Your SlideShare is downloading. ×
Introdução aos periféricos
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Introdução aos periféricos

340
views

Published on

Introdução aos periféricos

Introdução aos periféricos

Published in: Technology

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
340
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
8
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Técnico em Informática Por: Henrique Quirino Silva Arquitetura de Microcomputadores • Histórico e evolução dos computadores • Conceitos de hardware e software • Entrada, processamento e saídas de dados. • Bit e bytes e seus múltiplos • Sistema binário de numeração • Etc...
  • 2. Introdução aos periféricos Periféricos? Não, pera...
  • 3. Introdução aos periféricos Quando pensamos em um computador moderno, diversas características nos vêm à mente: a) Sistema eletrônico preciso e confiável; b) Alta velocidade de processamento de informações que facilita nossa vida; c) Lugar para se armazenar músicas, vídeos, textos, imagens etc. São tantas funções que ficamos assustados ao pensar como uma máquina desse tipo funciona. A princípio, precisamos saber que um computador divide-se em hardware (todos os dispositivos físicos do computador, mouse, teclado, gabinete, processador etc.) e software (tudo que não é físico, como programas, arquivos etc.).
  • 4. Introdução aos periféricos Para entendermos melhor a diferença entre hardware e software, podemos fazer uma analogia com o corpo humano. Toda a parte física (cabeça, braços, pernas, etc.) seria o hardware; enquanto tudo o que não é físico (os pensamentos, ideias etc.) seria o software. É claro que existem diferenças entre os computadores, alguns possuem muito mais dispositivos que outros. Vale a pena perguntar, então, quais são as peças de hardware fundamentais para o funcionamento básico de um computador?
  • 5. Introdução aos periféricos Perceba que na imagem não existem caixas de som, webcam, scanner, somente gabinete, monitor, teclado e mouse. Isso significa que um computador, para funcionar, precisa somente desses elementos, desde que o gabinete esteja com os dispositivos internos necessários para o seu funcionamento adequadamente instalados.
  • 6. Periféricos de entrada/saída Dentro do gabinete fica localizada a CPU, a peça mais importante de um computador, controladora de todo o processamento da máquina. Todas as outras peças são chamadas de periféricos, pois estão na periferia da CPU. Os periféricos são os nossos dispositivos de entrada e saída de informação. Permitem a comunicação do computador com um agente externo, o usuário. Esses periféricos são classificados, quanto ao sentido da comunicação, em dois tipos: a) Periféricos de entrada; b) Periféricos de saída.
  • 7. Periféricos de entrada/saída Os periféricos de entrada são os utilizados pelo usuário para enviar informações para a CPU, os de saída para que o computador “responda” para o usuário. Em alguns casos, um periférico pode exercer as duas funções, de entrada e saída, enviando em alguns momentos informação para a CPU e em outros momentos recebendo informações vindas da CPU.
  • 8. Periféricos de entrada/saída
  • 9. Periféricos de entrada/saída Como podem ver, os periféricos são fundamentais para a operação de um computador. Com o processador, eles formam toda a parte de hardware de um computador. Podemos dizer que um computador é um dispositivo eletrônico que recebe informações dos usuários, processa essas informações e envia uma resposta para o usuário. Os periféricos trabalham interagindo um com o outro, para que o usuário possa operar o computador com maior velocidade. Eles também têm se tornado peças cada vez mais importantes na execução de trabalhos especializados, possibilitando novas funções como a digitalização de imagem e a interação através de videoconferências.
  • 10. Os componentes do Hardware Para funcionar, um computador é formado por uma série de componentes. Iremos conhecer os principais componentes e a sua função dentro do computador.
