Slides Hipermídia 2010
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Slides Hipermídia 2010

on

  • 1,421 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,421
Views on SlideShare
1,387
Embed Views
34

Actions

Likes
0
Downloads
6
Comments
0

1 Embed 34

http://reuellopes.com.br 34

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Slides Hipermídia 2010 Presentation Transcript

  • 1. PROJETOS EM DESIGN DE HIPERMÍDIA I Prof. Esp. Reuel Adimar Lopes Bacharel em Informática – UNITAUEspecialista em Assessoria de Comunicação - UNITAU
  • 2. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1º BIMESTRE• Mercado da comunicação digital – Características e especificidades das mídias digitais – Conceitos – Perfil de usuários de Internet – Modelos de empresas de comunicação digital – Prestação de serviços de empresas de comunicação digital• Gestão de projetos – Equipe e funções para produção digital – Tipos de sites – Órgãos normativos – Relação cliente-agência – Estabelecimento de preços/ modelos de remuneração 2
  • 3. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 2º BIMESTRE•Publicidade na Internet • Características, formatos - Modelo de briefing - Planejamento de campanha on line ,planejamento de mídia, mensuração de resultados - Técnicas de apresentação de campanhas 3º BIMESTRE•Marketing direto digital - E-mail marketing - Marketing viral - Newsletter 4º BIMESTRE•Projeto de elaboração de site - Etapas do planejamento do site - Revisão de site - Publicação e mensuração de resultados 3
  • 4. MERCADO DE COMUNICAÇÃO DIGITAL• 1967 – ARPANET• Até 1990 – tráfego de informações da internet era acadêmico• A partir de 1990 – provedores comerciais• 1991 - É criado o sistema www• 1995 – abertura da Internet comercial no Brasil Atualmente, a maior parte das informações que trafega pela rede é de caráter comercial 4
  • 5. MERCADO DE COMUNICAÇÃO DIGITAL• Economia digital/ economia do conhecimento – A informação, em todas as suas formas, torna-se digital – A informação separa-se do seu meio físico de transportes – Conhecimento/ inteligência é aplicada a tudo o que é produzido – Informação vale mais do que recursos físicos – Trabalho: knowledge work 5
  • 6. MERCADO DE COMUNICAÇÃO DIGITAL• A nova economia digital revolucionou a indústria de conteúdo por meio da convergência• Convergência: capacidade do uso de uma mesma plataforma de rede de telecomunicações para o transporte de diferentes serviços (telefonia, vídeo, música, editoração, internet)• A internet é um ambiente mediado por computador, no qual se realizam comunicações, relacionamentos e, principalmente, transações entre empresas e seus clientes, ou seja, realizam-se inúmeras atividades de comunicação e marketing Tudo passa pela web
  • 7. A - PROPORÇÃO DE DOMICÍLIOS QUE POSSUEM EQUIPAMENTOS TICPercentual sobre o total de domicílios¹ Telefone celular com Computador Antena TV por Telefone acesso à internet Console de jogo Computador Percentual (%) Televisão Rádio Telefone fixo portátil parabólica assinatura celular móvel² (Base: Possui aparelho (vídeo game etc.) de mesa (laptop etc.) celular)³TOTAL 98 18 7 89 45 74 21 17 24 1 SUDESTE 98 15 11 92 57 75 22 23 29 1 NORDESTE 97 22 1 85 25 65 17 7 11 - REGIÕES SUL 98 19 6 95 48 80 23 18 29 2 DO PAÍS NORTE 96 18 1 76 25 68 16 9 13 1 CENTRO-OESTE 97 16 4 85 40 85 23 15 25 2 Até R$380 95 15 1 79 17 49 7 5 3 - R$381-R$760 98 15 2 86 30 65 13 10 9 - RENDA R$761-R$1140 98 18 5 94 50 83 23 17 24 - FAMILIAR R$1141-R$1900 99 22 11 92 63 89 33 24 39 1 R$1901-R$3800 99 18 22 96 78 94 41 35 63 5 R$3801 ou mais 100 31 36 98 88 91 44 52 71 12 A 100 20 60 100 96 100 54 55 84 24 CLASSE B 100 25 20 98 82 93 39 38 61 4 SOCIAL4 C 100 19 6 94 48 83 23 19 24 - DE 95 13 1 79 22 54 8 4 4 -¹ Base: 17.000 domicílios entrevistados em área urbana. Respostas múltiplas e estimuladas. 7
  • 8. A1 - PROPORÇÃO DE DOMICÍLIOS COM COMPUTADORPercentual sobre o total de domicílios¹ Percentual (%) Sim NãoTOTAL 24 76 SUDESTE 30 70 NORDESTE 11 89 REGIÕES DO PAÍS SUL 31 69 NORTE 13 87 CENTRO-OESTE 26 74 Até R$380 3 97 R$381-R$760 9 91 R$761-R$1140 24 76 RENDA FAMILIAR R$1141-R$1900 40 60 R$1901-R$3800 66 34 R$3801 ou mais 72 28 A 88 12 B 63 37 CLASSE SOCIAL² C 25 75 DE 4 96¹ Base: 17.000 domicílios entrevistados em área urbana. 8
  • 9. A4 - PROPORÇÃO DE DOMICÍLIOS COM ACESSO À INTERNET¹Percentual sobre o total de domicílios² Percentual (%) Sim NãoTOTAL 17 83 SUDESTE 22 78 NORDESTE 7 92 REGIÕES DO PAÍS SUL 21 78 NORTE 5 95 CENTRO-OESTE 16 84 Até R$380 1 98 R$381-R$760 4 95 R$761-R$1140 15 85 RENDA FAMILIAR R$1141-R$1900 28 72 R$1901-R$3800 54 46 R$3801 ou mais 66 34 A 82 18 B 50 50 CLASSE SOCIAL³ C 16 84 DE 2 98¹ Considerado somente o acesso à internet via computador de mesa (desktop) oucomputador portátil (laptop e notebook).² Base: 17.000 domicílios entrevistados em área urbana. 9
  • 10. B1 - PROPORÇÃO DE INDIVÍDUOS QUE JÁ UTILIZARAM UM COMPUTADOR¹Percentual sobre o total da população² Percentual (%) Sim NãoTOTAL 53 47 SUDESTE 56 44 NORDESTE 44 56REGIÕES DO PAÍS SUL 56 44 NORTE 48 52 CENTRO-OESTE 58 42 Masculino 55 45 SEXO Feminino 51 49 Analfabeto/ Educação infantil 16 84 GRAU DE Fundamental 51 49 INSTRUÇÃO Médio 77 23 Superior 94 6 De 10 a 15 anos 80 20 De 16 a 24 anos 82 18 De 25 a 34 anos 67 33 FAIXA ETÁRIA De 35 a 44 anos 44 56 De 45 a 59 anos 24 76 De 60 anos ou mais 7 93 Até R$380 28 72 R$381-R$760 41 59 R$761-R$1140 58 42 RENDA FAMILIAR R$1141-R$1900 67 33 R$1901-R$3800 82 18 R$3801 ou mais 87 13 A 95 5 B 82 18 CLASSE SOCIAL4 C 61 39 DE 28 72 Trabalhador 55 45 SITUAÇÃO DE Desempregado 54 46 EMPREGO Não integra a população ativa³ 49 51¹ Indivíduos que informaram ter usado um computador pelo menos uma vez na vida, de qualquer lugar.² Base: 17.000 entrevistados. Entrevistas realizadas em área urbana. 10
  • 11. B3 - FREQÜÊNCIA DE USO INDIVIDUAL DO COMPUTADORPercentual sobre o total de usuários de computador¹ Pelo menos uma Pelo menos uma Menos do que uma Percentual (%) Diariamente vez por semana vez por mês vez por mêsTOTAL 53 33 10 4 SUDESTE 55 32 9 4 NORDESTE 47 38 11 4 REGIÕES DO SUL 55 34 9 2 PAÍS NORTE 53 30 14 3 CENTRO-OESTE 54 28 12 6 Masculino 56 33 8 4 SEXO Feminino 51 33 12 4 Analfabeto/ Educação infantil 28 48 15 9 GRAU DE Fundamental 41 41 13 5 INSTRUÇÃO Médio 55 30 11 4 Superior 72 23 3 1 De 10 a 15 anos 36 48 12 5 De 16 a 24 anos 56 31 11 3 FAIXA ETÁRIA De 25 a 34 anos 60 28 9 3 De 35 a 44 anos 62 25 8 6 De 45 anos ou mais 56 31 8 5 Até R$380 31 48 14 7 R$381-R$760 39 41 16 4 RENDA R$761-R$1140 51 34 11 4 FAMILIAR R$1141-R$1900 61 26 9 3 R$1901-R$3800 69 23 6 2 R$3801 ou mais 76 18 2 3 A 86 13 1 - CLASSE B 66 27 5 1 SOCIAL³ C 50 34 11 5 DE 34 42 18 6 Trabalhador 60 29 9 3 SITUAÇÃO DE Desempregado 43 32 21 4 EMPREGO Não integra a população ativa² 41 42 12 5¹ Base: 6.862 entrevistados que usaram computador nos últimos três meses. Respostas estimuladas. Entrevistas realizadas em área urbana. 11
