Gestao sustentavel
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

Gestao sustentavel

  • 1,523 views
Uploaded on

Palestra ministrada na Semana Acadêmica de Engenharia Civil em 31/05/2012

Palestra ministrada na Semana Acadêmica de Engenharia Civil em 31/05/2012

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
1,523
On Slideshare
1,523
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
18
Comments
0
Likes
1

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Gestão Sustentável Ricardo Mendes Junior Maio de 2012 1
  • 2. O QUE É GESTÃO OU GERENCIAMENTO?A ação de reunir pessoas para atingirem juntosum objetivo comum desejado e suas metasutilizando recursos com eficiência e eficácia.CompreendePlanejar, Organizar, Liderar, Agir, Monitorar eControlar. 2
  • 3. RECURSOS Financeiros Humanos MateriaisTecnológicos Naturais 3
  • 4. O QUE É SUSTENTABILIDADE?O que ésustentável, defensável, suportável, capaz deser mantido.Um processo contínuo, que no longo prazo, sesustenta, impedindo a ruína de algo.Deve ser avaliada internamente (agentesinterno) e no impacto de todos os envolvidos(agentes externos) 4
  • 5. http://www.jagostinho.com.br/wp-content/uploads/2012/01/COUTO-PEREIRA.jpg 5
  • 6. http://www.jogoslimpos.org.br/wp-content/uploads/2011/10/arena-baixada-noite.jpg 6
  • 7. Sustentabilidade é um relacionamento entre sistemaseconômicos dinâmicos e sistemas ecológicos maiorese também dinâmicos, embora de mudança maislenta, em que:a) a vida humana pode continuar indefinidamente;b) os indivíduos podem prosperar;c) as culturas humanas podem desenvolver-se;d) os resultados das atividades humanas obedecem a limites para não destruir a diversidade, a complexidade e a função do sistema ecológico de apoio à vida 7
  • 8. MODELO DEDESENVOLVIMENTOVIGENTEA partir da produção emmassa (Taylor/Ford noinício do Séc. XX) oprocesso deindustrialização sedesenvolveu com aprodução em larga escala,com o consumo excessivode energia, água ematérias-primas, além dautilização intensiva de mão-de-obra barata. 8
  • 9. O QUE SUSTENTA ESTEMODELO?O consumo massivo, ouconsumismo.Pois novos consumidoresprecisam ter acesso aoque deve ser produzido. Eos atuais consumidoresdevem consumir maisprodutos (sejam bens ouserviços). 9
  • 10. É eficaz utilizar 1.000 kg de materiais para transportar 1,2 pessoas em média?Solução tecnológica: carros menoresSolução com mudança de paradigma:carro como serviço e não como um bem,paga-se pelo que se usa. http://www.triciclopompeo.com.br/ 10
  • 11. 11
  • 12. http://www.projectcartoon.com/cartoon/611 12
  • 13. http://www.projectcartoon.com/cartoon/611 13
  • 14. http://www.projectcartoon.com/cartoon/611 14
  • 15. http://www.projectcartoon.com/cartoon/611 15
  • 16. O desenvolvimento tecnológico (revoluçãodigital) nivelou por cima a qualidade deprodução nas empresas de classe mundialiniciando no Séc. XXI a busca decompetitividade no conhecimento agregadoaos produtos (Era do Conhecimento) e serviçosassociados a estes. 16
  • 17. http://imgs.obviousmag.org/archives/uploads/2008/08031301_blog.uncovering.org_china.jpgComo consequência, a produção em larga escala commão-de-obra barata foi transferida para países fora dosistema central, os ditos países emergentes (Ásiaprincipalmente). 17
  • 18. O QUE DIZER DOS IMPACTOS?Os impactos sociais e ambientais são altamentequestionados e já considerados indesejadospor grande parte da população. 18
