• Save
Semiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva Muñoz
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
7,829
On Slideshare
3,942
From Embeds
3,887
Number of Embeds
11

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
2

Embeds 3,887

http://semiologiamedica.blogspot.com.br 3,604
http://semiologiamedica.blogspot.com 183
http://semiologiamedica.blogspot.pt 68
http://www.semiologiamedica.blogspot.com.br 17
http://semiologiamedica.blogspot.com.ar 6
http://semiologiamedica.blogspot.ch 2
http://semiologiamedica.blogspot.de 2
http://semiologiamedica.blogspot.ru 2
http://semiologiamedica.blogspot.ro 1
http://semiologiamedica.blogspot.cz 1
http://semiologiamedica.blogspot.it 1

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. SEMIOLOGIA NEUROLÓGICA: SINTOMATOLOGIAProfa. Rilva Lopes de Sousa Muñoz rilva@ccm.ufpb.br
  • 2. SEMIOLOGIA DOSISTEMA NERVOSO - Sintomas de doença neurológica - Exame físiconeurológico: próxima aula
  • 3. SINTOMAS E SINAIS DEDOENÇA NEUROLÓGICA •Cefaléia •Convulsões •Tremores •Vertigem •Alterações da consciência
  • 4. 1- CEFALÉIA • Dor de cabeça: sintoma neurológico mais comum; • Mecanismos básicos de produção de cefaléia:•Distensão, tração e dilatação de artérias intra e extracranianas;•Espasmo muscular (cabeça, nuca);•Compressão de nervos cranianos ou nervos periféricos (C1, C2, C3);•Alteração na pressão do líquor;•Aumento da pressão venosa intracraniana;•Dor referida (reflexa): sinusal, ocular, dentária.
  • 5. TIPOS DE CEFALÉIA•Primária: não se demonstra nenhum tipo de fator orgânico determinante; •Secundária: sintomáticas de uma causa de base.
  • 6. •MIGRÂNEA (ENXAQUECA)•Pródromos (aura) + cefaléia + fase de declínio• Características da dor • Sintomas associados • História familial
  • 7. Liberação do Ativaçãoneurotransmissor Arterial Dor
  • 8. CefaléiaHistamínica(em salvas,ou cefaléiade Horton)Cefaléia dasinusite
  • 9. CEFALEIA TENSIONAL: ÁREAS DE DOR
  • 10. CEFALÉIAS Sinusite: Cefaléia Cefaléia Migrânea:dor frontal histamínica: tensional: unilateral, e malar, unilateral em faixa, vômitos e alterações bilateral periorbitária aperto visuais
  • 11. CARACTERIZAÇÃO DA CEFALÉIA •Início: súbito ou gradual; •Localização: bilateral ou unilateral; se unilateral, alternante ou não; parte afetada da cabeça); • Frequência: intermitente ou em salva; • Duração: segundos, minutos, horas ou dias; • Intensidade: leve, moderada, intensa, incapacitante;• Caráter: em peso, pulsátil, em pressão, em pontada, explosiva; • Presença de aura: distúrbios visuais, parestésicos, da fala, do equilíbrio;
  • 12. CARACTERIZAÇÃO DA CEFALÉIA•Sintomas associados: náuseas, vômitos, anorexia, fotofonofobia, lacrimejamento,congestão nasal; rinorréia, sudorese facial ou cefálica; •Relação com mudança de postura e atividade física; • Fatores associados com o desencadeamento da crise: esforço, estresse, tosse, ciclo menstrual alimentos específicos, etanol;• Antecedentes familiares de cefaléia.
  • 13. FATORES SUGESTIVOS DE CEFALÉIA SECUNDÁRIA •História prévia de cefaléia; •Idade de início; •Intensidade, forma de instalação e padrão da dor; •Febre e outros sintomas e sinais de doença sistêmica; •Sinais e sintomas de disfunção neurológica; •Relação com esforço físico, mudança de posição da cabeça e trauma craniano.
  • 14. O QUE PERGUNTAR AO PACIENTE COM CEFALEIA? - Durante quanto tempo tem sofrido de dor de cabeça?- Qual a parte da cabeça que dói? Fronte, ao redor dos olhos, parte posterior da cabeça, atrás do globo ocular? Ou afeta toda a cabeça? - Qual a intensidade da dor? - A dor afeta só um lado da cabeça? - Há algum “aviso”? - “Descreva a dor de cabeça” Qual o tipoda dor? Pulsátil, latejante, peso, sensação de pressão?
  • 15. O QUE PERGUNTAR AO PACIENTE COM CEFALÉIA? - A dor de cabeça o desperta durante o sono? Piora durante o dia e melhora à noite?- Ocorreram outros sintomas pouco depois do início da dor? - A dor é repetitiva? - A dor alcança a intensidade máxima em quanto tempo depois do início da crise? - O que piora a dor? A dor de cabeça agrava-se ao se deitar ou se reclinar? -Tem relação com o período menstrual? - Tem relação com estresse emocional?
  • 16. O QUE PERGUNTAR AO PACIENTE COM CEFALÉIA?- Quanto dura cada episódio de dor?- Quando ocorre?- É um tipo novo de dor de cabeça?- Houve alguma alteração na intensidadeou no padrão da dor?- Que tratamentos tem utilizado? Até queponto foram efetivos? Início súbito, intenso e recente sugere maior gravidade que a cefaléia crônica recorrente
