Alabastro: ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e
Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 20...
ALABASTRO
revista eletrônica dos alunos
da Escola de Sociologia e Política de São Paulo

Alabastro: ano 1, v. 1, n. 1, 201...
ALABASTRO
revista eletrônica dos alunos
da Escola de Sociologia e Política de São Paulo

Alabastro: ano 1, v. 1, n. 1, 201...
ALABASTRO
revista eletrônica dos alunos
da Escola de Sociologia e Política de São Paulo

Alabastro: ano 1, v. 1, n. 1, 201...
Nota dos editores

Nesta primeira edição, os textos selecionados versam sobre
assuntos diversos, mas sempre relacionados a...
Dossiê Lima Barreto

O Rio de Janeiro no início do século XX: uma
narrativa sociológica do desenvolvimento da
cidade na ob...
Dossiê Lima Barreto
O Rio de Janeiro no início do século XX: uma narrativa sociológica do desenvolvimento da cidade na obr...
Dossiê Lima Barreto
O Rio de Janeiro no início do século XX: uma narrativa sociológica do desenvolvimento da cidade na obr...
Dossiê Lima Barreto
O Rio de Janeiro no início do século XX: uma narrativa sociológica do desenvolvimento da cidade na obr...
Dossiê Lima Barreto
O Rio de Janeiro no início do século XX: uma narrativa sociológica do desenvolvimento da cidade na obr...
Dossiê Lima Barreto

Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra
Recordações do escrivão Isaías Caminha
Fabiana Nancy da Si...
Dossiê Lima Barreto
Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha
Fabiana Nancy da Sil...
Dossiê Lima Barreto
Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha
Fabiana Nancy da Sil...
Dossiê Lima Barreto
Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha
Fabiana Nancy da Sil...
Dossiê Lima Barreto
Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha
Fabiana Nancy da Sil...
Dossiê Lima Barreto
Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha
Fabiana Nancy da Sil...
Dossiê Lima Barreto
Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha
Fabiana Nancy da Sil...
Dossiê Lima Barreto
Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha
Fabiana Nancy da Sil...
Dossiê Lima Barreto
Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha
Fabiana Nancy da Sil...
Dossiê Lima Barreto
Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha
Fabiana Nancy da Sil...
Dossiê Lima Barreto
Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha
Fabiana Nancy da Sil...
Dossiê Lima Barreto
Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha
Fabiana Nancy da Sil...
Dossiê Lima Barreto
Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha
Fabiana Nancy da Sil...
Dossiê Lima Barreto
Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha
Fabiana Nancy da Sil...
Dossiê Lima Barreto
Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha
Fabiana Nancy da Sil...
Dossiê Lima Barreto
Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha
Fabiana Nancy da Sil...
Dossiê Lima Barreto
Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha
Fabiana Nancy da Sil...
Dossiê Lima Barreto

Recordações do Escrivão Isaías Caminha: Uma
leitura da obra de Lima Barreto
Fernando Morgato de Olive...
Dossiê Lima Barreto
Recordações do Escrivão Isaías Caminha: Uma leitura da obra de Lima Barreto
Fernando Morgato de Olivei...
Dossiê Lima Barreto
Recordações do Escrivão Isaías Caminha: Uma leitura da obra de Lima Barreto
Fernando Morgato de Olivei...
Dossiê Lima Barreto
Recordações do Escrivão Isaías Caminha: Uma leitura da obra de Lima Barreto
Fernando Morgato de Olivei...
Dossiê Lima Barreto
Recordações do Escrivão Isaías Caminha: Uma leitura da obra de Lima Barreto
Fernando Morgato de Olivei...
Dossiê Lima Barreto
Recordações do Escrivão Isaías Caminha: Uma leitura da obra de Lima Barreto
Fernando Morgato de Olivei...
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.

357
-1

Published on

A ALABASTRO – Revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, é uma publicação de cunho científico, com periodicidade semestral, organizada por estudantes de graduação em Ciências Sociais da Escola de Sociologia e Política de São Paulo. Sua finalidade é estimular a produção e a veiculação de conhecimento e aproximar os pesquisadores de diferentes instituições universitárias ao cotidiano das Ciências Sociais por meio de artigos, resenhas, traduções científicas, análise de material audiovisual e produções poético-literárias, com temas vinculados às Ciências Humanas.

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
357
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Revista Alabrastro, ano 1, v. 1, n. 1, 2013.

  1. 1. Alabastro: ano 1, v. 1, n. 1, 2013.
  2. 2. Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 2013 Comissão Editorial CORPO EDITORIAL / EDITORS: Prof. Dr. Rafael de Paula Aguiar Araújo: Doutor em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP (2009) e Coordenador de Curso da Escola de Sociologia e Política de São Paulo (raraujo@fespsp.org.br) Rafael Balseiro Zin: Bacharel em Sociologia e Política pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (rafaelbzin@hotmail.com) EDITORES ASSISTENTES / ASSISTANT EDITORS: Bruno Teixeira Martins: Graduando em Sociologia e Política pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (bruno_bar_1@hotmail.com) Evandro Finardi Sabóia: Graduando em Sociologia e Política pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (evandrofsaboia@gmail.com) Caterina de Castro Rino: Graduando em Sociologia e Política pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (caterinarino@gmail.com) Luis Sérgio Brandino: Graduando em Sociologia e Política pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (brandino@apeoesp.org.br) Thiago Duarte de Oliveira: Graduando em Sociologia e Política pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (prof.thiduarte@gmail.com) DIAGRAMAÇÃO / DIAGRAMMING: Alessandra Felix de Almeida (dona@alealmeida.com) A Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo tem por escopo a publicação científica de artigos acadêmicos. Os artigos são de responsabilidade dos respectivos autores, não refletindo necessariamente a opinião da Comissão Editorial acerca do conteúdo dos mesmos. Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 . Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 2013 1
  3. 3. ALABASTRO revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo Alabastro: ano 1, v. 1, n. 1, 2013. Sumário Nota dos Editores Nota dos editores Rafael de Paula Aguiar Araújo Rafael Balseiro Zin 4-5 Dossiê Lima Barreto O Rio de Janeiro no início do século XX: uma narrativa sociológica do desenvolvimento da cidade na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha, de Lima Barreto Ana Magali Busko Rafael Lacerda Soares 7 - 11 Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha Fabiana Nancy da Silva Araújo Thiago Duarte de Oliveira 12 - 28 Recordações do Escrivão Isaías Caminha: Uma leitura da obra de Lima Barreto Fernando Morgato de Oliveira Yasmim Nóbrega de Alencar 29 - 41 A busca por reconhecimento através da educação e os entraves socioculturais de uma classe de cor Marcella de Campos Costa Kleber Aparecido da Silva 42 - 51 Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 2013 2
  4. 4. ALABASTRO revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo Alabastro: ano 1, v. 1, n. 1, 2013. Artigos Curadoria de Artes, Micropolíticas Culturais para a América Latina Nirlyn Karina Seijas Castillo 52 - 64 Uma percepção das mudanças no modelo de Estado após a crise econômica de 2008 sob o foco dos conceitos do Republicanismo Clássico Thiago Henrique Desenzi 65 - 85 Faoro e o LEITMOTIV tipicamente brasileiro: as confusões entre público e privado Tathiana Senne Chicarino 86 - 98 Da experiência vivida à crítica escrita: Os saberes cotidianos e os seus sujeitos como parâmetros da produção textual e reflexão dos fenômenos sociais Alessandra Felix de Almeida 99 - 111 Ensaio Poético O artesão Renato Moro Giannico Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 2013 112 3
  5. 5. ALABASTRO revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo Alabastro: ano 1, v. 1, n. 1, 2013. Nota dos editores A ALABASTRO – Revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, é uma publicação de cunho científico, com periodicidade semestral, organizada por estudantes de graduação em Ciências Sociais da Escola de Sociologia e Política de São Paulo. Sua finalidade é estimular a produção e a veiculação de conhecimento e aproximar os pesquisadores de diferentes instituições universitárias ao cotidiano das Ciências Sociais por meio de artigos, resenhas, traduções científicas, análise de material audiovisual e produções poético-literárias, com temas vinculados às Ciências Humanas. Alabastro é um tipo de vaso feito de cerâmica e que foi muito utilizado na Antiguidade para armazenar ou queimar determinados conteúdos, entre eles óleo e perfume. A primeira menção conhecida a estes “frascos de essências” vem de Heródoto, geógrafo e historiador grego, e está registrada no capítulo XX, do livro III, da obra Histórias, que cita o alabastro como um dos presentes enviados por Cambises, antigo rei da Pérsia, ao rei da Etiópia. Passada a sua época, a palavra foi utilizada tanto entre os escritores gregos quanto entre romanos, difundindo-se por todo o Ocidente e alcançando os nossos tempos. ensando nestes termos, nasce a ALABASTRO. Assim como P os vasos que eram utilizados na Antiguidade, esse periódico, pensado e elaborado por alunos de graduação, assume a forma de um frasco de essências. A Revista quer, portanto, organizar, armazenar e tornar pública a produção acadêmica de jovens pesquisadores, contribuindo, dessa maneira, para o enriquecimento e maior qualificação na formação intelectual dos alunos. Vale destacar que a criação desta Revista ocorre em momento oportuno, como parte das comemorações dos 80 anos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo. Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 2013 , p. 4-5. 4
  6. 6. Nota dos editores Nesta primeira edição, os textos selecionados versam sobre assuntos diversos, mas sempre relacionados ao universo das Ciências Sociais. Para melhor disposição do material, este número está estruturado em três eixos. O primeiro deles traz um dossiê a respeito de um dos mais importantes escritores brasileiros, Afonso Henriques de Lima Barreto, a partir de sua obra Recordações do Escrivão Isaías Caminha, publicada pela primeira vez em 1909. A segunda parte apresenta artigos que problematizam questões referentes à sociedade, ao Estado, aos saberes cotidianos, às artes e ao pensamento social brasileiro. Na terceira e última seção, trazemos a público um breve ensaio poético que enaltece o papel dos artesões, enquanto importantes agentes culturais da sociedade brasileira. Fundamentada em um processo colaborativo, capaz de promover a troca de conhecimentos e interesses entre os estudantes de graduação e pós-graduação, a comunidade acadêmica em geral e demais interessados, a comissão editorial da ALABASTRO oferece ao público leitor os trabalhos que compõem esta primeira edição da Revista. Esperamos que nossos leitores apreciem esta iniciativa e compartilhem esse novo espaço de trocas, contribuindo com as futuras edições. A ALABASTRO, como frasco de essências, quer armazenar conhecimento, mas, da mesma forma que é preciso abrir o frasco para que o perfume seja apreciado e se espalhe, queremos que os saberes aqui reunidos se multipliquem através dos leitores. Esperamos que gostem... Boa leitura! Rafael de Paula Aguiar Araújo Rafael Balseiro Zin Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 2013 , p. 4-5. 5
