• Like
Apimec 2013 final
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

Apimec 2013 final

  • 713 views
Published

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
713
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
3
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. 1 APIMEC 2013 e Apresentação dos Resultados 2T13 São Paulo, 15 de Agosto 2013
  • 2. 2 Selo APIMEC 12 Anos
  • 3. 3 Agenda Desempenho Operacional CTEEP Resultados Financeiros 2T13 e 1S13 Revisão Estratégica da ISA e da CTEEP Reajuste Anual Tarifário – Ciclo 2013/2014 Performance do Mercado de Capitais IFRS X Regulatório
  • 4. 4 Perfil da ISA 48 anos de experiência no setor de transmissão de energia Ativos em transmissão de energia, telecomunicações e rodovias Presente no Brasil, Chile, Argentina, Colômbia, Peru, Bolivia e América Central USD 890 milhões em receita operacional no primeiro semestre de 2013 Investidor financeiro de longo prazo com ênfase na otimização de estrutura de capital A CTEEP faz parte de um dos maiores grupos de transmissão da América Latina EBITDA consolidado por negócioEBITDA consolidado por país 39% 27% 21% 11% Colombia Chile Brasil Peru 67% 27% 4% 2% Transporte de energia Concessões Viárias Telecomunicação Gestão de Sistema em tempo Real Fonte: 2ºITR 2013 ISA
  • 5. 5 Realizações da MEGA Metas para 2016 Realizações até 2012 Receita de USD 3,5 bilhões USD 2,434 bilhões (70%) 80% da receita gerada fora da Colômbia USD 1,664 milhões (68%) 20% da receita proveniente de setores diferentes ao de Transporte de Energia USD 538 milhões (22%) Presente 50% das interconexões de energia Interconexões internacionais Diversificação dos negócios Entrada para o negócio de Concessões Rodoviárias Maior transportador de dados da Região Andina Liderança continental em infraestrutura de conectividade Desenvolvimento de mercados futuros de energia Sistema de negociação de derivados energéticos
  • 6. 6 O crescimento da ISA ficou acima da meta definida até o momento 2,410 1,931 400 600 800 1,000 1,200 1,400 1,600 1,800 2,000 2,200 2,400 2,600 2006 2007 2008 2009 2010 2011 CAGR1 +20% +25% Rota MEGA definida em 2006 Receitas da ISA CAGR- Compound Annual Growth Rate (Taxa Composta Anual de Crescimento) FONTE: Demonstração de Resultados Consolidada 2011 e Plano Financeiro Consolidado atualizado em agosto de 2012 Progresso na MEGA Receitas em US$ MM
  • 7. 7 O crescimento da ISA ficou acima de outras empresas de transmissão elétrica de referência 28 20 13 12 11 9 9 5 FONTE: Informações financeiras da ISA Agosto 2012; CPAT; Análise da equipe de trabalho 14% média 1 CAGR- Compound Annual Growth Rate (Taxa Composta Anual de Crescimento) Crescimento médio anual de receitas %, CAGR1 2006-11
  • 8. 8 Resultados 2006 -2012 Ano 2006 Ano 2012 Expansão geográfica, diversificação 16.836 km a 40.626 km de circuito (142%). 4.267 km a 22.730 km de fibra óptica (433%). 6 a 30 empresas. Entrada para o negócio de Concessões Rodoviárias. Transformação do negócio de Administração e Operação de Mercados. Gestão econômica e financeira, crescimento 100% em ativos. 113% na receita operacional. 161% no EBITDA. 81% no lucro. 70% na valorização da ação (fechamento 2005). Cerca de US$ 500 milhões em dividendos.
  • 9. 9 Estratégia Corporativa - Consolidação INICIO CRESCIMENTO MATURIDADE … reconhecer e consolidar as capacidades, na escala e conjunto para construir as bases que fortalecem para a próxima fase do ciclo de crescimento.
