Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
  • Save
Comunicação Científica - Reunião com a Oncoliga-UFPB - Profa. Rilva Muñoz
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Comunicação Científica - Reunião com a Oncoliga-UFPB - Profa. Rilva Muñoz

  • 3,624 views
Published

 

Published in Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
3,624
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
14

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
1

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA:Artigos Originais e Resumos para Congressos Reunião com Estudantes da Oncoliga - UFPB Liga Acadêmica para o Estudo do Câncer Profa. Rilva Lopes de Sousa Muñoz rilva@ccm.ufpb.br
  • 2. A CIÊNCIA É UMA DAS MAIS IMPORTANTES CONTRIBUIÇÕES DAINTELIGÊNCIA HUMANA PARA O MUNDO CONTEMPORÂNEOConhecimento científico: objetivo, factual (real), sistemático, verificável,metódico, aproximadamente exato e... falível... Verdades provisórias
  • 3. Isto não impede que, às vezes, todos estejam errados eassim permaneçam por longo tempo... “A Ciência está longe de ser um instrumento perfeito de conhecimento. É apenas o melhor que temos” (Carl Sagan)
  • 4. PROCESSO DE COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA “As atividades associadas com a produção, disseminação e uso da informação, desde a hora em que o cientista tem a ideia da pesquisa até omomento em que os resultados de seu trabalho são aceitos como parteintegrante do conhecimento científico” (GARVEY, 1979) Apud Zita A. Lago Rodrigues
  • 5. PROCESSO DE COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA A Ciência que não se vê não existeOs resultados de pesquisas precisam tornar-se acessíveis à comunidade científica e seus usuários – artigos em periódicos, anais de congressos
  • 6. SISTEMA DE COMUNICAÇÃO NA CIÊNCIA 2 CANAIS Diferentes Funções INFORMAL( INVISÍVEL AO PÚBLICO, AGIL, ATUAL, NÃO OFICIAL, NÃO CONTROLADO ....) FORMAL ( VISÍVEL, LENTO MAS NECESSÁRIO, DIFUSÃO E OFICIALIZAÇÃO, PERMANENTES...) Apud Zita A. Lago Rodrigues
  • 7. FASE DA REDAÇÃO Escrever é preciso...
  • 8. Por queescrever umrelatório ouum resumocientífico?...científico?...
  • 9. O Estudante de Medicina escreve: Escreve relatório de Iniciação Científica Escreve resumos para congressos Artigos científicos completos Escreve livros e capítulos de livrosAjuda o orientador a escrever projetos para solicitar recursos Ajuda o orientador a escrever relatórios ... NO FUTURO: Projeto de Mestrado Dissertação de Mestrado Projeto de Doutorado Tese de Doutorado
  • 10. LIGAS ACADÊMICAS Frente Clínica: atividades práticas dos alunos,como plantões e atendimentos ambulatoriais ou de enfermaria Frente de Capacitação : seminários, discussões de casos clínicos, aulas de revisão/atualização Frente Científica ou de Eventos: encontros, jornadas ou congressos Frente de Pesquisa: atividades de produção de conhecimento Projetos de pesquisa Resumos para congressos Artigos científicos completos
  • 11. Portanto... Você não vaiescapar de escrever!...
  • 12. MAS... É DIFÍCIL?!...
  • 13. Alguns Pré-requisitos... Pré-
  • 14. BOA PRÁTICA DE LEITURA Ler, ler, ler, ler, ler, ler e ler...“É preciso ler, ler muito e ler bem” (RUDIO, 1994) RUDIO, F. C. Introdução ao projeto de pesquisa. Petrópolis: Vozes, 1994 14
  • 15. APRENDER A ACESSAR A LITERATURA MÉDICA Aprender a buscar a Informação Científica
  • 16. Aprendizado de Metodologia de Pesquisa Clínica Conhecer as técnicas usadas na área Conhecimento de estatística Conhecimento de métodosMetodologia de coleta e análise de dados Saber comunicar: escrever e relatar resultados Conhecimentos de ética em pesquisa
  • 17. Prática da pesquisa (Prof. Pedro Demo)
  • 18. Adquirir destreza… exige destreza… prática! prática!
