Your SlideShare is downloading. ×
Semiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva Muñoz
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Semiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva Muñoz

7,446
views

Published on

Aula sobre sintomas neurológicos para o estudante de Medicina.

Aula sobre sintomas neurológicos para o estudante de Medicina.

Published in: Education

0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
7,446
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
6
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. SEMIOLOGIA NEUROLÓGICA: SINTOMATOLOGIAProfa. Rilva Lopes de Sousa Muñoz rilva@ccm.ufpb.br
  • 2. SEMIOLOGIA DOSISTEMA NERVOSO - Sintomas de doença neurológica - Exame físiconeurológico: próxima aula
  • 3. SINTOMAS E SINAIS DEDOENÇA NEUROLÓGICA •Cefaléia •Convulsões •Tremores •Vertigem •Alterações da consciência
  • 4. 1- CEFALÉIA • Dor de cabeça: sintoma neurológico mais comum; • Mecanismos básicos de produção de cefaléia:•Distensão, tração e dilatação de artérias intra e extracranianas;•Espasmo muscular (cabeça, nuca);•Compressão de nervos cranianos ou nervos periféricos (C1, C2, C3);•Alteração na pressão do líquor;•Aumento da pressão venosa intracraniana;•Dor referida (reflexa): sinusal, ocular, dentária.
  • 5. TIPOS DE CEFALÉIA•Primária: não se demonstra nenhum tipo de fator orgânico determinante; •Secundária: sintomáticas de uma causa de base.
  • 6. •MIGRÂNEA (ENXAQUECA)•Pródromos (aura) + cefaléia + fase de declínio• Características da dor • Sintomas associados • História familial
  • 7. Liberação do Ativaçãoneurotransmissor Arterial Dor
  • 8. CefaléiaHistamínica(em salvas,ou cefaléiade Horton)Cefaléia dasinusite
  • 9. CEFALEIA TENSIONAL: ÁREAS DE DOR
  • 10. CEFALÉIAS Sinusite: Cefaléia Cefaléia Migrânea:dor frontal histamínica: tensional: unilateral, e malar, unilateral em faixa, vômitos e alterações bilateral periorbitária aperto visuais
  • 11. CARACTERIZAÇÃO DA CEFALÉIA •Início: súbito ou gradual; •Localização: bilateral ou unilateral; se unilateral, alternante ou não; parte afetada da cabeça); • Frequência: intermitente ou em salva; • Duração: segundos, minutos, horas ou dias; • Intensidade: leve, moderada, intensa, incapacitante;• Caráter: em peso, pulsátil, em pressão, em pontada, explosiva; • Presença de aura: distúrbios visuais, parestésicos, da fala, do equilíbrio;
  • 12. CARACTERIZAÇÃO DA CEFALÉIA•Sintomas associados: náuseas, vômitos, anorexia, fotofonofobia, lacrimejamento,congestão nasal; rinorréia, sudorese facial ou cefálica; •Relação com mudança de postura e atividade física; • Fatores associados com o desencadeamento da crise: esforço, estresse, tosse, ciclo menstrual alimentos específicos, etanol;• Antecedentes familiares de cefaléia.
  • 13. FATORES SUGESTIVOS DE CEFALÉIA SECUNDÁRIA •História prévia de cefaléia; •Idade de início; •Intensidade, forma de instalação e padrão da dor; •Febre e outros sintomas e sinais de doença sistêmica; •Sinais e sintomas de disfunção neurológica; •Relação com esforço físico, mudança de posição da cabeça e trauma craniano.
  • 14. O QUE PERGUNTAR AO PACIENTE COM CEFALEIA? - Durante quanto tempo tem sofrido de dor de cabeça?- Qual a parte da cabeça que dói? Fronte, ao redor dos olhos, parte posterior da cabeça, atrás do globo ocular? Ou afeta toda a cabeça? - Qual a intensidade da dor? - A dor afeta só um lado da cabeça? - Há algum “aviso”? - “Descreva a dor de cabeça” Qual o tipoda dor? Pulsátil, latejante, peso, sensação de pressão?
  • 15. O QUE PERGUNTAR AO PACIENTE COM CEFALÉIA? - A dor de cabeça o desperta durante o sono? Piora durante o dia e melhora à noite?- Ocorreram outros sintomas pouco depois do início da dor? - A dor é repetitiva? - A dor alcança a intensidade máxima em quanto tempo depois do início da crise? - O que piora a dor? A dor de cabeça agrava-se ao se deitar ou se reclinar? -Tem relação com o período menstrual? - Tem relação com estresse emocional?
  • 16. O QUE PERGUNTAR AO PACIENTE COM CEFALÉIA?- Quanto dura cada episódio de dor?- Quando ocorre?- É um tipo novo de dor de cabeça?- Houve alguma alteração na intensidadeou no padrão da dor?- Que tratamentos tem utilizado? Até queponto foram efetivos? Início súbito, intenso e recente sugere maior gravidade que a cefaléia crônica recorrente