  • 12. C1 - PROPORÇÃO DE INDIVÍDUOS QUE JÁ ACESSARAM A INTERNET¹Percentual sobre o total da população² Percentual (%) Sim NãoTOTAL 41 59 SUDESTE 43 57 NORDESTE 33 67 REGIÕES DO PAÍS SUL 46 54 NORTE 32 68 CENTRO-OESTE 45 55 Masculino 42 58 SEXO Feminino 39 61 Analfabeto/ Educação infantil 9 91 Fundamental 34 66 GRAU DE INSTRUÇÃO Médio 64 36 Superior 85 15 De 10 a 15 anos 59 41 De 16 a 24 anos 70 30 De 25 a 34 anos 53 47 FAIXA ETÁRIA De 35 a 44 anos 31 69 De 45 a 59 anos 15 85 De 60 anos ou mais 4 96 Até R$380 16 84 R$381-R$760 28 72 R$761-R$1140 46 54 RENDA FAMILIAR R$1141-R$1900 57 43 R$1901-R$3800 75 25 R$3801 ou mais 77 23 A 94 6 B 73 27 CLASSE SOCIAL4 C 47 53 DE 17 83 Trabalhador 43 57 SITUAÇÃO DE EMPREGO Desempregado 46 54 Não integra a população ativa³ 35 65¹ Indivíduos que informaram ter acessado a internet pelo menos uma vez na vida, de qualquer lugar.² Base: 17.000 entrevistados. Entrevistas realizadas em área urbana. 12
  • 13. C5 - TEMPO GASTO NA INTERNET POR SEMANAPercentual sobre o total de usuários de internet¹ Menos de 1h 1h - 5h 6h - 10h 11h - 15h 16h - 20h 21h - 30h Mais de 31hPercentual (%)TOTAL 18 43 15 8 3 4 8 SUDESTE 17 46 14 6 4 4 8 NORDESTE 15 45 18 9 3 5 5 REGIÕES SUL 22 33 19 10 3 4 10 DO PAÍS NORTE 22 43 14 7 3 4 7 CENTRO-OESTE 16 41 13 8 4 7 10 Masculino 15 42 17 8 4 5 9 SEXO Feminino 20 45 14 7 3 4 7 Analfabeto/ Educação infantil 28 49 13 2 1 4 3 GRAU DE Fundamental 26 47 14 5 2 2 3INSTRUÇÃO Médio 16 45 16 8 3 4 7 Superior 10 36 16 11 5 7 15 De 10 a 15 anos 24 48 15 5 2 3 4 De 16 a 24 anos 14 43 18 8 3 5 8 FAIXA De 25 a 34 anos 15 43 14 8 3 5 11 ETÁRIA De 35 a 44 anos 17 42 13 9 4 4 11 De 45 a 59 anos 22 39 12 7 3 6 10 De 60 anos ou mais 29 28 17 6 13 1 6 Até R$380 29 50 11 2 2 2 3 R$381-R$760 25 47 14 5 2 3 3 RENDA R$761-R$1140 22 44 16 7 3 3 5 FAMILIAR R$1141-R$1900 14 44 14 10 3 5 9 R$1901-R$3800 10 38 15 10 4 6 17 R$3801 ou mais 9 26 18 11 10 9 16 A 3 30 19 16 8 7 16 CLASSE B 12 38 16 10 5 6 12 SOCIAL³ C 19 47 15 6 2 4 6 DE 27 47 14 5 1 2 3 SITUAÇÃO Trabalhador 15 42 15 8 4 5 10 DE Desempregado 27 38 15 9 1 3 7 EMPREGO Não integra a população ativa² 22 47 16 6 2 3 4¹ Base: 5.823 entrevistados que usaram a internet nos últimos três meses. Entrevistas realizadas em área urbana. 13
  • 14. C7 - ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA INTERNET - COMUNICAÇÃOPercentual sobre o total de usuários de internet¹ Enviar Trocar mensagens de voz, Participar de sites de Enviar e receber Participar de listas de Criar ou atualizar Percentual (%) mensagens usando programas como relacionamento (ex. e-mail discussão ou fóruns blogs e/ou websites instantâneas skype/videoconferência Orkut)TOTAL 78 55 17 64 11 13 SUDESTE 78 54 17 63 11 14 NORDESTE 77 57 16 68 10 13 REGIÕES DO SUL 80 58 16 62 12 11 PAÍS NORTE 75 49 17 64 11 15 CENTRO-OESTE 78 56 19 65 13 16 Masculino 77 53 16 63 13 14 SEXO Feminino 79 57 18 65 10 13 Analfabeto/ Educação infantil 56 34 8 53 2 6 GRAU DE Fundamental 68 44 13 67 5 10 INSTRUÇÃO Médio 78 54 17 65 9 15 Superior 92 72 23 62 23 16 De 10 a 15 anos 64 40 11 71 3 11 De 16 a 24 anos 83 61 20 77 13 17 De 25 a 34 anos 81 58 18 58 15 13 FAIXA ETÁRIA De 35 a 44 anos 80 61 21 47 15 14 De 45 a 59 anos 83 53 11 40 8 7 De 60 anos ou mais 68 53 23 19 6 3 Até R$380 69 39 11 63 3 10 R$381-R$760 66 45 13 68 6 10 RENDA R$761-R$1140 78 52 14 62 9 13 FAMILIAR R$1141-R$1900 81 61 17 62 11 13 R$1901-R$3800 87 64 21 67 21 18 R$3801 ou mais 94 75 38 59 20 21 A 93 83 37 57 19 19 CLASSE B 85 63 21 63 15 16 SOCIAL³ C 75 50 15 65 10 12 DE 68 47 12 65 5 11 Trabalhador 82 59 19 61 14 15 SITUAÇÃO DE Desempregado 69 55 14 80 11 10 EMPREGO Não integra a população ativa² 71 46 13 68 6 11¹ 1 Base: 5.823 entrevistados que usaram a internet nos últimos três meses. Respostas múltiplas e estimuladas. Entrevistas realizadas em área urbana. 14
  • 15. B1 - PROPORÇÃO DE EMPRESAS QUE USAM INTERNETPercentual sobre o total de empresas da amostra¹ Empresas que não usam Percentual (%) Sim Não computadoresTotal 92 3 5 10 a 49 90 3 6 PORTE DA EMPRESA 50 a 249 98 2 - (nº de funcionários) 250 ou mais 99 1 - Norte 91 2 7 Nordeste 95 3 2 REGIÃO Sudeste 89 3 8 Sul 93 3 4 Centro Oeste 94 4 2 Indústria de Transformação 92 3 6 Construção 98 1 - Comércio; reparação de veículos automotores, objetos pessoais 94 3 4 e domésticos MERCADOS DE Transporte, Armazenagem e ATUAÇÃO - CNAE 97 1 2 Comunicações Atividades imobiliárias, aluguéis e 98 2 - serviços prestados às empresas Outros² 76 8 16¹ Base: 2.300 empresas com 10 ou mais funcionários, que constituem os seguintes segmentos da CNAE 1.0: seção D, F, G, H, I, K e aseção O sem os grupos 90 e 91. Respostas referentes a outubro de 2007. 15
  • 16. B6 - PROPORÇÃO DE EMPRESAS QUE POSSUEM WEBSITEPercentual sobre o total de empresas com acesso à internet¹ Percentual (%) Sim NãoTotal 46 54 10 a 49 42 58 PORTE DA EMPRESA 50 a 249 63 37 (nº de funcionários) 250 ou mais 80 20 Norte 40 60 Nordeste 41 59 REGIÃO Sudeste 52 48 Sul 46 54 Centro Oeste 44 56 Indústria de Transformação 48 52 Construção 47 53 Comércio; reparação de veículos automotores, objetos pessoais e 32 68 MERCADOS DE domésticos ATUAÇÃO - CNAE Transporte, Armazenagem e 50 50 Comunicações Atividades imobiliárias, aluguéis e 70 30 serviços prestados às empresas Outros² 66 34¹ Base: 2.110 empresas com acesso à internet, com 10 ou mais funcionários, que constituem osseguintes segmentos da CNAE 1.0: seção D, F, G, H, I, K e a seção O sem os grupos 90 e 91.Respostas referentes a outubro de 2007. 16
  • 17. B5 - PROPORÇÃO DE EMPRESAS USANDO A INTERNET SEGUNDO O TIPO DE ATIVIDADEPercentual sobre o total de empresas com acesso à internet¹ Buscar informações Outras buscas de Buscar informações sobre Enviar e receber Serviços bancários Percentual (%) sobre produtos ou informações e organizações governamentais/ e-mail e financeiros seviços atividades de pesquisa Instituições públicasTotal 99 96 90 78 67 10 a 49 99 96 90 76 65 PORTE DA EMPRESA 50 a 249 99 95 91 85 73 (nº de funcionários) 250 ou mais 98 96 94 91 85 Norte 100 97 92 74 66 Nordeste 99 97 93 79 65 REGIÃO Sudeste 100 95 88 77 66 Sul 98 94 91 81 76 Centro Oeste 96 94 91 79 60 Indústria de Transformação 97 94 91 78 66 Construção 100 97 90 81 73 Comércio; reparação de veículos automotores, objetos pessoais 99 96 90 74 59 MERCADOS DE e domésticos ATUAÇÃO - CNAE Transporte, Armazenagem e 98 97 88 73 75 Comunicações Atividades imobiliárias, aluguéis e 100 99 93 90 86 serviços prestados às empresas Outros² 100 91 87 80 65¹ Base: 2.110 empresas com acesso à internet, com 10 ou mais funcionários, que constituem os seguintes segmentos da CNAE 1.0: seção D, F, G, H, I, K e a seção O sem os grupos 90 e 91. Respo² A categoria "Outros" reúne os segmentos H - Alojamento e Alimentação e O - Outros Serviços Coletivos Sociais e Pessoais (sem os grupos 90 - Limpeza Urbana e Esgoto e Atividades Relacionada 17
