ponto_e_virgula
       NOVEMBRO 2007 EDIÇÃO 8




     A Morte do Autor
     Ensaio de Roland Barthes reflete o
     papel...
ponto_e_virgula
[ su m ário]
                                                                                             ...
3
[ca r ta ao le i tor ]




                         V
                                oltando para a casinha(1),        ...
4
[ p er fil]




              Trinta anos depois da morte, a personalidade que continua intrigando (Qual é melhor?)
    ...
5

      No semi-árido, a menina passa par-     o primeiro romance (e talvez desde os
te de sua sofrida infância e adquire...
6
      Apesar de considerada insolúvel, Clarice se di-             surpreendentes. A personagem Macabéa de A Hora
zia sim...
7



                                                     Os Lispector                    Clarice
                        ...
8
[c i nema]




                                                                              Filmes nacionais recentes t...
9

                                                                                        nos altos escalões. O diálogo c...
10
                                                                                         foto: David Pichard
          ...
11
[ m ús ica]




                          A
                                 llan Freed, disk jokey e radialista
      ...
12

                A data mais comumen-            O sonho de encontrar um branco capaz de cantar
          te aceita com...
13




      Em 1968, com o final da banda                 A cristalização do uso da imagem,
Yardbirds, Jimmy Page forma o...
a morte do autor
                                                                                                         ...
15



 O afastamento
da “voz que
narra” reconduz
           está em evitar explicações. Heródoto não ex-
           plica ...
A partir da consciência                                              16
paço antes ocupado pela origem (autor), passa a se...
17
por Marina Veshagem




                                                                                               ...
18
resultou na grande liberdade de entrar e sair do cárcere quando
bem entendesse. Na véspera do enforcamento, era costume...
19




A relação entre a Filosofia e a Literatura

           por Fernanda Dutra
20




Q       uando terminei de ler A Montanha Mágica, de Thomas Mann, senti que
        tinha envelhecido alguns anos, t...
21




      No jornal online Opção, José Maria e Silva critica o Colóquio Filosofia e Literatura or-
ganizado pela Univer...
22




                                                                          O filósofo do Ser: Fernando Pessoa
      ...
[e ntrevist a ]                                                                           ilustração: a.pizarro




      ...
24

; - Por que o Neoconcretismo pode ser considerado momento- E depois, o Poema Enterrado, que era uma sala no fundo do
l...
25

; - Por que agora?                                                 ; - O senhor diz que nasceu poeta e que quem nasce ...
26



                                                                                          “   Eu estava no exílio
; ...
27

; - E a poesia em si? A sua poesia mudou                                   ; - O que o senhor tem escrito hoje?
muito....
28


“  O povo tem que                ; - O senhor ainda vai à sua      Gullar - Tem que reivindicar. O povo tem que tomar...
29
[ v i agem]                                                                   fotos: Carolina Moura




              A...
30




A cidade que jurei odiar, e que não posso passar
as férias sem ir


     Um milhão de pessoas. Eu nunca entendi com...
31

Camelódromo O paraíso não só dos produtos piratas.
Cosméticos, utensílios de cozinha, artigos de decoração e ele-
trôn...
32
[f otografi a ]


AMPA

                                                               por Juliana Sakae

          cae...
33




                                               AMPA
                        E foste um difícil começo
             ...
34
;
www.revistapontoevirgula.com
Como você descobriu essa página? Por acaso?
Percebeu que tinha uma página a mais? E
achou que fosse um erro? Ou uma grande...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Novembro2007

1,531 views
1,450 views

Published on

Published in: Travel, Business
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,531
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
29
Actions
Shares
0
Downloads
9
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Novembro2007