  • 10. 10 Estratégia Corporativa - Diretrizes Rentabilidade do Grupo como principal aspiração estratégica Mix de negócios e geografias: com base na sinergia com ativos e capacidades existentes, principalmente na Colômbia, Brasil, Peru e Chile. Crescimento: dependerá das oportunidades de cumprir o nível desejado de rentabilidade (superior). Vocação de ISA: criação de valor por meio da operação e desenvolvimento “excelente” das infraestruturas. Captura de oportunidades de crescimento com rentabilidade superior 1 Melhoria da rentabilidade dos negócios atuais e do “core”” 2 Ajuste dinâmico da portfólio de negócios e geografias 3
  • 11. 11 A ISA alinhou-se ao redor de 3 eixos estratégicos Captura de oportunidades de crescimento com rentabilidade superior para a ISA ▪ Foco em oportunidades rentáveis em TE –Foco em oportunidades de crescimento em segmentos de TE de maior rentabilidade –Participação seletiva em novas licitações (conforme o nível de sinergias com ativos atuais, expansão em ativos de subtransmissão) –Abertura de novos mercados com oportunidades de criação de valor por reestruturação ▪ Desenvolvimento de concessões rodoviárias, principalmente na Colômbia ▪ Captura de oportunidades altamente sinérgicas em outros negócios, como: –Telecomunicações1 –Gestão de Sistemas Inteligentes de Tempo Real Ajuste dinâmico do portfolio de negócios e geografias Manter viva uma reflexão constante sobre oportunidades de ajuste do portfolio com base em critérios de: –Potencial de criação de valor da ISA em relação ao valor para um terceiro –Acesso a oportunidades de crescimento rentável –Rentabilidade em relação a outras opções 1 Melhoria da rentabilidade dos negócios atuais e "core" do Grupo ▪ Melhoria do O&M através da identificação e extensão de melhores práticas de forma transversal ▪ Aproveitamento da escala para o fornecimento de equipamentos, materiais e projetos. ▪ Assegurar o custo e prazo e a otimização do CapEx 2 3
  • 12. 12 A Visão da ISA A ISA terá rentabilidade superior ao custo de patrimônio e sustentável a longo prazo. No negócio de Transportes de Energia, a ISA manterá a sua posição de operadora com maior presença na América Latina, consolidando a sua posição na região e alcançando altos níveis de eficiência operacional alinhados às 'melhores práticas' globais. No negócio de Concessões Rodoviárias, a ISA irá capturar oportunidades na região, com foco na Colômbia. No negócio de Rede de Transporte de Telecomunicações, a ISA irá consolidar sua liderança como transportador independente na América Latina e desenvolver um ecossistema de IPs (internet protocol) na região. A ISA ampliará a sua capacidade de Gestão Inteligente de Sistemas de Tempo Real com novos serviços, acessando novas oportunidades altamente rentáveis em outros setores. ISA 2020 No ano de 2020 a ISA terá multiplicado por 3 os seus lucros através da captura de oportunidades de crescimento mais rentáveis nos negócios atualmente existentes na América Latina, do aumento da sua eficiência operacional e da otimização do seu portfólio.