  • 17. 2- CONVULSÕES •Manifestação clínica de uma sincronização anormal e excessiva de um grupo de neurônios corticais;•Movimentos musculares incoordenados e bruscos; •Tônicos, clônicos ou tônico-clônicos;•Convulsões generalizadas e convulsões parciais.
  • 18. NOVA TERMINOLOGIA “CONVULSÃO” / “CRISE EPILÉPTICA Revisão Terminológica e Conceitual da Liga Internacional contra a Epilepsia (International League Against Epilepsy, ILAE) Proposta do Grupo de discussão para Classificação e Terminologia da ILAE (2005-2009)foi publicado em 2011: J Epilepsy Clin Neurophysiol 2011;17(3):100-105 Resultados definitivos da revisão terminológica só serão publicados no ano de 2013.
  • 19. CONVULSÕES • Convulsão generalizada: lesão irritativa cerebral com descarga nas estruturas subcorticais (conexões corticais bilaterais)
  • 20. 1- Fase tônica 2- Fase clônica Convulsão tônico-clônico generalizada (tipo grande mal) 3- Fase pós- convulsiva
  • 21. Pequeno mal: crise de ausência
  • 22. CONVULSÕES • Convulsão parcial: lesão irritativa cerebral do córtex motor, com súbita e desordenada descarga de neurônios(descarga focal)
  • 23. Convulsão parcial simples
  • 24. 3- Distúrbios do movimento: TREMORES •Movimentos involuntários, oscilantes e rítmicos, que comprometem uma ou mais partes do corpo (membros, cabeça), produzidos pelas contrações alternantes e irregulares de grupos musculares antagonistas; • Finos ou grosseiros; • De repouso ou cinético (de intenção); •Semiologia: ritmo; distribuição; efeito domovimento, do repouso ou da manutenção de uma postura particular; frequência.
  • 25. TREMORES •Fisiológicos: frio intenso •Patológicos: Doença de Parkinson, coréias (coréias de Sydenhan; coréia de Huntington), tremor essencial, distonia, induzidos por medicamentos (cafeína,anfetaminas, agonistas beta-adrenérgicos, ISRS), tiques, hipertireoidismo, síndrome de abstinência, insuficiência hepática, psicogênico (ansiedade extrema, somatização)
  • 26. 4- Tontura •Termo genérico que representa todas as manifestações de desequilíbrio; • Vertigem: percepção ilusória de movimento do corpo ou do ambiente, quase sempre descrita como sensação giratória; • Vertigem central (lesão cerebelar ou do tronco cerebral) ou periférica (ouvido interno). • Causa mais comum de vertigem: vertigem postural benigna
  • 27. Tontura: termo inespecífico•Hipotensão postural: efeito adverso de medicamentos•Sensação inespecífica: ansiedade?•Percepção de sensação rotatória: vertigem - hemisférica, tronco, cerebelo, medula, VIII nervo, sistema nervoso periférico • Falta de equilíbrio: cerebelar; colunas posteriores, sistema nervoso periférico
  • 28. Tontura de natureza psicogênica•Hipocondria e conversões;•Ansiedade e síndrome do pânico;•Depressão;•Vertigem postural fóbica: elevadores, pontes, veículos, direção; evolui para agorafobia;•Síndrome de hiperventilação.
  • 29. Tontura, vertigem e síncope•Tontura •Síncope oVertigem o Pré-síncope (lipotímia) Desmaio. Afastar o Sensação de causas desfalecimento; cardiovasculares. sensação de desmaio iminente.•Vertigem o Tipo particular de tontura: sensação de rotação o O paciente sente-se girando no ambiente ou o ambiente gira a sua volta.
  • 30. Causas Neurológicas de Vertigem •Origem vascular•Artéria cerebelar ântero-inferior e póstero- inferior, infarto lateral do bulbo•Doença de Binswanger, embolias e infartos cerebrais, síndrome de roubo da subclávia•Síndrome lacunar de hemiparesia – ataxia •Trombose de seio transverso •Aterosclerose de sistema vertebrobasilar e insuficiência vertebrobasilar
  • 31. Caracterização da Vertigem •Perguntar se o início do quadro foi insidioso ou abrupto, se é a primeira crise ou se são crises recorrentes; intensidade do sintoma, se é constante ou intermitente, duração, frequência, fatores desencadeantes, agravantes (ansiedade, esforço) ou de alívio (alguma posição específica), presença de náuseas e vômitos, hipoacusia ou zumbido.
  • 32. ALTERAÇÕESDA CONSCIÊNCIA • Serão abordadas na aula sobre exame físico Exame Neurológico
  • 33. “Os homens pensam que a epilepsia é divina meramenteporque não a compreendem. Se • eles denominassem divina qualquer coisa que não compreendem, não haveria fim para as coisas divinas.” (Hipócrates)