  7. 7. Dossiê Lima Barreto O Rio de Janeiro no início do século XX: uma narrativa sociológica do desenvolvimento da cidade na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha, de Lima Barreto. Ana Magali Busko Rafael Lacerda Soares Estudantes de graduação no curso de Sociologia e Política, da Escola de Sociologia e Política de São Paulo Resumo Esse trabalho tem por objetivo analisar a obra de Lima Barreto Recordações do escrivão Isaías Caminha, de acordo com o ponto de vista político e social, visando uma historicidade que remonta à época do Rio de Janeiro no início do século XX. O conteúdo a seguir é enriquecido com as observações do historiador e professor José Murilo de Carvalho e sua obra Os bestializados: o Rio de Janeiro e a república que não foi, escrito em 1987, em que demonstra o processo de formação do republicanismo em face da capital brasileira e discursa sobre a participação do povo carioca no processo democrático. Foi identificado através das leituras que o livro de Lima Barreto torna-se campo fértil para uma discussão sobre os aspectos da mudança política da época. No discurso de todo o enredo, Lima Barreto pontilha cada grupo e os sofrimentos destes, como no caso de seu contato com a Igreja Positivista (um dos pensamentos que mais influenciaram o Brasil) através de um amigo ou quando vai preso e é enquadrado como marginal, passando pela influente imprensa carioca e até observando as mudanças estruturais da cidade maravilhosa. Em suma, o ponto de partida deste trabalho são duas obras de extremo valor para uma boa compreensão sobre o início do século XX no Rio de Janeiro. Palavras -Chave Pensamento político brasileiro. Século XX. Lima Barreto. José Murilo de Carvalho. Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 2013 , p. 7-11. 7
  8. 8. Dossiê Lima Barreto O Rio de Janeiro no início do século XX: uma narrativa sociológica do desenvolvimento da cidade na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha, de Lima Barreto. Ana Magali Busko e Rafael Lacerda Soares Em Recordações do escrivão Isaías Caminha, publicado em 1909, Lima Barreto conduz o leitor a um passeio pelo Rio de Janeiro no início do século XX, em pleno estabelecimento da República e apresenta os relatos de uma cidade que foi palco de uma transformação política radical que deu rumos ao Brasil contemporâneo. Na obra, Lima Barreto pincela os aspectos sociais, políticos e ideológicos de uma população que ainda estava agitada pela decorrência do golpe que culminou em um novo sistema. O autor encontra-se em face de uma das maiores agitações políticas do cenário brasileiro e, nesse sentido, o povo do Rio de Janeiro assistia a metamorfose desse cenário esperançada. Segundo o historiador José Murilo (1987) esse era o momento de trazer o povo para o proscênio da atividade política, o momento de o povo se engajar politicamente, afinal era o início de uma república em terras antes monárquicas. Apesar de o pensamento proposto pelos propagandistas da república de que os cidadãos participassem das decisões do Estado, o grosso da população brasileira, nessa época, presenciava todas as transformações aquém do poder. José Murilo em seu livro Os bestializados: o Rio de Janeiro e a república que não foi, diz que, “embora proclamado sem a iniciativa popular, o novo regime despertaria entre os excluídos do sistema anterior certo entusiasmo quanto às novas possibilidades de participação” (CARVALHO, 1987. p.12). De fato, este período da história brasileira foi de total conturbação. Nesta época o povo sofria com a falta de um sistema eficiente de saneamento básico e isto desencadeava frequentes epidemias, entre elas, a febre amarela, peste bubônica e varíola. A população carente, de moradias precárias, era a principal vítima destas epidemias. Ao analisar as condições sociais dessa época vê-se claramente que a instabilidade predominava. Já ao final do século XIX, o Rio de Janeiro passa por um crescimento demográfico desenfreado, com um contingente populacional quase que dobrando entre 1872 e 1890, passando de 274 mil habitantes para 522 mil habitantes. Um dos motivos foi a abolição da escravatura, que nos anos anteriores impulsionou um contingente de trabalhadores que buscaram na capital da república um posto de trabalho. O outro fator foi a vinda de muitos estrangeiros oriundos da Europa para tentar uma vida no Brasil, como foi o caso do jornalista Ivã Gragoróvitch Rostolóff, citado por Isaías Caminha no decorrer da narrativa. Nesse ínterim, cresceu o número de pessoas buscando emprego, consequentemente, de desempregados. A economia enfrentou índices inflacionários absurdos, por causa da especulação desenfreada em vários níveis, especialmente terrível para as classes populares. A concepção de um povo “bestializado” surge quando, após a conquista da República, por falta de uma organização política pela sociedade, o poder é dado às pessoas envolvidas com o liberalismo imperial. O termo “bestializados” surge com a Constituição de 1891. O Estado não tinha a obrigação em fornecer educação ao povo e o direito de voto só ser dado àqueles não analfabetos, a grande maioria da população tornou-se excluída da participação na comunidade política. Como foi a primeira vez que o povo viu um modelo de república, houve um descontentamento generalizado, inclusive desejando o retorno da monarquia, devido à simpatia a D. Pedro II e a princesa Isabel. Desse modo, a falta de participação do povo no processo de consolidação da República, fez com que estudiosos chamassem o povo de “bestializado”. E assim são tratados até a Revolta da Vacina, em 1904 em que eclodiu um sentimento tão esperado pela defesa da honra e de seus direitos. Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 2013 , p. 7-11. 8
  9. 9. Dossiê Lima Barreto O Rio de Janeiro no início do século XX: uma narrativa sociológica do desenvolvimento da cidade na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha, de Lima Barreto. Ana Magali Busko e Rafael Lacerda Soares A título de ilustração, há na obra de Lima Barreto a seguinte passagem: Durante três dias a agitação mantevese. Iluminação quase não havia. Na Rua do Ouvidor armavam-se barricadas, cobria-se o pavimento de rolhas para impedir as cargas de cavalaria. As forças eram recebidas a bala e respondiam (...). Da sacada do jornal, eu pude ver os amotinados. Havia a poeira de garotos e moleques; havia o vagabundo, o desordeiro profissional, o pequenoburguês, empregado, caixeiro e estudante; havia emissários de políticos descontentes. Todos se misturavam, afrontavam as balas, unidos pela mesma irritação e pelo mesmo ódio à polícia, onde uns viam o seu inimigo natural e outros o Estado, que não dava a felicidade, a riqueza e a abundância. (BARRETO, 2011, p.265) Isaías Caminha, o protagonista da história, mostra as dificuldades de arrumar emprego e a certo ponto na narrativa é confundido com um ladrão e levado pelo dono do hotel onde residia à cadeia. Pelo fato de a cidade do Rio de Janeiro dessas décadas estar povoada por ladrões, prostitutas, ciganos trapaceiros e gatunos, ele foi obrigado a receber tal tratamento. E recebeu, não somente pelo fato de ser negro, mas também por fatores sociais que o deixaram a míngua pela cidade. Nesse sentido sofre com o desencantamento da cidade e com o preconceito constante. Segundo José Murilo, uma das consequências dessa desordem sociopolítica foi: O acúmulo de pessoas em ocupações mal remuneradas ou sem ocupação fixa. Domésticos, jornaleiros, trabalhadores em ocupações mal definidas chegavam a mais de 100 mil pessoas em 1890 e mais de 200 mil em 1906 e viviam nas tênues fronteiras entre a legalidade e a ilegalidade, às vezes participando simultaneamente de ambas. (CARVALHO, 1987, p.17). Portanto, durante a leitura do romance de Lima Barreto vê-se um jovem, Isaías Caminha, com muitos sonhos e desejos de ser reconhecido como “Um grande homem”. Queria ir para o Rio de Janeiro, obter o reconhecimento de todos em sua volta, da família e dos amigos como “Doutor”. Para ele, era um título mágico, tinha poderes e alcances múltiplos. Estudar na capital era querer ter as regalias e prestígios que somente um diploma pode fornecer. Entretanto, diante do contexto histórico e político seu desencantamento vem sem demora. ntre os esforços de Isaías Caminha na E procura por um emprego, na tentativa de provar sua identidade, é possível refletir a respeito da hipocrisia da sociedade vigente a época, sobre a importância de um diploma para sobreviver naquele período, sobre a miséria ser um empecilho para o sucesso. Carvalho (1987) faz abordagem sobre a participação das camadas inferiores da sociedade, onde se encontrava o desiludido Isaías Caminha, durante o período da Proclamação da República. Segundo o autor, a economia enfrentou índices inflacionários absurdos, por causa da especulação desenfreada em vários níveis, que foi em especial, terrível para as classes populares. É no meio daquele fervilhar de ambições pequenas, de intrigas, de hipocrisia, de ignorância, que Isaías Caminha via todas as coisas majestosas, todas as coisas que ele amara, sendo diminuídas ou desmoralizadas. Conforme enfatiza Isaías Caminha em uma passagem: Queria-me um homem do mundo, sabendo jogar, vestir-se, beber, falar às mulheres; mas as sombras e as nuvens começavam a invadir-me a alma, apesar daquela vida brilhante. Eu sentia bem o falso da minha posição, a minha exceção naquele mundo; sentia também que não Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 2013 , p. 7-11. 9
  10. 10. Dossiê Lima Barreto O Rio de Janeiro no início do século XX: uma narrativa sociológica do desenvolvimento da cidade na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha, de Lima Barreto. Ana Magali Busko e Rafael Lacerda Soares me parecia com nenhum outro, que não era capaz de me soldar a nenhum e que, desajeitado para me adaptar, era incapaz de tomar posição, importância e nome. (BARRETO, 2011, p.295). Conforme citação de Carvalho (1987): “A República que não era cidade, não tinha cidadão”. Além disso, diz o pesquisador, “O povo não se enquadrava nos padrões europeus”. Por essa razão, impossibilitada de ser “A República”, a cidade mantinha suas repúblicas particulares, ou seja, seus núcleos de participação social, nos bairros nas associações, nas irmandades, nos grupos étnicos, nas igrejas, nas festas religiosas e profanas e mesmo nos cortiços e nas rodas de capoeira, que se transformaram, ao longo dos anos, em estruturas comunitárias que não se encaixavam no modelo contratual do liberalismo dominante na política. A despeito disso, pode-se dizer que foi a evolução destas repúblicas, algumas inicialmente discriminadas, que se não perseguidas formou-se a identidade coletiva da cidade. Foram nelas que se aproximaram povo e classe média, foram nelas que se desenhou o rosto real da cidade, longe das preocupações com a imagem que se devia apresentar a Europa. Foram o futebol, o samba e o carnaval que deram ao Rio de Janeiro uma comunidade de sentimentos por cima e além das grandes diferenças sociais que sobreviveram e ainda sobrevivem. Negros livres, ex-escravos, imigrantes, proletários e classe média encontraram nessa resistência o reconhecimento que lhes era negado pela sociedade e pela política, que os marginalizava, restringindo o seu forte apelo cultural. Durante todo esse período a voz das organizações era a imprensa, pois procuravam visibilidade dentro do cenário político carioca. Lima Barreto deixa saliente em sua história o papel do jornal O Globo no palco político, e de fato as folhas cariocas foram de suma importância para o processo democrático. Foram fundados diários das mais variadas vertentes de pensamento para essa expressão. Jornais como o Não Matarás e o Baluarte representavam a Federação Operária do Rio; os anarquistas tinham os jornais: O Despertar, O Protesto, O Golpe, A greve entre outros. Os socialistas tinham o Echo Popular e muitos outros setores das massas procuravam seu lugar ao sol na política brasileira. Além disso, o personagem de Isaías Caminha conta no decorrer do enredo que parte desses jornais já estava corrompida pelos próprios donos do poder e ao analisar a história de muitos jornais cariocas nota-se que não sobreviviam por muitos anos. É dentro desse contexto conturbado da historiografia nacional que Lima Barreto olha a sociedade carioca usando como janela o cotidiano do jornal O Globo que se mistura à sua vida privada. Ele fez de Isaías Caminha o protagonista, e assim aguça a intelectualidade do leitor na tentativa de fazê-lo entender o que foi narrado e sobre os fatos sociais decorridos. Será porque havia uma particularidade no fundo desta narrativa tão rica que explica todo o tema do livro? Pode-se dizer que sim, as relações entre os personagens são por si somente um elemento relevante no romance. E também o são as descrições geográficas, pois neste passeio sensorial pelo Rio de Janeiro do início do século XX criam-se as memórias afetivas, construindo uma moldura para todas as narrativas do enredo, no feixe de ligação entre os personagens, nas suas afinidades, nos seus olhares, nos seus desafetos e rancores, nos seus destinos. Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 2013 , p. 7-11. 10