  • 13. 13 Ciclo Direcionamento Estratégico CTEEP Atualização Estratégica da ISA Atualização Estratégica da ISA Novo cenário do setor Novo cenário do setor Perfil da Companhia Pós Prorrogação Perfil da Companhia Pós Prorrogação A atualização estratégica da ISA embasa o ciclo de Direcionamento Estratégico da CTEEP
  • 14. 14 Ciclo Direcionamento Estratégico CTEEP Atualização Estratégica da ISA Atualização Estratégica da ISA Novo cenário do setor Novo cenário do setor Perfil da Companhia Pós Prorrogação Perfil da Companhia Pós Prorrogação Novo cenário do setor Novo cenário do setor Perfil da Companhia Pós Prorrogação
  • 15. 15 Questões Regulatórias Indenização do sistema existente (SE) Indenização das melhorias Remuneração das melhorias futuras Estrutura de Capital Adequação à nova realidade operacional Redução do nível de endividamento até nova alavancagem financeira ótima Preferência por recursos financeiros de longo prazo Eficiência Operacional e Crescimento Otimização de custos Eficiência nos investimentos em reforços e melhorias Seletividade na entrada em leilões e aquisições Desafios da Prorrogação
  • 16. 16 Foco Estratégico Atualização da Estratégia A estratégia da CTEEP visa impulsionar a PRODUTIVIDADE e a EFICIÊNCIA, atendendo aos requisitos de um mercado cada vez mais exigente e dinâmico, primando pela RENTABILIDADE. Para o ciclo 2013/2014, a CTEEP elencou algumas iniciativas estratégicas: Smart Grid Otimização de Custos Estrutura de Capital e Endividamento Gestão Regulatória Atualização da Estratégia
  • 17. 17 Agenda Desempenho Operacional CTEEP Resultados Financeiros 2T13 e 1S13 Revisão Estratégica da ISA e da CTEEP Reajuste Anual Tarifário – Ciclo 2013/2014 Performance do Mercado de Capitais IFRS X Regulatório
  • 18. 18 Performance na operação O indicador manteve no semestre resultado de 99,97% para Transformadores e 99,99% para Linhas de Transmissão, evidenciando o excelente Desempenho Operacional. ENES – Energia Não Suprida Indicador de Disponibilidade
  • 19. 19 Parcela Variável Fonte: ONS 0,66% 1,26% 0,20% 0,44% 0,00% 0,10% 0,20% 0,30% 0,40% 0,50% 0,60% 0,70% 0,80% 0,90% 1,00% 1,10% 1,20% 1,30% 1,40% 1,50% JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN FEV MAR ABR MAI JUN Transmissoras Ciclo 11/12 Transmissoras Ciclo 12/13 CTEEP Ciclo 11/12 CTEEP Ciclo 12/13
  • 20. 20 Agenda Desempenho Operacional CTEEP Resultados Financeiros 2T13 e 1S13 Revisão Estratégica da ISA e da CTEEP Reajuste Anual Tarifário – Ciclo 2013/2014 Performance do Mercado de Capitais IFRS X Regulatório
  • 21. 21 Demonstração do Resultado do Exercício Consolidado (*) ex Depreciação (**) ex Amortização do Ágio Receita Operacional Bruta 235,2 563,4 (58,2%) 469,3 1.111,6 (57,8%) Deduções à receita operacional (29,9) (81,6) (63,3%) (63,1) (136,1) (53,6%) Receita operacional líquida 205,3 481,9 (57,4%) 406,2 975,4 (58,4%) Custos/Despesas operacionais* (185,7) (172,8) 7,4% (364,8) (348,5) 4,7% Outras receitas/despesas líquidas** 2,3 (3,6) 164,2% 16,8 (3,0) 660,6% Resultado de Equivalência Patrimonial 23,7 14,5 63,7% 44,5 26,0 71,1% EBITDA 45,7 319,9 (85,7%) 102,7 649,9 (84,2%) % Margem EBITDA 22,3% 66,4% -66,5% 25,3% 66,6% -62,1% Depreciação/ Amortização (9,3) (8,2) 12,9% (18,6) (16,7) 11,3% EBIT 36,4 311,7 (88,3%) 84,1 633,2 (86,7%) Resultado Financeiro 11,9 (52,2) 122,8% 50,9 (108,1) 147,1% Lucro antes do IR & CSLL 48,3 259,5 (81,4%) 135,0 525,1 (74,3%) IR & CSLL (0,9) (58,4) (98,4%) (16,6) (118,9) (86,0%) Lucro líquido 47,4 201,2 (76,4%) 118,4 406,3 (70,9%) Demonstração do Resultado (R$ milhões) ∆%2T13 2T12 ∆% 1S13 1S12