  • 18. B7 - PROPORÇÃO DE EMPRESAS QUE POSSUEM WEBSITE 1 Percentual sobre o total de empresas com acesso à internet Percentual (%) Sim Não Total 48,84 51,16 10 a 19 39,41 60,59 20 a 49 52,90 47,10 50 a 99 67,78 32,22 PORTE DA EMPRESA 100 a 249 73,37 26,63 (nº de funcionários) 250 a 499 75,11 24,89 500 a 999 89,07 10,93 1000 ou mais 98,54 1,46 Norte 39,97 60,03 Nordeste 36,12 63,88 REGIÃO Sudeste 52,13 47,87 Sul 50,23 49,77 Centro Oeste 50,11 49,89 Indústria de 55,28 44,72 Transformação Construção 41,91 58,09 Comércio/ Reparação de 39,67 60,33 Autos MERCADOS DE Hotel/ Alimentação 65,50 34,50 ATUAÇÃO - CNAE Transp./ Armaz./ 56,05 43,95 Comunicação Ativ. Imobiliárias, aluguel e 52,44 47,56 serviços Ativ. Cinema/ Vídeo/ 72,24 27,76 Rádio/ TV1 Base: 2.437 empresas com acesso à internet, com 10 funcionários ou mais, que constituem os seguintes segmentosda CNAE: seção D, F, G, I, K e grupos 55.1, 55.2, 92.1 e 92.2. Respostas referentes aos últimos doze meses. 18Fonte: NIC.br - Ago/Nov 2006.
  • 19. CARACTERÍSTICAS DA INTERNET• Ocorre de muitos para muitos, e não de um para muitos – estrutura de comunicação em rede• A informação e o conteúdo são transmitidos por meio de um ambiente mediador• Há interatividade com o meio e por intermédio do meio• Telepresença: o usuário está em ambientes – o físico e o virtual• Escolha da forma de navegação por parte do usuário• Possui uma cultura própria 19
  • 20. A COMUNICAÇÃO NA INTERNET• Comunicação em tempo real• Multiplicidade e complementaridade de mídias - convergência• Digitalização das mídias - convergência• Popularização das ferramentas de distribuição de mensagens• Facilidade e popularização de distribuição e veiculação de mensagens• É heterogênea, pois possui diversidade de conteúdo 20
  • 21. VANTAGENS DA WEB PARA ATIVIDADES COMERCIAIS• ajuda a estabelecer imagem da empresa e promover marca• permite oferecer grandes quantidades de informações (cotações, descrições de produtos, entretenimento, pesquisas)• permite pesquisa de mercado (mais conhecimento do mercado e dos concorrentes)• aumenta contato com clientes (melhora relacionamento; ex: “fale conosco”)• permite negócios e estratégias que não poderiam existir no mundo físico. Exemplo: amazon.com 21
  • 22. VANTAGENS DA WEB PARA ATIVIDADES COMERCIAISVendas:• diminui espaço de tempo entre desejo/necessidade e satisfação (reduz-se a zero pelo auto-serviço)• permite vendas para regiões distantes• melhora comunicação entre as partes da Organização• permite suporte ao cliente, em qualquer hora e local: FAQ’s, “minha conta”, respostas por mail, chats para dúvidas, viva-voz, assistentes digitais 22
  • 23. FUNÇÕES DA WEB PARA ATIVIDADES COMERCIAIS• Espaço virtual de informação: divulga informações para seus clientes e parceiros e coleta informações do mercado• Espaço virtual e comunicação: comunicação interativa entre parceiros e clientes• Espaço virtual de distribuição: entrega de produtos e serviços em forma digital• Espaço virtual de transação: negócios e fechamentos de venda 23
  • 24. CONCEITOS• Hipertexto - documento digital composto por diferentes blocos de informações• Hipermídia –é a incorporação de informações diversas como sons, textos, imagens, vídeo etc. em uma linguagem digital comum na qual a informação é gerada, armazenada, recuperada, processada e transmitida, permitindo ao usuário a navegação por diversas partes de um aplicativo, na ordem que desejar.• Interatividade - é a participação efetiva e indispensável do navegador, sem a qual não ocorre o processo de leitura. 24
  • 25. FUNÇÃO DO WEBDESIGNER• Os Webdesigners são responsáveis pela criação gráfica de sites na internet. Estes profissionais idealizam o projeto gráfico de um site e a respectiva home page (página principal), procurando adequar a linguagem visual às características e necessidades do cliente, sempre com o cuidado de proporcionar uma página atrativa para os utilizadores 25
  • 26. FUNÇÃO DO WEBDESIGNER• As atividades dos Webdesigners incluem reuniões com o cliente para conhecer o seu perfil e serviços que pretende disponibilizar no site, para assim poderem definir a linha de design que corresponde aos objetivos do cliente e ao público-alvo• Faz parte das suas funções fazer uma pesquisa nos sites da concorrência a fim de obter algumas referências, mas também a seleção de imagens e de textos, e a elaboração de uma primeira versão do site em conjunto com outros profissionais da equipe de desenvolvimento de web 26
  • 27. FUNÇÃO DO WEBDESIGNER• É realizada uma apresentação provisória do site ao cliente a fim de ser avaliada a necessidades de proceder a eventuais alterações. As tarefas do Webdesigner não terminam com a construção do site, uma vez que este deverá ter uma especial atenção quanto à sua manutenção e atualização, devido a possíveis alterações dos conteúdos e das funcionalidades e mesmo de apresentação gráfica.• Os webdesigners também desenvolvem outros projetos na área de Multimídia. 27
  • 28. RELAÇÃO COM PP• publicidade ou propaganda: qualquer forma remunerada de difusão de idéias, mercadorias, produtos ou serviços por parte de um anunciante identificado (CENP).• Áreas de uma agência: atendimento, planejamento, criação, produção, mídia, operações. 28
  • 29. RELAÇÃO COM JO• Jornalismo: função de divulgar os fatos• Jornalismo on line – interatividade – hipertexto – hipermídia – globalidade – personalização – instantaneidade – estimula ao aprofundamento através da navegabilidade 29
  • 30. RELAÇÃO COM RP• Relações Públicas: é a atividade e o esforço deliberado, planejado e contínuo para estabelecer e manter a compreensão mútua entre uma instituição pública ou privada e os grupos de pessoas a que esteja, direta ou indiretamente, ligada.• Ações/ produtos de RP: informativo impresso, mural, eventos, campanha institucional, publicação empresarial, organização de eventos, criação de premiação 30
  • 31. MODELOS DE EMPRESAS DE COMUNICAÇÃO DIGITAL• agências que criam peças exclusivamente para mídias digitais (especializadas em determinado segmento ou não, como por exemplo e-commerce, segurança pra transações comerciais, conteúdo para wireless/ celulares, games etc.)• Agências de propaganda que possuem uma divisão de criação e produção para mídias digitais ou as produzem como parte de peças de uma campanha.• Empresas provedoras de conteúdo e acesso, como os portais.• Departamentos de empresas que fazem sua comunicação digital internamente.• Profissionais autônomos/ free lancers 31
  • 32. EQUIPE E FUNÇÕES PARA PRODUÇÃO DIGITAL• Arquiteto da informação: organiza conteúdo e estrutura dos sites;• Diretor de criação : cria o projeto gráfico;• Coordenador do projeto: cumpre prazo, orçamento, contata fornecedores;• Atendimento e marketing: garante que o projeto saia de acordo com a estratégia mercadológica do cliente;• Consultores de conteúdo: verifica integridade/veracidade do conteúdo;• Redatores: redigem os textos, adequando-os ao público;• Webdesigners: constroem o site;• Programadores/especialistas em tecnologia: fazem, por exemplo, sites seguros;• Webmaster: garante o funcionamento e atualização do site;• Testadores: revisam o site para evitar erros;• RPs e assessores de imprensa: garantem que o site seja conhecido• Revisores: português 32