  • 19. Pesquisa e Cooperação Pesquisa comoexperiência coletiva Grupos de pesquisa
  • 20. Sem publicação, a pesquisa não está completa...
  • 21. Relatório de Pesquisa: Organização Dois paradigmas, de acordo com a área em que o estudo se insere:American National Standard Institute (1972): "Instituto Nacional Americano de Padronização”1) Ciências Humanas e Sociais: IDC I -> Introdução D -> Desenvolvimento (revisão da literatura em capítulos) C-> Conclusão
  • 22. Relatório de Pesquisa: Organização2) Ciências Naturais, Exatas, Tecnológicas e da Saúde: IRMRDC I -> IntroduçãoRMRD -> Desenvolvimento(revisão da literatura, métodos, resultados, discussão) C -> Conclusão
  • 23. Textos científicos são uma forma especializada de comunicação É necessário ter basemetodológica e estatística para escrever artigos e resumos científicos 24
  • 24. ARTIGO CIENTÍFICO ORIGINAL Artigo Original: “relato escrito e divulgado descrevendo uma pesquisa” (FERREIRA, 1994)FERREIRA, L. G. Redação Científica: Como escrever artigos, monografias, dissertações e teses. Fortaleza: Edições UFC, 1994. 25
  • 25. Estrutura de um artigo científico •Título • Autor (es) • Resumo e palavras-chave •Abstract e Key-words • Introdução • Metodologia • Resultados • Discussão • Conclusão • Referências 26
  • 26. Título Curto: não mais que 10-12 palavrasConciso e atrativo para induzir à sua leitura Deve conter termos que identifiquem o conteúdo Títulos longos (> 15 palavras):efeito antiestético; reflexo da falta de concisão e prolixidadeÚltimo a escrever: requer habilidade 27
  • 27. TítuloO título não deve conter palavras que “recheiam” ou alongam: “Introdução ao estudo de...”, ou “Considerações sobre...” Evitar artigos definidos e indefinidos: a, um, o Não agregam informaçõesimportantes ao entendimento do conteúdo do artigo 28
  • 28. Título Um título adequado inclui geralmente: tipo do estudo,principais variáveis e/ou amostra Apesar de haver regras úteis, só se aprende a ser um bom “resumidor” com a prática Prática, prática, prática 29
  • 29. Por que se consolidou a prática de divulgar resumos? Em congressos científicos, o número de trabalhos submetidos e apresentados é elevado: as comissões selecionam os trabalhos a partir dos resumos O volume da pesquisa realizada internacionalmente é alto: o resumo é o ponto de partida da pesquisa bibliográfica
  • 30. Como escrever um resumo? Síntese completa do artigo Objetivos, metodologia, resultados e conclusões Nas normas dos periódicos e doscongressos define-se a extensão em número de palavras Evitar: “os autores" ou "este artigo”
  • 31. Como escrever um resumo? A busca a simplicidade é fundamental: “Menos é mais” Princípio da Parcimônia Proposto no século XIV por Guilherme deOccam (1285-1347), um dos fundamentos daepistemologia científica: “... não multiplique as coisas desnecessariamente”
  • 32. Como escrever um resumo? Um avaliador de resumos emcongressos científicos julga pelo mérito, pela conveniência, se determinado resumo é adequado Mas um resumo mal escrito também pode ser recusado, embora adequado para aquelecongresso e de boa qualidade metodológica e científica Então é preciso aprender a fazer um bom resumo...
