Your SlideShare is downloading. ×
0
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

História da Medicina_Aula_1_Profa.Rilva_Muñoz_UFPB

4,469

Published on

Aula sobre História da Medicina: Da Medicina Mágico-Religiosa à Hipocrática. Profa. Rilva Lopes de Sousa-Muñoz. Universidade Federal da Paraíba (UFPB). …

Aula sobre História da Medicina: Da Medicina Mágico-Religiosa à Hipocrática. Profa. Rilva Lopes de Sousa-Muñoz. Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

Published in: Education
3 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
4,469
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
95
Comments
3
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Da Medicina Mágico-Religiosa à Hipocrática História da MedicinaProfa. Rilva Lopes de Sousa-Muñoz Sousa- rilva@ccm.ufpb.br
  • 2. Periodização na História Pré-história (4000 a.C.): Crenças sobre magia Antiguidade (4000 a. C. - 450 d. C.) Egito e Mesopotâmia Civilizações da India e China Grécia e Roma Antigas (Antiguidade Clássica) Jesus Cristo (1 - 33 AD) Queda de Roma 450 d.C Idade Média (450 d.C. - 1453 d.C.) Queda de Constantinopla 1453 d.C Idade Moderna (1453 d.C. – 1789 d. C.) Idade Contemporânea (1789-?)
  • 3. CRESCENTE FÉRTIL: Surgiu a agricultura. O Homem se estabeleceu numlugar, deixando de ser nômade. Invenção da escrita.
  • 4. Medicina Mágico-Religiosa• Religião, magia e o tratamento médico eram inseparáveis• Causas das doenças – Deuses, espíritos e magia – Maldição ou castigo • Dias atuais ⇒ “Medicina Alternativa”, astrologia, quiromancia• Prática da medicina – Curandeiros ou feiticeiros – Sacerdotes – Poder de divindades para decidir a vida e a morte, e de provocar ou curar doenças
  • 5. MEDICINA MÁGICO- RELIGIOSA ANTIGUIDADE • Privados de recursoscientíficos e tecnológicos, os povos antigos tinham uma visão mágica ou religiosa da doença e da cura
  • 6. Medicina no Egito Antigo
  • 7. MEDICINA NO ANTIGO EGITO • A doença resultava do efeito de um espírito maligno sobre o corpo• A doença seria curada apenas quando o mau espírito deixasse o corpo do doente
  • 8. DEUSASEKHMET
  • 9. MEDICINA NO ANTIGO EGITO• Houve progressão dopensamento médico: um movimento do mágico para o empírico (pelas práticas de dissecação, conhecimentos anatômicos)
  • 10. MEDICINA NO ANTIGO EGITO• A farmacologia do antigo Egito• Com um caráter místico, cada receita tinha uma complexa preparação de medicamentos (para doenças de pele e ginecológicas)
  • 11. Pintura em pedra calcárea da décima oitava dinastia. Meritaton, a filha primogênita do faraó Akhenaton e darainha Nefertiti, oferece ao príncipe uma planta medicinal. Museu Staatlisches de Berlim.
  • 12. MEDICINA NO ANTIGO EGITO• deuses da Medicina e da Cura
  • 13. Olho de Hórus: símbolo da prescrição médicaHoje, o símbolo foi racionalizado: inicial "R"do latim recipe, "receba esta prescrição" ou "tome estes princípios ativos"
  • 14. Medicina Egípcia •IMHOTEP: O primeiro médico (2.600 a.C.) Também arquiteto, vizir e astrólogo Ficou mais conhecido como idealizador da primeira pirâmide construída pelos egípciosQuando os gregos conquistaram o Egito, reconheceram em Imhotep atributos do seu deus da medicina, Asclépio, econtinuaram a construir templos para ele. Sua fama durou até a invasão árabe do Norte de África no século VII d.C.
