Terminologia de Hardware eSoftwarePor: Henrique Quirino Silva• Hardware• Ferramentas de Instalação• Defeitos em componente...
Durante toda sua história, desde os primórdios, o ser humanoprocurou dominar o meio ambiente e manipulá-lo de modo a criar...
Com o pensamento aconteceu exatamente o mesmo:expandimos nossa capacidade de raciocínio por meio de umamáquina, o computad...
O computador veio para acelerar o processamento dasinformações, fazer cálculos, analisar sequências e manipular dadosem ve...
Para um computador funcionar, é necessário haver hardware esoftware. O hardware é a parte física do computador, seus circu...
O PC (computador pessoal), também conhecido como desktop, é aforma mais conhecida de computador, embora muitos outros form...
4. Mouse: O usuário do desktop pode indicar ao computadorcom qual elemento da tela pretende interagir. O mouse éusado para...
Partes de um computadorO conjunto dos dispositivos conectados para constituir umcomputador depende do uso que se fará do e...
A unidade de sistema é o centro do computador. Constitui-se decomponentes e conectores de dispositivos que se conectam por...
◉ Botão interruptor Liga/Desliga ou Power– Nos computadores nos quais se instalou o sistema operacionalWindows ou Linux, e...
Componentes externos da unidade de sistemaA opção que inicia o desligamento por parte do sistema operacional precisa estar...
◉ Botão de Reset– Reinicia o computador, como se desligasse e ligasse o micronovamente. Recorremos ao reset quando o compu...
◉ LED de alimentação– Indica se o computador está ligado.◉ LED de atividade do HD– Aponta se algum programa está lendo ou ...
Acompanhe na figura a seguir os componentes do lado posterior dogabinete.1. Fonte de alimentação – É onde se conecta o cab...
Vista da parte de trás de uma unidade de sistema.Parte de trás da unidade de sistema
São todos os dispositivos que se conectam à unidade de sistemapara obter respostas ou para passar informações ao computado...
Apesar de não ter uma função fundamental para o computador,ou seja, sem ele o computador pode funcionar normalmente, ogabi...
O gabinete possui duas tampas – do lado esquerdo e do ladodireito. A tampa do lado direito somente é removida se fornecess...
Existem vários padrões no mercado. Os mais conhecidos são o AT e oATX (o primeiro já se tornou obsoleto).O AT (Advanced Te...
Existem gabinetes em vários formatos. São estes os mais comuns:Gabinetes horizontais – São colocados sobre a mesa, com o m...
Gabinetes horizontal, vertical e formato pequeno.Formatos
Antes de começarmos o processo de abertura do gabinete, é bom lembrarque os equipamentos possuem garantia. Assim, caso voc...
Para abrir o gabinete, primeiramente localize, na parte traseira, osparafusos que prendem a tampa. Geralmente são dois ou ...
Parafusos que acompanham gabinete ou placa-mãe.Abertura do Gabinete
Exemplo de placa de fixação de placa-mãe.Abertura do Gabinete
No caso de instalação ou remoção de uma placa-mãe, saiba queeste componente é fixado em uma chapa que se solta totalmente ...
Os espaçadores são mais comuns em placas mais novas. Afixação deles deve ser primeiro nos furos coincidentes da chapa desu...
A função da fonte de alimentação é transformar a energiaelétrica que vem da rede através do cabo de força, preparando-apar...
Fonte de alimentação: antes de ligar a máquina, verifique a voltagemFonte de Alimentação
Veja, na tabela a seguir, em que dispositivos se ligam os cabos da fonte.Fonte de Alimentação
Fonte de Alimentação
InstalaçãoCaso tenha de substituir uma fonte de alimentação elétrica antiga, primeiroremova-a seguindo os passos da figura...
Removendo a fonte antiga:A. Desligue o cabo de energia.B. Remova a tampa que dá acesso ao interior do micro.C. Desconecte ...
InstalaçãoInstalando a nova fonte: Siga os passos da figura abaixo.
Instalando a nova fonte:A. Introduza a nova fonte no gabinete procurando pelos lugaresdos encaixes. Verifique se estão tod...
InstalaçãoDica Importante:Na hora da compra de um computador novo, é muito importante calcular apotência de que precisarem...
Todos os componentes do computador são ligados ou integrados auma placa de circuito impresso, que pode ser encontrada aind...
Placa MãePlaca-mãe MSI-P55 GD65 para os processadores Intel Lynnfield.
Nas placas-mãe dos computadores há conectores para encaixedos dispositivos, cabos e placas que irão constituir a máquina c...
Conectores
A. PCI-Bus: slot de expansãoB. Conectores para ligar o áudiofrontal do gabineteC. Conectores do painel traseiroD. Conector...
O áudio utiliza conectores do tipo P2 Stereo. A saída de áudioindicada na figura abaixo pela letra B, de cor verde, é para...
O conector A na figura, de cor azul, é para entrada de áudio (Line-in). Nessa entrada é possível ligar outros equipamentos...
As placas mais novas não vêm com esse conector porque o usode internet discada se tornou praticamente obsoleto. Nas placas...
O conector de rede serve para conectar o cabo de rede, quegeralmente se liga a uma rede pessoal ou corporativa, ou a umapa...
Esse conector serve para ligar o cabo de sinal de vídeo domonitor. O padrão da maioria das placas é o VGA (Video GraphicAr...
Antes de montar um processador na placa-mãe é importanteverificar se os dois são compatíveis. Existem vários padrões decon...
É possível encontrar dois tipos de encaixe para o processador: o soquete(série PGA e ZIF) e o slot para SEPP, SECC e SECC2...
Conector do processadorModelo de Socket
Conector do processadorModelo de Socket com seta para encaixe do processador
Conector do processadorSoquete com marcação de posicionamento para encaixe do processador.
Conector do processadorProcessador com marcação de posicionamento para encaixe no soquete.
Veja também que na outra parte de um processador existem váriospinos dourados, que fazem a comunicação com a placa-mãe. É ...
Conector do processadorO encaixe requer muito cuidado
Esse conector é ligado à memória RAM, tema que abordaremosmais adiante. Seu formato de encaixe muda conforme a tecnologiac...
Conector de memóriaSlots de memórias de uma placa de servidor.
Conector de memóriaSlots de memórias de uma placa-mãe de laptop.
Para que a memória fique bem firme, esse conector é dotado detravas que se prendem nas extremidades da placa de memória. O...
Conector de memóriaMontagem de uma placa de memória
Conector de memóriaComparação do formato da placa de memória DDR e DDR2.
A porta serial foi muito utilizada no passado para conectar mouse,impressora, leitores de código de barras e outros dispos...
Nas placas-mãe encontramos dois conectores do tipo IDE, ou PATA,como é chamado atualmente, depois da popularização do form...
Cada conector Serial ATA tem capacidade de ligar somente um discorígido. A conexão é simples: um lado do cabo é ligado em ...
O conector de disquete, ou floppy-disk, é bem parecido com o conectorIDE do disco rígido. A diferença é o tamanho, menor, ...
A fonte de energia alimenta a placa-mãe com uma tensão de 12v, pormeio de um conector grande, o conector de energia princi...
Em algumas placas é possível encontrar um conector adicional dequatro pinos que, segundo manuais de algumas placas-mãe def...
O conector rosa, encontrado no painel traseiro da unidade deprocessamento, é o conector do teclado. O teclado é um perifér...
Conector do tecladoConectores de teclado DIN (Esquerda) e PS2 (Direita)
A porta paralela foi largamente utilizada para ligar dispositivos acomputadores, principalmente impressoras. O modelo foi ...
Conector de impressoraCabo DB25 de impressora.
Do lado do conector do teclado, e no mesmo formato, com o mesmopadrão PS/2, encontramos o conector do mouse, na cor verde....
No painel traseiro as placas-mãe costumam trazer várias portas USB.Podemos encontrar outras portas desse tipo no painel fr...
A porta FireWire é a principal concorrente da USB na padronização dedispositivos. Pode-se perceber que nessa briga a USB v...
Uma das características das placas-mãe é a capacidade de permitir aexpansão das funcionalidades do computador, ou até a im...
O Industry Standard Arquiteture (ou Arquitetura Padrão da Indústria),mais conhecido como ISA, foi o padrão para conector d...
ISAPlaca-mãe com slots ISA (preto).
A especificação PCI foi desenvolvida pela Intel em 1990 para substituir osbarramentos ISA e VESA Local Bus, e continua sen...
PCIPlaca-mãe com slots PCI.
O AGP (Accelerated Graphic Port, ou Porta Gráfica Acelerada) para asplacas-mãe baseadas no Pentium II foi desenvolvido pel...
Esses dois tipos de slots foram desenvolvidos por fabricantes de placas-mãe que traziam áudio e modem on-board, mas optara...
O desenvolvimento cada vez mais veloz das tecnologias 3D forçou aindústria de informática a criar barramentos também sempr...
PCI ExpressSlots PCI-Express
Alguns componentes da placa-mãe respondem por tarefasfundamentais para a própria placa-mãe, pois têm de integrar, controla...
De todo modo, deve ser feito somente em último caso, pois a falha noprocesso de instalação ou a implantação de uma versão ...
BIOS
As placas trazem uma bateria, parecida com a de relógios, porém bemmaior, para manter a CMOS energizada enquanto o computa...
Placas-mãe funcionam por meio de um conjunto (set) decircuitos integrados (chips), daí o nome de chipset. Cada um dessesch...
ChipsetsOrganização de chips e barramentos em placas-mãe atuais.
A ponte norte influencia diretamente o desempenho geral da máquina,pois contém a controladora de memória, que determina a ...
Os sensores servem para monitorar eventuais problemas com aplaca-mãe e seus dispositivos, como falhas no fornecimento deen...
Com a evolução das placas-mãe, os fabricantes começaram a dotá-lascada vez mais de circuitos impressos nas próprias placas...
Tenha em mente, contudo, que placa-mãe on-board indica computadorde baixo custo, mas também de baixo desempenho. Dispositi...
Barramentos são circuitos integrados que fazem a transmissãofísica de dados de um dispositivo a outro. Esse meio de transm...
Arquitetura de von Neumann, na qual se baseiam os computadorespessoais, prevê que, entre outros componentes, um computador...