  • 11. O Processador Também conhecido com CPU (central process unit), ele é responsável por carregar e realizar operações lógicas e cálculos. Os processadores recebem informações enviadas pelos periféricos de entrada do computador, processa essas informações e as devolve processadas para os periféricos de saída ou memória. É o componentes do computador que necessita maior conhecimento tecnológico para ser desenvolvido e, por isso, atrai os olhares dos fãs de tecnologia. O fato de ser um componente que exige alta tecnologia para ser feito também faz com que seja um dos componentes mais caros de um computador.
  • 12. O Processador Existem no mercado diversos modelos de processadores. Os mais conhecidos são os processadores da Intel e AMD. Podemos citar alguns processadores em ordem crescente de evolução: a) Processadores Intel: Pentium MMX, Pentium II, Celeron, Pentium III, Pentium IV, Pentium M, Core Duo , Core 2, i3, i5, i7, entre outros; b) Processadores AMD: K6, K6 II, Duron, Athlon, Opteron, Phenom, entre outros.
  • 13. O Processador Pentium MMX Pentium II
  • 14. O Processador Intel Core 2 DUO – E8500 Intel Core i7 – 4770k
  • 15. O Processador AMD-K6 AMD Duron
  • 16. O Processador AMD Opteron - 6300 AMD Phenon – X6
  • 17. O Processador Normalmente os processadores, dentro de uma mesma família, são fabricados para serem compatíveis com a maioria das placas-mãe, mas observe a configuração do equipamento antes de decidir substituir o processador para evitar surpresas.
  • 18. A Placa mãe É a espinha dorsal de um computador. É ela quem conecta o processador e demais periféricos. Geralmente cada placa-mãe aceita somente um tipo de processador. O número de terminais (pinos) e o encaixe do processador mudam de família para família, inviabilizando o uso de uma placa genérica. Normalmente existe um casamento entre placa-mãe e família de processador, permitindo que se usem apenas conjuntos compatíveis. As placas-mãe podem ser classificadas em on-board ou off-board.
  • 19. A Placa mãe
  • 20. Conectores A placa-mãe, a “espinha dorsal” do computador, interliga todas as placas de expansão internas através de conectores. A. Conectores externos para mouse, teclado e áudio etc. B. Slot onde o processador deve ser encaixado. C. Slots onde os pentes de memória RAM são inseridos. D. Conector para disco rígido/CD-ROM/DVD do tipo IDE. E. Conectores para disco rígido/CD-ROM/DVD do tipo SATA. F. Slots de expansão para conectar placas de vídeo, som, rede etc.
  • 21. Memória RAM As memórias RAM (random access memory), também conhecidas como “pentes de memória”, são responsáveis pelo armazenamento dos dados e instruções que o processador precisa para executar suas tarefas. Quando o computador é desligado, as informações que estavam na memória RAM são perdidas, por isso ela é considerada uma memória volátil. O padrão de memória RAM mais utilizado atualmente é o DDR3, mas existem diversas outras como DDR2, DDR e DIMM. As memórias para notebook são menores em relação ao desktop, sendo que algumas vezes podem ser usadas também em desktops, dependendo da placa-mãe.
  • 22. Memória RAM Vejamos os principais tipos de memória a seguir:
  • 23. Memória RAM SODIMM
  • 24. Disco Rígido (HD) O disco rígido armazena informações ou arquivos de forma persistente, ou seja, até que o usuário decida apagá-los. Eles são constituídos por discos, divididos em trilhas que, por sua vez, são formadas por setores, onde as informações são armazenadas. Esses dispositivos conseguem armazenar uma quantidade enorme de bytes. Atualmente, podemos comprar discos rígidos com capacidade de armazenamento na casa dos terabytes (1.024 gigabytes).
  • 25. Disco Rígido (HD) A rotação dos discos varia conforme o modelo. Os padrões mais comuns são 5.400 rpm (rotações por minuto), 7.200 rpm e 10.000 rpm. O disco rígido se conecta ao computador por meio de uma interface de controle, sendo mais comuns as conexões IDE (integrated drive electronics), SCSI (small computer system interface) e SATA (Serial ATA).
