$3,3 milhões (em linha com o previsto) o Aumento de 0,7pp em relação ao 2T11 o Aumento de 1,7pp em relação ao 1T12  Resultados da Luizacred • Disciplina financeira (vendas sem juros limitadas) • Melhoria dos indicadores de atraso • Taxa de aprovação conservadora • Manutenção do conservadorismo o Redução da taxa de aprovação de crédito Continuidade do processo de integração da Maia o Provisões robustas • Incorporação societária – 30 abr. • Participação no programa de redução de custos • Integração sistêmica – início 2T12  Resultados do Magazine Luiza Racionalização dos custos e despesas • Resultados em linha com o projetado, apesar do • Programa de racionalização de custos e despesas – crescimento da economia abaixo das expectativas foco principal da Companhia em 2012 o Crescimento sustentável • Redução de 0,6pp nas despesas com vendas, gerais e o Programa de racionalização de custos administrativas do segmento de varejo • Resultados positivos tanto no varejo como no o 24,7% da receita líquida versus 25,3% no 2T11 consolidado 14
  • 15.  Visão Geral – Magazine Luiza Destaques do 2T12 Indicadores Financeiros do 2T12 Indicadores Operacionais do 2T12 Expectativas para os Próximos Trimestres 15
  • 16. Evolução da Receita Bruta (R$ bilhões) Varejo Considerações 25,0% 19,7% 22,3% • Evolução de 19,7% da receita bruta do varejo versus o 2T11 e crescimento de 13,0% no conceito mesmas lojas, impulsionado por: 2,0 — Maturação das Lojas 1,6 — Aumento de produtividade das lojas 3,9 reformadas 3,2 2,0 — Crescimento acelerado da região Nordeste1,6 (R$301 milhões – 15,4% das vendas)1T11 2T11 1S11 1T12 2T12 1S12 • Evolução de 22,3% da receita bruta do varejo versus o 1S11 Total Consolidado • Crescimento de 21,6% da receita bruta 25,7% 21,6% 23,6% consolidada versus o 2T11: — Crescimento na receita do segmento de 2,1 financiamento ao consumo de 44,5% (influenciado pela receita de serviços, CDC 1,7 4,3 e pelo empréstimo pessoal que passou a 3,4 ser contabilizado na Luizacred)1,7 2,11,1 • Aumento do número de lojas – de 613 no final de 2T11 para 731 lojas no final do 2T121T11 2T11 1S11 1T12 2T12 1S12Crescimento vs o mesmo trimestre do ano anterior Crescimento vs o mesmo semestre do ano anterior 16
  • 17. Evolução da Receita Bruta – Internet (R$ milhões) Internet Considerações 42,8% 45,0% 43,9% • Crescimento de 45,0% no 2T12 versus 2T11 e 43,9% versus 1S11 impulsionado por: — Aumento do mix de produto — Inovações em conteúdo 263,5 — Abordagem multicanal: compartilhamento da infra-estrutura dos outros canais 181,7 512,0 355,7 248,5174,01T11 2T11 1S11 1T12 2T12 1S12 Crescimento vs o mesmo trimestre do ano anterior Crescimento vs o mesmo semestre do ano anterior 17
  • 18. Evolução da Receita Líquida e Lucro Bruto (R$ bilhões)Receita Líquida - Consolidada Considerações 27,5% 22,3% 24,9% • Forte crescimento devido ao avanço da receita bruta (segmento de varejo e financiamento ao consumo) 1,8 1,5 • Crescimento da receita líquida acima da receita 3,6 2,9 bruta – aumento de produtos sujeitos a 1,8 substituição tributária (contabilizada no CMV)1,41T11 2T11 1S11 1T12 2T12 1S12 Lucro Bruto - Consolidado Considerações 22,4% 25,0% 23,7% • Melhora de 0,7% na margem bruta do 2T12 versus o 2T11 e de 1,7% versus 1T12 devido a: — Aumento na margem da Luizacred 0,6 — Leve redução na margem do varejo (maior 0,5 1,2 participação da internet, processo de 1,0 integração da Loja Maia e ajuste AVP)0,5 0,61T11 2T11 1S11 1T12 2T12 1S12 • Margem bruta no Nordeste: evoluiu de 21,2% no 1T12 para 25,0% no 2T1233,2% 32,8% 33,0% 31,8% 33,5% 32,7% Crescimento vs o mesmo trimestre do ano anterior Crescimento vs o mesmo semestre do ano anterior Margem Bruta (%) 18
  • 19. Despesas Operacionais – Consolidado Despesas Operacionais (R$ MM) Considerações • Redução de 0,5% nas Despesas-26,0% -3,6% 1,7% -27,9% -25,5% -4,9% 0,9% -29,5% Administrativas e com Vendas versus 2T11: 88,4 16,1 — Ajustes nas despesas de lojas com o 531,3 objetivo de aumentar a 459,0 produtividade 52,7 24,3 — Início da captura das sinergias com 410,7 integração do escritório das lojas do382,4 Baú e racionalização de despesas • PDD: — Provisões robustas (conservadorismo da Luizacred) • Outras Despesas (Receitas) Operacionais:Adm. e PDD Outras Total Adm. e PDD Outras Total — Detalhamento no próximo slideVendas Despesas Vendas Despesas (Receitas) (Receitas) Ops. Ops. 2T11 2T12 % Rec. Líquida 19