  • 22. 22 Demonstração do Resultado do Exercício Controladora Receita Operacional Bruta 206,3 532,7 (61,3%) 402,2 1.047,1 (61,6%) Deduções à receita operacional (27,4) (78,7) (65,2%) (56,9) (150,5) (62,2%) Receita operacional líquida 179,0 454,0 (60,6%) 345,3 896,6 (61,5%) Custos/Despesas operacionais* (170,8) (153,3) (10,2%) (324,1) (307,0) 5,6% Outras receitas/despesas líquidas** 2,3 (6,1) 137,8% 16,8 (5,5) 405,5% Resultado de Equivalência Patrimonial 29,5 18,9 56,5% 53,6 52,3 2,5% EBITDA 40,0 313,4 (87,2%) 91,6 636,4 (85,6%) % Margem EBITDA 22,4% 69,0% -67,6% 26,5% 71,0% -62,6% Depreciação/ Amortização (9,3) (8,2) 12,9% (18,6) (16,7) 11,3% EBIT 30,8 305,2 (89,9%) 73,0 619,7 (88,2%) Resultado Financeiro 16,4 (46,5) 135,3% 60,0 (97,8) 161,4% Lucro antes do IR & CSLL 47,2 258,7 (81,8%) 133,0 521,9 (74,5%) IR & CSLL 0,2 (57,6) 135,3% (14,6) (115,6) (87,3%) Lucro líquido 47,4 201,2 (76,4%) 118,4 406,3 (70,9%) 1S12 ∆% Demonstração do Resultado (R$ milhões) 2T13 2T12 Δ% 1S13 (*) ex Depreciação (**) ex Amortização do Ágio
  • 23. 23 Receita Operacional Bruta 2T13 2T12 Δ% 1S13 1S12 ∆% 2T13 2T12 ∆% 1S13 1S12 ∆% Construção 30,5 41,1 -25,8% 55,1 79,5 -30,7% 39,3 59,8 -34,2% 85,8 121,1 -29,1% Operação e Manutenção 149,1 162,7 -8,3% 288,2 319,3 -9,8% 155,2 166,6 -6,8% 298,9 324,1 -7,8% Financeira 21,5 324,3 -93,4% 48,5 638,5 -92,4% 35,7 332,5 -89,3% 74,5 656,5 -88,7% Outras 5,3 4,6 15,3% 10,5 9,9 6,8% 5,0 4,6 9,5% 10,0 9,9 1,8% Total 206,3 532,7 (61,3%) 402,2 1.047,1 (61,6%) 235,2 563,4 (58,2%) 469,3 1.111,6 (57,8%) Receita Bruta (R$ milhões) Controladora Consolidado
  • 24. 24 Custos e Despesas Operacionais (*) ex Depreciação 2T13 2T12 Δ% 1S13 1S12 ∆% 2T13 2T12 ∆% 1S13 1S12 ∆% Pessoal (59,5) (57,8) 3,0% (128,6) (116,7) 10,2% (61,2) (59,8) 2,5% (132,2) (119,9) 10,3% Material (21,4) (21,1) 1,6% (41,4) (46,6) -11,1% (32,3) (43,3) -25,4% (74,0) (81,9) -9,7% Serviço de Terceiros (48,6) (57,2) -15,1% (91,6) (102,9) -10,9% (50,4) (53,3) -5,3% (95,5) (105,2) -9,3% Outros (16,8) (12,9) 30,4% (30,5) (30,8) -1,0% (17,2) (12,1) 41,6% (31,2) (31,4) -0,7% Contingências (24,6) (4,4) 454,0% (31,9) (10,0) 219,2% (24,6) (4,4) 454,0% (31,9) (10,0) 219,2% Total (170,8) (153,3) 11,4% (324,1) (307,0) 5,6% (185,7) (172,8) 7,4% (364,8) (348,5) 4,7% Custos e Despesas Operacionais * (R$ milhões) Controladora Consolidado