  11. 11. Dossiê Lima Barreto O Rio de Janeiro no início do século XX: uma narrativa sociológica do desenvolvimento da cidade na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha, de Lima Barreto. Ana Magali Busko e Rafael Lacerda Soares Referências Bibliográficas: BARRETO, Lima. Recordações do escrivão Isaías Caminha. São Paulo: Companhia das Letras, 2011. CARVALHO, José Murilo de. Os bestializados: o Rio de Janeiro e a República que não foi. São Paulo: Companhia das Letras, 1987. HOUAISS, Antonio. Mini Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. São Paulo: Objetiva/ Moderna, 2008. Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 2013 , p. 7-11. 11
  12. 12. Dossiê Lima Barreto Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha Fabiana Nancy da Silva Araújo Thiago Duarte de Oliveira Estudantes de graduação no curso de Sociologia e Política, da Escola de Sociologia e Política de São Paulo Resumo O anarquismo, visto com maus olhos pelo senso comum devida sua fama equivocada de desordem e bagunça, é um pensamento político, social e econômico que contribuiu para a formação da sociedade atual, defendendo em seu cerne os interesses dos proletários, das mulheres, do meio ambiente e de todas as vítimas dos processos de industrialização e das relações de poder, a partir do final do século XIX. As obras do brasileiro Lima Barreto, autor à frente de seu tempo, são marcadas, entre outras coisas, pelo pensamento libertário e de inconformidade com o estado moral e social da época, anteriores à consolidação do pensamento anarquista brasileiro (a partir dos anos 30 do século XX). Começaremos esse trabalho pela tessitura e conceituação dos termos anarquia e anarquismo, explorando suas vertentes e difusão pelo Brasil a partir da abolição da escravatura e formação da classe operária. Posteriormente uma abordagem sobre a vida e obra de Lima Barreto e, em seguida, buscando identificar a presença de insigths anarquistas na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha. Palavras -Chave Anarquismo, Lima Barreto, Literatura brasileira. Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 2013 , p. 12-28. 12
  13. 13. Dossiê Lima Barreto Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha Fabiana Nancy da Silva Araújo e Thiago Duarte de Oliveira Nasce o anarquismo e o movimento anarquista: poder para quê? Contra toda forma de autoridade, totalitarismo, absolutismos, hierarquizações e sistemas que oprimem a liberdade individual, no sentido mais geral e salvo do conceito popular do senso comum, está presente o anarquismo. Woodcock (2002, p. 7) introduz o livro citando uma frase de Sebastien Faure (famoso ativista libertário): “Todo aquele que contesta a autoridade e luta contra ela é um anarquista”. Podemos, segundo ele, considerar o fio condutor de toda história e surgimento do anarquismo essa questão de luta contra a autoridade e que é a doutrina que propõe uma crítica, de certa forma destrutiva para se tornar construtiva, ao estado da sociedade vigente, de forma que o anarquismo como um sistema de filosofia social, visando promover mudanças básicas na estrutura da sociedade e, principalmente – pois esse é o elemento comum a todas as formas de anarquismo – a substituição do estado autoritário por alguma forma de cooperação não governamental entre indivíduos livres (WOODCOCK, 2002, p. 11). Segundo Costa (1980, p. 11), “os anarquistas, (…), têm em mira apenas o indivíduo, sem representantes, sem delegações, produtor, naturalmente em sociedade. Positivamente, eles preconizam uma nova sociedade e indicam alguns meios para isto”. O anarquismo, segundo a definição que Bobbio, Matteucci e Pasquino (1998, p. 23) é uma sociedade, livre de todo domínio político autoritário, na qual o homem se afirmaria apenas através da própria ação exercida livremente num contexto sócio-político em que todos deverão ser livres. Anarquismo significou, portanto, a libertação de todo poder superior, fosse ele de ordem ideológica (religião, doutrinas, políticas, etc.), fosse de ordem política (estrutura administrativa hierarquizada), de ordem econômica (propriedade dos meios de produção), de ordem social (integração em uma classe ou num grupo determinado), ou até em ordem jurídica (a lei). A estes motivos se junta o impulso geral para a liberdade [de onde vem o termo libertarismo]. Começamos este trabalho com a intensão primeira de desconstruir o conceito do senso comum do anarquismo como estado de bagunça, de caos instalado, da natureza humana malévola em si, do terrorismo e de ser o promotor da desordem. Este conceito popular tem uma razão histórica de ser, mas o conceito usado nesse trabalho é, conforme citado por Woodcock (2002, p. 8) “[o anarquista] como um homem que acredita ser preciso que o governo morra para que a liberdade possa viver”. É importante ressaltar que essa diferença causa uma confusão semântica e conceitual das teorias anarquistas com o uso popular do termo; mesmo porque, no surgimento dos termos ‘anarquia’ e ‘anarquismo’ que apareceram na Revolução Francesa de 1789 nos escárnios dos girondinos, principalmente Brissot, e posteriormente mais fortemente pelo Diretório, contra os jacobinos, liderados por Robespierre, acusados de serem detentores da desordem, criminosos hediondos, inimigos das leis, engordados de sangue, entre outros escárnios acusatórios. Posteriormente, pensadores e militantes aguerridos contra o autoritarismo imposto adotaram o nome anarquia, primeiramente o individualista e violento Pierre-Joseph Proudhon, em 1840. Proudhon, inclusive, é o autor da célebre frase “A propriedade é um roubo”, contida em seu livro O que é a propriedade?, (PROUDHON apud WOODCOCK, 2002, p. 10) É importante ressaltar que nem todos Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 2013 , p. 12-28. 13
  14. 14. Dossiê Lima Barreto Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha Fabiana Nancy da Silva Araújo e Thiago Duarte de Oliveira os grandes nomes anarquistas, como, por exemplo, Godwin, Stiner e Tolstói, este último sendo considerado pela crítica mundial um dos maiores escritores anarquista de acordo com Bezerra (2010), se utilizaram do termo em suas informações ante as relações de poder impostas criando, para isso, sistemas antigovernamentais. Mas, pela conceituação que estamos abordando aqui, esses nomes podem ser considerados como anarquistas por estarem alinhados no sentido de irem de encontro ao sistema social vigente e propondo novas formas de organização social e, também, política. O que Proudhon deseja construir, conforme descrito por Woodcock (2002), é uma sociedade reunida em grandes federações de comunas e cooperativas operárias, tendo como base econômica onde indivíduos e pequenos grupos disponham de seus próprios meios de produção e ligados por contratos e permuta de créditos mútuos que asseguraria a todos o produto de seu próprio trabalho. Desse ideal imaginado por Proudhon, surgem correntes de pensamento anarquistas que se diferenciam principalmente pela forma de organização econômica e pelo modo de militância, violenta ou não. Essa vertente de Proudhon, posteriormente adotada por Kropotkin, pode ser chamada de “mutualismo” e “coletivismo” respectivamente, tendo como base a ideia das comunas e cooperativas e a ênfase na ideia da propriedade em mãos de instituições voluntária que assegurariam aos trabalhadores o produto integral de seus trabalhos. Surgira também o anarco-comunismo e, posteriormente, o anarcossindicalismo, duas correntes, por assim dizer, mais focada na situação da classe proletária da época, tendo como principal diferença a forma de manifestação ou métodos revolucionários: esta última se utilizava da não violência e das greves como protesto. No anarco-comunismo seriam abolidos toda forma de propriedade privada e Estado e os trabalhadores tomariam o poder e se utilizariam da democracia direta para todas as decisões políticas. Os anarcossindicalistas acreditavam que a via da atuação nos sindicatos seria uma ferramenta para alterar a sociedade, mudando o capitalismo instalado e o Estado e fundando democraticamente uma nova sociedade, esta autogerida pelos próprios trabalhadores. Há também o anarquismo individualista, onde pensadores e atuantes dessa vertente não acreditam na integridade de nenhuma forma de associação, mesmo cooperativista, exaltando o caráter individual; além dos anarco-pacifistas, representado ilustremente por Tolstói, e que, inclusive, influenciou as ideias de Gandhi, cogitavam a não-resistência. Para eles, sendo contrários a qualquer forma de poder, e acreditando ser a violência também uma forma de poder, eram avessos a tais manifestações. Podemos constatar um perfil próximo ao positivismo em alguns ideais anarquistas, no sentido, conforme citado por Woodcock (2002), de entenderem que existe um progresso no desenvolvimento das sociedades proporcionado, entre outras coisas, pelos avanços científicos e pela questão das sociedades se firmarem quase que naturalmente, conforme descrito por Proudhon apud Woodcock (2002, p. 23) em que as sociedades se desenvolvem “estimuladas pelo progresso das ciências, por novos inventos e pela evolução ininterrupta das ideias cada vez mais elevadas”, onde tais homens não são governados por outros homens, mas em contínua evolução – tal como notado na Natureza. Porém, é com cuidado que nos arriscamos a considerar o anarquismo como Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 2013 , p. 12-28. 14
  15. 15. Dossiê Lima Barreto Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha Fabiana Nancy da Silva Araújo e Thiago Duarte de Oliveira uma vertente progressista, pois, não define tão claramente tal progresso e não define com exatidão um devir. Woodcock (2002, p. 25) menciona que: a maioria dos homens de esquerda do século XIX falavam em progresso. Godwin sonhava com homens que se desenvolveriam indefinidamente, Kropotkin procurava diligentemente estabelecer ligações entre o anarquismo e a evolução e Proudhon chegou a escrever uma Philosophie du Progrés [Filosofia do Progresso]. Já os que se consideravam marxistas, utilizando um anacronismo neste termo, negavam a existência da evolução nos ideais anarquistas, pois, segundo eles, estes ‘flutuavam no ar’ sem nenhuma definição legítima ou concreta dos ideais anarquistas em relação à história. Tais correntes anarquistas foram se espalhando por todo mundo, inclusive para o Brasil, onde se firmou mais claramente a partir das décadas de 30 do século XX, embora anteriormente a esse período já se mostrasse claramente presente na literatura e mídias da época, muitas censuradas pela polícia e pelo governo, mas que contribuíram enormemente para a difusão dos ideais anarquistas. O anarquismo no Brasil: contra as forças produtivas hierarquizadas e a exploração do trabalhador brasileiro “O anarquismo brasileiro, em sua origem não era força hegemônica no movimento operário, como era uma força política poderosa e que estava presente nas lutas operárias de forma intensiva” (DEMINICIUS e FILHO, 2006, p. 23). O pensamento anarquista no Brasil inicia-se junto à formação da classe operária, dada a partir da abolição da escravatura. Surge então o trabalho assalariado que desenvolve lentamente, porém ganhando impulso somente com a imigração. Sendo assim, o proletariado brasileiro é formado não somente por artesões e camponeses, como ocorrera na Europa na transição do feudalismo para o capitalismo, mas, sim, por indivíduos predominantemente estrangeiros. O processo de industrialização no Brasil foi lento e concentrou-se quase que na sua totalidade na região sul do país. Há um aceleramento da industrialização a partir de 1880 provocando assim uma maior demanda por força de trabalho. A partir daí, a imigração cresce ainda mais. A partir de 1890 em São Paulo e Rio de Janeiro a classe operária no Brasil já era formada em sua maioria por imigrantes. Tal como ocorrido na Europa, a industrialização foi sustentada a partir da exploração da mão de obra, assim “o proletariado nascente é vítima de uma exploração intensiva, com condições de vida e trabalho precárias, jornadas de trabalho extensas e uso da forca de trabalho feminina precoce com salários baixos”. (DEMINICIUS e FILHO, 2006, p. 27) Os trabalhadores vivam em condições insalubres, tanto dentro como fora das fábricas, as violências praticadas dentro da fabrica contra mulheres e menores eram constantemente relatadas na imprensa operária. Não havia nenhuma representatividade da classe operária na política institucional, sendo esta vigiada e controlada pelo Estado. As associações tornaram-se cada vez mais urgentes, surgindo às ideias sindicalistas, socialistas e principalmente anarquistas brasileiros. Segundo Deminicis e Filho (2006), grande parte dos imigrantes europeus que vieram pra região de São Paulo e Rio de Janeiro eram italianos, o que explica a hegemonia anarquista no movimento operário brasileiro, devido ao fato de que o movimento operário italiano era marcado Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 2013 , p. 12-28. 15