  • 26. Disco Rígido (HD)
  • 27. Placa de vídeo É responsável por mostrar dados de vídeo no monitor. Existem placas de vídeo on-board (que já vêm acopladas na placa-mãe) e off- board (as placas são independentes e são conectadas à placa-mãe em encaixes específicos chamados de slots). As placas on-board normalmente são mais baratas que as off-board, porém também possuem um desempenho inferior. Para a utilização de softwares que trabalhem com imagens e jogos, a melhor opção é comprar placas off-board. Antigamente, os slots do tipo PCI e AGP eram o padrão; hoje, o padrão é a tecnologia PCI-Express.
  • 28. Placa de vídeo
  • 29. Drivers São dispositivos que permitem ler e gravar dados em mídias removíveis. Antigamente utilizavam-se disquetes para o armazenamento de dados, mas esse tipo de dispositivo já não é comum nas máquinas modernas. Atualmente, o que encontramos são drives de CD, DVD e Blu-ray. Estes drives podem ser somente leitores, ou também podem ter a capacidade de gravar dados, mas mesmo esse tipo de mídia tem sido substituído por dispositivos de armazenamento de estado sólido como os pen drives com conexão USB.
  • 30. Drivers
  • 31. Drivers
  • 32. Drivers
  • 33. Cooler É um pequeno ventilador que tem a função de refrigerar o processador e outros componentes. Normalmente são de 5 V ou 12 V. Instalado sobre o processador, ele é responsável pela refrigeração desse componente. Devemos tê-lo conectado no local adequado na placa-mãe e sempre funcionando, assim evita-se que o processador queime por superaquecimento.
  • 34. Gabinete Muitas pessoas chamam incorretamente o gabinete de CPU (central process unit). Gabinete é a caixa que tem como função proteger e acomodar os componentes eletrônicos internos do computador, enquanto CPU é o processador que fica conectado à placa-mãe. Atualmente, os três principais tipos de gabinete no mercado são AT, ATX e BTX.
  • 35. Gabinete AT: modelo mais antigo que dificilmente será encontrado para venda. A principal característica é seu formato, que influencia a questão térmica, e o uso de fonte AT, que é acionada diretamente, sem uso da placa-mãe, via botão liga/desliga.
  • 36. Gabinete ATX: teve seu desenho térmico refeito, levando em conta o novo posicionamento de processadores em placas-mãe, bem como a adoção de um novo formato de fonte, o ATX, em que a alimentação é controlada logicamente via placa-mãe.
  • 37. Gabinete BTX: evolução do ATX, em que se leva em conta cada vez mais a integração de componentes on-board e a busca de espaço. Podemos notar a opção de inverter a localização dos slots de expansão na placa-mãe de lado, como mudança mais marcante.
  • 38. Fonte de Alimentação O tipo e formato da fonte de alimentação normalmente se casam com o tipo de gabinete. Converte corrente alternada em corrente contínua, necessária para a alimentação do computador. A fonte geralmente é presa ao gabinete. Gabinete, fonte e placa-mãe precisam ser de um mesmo padrão para funcionarem corretamente. Hoje empregamos o padrão ATX de 20 e 24 pinos para a placa- mãe e outros conectores para os demais periféricos.
  • 39. Fonte de Alimentação
  • 40. Fonte de Alimentação
  • 41. Fonte de Alimentação Os tipos de conexões do monitor podem fazer toda a diferença na res da imagem que você verá na tela. Vamos entender um pouco mais os conexões de um monitor.
  • 42. Fonte de Alimentação
  • 43. Componentes externos Iremos conhecer agora os principais componentes externos do computador. Esses dispositivos são os mais conhecidos pelos usuários comuns e profissionais de fora da área de TI, como designers, digitadores etc. Vamos conhecê-los?