  • 33. TIPOS DE SERVIÇOS PRESTADOS- desenvolvimento de sites- desenvolvimento de sistemas personalizados: internet, intranet, extranet, portais corporativos e e-commerce;- propaganda on-line- webmarketing,- gerenciamento de e-business- planejamento estratégico de comunicação interativa- criação de CD-Rom / CD-Card multimídia- apresentações e animações digitais- monitoramento e mensuração de resultados, para implementações e manutenções evolutivas em portais, websites ,hotsites ou campanhas interativas- hospedagem de sites- consultoria em sites- possíveis deficiências que estejam prejudicando sua comunicação com o público- serviços de Registro e Administração de Dominio- pesquisa de mercado e formação de bancos de dados/ mailing 33 para inteligência em marketing
  • 34. GESTÃO DE PROJETOS
  • 35. PROJETO• "Projeto é um empreendimento único que deve ter claramente definido seu início e fim e que conduzido por pessoas possa atingir seus objetivos, respeitando o prazo, custo e qualidade". – Projeto de site – Projeto de campanha on line 35
  • 36. PERFIL PROFISSIONAL• Um bom profissional que esteja envolvido com a realização de projetos deve saber que suas responsabilidades estão diretamente relacionadas à: – alcançar todos os objetivos pré-estabelecidos para o projeto; – concluir o projeto dentro do prazo pré-determinado; – concluir o projeto respeitando o custo orçado; – entregar os produtos do projeto conforma qualidade acordada inicialmente. 36
  • 37. PROJETO 37
  • 38. CICLO DE VIDA DE PROJETOS 38
  • 39. 5 FASES• Processo de Iniciação: fase inicial em que se define o projeto, as necessidades são identificadas.• Processo de Planejamento: nessa fase se define e refina o objetivo do projeto, planejam-se as ações necessárias para atingir os objetivos e o escopo para o qual se propõe o projeto. Nessa fase são desenvolvidos planos auxiliares para gestão do projeto (plano de qualidade, comunicação, riscos, suprimentos e recursos humanos).• Processo de Execução: integra as pessoas e os outros recursos para colocar em prática o plano do projeto. É geralmente nessa fase em que ocorre a maior parte do esforço/dispêndio do projeto.• Processo de Controle: ocorre em paralelo ao processo de execução. Mede e monitora o progresso para identificar variações em relação ao planejado para que ações corretivas sejam disparadas quando necessário.• Processo de Enceramento: formaliza a aceitação do projeto, serviço ou resultado. Analisa a evolução do projeto para que erros não se repitam no futuro. 39
  • 40. MODELO DE GESTÃO DE PROJETOS• PMBOK® (Guia de Conhecimento em Gestão de Projetos) – Gerenciamento do Escopo do Projeto - assegura que o projeto inclua todas atividades para que se alcancem os resultados esperados. – Gerenciamento do Tempo do Projeto - assegura que o projeto que o projeto seja concluído no prazo previsto. – Gerenciamento do Custo do Projeto - assegura que o projeto seja concluído dentro do orçamento aprovado. – Gerenciamento da Qualidade do Projeto - assegura que o projeto satisfaça todas às necessidades para as quais ele foi criado. 40
  • 41. MODELO DE GESTÃO DE PROJETOS– Gerenciamento dos Recursos Humanos do Projeto - assegura que todos os recursos humanos envolvidos no projeto sejam empregados de forma eficaz.– Gerenciamento da Comunicação do Projeto - assegura que seja feita a coleta, divulgação, armazenamento e disposição apropriada das informações do projeto para todos os envolvidos.– Gerenciamento dos Riscos do Projeto - assegura que os riscos do projeto sejam identificados, analisados e que planos de contingência sejam desenvolvidos.– Gerenciamento de Aquisições do Projeto - processos necessários para aquisição de produtos e serviços a fim de cumprir o escopo do projeto– Gerenciamento da Integração do Projeto - assegura que os vários aspectos do projeto estejam coordenados 41
  • 42. PRINCIPAIS HABILIDADES ECOMPETÊNCIAS DE UM GERENTE DE PROJETOS· Capacidade de planejamento e de gerenciar pessoas. · Conhecimento da gestão de negócios. · Controle de cada etapa do projeto. · Cumprimento rigoroso de prazos e de custos. · Habilidade de liderança, de comunicação e de solução de conflitos. · Noções de marketing, recursos humanos, operações, financeiro e economia. 42
  • 43. GESTÃO DE PROJETOS - WORK BREAKDOWN STRUCTURE 43
  • 44. TIPOS DE SITES• Site institucional (ou corporativo): divulga informações sobre organizações, produtos ou serviços de uma organização – Sites de empresa – Sites de marca• Sites pessoais: sites ou blogs, escritas com opiniões sobre assuntos diversos• Sites de comunidades: redes de relacionamento, como o orkut,• Sites de conteúdo: tem o objetivo de fornecer informações gratuitas ou pagas. – Portais – Sites de busca 44
  • 45. TIPOS DE SITES• Sites promocionais ou hotsites: sites temporários com finalidade publicitária• Sites de entretenimento: jogos• Lojas virtuais/ e-commerce: destinadas a viabilizar o comércio eletrônico• Intermediários de negócios – brokers: leilões on-line• Sites mídia: dão suporte a outras mídias• Sites artísticos: arte digital 45
  • 46. ÓRGÃOS NORMATIVOS E ASSOCIAÇÕES• CENP – Conselho executivo de normas-padrão• Comitê Gestor da Internet no Brasil• CONAR – Código de Auto- Regulamentação Publicitária• ABP – Associação Brasileira de Propaganda – depositária de idéias• APP – Sudeste – Associação de profissionais de propaganda• SAPESP – Sindicato das Agências de Propaganda do Estado de São Paulo• ABRAWEB - Associação Brasileira de Webdesigners e Webmasters.• Ministério da Ciência e Tecnlogia• Fapesp• Interactive Advertising Bureau Brasil 46
  • 47. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA• Responsável pela formulação da política nacional de informática e da legislação que regula o setor de tecnologia de informação e da internet 47
  • 48. COMITÊ GESTOR DA INTERNET NO BRASIL• Composto por membros do governo, do setor empresarial, do terceiro setor e da comunidade acadêmica, o CGI.br representa um modelo de governança na Internet pioneiro no que diz respeito à efetivação da participação da sociedade nas decisões envolvendo a implantação, administração e uso da rede.• criado pela Portaria Interministerial nº 147, de 31 de maio de 1995 e alterada pelo Decreto Presidencial nº 4.829, de 3 de setembro de 2003, para coordenar e integrar todas as iniciativas de serviços Internet no país, promovendo a qualidade técnica, a inovação e a disseminação dos serviços ofertados. 48