  16. 16. Dossiê Lima Barreto Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha Fabiana Nancy da Silva Araújo e Thiago Duarte de Oliveira fortemente pelo anarquismo. O anarquismo cumpriu um papel importante na consolidação dos pensamentos sindicalistas no Brasil, tanto a partir da divulgação de suas ideias tanto por passar conhecimento referente às conexões das lutas do passado com as lutas do presente na Europa. O anarquismo no Brasil não se limitou aos sindicatos, manifestações e ações grevistas. Em meados de 1890 a partir da doação de terras feitas por Dom Pedro II é fundada a Colônia Cecília, tentativa de anarquistas de fundar uma comunidade ‘desierarquizada’ onde os meios de produção fossem de todos para todos, e as ações, debatidas entre todos e realizadas sempre de comum acordo. Tudo se resolvia em assembleias abertas, gerais, com a participação dos habitantes da comunidade (...). Não havia donos, superioridades culturais e profissionais nem figuras inferiores dentro da colônia (...). Cada membro da comunidade, adaptado a nova forma de trabalho, lutava lado a lado com seus companheiros, durante o dia de enxada na mão, e, à noite, trocavam ideias, debatiam interesses coletivos, sem esquecer o anarquismo, desafiado a viver na prática. Um homem, ali, valia um homem! (RODRIGUES, 1984 apud DEMINICIUS e FILHO, 2006, p. 35) Os obstáculos encontrados pelos moradores da Colônia Cecília como: as individualidades relacionadas aos valores burgueses e as intempéries naturais que prejudicavam a produção agrícola, não foram suficientes para acabar com a colônia, porém outros fatores externos contribuíram para seu desfecho. Com o fim do império de Dom Pedro II os republicanos passaram a atacar a colônia, cobrando altos impostos e obrigando os colonos a trabalharem cada vez mais, inclusive em fazendas e comunidades vizinhas. O sonho anarquista e sua magnífica experiência tiveram então seu fim – sob o pretexto de procurar um criminoso refugiado, destruíram a colônia. No final do século XIX as associações e movimentos anarquistas cresciam cada vez mais, eles se associavam através de centros de estudos, centros culturais, escolas para alfabetização, grupos por afinidades, etc. Muitas associações se ramificaram: surgiram as associações dos sapateiros, vidraceiros, tecelões, assim o anarquismo passou a ser “a ideia mestra da luta de classes”. (RODRIGUES, 1984 apud DEMINICIUS e FILHO, 2006) Neste período surgem os principais jornais e periódicos anarquistas. O anarcossindicalismo no Brasil desenvolve-se e em 1906 é realizado o primeiro Congresso Operário Brasileiro. Deste congresso resultou na COB (Confederação Operária Brasileira) que colocava como seus objetivos a defesa dos interesses dos trabalhadores, o estudo e a divulgação dos meios de participação, e a produção de um jornal intitulado A voz do trabalhador com o intuito de reunir publicações e informações acerca das questões operárias e denunciar as condições de trabalho em todo o país, neste jornal sob o pseudônimo de Isaias Caminha, Lima Barreto era um dos colaboradores (NASCIMENTO, 2010). Os movimentos grevistas, tendo os anarquistas como os principais idealizadores, foram se desenvolvendo e em 1917 ocorre uma greve geral envolvendo milhares de operários. De longa duração, a greve é marcada por diversos conflitos, confrontos com policiais e mortes. As greves foram difundidas por todo o país, sendo que no Rio de Janeiros cerca de cinquenta mil trabalhadores cruzaram os braços. A greve geral é, sem nenhuma dúvida, uma Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 2013 , p. 12-28. 16
  17. 17. Dossiê Lima Barreto Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha Fabiana Nancy da Silva Araújo e Thiago Duarte de Oliveira arma poderosa nas mãos do proletariado; ela é ou pode ser um modo e a ocasião de desencadear uma revolução social radical. Entretanto, eu me pergunto se a ideia da greve geral não fez mais mal do que bem à causa da revolução. (MALATESTA, 1989, p. 107) Os movimentos operários foram cada vez mais se burocratizando, o Estado antes indiferente às causas operárias passou a interferir através de legislações reguladoras. A partir de 1919 os partidos políticos também passam a interferir, burocratizando ainda mais as associações e os sindicatos. O processo capitalista no Brasil e o aprofundamento das instituições estatais, também contribuíram significativamente para o enfraquecimento dos ideais anarquistas. Lima Barreto: vida e obra asceu em 13 de Maio de 1881, Afonso N Henriques de Lima Barreto, neto de uma negra escrava liberta e de um português que nunca reconheceu seu pai, sua mãe também era mulata. Lima nasceu sobre um “signo ruim”, numa sextafeira 13 no dia de Nossa Senhora dos Martírios, assim, continua BASTOS (2010) “o martírio de Lima parece advir mais da época e local de nascimento (a retrógada sociedade brasileira de fins do século 19) que da data supostamente agourenta em que por acaso se deu”. O pai de Lima era tipógrafo e sua mãe professora primaria, seu pai não media esforços para sustentar os filhos trabalhando dia e noite, era muito preocupado com a educação formal, já que não conseguiu realizar seu sonho de ser medico devido à necessidade de trabalhar para custear os gastos com a família, se esforçava para que seus filhos, em especial seu primogênito Affonso, se tornasse doutor e não passasse por todas as humilhações e privações as quais passou. ona Amália, mãe de Lima Barreto D morreu quando ele tinha apenas sete anos, vitima de tuberculose. “A morte de Amália há de descer como uma sombra no coração do filho mais velho. Sombra que nunca mais se dissipará”. (BARBOSA, 2002, p. 50) ima guardou pra sempre a imagem da L mãe morta, boa parte de sua revolta, violência e descrença no mundo virá da imensa tristeza que sempre o assombrará a partir desse triste episodio de sua vida. Talvez pela vida dura sem os carinhos de sua mãe e pelo peso de ser o irmão mais velho, Lima Barreto sempre “reagira com extremada violência, antes as injustiças do mundo e as incompreensões das pessoas quo o cercam, com violência às vezes desmedida e inconsequente”. (BARBOSA, 2002, p. 61) pós a morte de sua mãe vai para escola A pública, sendo sempre um aluno aplicado. Em 13 de Maio de 1888, dia do seu aniversario de sete anos ocorreu a abolição da escravatura, fato esse que passou despercebido, pois conforme Barbosa (2002), sendo um morador do Rio de Janeiro onde os escravos já rareavam, Lima Barreto nunca conheceu um escravo e desta forma não imaginava ser a escravidão uma “instituição vexatória” de “aspectos hediondos”. Sempre bom aluno e contando com o incentivo do seu pai, Lima conquistou boas notas na escola unindo seu desejo de estudar e o sonho do pai de vê-lo na Escola Politécnica. nfim em março de 1897, Affonso E Henriques Lima Barreto era estudante da Escola Politécnica. Porém, era incapaz de se interessar por assuntos que não gostava e cada vez mais, foi mostrando que o fato de estudar na Escola Politécnica dava-se mais pelo desejo de seu pai do que por sua vontade, ele era um amante da filosofia e não conseguia ocupar sua cabeça com teoremas e Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 2013 , p. 12-28. 17
  18. 18. Dossiê Lima Barreto Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha Fabiana Nancy da Silva Araújo e Thiago Duarte de Oliveira conjugados, desta forma, e além das perseguições sofridas por um dos professores e a loucura de seu pai que o levou a se ver obrigado a assumir a função de arrimo de família, não tardou para que reprovasse em diversas matérias de exatas e fosse obrigado a abandonar a Politécnica. Em 1903 após prestar concurso público foi nomeado a um cargo na Secretaria da Guerra. Lima chega a fundar uma revista Floreal a qual , permitia liberar ainda mais seus desejos de ser escritor/jornalista, nesta revista chegou a publicar dois capítulos do futuro livro Recordações do escrivão Isaías Caminha. Porém a revista não passa da quarta edição e tomado por sentimento de tristeza e depressão, passa a buscar na bebida alivio para seus tormentos. esde a época da Politécnica, Lima Barreto D já demonstrava sua inclinação aos pensamentos libertários e progressistas, havia sido colaborador de um periódico chamado A Lanterna que se intitulava de “órgão oficioso da mocidade de nossas escolas superiores” (BARBOSA, 2002, p. 106), ali neste jornal já despejava sua revolta contra as instituições, contra os professores e contra seus colegas, dos quais, praticavam comportamentos preconceituosos em relação a ele. Consegue publicar sua primeira obra literária Recordações... em Portugal devido a não ter localizado no Brasil quem a quisesse publicar, a partir daí, dado o conteúdo pessoal do livro e suas referências a figuras importantes da cena jornalista da época, seu caráter denunciante e desmoralizante acerca dos acontecimentos e pessoas, Lima já discriminado pela sua condição de mulato e pobre, passa a ser também um autor não quisto. omo já dito anteriormente, por volta de C 1900 através dos imigrantes italianos, chega ao país os ideais anarquistas, que contribuíram para o inicio de publicações tanto de romances quanto de contos com conteúdo social (BARBOSA, 2002). Lima Barreto revelou simpatia pelo anarquismo em vários dos seus artigos, crônicas, romances e ensaios. Em Palavras de um snob anarquista, publicado em 1913, em A Voz do trabalhador, tenta mostrar plausibilidade dessa teoria política, no contexto social brasileiro, contrário aos grandes jornais, que a consideravam um movimento alienígena, sem raízes na ‘cultura brasileira’. Entre os vários títulos encontrados na biblioteca do autor, destacam-se as obras de Hamon, Ethz Bacher, Max Nordou, Malatesta, Elisée Reclus e, principalmente, Kropotkin. Suas fontes documentais dão conta da afinidade de Lima Barreto com o pensamento anarquista, através da utilização marcante das chamadas linguagens negadoras: paródia, ironia, sátira, etc. (DEMINICIS e FILHO, 2006 p. 147) Além de Recordações... Lima escreveu simultaneamente Morte de M.J. Gonzaga de Sá e logo adiante sua mais famosa obra O triste fim de Policarpo Quaresma, segundo o documentário da TV Escola Lima Barreto – Vida e obra, só a partir de seus escritos é que a figura do pobre e do suburbano passa a existir no espaço elegante e nobre da literatura. Nas suas obras ele retrata temas como, preconceito, discriminação das mulheres, ecologia, desfiguração da paisagem, mostrando-se um escritor à frente do seu tempo, de modo que nos dias atuais podemos verificar facilmente a atualidade de suas obras. Em 1911 seus três principais livros já estão publicados, os problemas com a bebida aumentam e assim pode-se traçar o começo de um declínio na sua produção literária. A falta de estimulo e a hostilidade do ambiente, aliados ao forte complexo e a uma serie de outros fatores, dos quais não deve ser esquecido o da tragédia doméstica, transformaria o adolescente cheio de sonhos num pobre homem, viciado no álcool, que lhe consome Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 2013 , p. 12-28. 18
