Seminario histórico dos articuladores
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Seminario histórico dos articuladores

on

  • 5,797 views

http://www.carlosvalle-implantes.com.br/

http://www.carlosvalle-implantes.com.br/

Statistics

Views

Total Views
5,797
Views on SlideShare
5,797
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
84
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Seminario histórico dos articuladores Seminario histórico dos articuladores Presentation Transcript

    • HISTÓRICO DOS ARTICULADORES HGeSP Curso de especialização em Prótese Michelle Ciasca Chen Kai I
    • Conceito de articulador
      • O articulador se define como “um aparelho mecânico que representa as articulações têmporo-mandibulares e componentes dos maxilares podendo ainda incorporar modelos da mandíbula e da maxila para simular os movimentos dos mesmos.” ( Academy of Denture Prosthetics 1977)
      • Os articuladores recriam, ainda que não duplicam , todos os movimentos mandibulares bordeantes, de modo que sua função primária é atuar como se fosse um paciente na ausência do mesmo, reproduzindo a dinâmica mandibular a nível condilar e sua relação com as arcadas dentárias e o crânio facial.
    • Vantagens do articulador
      • Estes dispositivos mecânicos oferecem muitas vantagens sobre a boca para o desenvolvimento da oclusão:
      • Os modelos bem montados permitem ser observados as faces linguais e com isso detectar possíveis interferências oclusais que na boca seriam difíceis de identificar.
      • A cooperação do paciente deixa de ser fator crítico uma vez obtidos os registros requeridos para programar o articulador.
      • Se evita o incômodo da saliva, língua e corredor bucal do paciente, o que simplifica os procedimentos de diagnóstico e ajuste oclusal.
    • Objetivos do articulador
      • Estabelecimento de um correto diagnóstico de um caso clínico
      • Desenvolvimento de um tratamento eficiente
      • Para correta construção das próteses dentárias durante o tratamento
    • Classificação dos articuladores
      • Posição dos côndilos Arcon
      • Não arcon
      • Capacidade de ajuste Não ajustáveis
      • Ajustáveis Semi- ajustáveis
      • Total/e ajustáveis
    • Articuladores Arcon
      • Apresentam a cavidade articular unida com ramo superior do articulador e as esferas condilares na parte inferior.
      • Whip-mix: a distância intercondilar é ajustável em 3 posições – pequena, média e grande, através do arco facial.
    •  
    • Articuladores Não Arcon
      • Apresentam a cavidade articular unida ao ramo inferior do articulador e as esferas articulares na parte superior.
      • Os articuladores Dentatus e Hanau são os dois aparelhos mais populares.
      • As esferas articulares descrevem um trajeto dentro das cavidades condilares, independentemente do tipo de movimento, não é possível que essas esferas percam contato com essas cavidades. Isso não acontece com os Arcon, em que as cavidades estão simplesmente apoiadas sobre as esferas e que em protrusão e em lateralidade elas podem perder o contato com as cavidades condilares com facilidade.
      • Este tipo de articulador é utilizado quando a reabilitação requer uma oclusão balanceada bilateral.
    •  
      • Arcon
      • Não-Arcon
    • Articuladores não ajustáveis
      • Tipo charneira é o mais simples dos articuladores.
      • Permite apenas movimento de abertura e fechamento sem permitir reproduzir movimentos excêntricos da mandíbula.
      • Isso dificulta o ajuste de próteses fazendo com que o dentista perca muito tempo para conseguir se livrar das interferências.
      • Outra limitação é impossibilidade do uso do arco facial.
    •  
    • Articuladores Semi-ajustáveis
      • Foram projetados para reproduzir alguns dos movimentos mandibulares, auxiliando no diagnóstico, plano de tratamento e confecção de prótese.
      • Esses articuladores permitem normalmente 3 tipos de ajustes:
      • Distância inter-condilar
      • Inclinação condiliana
      • Ângulo de Bennett
      • Os instrumentos mais usados são: Dentatus, Hanau e Whip-Mix.
      • A Gnatus e Bio-Art são aparelhos similares ao Whip-Mix.
    •  