  • 20. Outras Despesas (Receitas) Operacionais – Consolidado Outras Despesas (Receitas) Operacionais (R$ MM) Considerações • Outras Despesas (Receitas) Operacionais: — Receita Diferida: 5,5 24,3 o Redução na apropriação de 17,5 receitas diferidas (método linear) 12,4 o No 2T12, outras receitas diferidas de R$18,0 milhões (R$10,5 milhões no varejo e R$7,5 milhões na Luizacred) – renovação doApropriação Desp. de Oper. de Desp. com Outros Total de Receita Integração crédito "chipagem" Acordo com a Cardif Diferida de Rede pessoal de cartões — Despesas extraordinárias com o processo de integração das redes de 23,8 R$3,3 milhões 3,3 4,1 5,4 3,2 16,1 — Alteração na contabilização do empréstimo pessoal, que passou a ser contabilizado no resultado da intermediação financeira da Luizacred, reduzindo a receita deApropriação Desp. de Oper. de Desp. com Outros Total profit sharing de R$17,5 milhões de Receita Integração crédito "chipagem" para R$4,1 milhões Diferida de Rede pessoal de cartões — Despesas com “chipagem” de cartões de crédito no valor de R$5,4 2T11 2T12 milhões no 2T12. 20
  • 21. Evolução do EBITDA e EBITDA Ajustado (R$ milhões) EBITDA Considerações • EBITDA impactado por: 71,9 — Crescimento de vendas e de margem bruta 155,9 — Custos, receitas e despesas84,0 71,9 81,2 extraordinárias — Aumento das provisões para perdas em 9,3 crédito de liquidação duvidosa1T11 2T11 1S11 1T12 2T12 1S125,9% 4,9% 5,4% 0,5% 4,0% 2,3% EBITDA Ajustado 2T11 2T12 4,9% 4,5% 4,0% 4,1%71,9 66,5 0,0 0,0 5,4 71,9 3,3 8,8 74,0 7,5Atual Custos Despesas Receitas EBITDA Atual Custos Despesas Receitas EBITDA Extraord. Extraord. Diferidas Ajustado Extraord. Extraord. Diferidas Ajustado Margem EBITDA (%) 21
  • 22. Despesas Financeiras – Consolidado Despesas Financeiras (R$ MM) Considerações • Resultado Financeiro: -2,9% -2,5% — Redução de 2,9% no 2T11 para 2,5% da receita líquida no 2T12: 45,4 o Impactado positivamente pela 42,4 redução do CDI o Parcialmente compensado pelo aumento da necessidade de capital de giro no período o Alteração na estimativa da taxa de desconto aplicada para o ajuste a valor presente (AVP) das operações de garantia estendida o Alteração no critério de apropriação do custo das antecipações de recebíveis de cartão de crédito de terceiros, que passou a ser reconhecido na 2T11 2T12 data da operação de desconto Despesas Financeiras % Rec. Líquida 22
  • 23. Lucro Líquido e Lucro Líquido Ajustado (R$ milhões) Lucro Líquido Considerações 4,6 21,9 • Lucro líquido impactado por: 12,3 16,9 — Custos, receitas e despesas extraordinárias 18,8 — Alteração do critério de apropriação de juros sobre operações de desconto de 40,7 recebíveis — Alterações de práticas contábeis no resultado financeiro 1T11 2T11 1S11 1T12 2T12 1S12 — Créditos tributários não recorrentes 0,9% 0,3% 0,6% -2,3% 1,2% -0,5% Lucro Líquido Ajustado 0,3% 2T11 0,1% 1,2% 2T12 0,5% 4,6 4,3 20,7 21,9 2,1 10,6 5,4 1,0 9,5 0,0 0,0 1,8 Lucro Resultado Resultado IR/CS Créditos Lucro Lucro Resultado Resultado IR/CS Créditos LucroLíquido Ops. Extr. Fin.. Extr. Extraord. Tributários Ajustado Líquido Ops. Extr. Fin.. Extr. Extraord. Tributários Ajustado Margem Líquida (%) 23
  • 24. Investimentos (R$ milhões) Investimentos Considerações 97,6 • Reformas de lojas • Lojas novas (inauguradas e a inaugurar) 25,1 – inauguração de 1 loja nova convencional no Nordeste no 2T12 • Outros investimentos incluem a 50,2 37,8 conclusão da ampliação do centro de 7,5 43,2 distribuição de Louveira e outros 40,0 investimentos em logística, no total de 6,5 35,1 7,5 R$9,6 milhões no 2T12. 19,3 5,8 11,0 5,1 15,1 8,1 7,3 3,9 11,8 28,9 15,4 18,4 18,0 11,5 1,9 2T11 3T11 4T11 1T12 2T12Lojas Novas Reformas Tecnologia Outros 24