  19. 19. Dossiê Lima Barreto Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha Fabiana Nancy da Silva Araújo e Thiago Duarte de Oliveira não somente a saúde, como em grande parte lhe sacrifica a carreira de escritor. (BARBOSA, 2002, p. 223) O uso exagerado da bebida matou Lima lentamente, passava dias nas ruas, não se alimentava, não tardou a começar a apresentar sinais físicos de seus abusos. (BARBOSA, 2002). Em 1914 ocorre sua primeira internação num hospício por causa de alucinações derivadas do excesso de bebidas. Por volta de 1917 passa a contribuir mais ainda com o movimento anarquista, seus pensamentos libertários se expandiam, saiam cada vez mais da obra literária e “embora sem participar da ação direta, dá ao movimento, que cresce a olhos vistos, o melhor do seu esforço de escritor e jornalista” (BARBOSA, 2002, p. 268), o medo de perder seu emprego público não o atormenta mais, seus irmãos já eram adultos e trabalhavam tendo possibilidades de participar do custeio da casa e cuidar também de seu pai, há tempos, entregue a loucura. Assim, seus anseios de participar da luta social cresceram. Passa a denunciar tudo ferozmente, contribui ainda mais para a imprensa anarquista. Através desse sentimento de liberdade que o toma entrega-se cada vez mais a bebida, é internado novamente em 1919, continua contribuindo com a imprensa operária e devido a suas insanidades, é aposentado do serviço público. Após a aposentadoria, passa a escrever para diversos jornais: Careta, A.B.C., Hoje, Tio-Jornal entre outros. “Nos últimos anos, como em toda a vida, Lima Barreto permanece fiel à sua vocação de escritor. Ao mesmo tempo em que luta para se libertar do vicio que o degrada, agarra-se à literatura como a um resto de náufrago” (BARBOSA, 2002, p. 320). Lima Barreto foi vencido pelo alcoolismo e consequentemente pela doença, passou seus últimos momentos em casa, recluso, sem poder sair, sem poder praticar suas andanças pela cidade nem compartilhar da companhia das pessoas simples as quais tanto gostava. Morreu em 1° de novembro de 1922 no seu quarto em meio aos seus livros e suas últimas palavras foram perguntar se seu pai estava bem, estava sentado abraçado a uma revista francesa. Seu velório foi disputado por “gente desconhecida dos subúrbios. Amigos humildes.” (BARBOSA, 2002 p. 358) No seu leito de moribundo, João Henriques sentira que qualquer coisa diferente ocorrera na casa. Como que recobrando a razão por um instante, perguntara à filha, no dia seguinte: Que foi que aconteceu? Afonso morreu? Evangelina procurou acalmá-lo, mas em vão. João Henriques tinha os olhos secos e duros. Logo depois, entrava em agonia. Nada mais restava a esperar... Morreu quarenta e oito horas depois do filho. Foi enterrado na mesma campa. E, no túmulo humilde, eles repousam para sempre, novamente unidos, na morte como na vida. (BARBOSA, 2002, p. 360) Ideais anarquistas na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha Tendo em vista que os ideais básicos da anarquia, conforme aqui conceituado, seja a liberdade individual como garantia indispensável para qualquer sociedade, e que muitos pensadores do anarquismo são aguerridos e munidos de críticas contra o status quo, alguns até mesmo com o pensamento de que se é preciso ‘destruir’ o estado atual da sociedade para se construir um novo estado, e entendendo também Lima Barreto como um artista literário dotado de tais características (BEZERRA, 2010), podem-se notar na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha a presença de algumas passagens que, ao nosso olhar, mesmo que sutilmente, perpassa pelas questões Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 2013 , p. 12-28. 19
  20. 20. Dossiê Lima Barreto Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha Fabiana Nancy da Silva Araújo e Thiago Duarte de Oliveira anarquistas. Em alguns trechos Lima Barreto, na voz da personagem Isaías Caminha, deixa claro seu pensamento de inconformismo perante as injustiças que ele presencia, algumas vezes justificando suas causas pelas relações exacerbadas de poder, rebeldia às leis e traços de personalidade que demonstram forte senso crítico. Outra característica importante a ser observada na obra, conforme explorado por Bezerra (2010, p. 90), é a forma literária do autor. Segundo ela, é necessário mostrar (…) [que] as ideias anarquistas e os problemas sociais da jovem República, foram filtrados pela visão do artista e se configuram na estrutura narrativa de sua obra, tornandose muito mais relevantes como elementos estéticos do que como simples fatos sociais. Bezerra (2010, p. 93) também afirma que essa liberdade, essa rebeldia diante das leis, é um traço recorrente na obra de Lima Barreto, provavelmente consequência de sua simpatia pelas ideias anarquistas. Essa atitude não se limita à estética, como já se observa; trilha praticamente toda a vida do artista e acaba por se refletir em sua obra, principalmente em Recordações do escrivão Isaías Caminha. Lima Barreto inicia sua narrativa observando como foi a infância de Isaías Caminha. Ele se tornou um homem intelectualizando, comparando a simplicidade de sua mãe, sendo que esta não conseguia explicar as grandes coisas do mundo, com o sacerdócio e bom manejo das palavras de seu pai, dando a causa dessa característica como sendo os estudos. Seu pai também lhe contara certa vez sobre as aventuras do grande homem que fora Napoleão, arregalando-se os olhos e admirando-se pela postura desse grande guerreiro. Com a ideia de se tornar um homem também intelectualizado, e movido também por um senso competitivo contra seu amigo de sala, menos intelectualizado, mas que se deu bem indo estudar no Rio de Janeiro, Isaías pede conselho a algumas pessoas, dentre elas o Tio Valentim. Importante ressaltar que o Tio Valentim era um antigo militante do Partido Liberal, ele sempre contava ao Isaías suas “façanhas, bravatas portentosas, levadas a cabo, pelos tempos que fora, nas eleições, esteio ao Partido Liberal” BARRETO (2010, p. 72). O Partido Liberal foi um partido político brasileiro do Período Imperial, tinha como bandeira a não simpatização do regime absolutista. Eram contrários às ideias do Partido Conservador no modo de lidar com a realidade social. Embora defendendo o monarquismo, foi umas das primeiras instituições contrárias às ideias absolutistas centralizadoras e conservadoras do poder nacional. É interessante notar também que, de acordo com Barbosa (2002), o pai de Lima Barreto era um dos colaboradores do Partido Liberal. Há esta evidência de que o Tio Valentim seria a figura do pai de Lima Barreto, mas que na narrativa se tornou o tio de Isaías. Resolvendo tentar a vida no Rio, Isaías embarca no trem, onde sofre seu primeiro ato de preconceito. Sem saber exatamente a causa, se indigna com a situação, causando-lhe espanto e iniciando suas críticas posteriores. Lá conhece Laje da Silva, que será importante em sua estadia no Rio. Este o convida para os lazeres que a vida carioca pode proporcionar. No botequim do teatro, Raul Gusmão pronuncia uma frase que fica marcada na mente de Isaías, uma frase que demonstra certa inquietude ante o rebuscamento efêmero das castas mais altas em prol de uma liberdade que só se encontra na Natureza: Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 2013 , p. 12-28. 20
  21. 21. Dossiê Lima Barreto Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha Fabiana Nancy da Silva Araújo e Thiago Duarte de Oliveira Os antigos bebiam pérolas dissolvidas em vinagre. Não eram lá de gosto muito fino e a extravagância nada significativa. Eu bebo a verde esmeralda sadia, emblema da mater Natureza, num copo de xerez. Em vez de pérola mórbida, doença de um marisco, no acre vinagre, bebo o verde dos prados, a magnífica coma das palmeiras, o perfume das flores, tudo que o verde lembra da grande mãe augusta! (BARRETO, 2010, p. 86) Após alguns acontecimentos, dentre eles, a ida ao tribunal em busca do doutor Castro e o encontro com o Senador Carvalho no bonde, Isaías demostra apreço pelo que ele idealiza que seja a profissão de legislador, homens enormemente capacitados em julgar e determinar leis que sejam úteis e benéficas para todos. Posteriormente se indigna com a frieza e indiferença desses homens em seus ofícios e ante os problemas sociais que eles lidam todos os dias. Conhece então o doutor Ivã Gregoróvitch Rostóloff, personagem que terá importância na narrativa. Gregoróvitch na história é um jornalista amigo de Laje da Silva. Em nota de rodapé da edição utilizada neste trabalho (BARRETO, 2010, p. 100, nota 21), este jornalista na vida real corresponderia ao Mario Cattaruzza, jornalista italiano radicado no Brasil e que fundou, “junto com Vitalino Rotteline, o jornal anarquista Il Fanfula, fechado pela polícia no ano seguinte”. Em determinado momento, após esse encontro e estando sozinho subindo a rua, se sente de todo indiferente ante dois fatos. O primeiro a indiferença diante das vitrinas das lojas, onde criticou em seus pensamentos a petulância e a efemeridade dos artigos à venda: (…) As botinas, os chapéus petulantes, o linho das roupas brancas, as gravatas ligeiras, pareciam-me dizer: ‘Vesteme, ó idiota! nós somos a civilização, a honestidade, a consideração, a beleza e o saber. Sem nós não há nada disso; nós somos, além de tudo, a majestade e o domínio!’ (BARRETO, 2010, p. 103) A segunda, a passagem do exército pela rua, como demonstrado do seguinte trecho, também se faz como uma característica que demonstra fortemente a presença de um pensamento anarquista do autor no sentido de ser indiferente ante as forças armadas como forma de estabelecer relações de poder: Era talvez a primeira vez que eu vi a força armada do meu país. Dela, só tinha até então vagas notícias. Uma, quando encontrei, num portal de uma venda, semiembriagado civil e militar, um velho soldado; a outra, quando vi a viúva do general Bernardes receber na Coletoria um conto e tanto de pensões e vários títulos, que lhe deixara o marido, um plácido general que envelhecera em várias comissões pacíficas e bem retribuídas… O batalhão passou de todo; e até a própria bandeira que passara me deixou perfeitamente indiferente… (BARRETO, 2010, p. 104) Conforme vai decorrendo a história, após as tentativas frustradas de encontrar o doutor Castro, e no receio de acabar seu dinheiro, Isaías, ao conversar com Laje da Silva, questiona sobre o que é o jogo do bicho. Laje então, pelo diálogo travado, se posiciona contra a forma da polícia agir, julgando-a como executora de vinganças. A polícia havia lhe pregado uma cilada, colocando notas falsas em seu chapéu. Sua posição fica clara de denúncia contra as autoridades, conforme diálogo a seguir: Isaías: – Foi preso? Laje: – Preso, só?! Fui esbordoado, metido numa enxovia, gastei dinheiro… O diabo! E sabe por que tudo isso? Isaías: – Não. Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 2013 , p. 12-28. 21