  1. 1. ponto_e_virgula NOVEMBRO 2007 EDIÇÃO 8 A Morte do Autor Ensaio de Roland Barthes reflete o papel do escritor 30 anos sem Clarice A vida da escritora que dizia-se uma mulher como outra qualquer Frei Caneca A verdadeira história do frei levado (várias vezes) à forca Ferreira Gullar O poeta e pensador conta como se inventou na Arte, no Jornalismo e na Poesia... e fala de Política
  2. 2. ponto_e_virgula [ su m ário] NOVEMBRO 2007 EDIÇÃO 8 ESCRITORES Adriana Seguro ESPAÇOS NESTA EDIÇÃO Carolina Moura Fernanda Dutra Fernanda Volkerling 04 Perfil 17 O que a História não conta Luisa Frey Marina Veshagem A história da insolúvel Clairce Lispector, Maurício Tussi A verdadeira história do frei chamado Caneca, o homenageada 30 anos após sua morte Pedro Santos personagem prestigiado pela população que foi levado 08 Cinema (várias vezes) à forca ESPECIAL a. pizarro 19 Crítica do polêmico filme de José Padilha Diálogo entre irmãs que mostra a realidade, segundo o Bope. EDIÇÃO 11 Música Fernanda Volkerling Filosofia e Literatura, como Ciência e Arte, são duas Lucas Sarmanho áreas de conhecimento que encantam o homem, mas Um pouco do que apareceu no rock dos Luisa Frey nem todos percebem a íntima relação entre as duas anos 50´s e 70´s Marina Veshagem 14 Literatura EDITORAÇÃO Carolina Moura Um ensaio de Roland Barthes reflete o Juliana Sakae descolamento entre obra e autor. Maurício Tussi 23 Entrevista Thiago Bora Arte, Jornalismo, Poesia e Política para o CAPA poeta Ferreira Gullar Juliana Sakae 29 Viagem ARTE FINAL Juliana Sakae Temporada de verão em Balneário Camboriú, Matheus Joffre uma cidade adoravelmente odiável Maurício Tussi 32 Fotografia REVISÃO Adriana Seguro São Paulo: ensaio fotográfico a cores e Lucas Sarmanho P&B da cidade-tema de Caetano Marina Almeida 34 Causos&Coisas Rodrigo Tonetti ; Florianópolis - SC www.revistapontoevirgula.com
  3. 3. 3 [ca r ta ao le i tor ] V oltando para a casinha(1), dar. Lembremos: a reforma proposta ridícula essa história de refor- vai além dos acentos. ma ortográfica. Se pensarmos Mudar novamente, na utopia bem, a última foi em 1943. Fazendo de unificar o português entre seus as contas, são 64 anos. E houve a falantes. Portugal não está afim de reforminha (pequenos ajustes, diga- aderir. Também deveríamos nos mos) de 1971, que tirou todos aque- rebelar. Mesmo que os países escre- les horrorosos acentos diferenciais. vam igual, vamos continuar esco- Desta última, lá se vão 26 aninhos. lhendo certas palavras, eles outras. Veja você que fez seu ensino Bem como vamos continuar enten- fundamental e básico antes de 1971. dendo o que eles escrevem e vice- Você sabe que é necessário ampliar versa. o pôrto de Santos? Mais, sabe que Mas, se ainda assim insistirem, é preciso fazê-lo a tôdos êles? Aliás, podemos brasileiros, portugueses, não depende sòmente da vontade angolanos, guineenses, cabo-verdia- dêsse govêrno, mas dos que virão. nos, moçambicanos, santomenses, Côisa estranha? timorenses e tantos outros passar Por que tanta gente reclama uns três séculos dentro de um gran- que, no Brasil (generalizando), não de saco ortográfico-cultural. Quem se sabe bem o português? Quanto sabe sairemos de lá com um consen- tempo demora para uma língua se so sobre se chamamos a furadeira firmar? Pensou em quantos séculos? de furadeira ou de bebequim, a ofer- É, em cinco, seis décadas não vai ta de oferta ou desbarato... (1)referindo-se à edição de outubro
  4. 4. 4 [ p er fil] Trinta anos depois da morte, a personalidade que continua intrigando (Qual é melhor?) por Luisa Frey C omo traçar o perfil de alguém vida que se conta é o título da biogra- tida como uma “mulher insolú- fia publicada por Nádia na tentativa de vel”? Foi exatamente assim que desvendar o fenômeno Clarice. o jornalista e amigo Paulo Francis defi- Clarice Lispector nasceu na niu Clarice Lispector. Para ela, podiam Ucrânia, em 1920. Seu nome de ba- parecer insolúveis as muitas contradi- tismo, alterado quando chega ao ções que vivia. Ou então, era ela pró- Brasil, era Haia. O nome significa pria insolúvel porque não se dissolvia “vida” e o primeiro ano da de Clarice dentre nós, reles mortais. Ela tinha algo foi marcado por medo, fome, miséria. a mais. Nádia Battella Gotlib, uma das A família judia foge para a América maiores estudiosas da autora, diz que e se instala em Maceió, quando Cla- ela possuía uma espécie de intuição em rice tem pouco mais de um ano. Em relação à natureza do ser humano. Uma 1925, mudam-se para Recife.
  5. 5. 5 No semi-árido, a menina passa par- o primeiro romance (e talvez desde os te de sua sofrida infância e adquire o tão contos escritos na infância), ela tinha característico sotaque nordestino. Desde uma bagagem de experiência quanto à antes do nascimento, Clarice já escuta natureza humana, que impressiona psi- canalistas: “Já está tudo ali em Perto do os diversos sons dos idiomas dos muitos coração. Vai incorporando técnicas no- países por onde a família passa: russo, idish, romeno, húngaro, alemão. Depois vas, mas sempre teve essa intuição em vem o português do Nordeste, que se relação ao que é o ser humano, um dos Principais obras publicadas: combina com a língua presa e, mais tar- grandes trunfos de seu sucesso”. Clarice Lispector publicou mais de 20 romances, contos, de, sofre influências dos outros lugares Viver em tantos lugares diferen- crônicas e livros infantis: em que morou. tes pode ter também tornado a escritora Romances: Assim que se alfabetiza, cria o há- uma estrangeira em toda parte, inclusi- Perto do Coração Selvagem (1943) bito de escrever. Com apenas nove anos, ve na própria vida. Nádia explica que ela O Lustre (1946) Clarice perde a mãe e se arrisca numa tinha um “lugar isolado, um estado de A Cidade Sitiada (1949) A Maçã no Escuro (1961) peça de teatro – Pobre menina rica. Con- solidão”. “Do que gostava mesmo era de A Paixão segundo G.H. (1964) tinua escrevendo contos durante toda a ficar no seu canto escrevendo”, diz. As- Uma Aprendizagem ou Livro dos Prazeres adolescência e aos 15, muda-se com a sim como Clarice, seus personagens es- (1969) família para o Rio de Janeiro, onde vive- tão sempre à procura de algum lugar, de Água Viva (1973) ria por mais tempo. alguma coisa, que ela própria não encon- Um Sopro de Vida - Pulsações (1978) Novela: O ano de 1943 foi marcante na tra. Para Nádia este constante reconhe- A hora da estrela (1977) vida da escritora. A jovem de 23 anos cimento da frustração é o cerne de sua Crônicas e contos: publica seu primeiro romance – Perto do produção literária. Alguns contos (1952) Coração Selvagem. Formada em Direito, Outra razão para o sucesso da Lite- Laços de família (1960) casa-se com o diplomata Maury Gurgel ratura clariceana é a recepção, que Ná- A legião estrangeira (1964) Felicidade clandestina (1971) Valente. Após seis meses em Belém do dia diz acontecer de uma maneira mui- A imitação da rosa (1973) Pará, Clarice acompanha o marido em to diferente em cada um. “Ela instiga as A via crucis do corpo (1974) uma jornada internacional que duraria pessoas porque nem tudo aparece expli- Onde estivestes de noite? (1974) 16 anos. Passam por Inglaterra, Suíça, cado, abre para muitas sugestões.” Além A bela e a fera (1979) Itália e Estados Unidos. disso, sua Literatura promove um “con- Visão do esplendor - Impressões leves (1975) Essa vivência pluricultural, desde o tato com a intimidade, uma coisa muito Para não esquecer (1978) nascimento, obviamente contribuiu para profunda de cada um”. Segundo Nádia, A descoberta do mundo (1984) formar a concepção de mundo da autora. a autora dizia que a liberdade é um hor- Literatura infantil: Mas, segundo Nádia Gotlib, independen- ror que sentimos diante das coisas: “Ela O mistério do coelho pensante (1967) te de onde estivesse, Clarice era sempre sabia provocar esse impacto das pessoas A mulher que matou os peixes (1968) A vida íntima de Laura (1974) a mesma, com o seu próprio mundo, o diante de si mesmas, da própria liber- Quase de verdade (1978) mundo da criação. Nádia diz que desde dade”. Como nasceram as estrelas (1987)