A sigla ROM vem da expressão em inglês Read-Only Memory, quesignifica Memória Apenas de Leitura. É uma memória que não per...
A PROM (Programable Read Only Memory, ou MemóriaProgramável só de Leitura) foi uma das primeiras ROM da história. Foidesen...
A PROM é um circuito eletrônico que armazena dados por meio de umconjunto de fusíveis.PROM
A sigla EPROM, da expressão Erasable Programmable Read OnlyMemory (erasable = apagável), indica que esta memória pode serr...
A EEPROM (Eletrical Erasabel Programmable Read Only Memory ouMemória Somente de Leitura, Programável e Limpa Eletricamente...
As memórias flash baseiam-se no padrão EEPROM. O processo degravação e leitura nesse caso é por meio da aplicação de carga...
Memórias Flash
A memória RAM, acrônimo em inglês para Random Access Memory,ou Memória de Acesso Aleatório, traz em seu nome uma caracterí...
Memória RAMA memória RAM pode obter qualquerinformação diretamente.A RAM, como vimos anteriormente, faz parte da memóriapr...
Módulos de memória DIMMOs chips de memória encapsulada são soldados um ao lado do outro sobreos dois lados de uma placa de...
Módulos de memória DRAMA Dynamic RAM, ou memória RAM dinâmica, é o tipo de memóriaempregada como RAM nos computadores em 2...
Módulos de memória SDRAMUm dos fatores que impediam o computador de alcançar o seu máximodesempenho eram as memórias, que ...
SDR e DDRCom o padrão DRAM foi possível desenvolver memórias que transmitemduas vezes no mesmo ciclo de clock, as DR (Doub...
Dual ChannelA tecnologia dual channel (canal duplo) permite que umaplaca mãe tenha duas controladoras de memória, cada uma...
CacheAs memórias cache são memórias do tipo SRAM (StaticRandom Access Memory, ou RAM estática). Não demandam refreshe, por...
ProcessadorO termo Unidade Central de Processamento, ou simplesmenteCPU (sigla em inglês para Central Processing Unit), re...
1. Um programa constituído de uma série de instruções para oprocessador, armazenado no disco rígido, é transferido para am...
Assim, o calor precisa ser rapidamente removido para evitaraumento de temperatura. A temperatura máxima admissível pelopro...
O microprocessador também é um circuito integrado, porém,programável, capaz de realizar várias instruções, uma de cada vez...
O processador é dividido em alguns componentes, e cada um realizauma tarefa específica, necessária para executar todo o co...
Os registradores são divididos em três grupos:• De uso geral ou de dados – têm capacidade de 32 bits cada um esão utilizad...
Existem também registradores ligados diretamente a processamentode números de ponto flutuante. São eles:• Numéricos – arma...
Os processadores são comercializados em dois formatos: na versãoOEM (somente o chip) e na versão BOX, em que o processador...
Procedimento de instalação de um processadorConjunto:processador,dissipador ecooler.
Não é somente o processador que gera energia térmica dentro docomputador, mas todos os demais componentes, com mais ou men...
Procedimento de instalação de um processadorFluxo de ar por dentro do gabinete.
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Ths

881
-1

Published on

2 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
881
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
78
Comments
2
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Ths

  1. 1. Terminologia de Hardware eSoftwarePor: Henrique Quirino Silva• Hardware• Ferramentas de Instalação• Defeitos em componentes• Periféricos• Conceitos de Software• Etc...
  2. 2. Durante toda sua história, desde os primórdios, o ser humanoprocurou dominar o meio ambiente e manipulá-lo de modo a criarmelhores condições de sobrevivência. E para isso não usou a força,mas seu poder intelectual, até porque nunca foi fisicamente tão fortequanto grande parte dos animais. O ser humano sempre concebeumentalmente as estratégias para alcançar seus objetivos.Quando precisou produzir mais quantidade de alimentos, recorreuaos animais, domesticando-os.O ComputadorQuando estes já não davam contadas demandas, cada vez maiores,começou a construir máquinas, queao longo dos séculos foram sesofisticando para atender suasnecessidades nos campos maisvariados. Ou seja, ao longo de suahistória, o ser humano foiconstruindo meios de ultrapassar oslimites de seu corpo.
  3. 3. Com o pensamento aconteceu exatamente o mesmo:expandimos nossa capacidade de raciocínio por meio de umamáquina, o computador. Durante nossa jornada, desenvolvemos acapacidade de fazer cálculos, analisar, compreender e explorar anatureza, por meio da observação e da inteligência. Porém, nossacapacidade se tornou insuficiente à medida que nosso modo de vidafoi ficando mais complexo.Por exemplo, conseguimos calcular o saldo de nossa contacorrente, mas se precisássemos saber o saldo da conta corrente detodos os clientes de uma única agência bancária, ficaríamos um diainteiro fazendo cálculos e não conseguiríamos concluir o trabalho.O Computador
  4. 4. O computador veio para acelerar o processamento dasinformações, fazer cálculos, analisar sequências e manipular dadosem velocidades muito além da capacidade do ser humano. Mas essasmáquinas não têm o poder de criar, pois até agora não nos foipossível desenvolver sistemas que façam as máquinas pensar e criarpor si próprias – ainda bem, não?Portanto, ninguém precisa se preocupar com a possibilidade deas máquinas virem a dominar o homem. Por enquanto, isso é apenastema de filmes de ficção científica.O Computador
  5. 5. Para um computador funcionar, é necessário haver hardware esoftware. O hardware é a parte física do computador, seus circuitoseletrônicos, cabos, placas, dispositivos periféricos conectados etc. Osoftware é a parte não física: programas, instruções e procedimentosescritos por programadores para controlar o hardware de modo queeste possa executar as tarefas de que precisamos. Uma parte nãofunciona sem a outra.Se ligarmos um computador sem nenhum software gerenciadorinstalado, seus leds se acenderão, mas não poderemos usá-lo paraabsolutamente nada..Hardware e Software
  6. 6. O PC (computador pessoal), também conhecido como desktop, é aforma mais conhecida de computador, embora muitos outros formatosestejam presentes em nosso cotidiano, como notebooks, caixas-eletrônicos, telefones celulares, câmeras digitais, palmtops e robôs.Vamos trabalhar com o desktop.◉ Componentes do computador pessoal (desktop):1. Monitor: Exibe visualmente as informações ao usuário..2. Modem: Conecta o computador a internet.3. Unidade do Sistema: É o cérebro do computador. Abriga a placa-mãe, que interliga todos os componentes; o processador, queexecuta as informações e os comandos dos programas; asmemórias, que armazenam os programas executados enquanto oequipamento estiver ligado; a unidade de disco rígido (HD ou harddisk); o drive de CD/DVD; o drive de disquete e a fonte dealimentação. Na unidade do sistema também são conectadosoutros dispositivos por meio de cabos que se pode ligar às portasencontradas na frente, atrás e, eventualmente, em alguma daslaterais do gabinete.Partes de um computador
  7. 7. 4. Mouse: O usuário do desktop pode indicar ao computadorcom qual elemento da tela pretende interagir. O mouse éusado para controlar o cursor na tela, selecionar opções emmenus e acionar outros dispositivos exibidos5. Alto Falante: Caixa de som, com amplificador, que possibilitaao usuário ouvir os sons, como músicas, áudio de filmes ede avisos enviados pelos programas.6. Impressora: Usada para imprimir documentos, fotos,trabalhos, relatórios, planilhas, gráficos.7. Teclado: Dispositivo no qual digitamos textos, confirmamoscomandos, passamos as informações solicitadas pelosprogramas, entre outras ações.Partes de um computador
  8. 8. Partes de um computadorO conjunto dos dispositivos conectados para constituir umcomputador depende do uso que se fará do equipamento. Para usopessoal, comercial ou em consultórios, por exemplo, a configuração é ada figura acima.