  • 19. Destaque para a poluição ambiental de diversas ordens(atmosférica, visual, sonora), a produção excessiva delixo, precarização das condições de trabalho, especialmentenos países ditos emergentes.Solução para os resíduos sólidos: tecnológica - reutilizar ereciclar; mudança de paradigma – não produzir resíduos. 19
  • 20. SUSTENTABILIDADE SISTÊMICAAssim, o termo sustentabilidade deve sercompreendido de forma mais ampla, ousistêmica, relacionado com a continuidade dosaspectos econômicos, sociais, culturais eambientais da sociedade humana. 20
  • 21. GERAÇÕES FUTURASO que se aceita hoje é que a sustentabilidadedeve objetivar o atendimento das necessidadespresentes nasociedade, sem, contudo, comprometer apossibilidade de gerações futuras satisfazeremsuas próprias necessidades.Embora não se conheça exatamente quaisserão estas necessidades. 21
  • 22. A produção impacta integralmente asustentabilidade. Na forma de explorar osrecursos naturais, na forma de produzir, naforma de entregar, na forma de servir, na formade consumir.Há que se resolver o conflitoCONSUMISMO X NECESSIDADE 22
  • 23. NÍVEIS DE ENVOLVIMENTOHá vários níveis de envolvimento com aquestão da sustentabilidade:• SER VIVO• SER HUMANO• CIDADÃO POLÍTICO• JOVENS• EMPREENDEDOR• ENGENHEIRO 23
  • 24. DIMENSÕES DA SUSTENTABILIDADE*:• Sócio-Cultural• Econômica• Ecológica• Espacial• Técnica• Política• Institucional * SACHS (1998), p. 57-58 e COLOMBO (2004), p. 71 24
  • 25. SUSTENTABILIDADE SÓCIO-CULTURALConstruir uma civilização com maior equidadena distribuição de renda, de modo a melhorarsubstancialmente os direitos e as condições deamplas massas da população e a reduzir adistância entre os diversos padrões de vida.Respeito às especificidades de cadaecossistema, de cada cultura e de cada local. 25
  • 26. SUSTENTABILIDADE ECONÔMICALocação e gestão mais eficientes dos recursos epor um fluxo regular do investimento público eprivado. Envolve principalmente as barreirasprotecionistas e as limitações de acesso àciência e a tecnologia.Uma nova eficiência econômica macro-social.Economia como meio e não como finalidade.ECONOMIA SOLIDÁRIA 26
  • 27. SUSTENTABILIDADE ECOLÓGICAAumento da capacidade de carga da Terra, usode recursos potenciais de vários ecossistemas,redução do volume de resíduos e de poluição,redução do consumo material (uma novaeconomia).Capital natural na entrada dos processosCapacidade de absorção de resíduos 27
  • 28. MODELO DO PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃORECURSOS A SEREM TRANSFORMADOS BENS E SERVIÇOS PROCESSOS DE Entradas TRANFORMAÇÃO Saídas RECURSOS DETRANSFORMAÇÃO RESÍDUOS Capital natural na entrada dos processos Inclui os resíduos Capacidade de absorção de resíduos 28
  • 29. SUSTENTABILIDADE ESPACIALUma nova configuração rural-urbana maisequilibrada e uma melhor distribuiçãoTERRITORIAL de assentamentos humanos eatividades econômicos. Novo modelo deindustrialização descentralizada. Controlepopulacional discutido com a sociedade(DEMOGRÁFICA) 29
  • 30. SUSTENTABILIDADE POLÍTICAConstrução decidadania, democratização, fortalecimento dasorganizações comunitárias, redistribuição derecursos, divulgação das informações.Cultura da COLABORAÇÃOECONOMIA SOLIDÁRIA 30
  • 31. SUSTENTABILIDADE INSTITUCIONALSistema institucional que modifique suasbases, levando a sério a questãosocioambiental. 31
  • 32. Para que o conceito de desenvolvimentosustentável seja durável, ele precisa ser:ecologicamente correto, economicamenteviável, socialmente justo e culturalmenteaceito. O grande desafio é manter esse modeloequilibrado e trabalhar o maior número dedimensões da sustentabilidade. 32