  6. 6. 6 Apesar de considerada insolúvel, Clarice se di- surpreendentes. A personagem Macabéa de A Hora zia simples, uma mulher como outra qualquer. E as- da Estrela (1977), por exemplo, era uma nordestina sim conseguia ser em suas crônicas e na convivên- muito pobre que migrou para o Rio de Janeiro, assim cia com os amigos. Mas, ao mesmo tempo, construía como a escritora. uma imagem um pouco bizarra de si mesma. Tinha Em permanente desajuste com o mundo, Cla- atitudes para chocar. Nádia conta que ela gostava rice tomou a Literatura como válvula de escape. Mas, de exibir a mão deformada após o incêndio ocorrido ao mesmo tempo em que esta foi sua salvação, mer- em sua casa, em 1966, quando pegou no sono segu- gulhou tão intensamen-te na ficção, que acabou enx- rando um cigarro. ergando a si mesma como personagem. Na véspera Muitos costumam traçar um paralelo entre vida de sua mor-te (Clarice sofria de câncer no ovário), e obra da autora, mas para Nádia é muito difícil fazer teve uma hemorragia muito forte. Desesperada, ten- essa relação mecânica. “A obra é um conjunto tão tou deixar o quarto. À enfermeira que lhe impediu, disse: “Você matou meu personagem”. ; diferenciado, que ali cabe tudo, inclusive aquilo que Clarice – Uma vida que se conta, de Nádia Batella Gotlib – você não é. Todo produto cultural parte de algum lu- Editora Ática gar e quando tomados como ingredientes para compor O livro foi publicado pela primeira vez em 1995. Sua quinta uma ficção, os aspectos autobiográficos perdem seu edição está esgotada, mas Nádia pre-tende reeditá-lo em 2008. valor documental”. Agora, não há dúvida de que as Para o fim dezembro deste ano, a autora anuncia o lançamento coincidências entre realida-de e ficção de Clarice são de uma fotobiografia de Clarice Lispector Clarice Jornalista rice da ficção hermética, fechada, subjetiva”, afirma Aparecida O Jornalismo teve papel fundamental na vida de Cla- Maria Nunes, autora de Clarice Lispector jornalista. No livro, rice. Além de servir para o sustento, a imprensa foi porta-voz Aparecida dá enfoque às colunas femininas escritas por Cla- da escritora e popularizou seu trabalho literário. A autora não rice, com os pseudônimos de Tereza Quadros e Ilka Soares, en-contrava editoras que quisessem publicar seus primeiros e como ghost-writer da modelo e atriz, Ilka Soares. Clarice, contos e os jornais foram a saída. O primeiro conto – Triunfo uma mulher à frente de seu tempo, absorve a técnica do – foi publicado no jornal Pan, em 1940. No mesmo ano, Cla- texto de jornal e transmuta isso para um lado muito pessoal, rice começou a trabalhar de redatora na Agência Nacional, utilizando a primeira pessoa e colocando sua opinião. “Há onde era uma mulher em meio a muitos homens. Dois anos muito da jornalista na escritora e da escritora na jornalista. É depois, no jornal A Noite, obteve seu primeiro registro profis- o tempo todo Clarice Lispector, independente se está fazendo sio-nal. Mais tarde - quando vai atuar na revista Manchete, na Literatura ou Jornalismo”, diz Aparecida. Fatos&Fotos e no Jornal do Brasil com as suas crônicas, “ela Clarice Lispector jornalista – páginas femininas e outras se aproxima de um público que não aquele que conhece a Cla- páginas. Editora Senac, 2006, R$ 45,00
  7. 7. 7 Os Lispector Clarice A família A família Clarice nasce mudam-se para escreve a chega a muda-se em Tchetchelnik, peça Pobre Recife Maceió para o Ucrânia menina rica Rio de Janeiro Nasce o Sai o primeiro livro, segundo Perto do coração sel- Clarice publica o vagem. Forma-se em conto Triunfo no Nasce Pedro, o filho, Paulo, Começa a trabalhar como Direito e casa-se com jornal Pan e inicia redatora do jornal A noite, primeiro filho, na nos Estados o diplomata Maury onde obteve seu primeiro como redatora na Suíça Unidos registro profissional Gurgel Valente Agência Nacional Clarice dorme com o cigarro aceso e tem as Divorciada, Clarice mãos e pernas começa a atuar na Publica A Hora da Estrela. queimadas imprensa carioca Morre, aos 57 anos
  8. 8. 8 [c i nema] Filmes nacionais recentes trazem a mesma temática de tráfico de drogas, pobreza, violência e corrupção. Tropa de Elite vem para apimentar a discussão e desenvolver o debate por Pedro Santos H istoriadores confirmam o que “Coloca a pena de morte aí pra você ver a realidade insiste em mos- se não resolve.” trar: ninguém passa impune Além das opiniões, a ditadura tam- por uma ditadura. Os anos de chumbo bém está presente em atitudes cotidia- deixaram resquícios em muito mais lu- nas e em frases aparentemente inocen- gares onde se pode imaginar. O pensa- tes que reproduzem um discurso típico mento autoritário que surge, de tempos daquele tempo. Ela também deixou res- em tempos, em camadas da sociedade quícios na polícia, em grupos especiais é exemplo disso. Ou você nunca ouviu como a Ronda Ostensiva Tobias Aguiar Wagner Moura interpreta alguém defendendo ardorosamente a (ROTA), em São Paulo, ou o Batalhão de o Capitão Nascimento pena de morte? “Bandido bom é ban- Operações Policiais Especiais (BOPE), dido morto”, “Tem que matar mesmo”, principalmente no Rio de Janeiro. foto: David Pichard disponível em: tropadeeliteofilme.com.br
  9. 9. 9 nos altos escalões. O diálogo com Notí- gente vai perder pro tráfico só pra um S cias de uma Guerra Particular (lançado ubindo o morro, em mais um dia es- playboy enrolar um baseado?”). Precisa tressante e corrido, o capitão Nasci- tomar remédios para dormir. em 1999) se faz quando nos lembramos, mento pensa consigo (e conosco, espec- Capitão Nascimento é o herói. Iden- entre outros exemplos, do depoimento do tadores): “Um policial tem que escolher: tificamo-nos com o personagem. O filme Chefe da Polícia Civil do Estado do Rio ou se corrompe, ou se omite, ou vai para o mostra como um ser humano que tem de Janeiro na época, Hélio Luz: “Há um a guerra”. Ele foi pra guerra. E para guer- que desempenhar um trabalho duro. Mas interesse por uma polícia que não seja Tropa de Elite é dúbio. Não se pode to- rear nos morros do Rio, a equipe dele pre- corrupta?” Não ter corrupção, lembra cisa jogar o jogo que consideram o mais mar uma única posição. Aquele policial Hélio, é não poder parar em local proi- eficiente para vencer o tráfico: agressi- que escolheu a guerra, contra a idéia de bido, é obedecer rigorosamente às leis. vidade, energia, violência e, se precisar, se omitir ou se corromper, é cínico. É, deExiste esse interesse, de fato? tortura. certo modo, a personificação do justicei- O filme joga a semente para refle- No filme de José Padilha (mesmo di- ro. “Bota na conta do Papa”, diz ele, em tirmos sobre tráfico de drogas, pobreza, retor de Ônibus 174) acompanhamos a vi- julgamento sumário de um jovem que, violência e corrupção. Alguns persona- são de Nascimento, capitão do BOPE, que em seguida, é executado. gens entram como caricaturas do poli- mora com a mulher grávida em um apar- cial covarde que consegue dinheiro de tamento simples. Sua vida social é dire- formas ilícitas, que busca reduzir as es- O tamente interferida pelo trabalho. Chegar roteiro complexifica muitas situa- tatísticas de criminalidade em sua área de madrugada e sair de manhã é algo ções e caricatura outras tantas. A jogando cadáveres nos espaços de atua- obra de ficção que Tropa de Elite repre- ção de outros policiais. comum para ele, até que decide escolher um substituto e abandonar o BOPE. senta (“ficção com dados da realidade”, Quem liga o espectador com a reali- argumenta o diretor) traz um sistema dade a que o filme se propõe a mostrar é o policial podre e falido. Há roubos dentro capitão, vivido por um agressivo Wagner da corporação, infinitos desacordos com Moura, em um dos melhores papéis que a lei, acerto de contas entre os próprios já interpretou nos cinemas. Os roteiris- policiais, pagamento de propina para que tas Paulo Pimentel, Bráulio Mantovani a polícia realize o trabalho que, afinal, e José Padilha elaboram o personagem, toda a sociedade espera que ela faça. (“O deixando-o mais complexo. Ele tem um negócio da polícia não é proteger? Então, modelo de pensamento totalitário, atira o sistema transformou a proteção num para matar, se for preciso, e tortura para negócio”, explica o narrador Nascimen- conseguir o que necessita. Além disso, to). A corrupção é dominante, inclusive Nascimento é um homem can- sado da guerra, da estupidez dos governantes e do vício dos playboys (“Quantas pessoas a fotos: David Pichard disponível em: tropadeeliteofilme.com.br
  10. 10. 10 foto: David Pichard disponível em: tropadeeliteofilme.com.br Padilha mostra essas cenas de modo a ra, como o corpo marcado por um tiro produzir risos na platéia. É proposital, na cabeça. cinema também é entretenimento. Mas Cinematograficamente falando, há é rir do trágico e desumano mundo que momentos em que a ação se torna ma- está mais perto do que podemos imagi- niqueísta: bandidos maus e policiais nar. Que o diga Luciano Huck! bons. Nunca podemos nos esquecer de O filme adota a visão de que o que a narrativa é do capitão Nascimen- grande problema do Estado paralelo to, ou seja, estamos vendo sob o olhar que atua nos grandes morros é fruto do dele. É ele quem nos dirige pelo filme. consumo de drogas. Realmente, se pen- Em circunstâncias assim, torcemos pelo sarmos que não existiria tráfico caso BOPE. Aí a glamourização da violência é patente, como o é em Cidade de Deus. não houvesse usuários, essa é uma rea- lidade plausível. É ingenuidade, porém, Ela é agente do filme, participante direta atribuir unicamente aos consumidores da história. de drogas todos os problemas que as De qualquer forma, não se pode dizer que Tropa de Elite é um estímulo favelas enfrentam. É uma corrente de fatores: a vida miserável das pessoas, à tortura. São nessas cenas, sobretudo a ausência do poder do Estado, a che- da progressão que nos leva, sem fôle- gada do poder paralelo dos traficantes, go, ao fim do filme, que somos expostos que se relacionam com outras camadas ao horror da tortura. A polícia tortura. da sociedade, os usuários de drogas. Joga o jogo dos bandidos. A violência Cidade de Deus traz essa questão de contra a violência. Há razões de so- modo mais verossímil quando mostra bra para nos preocuparmos. Pensando a vida do morro pelos olhos de alguém bem, onde estamos vivendo? Tem gente que mora lá. A visão mostrada por Tro- que pensa que não tem outro jeito. Que, pa de Elite, ainda que superficial quan- se não jogarmos o mesmo jogo, iremos do trata das questões do tráfico, não é perder para os bandidos. Defendem a condenável pelo detalhe de que o filme violência. Gente que pensa como o ca- de José Padilha se propõe a mostrar o pitão Nascimento. “O jeito é torturar, ponto de vista do policial do BOPE. matar os marginais, ‘limpar’ os morros do Brasil”, poderiam dizer. Um pensa- mento não muito longe daquele de um T apas no rosto e saco plástico para senhor austríaco, de bigodes espessos, asfixiar. As cenas de tortura são que governou a Alemanha na Segunda explícitas. O diretor não se priva em Guerra Mundial. ; Cena mostra parte do treinamento dado aos filmar o sofrimento e os restos da guer- policiais que querem ingressar no BOPE