  • 25.  Visão Geral – Magazine Luiza Destaques do 2T12 Indicadores Financeiros do 2T12 Indicadores Operacionais do 2T12 Expectativas para os Próximos Trimestres 25
  • 26. Desempenho Operacional – Lojas Evolução do Número de Lojas (qte) Crescimento das Vendas Mesmas Lojas (%) 39,4% + 118 lojas 730 731 14,4% 19,7% 728 11,3% 684 1 1 1 9,0% 13,0% 1 103 106 106613 69 1 2T11 2T12 69 Crescimento das Vendas Mesmas Lojas Físicas Crescimento das Vendas Mesmas Lojas (incluindo e-commerce) Crescimento das Vendas Totais do Varejo 614 624 623 624543 Idade Média das Lojas Até 1 ano 114 158 De 1 a 2 anos 4532T11 3T11 4T11 1T12 2T12 Acima de 3 anos 6Lojas Virtuais Lojas Convencionais De 2 a 3 anos 26
  • 27. Desempenho Operacional – Luizacred Mix de Vendas Financiadas (%) Faturamento Luizacred (R$ MM) +21,5% 2.085 100% 100% 45 1.716 293 23% 28% 71 150 30% 32% 1.297 923 11% 18% 37% 22% 572 450 2T11 2T12 2T11 2T12Venda à vista/Entrada CDC Empréstimo Pessoal Cartão Luiza Fora - BandeiraCartão de Terceiros Cartão Luiza CDC Cartão Luiza Dentro 27
  • 28. Desempenho Operacional – Composição da carteiraBase de Cartões Luiza (MM de cartões) Composição da carteira (R$ MM) +29% 3.442 126 4,4 4,3 4,2 4,24,0 661 2.668 376 2.655 2.2922T11 3T11 4T11 1T12 2T12 2T11 2T12 Carteira Empréstimo Pessoal Carteira Cartão Carteira CDC 28
  • 29. Carteira da Luizacred (% da carteira) Visão Atraso Considerações20% 19,2% • De forma oposta ao observado no 17,7% 17,4% mercado, melhoria nos indicadores de 16,8% atraso da carteira da Luizacred, tanto na 15,9% carteira de atraso de 15 a 90 dias como 13,6% maior a 90 dias devido a: 12,5% 12,4% 12,7% 11,6% — Conservadorismo na taxa de10% aprovação de crédito — Controle constante de 6,7% inadimplência por loja 4,1% 4,4% 4,7% 4,3% • Aumento do índice de cobertura no 2T12 • Provisões deverão ser menores Jun-11 Set-11 Dez-11 Mar-12 Jun-12 proporcionalmente no 2S12 112% 111% 114% 111% 117% Atraso de 15 a 90 dias Atraso maior a 90 dias Atraso Total Índice de cobertura(%) 29
  • 30.  Visão Geral – Magazine Luiza Destaques do 2T12 Indicadores Financeiros do 2T12 Indicadores Operacionais do 2T12 Expectativas para os Próximos Trimestres 30
  • 31. Expectativas para os próximos trimestres1 3 Crescimento de Vendas Investimentos Crescimento consistente:  Investimentos em tecnologia, logística e reforma de • Maturação das lojas novas lojas – incluindo a mudança da marca Lojas Maia para • Crescimento das lojas do Nordeste Magazine Luiza • Internet  A Companhia prevê a abertura orgânica de mais 17 • Melhor desempenho da economia, lojas no 2S12, sendo 10 lojas na região Nordeste principalmente no último trimestre do ano2 4 Processo de Integração da Lojas Maia Resultados Integração sistêmica – finalização em out/12  Continuidade do programa de racionalização de Gestão totalmente integrada – 2013 custos e despesas • Diluição de despesas administrativas e de  Captura de sinergias da integração do Baú e Maia logística  Melhores indicadores de produtividade e resultados • Benefícios na gestão de capital de giro e de positivos para 2012 preços – aumento da margem bruta 31
  • 32. Relações com Investidores ri@magazineluiza.com.br www.magazineluiza.com.br/riAviso LegalAs afirmações contidas neste documento relacionadas a perspectivas sobre os negócios, projeções sobre resultados operacionais e financeiros e aquelas relacionadasa perspectivas de crescimento do Magazine Luiza são meramente projeções e, como tais, são baseadas exclusivamente nas expectativas da diretoria sobre o futuro dosnegócios. Essas expectativas dependem, substancialmente, das aprovações e licenças necessárias para homologação dos projetos, condições de mercado, dodesempenho da economia brasileira, do setor e dos mercados internacionais e, portanto, sujeitas a mudanças sem aviso prévio. O presente documento pode incluirdados contábeis e não contábeis tais como, operacionais, financeiros pro forma e projeções com base na expectativa da Administração da Companhia. Os dados nãocontábeis não foram objeto de revisão por parte dos auditores independentes da Companhia. 32