  • 49. COMITÊ GESTOR DA INTERNET NO BRASILAtribuições• a proposição de normas e procedimentos relativos à regulamentação das atividades na internet;• a recomendação de padrões e procedimentos técnicos operacionais para a internet no Brasil;• o estabelecimento de diretrizes estratégicas relacionadas ao uso e desenvolvimento da internet no Brasil;• a promoção de estudos e padrões técnicos para a segurança das redes e serviços no país;• a coordenação da atribuição de endereços internet (IPs) e do registro de nomes de domínios usando <.br>;• a coleta, organização e disseminação de informações sobre os serviços internet, incluindo indicadores e estatísticas. 49
  • 50. FAPESP• Órgão contratado pelo comitê gestor de Internet para operacionalizar o registro dos nomes de domínios e atribuir endereços IP no Brasil - www.registro.br 50
  • 51. INTERACTIVE ADVERTISING BUREAU BRASIL• Responsável por divulgar a padronização dos formatos de publicidade on line http://www.iabbrasil.org.br 51
  • 52. CENP – Conselho executivo de normas-padrão• O Conselho Executivo das Normas-Padrão é uma entidade criada pelo mercado publicitário para fazer cumprir as Normas-Padrão da Atividade Publicitária, documento básico que define as condutas e regras das melhores práticas éticas e comerciais entre os principais agentes da publicidade brasileira.• O CENP existe desde 1998, é presidido por Petrônio Corrêa e tem como seu principal gestor um Conselho Executivo, onde tem assento 22 representantes de Agências de Propaganda, Anunciantes, Veículos de Comunicação e Governo Federal. 52
  • 53. CERTIFICAÇÃO CENP• Uma vez concedido o Certificado, a Agência estará obrigada a respeitar as Normas-Padrão da Atividade Publicidade sob pena de ter seu Certificado suspenso ou cassado 53
  • 54. CONAR• Conselho Nacional de Auto-regulamentação Publicitária, uma ONG encarregada de fazer valer o Código Brasileiro de Auto-Regulamentação Publicitária. Desde então e até esta data, o Conar já instaurou mais de 4 000 processos éticos e promoveu um sem-número de conciliações entre associados em conflito. 54
  • 55. CONAR• O Conar atende a denúncias de consumidores, autoridades, dos seus associados ou ainda formuladas pela própria diretoria. Feita a denúncia, o Conselho de Ética do Conar - o órgão soberano na fiscalização, julgamento e deliberação no que se relaciona à obediência e cumprimento do disposto no Código - se reúne e a julga, garantindo amplo direito de defesa ao acusado. Se a denúncia tiver procedência, o Conar recomenda aos veículos de comunicação a suspensão da exibição da peça ou sugere correções à propaganda. Pode ainda advertir anunciante e agência. O Conar é capaz de adotar medida liminar de sustação no intervalo de algumas horas a partir do momento em que toma conhecimento da denúncia 55
  • 56. ABRAWEB• ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE WEBDESIGNERS Selo personalizado. Com o Selo de Associado em seu site, o visitante ao clicar visualiza um mini-currículo seu, onde você pode ainda indicar outros sites que você administra para visitação 56
  • 57. LEGISLAÇÃO• Código de Ética apresentado no 1°Congresso Brasileiro de Propaganda• Normas-Padrão da Atividade Publicitária• Código de Defesa do Consumidor• Condecine• Direito Autoral• Distribuição Gratuíta de Prêmios...• Estatuto da Criança e Adolescente Normas da Propaganda• Normas da Publicidade Governamental• Normas sobre Licitações e Contratos• Restrições à Propaganda• Trabalhista• Tributária 57
  • 58. PROPRIEDADE INTELECTUAL• ABP – Associação Brasileira de Propaganda – depositária de idéias• Registro de obra intelectual: (Biblioteca Nacional, Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto Nacional do Cinema, Conselho Federal de Engenharia, arquitetura e Agronomia, Conselho Nacional de direito Autoral)• Patentes e marcas – Instituto Nacional de Patentes Industriais 58
  • 59. RELAÇÃO CLIENTE-AGÊNCIA• É função da agência oferecer soluções em comunicação e apresentar uma análise realista do mercado• Todo contato entre cliente e agência deve ser formalizado através de documentos escritos como briefing e relatório de visitas• Não é obrigatória a elaboração de um contrato formal, pode ser feita uma carta acordo baseada na satisfação mútua, porém o contrato é recomendado• Deve haver exclusividade por parte da agência, que não pode aceitar contas de concorrentes diretos do cliente 59
  • 60. RELAÇÃO CLIENTE-AGÊNCIA• O cliente deve utilizar exclusivamente os serviços da agência contratada. (Pode ter uma agência para cada produto, ou uma para os produtos e outra para o institucional)• Todas as despesas que incidirão sobre o cliente deverão ser previamente aprovadas• Quem contrata uma agência de comunicação digital: empresas (cliente direto), agências de propaganda (terceirizam o serviço). Em uma empresa, o contato normalmente é feito pelo departamento de comunicação e/ou marketing. Em uma agência de propaganda, o contato é feito pelo departamento de produção. Se o caso for a adequação de uma campanha off-line com on-line, os departamentos de planejamento e criação. 60
  • 61. RELAÇÃO CLIENTE-AGÊNCIA• Procedimentos éticos• Todo trabalho profissional de propaganda faz jus ao pagamento respectivo nas bases combinadas, prevalecendo na falta destes, o preço comum para trabalhos similares.• Constitui prática desleal a apresentação, pela Agência, de trabalhos de qualquer natureza em caráter especulativo a Cliente de outra Agência, a não ser quando expressamente solicitada pelo Anunciante em concorrência para escolha de Agência.• Como estímulo e incentivo à criatividade, presume-se que as idéias, peças, planos e campanhas de publicidade desenvolvidos pertençam à Agência que os criou, observada a legislação sobre o direito autoral. 61
  • 62. REMUNERAÇÃO• Custos internos• Custos externos• Honorários de produção• Reembolso de despesas• Tabelas referenciais de preços• Tipos de remuneração para fee-lancers e agências – fee mensal fixo – fee mensal integrado + agenciamento – Fee mensal básico + Criação por trabalho realizado (Job a Job) + Agenciamento – trabalho realizado (Job a Job) – horas despendidas (Time sheet) – Por resultados (Success fee) 62
  • 63. PERFIL DO CONSUMIDOR INTERNAUTA• Para traçar o perfil de um público, consideram-se: – Dados demográficos: idade, tamanho da família, ciclo de vida, sexo, renda, ocupação, formação educacional, religião, raça, geração, nacionalidade ou classe social, local, cidade, região, país onde mora. – Dados psicográficos: estilo de vida e / ou personalidade – Dados comportamentais: ocasiões, status do usuário, taxa de uso, status de lealdade, estágio de aptidão do comprador e atitude 63
  • 64. PERFIL DO CONSUMIDOR INTERNAUTA• Há vários estudos na tentativa de classificar o comportamento dos internautas• Everett Rogers – traçou comportamento em relação à inovação – Inovadores: primeiros a adotarem a inovação. Aceitam correr riscos, gostam de status, são arrojados. /raramente tornam-se grupo de referência por serem extravagantes. Para a empresas, são bons testadores de produtos. 64