  22. 22. Dossiê Lima Barreto Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha Fabiana Nancy da Silva Araújo e Thiago Duarte de Oliveira Laje: – Porque eu apoiava a oposição lá no meu município… É isto a polícia, no Brasil… Eu posso falar: sou brasileiro… A polícia no Brasil só serve para exercer vinganças, e mais nada. (BARRETO, 2010, p. 115) Após descobrir em uma notícia que o doutor Castro, que tanto ele procurava, não estaria mais na cidade, começa a despertar em Isaías um enorme sentimento de revolta contra todos os joguetes que os homens poderosos fazem as pessoas humildes passarem. Barreto (2010, p. 122) cita um trecho bastante significativo e que vão ao encontro dos ideais anarquistas, é um momento que sofre um safanão de um sujeito e começa a refletir: Esse incidente fez-me voltar de novo aos meus pensamentos amargos, ao ódio já sopitado, ao sentimento de opressão da sociedade inteira… Até hoje não me esqueci desse episódio insignificante que veio reacender na minha alma o desejo feroz de reinvindicação. Senti-me humilhado, esmagado, enfraquecido por uma vida de estudo, a servir de joguete, de irrisão a esses poderosos todos por aí. Hoje que sou um tanto letrado sei que Stendhal dissera que são esses momentos que fazem os Robespierres. O nome não me veio à memória, mas foi isso que eu desejei chegar a ser um dia. de vingança pelo que estaria prestes a acontecer. Naquele dia, quebrou sua rotina, o que teria provocado posteriormente a intimação por suspeita de roubo. Saiu de casa mais cedo na tentativa frustrada de encontrar o doutor Castro. Na volta, foi almoçar com seu amigo Gregoróvitch. Nesse encontro, passou a conhecer-lhe mais. Gregoróvitch “tinha cinqüenta anos e sentia-se absolutamente sem pátria, livre de todas as tiranias morais e psicológicas que essa nação contém em si” (BARRETO, 2010, p. 124). Essa passagem demonstra a característica anarquista do amigo de Isaías. Em outro trecho, Isaías, comentando sua admiração pelo recente amigo, cita que ele fezlhe “notar que era preciso difundir na consciência coletiva um ideal de força, de vigor, de violência mesmo, destinado a corrigir a doçura nativa de todos nós” (BARRETO, 2010, p. 125). Podemos notar que, a partir daqui, muitas das ideias libertárias de Isaías foram de todo incitadas pelas conversas com Gregoróvitch. A figura de Robespierre aparece aqui como sendo uma imagem a ser atingida pelos anseios de Isaías, uma figura de liderança em prol das causas populares e que no cerne da Revolução Francesa fora acusado de anarquista por Brissot e pelo Diretório, conforme mencionado por Woodcock (2002). Uma figura de inconformidade contra as causas absolutistas e de luta pelos seus ideais. Na delegacia, sofre um ato discriminatório pela sua cor. Isaías, escrevendo essas memórias, lembra-se com muita dor desse e de outros acontecimentos e discerne os fatos que o levaram a ter pensamentos de tais maneiras. Nessa ocasião, ficou indignado ante o descompasso que um homem, representante das autoridades e do governo, do que tinha de certa forma poder legitimado e que deveria ter consciência jurídica de seus direitos, agirem dessa forma. Após uma pequena discussão, sem motivos para isso, Isaías é preso a mando do delegado, injustamente. Todo seu pensamento de patriotismo, recém-erguido por seu amigo, se desfaz. Pensou ironicamente: “A pátria!”. Ao final do capítulo IV, em reflexões que não deixa claro quem está falando, Lima Barreto ou Isaías Caminha, deixa evidentes seus desejos atuais Lima Barreto mistura reflexões pessoais com as reflexões da personagem ao longo da obra. Ele, enquanto Lima Barreto, critica os literatos Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 2013 , p. 12-28. 22
  23. 23. Dossiê Lima Barreto Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha Fabiana Nancy da Silva Araújo e Thiago Duarte de Oliveira dos jornais. Justifica-se escrevendo para denunciar os problemas porque passou e tenta inaugurar uma nova forma de escrita, se desvencilhando das normas padrões de beleza e se utilizando de uma forma acessível para todos. Entre suas obras favoritas, Barreto (2010, p. 137) menciona a obra A Guerra e a Paz, de Tolstói, uma importante obra em formato de romance que analisa as estruturas aristocráticas russas. Após ter saída da delegacia, Isaías, absorto em pensamentos e reflexões, se demonstra injuriado e encalacrado ante os acontecimentos, não consegue se conformar com os acontecimentos recentes, não entende porque ele, uma pessoa tão aplicada aos estudos e com anseios morais tão nobres pudesse sofre tantas injustiças daquela forma. “O que me fazia combalido, o que me desanimava eram as malhas de desdém, de escárnio, de condenação em que me sentia preso”, “(...) na delegacia, na atitude do delegado, numa frase meio dita, num olhar, eu sentia que a gente que me cercava, me tinha numa conta inferior” (BARRETO, 2010, p. 141) e (...) Aquele meu fervor primeiro tinha sido substituído por uma apatia superior a mim. Tudo me parecia acima de minhas forças, tudo me parecia impossível; e que não era eu propriamente que não podia fazer isso ou aquilo, mas eram todos os outros que não queriam, contra a vontade dos quais a minha era insuficiente e débil. (BARRETO, 2010, p. 149). Nota-se que a partir desse momento começam a surgir no protagonista esses sentimentos de inconformidade com o que está posto e começa a ter insights de revoltas e pensamentos de crítica ante o sistema. Posteriormente conhece o Abelardo Leiva, do qual passa a ter muita afinidade e admiração pelos seus pensamentos de poeta e revolucionário. Em nota de rodapé: A descrição e características físicas e da personalidade de Leiva se aproxima da de Luiz Edmundo que, na juventude, freqüentava a mesma roda da Café Papagaio, no centro do Rio, junto com Lima Barreto. Os amigos de Leiva reúnem características de outros jovens iconoclastas, grupo apelidado de ‘Esplendor dos amanuenses’, que mesclavam ideias anarquistas e positivistas, aos quais se associam também alguns poetas simbolistas. (BARRETO, 2010, p. 150, nota 31) A passagem a seguir sugere um perfil anarcomunista do amigo de Isaías, munido de ideias revolucionárias e socialistas: Como revolucionário, dizia-se socialista adiantado, apoiando-se nas prédicas e brochuras do senhor Teixeira Mendes, lendo também formidáveis folhetos de capa vermelha, e era secretário do Centro de Resistência dos Varredores de Rua. Vivia pobremente, curtindo misérias e lendo, entre duas refeições afastadas, as suas obras prediletas e enchendo a cidade com os longos passos de homem de grandes pernas. (BARRETO, 2010, p. 151) Em outras passagens onde Isaías Caminha e seu amigo Leiva conversam, sempre fica claro a presença de ideias revolucionárias e convergentes aos tipos de anarquismo e, algumas vezes, o socialismo. Em um diálogo travado entre Agostinho e Leiva, Agostinho se admira e se questiona sobre essa nova ordem social proposto por Leiva e este com seu argumento demonstra que a realidade é um espaço de exploração do homem da massa pelo homem detentor do poder, alienando àqueles uma falsa felicidade: Agostinho: – Mas o senhor o que quer é desordem, é anarquia, é extinção da ordem social... Leiva: – Mas é isso mesmo, não quero Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 2013 , p. 12-28. 23
  24. 24. Dossiê Lima Barreto Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha Fabiana Nancy da Silva Araújo e Thiago Duarte de Oliveira outra coisa! Pois o senhor acha justo que esses senhores gordos, que andam por aí, gastem numa hora com as mulheres, com as filhas e com as amantes, o que bastava para fazer viver famílias inteiras? O senhor não vê que a pátria não é mais do que a exploração de uma minoria, ligada entre si, estreitamente ligada, em virtude dessa mesma exploração, e que domina fazendo crer à massa que trabalha para a felicidade dela? O público ainda não entrou nos mistérios da religião da pátria... Ah! quando ele entrar! (BARRETO, 2010, p. 156 e 157) No trecho seguinte, Leiva, aos moldes proposto por Proudhon apud Woodcock (2002), no pensamento anarquista, na questão da não necessidade do Estado para governar a vida social, pois, tal como acontece com os outros seres sociais da Natureza, a raça humana tende a uma vida social tão natural quanto por si só, exclama: Leiva: – Não há na natureza nada que se pareça com a nossa sociedade governada pelo Estado... Observe o senhor que todas as sociedades animais se governam por leis para as quais elas não colaboraram, são como preexistentes a elas, independentes de sua vontade; e só nós inventamos esse absurdo de fazer leis para nós mesmos – leis que, em última análise, não são mais que a expressão da vontade, dos caprichos, dos interesses de uma minoria insignificante... No nosso corpo há uma multidão de organismos, todos eles se interdependem, mas vivem autonomamente sem serem propriamente governados por nenhum, e o equilíbrio se faz por isso mesmo... O sistema solar... Na natureza, todo o equilíbrio se obtém pela ação livre de cada uma das forças particulares... (...) Leiva: – Eu quero a confusão geral, para que a ordem natural surja triunfante e vitoriosa! (BARRETO, 2010, p. 157) Quando Isaías já se encontra trabalhando em O Globo, a convite de seu amigo Gregoróvitch, sempre fica muito claro suas críticas ante a imprensa e as relações de poder que se encontra dentro e fora dela. Esse fato fica claro na passagem a seguir, quando Leiva dialoga com Plínio de Andrade, suposto pseudônimo do próprio Lima Barreto: Plínio: – (…) A imprensa! Que quadrilha! (…) Nada há nada tão parecido como o pirata antigo e o jornalista moderno: a mesma fraqueza de meios, servida por uma coragem de salteador; conhecimentos elementares do instrumento que lançam mão e um olhar seguro, uma adivinhação, um faro para achar a presa e uma insensibilidade, uma ausência de senso moral de toda a prova… E assim dominam tudo, aterram, fazem que todas as manifestações de nossa vida coletiva dependam do assentimento e da sua aprovação… Todos nós temos que nos submeter a eles, adulá-los, chama-los gênios, embora inteiramente os sintamos ignorantes, parvos, imorais e bestas… (…) E como eles aproveitam esse poder que lhes dá a fatal estupidez das multidões! (…) trabalham para a seleção de mediocridades. (…) Plínio: – (…) hoje, é a mais tirânica manifestação do capitalismo e a mais terrível também… É um poder vago, sutil, impessoal, que só poucas inteligências podem colher-lhe a força e a essencial ausência da mais elementar moralidade, dos mais rudimentares sentimentos de justiça e honestidade! São grandes empresas, propriedade de venturosos donos, destinadas a lhes dar o domínio sobre as massas, em cuja linguagem falam, e a cuja inferioridade mental vão ao encontro, conduzindo os governos, os caracteres para os seus desejos inferiores, para os atrozes lucros burgueses… Não é fácil a um indivíduo qualquer, pobre, cheio de grandes ideias, fundar um que os combata… Há necessidade de dinheiro; são precisos, portanto, capitalistas que determinem e imponham o que deve fazer Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 2013 , p. 12-28. 24
  25. 25. Dossiê Lima Barreto Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha Fabiana Nancy da Silva Araújo e Thiago Duarte de Oliveira num jornal… (…) (BARRETO, 2010, p. 163, 164 e 165) Em certo momento, Isaías faz uma crítica à imprensa: “era a imprensa, a onipotente imprensa, o quarto poder fora da Constituição!” (BARRETO, 2010, p. 193) Questionando ainda mais, posteriormente, as relações de poder dentro do jornal e suas relações com os funcionários, adotando uma crítica contrária às formas de subordinação e segregação, Isaías afirma: No jornal, o diretor é uma espécie de senhor feudal a quem todos prestam vassalagem e juramento de inteira dependência: são seus homens. As suas festas são festas do feudo a que todos têm obrigação a se associar; os seus ódios são ódios de suserano, que devem ser compartilhados por todos os vassalos, vilões ou não. (…) Não há repartição, casa de negócio em que a hierarquia seja mais ferozmente tirânica. O redator despreza o repórter; o repórter, o revisor; este, por sua vez, o tipógrafo, o impressor, os caixeiros do balcão. A separação é a mais nítida possível e o sentimento de superioridade, de uns para os outros, é palpável, perfeitamente palpável. O diretor é um deus inacessível, caprichoso, espécie de Tupã ou de Júpiter Tonante, cujo menor gesto faz todo o jornal tremer. (BARRETO, 2010, p. 244) No decorrer da história, acontece um fato inusitado, a Guerra do Sapato, apontado pelo comentarista dessa edição como sendo uma paráfrase da Revolta Contra a Vacina Obrigatória de 1904 (BARRETO, 2010, p. 265, nota 99). Em determinada passagem, fica claro o furor da sociedade contra as imposições do governo, ressaltando o perfil anarquista de combate às leis e autoridades. Isso fica claro nas duas passagens: A irritação do espírito popular que eu tinha observado na minha própria casa não me fez pensar nem temer. Julguei-a especial àqueles a quem tocava e nunca que aquelas observações ingênuas se tivessem transformado em grito de guerra, em amuleto excitador para multidão toda. (BARRETO, 2010, p. 263) Todos se misturavam, afrontavam as balas, unidos pela mesma irritação e pelo mesmo ódio à polícia, onde uns viam o seu inimigo natural e outros o Estado, que não dava a felicidade, a riqueza e a abundância. (BARRETO, 2010, p. 265) Então, quase no fim do romance notamos mais dois trechos que nos remetem aos ideais anarquistas, a primeiro parafraseado os escritos de Tolstói (BEZERRA, 2010) ao considerar o impulso de luta pelo amor – e não pelo ódio – e posteriormente no sentimento de Isaías de que realmente apenas a oposição e o emprego da violência, observados pela personagem Leiva anteriormente, é capaz de tirar as pessoas de seus estados alienados de bondade, que deixa cega todo sentido de liberdade: (…) fiquei animado, como ainda estou, a contradizer tão malignas e infames opiniões, seja em que terreno for, com obras sentidas e pensadas, que imagino ter força para realizá-la, não pelo talento, que julgo não ser muito grande em mim, mas pela sinceridade da minha revolta que vem bem do Amor e não do Ódio, como podem supor. (BARRETO, 2010, p. 288) Na delegacia, a minha vontade era rir-me de satisfação, de orgulho, de ter sentido por fim que, no mundo, é preciso o emprego da violência, do murro, do soco, para impedir que os maus e os covardes não nos esmaguem de todo. Até ali, tinha sido eu a doçura em pessoa, a bondade, a timidez e vi bem que não podia, não devia e não queria ser mais assim pelo resto de meus dias em fora. Ria-me, pois tive vontade de rir-me, por ter descoberto uma coisa que ninguém Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 2013 , p. 12-28. 25