  11. 11. 11 [ m ús ica] A llan Freed, disk jokey e radialista de programas de rhythm and blues em Cleveland, Ohio, inventou, diga- mos, o termo rock and roll – e foi um dos principais responsáveis pela difusão do estilo. Freed investiu na carência do pú- blico jovem consumista por um novo tipo de música, mais energética: percebeu o potencial comercial da música negra. Começos, primeiros e mais algumas coisinhas por Mauricio Tussi
  12. 12. 12 A data mais comumen- O sonho de encontrar um branco capaz de cantar te aceita como a da criação como um negro havia sido realizado por Sam Phillips, do rock é a do lançamento dono de um pequeno selo, até então, chamado Sun da música “(We’re Gonna) Records. Em seu início de carreira, com os singles de Rock Around The Clock de Thats All Right e Blue Moon of Kentucky, logo seguido Bill Haley And The Comets”, por Good Rockin’ Tonight e I Don’t Care If The Sun em 12 de abril de 1954. Ape- Don’t Shine, poucos poderiam acreditar que o Elvis sar disso, dezenas de grava- Presley que ouviam no rádio era um branco. Obvia- ções anteriores já apresen- mente, parecia mais saudável à sociedade conserva- tavam um ou outro fator do dora e racista aceitar aquele tipo de música vindo de que viria a se cristalizar no um rapaz com rosto de bom moço – hoje ele é o Rei do novo estilo (o próprio Bill Rock... Haley havia gravado no mes- Billy Furry foi o primeiro artista de rock inglês mo ano, um pouco antes, a a ter alguma repercussão nos Estados Unidos, ainda música “Shake Rattle and baseado nos conceitos comerciais do rock original, Roll”). com músicas feitas por encomenda. Só que, na cidade de Liverpool, estava tomando forma um movimento cultural que acabou nomeando um fanzine local: o ROCK IS BLACK! Mersey Beat. Dentre as bandas, destacavam-se Os Cockroaches. (ahn??) Tsc, mentira! Eram Os Beatles. Em 1966, com o single Substitute, o The Who fi- Deve-se aos negros escravos trazidos nalmente levava o hard rock pela primeira vez ao topo da África para as plantações de algo- das paradas (em grande parte devido à repercussão do dão dos Estados Unidos a criação da quebra-quebra generalizado promovido após os shows estrutura rítmica e melódica que seria – pela banda, no palco, e pelo público, na platéia). a base do rock. Os cantos entoados Para muitos, Sgt Peppers é considerado o nasci- pelos negros durante o trabalho, no mento do rock progressivo (que não se prende a ne- início do século XX, dariam origem ao nhum conceito predefinido – apenas baseado na ex- blues (do inglês, usado para desig- perimentação e no ineditismo). Divide esta glória com nar pessoa de pele escura, bem como um outro álbum - curiosamente gravado no mesmo tristeza ou melancolia). Então... foi o estúdio e ao mesmo tempo - The Pipers At The Gates blues que emprestou ao rock as tais bases, junto com o jazz e o gospel. Of Dawn, da banda Pink Floyd, que havia ficado fa- mosa pelas suas performances audiovisuais no un- derground londrino, capitaneada pelo gênio movido a LSD de Syd Barret.
  13. 13. 13 Em 1968, com o final da banda A cristalização do uso da imagem, Yardbirds, Jimmy Page forma o New do teatro e da atitude como fator de mar- Yardbirds, logo renomeado para Led Zep- keting tão ou mais importante do que a pelin. A sonoridade da banda foi inédita, própria música veio com a banda amer- e embora muito baseada no blues, era icana Kiss – que lançou seu álbum de mais agressiva do que qualquer música estréia, auto-intitulado, em 1974. Os anterior. Instrumentistas virtuosos, so- músicos tocavam maquiados, assumi- los e improvisações de tempo indetermi- am personalidades de demônio, animal, nado começavam a se destacar. homem espacial e deus. Voavam, cus- O fim dos Beatles foi como o fim de piam fogo, vomitavam sangue e vendi- uma era. A banda destacou a transição am discos, muitos discos – 500 mil no entre o rock básico de letras simples dos primeiro: disco de ouro. primeiros tempos ao Rock mais complexo O punk foi criado nos Estados Uni- e sério, musicalmente e liricamente. Não dos e popularizado na Inglaterra – onde mais apenas diversão e produto de con- logo viria a se tornar um movimento so- sumo, o rock era definitivamente encar- cial do proletariado e não mais apenas ado como expressão artística e social. um estilo musical. O som e o estilo in- Inglaterra, Birmingham, 70. Sem re- fluenciaram bandas como Motörhead e quintes musicais, o Black Sabbath grava- AC/DC. va seu primeiro disco (conta a lenda que Bandas como The Police, Simple em apenas dois dias), auto-intitulado, ex- Minds e Pretenders (e, um pouco mais pandindo as fronteiras de peso no hard tarde, U2) adotariam um estilo que viria rock e criando o que poderia ser o primeiro a ser conhecido como new wave, mais disco definitivamente de heavy metal con- facilmente aceitável que o punk, quando hecido do grande público. Ah, Black Sab- sua fórmula inicial já não surtia tanto efeito comercialmente. ; bath, Ozzy; Ozzy, Black Sabbath... Não vou falar dele, mas está aí, bem citado.
  14. 14. a morte do autor 14 [ l i teratura] a morte do autor “A escrita é o preto-e-branco aonde vem perder-se toda a identidade, a co- a morte do autor meçar precisamente pela do corpo que escreve.”, afirmou Roland Barthes em seu ensaio A morte do autor (1968). Mas até que ponto escrever não é justamente confundir-se com a obra, colar-se a ela de maneira que a voz de Barthes, o mito quem escreve se torne o próprio discurso? a morte do autor e a linguagem Escrever é anular-se, destruir-se em nome de um propósito. Entretanto, ao negar-se desta maneira, o autor reafirma sua crença em uma existência pos- autônoma na terior, uma existência através de sua escrita. O autor morre para dar lugar ao construção do texto, mas a morte não representa um sacrifício, e sim uma necessidade, uma significado pré-condição: escrever só é possível onde a linguagem, e apenas ela, atua. A descoberta e a afirmação do indivíduo, prin- cipalmente a partir da Era Moderna, contribuíram para que a figura do autor se transformasse em uma extensão da obra. A crítica, então, intensificou as associações entre a Literatura e as maneiras, as atitudes de quem a produzia, “(...) como se, através da alegoria mais ou menos transparente da ficção, fosse sempre, afinal, a voz de uma só e mesma pes- soa, o autor, que nos entregasse a sua confidência.” (Barthes, 1968). Historicamente, atribuía-se ao autor, até en- tão, o papel de proprietário da obra. Era ele a auto- ridade máxima, por excelência; aquele capaz de for- necer certezas e de responder a todas as questões. A partir da consciência de sua morte, porém, o autor assume uma nova postura. Deixa de se agarrar ao texto e passa a empurrá-lo para longe de si, como se o indivíduo contaminasse a pureza da escrita. Walter Benjamin, em seu texto O Narrador (1936), caracteriza a narrativa como aquilo que não se tra- duz em mais palavras: “Metade da arte narrativa ilustrações: a.pizarro
  15. 15. 15 O afastamento da “voz que narra” reconduz está em evitar explicações. Heródoto não ex- plica nada. Sóbria concisão salva da análise psicológica”. a obra em Já no séc. XVIII, Stéphane Mallarmé pro- curou desenvolver uma linguagem que falasse por si só, anulando completamente a presen- ça “daquele que escreve”. Também Paul Va- léry, no séc. XX, buscou o caráter puramente direção ao lingüístico da literatura, denunciando as ma- nifestações subjetivas do autor no texto. O afastamento da “voz que narra” recon- duz a obra em direção ao texto. A escrita deixa de ser manifestação do sujeito e se abre a um processo de pluralização de sentidos a par- tir da linguagem. Em outro de seus ensaios, Da obra ao texto (1971), Barthes afirma que “perdida a origem, a causa tutelar, a intenção fundadora e o direito de propriedade simbó- lica, o texto, separado e autotélico, pratica o recuo infinito do significado”. Todavia, uma vez anulada a presença do autor, “a unidade de um texto não está na sua origem, mas no seu destino, e este destino já não pode ser pessoal” (Barthes, 1971). O es-