    • Articuladores Totalmente ajustáveis
      • É o instrumento mais sofisticado para reprodução dos movimentos mandibulares. Os registros são feitos com uso de pantógrafos, que reproduzem graficamente os movimentos mandibulares mais importantes.
      • Permitem a confecção de próteses que vão se relacionar com sistema mastigatório do paciente sem criar interferência e permitindo relacionamento inter-oclusal estável.
      • Recomendável em caso de reabilitação total, tratamento de pacientes com disfunções da ATM e nas alterações da dimensão vertical.
      • Desvantagens: maior tempo necessário para seu uso correto e seu alto preço.
      • Ex: Stuart, Ney, A.T.M.
    •  
    • Histórico do articulador
      • 1756- PHILIP PFAFF (de Berlim), dentista de Frederico, foi o primeiro a fazer modelos de gesso e descreveu como se toma a relação maxilo-mandibular. Acredita-se que articulava seus modelos em gesso, sendo provavelmente o idealizador do articulador.
      • 1805- Gariot- foi o primeiro a desenvolver um método para articular os modelos de gesso.
      • É considerado erroneamente o inventor do articulador.
      • 1840- Evans- inventou o primeiro articulador para reprodução de movimentos laterais.
      • 1858- Bonwill- criou o primeiro articulador anatômico e introduziu a teoria geométrica da relação e movimento da mandíbula. Verificou que a distância inter-condilar e Ponto Incisal formam um triângulo Equilátero.
      • 1866- BALKWILL descreveu as características dos movimentos mandibulares no plano horizontal.
      • Balkwill traçou uma reta no Plano Oclusal associado ao triângulo de Bonwill, descobrindo um ângulo com média de 26°, conhecido como Ângulo de Balkwill.
      • O triângulo de Bonwill e o ângulo de Balkwill têm sido usados na tentativa de fabricar um articulador que reproduza uma melhor fidelidade dos movimentos mandibulares.
      • 1882- THOMAS M. GILMER sugeriu pela primeira vez, medir a distância dos modelos no sentido vertical, antecipando dessa forma o princípio do arco facial.
      • 1889- RICHMOND S. HAVES foi o primeiro a construir um articulador que tratava de reproduzir o movimento para baixo e para diante da cabeça do côndilo.
      • 1890- GRAF VON SPEE descreveu a curvatura compensadora da articulação, depois chamada de “Curva de Spee”.
      • 1894- C. E. BIXBY inventou uma conexão para montar os modelos sobre uma articulador de bisagra, foi o antecessor do arco facial.
      • 1894- M. MAREY imaginou e em 1896, J. ULRICH demonstrou o movimento lateral da cabeça da mandíbula, muito antes de BENnETT
      • 1895- W. E. WALKER, descobriu a rotação variável do côndilo e inventou um articulador apropriado.
      • 1899- A. D GRITMAN inventou e melhorou a forma do articulador com guias condilares fixadas em 15°.
      • 1899- GEORGE B. SNOW, procurando transportar as dentaduras de prova para um articulador, criou um dispositivo chamado arco facial, capaz de determinar a distância intercondileana e côndilos-incisivos, para funcionar acoplado ao articulador.
      • 1900- PAUL SCHWARSE construiu um articulador similar ao de BONWILL, com guias condilares ajustáveis.
      • 1902- CARL CHRISTENSEN introduziu o registro de protrusão (Fenômeno de Christensen). Também descobriu que as curvas de compensação podiam ser obtidas por desgastes dos arcos em cera.
      • 1909- ELTNER, autor da teoria do “Eixo da Bisagra” (Eixo terminal de rotação da cabeça da mandíbula).
      • 1910- ALFRED GYSI inventou um articulador adaptável , introduziu o pino incisal, a plataforma deste pino e o traçado do arco Gótico. Criou o articulador “Gysi Simplex”.
      • 1918- GEORGE S. MONSON inventou um instrumento baseado na Teoria Esférica dos Movimentos mandibulares.
      • Essa teoria considera a superfície da curva de compensação como representada por um segmento de esfera de 10 cm de raio cujo centro se localiza atrás da glabela.
      • 1921- RUDOLPH HANAU criou o articulador com as guias condilares e incisais ajustáveis. Os articuladores de HANAU permitem a montagem dos modelos segundo o plano de Camper.
      • 1921- B. MC COLLUM torna evidente a importância do Eixo Terminal de Rotação do Côndilo ( eixo de Bisagra).