  • 33. Resumo Estruturado Resumo de 150-300 palavras Dividido em sessões separadas:objetivos, métodos, resultados e conclusõesAbreviações, referências e tabelas não devem ser utilizadas no resumoCONCISÃO, CLAREZA, PRECISÃO E OBJETIVIDADE Conceber o resumo como um parágrafo coeso e contar palavras)
  • 34. Palavras-Palavras-chave ou Descritores Expressões que identificam o tema do artigo com vistas à catalogação Descritores DeCS (http://decs.bvs.br) 35
  • 35. Introdução • Problema de pesquisa (Questão)• Justificativa: argumentos apoiados na revisão da literatura • Revisão teórica: conhecimento existente que oferece conceitos sobre a questão • Hipótese (s) de pesquisa • Objetivos do trabalho 36
  • 36. Definição da Questão (Pergunta)◦ Características de uma boa questão Factível: realizável Tamanho da amostra; capacidade técnica; suporte financeiro e disponibilidade Relevante Inovadora Eticamente aceitável
  • 37. Definição da QuestãoQue questões interessam em Medicina? ◦ Frequência, prevalência◦ Associação, causalidade e etiologia ◦ Diagnóstico ◦ Tratamento e Prevenção ◦ Prognóstico ◦ Síntese
  • 38. Introdução Deve despertar interesse: relevância, prevalência, morbimortalidade Deve indicar controvérsias e lacunas no conhecimentoDeve ser curta: 300 a 600 palavras Referências selecionadas Verbo no presente Texto sem subseções 39
  • 39. Metodologia Modelo da pesquisa Abordagem metodológica Local da pesquisa População e amostraInstrumentos de coleta dos dados Análise estatística dos dados Aspectos éticos Precisão e objetividade: evitar informações e detalhes óbvios Verbo no passado 40
  • 40. TIPOS DE ESTUDOS Estudos Estudos descritivos analíticos Séries de casos Observacional Experimental ECRCaso-controle Transversal Coorte Revisão sistemática e Meta- análise
  • 41. HIERARQUIA dos estudos científicos 1- Revisão sistemática de estudos randomizados com ou sem meta-análise 2- Estudos experimentais randomizados 3- Estudos de Coorte 4- Estudos de Caso-Controle 5- Séries de Casos 6- Relato de Casos 7- Opiniões de especialistas
  • 42. Metodologia Definição detalhada da população do estudo:critérios de inclusão e exclusão, processo de amostragem e amostra selecionada Descrição das variáveis: primária e secundárias; dependente e independente 43
  • 43. Resultados • Seção mais importante do artigo • A apresentação dosresultados deve se limitar à sua descrição • Complementar texto com tabelas e/ou gráficos, com os respectivos números e títulos 44
  • 44. ResultadosApresentam-se primeiroos resultados obtidos das análises descritivas seguindo-se os das análises inferenciais 45
  • 45. Discussão Parte mais difícil... Iniciar com a resposta à questão, verbo no presente: a hipótese é corroborada pelos resultados? Explicarcomo os resultados sustentam ou não a hipóteseResponder à pergunta da pesquisa: qual foi a resposta encontrada?Comparar a resposta encontrada comresultados de outros trabalhos da literatura 46
  • 46. Conclusões Devem ser diretamente relacionadas aos objetivos propostos: são as respostas às questões do estudo Objetivos # conclusões◦ Evitar que conclusões não façam parte do objetivo inicial ou◦ Evitar que o objetivo inicial não tenha sido concluído 47
  • 47. ConclusõesPodem incluir também: Aplicações Recomendações ImplicaçõesSugestão de outros estudospara questões surgidas no trabalho 48
  • 48. Referências• Ordenadas alfabeticamente ou numeradas por ordem de aparecimento no artigo• O estilo pode ser Vancouver, ISO, ABNT, de acordo com as instruções normativas de cada periódico 49
  • 49. Redação e Estilo Linguagem técnico-científica sem expressões coloquiais Parcimônia: “Less is more...”Objetividade: a linguagem objetiva deve afastar as expressões: “eu penso”, “eu acho”, “parece-me” - dão margem a interpretações simplórias e sem valor científico 50
  • 50. Redação e Estilo Estilo científico: objetividade, concisão, clareza, precisão, coerência, correção, encadeamento A linguagem científica é informativa,racional, firmada em dados concretos;podem-se apresentar argumentos deordem subjetiva, porém dentro de um ponto de vista científico. 51
  • 51. “O texto deve tertrês virtudes: clareza, clareza e clareza.” (Anatole France) 52
  • 52. Elaborando a Comunicação... não deixe para a última hora escreva Leia relatórios faça um esboço ou resumos revisemostre ao orientador critique reescreva/ corrija Envie o trabalho!
