Your SlideShare is downloading. ×
0
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Biologia bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]

1,732

Published on

Published in: Business, Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,732
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Bianca D. Emanuele Paola Vanessa
  • 2. <ul><li>As plantas se alimentam sintetizando substâncias orgânicas a partir de moléculas mais simples, obtendo energia do Sol para isso. </li></ul><ul><li>São produtoras da biomassa que sustentará toda a teia alimentar. </li></ul><ul><li>Animais que se alimentam de partes vivas de plantas ou de algas são chamados herbívoros, alguns deles, podem complementar a dieta com carne. </li></ul><ul><li>Dentre os herbívoros, temos: </li></ul><ul><ul><li>Os frutívoros: aqueles que se alimentam de frutos, tal como alguns morcegos; </li></ul></ul><ul><ul><li>Os nectívoros, tendo o néctar como fonte de energia, como determinadas borboletas. </li></ul></ul>
  • 3. <ul><li>Carnívoros, basicamente, tem como dieta animais herbívoros. Possuem em seu corpo garras e dentes afiados, que permitem caçar a presa. </li></ul><ul><li>Onívoros se alimentam tanto de tecidos animais quanto vegetais. O lobo guará é um exemplo, se alimenta de roedores, aves, anfíbios, répteis, caules, mel e frutos. </li></ul><ul><li>Detritívoros são aqueles que se nutrem ingerindo matéria orgânica ou restos de partes mortas de outros seres. </li></ul>
  • 4. <ul><li>Ingestão-alimentos são captados e introduzidos no corpo, por métodos variados. </li></ul><ul><li>Filtração – animais aquáticos retiram partículas e células da água, fazendo-as aderir a superfícies cobertas de muco ou capturando-as com cílios ou apêndices plumosos. </li></ul><ul><li>Detritos – animais como os anelídeos alimentam-se de detritos orgânicos do solo ou fundos aquáticos. </li></ul><ul><li>Partículas sólidas – a maioria dos animais utiliza alimentos sólidos de origem animal e vegetal, por vezes em pedaços grandes, necessitando de estruturas para os esmagar. </li></ul>
  • 5. <ul><li>Alimentos líquidos – frequentemente animais parasitas alimentam-se exclusivamente de fluidos animais e vegetais, embora tal não seja exclusivo deste tipo de animal. </li></ul><ul><li>Digestão – os alimentos contêm moléculas complexas que não podem ser absorvidas pelas células diretamente, necessitando de ser hidrolisadas por enzimas. Esta etapa é essencialmente química, facilitado quando os alimentos são previamente triturados e fragmentados. </li></ul>
  • 6. <ul><li>Inicia na boca, com a mastigação, a trituração e umidificação do alimento, assim é formado o bolo alimentar. É nesta etapa do processo que se inicia a quebra do amido. </li></ul><ul><li>Depois disso, o bolo alimentar passa pela faringe, que ajuda na deglutição do alimento, passa pelo esôfago aonde é levado até o estomago por movimentos peristálticos. </li></ul>
  • 7. <ul><li>No estômago, começa a quebra das proteínas e gorduras, e vai para o intestino delgado onde vão ser absorvidos os carboidratos e proteínas, depois de tudo isso, o bolo alimentar vai para o intestino grosso onde vai ser absorvida a água dos alimentos, transformando-os em fezes. </li></ul><ul><li>As fezes vão passar pelo reto, um canal que se abre no anus para serem eliminadas. </li></ul>
  • 8. <ul><li>O Sistema digestório é formado pelo tubo digestivo e suas glândulas anexas e têm como função retirar dos alimentos ingeridos os nutrientes necessários para o desenvolvimento e a manutenção do organismo, isto é, o tubo digestivo tem a função de transformar alimento em nutrientes e absorvê-lo, mantendo, ao mesmo tempo, uma barreira entre o meio interno e o meio externo do organismo. </li></ul><ul><li>  </li></ul>
  • 9. &nbsp;