      • 1924- NORMAN G. BENNETT registrou o deslocamento dos centros de rotação. ( Ângulo de Bennett).
      • 1932 – STANSBERY criou um articulador com a forma de um tripé: Trípode de Stansbery. É um articulador totalmente adaptável . Não tem eixo de bisagra.
      • 1950- BERGSTRÖN cria uma articulador ARCON provido de guias condileanas curvas, dispostas no ramo superior e côndilos no ramo inferior.
      • 1955 – STUART criou seu articulador totalmente ajustável, com arco facial cinemático e pantógrafo. Aparelho capaz de reproduzir todos os movimentos mandibulares do paciente. Em seguida criou um articulador semi-ajustável muito eficiente e muito simples: Wip- Mix.
      • 1955 – A. J. DE PIETRO cria um articulador totalmente ajustável: NEY
    • Triângulo de Bonwill e sua relação com o gênero e o tipo de oclusão dos pacientes
      • O triângulo de Bonwill ( TB) é formado por linhas imaginárias unindo o ponto inter-incisivo ( PI), o côndilo esquerdo (CE) e Côndilo direito ( CD).
      • O objetivo foi relacionar o TB com o gênero das pessoas e o tipo de oclusão, testando a hipótese de que o tipo de oclusão altera as medidas deste triângulo. Foram examinadas 140 pessoas (P), sendo 56 homens (H) e 84 mulheres ( M), entre 18 e 32 anos, que tiveram tipo de oclusão determinada por Angle. Os registros PI e da distância inter-condilar foram realizados pelo arco facial Bio-Art.
      • Houve diferença significante entre H E M, sugerindo que o TB não é equilátero e é diferente para H e M na população estudada.
      • Em 1969, Zivanovic sugere que o TB pode não ser equilátero pois as mandíbulas dos H e M quando comparadas dentro do mesmo gênero ou com as mandíbulas do gênero oposto, apresentavam variações entre os lados do triângulo, sendo que apenas 2% foram simétricos e 98% assimétricos, assim, este autor sugere que a maioria das mandíbulas humanas apresentam um forma de triângulo isósceles, quando considerados os mesmos pontos de Bonwill.
      • Considerando as más oclusões de Angle ( Cl I, Cl II, Cl III), uma posição mais anterior ou posterior dos dentes incisivos superiores, de origem puramente dentária ou associada à esquelética, podem alterar as medidas do triângulo de Bonwill.
    • Conclusão
      • Esse estudo mostrou um diferença significante entre uma das 3 medidas que compÕem o TB para H e M, mostrando que esse triângulo não é equilátero, mas isósceles para ambos os gêneros, na população estudada.
      • BIBLIOGRAFIA 1. Choi DG, Bowley J, Marx DB, Lee S. Reliability of an ear-bow arbitrary face-bow transfer instrument. J Prosthet Dent 1999; 82 (2): 150-56. 2. Del Río Highsmith J, Del Río de las Heras F, Martínez Ramos JM. Articuladores dentales: sus indicaciones. Gaceta Dental 1992; 33: 41-43. 3. Ercoli C, Graser GN, Tallents RH, Galindo D. Face-bow record without a third point of reference: theoretical considerations and alternative technique. J Prosthet Dent 1999; 82 (2): 237-41. 4. Hobo S, Ichida E, García LT. Osteointegración y rehabilitación oclusal. Libros. Madrid: Quintessence books, 1997. 5. Lauritzen AG. Atlas de Análisis Oclusal, 1ªed. Libros. Madrid: Maribel Artes Gráficas, 1977.
      • 6. Likeman PR, Cabot LB. A study on the use of the Dentatus AEB face bow and its modification as an ear bow. Eur J Prosthodont Res Dent 1999; 7 (2/3): 85-88. 7. Martínez-Ross E. Procedimientos clínicos y de laboratorio de oclusión orgánica, 1ª ed. Libros. Bogotá: Monserrat LTDA, 1984. 8. Serrano Belmonte I, Forcén Báez A, Ruiz Navas MT, Royo-Villanova Pérez ML. Estudio del triángulo de Bonwill y su aplicación a los articuladores semiajustables (II). Rev Eur Odontoestomatol 2001; 13 (4): 189-94(b). 9. Shillinburg HT, Hobo S, Whitsett LD, Jacobi R, Brackett SE. Fundamentos esenciales en prótesis fija, 3ªed. Libros. Barcelona: Quintessence books, 2000.
      • 10. Suárez García MJ, Serrano Madrigal B, Pradíes Ramiro G, López Lozano JF. Articuladores y sus indicaciones en la clínica protésica. Gaceta Dental 1999; junio 99: 34-42. 11. Winkler S. Prostodoncia total, 1ª ed. Libros. México: Interamericana, 1982.
      • TURANO, J. C. TURANO, L.M. Fatores determinantes da oclusão em prótese total. Fundamentos de prótese total, 8ª edição, 2007.