• Save
TCC: Discussão e Conclusões - Profa. Rilva Muñoz
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

TCC: Discussão e Conclusões - Profa. Rilva Muñoz

on

  • 59,067 views

 

Statistics

Views

Total Views
59,067
Views on SlideShare
56,736
Embed Views
2,331

Actions

Likes
12
Downloads
0
Comments
6

15 Embeds 2,331

http://semiologiamedica.blogspot.com.br 2144
http://semiologiamedica.blogspot.com 83
http://semiologiamedica.blogspot.pt 75
http://www.semiologiamedica.blogspot.com.br 10
http://semiologiamedica.blogspot.fr 3
http://semiologiamedica.blogspot.ch 3
https://www.facebook.com 2
http://semiologiamedica.blogspot.de 2
http://semiologiamedica.blogspot.ru 2
http://semiologiamedica.blogspot.com.es 2
http://semiologiamedica.blogspot.cz 1
http://semiologiamedica.blogspot.ro 1
http://semiologiamedica.blogspot.com.ar 1
http://semiologiamedica.blogspot.jp 1
http://www.google.com.br 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

15 of 6 Post a comment

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

TCC: Discussão e Conclusões - Profa. Rilva Muñoz TCC: Discussão e Conclusões - Profa. Rilva Muñoz Presentation Transcript