  • 15. Medicina Egípcia • O sistema teórico medicinal egípcio foi, obviamente, religioso; não foi muito diferente dos babilônios e assírios, que igualavam a doença ao pecado; • Mas os egípcios tiveram um sistema paralelo de medicina empírica
  • 16. Medicina Egípcia •A habilidade de observação permitiu aos egípcios se tornarem o primeiro povo a compilar uma farmacopéia; •Tratamento empírico de grande simplicidade;• Substâncias utilizadas como remédios: óleo de rícino, gordura de crocodilo, chifres de veado, casco de tartaruga,sangue de lagarto, mel de figo e alume, ópio, diversos sais, entre outros
  • 17. Medicina Egípcia • A experiência de MUMIFICAÇÃO ensinou os sacerdotes sobre o funcionamento do corpo humano • Ao prepararem as múmias, os egípcios aprenderam alguns aspectos de anatomia, como a relação das estruturas internas do corpo.
  • 18. PAPIROS DE MEDICINA• Kahun (1825 a.C) - ginecologia• Ebers (1534 a.C?) - medicina interna• Papiro cirúrgico (1600a.C) - feridas cirúrgicase fraturas• O coração, e não océrebro, era o centro dointelecto e da memória Papiro Ebers (acima) e papiro cirúrgico
  • 19. MEDICINA EGÍPCIA Contribuições • Primeiros textos médicos• Desenvolvimento das primeiras técnicas cirúrgicas• Utilização das primeiras talas e bandagens • Farmacopeia• Primeiros tratamentos com ervas
  • 20. Medicina na Mesopotâmia
  • 21. Medicina na Mesopotâmia deus mau em deus bom, forma de Ningishzida, inseto díptero: representado em Pazuzu forma de cobra
  • 22. Medicina na Mesopotâmia Médicos: Ashipu e Asu Médicos da Mesopotâmia Médicos da Mesopotâmia vestidos em trajes de administram ervas epeixes invocando um deus emplastros da água
  • 23. Medicina na Mesopotâmia •Simbolismo da cobra ligada à cura das doenças: imaginário humano na busca da pretendida imortalidade (cobra)Símbolo da Medicina originou-se na Mesopotâmia, foi difundido pelos gregos e é utilizado até hoje
  • 24. Símbolo da Medicina Este não é o símbolo da Medicina; é o símbolo do comércio (caduceu de Hermes) Este é o símbolo da Medicina, o bastão de Asclépio
  • 25. Medicina na Mesopotâmia Código de Hamurabi• Coleção de leis para a prática médica na Babilônia;• Recompensa ao médico em caso de cura;• Punições em caso de morte ou dano grave causado ao doente.
  • 26. Medicina na Mesopotâmia O rei assírio, Hamurabi, por volta de1800 a.C., criou um código de leis para a prática médica
  • 27. Medicina na Grécia Antiga
  • 28. Civilizações ClássicasGrécia e Roma
  • 29. MEDICINA NA GRÉCIA ANTIGA: Período inicial• Asclépio: deus grego da cura
  • 30. Asclépio • Deus da Cura; • Filho do Deus Apolo e da mortal Coronis; • Mito: Extraído do ventre da mãe na sua pira funerária; • Serpente ensinou-lhe como ensinou- usar plantas para “dar vida aos mortos”; • Filhas de Asclépio: Panaceia (remédio para todos os males) e Higea (deusa da higiene).33
  • 31. Higéia e Panacéia34
  • 32. Culto de Asclépio • Santuários para prática dos atos médicos mágicos- mágicos- religiosos: asclepiones – precursores dos hospitais Existem vestígios • Médicos- Médicos- destes templos em Kos, Epitauro, sacerdotes: Knidos e Pérgamo. asclepíades35
  • 33. Tratamento nos Asclepiones • Purificação: banhos, exercícios e jejuns • Sono e interpretação dos sonhos • Tratamento pelos sacerdotes a partir do significado dos sonhos • Psicossomática?36
  • 34. Empédocles • 492 – 432 a.C. • Todos os seres são constituídos por um conjunto de fluidos em proporções variáveis de quatro elementos com qualidades opostas: opostas: FOGO AR ÁGUA TERRA • A doença seria provocada por desequilíbrios entre elementos na constituição do corpo humano37
  • 35. As escolas pré-hipocráticas pré- (Knidos, (Knidos, Crotone e Kos) Kos) • Ideia de uma Patologia Geral (Escola de Kos) – oposta à ideia, até aí prevalecente, de que as doenças se encontravam limitadas apenas a um órgão – os processos mórbidos eram devidos a uma reação da natureza a uma situação de desequilíbrio humoral, sendo constituídos por três fases: ►apepsia - caracterizada pelo aparecimento do desequilíbrio ► pepsis - febre, inflamação e pus como reação do corpo ► crisis ou lysis - eliminação, respectivamente brusca ou lenta, dos humores em excesso.38