  • 65. PERFIL DO CONSUMIDOR INTERNAUTA– Primeiros adotantes: tornam-se grupos de referência e formadores de opinião. Para a empresa são importantes para a difusão do produto– Maioria inicial: segmentos de elevado poder aquisitivo que se apoiam nas propagandas de produto e nas opiniões dos primeiros adotantes– Maioria tardia: mais céticos e conservadores, tem menor poder aquisitivo– Retardatários: últimos a dotarem a inovação. Idosos ou pessoas de baixo poder aquisitivo. Pouco importantes para a empresa– Não adotantes: rejeitam o novo produto 65
  • 66. PERFIL DO CONSUMIDOR INTERNAUTA• Teoria das gratificações – verificação das motivações e resistências em relação à Internet• Motivações – Escapismo social: desejo de escapar da realidade pela realização de atividades prazerosas e agradáveis – entretenimento, companheirismo e superação da solidão – Informação e educação – baixo custo – Controle e interação – o usuário tem controle sobre o meio – Socialização – facilita a comunicação e relacionamentos interpessoais – Fator econômico – necessidade de adquirir bens 66
  • 67. PLANEJAMENTO DECAMPANHA ONLINE
  • 68. VANTAGENS DA PUBLICIDADE ONLINE• Baixo custo de veiculação: o espaço de propaganda na Internet é relativamente mais barato do que nas outras mídias de massa• Marketing one-to-one: segmentação e personalização é bem maior, com base nas suas características e preferências individuais• Utilização da informação: a empresa pode ter informações sobre seus clientes usuários da Internet 68
  • 69. VANTAGENS DA PUBLICIDADE ONLINE• Distribuição da informação irrestrita: não há mais limitações temporais e geográficas (porém ainda há restrições de acesso)• Aumento do uso da Internet: aumento do número de usuários 69
  • 70. RISCOS AO CONSUMIDOR• Risco de tempo: dificuldade em encontrar o que precisa• Risco associado ao vendedor: idoneidade da empresa• Risco de segurança: crime virtual• Risco associado à marca: má qualidade do produto ou serviço• Risco de privacidade: divulgação ou uso não autorizado das informações pessoais 70
  • 71. FORMATOS DE PUBLICIDADE ON LINE• Padronizados internacionalmente pela Interactive Advertising Bureau (www.iab.net)• No Brasil, divulgados pela Interactive Advertising Bureau Brasil (www.iabbrasil.org.br)• Existem 8 formatos padronizados pela IAB• A tendência é criar outros formatos, que estimulem a interatividade 71
  • 72. FORMATOS DE PUBLICIDADE ON LINE• Banners (anúncio display): propaganda de exposição, em formato retangular.O objetivo é que a pessoa clique e obtenha mais informações sobre o produto ou serviço. Variações: – Banner rotativo – Banner estático – Banner segmentado – Banner ROS (run-of-site) – Keyword banner – Áudio ou vídeo banner – Banner expansível – Botão 72
  • 73. FORMATOS DE PUBLICIDADE ON LINE• Patrocínio (sponsoring): associação entre uma marca e um site. O objetivo é associar o conteúdo oferecido na páginapágina ao patrocinador desta.• Link patrocinado (search): pagamento aos sites de busca para os resultados aparecerem no topo dos resultados• E-mail marketing e newsletter: ferramentas de database marketing. Objetiva criar relacionamento com os clientes• Classificados: formato reduzido e padronizado, veiculados em portais, lojas virtuais etc. 73
  • 74. FORMATOS DE PUBLICIDADE ON LINE• Rich media: propagandas que utilizam recurso multimídia (streaming) – Intersticial: interrompe a visão e navegação do usuário – Rich-media within the page – Rich-media over the page• Indicação de clientes (referrals): é um programa, em que um site ou loja virtual são remunerados (fee) quando um visitante seu clica em um anúncio que o remete ao site do anunciante.• Propaganda em local determinado (slotting fee): veiculação em local determinado (topo, meio do texto, centro da página) 74
  • 75. OUTROS FORMATOS DE PUBLICIDADE ON LINE• Hot-site: sites temporários, com finalidade publicitária, que divulgam produto ou serviço. Muito usados em campanhas promocionais. São sites “pequenos”.• Pop-up: janela independente que se abre quando o internauta visualiza determinada página de um site• Floater ou layer: “sobre” a página do site• Advergame: jogo como ferramenta para divulgar um produto ou marca. Ex: inserções no Second Life 75
  • 76. ESTRATÉGIAS• De informação: visa prioritariamente informar, enfatizando as razões racionais de compra.• De testemunho: usa uma pessoa pública para dar credibilidade ao produto• De comparação: compara com atributos da concorrência• De humor: explora situações cômicas• Ofensiva: ataca diretamente a concorrência• De defesa: resposta a uma ofensiva• De Posicionamento/ Reposicionamento: mostra novo posicionamento do produto para o público-alvo• 76
  • 77. ESTRATÉGIAS DE POSICIONAMENTO (I) Posicionamento por Atributo Samsung Vip: o menor celular(II) Posicionamento por Benefício Leite Molico para manter a forma.(III) Posicionamento Demográfico Shampoo Johnson & Johnson para crianças.(IV) Posicionamento por Empatia Nestlé: “Nossa vida tem você”(V) Posicionamento por Preço / Qualidade “Insetisan: um pouco mais caro mas muito melhor”
  • 78. ESTRATÉGIAS DE POSICIONAMENTO (VI) Posicionamento por Endosso de Especialista: Ex: Creme dental Philips: “O mais recomendado pelos dentistas”(VII) Posicionamento por Ocasião de Uso Ex: Kellogg’s: o cereal para o café da manhã.(VIII) Posicionamento por Popularidade Ex: Celular Nokia: “O mundo todo só fala nele”.(IX) Posicionamento por País de Origem Ex: Bacalhau da Noruega
  • 79. BRIEFING1 EMPRESA• Nome• Descrição/ ramo de atividade• Histórico• Linha de produtos e/ ou serviços/ embalagem• Preço e tendência (aumento/estabilização/redução)• Vantagens e desvantagens• Como é usado o produto ou serviço e freqüência de uso• Concorrentes: vantagens/ desvantagens em relação ao concorrente• Diferencial• Imagem da marca• Produto (information rich Ex: celular; ou information less Ex: bala) 79
  • 80. BRIEFING2 MERCADO• Canais de venda (qual é o mais importante)• Como se vende o produto ou serviço (pacotes, auto- serviço, atendimento personalizado)• Influências: regionais, sazonais, demográficas (etnia, sexo, idade, instrução,...)• Organização do mercado• Efeitos da propaganda on line 80
  • 81. BRIEFING3 CONSUMIDORES• Compradores: do produto, da concorrência, potenciais.• Ocupação/profissão, posição social, cultural, quantidade, nível de escolaridade, localização (onde moram, trabalham, estudam, passeam,...), grupos de idade, sexo, renda, decisores de compra: formais e informais, influenciadores de compra, necessidade do produto/serviço• Atitude do consumidor com relação a: preço, qualidade, utilidade, conveniência• Principais razões de compra (racionais/emocionais)• O target do mercado do meu produto está on line?• Se estiver, onde ele pode ser encontrado na rede? 81• Comportamento na web.