  • 25. 25 Ebitda e Margem Ebitda 2T13 2T12 Δ% 1S13 1S12 ∆% 2T13 2T12 ∆% 1S13 1S12 ∆% Lucro Líquido do Exercício 47,4 201,2 (76,4%) 118,4 406,3 (70,9%) 47,4 201,2 (76,4%) 118,4 406,3 (70,9%) Imposto de Renda e Contribuição Social (0,2) 57,6 (100,4%) 14,6 115,6 (87,3%) 0,9 58,4 (98,4%) 16,6 118,9 (86,0%) Resultado Financeiro (16,4) 46,5 (135,3%) (60,0) 97,8 (161,4%) (11,9) 52,2 (122,8%) (50,9) 108,1 (147,1%) Depreciação e Amortização 9,3 8,2 12,9% 18,6 16,7 11,3% 9,3 8,2 12,9% 18,6 16,7 11,3% EBITDA 40,0 313,4 (87,2%) 91,6 636,4 (85,6%) 45,7 319,9 (85,7%) 102,7 649,9 (84,2%) Margem EBITDA 22,4% 69,0% (46,7) 26,5% 71,0% (44,4) 22,3% 66,4% (44,1) 25,3% 66,6% (41,4) EBITDA - ICVM 527 (R$ milhões) Controladora Consolidado
  • 26. 26 Resultado Financeiro (*) Inclui encargos sobre CCB Internacional e Commercial Paper. 2T13 2T12 Δ% 1S13 1S12 ∆% 2T13 2T12 ∆% 1S13 1S12 ∆% Rendimento de aplicação financeira/Juros Ativos 38,0 3,1 1.140,8% 83,8 8,2 923,9% 38,4 3,3 1.066,9% 84,5 8,9 851,9% Variações Monetárias 16,7 (1,4) 1.310,3% 47,3 (3,1) 1.644,8% 16,7 (1,4) 1.310,3% 47,3 (3,1) 1.644,8% Despesas Financeiras Líquidas* (38,3) (48,1) (20,5%) (71,1) (102,9) (31,0%) (43,2) (54,1) (20,1%) (80,8) (113,9) (29,0%) Total 16,4 (46,5) 135,3% 60,0 (97,8) 161,4% 11,9 (52,2) 122,8% 50,9 (108,1) 147,1% Resultado Financeiro (R$milhões) Controladora Consolidado
  • 27. 27 Lucro Líquido (R$ milhões)
  • 28. 28 Perfil da Dívida - Consolidado Fontes Encargos Vencimentos 2T13 4T12 BNDES TJLP + 2,3% ano 15/06/15 187.884 234.681 TJLP + 1,8% ano 15/06/15 112.627 140.798 Notas Promissórias 6ª Emissão - CTEEP 104,9% CDI ano 05/01/13 0 433.873 Debêntures 1ª Série - CTEEP CDI + 1,3% ano 15/12/14 326.282 325.959 2ª Série - CTEEP IPCA + 8,1% ano 15/12/17 70.747 70.915 Série Única - CTEEP 105,5% do CDI ano 02/07/14 752.858 726.476 Bancos USD + 4% ano 26/04/13 0 132.309 USD + 2,1% ano 21/10/13 192.809 177.318 Eletrobras 8% ano 15/11/21 315 340 Arrendamento Mercantil - - 4.207 5.048 TOTAL CTEEP: 1.647.729 2.247.717 BNDES IEMG TJLP + 2,4% ano 15/04/23 49.953 52.513 TJLP + 2,6% ano 15/05/26 45.912 47.758 5,5% a.a 15/01/21 76.274 80.152 TJLP + 1,9% ano 15/05/26 47.933 49.801 TJLP + 1,5% ano 15/05/26 41.412 43.038 TOTAL SUBSIDIÁRIAS 261.484 273.262 Total Consolidado (R$ mil) 1.909.213 2.520.979 CTEEP CTEEP PINHEIROS SERRA DO JAPI
  • 29. 29 Perfil da Dívida - Consolidado (*) A partir de janeiro de 2013, a Companhia concentrou as suas aplicações financeiras em fundos de investimentos exclusivos. Referem-se a quotas de fundo de investimento com alta liquidez, prontamente conversíveis em montante de caixa, independentemente do vencimento dos ativos. Dívida Bruta 1.909,2 % 2.521,0 % Curto Prazo 549,6 28,8% 1.103,2 43,8% Longo Prazo 1.359,6 71,2% 1.417,8 56,2% Disponibilidades* 1.233,6 309,6 Dívida Líquida 675,6 2.211,4 EBITDA 12 meses 823,2 1.370,5 Dívida Líquida/Ebitda (últimos 12 meses) 0,8 1,6 Empréstimos e Financiamentos (R$ milhões ) 2T13 4T12
  • 30. 30 Amortização da Dívida - Consolidado (R$ milhões) Caixa Futuro de Recebimentos (NI) 2013 2014 2015 Total Indenização NI a receber (projetado) 286,0 572,1 333,7 1.191,8 Receita Financeira s/ Indenização NI a receber (projetado) 55,5 69,3 12,0 136,8 Total 341,6 641,4 345,7 1.328,7 Posição do Fundo de Investimento em 30/06/2013: R$1.221,8 milhões 454,7 1.097,6 124,1 48,1 48,1 136,7 2013 2014 2015 2016 2017 Após 2017 Controladora Subsidiárias