  • 36. Medicina na Grécia Antiga Fase tardia - 430 a.C• Hipócrates: Abordagem racional da Medicina • Separação entre Medicina e superstição: Rejeição das idéias sobrenaturais • Minuciosa observação do doente • Teoria dos Quatro humores • Comportamento ético
  • 37. Medicina na Grécia AntigaHipócrates (460–370 a.C.)• As doenças têm causas naturais; rejeita-se a visão de que a doença é causada por espíritos malignos• O cérebro era maior área de pensamento e emoção, e não o coração• Tratamento: repouso, boa alimentação e exercícios Início da Medicina "ocidental” ou racional
  • 38. Hipócrates de Kos • O “Pai da Medicina”; Ilha de Cós • Médico, cirurgião, artista • Corpus Hippocraticum (53 tratados) Reunido em Alexandria, por Baccheio, séc. III a.C. Coleção tradicionalmente atribuída a Hipócrates, embora só parte tenha sido escrita por ele (restantes discípulos das escolas de Knidos, Kos e Crotone) • Bases da Medicina Moderna • Observação do doente • Tratamento prescrito apenas quando necessário • Cura pela natureza41 • Importância do prognóstico
  • 39. Hipócrates criou um sistema racionalbaseado na observação e experiência; atribuía as causas das doenças a fenômenos naturais, e não a causas sobrenaturais.
  • 40. Hipócrates examinando umpaciente: observava postura,coloração, pulso, respiração.
  • 41. Hipócrates escreveu que existiam duasformas de curar: Contrário curacontrário: ContrariaContrarius Curantur – Mais enfatizado Semelhante curasemelhante: SimilaSimilibus Curanter
  • 42. Medicina Hipocrática O verdadeiro agente da cura é a naturezaVis medicatrix naturae: força curativa da naturezaHipócrates individualizou a Medicina, separando-a da Filosofia• Medicina Hipocrática: limitada em anatomia e fisiologia
  • 43. Medicina Hipocrática Ética• Juramento Hipocrático • Primum non nocere
  • 44. MEDICINA HIPOCRÁTICARuínas da Escola “Sala de Aula” de de Medicina de Hipócrates na ilha Kos grega de Kós O famoso Plátano
  • 45. Teoria dos Humores •Empédocles foi o primeiro a sugerir a teoria dos quatro humores •Hipócrates teria aplicado estas teorias à Medicina • Mais tarde foi esquematizada por Galeno (abaixo)49
  • 46. Temperamentos• Coléricos: predominava a bílis amarela• Sanguíneos: predominava o sangue; considerados hiperativos• Fleumáticos: predominava a linfa; calmos e racionais• Melancólicos: predominava a bílis negra
  • 47. Fleumático: doenças úmidas (p. ex. respiratórias) Sanguíneo: doenças quentes (p. ex. cardíacas) Bilioso amarelo – Colérico: doenças secas (p. ex. hepáticas) Bilioso preto – Melancólico: doenças frias (psiquiátricas, como a depressão) • Cada temperamento era mais ou menos suscetível a determinada doença• Se fosse possível mudar o temperamento de uma ou de um grupo de pessoas, as doenças poderiam ser evitadas
  • 48. “...do cérebro, e apenas do cérebro, surgem nossos prazeres, alegrias...bem como nossas tristezas, dor, pesar e lágrimas. É este mesmo órgão que nos torna loucos ou delirantes, influencia-nos com terror e medo, traz a insônia... e a ansiedade despropositada”. Hipócrates
  • 49. Banco hipocrático para fraturas vertebrais
  • 50. Alexandria – 331 a.C A Medicina grega foi levada para o Egito e para a Ásia, territórios conquistados pelos macedônios • O mais importante centro de medicina do mundo antigo• Herófilo: melhor compreensão do cérebro• Erasístrato: identificou cérebro e cerebelo• A dissecção humana passou a ser admitida
  • 51. Grécia: Conhecimentos anatômicos • Aristóteles: Fundador da Anatomia comparada• Dissecção de animais• Coração como órgão- chave do corpo • Denominou a aorta• Descreveu a conexão entre vasos sanguíneos e cérebro
  • 52. Escola de Alexandria•A escola de Alexandria chamava-se a “Escola empírica” • Durante sete séculos (de 280 a.C. a 416), a biblioteca de Alexandria reuniu o maior acervo de cultura e ciência que existiu na Antiguidade.