  16. 16. A partir da consciência 16 paço antes ocupado pela origem (autor), passa a ser preenchido pelo destino (leitor). Manuel Gusmão, em seu ensaio Anonimato ou alterização?(1998), afirma que “O leitor tende então a surgir de sua morte, porém, o como uma maneira ainda de figurar o texto: destino sem destina- dor e no fundo sem destinatário; reunião das várias culturas que o texto é”. Com a origem afastada, toda a significação se transfere para o lugar onde a escrita é percebida, onde a “voz que narra” é uma voz sem nome, inexplorada – o leitor. Já não se pretende decifrar autor assume uma nova o texto, nem dar a ele o sen- tido restrito de quem o escre- veu. Entretanto, o surgimento desta escrita ilimitada, deste espaço de múltiplas extensões, postura. Deixa de que contradiz a manifestação de uma cultura única e passa a compreender toda a possi- bilidade de sentido da lingua- gem, só é possível onde houver a anulação do mito anterior: “o nascimento do leitor tem de pagar-se com a morte do Au- tor” (Barthes, 1968). ;
  17. 17. 17 por Marina Veshagem E contam as más línguas que política e religião não combinam... do pai. Entrar para a vida religiosa era, na época, uma forma segura de ascender socialmente. Foi como Caneca virou frei. Agora, de como virou político, pouco se sabe. O importante é que Caneca esteve envolvido com a Revo- lução Pernambuca- na (1817) e com a Federação do Equador (1824). Participou ativamente do primeiro movimento, no qual foi proclamada uma República e organizado o primeiro governo independen- te na região. Após a derrota da revolu- ção, o frei foi preso e, em 1921, libertado pelo movimento constitucionalista em Portugal. Frei Caneca foi um dos líderes, juntamente com Ci- priano Barata da Fede- ração do Equador – outro movimento D republicano e, desta vez, também separatista –, em Per- izem que a História não aconteceu exatamente como fica- nambuco. Diz Evaldo Cabral de Mello, historiador brasilei- mos sabendo. Dizem também que muitos de nossos pro- ro, que “frei Caneca su- bestimava os meios à disposição da fessores inventam estórias dentro da História, só para que Corte do Rio, superes- timando, por outro lado, a vontade nos interessemos por ela. Estivesse minha professora omitindo local de resistência ao despotismo fluminense (...) de 2 de grandes pontos-chaves da história, ou criando estórias agradá- julho em diante a história da Confederação se tornou a narra- veis e divertidas, garanto que elas não eram assim tão afáveis, tiva de uma derrota”. Em 12 de setembro de 1824, Recife foi tampouco mentirosas. ocupada e a derrota se concretizou. A primeira peculiaridade histórica da qual me lembro é a de Frei Caneca, num ímpeto de falta de fé (ou de ciência frei Caneca. Homem curioso, esse frei. Foi religioso (como o nome política da realidade) fugiu com parte das tropas para o inte- adotado escancara) e também político (aí entra o paradoxo, nada rior de Pernambuco. De nada adiantou. Em 29 de novem- incomum na História). Não se sabe se ele adquiriu mais visibili- bro daquele mesmo ano da derrota, foi preso pelos soldados dade como religioso ou político – se é que é possível separar de imperiais, levado novamen- te para o Recife e condenado à maneira dicotômica os dois – o que se explica mais adiante. Filho forca. de um tanoeiro – aquele que faz ou conserta vasilhas de aduela, E aqui começa a pe- culiaridade capciosa. Preso, Ca como barris, cubas, dornas, pipas e tinas –, o frei herdou o apelido neca gozava de muito prestí- gio da população local, o que
  18. 18. 18 resultou na grande liberdade de entrar e sair do cárcere quando bem entendesse. Na véspera do enforcamento, era costume deixar o condenado escolher seu jantar. E, na primeira vez em que camin- hava para a morte (sim, houve mais de uma!), o frei se alimentou muito bem. No dia fatídico, foi despojado do hábito religioso e levado à forca. A multidão, em coro, quase que coreografada, gritava a todo pulmão: “O Caneca não! O Caneca não!”. Já no local do sacrifício, o carrasco – encarregado de puxar o banquinho sob os pés do frei e finalizar o ritual – parou, pensativo. Após o momento de conflito, o homem se recusou a executar a ação. A população enlouqueceu de alegria e a cerimônia foi adiada. A segunda e a terceira tentativas de enforcamento não foram diferentes. O jantar caprichado era seguido do coro a gritar “O Can- eca não!” e da negativa de cada carrasco em sacrificar o querido frei. A mando de Dom Pedro I, intervindo direto do Rio de Janeiro, mudou-se a tática. O frei seria fuzilado. Dessa, Caneca não teria escapatória. Nem os gritos “O Caneca não! O Caneca não!”, nem a recusa de carrascos, nada evitaria o des- tino dele. Com a estratégia de não deixar culpados, vários homens dispararam suas armas na direção do réu, mas em apenas uma delas houve pólvora de verdade. Dessa forma, ninguém soube – ou se preferiu não saber - quem realmente havia matado frei Caneca. Pouco antes de ser fuzilado, Caneca compôs um poema: “Tem fim a vida daquele Que a pátria não soube amar; A vida do patriota Não pode o tempo acabar” O religioso, o qual a política levou à morte, não conseguiu se livrar desta através da religião. Por mais que juntas, política e re- ligião, o tenham tornado amado entre a população pernambucana – que tinha anseios políticos, sim, mas venerava mais o lado “frei” de Caneca –, esse povo religioso não se fez ouvir e perdeu seu maior defensor. ;
  19. 19. 19 A relação entre a Filosofia e a Literatura por Fernanda Dutra
  20. 20. 20 Q uando terminei de ler A Montanha Mágica, de Thomas Mann, senti que tinha envelhecido alguns anos, tantas foram as lições que tirei. O livro alemão faz parte da linha de “romances de formação” (Bildungsroman), que narram o processo de aprendizagem de um personagem. Outros livros clas- sificados assim são O apanhador no campo de centeio, do americano J. D. Salinger, O ateneu, de Raul Pompéia e Os anos de aprendizagem de Wilhelm Meister, de Goethe. Por centrarem a narrativa no desenvolvimento do indiví- duo, no confronto do “eu” com acontecimentos exteriores, talvez seja mais fácil enxergar reflexões neste estilo romance. Mann e Goethe são comumente cita- dos como filósofos, além de literatos. Para Adorno (filósofo alemão), a arte moderna - e a literatura pode entrar neste termo - contém um enigma e a resolução deste levaria à reflexão, à filoso- fia. A busca de respostas levaria a mais perguntas, e a obra de arte teria senti- do a partir daí. Para a arte tradicional o sentido surgia a partir de um conceito definido, como uma representação dele. O professor Rafael Carmolinga, do curso de Letras da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), caracteriza a Literatura como uma forma de reflexão jocosa, divertida, enquanto a Filosofia é séria, acadêmica. A segunda é considerada ciência, por isso tem como objetivo a instrução, e para que isso ocorra, há a cobrança do aprendizado. A Literatura trata dos mesmos temas de uma forma mais gostosa, prazerosa. Educação Q uando questionei o professor Carmolinga sobre o distanciamento entre Filo- sofia e Literatura nas universidades, ele me respondeu com uma pergunta: “Você sabia que antes do Regime Militar (1964-1985), as faculdades de Letras e Filosofia eram um único curso? Os militares perceberam o perigo da literatura reflexiva”. De fato, na Universidade de São Paulo, criada em 1934, os cursos de Letras e Filosofia fazem parte da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Huma- nas. Em universidades mais novas - como as federais de Santa Catarina, Mato Grosso, Goiás, Acre - estes cursos estão em centros acadêmicos diferentes. No Brasil, a confluência das duas áreas está restrita a cursos de pós-graduação, ainda que algumas faculdades ofereçam disciplinas na graduação.
  21. 21. 21 No jornal online Opção, José Maria e Silva critica o Colóquio Filosofia e Literatura or- ganizado pela Universidade Católica de Goiás em 2000. Silva disse que entre platéia e pa- lestrantes havia um claro distanciamento. Eram intelectuais falando sobre Focault, Derrida, Deleuze, nomes consagrados da Filosofia, e a platéia pedindo a palavra para declarar “Litera- tura é amor! Filosofia é amor!”, como narra o crítico em seu texto. Outros colóquios foram realizados nos anos seguintes, mas em breve pesquisa pela internet percebe-se a falta de divulgação. A academia se mantém distante da sociedade e Filosofia e Literatura aparecem juntas na mídia somente quando se trata de best-sellers, como O mundo de Sofia, de Jostein Gaarder. “Nenhum homem jamais foi um grande poeta, sem ser ao mesmo tempo um profundo filósofo”, S. T. Coleridge (poeta inglês), em tradução livre Um, nenhum e cem mil, Pirandello Um dia, a mulher de Vitangelo Moscarda lhe faz notar que o nariz dele pende para um lado, é imperfeito. A partir daí, o protagonista passa por uma crise de identidade. Se não podemos nos ver enquanto agimos, naturalmente, não conseguimos associar nossa perso- nalidade ao nosso corpo. No entanto, quem convive conosco não consegue dissociar corpo e alma e isso se reflete na concepção que cada um tem de nós. Além disso, Moscarda chega à conclusão de que somos mais de cem mil. Somos o que cada um vê de nós, o que pensamos que os outros vêem de nós e o que pensamos que somos. Um, nenhum e cem mil é conside- rado o romance mais complexo do italiano Luigi Pirandello. O mundo de Sofia, Jostein Gaarder O romance de Jostein Gaarder virou best-seller e trouxe a Filosofia à mídia e às conver- sas cotidianas. O norueguês nos apresenta a história de Sofia, que começa a receber bilhetes anônimos com questionamentos como “Quem é você?”, “De onde você veio?” ou “Como come- çou o mundo?”. O livro é quase um curso de História da Filosofia. Conta desde os gregos à filosofia moderna, com Hegel e até o Big Bang e outras teorias de surgimento do universo.