  9. 9. A unidade de sistema é o centro do computador. Constitui-se decomponentes e conectores de dispositivos que se conectam porcabos e que ficam à vista, e de componentes internos, não acessíveis.Estudaremos estes últimos (placa-mãe, fonte de alimentação,sistema de ventilação, discos rígidos e drives de CD/DVD e disquete)em detalhes mais adiante. Antes, identificaremos as peças visíveis daunidade de sistema.Painel FrontalNa parte frontal de uma unidade de sistema (o gabinete), hásempre dois botões, alguns leds (diodo emissor de luz), entradas USBpara conexão de pen-drive, cabo de câmera, celular e/ou outrosdispositivos. Há ainda drive para inserir disco flexível (disquete), CD-ROM e/ou DVD e leitoras de cartões Flash.Componentes externos da unidade de sistema
  10. 10. ◉ Botão interruptor Liga/Desliga ou Power– Nos computadores nos quais se instalou o sistema operacionalWindows ou Linux, esse botão é controlado pelo próprio sistema epode ter mais algumas funcionalidades. Nesses casos, desligar oequipamento por meio do botão, sem que o sistema tenha solicitadoa finalização do processo, é prejudicial a sua vida útil. O desligamentobrusco pode danificar arquivos ou até mesmo o próprio disco rígido,onde são armazenados os arquivos, comprometendo ofuncionamento posterior da máquina. Se o computador estiverdesligado, um toque rápido no botão o aciona novamente. Se estiverligado, um toque rápido pede ao sistema operacional para iniciar oprocesso de desligar. E, caso o computador pare repentinamente deresponder e for preciso desligá-lo de modo forçado, deve-se apertaro botão e mantê-lo pressionado por 5 segundos.Componentes externos da unidade de sistema
  11. 11. Componentes externos da unidade de sistemaA opção que inicia o desligamento por parte do sistema operacional precisa estarconfigurada no Windows. A figura abaixo mostra como se faz essa configuração noWindows XP.Componentes externos da unidade de sistema
  12. 12. ◉ Botão de Reset– Reinicia o computador, como se desligasse e ligasse o micronovamente. Recorremos ao reset quando o computador trava.Cada dispositivo possui um número de IRQ. Quanto menor for onúmero, maior será sua importância. Assim, caso duas interrupçõesocorram ao mesmo tempo, o processador priorizará a de número deIRQ com menor valor. Se estiver processando uma interrupção e fornovamente interrompido por um IRQ de mais prioridade, suspenderáo processamento da interrupção em andamento para tratar da nova,voltando em seguida a processar a interrupção anterior. É como umfuncionário que recebe uma ordem do gerente e começa a cumpri-la,mas chega o dono da empresa e lhe pede para fazer alguma outracoisa. O funcionário resolverá antes o problema do patrão, deixandoa tarefa do gerente de lado, mas voltará a esse trabalho assim quetiver terminado a tarefa prioritária.Componentes externos da unidade de sistema
  13. 13. ◉ LED de alimentação– Indica se o computador está ligado.◉ LED de atividade do HD– Aponta se algum programa está lendo ou escrevendo no disco rígido.◉ Leitora de cartões– Muito comum em micros novos, no lugar do compartimento do antigodisquete.◉ Entradas USB– Para conexão de dispositivos como webcam, câmeras fotográficas ecelulares.◉ Entrada e saída de áudio– Para conectar fone de ouvido, caixas de som e microfone.Componentes externos da unidade de sistema
  14. 14. Acompanhe na figura a seguir os componentes do lado posterior dogabinete.1. Fonte de alimentação – É onde se conecta o cabo deenergia que alimenta o computador.2. Entradas de ar – Para refrigeração interna.3. Painel traseiro – Onde se agregam os conectores da placa-mãe.4. Baias de placas adicionais – Onde ficam os conectores dedispositivos instalados em slots de expansão na placa-mãe.Parte de trás da unidade de sistema
  15. 15. Vista da parte de trás de uma unidade de sistema.Parte de trás da unidade de sistema
  16. 16. São todos os dispositivos que se conectam à unidade de sistemapara obter respostas ou para passar informações ao computador.Esses dispositivos são geralmente divididos em três grupos:periféricos de entrada, de saída e mistos.• Periféricos de entrada – São aqueles que possibilitam ao usuáriopassar alguma informação para o computador. Por exemplo:teclado, mouse, microfone, webcam, joystick.• Periféricos de saída – Transmitem informação para o usuário. Porexemplo: monitor, alto-falantes, impressoras.• Periféricos mistos – Como você já deve ter imaginado, sãoaqueles que permitem enviar e receber informações. Exemplo:telas sensíveis ao toque, CDs, DVDs, pen-drives, cartões dememória.Periféricos
  17. 17. Apesar de não ter uma função fundamental para o computador,ou seja, sem ele o computador pode funcionar normalmente, ogabinete é de grande importância, pois organiza e fixa os seus várioscomponentes, como HD, CD/DVD-ROM, placa-mãe, placas deexpansão com conectores externos (USB, Serial, vídeo, som, etc.),sustenta a placa-mãe e protege as placas do contato direto compessoas, umidade, energia estática e poeira.Geralmente, o gabinete é formado por um corpo metálico,pintado externamente com tinta eletrostática e às vezes tambéminternamente. Tem um painel frontal para embutir leitores de mídia(DVD, CD, Floppy, cartões, fita etc.) com espaços para instalarconectores diversos (áudio, USB etc.) e entrada de ar. E um paineltraseiro para placas de expansão, fonte alimentação e saída de ar.Gabinetes
  18. 18. O gabinete possui duas tampas – do lado esquerdo e do ladodireito. A tampa do lado direito somente é removida se fornecessário substituir a placa-mãe, pois dá acesso à chapa de suporteda placa-mãe, onde ficam os parafusos e fixadores plásticos. E, aindano caso de ser preciso apertar ou remover os parafusos de fixaçãodo HD ou dos leitores que ficam dos dois lados das baias. A tampado lado esquerdo dá acesso à parte superior da placa-mãe, aoencaixe da fonte de alimentação, às baias de fixação do HD, aosdrives de leitura e ventoinhas.Gabinetes
  19. 19. Existem vários padrões no mercado. Os mais conhecidos são o AT e oATX (o primeiro já se tornou obsoleto).O AT (Advanced Tecnology) foi o padrão de gabinete utilizado nosprimeiros PCs da IBM, e que, por vários problemas, foi sendosubstituído pelo ATX (Advanced Tecnology Extended, ou seja,Tecnologia Avançada Estendida). Esse padrão, desenvolvido pelaIntel em 1995, continuou sendo muito utilizado, apesar dolançamento, em 2003, pela Intel, do padrão BTX (Balanced TecnologyExtended, Tecnologia Balanceada Estendida).As melhorias trazidas pelo BTX em relação ao ATX estão natentativa de padronizar placas-mãe de menor tamanho e tambémaumentar a refrigeração, facilitando a passagem do ar. A tendência éque este formato substitua o ATX.Padrões
  20. 20. Existem gabinetes em vários formatos. São estes os mais comuns:Gabinetes horizontais – São colocados sobre a mesa, com o monitor porcima. Menores que os verticais (torre), são indicados para quem tem poucoespaço. Porém, por serem menores, trazem dificuldade para os técnicosinstalarem novas placas.Gabinetes verticais – Mais conhecidos como torres, são encontrados emduas versões, diferenciadas pelo tamanho: torre e minitorre. Por serempequenas, as minitorres também trazem problemas para expansão. Grandesmontadoras como Dell, Positivo e IBM costumam empregar configuraçõespadronizadas e comumente utilizam gabinetes minitorre. Já empresas quemontam computadores customizados para cada cliente preferem osgabinetes maiores.Gabinetes SFF (Small Form Factory, ou Fabricado em Formato Pequeno) –Modelo extremamente compacto, aceita somente componentes denotebook em seu interior e não permite expansão interna de placas, a nãoser pelas portas de conexão externas, na maioria somente USB.Recomendado para quem não tem muito espaço, mas prefere usar tela,teclado e mouse de desktop, em vez de ter um notebook.Formatos
  21. 21. Gabinetes horizontal, vertical e formato pequeno.Formatos
  22. 22. Antes de começarmos o processo de abertura do gabinete, é bom lembrarque os equipamentos possuem garantia. Assim, caso você não sejaautorizado pelo fabricante ou revendedor a abrir o gabinete, o que implicaem romper seu lacre, seu cliente pode perder o direito a reposição de peçaspor defeito de fabricação.Lembre também que as chapas do gabinete são bem finas e tenha cuidadopara não se machucar ao manipulá-las.Abertura do Gabinete
  23. 23. Para abrir o gabinete, primeiramente localize, na parte traseira, osparafusos que prendem a tampa. Geralmente são dois ou três.Remova-os com uma chave Philips.Procure por algum botão ou chave para desprender a tampa (nãosão comuns mas existem). Em seguida, force a tampa fazendo-adeslizar para trás, de modo que os encaixes se desprendam dogabinete.Agora você já tem acesso à placa-mãe e a todos os outroscomponentes internos. No processo contrário, de fechar a tampa,primeiro posicione-a de forma que os encaixes fiquem dentro deseus respectivos sulcos. Quando a tampa estiver encaixada, force-apara frente, fechando o gabinete por completo. Os parafusosservirão apenas para garantir que a tampa não se soltaráposteriormenteAbertura do Gabinete
  24. 24. Parafusos que acompanham gabinete ou placa-mãe.Abertura do Gabinete
  25. 25. Exemplo de placa de fixação de placa-mãe.Abertura do Gabinete
  26. 26. No caso de instalação ou remoção de uma placa-mãe, saiba queeste componente é fixado em uma chapa que se solta totalmente dogabinete. Para retirá-la, force-a de maneira que deslize em seusuporte. Pode ser que haja também algum parafuso prendendo-a –neste caso, remova-o.Coloque a placa-mãe sobre a chapa de fixação, localize seusfuros que coincidem com a chapa e parafuse, usando chave de fendaPhilips – os parafusos, sextavados, macho e fêmea, são fornecidoscom os dispositivos. Utilizam-se arruelas para ajudar na fixação etambém para evitar o contato dos parafusos com trilhas de circuitoimpressas na superfície da placa, bem como danos a essa superfíciepelo atrito com o parafuso ao ser girado.Abertura do Gabinete
  27. 27. Os espaçadores são mais comuns em placas mais novas. Afixação deles deve ser primeiro nos furos coincidentes da chapa desuporte da placa-mãe, e por fim a placa-mãe pode ser fixada naextremidade desses espaçadores que ficarão aparentes na superfícieda chapa de fixação. Para identificar se uma chapa necessita deespaçador ou parafusos, verificamos se a chapa é lisa, sem regiõesabauladas (“estufadas”). Quando a placa é lisa no lugar dos encaixes,utilizamos espaçadores plásticos e do contrário serão parafusossextavados, parafusos de fixação, porcas e arruelasSobrarão vários furos da chapa sem correspondência na placa-mãe:não tem problema, servem para compatibilizar o gabinete comoutros tipos de placa-mãe.Abertura do Gabinete
  28. 28. A função da fonte de alimentação é transformar a energiaelétrica que vem da rede através do cabo de força, preparando-apara que chegue aos componentes do computador de formaadequada. A fonte de alimentação converte a energia elétrica deCorrente Alternada (CA) para Corrente Contínua (CC) e transforma atensão de 110 a 240v para 12v, 3,3v, 4,5v e 5v.Antes de ligar uma fonte na tomada devemos verificar o seletorde voltagem, que se encontra próximo ao conector do cabo de força.Algumas fontes não têm chave seletora de voltagem. Isso podeindicar que são automáticas, bivolt ou autorange e se adequarãosozinhas à voltagem conectada. Porém, nem sempre uma fonte semchave seletora de tensão é automática. Pode ser que trabalhesomente em uma tensão. Para ter certeza, verifique a etiqueta dodispositivo, como a da figura 19.Fontes de Alimentação
  29. 29. Fonte de alimentação: antes de ligar a máquina, verifique a voltagemFonte de Alimentação
  30. 30. Veja, na tabela a seguir, em que dispositivos se ligam os cabos da fonte.Fonte de Alimentação
  31. 31. Fonte de Alimentação
  32. 32. InstalaçãoCaso tenha de substituir uma fonte de alimentação elétrica antiga, primeiroremova-a seguindo os passos da figura a seguir.