  • 53. Domínio Romano: 168 a.C.
  • 54. Medicina em Roma • Os romanos receberam grande contribuição dos gregos no campo da Medicina; • Passaram a seguir os métodos “científicos” utilizados pelos gregos; • Antes deste tempo, os romanos não tinham a profissão médica oficialmente; • Ainda havia ritos de sacrifício aos59 deuses.
  • 55. • Existem poucas diferenças entre aMedicina grega e romana: Medicina Greco-Romana •Faltava controle estatal relacionado àverificação da preparação dos médicos e à vigilância do uso correto da medicina• Imperador Adriano (Sec. II d. C): legislaçãosacramentou os médicos como uma categoria profissional definida
  • 56. •Descoberta de vários instrumentos: bisturis de bronze e espéculos • Os romanos ainda não sabiam que germes relacionavam-se às doenças,mas ferviam suas ferramentas antes de usar e não as reutilizavam em outro paciente antes de fazer limpeza
  • 57. Medicina na Roma Antiga Galeno em 140 d.C., em Roma, usando a técnica de "sangria” • Os médicos gregos que começaram a chegar em Roma mudaram a sociedade romana através da Medicina • Esta medicina grega, praticada na Roma antiga, ajudou a estabelecer as bases para a medicina de hoje, através da conquista62 da Europa por César
  • 58. Roma • O Deus grego da medicina, Asclépio, tomou o nome de Esculápio, em Roma • Médicos influentes em Roma são de origem grega • Figuras mais importantes da Medicina e da Farmácia em Roma: Celso Dioscórides Plínio, o Velho Scribonius Largus Galeno63
  • 59. Os Médicos Romanos eram Gregos • Principais médicos do Império Romano: Galeno e Dioscorides, Dioscorides, que eram gregos • Ambos foram pioneiros que fizeram grandes contribuições para a teoria e a prática da medicina grega • Galeno foi o maior médico do Império Romano • Dioscorides foi um herbalista, herbalista,64 mestre e pai de Farmácia
  • 60. • Galeno: considerado o fundador da fisiologia experimental• Influenciado pelo trabalho de Hipócrates e outros médicos gregos anteriores• Defendia a teoria humoral de Hipócrates e a sistematizou • Deu grande importância à observação clínica através do exame dos pacientes e o registro dos seus sintomas
  • 61. • Galeno creditava que o sangue era formado no fígado e não sabia que o coração bombeou sangue através das artérias e veias. • As teorias de Galeno dominaram einfluenciaram a ciência médica ocidental por 15 séculos • Seus estudos de anatomia eram baseados em animais e não foram contestadas até a descrição de dissecções humanas por Vesalius em 1543
  • 62. Concepção de Galeno • Do fígado, onde seria produzido, o sangue fluiria para o coração, depois para os pulmões e o resto do corpo; • Galeno desconhecia a circulação pulmonar e afirmava que o sangue passaria do ventrículo direito para o esquerdo através de poros invisíveis localizados no septo interventricular e, uma vez no ventrículo Circulação do esquerdo, se misturaria ao arsangue segundo para criar o “espírito vital”. Galeno