  • 33. DIMENSÃO ECONÔMICADIMENSÃO AMBIENTAL DIMENSÃO SOCIAL Norma voluntária Norma voluntária ISO 14000 ISO 26000 Certificação RSC Certificação 33
  • 34. IMPACTO CAUSADOS PELA GESTÃOEm geral tais impactos ocorrem por falha noplanejamento e controle mais tradicional(PRAZO, CUSTOS, ESCOPO, RISCO eQUALIDADE) e em aspectos ligadas àSUSTENTABILIDADE. 34
  • 35. O que há é que ainda negligenciamos adimensão sustentabilidade na maioria dasorganizações e projetos. 35
  • 36. Estratégia É no nível de processos de de Negócios negócios e metodologias que essa lacuna mais se manifestaProcessos de negócio / MetodologiasAtividades do negócio /Operações Carvalho e Rabechini Jr (2011), p. 300 36
  • 37. DIMENSÃO ECONÔMICA EM PROJETOS*• Estudos de impacto de custo contínuo para apoiar decisões (ROI, trade-off de custo x benefício);• Relacionamento com os envolvidos e consumidores no processo;• Busca contínua pela excelência e melhor qualidade;• Gestão ágil com rápida tomada de decisão;• Prioridade da fase de projeto conceitual. Carvalho e Rabechini Jr (2011), p. 305 37
  • 38. DIMENSÃO SOCIAL EM PROJETOS*• Rede de gestão de conhecimento;• Reuniões de consenso no processo de decisão e de reflexão para aprendizado com experiência e erros;• Líder para ensinar e obter comprometimentos e disciplina efetiva;• Valores, princípios e crenças compartilhados pelos integrantes da organização;• Controle visual do monitoramento e controle. Carvalho e Rabechini Jr (2011), p. 305 38
  • 39. DIMENSÃO AMBIENTAL EM PROJETOS*• Análises de desmontagem (disassembly);• Rastreamento pós-venda (Logística inversa);• Aplicacão e reuso de tecnologias consolidadas;• Redução do consumo de energia no CICLO DE VIDA DO PROJETO E DO PRODUTO;• Uso de matéria-prima 3Rs (REUSO, REMANUFATURA e RECICLAGEM), priorizando recursos naturais abundantes e renováveis. Carvalho e Rabechini Jr (2011), p. 305 39
  • 40. INOVAÇÃO E CRIATIVIDADETêm sido responsáveis pela solução dosgrandes problemas quando estes pareciaminsolúveis.No passado, foram usadas para criar novastecnologias, novos produtos e descobrir novosmateriais.E no futuro? Precisamos inventar mais? Oucriar e inovar nas tecnologias sociais 40
  • 41. TECNOLOGIA SOCIALProduto, método ou técnica, criado parasolucionar algum tipo de problema social e queseja simples, de baixo custo, facilmentereaplicável e tenha impacto social.Cada vez mais grupos consideram ser a soluçãopara os problemas dos recursosnaturais, alimentos, educação e saúde e suamelhor distribuição. 41
  • 42. Cisterna de placas pré-moldadasMoeda social. Banco Palmasmicrocrédito e economia solidária 42
  • 43. VISÃO MECANICISTA DO ENGENHEIRO*A Engenharia transforma produtos naturais embens e serviçosO Engenheiro entende bem o comportamentoda matéria, mas não a natureza humana –transformada pelo uso dos produtos daengenharia FERRAZ (1983), p. 71-72 43
  • 44. Isto acaba por criar uma realidade externa a simesma – baseada em observaçõesquantitativas dos fatos.Relegando a segundo plano a determinação dascausas e de seus efeitos e a corretainterpretação dos fenômenos sociais, queconstituem as verdadeiras bases de suaintervenção. 44
  • 45. OS FUNDAMENTOS DA ATUAÇÃO DOENGENHEIROAo cliente: ESTABILIDADE, ESTÉTICA EFUNCIONALIDADEE para a sociedade?QUALIDADE DE VIDA? BUSCA DOS IDEAIS DOSER HUMANO? 45
  • 46. Wikipedia - http://pt.wikipedia.org/wiki/Ponte_Oct%C3%A1vio_Frias_de_Oliveira 46