  • 31. 31 Dívida Controladas em conjunto IE MADEIRA ITAÚ BBA IPCA + 5,5% a.a. 18/03/2025 183,1 IE MADEIRA BNDES TJLP + 2,42% a.a. 15/02/2030 736,9 IE MADEIRA BNDES 2,5% a.a 15/10/2022 119,6 IE MADEIRA BASA 8,50% a.a.* 10/10/2032 140,5 Total IE Madeira (51% CTEEP) 1.180,1 IENNE BB CDI + 1,35% a.a 18/07/2013 4,4 IENNE BNB 8,50% a.a.* 19/05/2030 53,8 Total IENNE (25% CTEEP) 58,2 IEGARANHUNS HSBC 106,50% CDI 30/04/2014 96,6 Total IE GARANHUNS (51% CTEEP) 96,6 IE SUL BNDES 5,50% a.a. 15/01/2021 4,3 IE SUL BNDES TJLP + 2,58% a.a. 15/05/2025 4,4 8,7 1.343,5 Valores (R$ MM) TOTAL (R$ milhões) Total IE SUL (50% CTEEP) Empresa Banco Custo Vencimento Final
  • 32. 32 Agenda Desempenho Operacional CTEEP Resultados Financeiros 2T13 e 1S13 Revisão Estratégica da ISA e da CTEEP Reajuste Anual Tarifário – Ciclo 2013/2014 Performance do Mercado de Capitais IFRS X Regulatório
  • 33. 33 Performance no Mercado de Capitais 129,1 mil negócios realizados até 30/06/2013 Média diária de 985 negócios Valor de mercado em 12/06/2013 R$6,2 bilhões Performance das ações até 30/06/2013
  • 34. 34 Com objetivo de fomentar a liquidez das ações preferências, aumentando o nº de negócios e o volume negociado, a CTEEP, em 18/07/2013, contratou a corretora de títulos e valores mobiliários Credit Suisse para ser o Formador de Mercado da TRPL4 A iniciativa (que está dentro das regras da Instrução CVM nº 384/2003), além de oferecer maior liquidez ao mercado secundário busca a permanência da TRPL4 nos índices IBrX-100 e Ibovespa da BM&FBOVESPA (fortemente impactadas depois da MP-579/2012) Formador de Mercado Principais CaracterísticasPrimeiros resultados: Spread máximo por ordem 1,50% Lote mínimo disponível 2.000 ações
  • 35. 35 Agenda Desempenho Operacional CTEEP Resultados Financeiros 2T13 e 1S13 Revisão Estratégica da ISA e da CTEEP Reajuste Anual Tarifário – Ciclo 2013/2014 Performance do Mercado de Capitais IFRS X Regulatório
  • 36. 36 Reajuste Tarifário Resolução Homologatória nº 1.595, de 27 de junho de 2013 Ciclo: 1º de julho de 2013 a 30 de junho de 2014. Indexadores utilizados no reajuste: IPCA/ IBGE jun/12 a mai/13 = 6,50% (NI autorizado depois junho/2012) out/12 a mai/13 = 4,93% (O&M do no aditivo do contrato) dez/12 a mai/13 = 3,69% (PA depois de dezembro/2012) IGP-M / FGV jun/12 a mai/13 = 6,22% (NI anterior a junho/2012) jun/12 a nov/12 = 4,46% (PA anterior a dezembro/2012) Análise da RAP Ciclo 2013-2014
  • 37. 37 RAP (líquida de PIS e COFINS) Subsidiária % CTEEP RAP PA TOTAL RAP PA TOTAL CTEEP* - 540.760,0 (35.142,4) 505.617,6 590.949,0 (39.828,0) 551.121,0 9,0% IEMG 100% 14.161,0 (594,0) 13.567,0 15.082,0 (446,0) 14.636,0 7,9% IE Pinheiros 100% 33.491,0 1.697,0 35.188,0 36.305,0 (999,0) 35.306,0 0,3% Serra do Japi 100% 26.457,0 (1.355,0) 25.102,0 28.178,0 1.162,0 29.340,0 16,9% IENNE 25% 38.253,0 3.640,0 41.893,0 34.852,5 (1.198,3) 33.654,2 -19,7% IESUL 50% 13.075,0 (645,0) 12.430,0 13.925,1 (2.700,4) 11.224,7 -9,7% IE Madeira 51% 407.482,0 0,0 407.482,0 433.985,1 0,0 433.985,1 6,5% IE Garanhuns 51% 71.848,0 0,0 71.848,0 76.521,0 0,0 76.521,0 6,5% Evrecy 100% 10.735,0 (891,0) 9.844,0 9.957,0 (1.136,0) 8.821,0 -10,4% 1.156.262,0 (33.290,4) 1.122.971,6 1.239.754,7 (45.145,8) 1.194.608,9 6,4% REH. nº 1.595 - Ciclo 2013/2014REH. nº 1.313 - Ciclo 2012/2013 Var.% RAP + PA Total (*) O Ciclo 2012/2013 da CTEEP corresponde a REH nº 1.395 de 11/12/2012 (R$ mil)