  • 10. <ul><li>As superfícies respiratórias dos animais têm em comum as seguintes características: </li></ul><ul><li>-Pouco espessas (geralmente uma única camada de células) para serem permeáveis aos gases; </li></ul><ul><li>-Possuem uma grande superfície de contato com o meio externo; </li></ul><ul><li>-Encontram-se sempre úmidas para facilitar a difusão dos gases respiratórios que estão dissolvidos; </li></ul><ul><li>-Nos animais com difusão indireta são muito vascularizadas para facilitar o contacto com o fluido circulante. </li></ul>
  • 11. <ul><li>Nos organismos de pequeno porte e/ou com atividade metabólica menor, que vivem em ambiente aquático, as trocas gasosas não constituem problema. Elas simplesmente ocorrem pela superfície do corpo, por simples difusão. É o que acontece com a única célula dos protozoários e com os invertebrados como esponjas, cnidários, platelmintos e nematelmintos. </li></ul>
  • 12. &nbsp;
  • 13. <ul><li>Nos animais de organização mais complexa, muitas vezes maiores em tamanho e mais ativos, a distância entre as células mais internas e o meio aumenta, o que constitui um fator limitante da difusão de gases pelo corpo. Nesse caso diversas adaptações, representadas pelos órgãos respiratórios, como pele, traquéias, brânquias e pulmões, facilitam a ocorrência de trocas gasosas. Neles uma característica básica é mantida: as trocas gasosas continuam se realizando por simples difusão, através de superfícies finas, úmidas e permeáveis. Os gases precisam estar em solução na água para entrar ou sair das células, por isso a superfície de trocas gasosas deve estar sempre umedecida. </li></ul>
  • 14. <ul><li>A respiração celular nos animais, tal como nas plantas, encontra-se expressa nas trocas gasosas que ocorrem entre o organismo e o meio. Este intercâmbio de gases, realiza-se por fenômenos de difusão. Para que tal se verifique, os animais possuem estruturas denominadas superfícies respiratórias, através das quais os gases entram e saem do organismo. </li></ul>
  • 15. <ul><li>As trocas de gases respiratórios entre o indivíduo e o meio podem ocorrer por dois processos: </li></ul><ul><li>-  Difusão direta  – Os gases respiratórios difundem-se diretamente através da superfície respiratória para as células sem intervenção de um fluido de transporte, ocorrendo por exemplo nos protozoários e nos insetos. </li></ul><ul><li>-  Difusão indireta  – Os gases respiratórios passam através da superfície respiratória para um fluido circulante, normalmente o sangue, que estabelece comunicação entre as células e o meio externo, como no caso da minhoca e dos Vertebrados. </li></ul>
  • 16. <ul><li>Respiração cutânea </li></ul><ul><li>No caso de a troca de gases respiratórios ocorrer por toda a superfície do corpo, fala-se em respiração cutânea. </li></ul><ul><li>A respiração cutânea pode estar presente tanto em animais aquáticos como em animais terrestres. O ambiente úmido é fundamental para a respiração cutânea ocorrer, e a superfície do corpo deve estar umedecida para permitir a difusão dos gases. </li></ul>
  • 17. <ul><li>Respiração Branquial </li></ul><ul><li>As brânquias (popularmente conhecidas como guelras) dos peixes ósseos são projeções laterais da faringe. Para encontrá-las é preciso levantar o opérculo uma tampa óssea protetora situada lateralmente, próxima à cabeça. Cada brânquia é constituída por delicados filamentos branquiais. Por sua vez, esses filamentos contêm várias lamelas, ricamente vascularizadas. Através dessa rede capilar, de paredes extremamente finas, dá-se a troca de gases do sangue. </li></ul><ul><li>A maioria dos animais aquáticos respira através de brânquias. A estrutura das brânquias varia em complexidade, desde tipos simples, até os complexos. </li></ul>
  • 18. &nbsp;
  • 19. <ul><li>Respiração traqueal </li></ul><ul><li>As traquéias dos insetos são finíssimos túbulos condutores. Originam-se de minúsculos orifícios, os espiráculos, localizados nas regiões laterais do tórax e abdômen e terminam nas células. As contrações da musculatura corporal funcionam como fole, bombeando e expulsando ar dos túbulos. Dessa forma o ar entra com oxigênio e sai com gás carbônico. </li></ul><ul><li>As traquéias estão diretamente em contato com os tecidos. Isso quer dizer que, nos insetos, o sistema respiratório funciona independentemente do sistema circulatório. </li></ul>