  22. 22. 22 O filósofo do Ser: Fernando Pessoa O poeta português é mais conhecido pelos seus heterônimos, escritores criados por ele, com data de nascimento, profissão, história e livros, como Alberto Caeiro e Álvaro de Campos. No entanto, o conteúdo filosófico de seus livros oferecem muitos enigmas ao leitor. O período de maior atividade literária de Pes- soa foi o início do século XX, mesma época que Darwin, Marx, Freud. É um momento de inten- so questionamento da tradição, e os valores A montanha mágica, Thomas Mann ocidentais são postos em dúvida. Assim, para Hans Castorp é um jovem, burguês e engenheiro da capital, que o escritor “a verdade tem uma forma parado- vive na Europa antes da Primeira Guerra. Castorp vai visitar o primo xal”. A decadência da verdade e da razão leva no sanatório Berghof, localizado nos Alpes suíços. A visita que seria Pessoa a valorizar as sensações e os sonhos, o de três semanas se prolonga por sete anos. O livro acompanha o de- que também pode ser lido nos heterônimos. senvolvimento da doença de Castorp e de seu intelecto, como é típico “SÍMBOLOS? Estou farto de símbolos... dos romances de formação. No entanto, os grandes momentos filosó- Mas dizem que tudo é símbolo. ficos do livro estão nos embates de dois amigos de Castorp: o velho Todos me dizem nada.” Álvaro de Campos (Poe- italiano Settembrini e o jovem jesuíta Naphta. Os dois são cultos, mas de Álvaro de Campos) mas representam pensamentos diferentes. Enquanto Settembrini Para Cláudia Grijó Vilarouca, mestre em Teoria acredita na civilização, é racionalista, democrata, Naphta crê que a Literária, a relatividade não significava a falta violência e o terror são os transformadores do mundo, é fascinado de fundamentos e Pessoa foi buscar no Ser, na pelo irracional e acredita que a fé é superior ao intelecto, é a melhor existência, estes fundamentos. A linguagem forma de atingir o conhecimento. As discussões entre estes dois filó- poética, por permitir a liberdade e as novas sofos que procuram sempre influenciar Castorp não levam à conclu- significações, era o lugar perfeito para Pessoa são alguma, o que demonstra, segundo o artigo do professor Richard desenvolver a concepção de um Ser múltiplo, Miskolci, a defesa de Mann da conciliação entre as duas partes. ; de acordo com Cláudia Vilarouca. Estas idéias estão relacionadas ao pensamento do filósofo alemão Heidegger.
  23. 23. [e ntrevist a ] ilustração: a.pizarro por Adriana Seguro D o outro lado da linha, a voz sábia, de tom inconfundível. Um dia após o lançamento de Experiência Neoconcreta: Momento-limite da Arte e da nova edição de Relâmpagos – Dizer o Ver, a ponto-e-vírgula pingue-pongueou com o poeta e pensador Ferreira Gullar. Respostas bem expli- cadas, quase didáticas, revelam o homem de idéias, sempre a pensar e descobrir o mundo. “ Todos ponto-e-vírgula - O livro Relâmpagos traz tanto textos inédi- nós tos como da década de 50... Ferreira Gullar - Esse livro nasceu de um texto que escrevi somos sobre os móbiles de Calder. Quando reli o texto achei que era diferente das outras coisas que costumava escrever sobre arte. invenções “ Não é um texto de crítico de arte; é um texto criativo. Então fui de nós atrás de outros que fizessem semelhança com esse para criar um livro que não fosse de crítica de arte, mas da identificação mesmos com a obra de arte, emocionado com a arte. ; - Como o senhor elege as obras que vai analisar? Gullar - Eu fui a São Paulo e havia uma exposição de quadros da Maria Helena Vieira da Silva, uma pintora portuguesa exce- Ferreira Gullar lente que morou no Brasil. Eu vi e achei tão bonita, uma pin- conta como tura tão criativa e de tanta qualidade, que resolvi escrever um se inventou artigo. E esse é o critério que adoto: ou alguma coisa que me na arte, na toca por sua beleza, ou - então - alguma coisa que me desperta poesia e no uma visão crítica ou uma nova maneira de ver questões quanto à arte contemporânea. Eu sou motivado por fatores dessa na- jornalismo... e tureza, que a própria exposição faculta. fala de política foto: jbonline.terra.com.br
  24. 24. 24 ; - Por que o Neoconcretismo pode ser considerado momento- E depois, o Poema Enterrado, que era uma sala no fundo do limite da arte? chão, onde você penetrava com o corpo no poema. Essas expe- Gullar - Ele é uma experiência limite, não quer dizer que seja riências estão no limite da linguagem artística e literária. Não a maior e mais importante. As vanguardas européias surgiram se tem notícia de que em alguma Literatura do mundo tenha no começo do século XX, foram se desenvolvendo ao longo do sido feito um poema em que a pessoa entra no poema. Então, século e depois passaram para outros países. Até o surgimen- é uma coisa limite, que não se conhecia. É claro que isso em si “ to do Movimento Neoconcreto, elas não tinham não é valor. Fazer uma coisa que nunca ninguém Fazer uma chegado ao ponto-limite a que a experiência ne- fez, por si mesma, não significa uma grande coisa. oconcreta levou, que foi o de destruir os gêne- coisa que nunca A qualidade expressiva no Poema Enterrado, ou decorre do que a pessoa ros artísticos. Destruir não, violar os limites que experimenta ao entrar caracterizavam os gêneros artísticos, a ponto de ninguém fez, quando lê ou manuseia o livro-poema. Agora, que com a Lygia (Clark) e o Hélio Oiticica chegar-se foi uma coisa inovadora, foi. a uma zona em que já não se sabe se aquilo por si mesma, é arte ou não. A própria Lygia dizia, depois de não significa ; - E qual foi a reação das pessoas ao Poema En- “ terrado? passar da “fase dos bichos” e ampliar sua expe- riência no terreno da sensorialidade, que aquilo uma grande Gullar – Ele foi construído, mas no mesmo dia da já não era arte. Ela inclusive procurou utilizar inauguração houve uma tempestade no Rio que coisa aquilo como uma espécie de terapia, de trata- inundou o poema. Depois, eu soube que foi re- mento psíquico. Tanto que ela dizia que aque- construído no mesmo local, na casa da família do les objetos relacionais contribuíam para uma Hélio Oiticica. reconstituição do eu. É de fato uma experiência ; - O senhor não chegou a ver? que se chega ao limite, em que se discute até Gullar - Eu não cheguei a ver. Então, a experiên- que ponto isso já é arte ou se já é outra coisa. cia, eu imagino que é meio ritual, uma coisa que ; - Então, o que o senhor fez naquela época é era o que eu pretendia quando imaginei o poema. arte? Mas os poemas espaciais, há pouco exibidos no Gullar - O que nós fizemos era evidentemente Parque Imperial... As pessoas os manuseavam e arte, ou pretendia ser. O que eu digo é que o gostavam muito, porque eles são bonitos, têm co- movimento chegou a um limite. Por exemplo, res ligadas ao significado daquelas formas e são eu era um poeta e fazia poemas como qualquer interessantes, porque possibilitam a participação poeta faz, utilizando linguagem comum, de todo do leitor no próprio fazer do poema. Esse livro que mundo. Mas fui me desenvolvendo durante a eu publiquei agora tem a reprodução fotográfica minha participação no Movimento Neoconcre- de todos esses poemas espaciais, que são muito to. Eu criei o livro-poema, um livro muito dife- pouco conhecidos. E os livros-poema só agora es- rente de todos os que existem. Depois, os poe- tão sendo editados, quase 50 anos depois de te- mas espaciais, que já não são nem livro mais. rem sido feitos.