  33. 33. Removendo a fonte antiga:A. Desligue o cabo de energia.B. Remova a tampa que dá acesso ao interior do micro.C. Desconecte todos os conectores fixados na placa-mãe, no HD,nos drives, na placa de vídeo etc.D. Posicione o micro com a parte de trás voltada para você e retireos 6 parafusos de fixação da fonte com uma chave Philips.E. Empurre a fonte para a frente, soltando-a dos encaixes depressão.F. Retire a fonte de dentro do gabinete.Instalação
  34. 34. InstalaçãoInstalando a nova fonte: Siga os passos da figura abaixo.
  35. 35. Instalando a nova fonte:A. Introduza a nova fonte no gabinete procurando pelos lugaresdos encaixes. Verifique se estão todos bem encaixados.B. Fixe os 4 parafusos da fonte atrás do gabinete. Observe que elesnão fixam as tampas laterais.C. Encaixe os conectores de alimentação nos devidos dispositivos ena placa-mãe (procure deixar os cabos o menos esticadospossível, e sem contato com nenhuma ventoinha). Se for o caso,utilize fita adesiva para juntar os cabos.D. Procure juntar os cabos que sobrarem por meio de fita adesiva,lacres, fios encapados, de preferência fixadores, que podem vircom a fonte. Você pode enfiá-los em alguma baia que tenhasobrado no gabinete. O importante é deixar o interior dogabinete o mais arejado possível.Instalação
  36. 36. InstalaçãoDica Importante:Na hora da compra de um computador novo, é muito importante calcular apotência de que precisaremos. Um computador com alimentaçãoinsuficiente pode travar, reiniciar subitamente, causar badblocks em discosrígidos, ou nem mesmo ligar. Já uma fonte com potência muito acima donecessário irá consumir mais energia. Existem fontes de potências variadas,de 350w a 1200 watts, programas que medem o uso de energia pelocomputador e outros que ajudam a dimensionar a fonte necessária. O sitehttp://extreme.outervision.com/psucalculator.jsp fornece uma calculadorade suprimento de energia. Outra opção é pesquisar em sites de busca otermo Power Supply Calculator.
  37. 37. Todos os componentes do computador são ligados ou integrados auma placa de circuito impresso, que pode ser encontrada ainda em outrostipos de sistemas eletrônicos complexos. Essa é denominada placa-mãe,conhecida também como motherboard, mainboard ou, nos computadoresda Apple, como logic board (placa lógica). Em sites e fóruns da internet, vocêpode encontrar ainda a abreviação “mobo” para designá-las.Os grandes computadores de antigamente utilizavam fios paraconectar as placas umas às outras. Com o passar do tempo os fios e pinosforam substituídos por placas de circuito impresso. Durante as décadas de1980 e 1990, para baratear o preço do computador, incluiu-se dentro docircuito das placas-mãe o suporte para dispositivos de baixa velocidade,como teclado, mouse, drive de disquete, portas seriais e paralelas. E no finaldos anos 1990 já estavam agregadas funcionalidades como áudio, vídeo,armazenamento e rede, sem necessidade de placas de expansão. Ainda seutilizam placas adicionais ligadas à placa-mãe, apenas quando hánecessidade de aumentar o desempenho. Exemplos são as placas de vídeopara estação de jogos ou funcionalidades específicas, como áudioprofissional, recepção de TV, PABX entre várias outras possibilidades..Placa Mãe
  38. 38. Placa MãePlaca-mãe MSI-P55 GD65 para os processadores Intel Lynnfield.
  39. 39. Nas placas-mãe dos computadores há conectores para encaixedos dispositivos, cabos e placas que irão constituir a máquina comoum todo. Esses conectores seguem padrões, de modo que osfornecedores de dispositivos e de placas-mãe podem fabricarprodutos compatíveis, permitindo, assim, que se montem máquinasnas mais variadas configurações.Veremos a seguir uma análise do funcionamento das tecnologiasdesses conectores e aprenderemos a fazer o encaixe correto de cadaum dos diversos tipos.Conectores
  40. 40. Conectores
  41. 41. A. PCI-Bus: slot de expansãoB. Conectores para ligar o áudiofrontal do gabineteC. Conectores do painel traseiroD. Conector de energia doprocessador (12v)E. Conector da ventoinha traseiraF. ProcessadorG. Conector das memóriasConectoresI. Conector de energia principalJ. Conector de disco rígido IDEK. Conector de disco rígido serialATAL. Conector do painel frontalM. BateriaN. Jumper de configuração da BIOSO. Conector de interfaces USBP. Conector S/PDIFAs placas atuais trazem os controladores de váriosdispositivos, como teclado, mouse, portas de comunicação paralela eserial, vídeo e áudio. Assim, não é preciso adquirir placas adicionaispara incluir essas funcionalidades. Os conectores desses dispositivosficam aparentes no painel traseiro do gabinete.
  42. 42. O áudio utiliza conectores do tipo P2 Stereo. A saída de áudioindicada na figura abaixo pela letra B, de cor verde, é para fone deouvido e não tem amplificação. Para ouvir o áudio em alto-falantes,será necessário usar amplificadores, como caixas de somamplificadas, potências ou aparelhos de som.Conector de áudio
  43. 43. O conector A na figura, de cor azul, é para entrada de áudio (Line-in). Nessa entrada é possível ligar outros equipamentos sonoros, comotelefones celulares, mp3, mp4, aparelhos de som convencionais etc.; eouvir o som pelo computador.O conector C, de cor rosa, é a entrada para o microfone. Aocontrário do conector de entrada de linha (Line-in Azul, letra A na figuraanterior), este não suporta pré-amplificação e pode queimar se forconectado a um mp3, por exemplo, com volume médio para alto. Já se omicrofone for ligado na entrada de linha, o máximo que pode aconteceré o som ficar muito baixo.Alguns gabinetes têm conectores de áudio também no painelfrontal. Nesse caso os conectores P2 já vêm acoplados ao painel frontaldo gabinete, e são ligados à placa-mãe por um cabo com um conector.Os conectores das placas-mãe mais novas utilizam o padrão Intel®HD Áudio e os das mais antigas, o “Áudio Codec ’97” (AC’97). Se opadrão do gabinete for diferente do padrão da placa, é possível ligarcabos de Áudio frontais do tipo AC97 em placas compatíveis com HDÁudio.Conector de áudio
  44. 44. As placas mais novas não vêm com esse conector porque o usode internet discada se tornou praticamente obsoleto. Nas placasmais antigas é possível encontrar esse conector próximo ao conectorde rede. Caso seja preciso utilizar um modem discado, pode-seconectar uma placa específica em um dos slots de expansão.Conector do fax-modem on-board
  45. 45. O conector de rede serve para conectar o cabo de rede, quegeralmente se liga a uma rede pessoal ou corporativa, ou a umaparelho modem de banda-larga. O tipo é o RJ45, muito parecidocom o conector de tomadas telefônicas, porém, é bem maior.Conector de rede on-board
  46. 46. Esse conector serve para ligar o cabo de sinal de vídeo domonitor. O padrão da maioria das placas é o VGA (Video GraphicArray, ou Vídeo de Gráficos Vetorizados), e os conectores são do tipoD-Sub, que é composto por três fileiras de pinos que perfazem ototal de 15. Esses pinos enviam informações sobre as coresvermelha, verde e azul e também sobre a posição vertical ehorizontal do ponto na tela..Conector de vídeo on-board
  47. 47. Antes de montar um processador na placa-mãe é importanteverificar se os dois são compatíveis. Existem vários padrões deconectores, como soquete 478, soquete T (LGA 775), soquete B (LGA1366) para Intel 939, 462, 754, AM, AM2+, AM3 para AMD. Cadafabricante de processador escolhe o seu. O manual da placa-mãeinforma quais processadores são compatíveis.Conector do processadorSoquete PPGA Soquete ZIFF
  48. 48. É possível encontrar dois tipos de encaixe para o processador: o soquete(série PGA e ZIF) e o slot para SEPP, SECC e SECC2.Vamos ver agora como montar um processador de soquete. O primeiropasso é liberar a trava, uma haste que fica ao lado do conector. Pressione-acom cuidado, de modo que não desça tanto a ponto de encostar nos circuitosda placa, mas sinta que a destravou. Levante a trava e a movimente até o fim,sem forçar. Alguns modelos de placas, como os das figuras abaixo, tambémpossuem tampa, mas o procedimento para iniciar a montagem é o mesmo, ouseja, é preciso apertar, destravar e movimentar a placa até o final.Se houver ainda uma tampa PnP sobre o soquete, retire-a com cuidado,para não tocar na placa-mãe. Os pinos do processador têm lugar certo paraserem conectados. É preciso prestar atenção no processador e na placa paraidentificar o lado correto de encaixar o processador. Alguns processadores têmum dos lados marcados com uma seta ou uma ranhura de encaixe e/ou umlado com pinos a menos na extremidade.Veja que no processador existe um lado marcado, que deve serposicionado na hora de encaixar, devendo ficar na mesma posição da marcado soquete da placa .Conector do processador
  49. 49. Conector do processadorModelo de Socket
  50. 50. Conector do processadorModelo de Socket com seta para encaixe do processador
  51. 51. Conector do processadorSoquete com marcação de posicionamento para encaixe do processador.
  52. 52. Conector do processadorProcessador com marcação de posicionamento para encaixe no soquete.
  53. 53. Veja também que na outra parte de um processador existem váriospinos dourados, que fazem a comunicação com a placa-mãe. É preciso,portanto, ter o máximo cuidado com esses pinos: não devemos tocá-los eprecisamos de muita cautela ao conectá-los para não corrermos o risco deentortar nenhum.Isso prejudicaria o encaixe, ou até poderia danificar o processador. Note quefaltam alguns pinos no processador. Essa posição deverá casar com aposição onde faltam os encaixes na placa-mãe.Posicione o processador com cuidado sobre o soquete e verifique se oencaixe está correto. Se estiver tudo certo, pressione o processador parabaixo, forçando o encaixe. Fique atento: caso o processador não desça parao encaixe sob uma leve pressão, pode ser que ainda não esteja bemposicionado. Não force. Retire, verifique a posição dos pinos e tentenovamente.Com o processador totalmente encaixado, feche a tampa do soquete epressione levemente para travar. Da mesma forma, volte a alavanca de travapara a posição original e pressione com cuidado para travar.Conector do processador
  54. 54. Conector do processadorO encaixe requer muito cuidado
  55. 55. Esse conector é ligado à memória RAM, tema que abordaremosmais adiante. Seu formato de encaixe muda conforme a tecnologiacom a qual a placa-mãe é compatível. Instalar uma placa dememória em um computador é uma tarefa simples, pois épraticamente impossível conectar memórias incompatíveis com aplaca-mãe, já que cada tecnologia sugere um formato diferente deconectores. Elas podem diferir em tamanho, na quantidade de viasou até mesmo em sutis deslocamentos na posição do entalhe quefica entre os contatos.Porém sempre requerem cuidados, como não colocar a mão nosconectores para evitar oxidação, o que resultaria em mau contato, eter atenção para não forçar mais do que o necessário, evitando,assim, risco de danos ao conector e mesmo à própria placa-mãe.Conector de memória
  56. 56. Conector de memóriaSlots de memórias de uma placa de servidor.