  • 63. • Galeno demonstrou pela primeira vez que as artérias conduzem sangue e não ar, como até então se acreditava (artéria) •Galeno distinguiu os ossos com e sem cavidade medular • Galeno descreveu a caixa craniana e o sistema muscular • Galeno pesquisou os nervos cranianos e reconheceu os raquidianos, os cervicais, os recorrentes e uma parte do sistema simpático. • Galeno foi o primeiro a demonstrar (baseado emexperiências) que o rim é um órgão excretor de urina
  • 64. • Em vista de limitações técnicas, Galeno inevitavelmente acabou cometendo diversos erros; • Seus dois maiores erros ocorreram em sua teoria da circulação e na sua idéia deque cada órgão realiza sua função própriadevido a uma ação de forças que atuavam sobre os órgãos; • Segundo Galeno, o sangue circulava devido ao impulso cuja origem era a própria parede da artéria; • O respeito pelas teorias de Galeno era tão grande que levou mais de 15séculos para que sua teoria das forças fosse finalmente contestada.
  • 65. •Galeno escreveu prolificamente: 500 tratados sobre medicina e farmácia• Preparação Galênica: Grande quantidade de ingredientes
  • 66. Progressos entre os Romanos • Avanços na Saúde Pública: aquedutos e sistemas de encanamento em Roma e em outras grandes cidades por todo o império • Drenagem de pântanos próximos às áreas urbanas para evitar a propagação de doenças pestilenciais como a malária • Assistência sanitária para o povo: os governantes romanos perceberam os benefícios que adviriam para o império a71 manutenção de cidadãos saudáveis.
  • 67. • "Doutor, tenho uma dor no ouvido." 2000 a.C. -"Tome, coma esta raiz." 1000 d.C. -"Comer essa raiz é paganismo, reze esta prece." 1850 d.C. -"Essa prece é superstição, beba esta poção." 1930 d.C. -"Essa poção é banha da cobra, tome este comprimido." 1985 d.C. -"Esse comprimido é ineficaz, tome este antibiótico." 2004 d.C. -"Esse antibiótico é artificial. Tome, coma esta raiz." BEZERRA, J. C. Admirável Mundo Médico: A arte na história da Medicina, Brasília: Conselho Federal da Medicina do Distrito Federal, 2003
  • 68. Questões Propostas(1) Como se deu a transformação da visãosobre a doença e a cura ao longo daAntiguidade?(2) Quais as crenças religiosas do AntigoEgito e que impacto tiveram sobre aevolução da Medicina?(3) Comente a afirmação: "Os filósofosgregos contribuíram para a racionalizaçãoda Medicina".(4) Explique a Teoria dos Quatro Humores.(5) Qual foi a primeira civilização antigaque deixou escritos seus conhecimentosmédicos? Explique.
  • 69. Questões Propostas(6) Como funcionavam os Asclepiones?(7) Qual a origem da palavra "histeria"e como este quadro foi interpretado nosprimórdios da Medicina?(8) Comente os principais preceitos daMedicina Hipocrática.(9) Qual foi o impacto da MedicinaHipocrática sobre a observação clínica?(10) Em que sentido a Medicina mudoudurante a Antiguidade, desde a épocaarcaica até a clássica?
  • 70. Questões Propostas(11) Que império da Antiguidadecontribuiu significativamente para asaúde pública? Explique.(12) Por que os médicos de Roma eramgregos na Antiguidade Clássica?(13) Quais foram as contribuições deGaleno à Medicina?(14) Comente os equívocos de Galenonos conhecimentos sobre anatomia efisiologia.(15) Que confusão ainda existe naatualidade sobre o símbolo da Medicina?Comente.

×