  • 82. BRIEFING4 OBJETIVOS• Objetivos estratégicos da empresa, objetivos de marketing, objetivos de venda• Objetivos de comunicação (quantos atingir, quem atingir, o que comunicar, curto ou longo prazo) Exemplos de objetivos mais comuns:gerar tráfego - aumento de visitas ao site via banner; criar conhecimento da marca; promover vendas 82
  • 83. BRIEFING5 ESTRATÉGIA BÁSICA• Formatos sugeridos (de sites e publicidade on-line)• Sugestões de criação• Pontos obrigatórios a serem destacados ou evitados• Target primário e secundário• Período de veiculação desejado• Estilo a ser seguido (da empresa, linha , marca)• Definir verba• Relação campanha on-line com campanha off line 83
  • 84. ROTEIRO PARA PLANEJ. DE CAMPANHA ONLINE• Uma vez coletado o briefing, devem constar as seguintes etapas: 1. Informações básicas sobre o produto/ serviço Deve ser definido o conceito que será passado do produto ou serviço em questão. É a visão que agência definir, de forma que o produto ou serviço se torne atraente ao público-alvo. (vocês deverão pesquisar sobre o tema dado para depois chegar nesse conceito). 84
  • 85. ROTEIRO PARA PLANEJ. DE CAMPANHA ONLINE2. Resumo da situação do mercado Entender o mercado/ região onde a campanhaserá desenvolvida. (como é o mercado dascampanhas sociais. Como é a região onde acampanha será desenvolvida?) 85
  • 86. ROTEIRO PARA PLANEJ. DE CAMPANHA ONLINE3. Definição de público-alvoAlém dos dados demográficos (sexo, idade, classesocial etc.), é importante definir os dados psicográficos(hábitos de cultura e lazer, interesses pessoais,linguagem utilizada etc.) 86
  • 87. ROTEIRO PARA PLANEJ. DE CAMPANHA ONLINE4. Análise comparativa da concorrência Definir quem são os concorrentes e verificar asestratégias por eles utilizada (quais os apelos, mídiasutilizadas etc.). 87
  • 88. ROTEIRO PARA PLANEJ. DE CAMPANHA ONLINE5. Definição dos problemas e oportunidadesDefinir qual é o problema principal que pode interferir nacomunicação. (Não é uma análise mercadológica, é decomunicação). Ex: oportunidade – todos oscomputadores do departamento tem como página inicialo csonline, onde será veiculada a campanha. 88
  • 89. ROTEIRO PARA PLANEJ. DE CAMPANHA ONLINE6. Objetivos de marketingFornecida pelo cliente no briefing. A campanhapublicitária deve estar de acordo com a estratégia demarketing. 89
  • 90. ROTEIRO PARA PLANEJ. DE CAMPANHA ONLINE7. Objetivos e metas de comunicaçãoCabe à agência defini-los e demonstrar como serãoatingidos. Ex: memorizar a marca, comunicar mudançade embalagem, enfatizar os aspectos técnicos. Asmetas devem ser quantificadas. Ex: 50% do públicodeve tomar conhecimento da existência do produto em30 dias. 90
  • 91. ROTEIRO PARA PLANEJ. DE CAMPANHA ONLINE8. Definição de estratégias É a explicação da campanha. Define-se o tema e como será apresentado (apelos). São definidos os formatos (e-mail marketing, papel de parede, banner, layer, pop up, propaganda viral, vídeo online, cartões etc.), períodos de veiculação etc. 91
  • 92. ROTEIRO PARA PLANEJ. DE CAMPANHA ONLINE9. Apresentação, explicação e justificativa das peças Aqui são apresentadas as peças criadas, especificando e justificando formato, cores etc. 92
  • 93. ROTEIRO PARA PLANEJ. DE CAMPANHA ONLINE10. Cronograma da campanha Considerar tempo de desenvolvimento e flights de veiculação 93
  • 94. ROTEIRO PARA PLANEJ. DE CAMPANHA ONLINE11. Previsão orçamentária Considerar, a partir das tabelas referencias de preços, o quanto vocês cobrariam pela campanha. 94
  • 95. ROTEIRO PARA PLANEJ. DE CAMPANHA ONLINE12. Meios de mensuração e controle Indicadores que serão utilizados para avaliar a eficácia da campanha 95
  • 96. PLANEJAMENTO DE MÍDIA ONLINE
  • 97. FUNÇÕES DA MÍDIA- Propor caminhos (estratégias e táticas) para que amensagem chegue ao público-alvo, estabelecendoassim pontos de contato com os clientes- Identificar meios e veículos de comunicação queatinjam o consumidor na qualidade e quantidadeexigidos pelos objetivos de comunicação e marketing 97
  • 98. CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS:• é massiva e também dirigida;• pouco dispendiosa em termos de produção;• baixo custo de veiculação se comparada com outros meios;• rapidez e flexibilidade;• a mensagem pode ter cor, movimento e som;• interatividade instantânea;• pode ser usada como ferramenta de marketing direto. 98
  • 99. CONCEITOS• Alcance – é o percentual não duplicado de um público exposto à mensagem durante um período de tempo (geralmente quatro semanas). O total de pessoas atingidas por uma veiculação.O número de pessoas diferentes impactadas pela peça publicitária• Número de inserções - é a quantidade de veiculação de uma mensagem.• Audiência - é o total de pessoas que assistem/ouvem/vêem um veículo de comunicação (Ex: um portal) 99
  • 100. CONCEITOS• Impactos – é o total de vezes que a pessoa foi exposta à mensagem publicitária, incluindo a superposição (a mesma mensagem captada por uma mesma pessoa diversas vezes).• Cobertura: – alta - acima de 70% do público alvo – média - entre 40 e 70% – baixa - abaixo de 40% 100
  • 101. CONCEITOS• Continuidade – modo como as mensagens são programadas ao longo do tempo de campanha. – Linear – ideal para campanhas longas e diluídas, onde não há pressa para obtenção de resultados. Típica de campanhas de marca ou institucionais. – Concentrada – típica de campanhas curtas como as promocionais, as de venda, as de varejo e até mesmo as sazonais. 101
  • 102. CONCEITOS– Ondas – caracteriza-se por períodos de ação e períodos sem qualquer veiculação. Ideal para produtos/marcas e serviços sazonais ou que tenham liderança destacada e imagem de marca bastante forte.– Pulsação – é uma mistura de linear com ondas. Há períodos com maior ação de mídia e outros com menor ação, mas nunca há intervalo de veiculação. 102
  • 103. FATORES ESSENCIAIS PARA A ESCOLHA DOS VEÍCULOS• o público alvo;• o âmbito da campanha – nacional, estadual, regional, local;• a natureza do produto – sazonalidade, ritmo de compra, qualidades que devem ser mostradas/demonstradas, possíveis restrições jurídicas;• a estratégia de comunicação dos concorrentes;• a natureza e o tipo de mensagem que iremos veicular;• as oportunidades de mídia;• o prestígios do meio;• a verba disponível para veiculação; 103
  • 104. PLANEJ. DE MÍDIA ONLINE• Definir – Objetivos (cobertura/ quem atingir em quanto tempo) – Públicos (primário, secundário) – Estratégia (continuidade) – Tática (em quais sites anunciar, modelo de veiculação- CPM/ CPD/Custo fixo) qual mailing usar, flights de veiculação, etc.) 104