  • 38. 38 Agenda Desempenho Operacional CTEEP Resultados Financeiros 2T13 e 1S13 Revisão Estratégica da ISA e da CTEEP Reajuste Anual Tarifário – Ciclo 2013/2014 Performance do Mercado de Capitais IFRS X Regulatório
  • 39. 39 IFRS X Regulatório - Controladora IFRS Regulatório (não auditado) 1S13 1S13 Receita Operacional Bruta 402,2 340,4 61,8 Receita de uso da rede elétrica 329,9 (329,9) Receita de construção 55,1 0 55,1 Receita de O&M 288,2 0 288,2 Receita financeira 48,5 0 48,5 Outras receitas 10,5 10,5 0,0 Deduções da receita operacional (56,9) (51,2) (5,7) Receita Operacional Líquida 345,3 289,2 56,1 Custo e Despesas Operacionais (324,1) (244,0) (80,1) Pessoal (122,9) (122,9) 0,0 MSO (90,1) (89,2) (0,9) Contingências (31,9) (31,9) 0,0 Custo de Construção (50,0) 0 (50,0) Custo de melhorias (29,2) 0 (29,2) Depreciação e Amortização (3,6) (6,6) 2,9 Resultado Financeiro 60,0 60,0 0,0 Equivalência Patrimonial 53,6 6,9 46,6 Amortização do ágio (ADA) (14,9) (14,9) 0,0 Outras receitas (despesas) operacionais 16,8 15,8 1,0 Lucro antes do IR & CSLL 133,1 106,4 26,6 IR & CSLL (14,6) (21,5) 6,8 Lucro Líquido 118,4 85,0 33,4 Demonstração dos Resultados Ajustes/ Reclassificações (R$ milhões)
  • 40. 40 IFRS X Regulatório - Consolidado IFRS Regulatório (não auditado) 1S13 1S13 Receita Operacional Bruta 469,2 381,1 88,1 Receita de uso da rede elétrica 371,1 (371,1) Receita de construção 85,8 0 85,8 Receita de O&M 298,9 0 298,9 Receita financeira 74,5 0 74,5 Outras receitas 10,0 10,0 (0,0) Deduções da receita operacional (63,1) (55,1) (8,0) Receita Operacional Líquida 406,1 326,0 80,1 Custo e Despesas Operacionais (364,6) (252,5) (112,1) Pessoal (126,6) (126,6) 0,0 MSO (98,0) (94,0) (4,0) Contingências (31,9) (31,9) 0,0 Custo de Construção (78,1) 0 (78,1) Custo de melhorias (30,0) 0 (30,0) Depreciação e Amortização (3,6) (17,2) 13,6 Resultado Financeiro 50,9 50,9 (0,0) Equivalência Patrimonial 44,5 (0,3) 44,8 Amortização do ágio (ADA) (14,9) (14,9) 0,0 Outras receitas (despesas) operacionais 16,7 15,8 0,9 Lucro antes do IR & CSLL 135,0 107,8 27,2 IR & CSLL (16,6) (22,9) 6,3 Lucro Líquido 118,4 85,0 33,5 Demonstração dos Resultados Ajustes/ Reclassificações(R$ milhões)
  • 41. 41 Disclaimer As declarações contidas neste relatório relativas à perspectiva dos negócios da Companhia, às projeções e resultado e ao seu potencial de crescimento constituem-se em meras previsões e foram baseadas nas expectativas da administração em relação ao futuro da Companhia. Estas expectativas são altamente dependentes de mudanças no mercado, no desempenho econômico geral do País, do setor e dos mercados internacionais, estando sujeitas a mudanças.
  • 42. 42 Relações com Investidores Tel: +55 11 3138-7557 ri@cteep.com.br www.cteep.com.br/ri Canal Linha Ética canalconfidencial.com.br/linhaeticacteep ou pelo telefone 0800 777 0775