  • TCC: SeçõesDiscussão e ConclusõesProfa. Rilva Lopes de Sousa-Muñoz rilva@ccm.ufpb.br
  • DISCUSSÃO •“A Discussão dá vida ao trabalho” (Mário Rigatto)•Seção mais difícil de escrever •Articula os elementos que compõem o trabalho científico, contrastando-os, somando-os, criando confrontação e corroboração.
  • DISCUSSÃO • A Discussão é do autor: É a unica parte do trabalho que “pertence” realmente ao autor•O autor cita ou não cita, ilustra ou não ilustra, concorda ou discorda, debate dúvidas e certezas…
  • DISCUSSÃO • A Discussão não é apenas a discussão dos resultados, mas do trabalho como um todo •Discussão da Hipótese, dos Métodos, dos Resultados•Transcende o trabalho, discute as extrapolações.
  • DISCUSSÃO• Discussão dos Resultados •É a parte nobre da Discussão •O pesquisador interpreta os dados colhidos na pesquisa •O autor deve desempenhar, ao redigir a Discussão, tanto o papel de defensor, de acusador e de árbritro
  • DISCUSSÃO• A Discussão de um trabalho científico deve conter todo odebate, toda a argumentação,que se estabelece na defesa e arguição de uma tese•O autor deve procurar ser o mais severo dos críticos
  • DISCUSSÃO • A capacidade de interpretar criticamenteos resultados é a melhordemonstração de que oautor conhece o assunto e os métodos que empregou
  • DISCUSSÃO •Os dados devem ser interpretados e não recapitulados•A Discussão sempre remete ao problema, aos objetivos e à hipótese que foram apresentados na Introdução
  • DISCUSSÃO • Havendo estudos similares na literatura, cabe na Discussão, uma comparação com os resultados neles alcançados • Esta comparação exige todo o rigor científico • Verificar se os estudos são mesmo comparáveis• Expor contradições e buscar explicações
  • DISCUSSÃO • Até que ponto os resultados da pesquisa estão de acordo com resultados de outros trabalhos publicados?• Os resultados respondem à pergunta de pesquisa formulada?• Quais as inferências que podem ser levantadas a partir dos resultados?
  • DISCUSSÃO •Qual é a importância dos resultados encontrados? •Pode-se lançar uma nova hipótese a partir dos resultados?•Quais são os fatos que indicam que os resultados da pesquisacorroboram determinada teoria? •Há resultados inesperados?
  • DISCUSSÃO • Se há significação estatística, há também significação clínica? • É possível fazer generalizações? • Quais as limitações do estudo? • Os resultados não confirmam a hipótese?• Permitir ao crítico julgar a validade das interpretações extraídas dos dados e o valor do estudo
  • DISCUSSÃO•Cogitar motivos das diferenças encontradas em relação a outros estudos •Na comparação do trabalho com outros da literatura, ressaltam-se os pontos de semelhança/diferença metodológica
  • DISCUSSÃO •Apontar pontos positivos do trabalho em relação aos outros estudos semelhantes revisados•Diferenças metodológicas quepoderiam melhorar a qualidade dos dados: abertura para outrostrabalhos
  • DISCUSSÃO•Interpretação dos resultados não significativos•Interpretação de resultados significativos não formulados em hipótese•Interpretação de resultados mistos
  • DISCUSSÃO• Fazer considerações sobre a aplicação prática dos resultados •Deixar entrever outras pesquisas necessárias a partir de interrogações não repondidas e aspectos novos antes não vislumbrados
  • DISCUSSÃO • Discussão da hipótese Nem sempre necessária Discutir se a hipótese de pesquisa foi corroborada Se não, discutir as diferençasentre a hipótese enunciada na Introdução e os resultados colhidos
  • DISCUSSÃO• Discussão dos Métodos Pode ser feita na seção deMétodos ou na de Discussão Discutir as razões para a escolha deste ou daquele métodoAs virtudes e os problemas do protocolo adotado
  • DISCUSSÃO• Uma Discussão bem feitadá sentido e interpretação aos dados apresentados na seção de Resultados
  • CONCLUSÕES•Decorrem da Discussão: Umadiscussão bem fundamentada facilita as Conclusões•Concluir com base no que se discutiu: as conclusões devem estar contidas na Discussão •Parcimônia!...
  • CONCLUSÕES •Devem ser consistentes com os objetivos propostos•Não podem ir além do que os resultados encontrados permitem •Devem ser breves e claras
  • CONCLUSÕES•Podem ser descritas sob aforma de um “texto corrido” ou apresentados em uma sequência de tópicos, numerados ou não•Tópicos: Mais adequados para monografias
  • CONCLUSÕES•Deve ser uma resposta clara ao problema de pesquisa formulado na seção de Introdução •Contribuições do estudo•Implicações para a prática •Sugestões para pesquisas futuras
  • ABDOUNI, A. A. et al. Seguimento a longo prazo de pacientes submetidos à revascularização do miocárdio com uso exclusivo de enxertos arteriais. Rev Bras Cir Cardiovasc 23 (4): 494-500, 2008.
  • CONCLUSÕESCrítica• Na Discussão, apresenta-se uma extensa revisão da literatura, como se fosse uma nova Introdução do artigo, só que, naquela, não houve nenhuma parcimônia e tomou-se a maior parte da seção (10 dos 12 parágrafos).• Não se realizou um confronto com os dados primários do próprio trabalho apresentados na seção de Resultados. Ou seja, não se comentaram os dados da pesquisa e estes não foram comparados com os resultados dos demais estudos semelhantes já publicados. Portanto, os resultados da pesquisa não são realmente interpretados.
  • CONCLUSÕES- Há uma informação naDiscussão que não tem acorrespondente apresentação naseção de Resultados: "A perda deseguimento foi de 13,8%".- O que se comenta na seção deDiscussão deve ter sidoanteriormente descrito na seçãode Resultados.
  • CONCLUSÕES-Houve falta de dados referentes ao controle de variáveisintervenientes durante o seguimento, tais comocolesterolemia e glicemia, controle do tabagismo econsumo de álcool, comprometeria a validade doestudo, uma vez que está estabelecido que odesenvolvimento de aterosclerose em enxertos arteriais evenosos é mais frequente e rápido em pacientes comhiperlicolesterolemia e hipertrigliceridemia. (não foipossível realizar controle destas variáveis, pois o estudo foiretrospectivo)- Então, existiram várias fontes de vieses nessa pesquisa.Os problemas dos estudos não-concorrentes são, alémde viés de informação, a inabilidade para controlarvariáveis de confusão (falta de informação).-Estas limitações deveriam ter sido apontadas.
  • OLIVEIRA, P. B.; FRANCO, L. J. Consumo de adoçantes e produtosdietéticos por indivíduos com diabetes melito tipo 2, atendidos pelo Sistema Único de Saúde em Ribeirão Preto, SP. Arq Bras Endocrinol Metab 54 (5): 455-462, 2010.
  • Crítica Os autores consideraram que osresultados encontrados no estudopoderiam ser extrapolados para toda apopulação da cidade Falta de parcimônia e falso raciocínio(falácia lógica) A validade externa do estudo élimitada Os resultados do estudo não poderiamser generalizados para toda apopulação da cidade: a amostragem dapesquisa foi feita por conveniência; nemtodos os indivíduos desta têm chance igual ediferente de zero de participar da amostra. A seleção dos pacientes foi feitaapenas em dois serviços públicos dedeterminada área da cidade,excluindo-se muitos pacientes queprovavelmente são diferentes quanto aoseu perfil socioeconômico eeducacional, em relação aqueles queforam realmente incluídos na pesquisa
  • A Propósito da Discussão... Repetem-se dados numéricosDos 120 entrevistados, 62,5% desnecessariamente nadisseram não saber a diferença Discussãoentre diet e light e, entre os37,5% que disseram saber,observa-se que A Discussão é intepretativa,aproximadamente um terço não sendo necessário repetirconceituou os produtos de vários números já apresentadosmaneira inapropriada,mostrando a necessidade de na seção de Resultados.melhor informação sobre o usodesses produtos. Pode-se, contudo, repetir um ou outro percentual, a fim de se compararem com os resultados de outros estudos, porém isso não deve ser feito com vários dados numéricos
  • OBJETIVO: Analisar o consumo de adoçantes eprodutos dietéticos por indivíduos com diabetesmelito tipo 2, atendidos pelo Sistema Único deSaúde (SUS) em Ribeirão Preto, SP.Suposta ConclusãoA inclusão de informações sobre o uso adequado deadoçantes e produtos dietéticos é uma necessidade nasatividades assistenciais aos pacientes com DM, nos diversosníveis do SUS, levando em consideração as característicaseducacionais da população assistida. O uso consciente eadequado desses produtos pode facilitar a adesão aotratamento e consequentemente melhorar a qualidade devida desses pacientes.
  • A Propósito da Conclusão... A conclusão é um fechamento do trabalho,respondendo aos objetivos do estudo,apresentados na Introdução No artigo referido, não há conclusão. É baixa ou alta a prevalência de uso deadoçantes pela população estudada? É alto ou baixo o nível de conhecimentossobre estes produtos pela população? Só depois de apresentadas estasconclusões, é que viriam as recomendaçõese implicações para a prática e para oconhecimento sobre o assunto
  • “Na Ciência, o crédito vai para o homem queconvence o mundo e não para o homem ao qual a idéia ocorre primeiro” (William Osler)