  • 17. 2- CONVULSÕES •Manifestação clínica de uma sincronização anormal e excessiva de um grupo de neurônios corticais;•Movimentos musculares incoordenados e bruscos; •Tônicos, clônicos ou tônico-clônicos;•Convulsões generalizadas e convulsões parciais.
  • 18. NOVA TERMINOLOGIA “CONVULSÃO” / “CRISE EPILÉPTICA Revisão Terminológica e Conceitual da Liga Internacional contra a Epilepsia (International League Against Epilepsy, ILAE) Proposta do Grupo de discussão para Classificação e Terminologia da ILAE (2005-2009)foi publicado em 2011: J Epilepsy Clin Neurophysiol 2011;17(3):100-105 Resultados definitivos da revisão terminológica só serão publicados no ano de 2013.
  • 19. CONVULSÕES • Convulsão generalizada: lesão irritativa cerebral com descarga nas estruturas subcorticais (conexões corticais bilaterais)
  • 20. 1- Fase tônica 2- Fase clônica Convulsão tônico-clônico generalizada (tipo grande mal) 3- Fase pós- convulsiva
  • 21. Pequeno mal: crise de ausência
  • 22. CONVULSÕES • Convulsão parcial: lesão irritativa cerebral do córtex motor, com súbita e desordenada descarga de neurônios(descarga focal)
  • 23. Convulsão parcial simples
  • 24. 3- Distúrbios do movimento: TREMORES •Movimentos involuntários, oscilantes e rítmicos, que comprometem uma ou mais partes do corpo (membros, cabeça), produzidos pelas contrações alternantes e irregulares de grupos musculares antagonistas; • Finos ou grosseiros; • De repouso ou cinético (de intenção); •Semiologia: ritmo; distribuição; efeito domovimento, do repouso ou da manutenção de uma postura particular; frequência.
  • 25. TREMORES •Fisiológicos: frio intenso •Patológicos: Doença de Parkinson, coréias (coréias de Sydenhan; coréia de Huntington), tremor essencial, distonia, induzidos por medicamentos (cafeína,anfetaminas, agonistas beta-adrenérgicos, ISRS), tiques, hipertireoidismo, síndrome de abstinência, insuficiência hepática, psicogênico (ansiedade extrema, somatização)
  • 26. 4- Tontura •Termo genérico que representa todas as manifestações de desequilíbrio; • Vertigem: percepção ilusória de movimento do corpo ou do ambiente, quase sempre descrita como sensação giratória; • Vertigem central (lesão cerebelar ou do tronco cerebral) ou periférica (ouvido interno). • Causa mais comum de vertigem: vertigem postural benigna
  • 27. Tontura: termo inespecífico•Hipotensão postural: efeito adverso de medicamentos•Sensação inespecífica: ansiedade?•Percepção de sensação rotatória: vertigem - hemisférica, tronco, cerebelo, medula, VIII nervo, sistema nervoso periférico • Falta de equilíbrio: cerebelar; colunas posteriores, sistema nervoso periférico
  • 28. Tontura de natureza psicogênica•Hipocondria e conversões;•Ansiedade e síndrome do pânico;•Depressão;•Vertigem postural fóbica: elevadores, pontes, veículos, direção; evolui para agorafobia;•Síndrome de hiperventilação.
  • 29. Tontura, vertigem e síncope•Tontura •Síncope oVertigem o Pré-síncope (lipotímia) Desmaio. Afastar o Sensação de causas desfalecimento; cardiovasculares. sensação de desmaio iminente.•Vertigem o Tipo particular de tontura: sensação de rotação o O paciente sente-se girando no ambiente ou o ambiente gira a sua volta.
  • 30. Causas Neurológicas de Vertigem •Origem vascular•Artéria cerebelar ântero-inferior e póstero- inferior, infarto lateral do bulbo•Doença de Binswanger, embolias e infartos cerebrais, síndrome de roubo da subclávia•Síndrome lacunar de hemiparesia – ataxia •Trombose de seio transverso •Aterosclerose de sistema vertebrobasilar e insuficiência vertebrobasilar
  • 31. Caracterização da Vertigem •Perguntar se o início do quadro foi insidioso ou abrupto, se é a primeira crise ou se são crises recorrentes; intensidade do sintoma, se é constante ou intermitente, duração, frequência, fatores desencadeantes, agravantes (ansiedade, esforço) ou de alívio (alguma posição específica), presença de náuseas e vômitos, hipoacusia ou zumbido.
  • 32. ALTERAÇÕESDA CONSCIÊNCIA • Serão abordadas na aula sobre exame físico Exame Neurológico
  • 33. “Os homens pensam que a epilepsia é divina meramenteporque não a compreendem. Se • eles denominassem divina qualquer coisa que não compreendem, não haveria fim para as coisas divinas.” (Hipócrates)