  57. 57. Conector de memóriaSlots de memórias de uma placa-mãe de laptop.
  58. 58. Para que a memória fique bem firme, esse conector é dotado detravas que se prendem nas extremidades da placa de memória. Ospassos para instalar ou desinstalar uma placa são os seguintes:1. Retire a placa de memória da embalagem, evitando tocar noscontatos ou em qualquer outra parte metálica.2. Com o computador totalmente desligado e o gabinete aberto, deforma que se tenha acesso à parte superior da placa-mãe, localize oconector da memória e afaste as travas, deixando o caminho livrepara você descer com a memória através do guia.3. Em um primeiro momento, encaixe levemente a memória semforçar. Verifique se está bem posicionada, bem encaixada nas guiasdo conector e com o entalhe posicionado corretamente.4. Agora aperte com firmeza, mas com força moderada, para que opente de memória encaixe no conector até o fim, de modo que astravas se fechem totalmente. Confira-as e as aperte, para quefiquem ajustadas por completo.Conector de memória
  59. 59. Conector de memóriaMontagem de uma placa de memória
  60. 60. Conector de memóriaComparação do formato da placa de memória DDR e DDR2.
  61. 61. A porta serial foi muito utilizada no passado para conectar mouse,impressora, leitores de código de barras e outros dispositivos de automação,comercial e industrial. Da mesma forma que todas as outras tecnologias detransmissão por cabo, esse dispositivo tem dado lugar às conexões USB eestá se tornado obsoleto. Sua velocidade máxima, de 115 kbps, é definidapela especificação RS-232 e pode e comunicar com cabos de até 8 metros.Conector porta serial
  62. 62. Nas placas-mãe encontramos dois conectores do tipo IDE, ou PATA,como é chamado atualmente, depois da popularização do formato SerialATA. Neles podemos ligar até quatro discos rígidos por meio de cabos tipofitas flat. Cada flat possui dois conectores que se ligam aos drives de discorígido e ópticos. Verifique, quando for instalar, que o conector do cabo flattem uma ranhura em um dos lados e por isso só se encaixa da formacorreta; ou seja, se não encaixar, não force, você poderá estar montando dolado errado.Conector IDE ou PATAConexão dediscos rígidose ópticosIDE (PATA).
  63. 63. Cada conector Serial ATA tem capacidade de ligar somente um discorígido. A conexão é simples: um lado do cabo é ligado em qualquer conectorSATA da placa (A) e outro no conector do disco rígido (B), como na figura aseguir. A quantidade de portas SATA varia de uma placa-mãe para outra. Oexemplo da figura é de placa com dois conectores..Conector SATAConexão do HDSerial ATAna placa-mãe.
  64. 64. O conector de disquete, ou floppy-disk, é bem parecido com o conectorIDE do disco rígido. A diferença é o tamanho, menor, pois seu flat-cable é de24 pinos apenas. Veja isso pela imagem do seu conector na figura abaixo. Odrive de disquete está aos poucos sendo substituído por outras mídias,como CDs e DVDs regraváveis e cartões flash ou pen-drives.Conector floppy-disk (disquete)Conector decabo flat do drivede disquete.
  65. 65. A fonte de energia alimenta a placa-mãe com uma tensão de 12v, pormeio de um conector grande, o conector de energia principal, quegeralmente tem 20 ou 24 pinos. Mesmo com dois tamanhos diferentes, osconectores são compatíveis. Ou seja, cabos de fontes de 24 pinos podem serconectados em placas-mãe de 20 pinos, ou vice-versa. As placas com 24pinos são do tipo ATX12v 2.x, e as com 20 pinos podem ser do tipo ATX12V1.0 ou ATX.Conector de alimentaçãoConectores deenergia daplaca-mãe.
  66. 66. Em algumas placas é possível encontrar um conector adicional dequatro pinos que, segundo manuais de algumas placas-mãe defabricantes, como a Intel, serve para alimentar diretamente oprocessador. Com isso, a CPU tem um canal de energia dedicadosomente a ela, portanto estável. Sem ter que compartilhar essaenergia com nenhuma outro dispositivo da placa-mãe, seudesempenho não ficará comprometido por alimentaçãoinsuficiente.Conector de alimentação
  67. 67. O conector rosa, encontrado no painel traseiro da unidade deprocessamento, é o conector do teclado. O teclado é um periférico utilizadopara o usuário se comunicar com o computador; é um dispositivo deentrada de dados. Ele possui teclas que representam cada uma das letras doalfabeto, números, símbolos e ainda botões especiais que têm funçõesespecíficas para determinados programas e sistemas operacionais.Como exemplo de teclas especiais temos o conjunto de teclas defunções F1 a F12, que estão na primeira fileira de teclas do dispositivo.Quando pressionadas, as teclas emitem um sinal elétrico que e é enviado aum chip que controla o teclado. O chip identifica qual tecla foi pressionada eenvia, por meio do cabo, ou por sinal de rádio (sem fio, wireless), o códigoda tecla pressionada. Essa operação irá causar uma interrupção noprocessador, avisando que uma tecla foi pressionada.O padrão mais comum em computadores hoje em dia é o PS/2, mastambém podem ser encontrados teclados USB e o modelo DIN, jáultrapassado.Conector do teclado
  68. 68. Conector do tecladoConectores de teclado DIN (Esquerda) e PS2 (Direita)
  69. 69. A porta paralela foi largamente utilizada para ligar dispositivos acomputadores, principalmente impressoras. O modelo foi empregado nosprimeiros PCs da IBM como o padrão de conexão de impressoras, mas com otempo vem sendo substituído por portas USB. A porta paralela também émuito utilizada para a comunicação entre dispositivos específicos, comoscanners e unidades de discos externos, e ainda para coleta de dados econtrole de equipamentos de automação industrial e comercial. Os cabosutilizados para ligar impressoras na porta paralela são do tipo DB25..Conector de impressoraConector fêmea no padrão DB25 para transmissão em paralelo.
  70. 70. Conector de impressoraCabo DB25 de impressora.
  71. 71. Do lado do conector do teclado, e no mesmo formato, com o mesmopadrão PS/2, encontramos o conector do mouse, na cor verde. Quanto aosmouses, estão disponíveis nos dois formatos de conectores, PS/2 e USB.Normalmente os mouses com interface PS/2 são mais baratos, embora osdois tenham a mesma qualidade. A única vantagem dos mouses combarramento USB é que podem ser ligados em aparelhos sem porta PS/2,como laptops por exemplo, ou no caso de queima da porta de mouse domicrocomputador.Conector de mouseConector deMouse usb.Conector deMouse PS2.
  72. 72. No painel traseiro as placas-mãe costumam trazer várias portas USB.Podemos encontrar outras portas desse tipo no painel frontal e às vezes atéem outras partes do gabinete, ao lado e em cima. E a tendência é que sejamincluídas cada vez mais portas USB, porque esse tipo de conexão,amplamente utilizado, tornou-se padrão para todos os novos periféricos.Dispositivos que antes tinham o próprio padrão de conector, como teclado,mouse, impressoras etc, migraram para o formato USB.Conector USB
  73. 73. A porta FireWire é a principal concorrente da USB na padronização dedispositivos. Pode-se perceber que nessa briga a USB vem ganhando delonge, mas alguns dispositivos, como câmeras digitais, sistemas de áudioprofissional ou outros que necessitam de transmissão de dados em altavelocidade, já utilizam o barramento FireWire, cuja velocidade chega a seraté quase 30 vezes superior à alcançada pelo padrão USB.Conector FireWireConectores Firmware.
  74. 74. Uma das características das placas-mãe é a capacidade de permitir aexpansão das funcionalidades do computador, ou até a implantação defuncionalidades mais eficientes em relação às que já integra. Desde osprimeiros modelos, os PCs da IBM traziam placas-mãe com vários slots deexpansão, pois a empresa já supunha que outros fabricantesdesenvolveriam mais equipamentos que pudessem se integrar aocomputador. Para tornar viável a integração, a especificação dessesbarramentos foi compartilhada e vários fabricantes puderam criar placascompatíveis com os computadores da IBM.Conectores de expansãoPlaca de expansão USB
  75. 75. O Industry Standard Arquiteture (ou Arquitetura Padrão da Indústria),mais conhecido como ISA, foi o padrão para conector de expansão utilizadopela IBM em seus primeiros computadores que possibilitou a váriosfabricantes de componentes eletrônicos participarem do bom momento deentrar no mercado de computadores pessoais e desenvolverem outros tiposde equipamentos, como fax-modens, placas de vídeo entre muitos outros.Foi substituído pelo padrão PCI (Peripheral Component Interconnect –Componente de Interconexão de Periféricos). Este, inicialmente, tinhacapacidade de apenas 8 bits de dados por clock, em ciclos de no máximo8.33 MHz, e na prática dificilmente ultrapassava os 5 Mhz. Pouco tempodepois o padrão foi reformulado e ganhou mais 8 bits, passando assim a tercapacidade de 16 bits. Mas manteve, ao mesmo tempo, a possibilidade deconectar placas no padrão de 8 bits na parte maior do slot, que tem umadivisão para indicar onde se pode encaixá-las.ISA
  76. 76. ISAPlaca-mãe com slots ISA (preto).
