Your SlideShare is downloading. ×
Quinta LáGrimas Carolina
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Quinta LáGrimas Carolina

421

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
421
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. A Quinta das Lágrimas<br />193167053340<br />A Quinta das Lágrimas, em Coimbra, é um lugar onde a tradição situou a morte de D. Inês de Castro.<br />Esta quinta das Lágrimas é, afinal, a Quinta de Pombal, de que há referências no século XIV e que estava chegada ao muro do Convento de Santa Clara.<br /> A rainha Santa Isabel comprou as duas nascentes de água que ali existem para abastecer o seu convento.<br />O professor António de Vasconcelos identificou um arco gótico em pequenas dimensões e de traçado trecentista, como o de entrada de uma das minas. <br />Esta Quinta foi propriedade do Mosteiro de Santa Cruz, passando depois para a Universidade. <br />No século XIX foi adquirida por antepassados dos anteriores proprietários, pois hoje o palácio é um hotel.<br />O novo palácio, bem como o arranjo da mata, a criação das ruínas fingidas neo-góticas e a melhoria do tanque da Fonte dos Amores ficou a dever-se a D. Miguel Osório Cabral. <br />A velha Quinta só aparece chamada como ‘’das lágrimas’’ em 1730.<br />A Fonte dos Amores está referenciada em documentos datados de apenas cinco anos após a morte de D. Inês (1355).<br />Os versos de Camões que se seguem foram mandados colocar numa lápide, ainda hoje existente na Fonte dos Amores, pelo duque de Wellington. <br />As filhas do Mondego, a mote escura <br />Longo tempo chorando memoriaram<br />E por memória eterna em fonte pura<br />As lágrimas choradas transformaram <br />O nome lhe puseram que ainda dura<br />Dos amores de Inês que ali passaram<br />Vede que fresca fonte rega as flores<br />Que as Lágrimas são água e o nome amores.<br />Carolina Neto, 6º B<br />Bibliografia:<br />Guia para uma visita, Pedro Dias, Gráfica de Coimbra<br />Uma Aventura na Quinta das Lágrimas, Ana Mª Magalhães e Isabel Alçada, Caminho<br />http://www.portugalvirtual.pt<br /> <br />

×