  25. 25. 25 ; - Por que agora? ; - O senhor diz que nasceu poeta e que quem nasce poeta Gullar - Porque um dia tinha que ser feito. Eu decidi fazer esse pode ou não descobrir essa vocação. Se não descobrisse esse talento, quão diferente o senhor acha que seria a sua vida? livro sobre o Neoconcretismo, porque achei que, como um dos Gullar - O que eu acho é o seguinte: as pessoas nascem com principais integrantes e formulador das idéias do movimento, era necessário o meu depoimento sobre o que aconteceu. determinadas habilidades. Quem não tem habilidade para jo- gar futebol, não vai ser um Robinho. Pra ser Robinho, tem que ; - O senhor acha que foi a época mais ousada de sua poesia? nascer com as qualidades que ele tem. Agora, você tem as qua- Gullar - Veja bem, pode até ser mais ousada, mas eu não meço lidades, mas tem que se inventar a partir delas. Se ficar sen- a qualidade das coisas simplesmente pela ousadia. Eu acho tado na calçada, olhando o passarinho voar, você não vai fazer que aquilo foi um período da minha experiência como poeta, de nada. Não basta nascer com as qualidades. É preciso também fato, muito interessante. Quando voltei a me envolver com isso, se inventar, como poeta, ou como jogador de futebol, ou como me encantei de novo e cheguei até a inventar mais dois ou três arquiteto, ou como músico. Você tem que criar a partir das poemas espaciais. Fiquei empolgado, vi que aquilo tinha uma qualidades que trouxe com você. Agora, eu acho muito difícil expressão ainda viva que eu podia explorar, e me vieram idéias uma pessoa nascer poeta e não escrever. Eu acho que pelo que pus em prática. Então, é isso. As coisas não são também próprio fato de nascer com aquelas qualidades, ao ler na escola ortodoxas assim, não têm que obedecer a normas escritas; a os poemas de Gonçalves Dias, de Raimundo Correia e depois vida é conseqüência de circunstâncias e acasos. A vida não Drummond, ele vai acabar se identificando com alguns deles e está toda planejada, com um fator determinante que não podia descobrir que tem a ver com aquilo, que é capaz de criar uma ser de outra forma. A vida é uma invenção; a arte também. coisa naquele mundo. E é assim, eu acho muito difícil não acontecer. ; - Como o senhor descobriu essa ne- cessidade? Gullar - Na escola, eu fiz uma reda- ção, a professora me deu 9,5 e elogiou na turma. Eu achei: “Bom, se ela está achando tão bom, eu acho que sirvo para escrever.” Então, eu resolvi o que vou fazer da vida... Porque a gente nasce e, em 13, 14 anos, você sabe o que vai ser na vida? Não sabe! Você “ está ali, mas pode ser qualquer coisa. Eu acho muito Você é o quê? Cozinheiro, jogador de “ futebol, poeta, empregado de loja ou difícil uma pessoa nascer um quitandeiro, como meu pai, o que poeta e não escrever você é?
  26. 26. 26 “ Eu estava no exílio ; - Ser poeta é saber escrever poesia ou é também uma forma diferente de viver e de se relacionar com o em Buenos Aires e mundo? Gullar - Quando diz “tem vocação”, não é só saber escrever; escrevi o poema [Poema Sujo] “ é uma porção de coisas juntas. O cara pode saber escrever, como se fizesse a última mas pode virar jornalista ou outro profissional que usa o escrever como meio de trabalho. A poesia, a Literatura é coisa na vida outra coisa. É preciso outras qualidades, além de simples- mente saber escrever. Saber escrever já é um pouco a pre- sença dessas qualidades, porque quando a professora elo- embora, assustadas com a tempestade que estava se forman- giou o meu trabalho, não foi só porque... Pelo contrário, tinha do no horizonte. Foi aí que decidi escrever esse poema como até erro de português, ela não me deu dez porque tinha dois se fosse a última coisa. Eu não sei o que vai acontecer comigo, erros de português. Mas o que chamou a atenção dela foram as vou dizer o que me resta dizer. idéias e a forma como eu as expus. Então havia ali uma coisa ; - São situações extremas que levam à criação poética? que não havia nas redações dos outros colegas, entendeu? Gullar - Não, não. Isso aí é um momento especial, felizmente ; - Quantos anos o senhor tinha? não é preciso isso pra escrever. Escreve-se por muitas outras Gullar - Treze anos, por aí... razões. O simples cheiro de uma tangerina me fez escrever um longo poema. O olhar, o sorriso de uma moça. Eu passando ; - O Poema Sujo (1975) é um marco em sua obra. Vinícius de pela rua, a vi no ponto de ônibus, sorrindo... Não sabia quem Moraes disse que o poema, “sem omitir nenhuma palavra ou era e me fez escrever um poema. Os poemas nascem de qual- ato considerados feios ou obscenos pela moral burguesa, car- quer fato, dependendo do impacto que ele provoca no poeta. rega uma extraordinária pureza de intenções e de sentido”. Gullar - O Vinícius era um grande poeta, um homem de grande ; - Hoje, depois de mais de 60 anos de poesia, ela mudou o sensibilidade e percebeu essas qualidades que acredito que o senhor? poema realmente tenha. O poema foi escrito em circunstâncias Gullar - Mudou, porque todos nós somos invenções de nós mes- muito especiais: eu estava no exílio em Buenos Aires e escrevi mos. E nós nos inventamos, inclusive, através do que fazemos o poema como se fizesse a última coisa na vida. Uma vez que e do que criamos. Eu me invento também através dos meus eu estava numa situação difícil, porque era exilado, não tinha poemas. Meus poemas não são só literatura, eles são parte do mais documento para sair daquele país, estava quase ilegal. mundo imaginário que eu criei para mim. O poema acrescenta Perón (Juan Domingo Perón, presidente da Argentina) tinha o meu mundo imaginário às coisas que eu crio ao escrevê-lo. morrido. A presidente era a viúva dele, Isabelita, que não tinha Então, nesse sentido, ele muda a vida. E muda a vida dos ou- pulso para governar o país na situação que estava. Já começa- tros, porque se incorpora à vida, revela pro cara que lê uma coi- va a haver ameaças de um golpe para derrubá-la e eu me sen- sa que ele nunca tinha percebido. A boa poesia, a poesia verda- tia cada vez mais inseguro. Podia acontecer comigo qualquer deira muda o mundo. Não no sentido da revolução, de derrubar coisa, as pessoas começavam a sumir, outras começaram a ir a ditadura, de mudar o regime social, aí não muda.
  27. 27. 27 ; - E a poesia em si? A sua poesia mudou ; - O que o senhor tem escrito hoje? muito. Gullar - A coisa que eu menos escrevo é Gullar – Eu sou um dos poetas que mais muda- poesia, porque não é uma coisa que se faça ram durante a sua carreira. Mas acredito que por encomenda. Não é: “hoje eu vou escrever há uma coerência nessas mudanças. Eu não um poema”, não existe isso. A poesia é uma planejo essas mudanças, elas vêm em função coisa que acontece ou não acontece. Você da minha própria vida, das próprias coisas que tem que estar predisposto, evidentemente, acontecem e da própria poesia que eu escrevo. mas não depende da sua vontade. Agora, De repente, se percebo que determinado rumo crônica, eu arrumo um assunto e escrevo. que segui já acabou, que não dá mais para se- Passo, às vezes, meses sem escrever um guir naquela direção, eu paro. Aí começa, mais poema, e às vezes pego e escrevo cinco de tarde, sem eu saber como, uma outra coisa, ou- uma vez. Não tem lógica e nem é determi- tro caminho que se abre. Eu começo a inventar nado por minha vontade. Eu também faço crítica de arte; escrevo para a Folha [colu- uma outra maneira. Então tem uma coerência, na dominical no caderno Ilustrada]; escre- porque sou eu mesmo, com as minhas idéias, minha experiência de vida, minha experiência vo artigos que jornais e revistas me pedem, literária. Mas sempre surge uma mudança, de sobre isso, sobre aquilo; faço palestras; dou modo que meus livros são sempre diferentes. cursos sobre arte. A coisa que mais gosto Não é de propósito. Uma coisa que não pas- de escrever é poesia, que eu menos faço. sa pela minha cabeça é: “tenho que fazer uma “ ; - E no jornalismo, o senhor entrou por coisa diferente de todo mundo”. Não é: acaso? ; - O senhor já sentiu falta da universidade? Gullar - Como o que eu sei fazer é escrever, ‘hoje eu Gullar - Não, porque eu estudei. Talvez, se ti- era fatal que a minha profissão fosse escre- vesse uma formação universitária, eu não ti- ver, né? Então o jornalismo surgiu como vou escrever vesse certas lacunas no meu conhecimento. uma coisa natural. Eu tinha que ganhar a um poema’não , Mas procurei estudar aquilo que me interes- minha vida e não era com poesia. Então, sava e me interesso por muitas coisas. Procu- passei a escrever para jornais. Eu sempre existe isso. rei completar o meu conhecimento em coisas gostei de trabalhar de jornalista e escre- A poesia é que são necessárias para você ter uma visão ver crônicas. Tenho prazer em fazer isso, do mundo, da sua época. Não é imprescindível porque é uma oportunidade de expressar uma coisa a universidade para estudar. Eu me incompa- minhas opiniões sobre questões de caráter tibilizei com negócio de escola, fiquei com raiva social, político, artístico, sobre as coisas que “ e saí para estudar por minha conta. Sempre que estou permanentemente pensando. É o acontece achei que tem que ler, procurar pensar e en- meu ganha-pão, mas é também uma coisa tender as coisas. que me gratifica. ou não acontece