  26. 26. Dossiê Lima Barreto Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha Fabiana Nancy da Silva Araújo e Thiago Duarte de Oliveira ignora. Felizmente não foi tarde… (BARRETO, 2010, p. 289). Conclusão Este trabalho teve como objetivo investigar a presença de resquícios literários que se remetam ou refletem o início da construção do pensamento anarquista no Brasil no início do século XX, mais especificamente na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha, de Lima Barreto. Embora suas obras posteriores como Triste fim de Policarpo Quaresma, ou mesmo os folhetins publicados por Lima Barreto em jornais considerados anarquistas da época apresentem elementos figurados do pensamento anarquista mais evidente, tal como citado por BEZERRA (2010), nota-se que na obra analisada há, mesmo timidamente, trechos, ideias e passagens que remetem ao pensamento libertário do autor na obra analisada. Começamos a conceituar os termos anarquismo e anarquia, explanamos seu surgimento e desenvolvimento na Europa, mostramos brevemente como a anarquia se firmou no Brasil, mostramos resumidamente a vida e obra de Lima Barreto e suas relações com o anarquismo e finalmente investigamos na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha a presença de passagens que se remete ao pensamento anarquista de Lima Barreto. É necessário, todavia, deixar claro que não se pode afirmar categoricamente que Lima Barreto era um anarquista, mas é evidente que, até mesmo pelas circunstâncias históricas da época e de sua história de vida (fortemente marcada pelo preconceito e pela luta e crítica contra o status quo), suas obras transparecem o pensamento libertário, muitas vezes pela vertente do anarco-comunismo. A obra analisada ainda é tímida nesse sentido, mas julgamos rico tornar evidente em que momentos da história de Isaías o anarquismo se mostra presente. Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 2013 , p. 12-28. 26
  27. 27. Dossiê Lima Barreto Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha Fabiana Nancy da Silva Araújo e Thiago Duarte de Oliveira Referências Bibliográficas: BARBOSA, Francisco de Assis. A vida de Lima Barreto. Rio de Janeiro, RJ: José Olympio Editora, 2003. BARRETO, Afonso Henriques de Lima. Recordações do escrivão Isaías Caminha. São Paulo, SP: Editora Penguin & Companhia das Letras, 2010. BASTOS, Winter. O Libertário Lima Barreto. Blog Expressão Liberta. 2010. http://expressaoliberta.blogspot.com.br/2010/02/o-libertario-lima-barreto.html Disponível em 14/11/2012. BEZERRA, Jane Mary Cunha. Lima Barreto: anarquismo, antipatriotismo e forma literária. 2010. 129 f. Dissertação de mestrado (pós-graduação em Letras) – Universidade Federal do Ceará: Fortaleza, CE, 2010. BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola e PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de política. Volumes 1 e 2. Brasília, DF: Editora UnB, 1998. COSTA, Túlio Caio. O que é anarquismo? São Paulo: Editora Brasiliense, 1980. DEMINICIS, Rafael Borges e FILHO, Daniel Aarão (orgs.). História do anarquismo no Brasil. Volumes 1. Niterói, RJ: Editora da Universidade Federal Fluminense, 2006. DULLES, John W. Foster. Anarquistas e comunistas no Brasil (1900-1930). Coleção-Brasil Século 20. Rio de Janeiro, RJ: Editora Nova Fronteira, 1977. FUNDAÇÃO BIBLIOTECA NACIONAL, Ministério da Cultura. Diário Íntimo – Lima Barreto. Versão para ebook. Site: http://www.ebooksbrasil.org/eLibris/intimo.html Disponível em 16/11/2012. MALATESTA, Errico. Escritos revolucionários. Brasília, DF: Novos Tempos Editora, 1989. NASCIMENTO, Rogério Humberto Zeferino. Lima Barreto, anarquia e anticivilização. 2010. 31 f. Trabalho de conclusão de curso (pós-graduação em ciências sociais) – Universidade Federal de Campina Grande, PB, 2010. RODRIGUES, Edgar. Quem tem medo do anarquismo? Rio de Janeiro, RJ: Editora Achiamé, 1992. ______. Socialismo e sindicalismo no Brasil (1675-1913). Rio de Janeiro, RJ: Gráfica Editora Laemmert, 1969. Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 2013 , p. 12-28. 27
  28. 28. Dossiê Lima Barreto Ideais anarquistas de Lima Barreto na obra Recordações do escrivão Isaías Caminha Fabiana Nancy da Silva Araújo e Thiago Duarte de Oliveira TV ESCOLA. Lima Barreto – Vida e obra. (Vídeo) http://www.youtube.com/watch?v=YYM0i_7jAs4 Disponível em 17/11/2012. WOODCOCK, George. História das idéias e movimentos anarquistas. Volume 1: A idéia. Porto Alegre, SC: L&PM Pocket, 2002. Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 2013 , p. 12-28. 28
  29. 29. Dossiê Lima Barreto Recordações do Escrivão Isaías Caminha: Uma leitura da obra de Lima Barreto Fernando Morgato de Oliveira Yasmim Nóbrega de Alencar Bacharelandos em Sociologia e Política na Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo Resumo O presente trabalho tem por interesse apresentar uma leitura onde se buscará elementos de um pensamento hegemônico na cidade do Rio de Janeiro no começo do século XX. A partir de relatos contidos na obra do autori visa-se identificar um modelo de pensamento que predominava na cidade do Rio de Janeiro. Focalizando os discursos que deslegitimavam os “cidadãos” negros da “cidade maravilhosa” na época, serão abordados assuntos como preconceito, estigma social, marginalização, entre outros. Palavras -Chave Pensamento; Linguagem; Dominação; Poder. Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 2013 , p. 29-41. 29
  30. 30. Dossiê Lima Barreto Recordações do Escrivão Isaías Caminha: Uma leitura da obra de Lima Barreto Fernando Morgato de Oliveira e Yasmim Nóbrega de Alencar Lima Barreto: vida e obra Lima Barreto nasceu no dia 13 de maio de 1881, mulato, era filho de João Henriques e Amália Augusta, ele tipógrafo e ela professora, ambos mulatos. Não era de família abastada, mas tinhas ligações com os nobres da época, como, por exemplo, seu padrinho que era Visconde de Ouro Preto e senador do Império. Lima sofre aos seis anos de idade com a morte precoce de sua mãe. Quando completa sete anos vê-se diante de um novo período da história onde ocorre a Abolição da escravatura no ano de 1888. Um ano depois veria o universo político-social brasileiro alterar-se drasticamente com a Proclamação da República, no ano de 1889. Com mais uma reviravolta do destino e no mesmo ano seu pai é demitido da Imprensa Nacional em fevereiro, e em março, é nomeado escriturário das Colônias de Alienados da Ilha do Governador. Perceber-se-ia que dali em diante as marcas desse período e o processo de infinitas dificuldades de inserção do negro, discriminação racial deixariam suas marcas na sociedade brasileira, marcas estas que estariam presentes como centro de discussão em quase todas as suas obras. Já no início da sua carreira como literato Lima nos presenteia suas obras onde utiliza seu recurso realista autobiográfico. Ele dá inicio em 1900 aos registros do Diário Íntimo, onde colocará suas impressões sobre êxodo rural, a cidade e a vida urbana no Rio. Lima passa por inúmeros percalços, mas quando começa a escrever reportagens no Correio da Manhã inicia de modo regular sua carreira no jornalismo literato brasileiro. Em 1905, nasce a primeira versão de Clara dos Anjos, este seria publicado somente postumamente, na mesma época elabora os prefácios de dois de seus romances: Vida e morte de M. J. Gonzaga de Sá e Recordações do escrivão Isaias Caminha, livros estes que terminaria simultaneamente, ainda que o primeiro venha a ser publicado dez anos depois que o segundo. A partir do lançamento de Recordações do escrivão Isaías Caminha, em 1909, Lima teria, enfim, seu nome mencionado na “high society” da imprensa carioca. Passa então a escrever e elaborar crônicas e peças satíricas em quase todos os veículos de comunicação de sua épocaii. Todos os seus escritos continham um “sentimento humano e uma compreensão admirável do fenômeno social” (BARBOSA, Francisco de Assis. In: BARRETO, Lima 2011, p. 37iii). Segundo Barbosa (2011, p. 44), “não será possível proceder-se à revisão da nossa história republicana, do 15 de Novembro ao primeiro 5 de Julho (...), sem recorrer aos romances, contos, crônicas e artigos de Lima Barreto”. Lima possui uma escrita paradigmática, torna-se impossível, muitas vezes, traçar uma distância entre as fronteiras do real e do imaginário. Novamente Francisco de Assis Barbosa nos dá um ótimo exemplo do talento, da atuação de Lima Barreto como escritor longínquo, vanguardista que está para além dos ideais de produção de sua época, ou como diria o próprio Lima Barreto: das camuflagens do real. Ele o distingue como um escritor: Memorialista, a ponto de se tornar difícil, senão impossível, delimitar em alguns de seus romances e contos as fronteiras da ficção e da realidade, ele anotou, registrou, fixou, comentou ou criticou todos os grandes acontecimentos da vida republicana. Como num vasto painel que se desdobra em sucessivos quadros, lá estão os episódios culminantes da insurreição antiflorianista, a campanha contra a febre amarela, a ação de Rio Branco no Itamaraty, o Governo de Hermes da Fonseca, a participação do Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 2013 , p. 29-41. 30
  31. 31. Dossiê Lima Barreto Recordações do Escrivão Isaías Caminha: Uma leitura da obra de Lima Barreto Fernando Morgato de Oliveira e Yasmim Nóbrega de Alencar Brasil na Primeira Guerra Mundial, o advento do feminismo, as primeiras greves operárias, a Semana da Arte Moderna, e o delírio do futebol e do jogo do bicho, tudo isso se mistura com os nossos ridículos e as nossas misérias, mas também sem esquecer a grandeza e a doçura do nosso povo; a mania da ostentação, o vazio intelectual e a ganância dos políticos; em suma, toda a crise das classes dirigente, que se agravaria de modo alarmante com a queda do Império, isso de um lado; do outro, a bondade inata do brasileiro, a coragem do funcionário público humilde que luta para educar os filhos, o milagre da sobrevivência da população pobre do subúrbio carioca, que, em meio da miséria, canta e ri. (BARRETO, 2011, p. 45) Lima Barreto enxergou isso com os olhos de quem estava imergido naquele contexto sóciocultural e que não tinham nada de falso, fez sua contribuição para o universo literário transmitindo em seus livros o mais exuberante realismo nunca antes visto ou transcrito por nenhum escritor de sua época. Retratou sem pudor os políticos, a maquinaria social, a manipulação da mídia e outras dezenas de fatos que corroboraram para inúmeras leituras e análises da época e do país. Através de suas investidas, de simbologias descritas através de seus personagens Lima alterou o plano narrativo e de interpretação do real, traçando em seus escritos um panorama da mentalidade burguesa que durante os primeiros trinta anos de nossa república predominou. Esta é uma obra ímpar de valor histórico incalculável. Não é a toa que Lima Barreto tornarse-á inclassificável após esta e outras publicações. Suas análises sobrepõem-se ao plano comum, romântico e sensorial da sua época; tem-se nos escritos desta obra o ar de ausência da humanidade, o tom cinza do pudor, a mancha da vergonha e a tenaz realidade. O que temos então? Uma obra de envergadura que transpõe os planos do real e do imaginário, do eu lírico, onde a produção se faz na concepção da semântica formaliv e não da semântica enunciativav, como os “mandarins” (escritores) da época de Lima Barreto faziam. Introdução Recordações do escrivão Isaías Caminha é o primeiro romance de Lima Barreto lançado, em 1907, em folhetim na revista Florealvi, sendo lançado em livro em 1909. Na obra o narrador principal é Isaías Caminha, mulato, letrado, de família humilde, mas não marginal, que almeja um futuro e vê no Rio de Janeiro sua esperança de se tornar alguém. Com o auxílio de Valentim (seu Tio) e uma carta escrita pelo Coronel Belmiro para o deputado Castro, Isaías vê/consegue sua saída da vida no interior, nela está à porta de entrada para o seu futuro como “Doutor” na capital. “A minha situação no Rio estava garantida. Obteria um emprego. Um dia pelos outros iria às aulas, e todo fim de ano, durante seis, faria os exames, ao fim dos quais seria doutor!” (BARRETO, 2011, p. 75). O que ele não esperava encontrar durante a sua trajetória era inúmeros percalços que o levariam ao limite da superação e da consciência humana. Bosivii (2011, p. 10) , na introdução do livro descreve a condição de Isaías como a “do mestiço humilde, interiorano” que passa depois a ser o “suburbano” enfrentando as dificuldades de integração de vida na capital carioca que “se moderniza a passos largos”. O que é visto na obra é uma construção minuciosa da vida humilde de um mestiço, seus conflitos, suas angústias, as mazelas, as atrocidades e as injustiças que observará na atmosfera tétrica e marginalizada dos cortiços ao do centro urbano pré-modernizado do Rio de Janeiro. Tudo isso mostra uma realidade brutal, severa, mas que faz Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 2013 , p. 29-41. 31