  • 53. MUITO CUIDADO COM O PLÁGIO!...Reescreva,referencie
  • 54. CongressosCom publicação dos resumos em Anais Publicação em Revistas - ISSNSeguir as normas para submissão de resumos do CongressoResumos simples ou expandidos Baixo índice de rejeição de trabalhos
  • 55. Congressos Meio de participaçãoExposição de grupos de pesquisa Troca de conhecimentos Crescimento acadêmico Mas grande parte dos trabalhos apresentados em congressos raramente é publicada...
  • 56. Congressos A apresentação de trabalhos em congressos não pode ser considerada um fim em si mesma: o trabalho não se completa. Depois do congresso, escrever o artigo e submetê-lo à publicaçãoO trabalho publicado é o “troféu” para os autores e a instituição
  • 57. Congressos Em geral, não são fornecidasinformações detalhadas sobre a estrutura do texto nas normas A maioria não pede para especificar modelo, seleção da amostra, limitações ou implicações dos resultados
  • 58. Congressos Deveriam ser fornecidas orientações mais específicassobre a elaboração do resumo A qualidade dos resumosdeveria ser critério para seleçãodos melhores para apresentação oral
  • 59. Congresso / Publicação de Artigo •Podem-se apresentar trabalhos em congressos e depois submetê-los à publicação em revistas científicas• Nos anais dos congressos, são publicados apenas os resumos• Não se pode submeter um artigo a duas revistas ao mesmo tempo• Se rejeitado na primeira tentativa, o artigo deve ser submetido a outra revista• Verificar o escopo de publicação da revista antes de enviar o trabalho • Seguir rigorosamente as normas editoriais60
  • 60. Periódicos Periódicos: apenas as revistas com ISSN, que • possuem corpo editorial qualificado e apresentam conteúdo composto exclusivamente por artigos científicos. Qualis/Capes: produção intelectual dos • programas de pós-graduação stricto sensu no Brasil • Saúde: Educação Física, Enfermagem, Farmácia, Medicina I, Medicina II, Medicina III, Odontologia,Saúde coletiva = fator de impacto• Fator de impacto: publicado anualmente no Journal Citation Reports (JCR) 61
  • 61. Revistas – Publicação de Artigos Verificar Qualis/Capes:http://qualis.capes.gov.br/webqualis/p rincipal.seam Periódicos internacionais (A,B,C) e nacionais (A,B,C) 8 estratos em ordem decrescente de valor: A1 e A2 (excelência), B1, B2, B3, B4, B5 e C A1- Fator de Impacto igual ou superior a 3,800 A2- Fator de Impacto entre 3,799 e 2,500 B1- Fator de Impacto entre 2,499 e 1,300 B2- Fator de Impacto entre 1,299 e 0,001
  • 62. Indicadores de ImpactoImpacto e qualidade de um trabalho científico não são sinônimos... Qualidade: conteúdo científico da publicação, adequação da metodologia, clareza da redação e originalidade do delineamento e das conclusões. Impacto: influência do artigo sobre as pesquisas afins em um determinado momento. O fator de impacto seria um indicador indireto da qualidade do periódico
  • 63. Fator de ImpactoFator de impacto de uma revista em umdado ano: quociente entre o número decitações recebidas neste ano pelos artigospublicados nos dois anos anteriores e onúmero de artigos publicados na revistanaqueles dois anosExemplo: O fator de impacto de uma revista X no ano de2011 é definido como o número total de citaçõesrecebidas durante o ano de 2011 pelos artigos publicadosnos anos de 2010 e 2009, dividido pelo número total deartigos publicados por esta revista ao longo destes doisúltimos anos.