  77. 77. A especificação PCI foi desenvolvida pela Intel em 1990 para substituir osbarramentos ISA e VESA Local Bus, e continua sendo utilizada em placas devídeo, rede, áudio e fax-modems, por exemplo. O PCI Local Bus trouxe váriasmelhorias. A velocidade de transferência, que na versão inicial era de 32 bits auma frequência de 33 Mhz, chegou a 66 Mhz a partir da versão 2.1. A arquiteturatambém possibilitou a conexão de dispositivos menores, pois seu conector erabem menor em comparação aos do ISA e do VESA. E, ainda, proporcionouindependência da velocidade do barramento local, já que o barramento PCItrabalha com a própria frequência: nos padrões anteriores, sempre que surgiamnovos processadores com novas velocidades, a arquitetura do barramento tinhade ser alterada. Além disso, os periféricos antigos não funcionavam comprocessadores mais novos. Outra vantagem do padrão PCI é a autoconfiguração:o sistema operacional passou a reconhecer se o dispositivo está ou não presente,e a alocar os recursos necessários para o aparelho conectado.Algumas variações foram desenvolvidas a partir deste padrão, como o MiniPCI, utilizado em notebooks, e o PCI-X (X de eXtended), que possibilita aosdispositivos transferirem dados a 64bits e é utilizado em placas de rede Gigabit,conectores de clusters, canais de fibra óptica e conectores de discos rígidos SCSI.(Atenção: não confunda PCI-X com PCI Express).PCI
  78. 78. PCIPlaca-mãe com slots PCI.
  79. 79. O AGP (Accelerated Graphic Port, ou Porta Gráfica Acelerada) para asplacas-mãe baseadas no Pentium II foi desenvolvido pela Intel, no início de1997. O objetivo foi oferecer suporte para melhorias de vídeo. O AGP utilizaum barramento dedicado, impedindo a concorrência de outros dispositivosno acesso ao processador. Para propiciar o barateamento das placas 3D, oAGP recebeu capacidade de acessar diretamente a memória RAM docomputador para realizar tarefas complexas com texturas, necessitandotrazer menos memória de vídeo na aceleradora 3D. Essa tecnologia échamada de DIME (Direct Memory Execute – Execução de Memória Direta).O AGP trabalhava com 32bits a 66 Mhz, mas tem capacidade de transmitirduas ou mais palavras de 32 bits a cada ciclo de clock.Não é possível identificar em qual modo trabalha a AGP de determinadaplaca, pois isso depende do chipset da motherboard. A forma mais simplesde descobrir é consultar o manual da placa-mãe ou o site do fabricante.AGP
  80. 80. Esses dois tipos de slots foram desenvolvidos por fabricantes de placas-mãe que traziam áudio e modem on-board, mas optaram por deixar deembuti-los. Isso porque esses componentes trabalham com sinais analógicose podem causar interferência nos demais circuitos da placa, ou mesmo porquestão de espaço, no caso de acomodar os conectores de placas de som deseis canais. O AMR é um padrão aberto, desenvolvido por um consórcio defabricantes de placas como AMD, Lucent, Motorola, 3Com, Nvidia, TexasInstruments e Via, similar ao CNR. Porém foi utilizado durante pouco tempo,em meados de 2002 e 2003.CNR e AMRModelo de slot CNR.
  81. 81. O desenvolvimento cada vez mais veloz das tecnologias 3D forçou aindústria de informática a criar barramentos também sempre mais rápidos.Para suprir essa necessidade foi criado o slot AGP que transmitia dados a2.128 MB por segundo no padrão AGP 8x. Mas com o passar do tempo sedescobriu que a tecnologia não conseguia acompanhar a evolução dasaplicações, que necessitavam de cada vez mais banda, além de seremtotalmente voltadas para vídeo. No inicio de 2001 a Intel apresentou anecessidade de se criar um novo padrão para substituir o PCI, e umconsórcio entre AMD, Microsoft e IBM desenvolveu o 3GIO (3ª geração deI/O), que logo seria chamado de PCIExpress.A tecnologia se baseia em ler e escrever 8 bits de dados por vez, atravésde canais seriais que utilizam um meio de comunicação direta com ochipset, eliminando gargalos. O PCI-Express consegue trabalhar com taxasque chegam a 250 MB por segundo no padrão 1.0, bem maiores que os 132do padrão PCI. No padrão 2.0 alcança até 532 MB por segundo. Os slotspodem ser encontrados normalmente nos tamanhos 1x, 4x, 8x e 16x,números que significam a quantidade de canais implementados no slot. Oslot 16X da PCI-Express transmite o equivalente a 4.000 MB por segundo.PCI Express
  82. 82. PCI ExpressSlots PCI-Express
  83. 83. Alguns componentes da placa-mãe respondem por tarefasfundamentais para a própria placa-mãe, pois têm de integrar, controlar econfigurar todos os outros componentes e periféricos.BIOS - BASIC INPUT OUTPUT SYSTEM (Sistema Básico de Entrada/Saída)O BIOS é um software armazenado em um chip de memória do tipoFlash-Rom fixado na placa-mãe, do mesmo tipo encontrado em pen-drives.Tem a função de reconhecer, configurar e iniciar os dispositivos docomputador, e ainda iniciar o sistema operacional. Ao ligar o computador, osprimeiros sinais que você vê na tela são da interface do BIOS. O softwarefirmware (programa implantado em um chip) do BIOS pode ser atualizadoquando precisamos instalar um sistema operacional ou dispositivoincompatível com a versão atual do BIOS. Isso pode ser necessário emmáquinas antigas, mas nem sempre em placas-mãe recentes.Dispositivos da Placa mãe
  84. 84. De todo modo, deve ser feito somente em último caso, pois a falha noprocesso de instalação ou a implantação de uma versão incorreta podecomprometer o funcionamento da placa-mãe. O processo de upgrade doBIOS é feito por meio de um software que pode ser baixado do site dofabricante para um disquete, CD/DVD ou pen-drive inicializável. Ao serreiniciada a máquina com a mídia utilizada selecionada para boot no CMOSSetup, o programa de atualização é carregado, apaga a versão antiga doBIOS e a substitui pela nova.Caso o processo de instalação falhe, ou seja instalado um BIOS incorretoou ainda este tenha sido apagado por um vírus, o chip do BIOS deverá sersubstituído. Isso porque, sem um BIOS funcionando no computador, nãohaverá como dar boot, nem instalar um novo BIOS por meio de umprograma.BIOSChip quearmazena o BIOS
  85. 85. BIOS
  86. 86. As placas trazem uma bateria, parecida com a de relógios, porém bemmaior, para manter a CMOS energizada enquanto o computador estiverdesligado. Isso impede a perda de dados das configurações relativas a data ehora, configurações realizadas no setup, como configuração de dispositivos,além de informações sobre velocidade do processador, voltagem da placa,dados dos discos rígidos, entre outros. Quando recebemos a mensagem defalha de CMOS durante o boot, como “CMOS setting error”, ou quandosimplesmente percebemos que a data e a hora do computador sedesatualizam e voltam a se referir à fabricação do BIOS, pode ser que acarga da bateria terminou. Nesse caso, deve ser substituída.BateriaBateria.
  87. 87. Placas-mãe funcionam por meio de um conjunto (set) decircuitos integrados (chips), daí o nome de chipset. Cada um desseschips tem tarefa específica, cuida de determinado tipo de função daplaca, como controlar interrupções, memória e barramentos, gerarclock etc. Nos computadores antigos os circuitos integrados ficavamseparados uns dos outros, cada um com a própria funcionalidade.Mas nos computadores modernos os chips foram embutidos,geralmente dentro de apenas dois chipsets, que são chamados deponte norte e ponte sul.A ponte norte (northbridge) integra dispositivos de alta velocidade,como processador, memória e vídeo (AGP e PCI-Express 16x) e fazinterface com o chipset da ponte sul (southbridge). Esses chips secomunicam por meio de barramento de alta velocidade. A figuraabaixo mostra que as ligações entre os vizinhos da northbridge sãovias mais largas do que as que se ligam à southbridge, e temtransmissão mais veloz (setas em vermelho).Chipsets
  88. 88. ChipsetsOrganização de chips e barramentos em placas-mãe atuais.