  32. 32. Dossiê Lima Barreto Recordações do Escrivão Isaías Caminha: Uma leitura da obra de Lima Barreto Fernando Morgato de Oliveira e Yasmim Nóbrega de Alencar Isaías refletir sobre sua conduta e o leva a analisar suas origens e as razões pelas quais o levaram até o seu destino. A tristeza, a compreensão e a desigualdade de nível mental do meu meio familiar agiram sobre mim de modo curioso: deram-me anseios de inteligência. (...) Foi com esses sentimentos que entrei para o curso primário. Dediquei-me açodadamente ao estudo. Brilhei, e com o tempo foram-se desdobrando as minhas primitivas noções sobre o saber. Acenturam-se-me tendências; pus-me a colimar glórias extraordinárias, sem lhes avaliar ao certo significação e a utilidade. Houve na minha alma um tumultuar de desejos, de aspirações indefinidas. Para mim era como se o mundo me estivesse esperando para continuar a evoluir... (BARRETO, 2011, p. 67-68). Sendo ele filho de um padre, e sua mãe escrava, Isaías já antes de nascer encontra-se numa batalha e num dilema moral. O Pai pela profissão e o peso do pecado da carne não pôde assumilo como filho socialmente, mas dá-lhe toda a instrução e carinho que qualquer outro pai poderlhe-ia dar. Pareceu-me que o seu encontro fora rápido, o bastante para me dar nascimento. Uma crise violenta do sexo fizera esquecer os votos de seu sacerdócio, vencera a sua vontade, mas, passada ela, viera, com o arrependimento da quebra do seu voto, a dor inqualificável de não poder confessar sua partenidade. Ele amou-me sempre, talvez me quisesse mais por causa das condições que envolviam o meu nascimento. Em público olhava-me de soslaio, media as carícias, esforlava-se por fazê-las banais; em casa, porém, quando não havia testemunhas, beijava-me e afagava-me com transporte. (BARRETO, 2011, p. 67-68). A mãe, por sua condição humilde e miserável, nada pôde fazer pelo filho senão apoiálo. Sua vida pacata e “burguesa” de algum modo mostrar-lhe-ia que fora dos confins do interior, da cidadezinha, sua condição não passaria de uma mera negação da sua própria identidade; para se compreender como esta descontrução se dá é preciso entender a linguagem, e como através dela construímos as formas socialmente aceitas de identidade. Frantz Fanon, em seu livro Pele Negra Mascaras Brancas, apresenta como a linguagem determina as formas de identidades estabelecidas socialmente. Na linguagem está a promessa do reconhecimento; dominar a linguagem, um certo idioma, é assumir a identidade da cultura. Esta promessa não se cumpre, todavia, quando vivenciada pelos negros. Mesmo quando o idioma é “dominado”, resulta a ilegitimidade (FANON, 2008, p. 15). Isaías acredita nesta legitimidade do ser letrado e parte para a cidade com a esperança de conquistar seu lugar ao Sol. Da saída do interior até a chegada à capital Isaías enfrentará inúmeros conflitos, dos quais nem a sua inteligência, aguçada e voraz, conseguirá de imediato decifrálos. Ao chegar à capital demorará a perceber que sua estadia além de não ser bem quista por uns, será anulada por outros. “O contraste feriu-me, e com os olhares que os presentes me lançaram, mais cresceu a minha indignação. Curti durante segundos uma raiva muda, e por pouco ela não rebentou em pranto.” (BARRETO, 2011, p. 80). Mas, de certo modo, Isaías “enfrentará” os problemas. Contudo, seus esforços, em grande parte, serão em vão. Procurará exigir seus direitos mesmo que para isso tenha que dormir no “xilindró”; colocar-se-á, muitas vezes, na pele de Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 2013 , p. 29-41. 32
  33. 33. Dossiê Lima Barreto Recordações do Escrivão Isaías Caminha: Uma leitura da obra de Lima Barreto Fernando Morgato de Oliveira e Yasmim Nóbrega de Alencar outras pessoas, essas provações servirão ao nosso protagonista como combustível para seguir em frente, sempre avante, em busca de seu sonho. Firmará alianças, terá inimigos, provará o doce sabor da amizade e o ardor veneno da mentira e da traição. Contudo, para entendermos a situação de Isaías no contexto apresentado na obra de Lima Barreto, será preciso retornarmos um pouco no tempo para que possamos compreender como as disposições sociais e políticas tratadas na obra ocorreram. Assim, damos ao leitor uma pequena abordagem das transformações que se sussederam e que deram molde ao pensamento apresentado no livro. Deste modo, um breve levantamento das transformações histórico-político-culturais do período, assim como, dos conflitos que desencadearam a Independência e a Abolição dos escravos revelaria a tão sonhada “República”. A importância de tal apresentação nos permite tratar mais precisamente dos processos que se desdobram sobre a personagem protagonista durante toda a obra. Os processos República sócio-políticos na pré Os ares do Brasil pré-republicano eram, naquele período, de mudança, pelo menos para a elite que se iluminava, já há algum tempo, com os “abomináveis princípios franceses” da revolução e buscavam a Independência da colônia com a metrópole. Esses homens ilustrados eram “os estudantes que viajavam para o exterior, completando seus estudos em Portugal ou na França [e] voltavam imbuídos das novas ideias...” (COSTA, 2010, p. 29) visando uma reforma imediata, que devidos aos conflitos ideológicos, ocorreriam paulatinamente. “Toda uma geração fora educada nos princípios revolucionários que os homens da Ilustração se tinham incumbido de divulgar e a Revolução Francesa de pôr em prática” (COSTA, 2010, p. 30). Durante o período imperial um número substancial de vertentes político-ideológicas imergiu nas discussões dos grupos de repressão contra o regime. Às vésperas da independência a vertente que se destacava era o liberalismo. Neste mesmo período discutia-se a ‘possibilidade de um levante de escravos’, contudo, firmaram um documento que garantia o direito de propriedade dos senhores sobre seus servos: “‘Patriotas’ (...) ‘vossas propriedades, ainda as mais opugnantes ao ideal de justiça, serão sagradas. O governo porá meios de diminuir o mal, não o fará cessar pela força’” (COSTA, 2010, p. 33). O Liberalismo brasileiro conciliava com a religião e com a Igreja Católica, constata-se tal dado a partir do número expressivo de padres nos movimentos contra hegemônicos, este processo recebeu o nome de Revolução dos Padres. Outra vertente apresentara-se no mesmo período, o nacionalismo. Entretanto, esta não consolidou-se devido a economia brasileira que era ainda baseada essencialmente na exportação, tendo, também, precárias suas formas de comunicação, assim como, o limitado comércio interno que dificultava as transições em toda sua extensão. Tal nacionalismo expressava-se na forma de um radical antiportuguesismo. Todavia, existia uma dualidade, pois: Aos olhos da população nativa mestiça, a Independência significava sobretudo a possibilidade de eliminar as restrições que afastavam as pessoas de cor das posições superiores, dos cargos administrativos, do acesso à Universidade (...) e ao clero superior. Abolir as diferenças de cor branca, preta e parda, oferecer iguais oportunidades a todos sem nenhuma Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 2013 , p. 29-41. 33
  34. 34. Dossiê Lima Barreto Recordações do Escrivão Isaías Caminha: Uma leitura da obra de Lima Barreto Fernando Morgato de Oliveira e Yasmim Nóbrega de Alencar restrição era o principal ideal das massas mestiças que viam nos movimentos revolucionários a oportunidade de viverem em ‘igualdade e abundância’. Para elas, a Independência configurava-se como uma luta contra os brancos e seus privilégios (COSTA, 2010, p. 36). Contudo, Marins (1998), no livro História da Vida Privada no Brasil, nos mostra que essa “independência” tanto do povo negro, quanto dos migrantes e imigrantes da época, teriam um custo muito alto. Sua subordinação daria-se não mais pelas garras do senhor (carrasco e desumano), esta, agora, estruturariam-se a partir dos novos logradouros e da “nova engenharia” que surgiriam nesta suposta “independência”, as favelas. Fim da escravidão. Migrações e imigrações. A aurora do regime republicano dava-se em meio a transformações demográficas e sociais, que liberavam populações, e franqueavam novos destinos geográficos às esperanças de sobrevivência de muitos dos velhos e novos brasileiros. (...) As grandes cidades surgiam-no horizonte como o espaço das novas possibilidades de vida, do esquecimento das mazelas do campo, da memória do cativeiro. (...) somavam-se aos antigos escravos, forros e brancos pobres que já inchavam as cidades imperiais, e junto a eles também aprenderiam a sobreviver na instabilidade que marcaria suas vidas também em seu novo habitat. (...) As elites emergentes imputavam-se o dever de livrar o país do que consideravam “atraso” (...) visível na aparente confusão dos espaços urbanos, povoados de ruas populosas e barulhentas, de habitações superlotadas, de epidemia que se alastravam com rapidez pelos bairros, assolando continuamente as grandes capitais litorâneas. Acreditar na adjetivação que as intenções normativas das elites atribuíam à aparência das ruas e casas das antigas cidades, herdadas da Colonia e do Império, inviabiliza, entretanto, a possibilidade de compreender essas cidades e as experiências humanas, ali vividas em seus múltiplos espaços, em uma de suas maiores características: a instabilidade. “Desordem” e “tumulto”eram justamente as dimensões, muito eficientes, que grande parte das populações urbanas brasileiras encontravam para sua sobrevivência, para seu agir social. Casas e ruas fundiam-se numa dinâmica plasmada e difusa, em que os limites espaciais constituíam-se historicamente ao sabor da ambição fundiária dos proprietários e da complacência sonsa das autoridades. O ‘desleixo’, (...) parecia comandar a pratica (...). Neste aparente desleixos esgueiravam-se as ‘aparentes’ desordens funcionais (...) em que escravos, forros e seus descendentes, miseráveis e remediados, logravam obter mais facilmente as condições de sua sobrevivência, e de seus próprios padrões culturais e de sociabilidade. (MARINS, 1998, p. 132-133) Darcy Ribeiro (1995), em seu livro O Povo Brasileiro, complementa, o trecho citado acima, explicando que esta deterioração urbana ocorreu por muitas dessas pessoas que “levantaram” as favelas, somente, para que fosse possível manter seu trabalho. Caso contrário, seria impossível trabalhar na capital tendo em vista a distância dela para o campo. Casos adversos a esses também surgiram, de modo que: A própria população urbana, largada a seu destino, encontra soluções para seus maiores problemas. Soluções esdruxulas é verdade, mas são as únicas que estão ao seu alcance. Aprende a edificar favelas nas morrarias mais íngremes fora todos os regulamentos urbanísticos, mas que lhe permitem viver juntos aos seus locais de trabalho e conviver como comunidades humanas regulares, estruturando uma vida social intensa e orgulhosa de si. (...) onde faltam morrarias, as favelas se assentam no chão liso de áreas de Alabastro: revista eletrônica dos alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, ano 1, v. 1, n. 1, 2013 , p. 29-41. 34

×