  28. 28. 28 “ O povo tem que ; - O senhor ainda vai à sua Gullar - Tem que reivindicar. O povo tem que tomar consci- tomar consciência, cidade natal, São Luís do ência das coisas, porque pode acontecer uma coisa grave no Maranhão? Brasil, que é o populismo. O Lula, nesse sentido, pode se tor- porque pode Gullar – Tão cedo não irei. nar uma ameaça. O “salvador da pátria” é um perigo, porque é acontecer uma Excluí avião da minha vida, uma coisa antidemocrática. O regime democrático pressupõe não estou para me estressar. a alternância no poder. Se você começa a criar um tipo de lí- coisa grave no “ Acho que avião é uma coisa der que fala às grandes massas, que dá a Bolsa-Família, que que está cada vez pior. Os ae- pega o dinheiro do Estado e usa para comprar a opinião das Brasil, que é o roportos estão gigantescos, as pessoas... O que o Lula está fazendo é isso. Ele dá para as populismo multidões cada vez maiores; pessoas necessitadas; os pobres, os aposentados ganham uma para fazer o check in são filas série de vantagens. O cara fica grato, achando que ele é o pai gigantescas. E agora tem o dos pobres, o salvador e tal. A democracia se caracteriza pela terrorismo. Eu fui à Espanha diversidade de opiniões, mas se alguém passa a ter o controle e tive que tirar até o cinturão da maioria da população e pode se eleger, reeleger e depois da calça. Ficar com a calça na eleger seu substituto, você pode entrar num caminho perigoso. mão, porque tem que exami- Na Venezuela está acontecendo isso. O presidente Chávez está nar tudo para saber se o cara mudando a constituição e vai se re- A entrevista completa está com uma bomba. Não dá eleger infinitamente. Ele comprou a você encontra a partir para entrar nisso. “Ô, loco”, maioria com o dinheiro do petróleo. de 10 de novembro viver nesse mundo. Para quê? E quem não gosta não tem vez... Fe- no Blog da Redação - Passear? Isso não é passe- chou a emissora de televisão princi- revistapontoevirgula. pal do país e ainda ameaça os jornais, wordpress.com ar, né? Por necessidade, você pode até enfrentar uma coi- dizendo que aqueles que criticaram o sa daquelas. Agora, por mero governo são inimigos do povo. [riso nervoso] Então, porque ele é o defen- passeio, eu vou sair para ficar duas horas numa fila, para fi- sor do povo, se alguém se opõe a ele, carem me examinando tudo, tem que ser inimigo do povo. Não dá, me botarem com as calças na pô! É claro que o Brasil não é igual mão e ainda pôr na minha ca- à Venezuela. Aqui não dá para fazer beça a idéia de que vai ter uma bomba dentro do avião? Então, exatamente isso, mas pode fazer uma eu entro em pânico no avião, o que é isso? Não, eu tô fora, não coisa parecida. Mas aí nós vamos bri- quero saber disso. gar. Eu, particularmente, se ele fizer isso, vou brigar! Ah, vou! Não só eu; ; - O senhor sempre teve opinião forte. Nesse cenário político muita gente. Não pode, o governo está gastando cada vez mais dinheiro. ; de corrupção, o senhor acha que ao povo brasileiro falta se contrariar, ter mais atitude? foto: cronopios.com.br
  29. 29. 29 [ v i agem] fotos: Carolina Moura Adoro essa varanda de madrugada por Carolina Moura 02:35 O apartamento com adesivo do Lula acabou de apagar as luzes. O computador fica ligado, com uma foto grande e brilhante. Uma pessoa no lado esquerdo; à direi- ta, o que acredito ser um barco. As luzes do andar acima continuam acesas. No andar seguinte, mas do lado oposto, também. O bondinho, sorriso de palhaço, passa lento e melancólico. Pára, com os carros que o seguem. Alguém subiu, alguém desceu? Não encontro agora a sacada onde a pouco se pendurou mais uma roupa no varal, no prédio gasto mais ao fundo. Foram todos engolidos pela escuridão. Live music, do CD pirata, se encaixa perfeitamente à visão dos dois rapazes cami- nhando na Brasil. Não é figura de linguagem: num rápido desviar de olhos, desaparecem. Você aí, sozi- nho, não vai fugir. Jogou algo no lixo? Se abaixou para pegar algo? Acompanhei-o até sair do meu alcance. Quem são as pessoas na varanda em frente? Sim, no “andar acima”, onde as luzes permaneceram. Motociclistas abastecendo no posto. Brilham o BR amarelo e verde, “Hotel”, “BIS” e o nome de um restaurante que tenho preguiça de forçar os olhos para enxergar. As pessoas conversam. Não façam isso; apenas sintam a noite. Lembro das pessoas às quais não preciso dizer uma palavra... Mas não sinto falta. A única coisa que me agrada nessa cidade é a noite. Quieta. Vazia. Interrompida de vez em quando por um carro tocando axé; hoje ainda não. E elas entraram. Voyerismo aqui é esporte. Não posso contar as janelas que se voltam para mim. Passa outro bondinho. Um pouco mais apressado, quase nada. E pára no mesmo lugar; sim, deve ser uma sinaleira. Ninguém subiu, ninguém desceu. Você não vai desligar esse computador? Pelo menos o monitor! Os vidros que pretendem fechar a varanda refletem janelas que desconheço. Azule- jos e mármores de prédios também. Refletem. E eu espero... não sei pelo quê. A noite aqui sempre me faz esperar.
  30. 30. 30 A cidade que jurei odiar, e que não posso passar as férias sem ir Um milhão de pessoas. Eu nunca entendi como toda essa gente passa a temporada em uma praia tão poluída – e, o fato de passarem, é outro ponto negativo para a cidade. Fila nos supermercados, falta de água, areia ou shopping lotados – dependendo se chove ou faz sol. Eu digo que detesto aque- la cidade, mas é só o tempo esquentar que tenho vontade de visitá-la. Aqui estão algumas de minhas experiências, ao lon- go de anos, no balneário mais freqüentado de Santa Catarina. Avenida Atlântica De carro, na temporada, é terrível. Mas compensa ir a pé, caminhando pela beira-mar. É gosto- so e até mais rápido, já que (quase) tudo é perto. Outra op- ção é pegar o bondinho, que sobe (em direção ao norte) pela Atlântica e desce pela Avenida Brasil (paralela) – mas sai um pouco caro: R$ 2,50, a última vez que fui. E não pode ter vergonha de andar num veículo com cara de palhaço. Entretenimento Na única vez que fui ao boliche, meta- de da cidade ficou sem luz. Não recomendo. Vida Noturna Fico na casa da minha avó, o que quer que eu diga? A pizza do Maria`s é boa; confira o número de tele-entrega. O filme vem diretamente do camelódromo.
  31. 31. 31 Camelódromo O paraíso não só dos produtos piratas. Cosméticos, utensílios de cozinha, artigos de decoração e ele- trônicos podem ser encontrados, pechinchados e comparados entre os vários boxes. Também se encontram roupas, malas de viagem, brinquedos, bijuterias, ferramentas... Parque Unipraias Além das águas poluídas da baía, existem praias limpas e bonitas. Uma estrada liga todas elas, proporcionando fácil acesso àqueles que não ousam entrar nas águas vindas do rio Camboriú. Laranjeiras, Estaleiro, Ta- quaras... E também a praia do Pinho, de nudismo. Bondinho Desambiguação:. O termo pode se referir ao veí- culo sorridente que cruza as ruas da cidade, ou à imitação do bondinho do Pão-de-açúcar, mais uma tentativa de assemelhar Balneário Camboriú ao Rio (tem também o Cristo, “com cha- péu”, e os calçadões ladrilhados). O teleférico sai da Barra Sul e sobe em direção à Estação Mata Atlântica do Parque Uni- praias, no alto do Morro Aguada. Lá se encontram informações sobre os projetos de preservação do Parque, área para prática de arvorismo e locais para apresentações culturais. De lá, o bondinho desce para a praia de Laranjeiras (surpreendente- mente, de águas muito limpas). Parapente Uma das minhas últimas experiências em Bal- neário Camboriú, e uma das mais legais. O Morro do Careca (localizado além da Barra Norte) conta com uma estrutura para saltos de parapente e vários instrutores, que fazem o vôo duplo. Meu pai já foi instrutor e queria que o resto da família experimentasse a sensação de voar. Ele diz que não pode voltar a saltar, ou vai se viciar de novo. Realmente, é muito gostoso. Mas peça para o instrutor ser mais radical, o meu passeio foi muito light. Nem senti o frio na barriga. A noite Na varanda do apartamento, de madrugada. É a ; melhor parte.
  32. 32. 32 [f otografi a ] AMPA por Juliana Sakae caetano veloso Alguma coisa acontece no meu coração Que só quando cruzo a ipiranga e a avenida são joão É que quando eu cheguei por aqui eu nada entendi Da dura poesia concreta de tuas esquinas Da deselegância discreta de tuas meninas Ainda não havia para mim rita lee, a tua mais completa tradução Alguma coisa acontece no meu coração Que só quando cruzo a ipiranga e a avenida são joão Quando eu te encarei frente a frente não vi o meu rosto Chamei de mau gosto o que vi De mau gosto, mau gosto É que narciso acha feio o que não é espelho E a mente apavora o que ainda não é mesmo velho Nada do que não era antes quando não somos mutantes
  33. 33. 33 AMPA E foste um difícil começo Afasto o que não conheço E quem vem de outro sonho feliz de cidade Aprende de pressa a chamar-te de realidade Porque és o avesso do avesso do avesso do avesso Do povo oprimido nas filas, nas vilas, favelas Da força da grana que ergue e destrói coisas belas Da feia fumaça que sobe apagando as estrelas Eu vejo surgir teus poetas dos campos e espaços Tuas oficinas florestas, teus deuses da chuva Panaméricas de áfricas utópicas, túmulo do samba Mais possível novo quilombo de zumbi E os novos baianos passeiam na tua garoa E os novos baianos te podem curtir numa boa.
  34. 34. 34
  35. 35. ; www.revistapontoevirgula.com
  36. 36. Como você descobriu essa página? Por acaso? Percebeu que tinha uma página a mais? E achou que fosse um erro? Ou uma grande oportunidade? O quê, então? Hein, hein? Conte para nós! Envie sua resposta pelo site (endereço abaixo) e concorra a prêmios! www.revistapontoevirgula.com/contato.php

×