  89. 89. A ponte norte influencia diretamente o desempenho geral da máquina,pois contém a controladora de memória, que determina a tecnologia(DIMM, DDR ou RAMBUS), a quantidade máxima e a frequência damemória e do processador. Essa afirmação não se aplica a placas paraprocessadores AMD K8 em diante, nos quais a controladora de memória ficano próprio processador. A estratégia da AMD permite que as placas tenhamsomente um chipset.A ponte sul controla dispositivos de menor velocidade, como discorígido, CD/DVDROM, USB, portas PS/2 (teclado e mouse), porta paralela eserial, barramento PCI e PCI-Express 1x. E influencia somente o desempenhodesses dispositivos, até mesmo determinando a tecnologia que será possívelutilizar, como USB ou USB 2.0, por exemplo, se suporta discos SATA ou PATA,quais serão suas frequências etc.Na maioria das vezes os fabricantes de placas-mãe não são os mesmosdos chipsets. A adoção das pontes possibilitou a padronização, facilitando acriação de produtos compatíveis com os chipsets de diferentesfornecedores.Chipsets
  90. 90. Os sensores servem para monitorar eventuais problemas com aplaca-mãe e seus dispositivos, como falhas no fornecimento deenergia pela fonte e, principalmente, o superaquecimento doprocessador ou do HD, além da velocidade das ventoinhas. Essasinformações, que podem ser visualizadas no CMOS Setup, através desoftwares da placa-mãe ou de terceiros, são necessárias e podemevitar que o processador queime, desligando a máquina antes queisso aconteça.O controle dos sensores é feito por um circuito chamado superI/O, que também controla periféricos antigos, como portas seriais eparalelas e drive de disquete..Sensores
  91. 91. Com a evolução das placas-mãe, os fabricantes começaram a dotá-lascada vez mais de circuitos impressos nas próprias placas, para vários tiposde aplicações. Assim, surgiram os termos on-board (na placa) e off-board(fora da placa), para descrever se um dispositivo faz parte da placa-mãe ouse será incluído à parte por meio de uma placa de expansão, específica paraa tarefa.Apesar de fazerem parte da placa-mãe, os dispositivos funcionam demodo independente para evitar que eventual defeito em um deles acarretefalhas nos demais.Em computadores usados em escritórios, para trabalhar com planilhas,editores de texto, acesso à internet ou para ouvir música, as placas on-boardsão uma boa opção por serem baratas. Mas, se houver demanda por melhordesempenho de vídeo (como para jogos 3D e edição de fotos) ou áudio(como mixagem de som profissional), serão necessárias placas específicas,que trazem processadores específicos e memórias dedicadas. Os recursoson-board podem ser desligados na CMOS Setup caso sejam substituídos porequivalentes off-board.Dispositivos On-Board
  92. 92. Tenha em mente, contudo, que placa-mãe on-board indica computadorde baixo custo, mas também de baixo desempenho. Dispositivos on-board,além disso, consomem processamento da CPU e espaço na memóriaprincipal do computador. Assim, máquinas com componentes off-board têmmelhor desempenho de modo geral.Dispositivos On-BoardExemplo de placa-mãe onboard (Vídeo, Rede, Som)
  93. 93. Barramentos são circuitos integrados que fazem a transmissãofísica de dados de um dispositivo a outro. Esse meio de transmissão,por definição, deve ser compartilhado por vários dispositivos, comouma autoestrada que recebe veículos de várias cidades e os leva aoutras, possibilitando que cada um siga a própria rota. Mas há osbarramentos dedicados, concebidos para melhorar o desempenhodo computador, como os que ligam a ponte sul e a ponte norte, ou obarramento FSB, que liga o processador à memória.Os barramentos são formados por várias linhas ou canais, comose fossem fios elétricos, que transmitem sinais elétricos tratadoscomo bits.Há várias tecnologias padronizadas de barramentos, como ISA,MCA, VESA, PCI, VLI, AGP, DMI, HyperTransport e outros..Conceito de barramentos (BUS)
  94. 94. Arquitetura de von Neumann, na qual se baseiam os computadorespessoais, prevê que, entre outros componentes, um computador temunidade central de processamento e que esta precisa de memória parapossibilitar à máquina guardar e buscar dados. As memórias sãoclassificadas em primárias e secundárias. Veja os conceitos.Primárias: são as que o processador acessa diretamente. Fazem partedeste grupo os registradores e as memórias CACHE e RAM.Secundárias: são as que o processador não acessa diretamente – osdados têm de ser, antes, carregados na memória principal. Estão nessacategoria o disco rígido, o disquete, as mídias removíveis como CD, DVD,cartões de memória. Ou seja, todos os outros tipos de memória.As memórias também são classificadas em relação à forma de leitura:ROM e RAM.Memória
  95. 95. A sigla ROM vem da expressão em inglês Read-Only Memory, quesignifica Memória Apenas de Leitura. É uma memória que não permite aalteração ou remoção dos dados nela gravados, os quais são impressosem uma única ocasião. Um DVD é um tipo ROM. Depois de queimarmoso DVD, a área utilizada pela gravação não poderá ser reutilizada. Assim,por exemplo, um DVD de um filme não pode ser reutilizado para nele segravar outro título.Alguns tipos de ROM permitem regravação após uma intervençãoespecífica, como o DVD-RW, que pode ser limpo e receber novagravação. Esse tipo de memória não é volátil, ou seja, mantém os dadosgravados, mesmo que o computador esteja desligado.As memórias ROM embutem várias tecnologias relacionadas: PROM,EPROM, EEPROM, Memórias Flash, CD-ROM, DVD-ROM, BluRay-ROM.ROM
  96. 96. A PROM (Programable Read Only Memory, ou MemóriaProgramável só de Leitura) foi uma das primeiras ROM da história. Foidesenvolvida nos Estados Unidos em 1956 por Wen Tsing Chow.Aceita apenas uma única gravação, e seu funcionamento é bemsimples, o que permite que seja barata e útil para vários fins – um dosquais, bastante comum, é conter brinquedos eletrônicos.Mas também encontramos PROM virgens no comércio. A PROM éum circuito eletrônico que armazena dados por meio de um conjunto defusíveis, conforme mostra a figura a seguir. Cada fusível poderepresentar um dígito binário. Quando o fusível estiver queimado, elerepresentará o valor zero. Se estiver passando corrente, o valor será 1.Para queimar uma PROM, utiliza-se um dispositivo chamadoProgramador.PROM
  97. 97. A PROM é um circuito eletrônico que armazena dados por meio de umconjunto de fusíveis.PROM
  98. 98. A sigla EPROM, da expressão Erasable Programmable Read OnlyMemory (erasable = apagável), indica que esta memória pode serregravada. Para gravar, aplica-se uma carga elétrica maior do que autilizada para leitura, e depois disso os dados não poderão mais seralterados até o dispositivo ser novamente zerado. Para limpar amemória, aplica-se um feixe de raio ultravioleta sobre a área onde o chipfica aparente, protegido por uma lente de cristal.Uma memória EPROM pode armazenar informação por até 20 anosou mais, desde que fique protegida da luz solar, que pode apagá-la.Antigamente chips de EPROM eram utilizados para armazenar oprograma BIOS.EPROM
  99. 99. A EEPROM (Eletrical Erasabel Programmable Read Only Memory ouMemória Somente de Leitura, Programável e Limpa Eletricamente),desenvolvida pela empresa japonesa Toshiba em 1980, é tambémregravável. Traz um grande diferencial sobre as demais EPROM:possibilita reciclar a memória toda, em partes, ou até em uma únicacélula (1 bit). Ou seja: podemos apagar parte da memória e gravarnovamente sem problemas. Para gravar, aplica-se uma carga elétrica nocircuito da célula de memória ou em um grupo de células de memória,em vez de luz ultravioleta. Essa característica facilita seu uso, pois nãodemanda um aparelho programador. Além disso, as EEPROM podem serformatadas em qualquer máquina em que estejam instaladas.EEPROM
  100. 100. As memórias flash baseiam-se no padrão EEPROM. O processo degravação e leitura nesse caso é por meio da aplicação de carga elétrica –carga mais baixa para leitura e mais alta para gravação dos dados. Asmemórias flash se popularizaram como principal mídia para armazenamentode dados em microdispositivos, como celulares, câmeras, PDAs e notebooks,em formato de cartões de memória e pen-drives ou unidades internas nolugar do HD. O funcionamento desse tipo de memória é bem parecido como da memória RAM. A diferença está na capacidade de manter os dadosquando falta energia elétrica em seus circuitos. A tecnologia tem baixoconsumo de energia e boa durabilidade por ser um semicondutor sólido,sem partes móveis, o que evita danos por atrito. Também possui recursos deproteção, como o ECC (Error Correction Code, Código de Correção de Erros),que lhe confere bastante confiabilidade. O único problema é o preço, bemalto, o que torna viável apenas a comercialização de unidades de baixacapacidade em relação à de mídias como CD, DVD e HD. Como não se criounenhum consórcio de empresas para padronizar o formato de memórias emcartões, existem vários modelos no mercado, cada um com o próprio tipo deleitor.Memórias Flash
  101. 101. Memórias Flash
  102. 102. A memória RAM, acrônimo em inglês para Random Access Memory,ou Memória de Acesso Aleatório, traz em seu nome uma característicaque leva em consideração a estratégia de recuperação dos dados.Quando precisa de um dado, o processador solicita determinadoendereço e a memória vai diretamente à informação, captando-a eretornando ao processador. O oposto dessa estratégia, só para vocêcompreender melhor, é a utilizada pelas unidades de fita DAT. Estas têmde desenrolar um carretel do cartucho da fita para chegar à posição dodado.O nome RAM se tornou sinônimo desse tipo de memória e nãoretrata corretamente a diferença que é preciso fazer entre ROM e RAM.Na prática o que diferencia os dois tipos é a capacidade para somenteler e escrever. E também a característica de ser volátil ou não. Atéporque as memórias ROM também são de acesso aleatório. Se fossemclassificadas ao pé da letra, todas as memórias seriam RAM.Memória RAM
  103. 103. Memória RAMA memória RAM pode obter qualquerinformação diretamente.A RAM, como vimos anteriormente, faz parte da memóriaprincipal do computador e é onde o processador busca dados eprogramas para executar. É uma memória volátil, que perde asinformações nela armazenadas sempre que deixa de ser energizada.
  104. 104. Módulos de memória DIMMOs chips de memória encapsulada são soldados um ao lado do outro sobreos dois lados de uma placa de circuito impresso, formando um módulo dememória, o que explica o significado de seu nome em inglês: Dual In-lineMemory Module, ou Módulo de Memórias em Linha Dupla. Essa placa possuitrilhas de conectores para fazerem contato com o encaixe nos slots de memóriada placa-mãe. Tais módulos são conhecidos como pentes de memória, porcausa de seus conectores, posicionados lado a lado na parte inferior da placa decircuitos, lembrando um pente de cabelo. O primeiro formato lançado tinha 168vias, mas depois vieram os de 184 vias e o de 240 vias. Há também uma versãopara dispositivos pequenos, como notebooks: o módulo SODIMM (SmallOutline DIMM).
  105. 105. Módulos de memória DRAMA Dynamic RAM, ou memória RAM dinâmica, é o tipo de memóriaempregada como RAM nos computadores em 2009. Trata-se de modalidadebem simples, onde cada célula de memória é composta apenas por umcapacitor e um transistor por bit. Um módulo de memória possui bilhões dessesminúsculos circuitos. Com processo de fabricação simplificado, o custo dessedispositivo é acessível, e podemos colocar 2 GB, 4 GB, enfim, memórias DRAMcada vez mais potentes em nossos computadores.Os dados de uma DRAM, porém, têm de ser regravados constantemente,pois a informação não dura mais que 64 milissegundos. Isso trazinconvenientes: a tarefa consome energia e gera calor, além de atrapalhar noprocesso de leitura e escrita dos dados, tornando-o mais lento.
  106. 106. Módulos de memória SDRAMUm dos fatores que impediam o computador de alcançar o seu máximodesempenho eram as memórias, que funcionavam a frequências mais baixasque o processador. Muitas vezes, era preciso aguardar vários ciclos porinformações da memória. Para solucionar esse problema foi desenvolvido opadrão Syncronous DRAM, que segue a tecnologia DRAM, mas funciona namesma taxa de frequência do processador, no mesmo clock.
