Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
  • Save
Antropossolos em Picinguaba (Ubatuba, SP)
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Antropossolos em Picinguaba (Ubatuba, SP)

  • 1,709 views
Published

Apresentação em formato PowerPoint do trabalho “Identificação de Antropossolos em Picinguaba (Ubatuba, SP) para o estudo do Tecnógeno.” Evento: X Congresso da Associação Brasileira de Estudos do …

Apresentação em formato PowerPoint do trabalho “Identificação de Antropossolos em Picinguaba (Ubatuba, SP) para o estudo do Tecnógeno.” Evento: X Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário – ABEQUA. Guarapari, ES, 2005. 6 p. Autores: DAGNINO, Ricardo; FREITAS, Marcos; VALERIANO, Márcio; LADEIRA, Francisco; CARPI JUNIOR, Salvador.
Disponível em: www.abequa2005.geologia.ufrj.br/nukleo/pdfs/0064_x_abequa_dagninoetal.pdf.

Published in Technology , Real Estate
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
1,709
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Identificação de Antropossolos em Picinguaba (Ubatuba, SP) para o estudo do Tecnógeno Ricardo DAGNINO - Mestrando em Geografia, IGE/UNICAMP Francisco LADEIRA – Professor – IGE/UNICAMP Marcos FREITAS - Mestrando em Sensoriamento Remoto, INPE Márcio VALERIANO - Pesquisador - DSR/INPE Salvador CARPI JUNIOR - Pesquisador – IGE/UNICAMP X Congresso da ABEQUA Associação Brasileira de Estudos do Quaternário Guarapari - Espírito Santo - 2005
  • 2.
    • Esta apresentação é parte integrante da análise paisagística integrada
    • do Parque Estadual da Serra do Mar – Núcleo Picinguaba, e seus subprodutos (DAGNINO et al., 2005; LADEIRA et al., 2005)
    • Embora se trate de uma unidade de conservação, a ocupação promove efeitos típicos encontrados em áreas urbanas, resultando em uma outra organização da fisiologia da paisagem criada pela sociedade.
    • A drenagem pluvial (infiltração e escoamento) e a fluvial são alteradas pela ocupação humana, com decorrente intensificação dos processos de escorregamento e aumento da carga sedimentar correlativa.
    • Em alguns setores desta área, a identificação de antropossolos e solos desenvolvidos sobre depósitos pode servir como indicador das alterações atuais nos processos geomórficos, pedogênicos e sedimentares (fisiologia da paisagem), assim como contribuir para o estudo do Tecnógeno.
    Introdução
  • 3.
    • Objetivo Geral :
    • Subsidiar o planejamento conservacionista da área do Parque Estadual da Serra do Mar - Núcleo Picinguaba, Ubatuba, São Paulo.
    • Objetivos Específicos:
    • Organizar e integrar informações geográficas para a caracterização dos antropossolos do ponto de vista do Tecnógeno.
    Objetivos
  • 4. Área de estudo Mapa de São Paulo e imagem com a localização do Núcleo Picinguaba Imagem Landsat 7-ETM+ em composição 5R4G3B fusionada com a banda 8, resolução espacial de 15m.
  • 5. Área de estudo Imagem em visão tridimensional Integração de imagem Landsat 7- ETM+ com modelo numérico de terreno SRTM-30 metros.
  • 6.
    • O reconhecimento do papel da sociedade humana na dinamização dos efeitos sobre o ambiente tem levado ao crescimento da utilização do termo tecnogênico. De uma ação antropogênica bem localizada e de relativamente baixo risco passamos à atividade tecnogênica, irreversível, altamente problemática e de grande difusão espacial.
    • “ As novas coberturas pedológicas e as novas formações geológicas, que se encontram em processo de geração, estão fortemente influenciadas pela ação do homem" (Oliveira, 1995)
    • A identificação dos antropossolos representa contribuição ao estudo do Tecnógeno à medida que este tipo de solo, formado a partir da ação humana, pode apresentar-se sobre uma nova formação geológica, dependendo dos depósitos correlativos.
    Introdução
  • 7. Exemplos de Classificação (CURCIO, G. et al, 2004) Antropossolos
  • 8.
    • Levantamento Bibliográfico
    • Levantamento Cartográfico
    • Sensoriamento Remoto
    • Trabalhos de Campo
    • Sistematização dos Dados
    • Validação
    Referências Baseados nos estudos de: Ecodinâmica (TRICART, 1977) Geossistemas (BERTRAND; BERTRAND, 2002). Cartografia Dinâmica do Ambiente (JOURNAUX, 1985)
  • 9. Procedimentos Sensoriamento Remoto: [ Baseado nos trabalhos de VALERIANO (2002, 2003, 2004)] Sensores LANDSAT e CBERS: classificação da cobertura vegetal e uso do solo atual será obtida a partir de imagens de sensores remotos ópticos como Landsat 7 (ETM+) e Cbers (CCD). Sensor SRTM: análise geomorfológica com produtos derivados do MDE (hipsometria, declividade, comprimento de rampa, curvaturas horizontal e vertical, energia do relevo) através do tratamento geoestatístico dos dados extraídos.
  • 10.
    • Sistematização dos Dados:
    • Os dados, compatibilizados em Sistema de Informação Geográfica (SIG), serão integrados para se estabelecer um zoneamento das unidades de paisagem da área em função das condições de conservação e da ocorrência de problemas paisagísticos, além de se identificarem as áreas de provável deposição de material de origem tecnogênica.