  • 20. <ul><li>Respiração Pulmonar </li></ul><ul><li>Pulmões são bolsas de ar localizadas no interior do corpo. O gás oxigênio presente no ar que penetra nos pulmões difunde-se para o sangue ou para a hemolinfa, distribuindo-se pela circulação. </li></ul><ul><li>Caracóis, aranhas e escorpiões não apresentam nenhum mecanismo especial para forçar a entrada e saída de ar dos pulmões a renovação de gases ocorre por simples difusão. Já os vertebrados dispõem de mecanismo de ventilação pulmonar que garantem a constante renovação do ar nos pulmões. </li></ul>
  • 21. &nbsp;
  • 22. &nbsp;
  • 23. <ul><li>As células vivas estão sujeitas a sofrer osmose , um processo físico-químico que as leva a perder ou ganhar água, com variação de volume. Ao longo do processo evolutivo, os animais desenvolveram diversos mecanismos para regular o processo osmótico a que estão sujeitos. Esses mecanismos constituem o que se denomina osmorregulação . </li></ul>
  • 24. <ul><li>Animais marinhos </li></ul><ul><li>Tubarões e outros peixes cartilaginosos (raias, cações, quimeras etc.) são capazes de manter a tonicidade de seu sangue próxima à da água do mar. </li></ul><ul><li>Isso é conseguido pela síntese e acúmulo, no sangue, de uma substância denominada uréia, que se constitui em um soluto osmoticamente importante. A uréia é continuamente eliminada pelos rins, o animal consegue controlar a quantidade desse soluto no sangue. Os tubarões, possuem ainda uma glândula localizada no intestino reto, que continuamente retira sais em excesso do sangue, eliminando-os pelo ânus. </li></ul><ul><li>Os peixes ósseos marinhos evoluíram, ao que tudo indica, de ancestrais de água doce. Como herança dessa origem, a tonicidade de seus líquidos internos é bem menor que a tonicidade da água do mar. Por isso eles estão continuamente perdendo água para o meio devido a osmose. </li></ul>
  • 25. &nbsp;
  • 26. <ul><li>Para compensar essa perda, os peixes ósseos marinhos bebem água salgada e são capazes de eliminar o excesso de sal ingerido através da superfície das brânquias. </li></ul><ul><li>Aves marinhas como as gaivotas e os albatrozes possuem glândulas nasais especializadas em eliminar excessos de sais do corpo.  Tartarugas marinhas também possuem glândulas semelhantes, que se abrem junto aos olhos. </li></ul>
  • 27. &nbsp;
  • 28. <ul><li>Mamíferos marinhos como golfinhos e baleias, apesar de não beberem água salgada, sempre ingerem um pouco de água do mar junto com os alimentos. O equilíbrio osmótico desses animais é conseguido por meio da eliminação de sais pelos rins na urina. </li></ul><ul><li>Animais de água doce têm problema osmótico inverso ao dos animais de água salgada. As células e líquidos internos dos animais de água doce são hipertônicos em relação ao meio , de modo que estão sempre absorvendo água por osmose. </li></ul>
  • 29. &nbsp;
  • 30. <ul><li>Os peixes de água doce têm de eliminar grande quantidade de água na urina e, com isso, perdem sais importantes. Essa perda salina é compensada pela absorção ativa de sais através do epitélio que reveste as brânquias. </li></ul>
  • 31. <ul><li>No ambiente terrestre os animais têm de ingerir água, bebendo-a ou comendo alimentos que contenham água. Têm, também de evitar a perda de água por dessecação, desenvolvendo camadas impermeáveis, tais como a concha dos moluscos terrestres, o exoesqueleto dos insetos ou a camada de queratina da epiderme dos vertebrados terrestres. </li></ul>