  • 47. Divulgação IPPUC http://www.parana-online.com.br/media/uploads/2012/maio/30-05-12/cid2300512.jpg 47
  • 48. 48http://www.guiadacarreira.com.br/wp-content/uploads/2011/04/mapa-hidreletrica-belo-monte.png
  • 49. Sítio Belo Monte http://www.blogbelomonte.com.br/wp-content/uploads/2011/11/sitio_belo_monte.jpg http://www.blogbelomonte.com.br/ 49
  • 50. http://www.comunidadeobrasustentavel.com. br/http://www.comunidadeobrasustentavel.com.br/ 50
  • 51. OBRIGADO! mendesjr@ufpr.br CESECGRUPO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA CONSTRUÇÃO CIVIL 3361-3448 51
  • 52. REFERÊNCIASCarvalho, M. M. de; Rabechini Jr, R. Fundamentos em gestão deprojetos: construindo competências para gerenciar projetos. 3.ed. – São Paulo: Atlas, 2011.Colombo, C. R. Princípios teórico-práticos para formação deengenheiros civil: em perspectiva de uma construção civilvoltada à sustentabilidade. Tese de doutorado. Programa dePós-graduação em Engenharia de Produção eSistemas, UFSC, 2004.Ferraz, H. A formação do Engenheiro: um questionamentohumanístico. São Paulo: Ática, 1983.Sachs, I. Debates. In: VIEIRA, P. F. et al. Desenvolvimento e meioambiente no Brasil: a contribuição de Ignacy Sachs. PortoAlegre: Pallotti; Florianópolis: APED, 1998. 52
  • 53. BIBLIOGRAFIAAmato Neto, J. (org.) Sustentabilidade & produção: teoria eprática para uma gestão sustentável. São Paulo: Atlas, 2011.Capra, F. A teia da vida: uma nova concepção científica dossistemas vivos. Trad. Álvaro Cabral, 15. ed. São Paulo: Cultrix,1996.Capra, F. Conexões ocultas. São Paulo: Cultrix, 2002Trigueiro, A. Mundo sustentável 2: novos rumos para umplaneta em crise. São Paulo: Globo, 2012.Dias, G. F. Pegada ecológica e sustentabilidade humana. SãoPaulo:Gaia, 2002.Fialho, F. A. P.; Montibeller Fo, G.; Macedo, M.; Mitidieri, T. C.Gestão da sustentabilidade na era do conhecimento.Florianópolis: Visual Books, 2008. 53
  • 54. SITEShttp://www.triciclopompeo.com.br/http://www.blogbelomonte.com.br/http://www.comunidadeobrasustentavel.com.br/http://www.mundosustentavel.com.br/http://www.ciclovivo.com.br/ 54
  • 55. IMAGENSSlide 8http://papodeobra.blogspot.com.br/:http://3.bp.blogspot.com/_X2q8loiC3Xg/SRotEp8YubI/AAAAAAAABvg/kkEh8ftjd1U/s400/sistema%2520de%2520producao%2520industrial1.jpghttp://colunistas.ig.com.br/guilhermebarros/files/2010/07/carros-no-porto-300x192.jpghttp://www.mundoeducacao.com.br/upload/conteudo/a%20robotizacao.jpghttp://www.kalinesia.com/a2k501/DSCN9720.jpghttp://www.kalinesia.com/a2k501/DSCN9713.jpghttp://www.kalinesia.com/a2k501/DSCN9719.jpghttp://blog.empregos.com.br/wp-content/uploads/2009/09/cars.jpgSlide 9http://consunaca.blogspot.com.br/:http://bp2.blogger.com/_j32DK6urnGc/SEoHOx1L5SI/AAAAAAAAABc/PWxsLVK81Xw/S760/sem+t%C3%ADtulo.bmphttp://almanaquedegeociencias.blogspot.com.br/:http://2.bp.blogspot.com/_FelQlJvzfv4/Se4LN7MOT1I/AAAAAAAAABg/lsMvso_2XbY/s1600-h/jeongmee-yoon-blue-project.jpghttp://queroficarrico.com/blog/2010/09/09/cuidados-para-nao-se-tornar-um-consumista-exagerado/Slide 10http://cariritecnologia.webnode.com.br/images/200000494-9a2d19b27f/fiat-mio.jpghttp://www.triciclopompeo.com.br/fotosgaleria/091001193054.jpgSlide 19http://sustentavelsheylaalencar.blogspot.com.br/ :http://2.bp.blogspot.com/-MEOSoOYSzvU/TbzXeyd7IvI/AAAAAAAAAFs/Fx_ZusFPMNM/s1600/residuos-solidos.jpghttp://static.minilua.com/wp-content/uploads/2010/12/china_is_sinking_640_03-600x399.jpgSlide 42http://www.bancopalmas.org.br/oktiva.net/anexo/58983http://www.fazfacil.com.br/images/ref_cisterna.gif 55