Your SlideShare is downloading. ×
0
Pesquisas em Geografia: Práticas e Vivências
Pesquisas em Geografia: Práticas e Vivências
Pesquisas em Geografia: Práticas e Vivências
Pesquisas em Geografia: Práticas e Vivências
Pesquisas em Geografia: Práticas e Vivências
Pesquisas em Geografia: Práticas e Vivências
Pesquisas em Geografia: Práticas e Vivências
Pesquisas em Geografia: Práticas e Vivências
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Pesquisas em Geografia: Práticas e Vivências

1,466

Published on

Apresentado em 31 de agosto de 2007, para os visitantes do Instituto de Geociências, durante o evento Universidade de Portas Abertas (UPA) realizado anualmente pela Universidade Estadual de Campinas. …

Apresentado em 31 de agosto de 2007, para os visitantes do Instituto de Geociências, durante o evento Universidade de Portas Abertas (UPA) realizado anualmente pela Universidade Estadual de Campinas. Demonstração breve sobre algumas pesquisas na área de Geografia, enfocando principalmente a vivência do autor.

Published in: Technology, Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,466
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
57
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Pesquisas em Geografia: Práticas e Vivências Ricardo S. Dagnino Bacharel em Geografia (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) Mestre em Geografia (Universidade Estadual de Campinas) Campinas, 31 de agosto de 2007
  • 2. Características das Pesquisas em Geografia Multidisciplinaridade Vasta amplitude de temas Flexibilidade de fontes de dados
  • 3. Multidisciplinaridade: A Geografia possui vínculos com diversas áreas do saber e perspectivas profissionais. Exemplos: 1. Localização dos cursos de Geografia em diferentes Universidades: em algumas Universidades, como a Unicamp, a Geografia está vinculada ao Instituto de Geociências; em outras, como a USP, ela está localizada na Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas. 2. Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (CREA). Filiação dos Geógrafos (bacharéis) ao Conselho. 3. Associação dos Geógrafos Brasileiros (AGB): Diversidade de formação profissional dos associados.
  • 4. Vasta amplitude de temas É permitido que se estude “quase” tudo. O pré-requisito é que a pesquisa esteja ligada ao homem (sociedade) e sua ocupação e transformação do mundo (natureza, espaço, território). Exemplos: 1. Pesquisar sobre a Existência do homem e a utilidade da Geografia: Estudo das diferentes formas de se fazer e pensar a Geografia e seus conceitos (espaço, paisagem, território, ambiente, natureza). Aqui incluem-se as quatro perguntas existenciais básicas: Quem sou? Onde estou? De onde vim? Para onde vou? 2. Responder as questões sobre a existência e o destino do Homem: Por exemplo, Sou um ser humano (utilizo recursos, produzo resíduos, construo e destruo a natureza), ocupo uma porção da superfície do planeta (moro numa metrópole que antes já foi uma área de produção rural, e bem antes foi coberta de florestas) , vim de uma conjugação de fatores que resultaram “nisso” (sopa primordial de Oparin, Sol, água, clima favorável, recursos, organização social, tecnologia, informação) , e vou para o infinito, meu destino é incerto mas as possibilidades são muitas.
  • 5. Flexibilidade de fontes de dados Se quase tudo é permitido e vamos trabalhar com muita gente diferente, devemos ser flexíveis nas obtenção de dados e informação. Exemplos: 1. Utilização de fontes de informação consagradas: estatísticas, fotos, mapas, livros, experimentos de laboratório, observação em campo Pesquisas populacionais baseadas em dados fornecidos pelo Instituto Brasileiros de Geografia e Estatística (IBGE); em observações e medições das formas de relevo; da densidade de rios; de fatores como a poluição, a degradação dos solos e o desmatamento. 2. Fontes de informação experimentais: percepções, filmes, músicas Pesquisas baseadas em filmes de Ficção Científica como “Blade Runner” e “Solaris”; analisando a difusão socio-espacial de estilos musicais como Samba, Rock e Rap; a crescente utilização de ferramentas como o GoogleEarth.
  • 6. Práticas e Vivências Em Porto Alegre/RS Pesquisa sobre Emprego e Qualidade de vida. Pesquisa sobre Resíduos Sólidos e Materiais recicláveis. Em Campinas/SP Riscos Ambientais na Bacia do Anhumas. Mapa Verde da Unicamp. Outros lugares Solos Antrópicos e Riscos na Vila de Picinguaba, Ubatuba/SP. Relação entre Floresta Nacional de Ipanema e população, Iperó/SP.
  • 7. Mestre Aziz Nacib Ab’Saber Reconceituando Educação Ambiental (2004) “Garantir a existência de um ambiente sadio para toda a humanidade implica em uma conscientização realmente abrangente, que só pode ter ressonância e maturidade através da Educação Ambiental. Um processo educativo que envolve ciência e ética, e uma renovada filosofia de vida, dotados de atributos e valores essenciais: capacidade de escrever sua própria história; informar-se permanentemente do que está acontecendo em todo o mundo; criar culturas e recuperar valores essenciais da condição humana. E, acima de tudo, refletir sobre o futuro do planeta.” Foto do Jornal da Unicamp publicada em 26/10/2005, por ocasião da palestra do Prof. Aziz durante a I Semana Acadêmica de Estudantes de Geografia FONTE: http://profissaogeografo.blogspot.com/2007/09/aziz-absaber-reconceituando-educao.html da Unicamp.
  • 8. Muito Obrigado! Bacia do Ribeirão das Pedras - Jul/2007 Contato: Foto do Autor ricardosdag@gmail.com

×