    Procedimentos Trabalhos de Campo: SOLOS: 1) identificação pelo manual de descrição e coleta de solos para pedologia e 2) classificação realizada segundo a proposta da EMBRAPA, complementada pela classificação de antropossolos proposta por pesquisadores da Embrapa Florestas. DEPÓSITOS: utilizaremos as referências de OLIVEIRA (1990, 1994, 1995) e de Fanning and Fanning (1989). MATERIAIS encontrados: seguiremos a proposta de Amaral e Feijó (2004), que os conceituam como rocha, solo residual, tálus/colúvio e/ou lixo.
  • 11. Procedimentos Validação: será feita em campo, com amostragem de pontos estabelecidos nas etapas de estudo cartográfico (SIG) e entrevistas para levantamento da percepção e da participação da comunidade local em relação às alterações da paisagem. A pesquisa junto à população associada ao estudo da paisagem está de acordo com premissas de Peloggia (1997), pelas quais se deve incluir, junto com a análise dos efeitos da ação humana sobre o ambiente geológico, as práticas humanas em si, suas causas, motivações e tendências, para possibilitar a proposição de soluções de aplicabilidade concreta (das quais se deseja a efetivação em resultados práticos). Dessa forma, o planejamento territorial e a gestão ambiental em áreas de depósitos tecnogênicos seguem os princípios sugeridos para outras áreas: “Quem não souber avaliar e cruzar bem a organização natural das paisagens (superficial e subsuperficial, e seus processos) com a organização humana dos espaços não está preparado para fazer propostas e nem para ter opções corretas” (Ab' Saber 1984).
  • 12. Dois casos ocorridos em 29 de novembro de 2003, ocasionados por ocupação humana e alto índice pluviométrico. O deslizamento da foto direita causou uma morte (Fonte: IPT) Deslizamentos
  • 13.
    • AB'SABER A. 1984. Aspectos do planejamento do uso e ocupação solo. In: Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia, 6, Belo Horizonte, Anais. Belo Horizonte, ABGE, v. 4, p. 221-234.
    • AMARAL C, FEIJÓ R. 2004. Aspectos ambientais dos escorregamentos em áreas urbanas. In: VITTE A, GUERRA A. (Org.). Reflexões sobre a geografia física no Brasil. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 280 p.
    • BERTRAND C, BERTRAND G. 2002. Une geographie traversière: l’environment à travers territories et temporalities. Paris, Éditions Arguments, 311p.
    • CURCIO G, et al. 2004. Antropossolos: proposta de ordem (1ª aproximação). Colombo: Embrapa Florestas, 2004
    • DAGNINO R; FREITAS, M; VALERIANO, M; LADEIRA, F; CARPI JUNIOR S. Identificação de Antropossolos em Picinguaba (Ubatuba, SP) para o estudo do Tecnógeno. In: X CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DO QUATERNÁRIO, 2005, Guarapari, ES. 2005. 6 p. Disponível em: http://www.abequa2005.geologia.ufrj.br/nukleo/pdfs/0064_x_abequa_dagninoetal.pdf
    • FANNING D and FANNING M. 1989. Soil-Morphology, Genesis, and Classification. John Wiley and Sons, New York, 395p.
    • JOURNAUX A. 1985. Cartographie intégrée de l’environnement un outil pour la recherche et pour l’aménagement. Paris: UNESCO, MAB 16.
    • IPT – Instituto de Pesquisas Tecnológicas. Acidente na Vila Picinguaba, Ubatuba. Disponível em: http://riscos.ipt.br/cpub/search_page . php ? l_intNewCod =260
    • LADEIRA F; DAGNINO R; FREITAS M; VALERIANO M; CARPI JUNIOR S. Análise Paisagística Integrada do Parque Estadual da Serra do Mar - Núcleo Picinguaba, Ubatuba - SP. In: XI Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada. São Paulo: Departamento de Geografia - USP, 2005. p. 5794-5798. Disponível em http://mtc-m12.sid.inpe.br/rep-/sid.inpe.br/iris@1912/2005/12.28.15.29
    • OLIVEIRA A.1990. Depósitos tecnogênicos associados à erosão atual. In: Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia, 6, Salvador, Atas... ABGE, v. l, p. 411-415.
    • OLIVEIRA A. 1994. Depósitos tecnogênicos e assoreamento de reservatórios. Exemplo do reservatório de Capivara, Rio Paranapanema, SP/RJ. São Paulo, v. l. 211 p. (Tese de Doutoramento, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo).
    • OLIVEIRA A. 1995. A abordagem geotecnogênica: a Geologia de Engenharia no Quinário. In: Bitar, O.Y. (coord.) Curso de Geologia Aplicada ao Meio Ambiente. São Paulo, IPT/ABGE, p.231-241.
    • PELOGGIA A. 1997. A ação do homem enquanto ponto fundamental da geologia do Tecnógeno: proposição teórica básica e discussão acerca do caso do Município de São Paulo. Revista Brasileira de Geociências, 27(3):257-268, setembro.
    • PELOGGIA A. 1998. O Homem e o Ambiente Geológico. São Paulo: Xamã. 271 p.
    • TRICART J. 1977. Ecodinâmica. Rio de Janeiro, SUPREN/IBGE, 91p.
    • VALERIANO M. 2002. Programação do cálculo da declividade em SIG pelo método de vetores ortogonais. Espaço e Geografia, Brasília, DF, v. 5, n. 1, p. 69-85.
    • VALERIANO M. 2003. Curvatura vertical de vertentes em microbacias pela análise de modelos digitais de elevação. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, PB, v. 7, n. 3, p. 539-546.
    • VALERIANO M. 2004. Modelo digital de elevação com dados SRTM disponíveis para a América do Sul. São José dos Campos, SP: INPE: Coordenação de Ensino, Documentação e Programas Especiais (INPE-10550-RPQ/756). 72p.
    Bibliografia