  107. 107. SDR e DDRCom o padrão DRAM foi possível desenvolver memórias que transmitemduas vezes no mesmo ciclo de clock, as DR (Double Data Rate SDRAM, ouSDRAM com Taxa Dupla de Transmissão). Com isso as primeiras memóriassíncronas do tipo SDRAM que podiam transmitir somente uma vez começarama ser chamadas de SDR SDRAM (Single Data Rate SDRAM, ou SDRAM com TaxaSimples de Transmissão). Enquanto uma memória PC-100 do tipo SDRAM podiatransmitir a 800 MBps (megabytes por segundo), uma DDR SDRAM trabalhandona mesma frequência podia transmitir a 1600 MBps. Por motivos, talvez,comerciais, ou para diferenciar SDR de DDR, as memórias DDR incluem em seusnomes a taxa de transmissão em megabytes por segundo em que operam. Porexemplo: DDR-PC1600 (de 1600 MBps). Já nas SDR o valor informado se refere àfrequência (SDRAM PC-100, isto é, de 100 Mhz). O padrão continuou evoluindo.Passou por DDR2, que transmite o dobro da DDR, ou seja, quatro operações porciclo de clock, e leva o prefixo PC no nome (o último modelo lançado foi o PC2-10400) e, no fim de 2009 já havia sido lançado o DDR3. Este leva o prefixo PC3(DDR PC3-14900) e transmite oito vezes por ciclo de clock, com frequência deaté 1866 Mhz a taxas de 14900 MBps e 14500 MBps. A memória DDR tem outrodiferencial em relação à DIMM SDRAM: seus módulos têm somente um ranho,enquanto os das primeiras levam dois.
  108. 108. Dual ChannelA tecnologia dual channel (canal duplo) permite que umaplaca mãe tenha duas controladoras de memória, cada umacontrolando um jogo de memória em separado. Esses dados sãomesclados entre os módulos, de modo que possam ser acessadospor meio de dois bancos de memória ao mesmo tempo. Se atecnologia DDR3 é capaz de ler 8 bytes por vez, a dual chanelconsegue transferir 16. Para isso é necessário ter dois módulos dememória idênticos, um em cada banco. Geralmente esses bancossão coloridos, para identificar os slots de cada um deles.
  109. 109. CacheAs memórias cache são memórias do tipo SRAM (StaticRandom Access Memory, ou RAM estática). Não demandam refreshe, portanto, além de serem mais rápidas, esquentam menos econsomem menos energia. Por serem mais velozes, são colocadasjunto do processador para que a resposta sobre os dados que estãosendo utilizados seja mais rápida e frequente. A cache só buscadado na RAM quando este não está na cache. Memórias dessanatureza são muito rápidas, porém caras, pois têm estrutura maiscomplexa que a das DRAM: levam um conjunto de quatrocapacitores e mais dois resistores para cada célula de memória. Porisso não é viável ainda utilizar SRAM para construir RAMs paracomputador.
  110. 110. ProcessadorO termo Unidade Central de Processamento, ou simplesmenteCPU (sigla em inglês para Central Processing Unit), refere-se aomicroprocessador, e não ao gabinete como um todo, como muitaspessoas imaginam. Como o próprio nome diz, sua função éprocessar as instruções enviadas. O processador está para ocomputador assim como o cérebro está para o ser humano.Na placa-mãe há um encaixe chamado socket, que varia deacordo com o modelo do processador, que leva em contavelocidade e capacidade de processamento, memória cache,terminais e consumo de energia. O CPU executa uma série derotinas. Vejamos, por exemplo, o que acontece quando você digitano teclado a palavra INFORMÁTICA e quer ver esse texto na tela.
  111. 111. 1. Um programa constituído de uma série de instruções para oprocessador, armazenado no disco rígido, é transferido para amemória.2. Por meio de um circuito chamado controlador de memória, oprocessador carrega as informações do programa da memória RAM.3. As informações, agora dentro do processador, são processadas.4. De acordo com o sistema operacional, o processador continuará aexecutar o programa e mostrará a informação processadaimprimindo na tela do monitor a palavra INFORMÁTICA.Com todo esse trabalho, o processador produz calor durante seufuncionamento, assim como todos os componentes eletrônicos. Oexcesso de calor pode queimar o processador ou fazê-lo travar.Processador
  112. 112. Assim, o calor precisa ser rapidamente removido para evitaraumento de temperatura. A temperatura máxima admissível peloprocessador é normalmente estampada no próprio dispositivo, emforma de código. No Data Book (documento que pode ser baixado nosite do fabricante) há uma parte dedicada a explicar o código impressosobre o invólucro do processador que inclui a temperatura máximaadmissível. Coolers de qualidade e o uso adequado de pasta térmicaajudarão a manter a temperatura bem abaixo da máxima admissível e,assim, a conservação do processador. Quando os padrões detemperatura estabelecidos pelo fabricante não são respeitados, oprocessador pode queimar e travar frequentemente, além deacontecerem resets aleatórios.A temperatura de um processador pode ser medida por meio de umsensor existente na placa-mãe, logo abaixo do processador. Em algunsprocessadores mais novos como o Core 2 Duo, o sensor pode estardentro do próprio processador. Praticamente todas as placas-mãe vêmcom um programa que permite a leitura desse sensor.Processador
  113. 113. O microprocessador também é um circuito integrado, porém,programável, capaz de realizar várias instruções, uma de cada vez. Quemindica ao processador que comando deve executar é um programa, que foiescrito por uma pessoa, gravado em um arquivo e carregado na memóriaprincipal do computador. Uma a uma essas instruções são enviadas à CPU,por meio de um barramento específico, chamado Barramento de Controle(Control Bus), ao mesmo tempo que os dados para essa operação sãosolicitados à memória por meio do Barramento de Endereços (Address Bus).A memória, então, responde ao processador por meio do Barramento deDados.Organização do processadorBarramentos queligam o processadorà memória.
  114. 114. O processador é dividido em alguns componentes, e cada um realizauma tarefa específica, necessária para executar todo o conjunto deinstruções que é capaz de processar. Desses, o principal componente é aUC, ou Unidade de Controle, que identifica as instruções, comanda osoutros componentes do processador, controla a memória e todos osoutros dispositivos do computador.Outro componente é a ULA (Unidade Lógica Aritmética), quefunciona como calculadora: faz cálculos matemáticos, lógicos eestatísticos, e é onde realmente os dados são processados. SegundoSTALLINGS, 2003, a ULA “constitui o núcleo ou a essência doscomputadores”. No fim de 2009, os processadores contavam com outrocomponente adicional, a FPU (Float Point Unit, Unidade de PontoFlutuante) para acelerar operações com números mais complexos, quecontêm parte fracionária. Em computadores antigos essa funcionalidadeera implementada em um processador à parte, fora da CPU. Um terceirocomponente do processador são os registradores, unidades de memóriaque, por ficarem dentro da CPU, possibilitam acesso bem mais veloz aosdados do que as RAM ou cache.Organização do processador
  115. 115. Os registradores são divididos em três grupos:• De uso geral ou de dados – têm capacidade de 32 bits cada um esão utilizados para armazenar operadores de funçõesmatemáticas que estão sendo processados pela ULA, para fazercálculos de endereços ou mesmo para manipular cadeias decaracteres.• De segmento ou de endereço – possuem 16 bits e servem paraidentificar a localização de instruções e dados na memória;• Sinalizadores – armazenam flags, sinais que indicam o estado dealgum processo que está sendo ou foi executado.Organização do processador
  116. 116. Existem também registradores ligados diretamente a processamentode números de ponto flutuante. São eles:• Numéricos – armazenam números de ponto flutuante.• De controle – sinalizam o tipo operação de arredondamento,precisão simples ou estendida.• De estado – sinalizam a situação no momento presente da FPU(Float Point Unit, ou Unidade de Ponto Flutuante), topo de pilhas,condições, resultados e exceções.• Condição de conteúdo – indicam o tipo de número que estásendo trabalhado.Organização do processador
  117. 117. Os processadores são comercializados em dois formatos: na versãoOEM (somente o chip) e na versão BOX, em que o processador éfornecido com dissipador, cooler e elemento térmico, em forma de pastaou adesivo.O processador emite muito calor. Nos mais antigos, como o K5 daAMD, a temperatura chegava a até 85 °C. Portanto é preciso retirar essaenergia térmica o mais rápido possível para evitar o superaquecimento eeventual queima do equipamento.O dissipador de calor é uma peça metálica, geralmente de cobre oualumínio, metais que conduzem bem a energia térmica. Seu papel éremover o calor do processador e conduzi-lo para o ar. Esse dispositivodeve ficar em contato com a maior área possível do processador paraque a transmissão de calor seja mais eficiente. Para aumentar a induçãode calor, usa-se ainda pasta ou etiqueta térmica, que preenchem osmínimos espaços que possam não estar em contato com o processador.O cooler, também chamado de fan ou ventoinha, empurra o ar eforça sua passagem através do radiador do dissipador, que por sua veztransmite o calor para o ambiente.Procedimento de instalação de um processador
  118. 118. Procedimento de instalação de um processadorConjunto:processador,dissipador ecooler.
  119. 119. Não é somente o processador que gera energia térmica dentro docomputador, mas todos os demais componentes, com mais ou menosintensidade. E todo o calor precisa escapar para o ambiente para nãodanificar o equipamento. É necessário então utilizar um sistema derefrigeração para removê-lo.Para que o calor saia de um corpo quente, outro corpo mais friodeve fazer contato com ele. Embora seja um isolante térmico, o ar é oelemento mais utilizado para isso, por ser mais fácil, prático e baratocolocar grande quantidade de ar em contato com os dispositivos emrelação a algumas outras substâncias com mais capacidade de conduçãode energia térmica, como a água e o nitrogênio. Assim, os gabinetes têmentradas de ar na frente e até do lado oposto à placa-mãe (na tampa). Asaída é pela parte de trás. Na parte frontal, fans puxam o ar frio paradentro do gabinete e na posterior sopram o ar quente para fora. Osgabinetes com entrada de ar lateral possuem um cooler que sopra o arfrio diretamente sobre o cooler do processador. A ventoinha da fonte deenergia também sopra o ar quente produzido pela própria fonte, masajuda a expelir o ar de dentro do gabinete.Refrigeração
  120. 120. Procedimento de instalação de um processadorFluxo de ar por dentro do gabinete.
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×