  • 44. Monitores Hardware de saída de dados, o monitor é fundamental para exibir visualmente as solicitações processadas pelo computador. Tendo como inspiração a TV, os monitores evoluíram lentamente por anos e sua primeira versão era monocromática, emitindo apenas uma cor. Em seguida surgiram os monitores coloridos, que emitiam de 4 a 16 cores. A partir daí surgiram várias versões que melhoraram a resolução, aumentando o número de pixels até a chegada da imagem digital. Hoje eles emitem imagens 3D e até obedecem a comandos pelo toque da mão com tela touch screen. A novidade fica com os monitores holográficos, que podem projetar a imagem dispersa no ar através de uma base. Do CRT inicial, caminhou para tecnologias LCD e LED atualmente.
  • 45. Monitores Os tipos de conexões do monitor podem fazer toda a diferença na resolução da imagem que você verá na tela. Vamos entender um pouco mais os tipos de conexões de um monitor.
  • 46. Monitores DVI dispensa conversores, pois preserva os dados em formato digital. Dois modelos podem ser encontrados: DVI-D (somente sinal digital) e DVI-I (permite conectar monitor analógico). VGA (vídeo graphics array) sinal analógico DVI (digital video interface)
  • 47. Monitores HDMI (high-definition multimedia): conexão comum nas TVs de última geração. Envia sinal digital de áudio e vídeo com excelente resolução. HDMI (high-definition multimedia)
  • 48. Caixas de som Outro hardware de saída de dados, as caixas de som são responsáveis por emitir todo conteúdo sonoro de músicas, vídeos, alertas de e-mail, mensagens e animação de sites que você quiser visitar.
  • 49. Impressora Hardware de saída de dados, recebe a solicitação feita pelo usuário e se responsabiliza por imprimir, ou emitir cópias das informações que você pediu. Tipos de conexão de impressoras: podem ser conectadas via USB, serial, wireless ou bluetooth.
  • 50. Tipos de impressora Jato de Tinta: imprime pelo esguicho de pequenas quantidades de tinta sobre a mídia (papel).
  • 51. Tipos de impressora Laser: mais rápidas e com secagem instantânea, é a preferida das empresas.
  • 52. Tipos de impressora Matricial: imprime pelo impacto de agulhas contra uma fita que transfere a tinta para o papel. Hoje, muito usada no processo fiscal, porém tende a desaparecer com a nota fiscal eletrônica.
  • 53. Tipos de impressora Térmica: imprime pelo aquecimento do papel, em rolo, especial. Responsável pela emissão de cupom fiscal ou de cartão de crédito.
  • 54. Scanners Hardware de entrada de dados, tem a função de digitalizar o conteúdo de um livro, revista ou foto, por exemplo, e transformá-lo em dado digital. Também encontrado em algumas impressoras multifuncionais, dispensando a aquisição de mais um equipamento externo.
  • 55. Scanners A qualidade do scanner é medida em dpi (pontos por polegadas) ou pixel (picture element): quanto maior, mais detalhada é a imagem. Os modelos mais simples possuem resolução de 300 dpi x 300 dpi, mas há scanners que podem atingir 2.400, 4.800, 9.600 dpi ou mais.
  • 56. Teclado Hardware de entrada de dados, possui normalmente conexão PS/2 ou USB. Permite ao usuário digitar textos, e em muitos casos dispensa o uso do mouse, pois permite a configuração de muitos atalhos. Por isso, nada de pânico caso o mouse deixe de funcionar. Iluminado, flexível, ergonômico, escolha o seu.
  • 57. Mouse Hardware de entrada muito conhecido pelos usuários por facilitar a navegação. É possível ainda configurar a velocidade e animação do mouse, e baixar softwares que complementam sua funcionalidade. Sua conexão pode ser PS/2, serial ou USB.
  • 58. Webcam Esse hardware de entrada de dados é muito utilizado em videoconferências. A maioria dos notebooks já vem de fábrica com uma webcam acoplada.