  • 64. Fator de Impacto 2012 Revistas - Medicina Revistas - Oncologia Revistas Medicina - Brasil
  • 65. 2012
  • 66. 2012
  • 67. Posição Título Editor Fator de impacto 2011 Link Memórias do Instituto Oswaldo 1 Instituto Oswaldo Cruz 2.147 http://memorias.ioc.fiocruz.br Cruz 2 Clinics Faculdade de Medicina - USP 2.058 www.clinics.org.br Journal of the Brazilian Chemical 3 Sociedade Brasileira de Química 1.434 http://jbcs.sbq.org.br Society Sociedade Brasileira de www.jornaldepneumologia.com.b 4 Jornal Brasileiro de Pneumologia 1.391 Pneumologia e Tisiologia r 5 Revista de Saúde Pública Faculdade de Saúde Pública - USP 1.328 www.rsp.fsp.usp.br Revista Brasileira de Cirurgia Sociedade Brasileira de Cirurgia 6 1.239 www.rbccv.org.br Cardiovascular Cardiovascular Associação Brasileira de 7 Revista Brasileira de Psiquiatria 1.198 www.rbppsiquiatria.org.br Psiquiatria Fundação de Pesquisas Científicas 8 Genetics and Molecular Research 1.184 www.geneticsmr.com de Ribeirão Preto Brazilian Journal of Medical and Associação Brasileira de 9 1.129 www.bjournal.com.br Biological Research Divulgação Científica Anais da Academia Brasileira de 10 Academia Brasileira de Ciências 1.094 www.scielo.br/aabc Ciências 11 International Braz J Urol Sociedade Brasileira de Urologia 1.065 www.brazjurol.com.br Sociedade Brasileira de 12 Neotropical Ichtyhology 1.064 www.scielo.br/ni Ictiologia Associação Brasileira de Ciência www.abeco.org.br/publicacoes/na 13 Natureza & Conservação 1.049 Ecológica e Conservação tureza-e-conservacao Sociedade Brasileira de 14 Jornal de Pediatria 1.013 www.jped.com.br Pediatria The Brazilian Journal of Infectious Sociedade Brasileira de 15 1.005 www.bjid.org.br Diseases Infectologia Revista do Instituto de Medicina Instituto de Medicina Tropical de 16 1.000 www.scielo.br/rimtsp Tropical de São Paulo São Paulo - USP
  • 68. Sugestões para leituraLivros (Biblioteca Central UFPB)ABRAHAMSOHN, P. Redação Científica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004BARRASS, R. Os cientistas precisam escrever: Guia de redação para cientistas, engenheiros e estudantes. São Paulo: T. A. Queiroz, 1978.FERREIRA, L. G. Redação Científica: Como escrever artigos, monografias, dissertações e teses. Fortaleza: Edições UFC, 1994. 69
  • 69. Sugestões para leitura Artigos sobre análise crítica da redação científicaEm pdfhttp://www.unerj.br/unerj/pesquisa/arquivos/Manual_Artigo_ cientifico.pdf.http://www.odonto.ufmg.br/index2.php?option=com_docma n&task=doc_view&gid=32&Itemid=98.http://dialogos.ftc.br/index.php?option=com_docman&task=d oc_download&gid=18&Itemid=15.http://www.cb.ufrn.br/~araujo/textos/aula1.pdf.Em HTMLFRIEDLANDER, M. R.; ARBUES-MOREIRA, M. T. Análise de um trabalho científico: um exercício. Rev. bras. enferm. v. 60, n. 5, p. 573-578, 2007. 70
  • 70. “Todo caminho parauma nova compreensãocomeça com uma certa confusão” (Mason Cooley)
  • 71. Boas pesquisas avocês da Oncoliga... E “caprichem” na comunicação dos resultados!
  • 72. Mas... Com qualidade...
  • 73. Fonte: Jornal da Ciência, da SBPCE não desistam facilmente... não