  • 32. <ul><li>A perda de água foi o principal fator a limitar a colonização do ambiente de terra firme, haja visto que apenas um pequeno número de filos animais atuais tem representantes terrestres. Dentre esses, os artrópodos e vertebrados foram os que desenvolveram os mais eficientes mecanismos de obtenção e economia de água e de sais minerais. </li></ul><ul><li>Para os vertebrados terrestres, a osmorregulação consiste em ingerir água e sais em quantidades suficientes, evitando que essas substâncias faltem ou se acumulem no sangue. Os rins são os principais órgãos encarregados de manter o sangue na tonicidade adequada, através da eliminação dos excessos de água, sais e outras substâncias osmoticamente ativas na urina. </li></ul>
  • 33. <ul><li>Nos animais pouco complexos que vivem no ambiente aquático, de modo geral a eliminação do lixo celular resultante do metabolismo dá-se por simples difusão na superfície corporal. Assim, nos protozoários, esponjas e cnidários, os sais, a amônia e o CO 2 são excretados pela parede do corpo. </li></ul><ul><li>Nos platelmintos como a planária, os protonefrídios são formados por células flageladas (célula-flama) ligadas a túbulos e poros excretores que se distribuem longitudinalmente em ambos os lados do corpo </li></ul>
  • 34. &nbsp;
  • 35. <ul><li>Nos anelídeos, os nefrídios segmentares – complexas estruturas associadas a capilares sanguíneos – encarregam-se da expulsão dos resíduos nitrogenados. Nos artrópodes, várias estruturas estão relacionadas à excreção nitrogenada. </li></ul>
  • 36. &nbsp;
  • 37. <ul><li>Dentre elas, podemos citar as glândulas verdes dos crustáceos, as glândulas coxais dos aracnídeos e os túbulos de Malpighi , encontrados tanto em aracnídeos como em insetos. </li></ul><ul><li>Nos vertebrados, os principais órgãos excretores são os rins . Ao receber o sangue contendo diferentes tipos de substâncias, úteis ou não, os rins efetuam um processo de filtragem, selecionando o que será eliminado e devolvendo ao sangue o que poderá ser reutilizado. </li></ul>
  • 38. &nbsp;
  • 39. <ul><li>A principal função dos carboidratos , é ser fonte para a produção de ATP pelas células. Os ácidos graxos , originados a partir da digestão de gorduras, e alguns aminoácidos também são utilizados pelas células para a obtenção de ATP (com exceção dos neurônios cerebrais). Para isso, os aminoácidos sofrem inicialmente desaminação, ou seja, perdem o radical amina. O restante da molécula pode ser “quebrado” pelo processo da respiração celular em CO 2 e H 2 O com liberação de grande quantidade de ATP. A desaminação do aminoácido ocorre no fígado, e o radical amina é convertido em amônia. </li></ul>
  • 40. <ul><li>Invertebrados e muitos peixes de água doce excretam amônia, substância altamente tóxica e solúvel, que demanda grande quantidade de água para ser eliminada. Por isso esse tipo de excreta ocorre apenas em animais aquáticos, para os quais obterem água não é um problema. Animais cujo principal produto de excreção é a amônia são denominados amoniotélicos. </li></ul>
  • 41. <ul><li>Animais terrestres transformam a amônia em uréia ou em ácido úrico. Essas substâncias por serem muito menos tóxicas que a amônia, podem ser acumuladas temporariamente no corpo e excretadas em soluções concentradas, sem que haja grande perda de água pelo organismo. A uréia é o principal excreta dos mamíferos e de anfíbios adultos   (larvas de anfíbios excretam amônia), sendo eliminada dissolvida em água, formando a urina. Animais cujo principal produto de excreção é a uréia são denominados ureotélicos. </li></ul>
  • 42. <ul><li>O ácido úrico é o principal excreta dos insetos, caramujos terrestres, aves e alguns répteis, sendo eliminado juntamente com as fezes, na forma de uma pasta de cor esbranquiçada, altamente concentrada. O fato de o ácido úrico poder ser excretado praticamente sem que haja perda de água constitui uma importante adaptação para a economia de água no ambiente terrestre. Animais cujo principal produto de excreção é o ácido úrico são denominados uricotélicos. </li></ul>
  • 43. <ul><li>www.sobiologia.com.br </li></ul>

×