  • 105. MENSURAÇÃO DE RESULTADOS• Ad views: número total que os usuários acessaram uma página na qual tem uma propaganda do anunciante• Ad clicks ou click-throughs: número de vezes que os usuários clicam no anúncio• Alcance (reach): número total de pessoas expostas, ao menos uma vez, durante um período específico• Audiência: percentual de pessoas atingidas• Click rate: taxa de cliques. Ex: se um banner teve mil ad views e cem ciques, então o click rate é 10%• Click stream: sequência de passos dados pelo internauta ao clicar no anúncio 105
  • 106. MENSURAÇÃO DE RESULTADOS• Custo por clique – CPC: custo do anúncio baseado no número de cliques• Custo por mil – CPC: custo por mil impressões na tela• Custo por visitante – CPV: custo de um anúncio dividido pela quantidade de visitantes à um site ou anúncio• Duração da visita: tempo que o usuário fica conectado a um anúncio• Frequência efetiva: número de vezes que um indivíduo é exposto a um anúncio• Gross exposures: total de vezes que um anúncio é visto, ou seja, o número de impressões de um anúncio 106
  • 107. MENSURAÇÃO DE RESULTADOS• Hit: qualquer atividade realizada por um internauta (toda vez que um servidor da web envia um arquivo a um internauta e registra esta atividade)• Page view: mesmo que ad view. Número total que as páginas foram abertas por usuários• Visita: visita de um usuário a uma página• Visitantes únicos: número de diferentes indivíduos que visitam um site por determinado período de tempo.• Compra efetiva: número de usuários que compraram um produto a partir de um anúncio 107
  • 108. TÉCNICAS DE APRESENTAÇÃO• A estrutura de uma apresentação deve ter: – Introdução – Corpo de informações (conteúdo) – Resumo/Conclusão 108
  • 109. ETAPAS DA APRESENTAÇÃO• Identificação pessoal, especialidade, cargo/ocupação, breve apresentação da empresa na que representa etc.• Assunto/Tema da apresentação• Uma síntese do tema e sua estrutura (como você vai apresentar o conteúdo)• Objetivo do seu TEMA, o que será apresentado.• Referência do tipo de apoio visual que se planeja usar.• Referência ao tempo da apresentação.• Referência às perguntas e discussão.• Resumo e conclusão. 109
  • 110. PREPARAÇÃO PARA UMA APRESENTAÇÃO• Conhecer o seu público-alvo: Nível ou conhecimento técnico , expectativa, porte da platéia (ou número de pessoas), habilidade de concentração, capacidade para se lembrar, interesse e comprometimento, comportamento.• Atentar para os seguintes itens: organização , entusiasmo, clareza, tempo estipulado, material visual (evitar erros gramaticais, material de difícil visualização), usar o material de apoio e não como fonte de leitura, dar a devida importância ao material visual, não falar depressa ou devagar demais, usar a simplicidade, adequação da linguagem (formal/informal). 110
  • 111. PREPARAÇÃO PARA UMA APRESENTAÇÃO• Ter domínio do corpo:• Tom (voz): – variável/volume – pausa/velocidade• Linguagem (expressão) corporal: – contato com o olhar – gesto/movimento – postura (não fale de costas para sua platéia) 111
  • 112. MKT E COMUNICAÇÃO INTEGRADA• Produto• Preço maketing• Praça/ Ponto de Venda• Promoção com. integrada – Publicidade – Promoção de vendas publicidade – Relações públicas – Venda pessoal – Interatividade/ mídias digitais – Marketing direto – Licenciamento – Patrocínio 112
  • 113. MARKETING DIRETO - HISTÓRICO• O berço do marketing direto foi a os EUA. Teve início com a utilização do sistema de correio como canal de vendas em 1872;• O idealizador do processo foi Aaron Montgomery Ward;o primeiro catálogo de Aaron vendia produtos hortifrutigranjeiros e foi distribuído a partir de Chicago;• Apresentava-se então uma nova forma de comercializar e distribuir produtos sem o uso de intermediários – varejistas, atacadistas e outros – e que poderia estar presente em vários lugares, sem gerar custos altos; 113
  • 114. MARKETING DIRETO - HISTÓRICO• Teve um cenário propício com o grande desenvolvimento do transporte ferroviário nos EUA e com o início da produção industrial. Em 1886, Richard Sears operacionalizou um serviço de vendas pelo correio através de catálogos com grande variedade de produtos;• Somente após o sucesso das vendas diretas é que Sears abriu sua primeira loja de varejo, em 1925;• Atualmente, o desenvolvimento tecnológico faz com que o marketing direto experimente um novo salto evolutivo (informática, telefonia, fax, tv aberta e fechada). 114
  • 115. RAZÕES DE USO• Eliminar a necessidade de se montar um ponto de venda em determinada localidade ou a necessidade de aumentar o grupo de vendas pessoais para cobrir alguma região;• Mensuração e controle direto do retorno publicitário 115
  • 116. MARKETING DIRETO - CONCEITO• Sistema de marketing que utiliza um ou mais meios de propaganda para obter uma resposta mensurável e/ou uma transação em qualquer lugar (Direct Marketing Association) 116
  • 117. O MARKETING DIRETO NO BRASIL• Há um cenário a princípio favorável ao marketing direto no Brasil, entretanto ele enfrenta algumas barreiras que atrapalham o seu desenvolvimento. São eles: – Falta de hábito de compra por marketing direto; – Falta de confiança no marketing direto; – Aperfeiçoamento dos serviços de correio, telefonia provedores; – Dificuldade de acesso a cadastros de credibilidade; – Carência de pessoal especializado. 117
  • 118. O MARKETING DIRETO NO BRASILMERCADO BRASILEIRO DE MARKETING DIRETO ESTIMATIVA DO TAMANHO DO MERCADO ( RECEITA ) R$ 17,4 Bi 2007 Fonte: Simonsen Associados, empresas consultadas
  • 119. MERCADO BRASILEIRO DE MARKETING DIRETO TAXA DE CRESCIMENTO DO MERCADO (ÚLTIMOS 7 ANOS) Crescimento Médio (últimos 7 anos) = 12,8% a.a.Indicadores ABEMD Fonte: Simonsen Associados, empresas consultadas
  • 120. MERCADO BRASILEIRO DE MARKETING DIRETO TAXA DE CRESCIMENTO DO MERCADO NO ÚLTIMO ANO R$ 17,4 bi R$ 15,1 bi Crescimento 2006 a 2007 (último ano) = 15,2% a.a. 2006 2007Indicadores ABEMD Fonte: Simonsen Associados, empresas consultadas
  • 121. MERCADO BRASILEIRO DE MARKETING DIRETO PARTICIPAÇÃO POR SEGMENTO NO MERCADO E CRESCIMENTO ANUAL RECEITA: ESTIMATIVA 2007 Variação Receita 2007/06 % do (M R$) (% a.a.) Empresas de Call Center/Contact total center/Telemarketing 23,6% 4.100 + 9,3 Serviços de Internet e E-commerce 22,9% 3.980 + 21,3 Gráficas: Impressão para Marketing Direto 14,5% 2.520 + 9,6 Distribuição e Logística 14,4% 2.500 + 11,1 Tecnologia Relacionada a Marketing Direto 14,3% 2.480 + 18,1 Empresas de Database e CRM 5,9% 1030 + 32,1 Agências de marketing direto 1,8% 310 + 19,2 Fornecedores de Listas 0,4% 70 + 16,7 Outros 2,4% 410 + 28,1 M = Milhão Total M R$ 17.400 + 15,2Indicadores ABEMD Fonte: Simonsen Associados, empresas consultadas
  • 122. MERCADO BRASILEIRO DE MARKETING DIRETO PRINCIPAIS SEGMENTOS USUÁRIOS: ESTUDO SOBRE 2007 (% DO VALOR) Instituições Financeiras 24 Telecomunicações/Utilidades 15 Publicações e Assinaturas 11 Comércio em geral e 9 catálogos Indústria 8,5 Automobilistica/autopeças Fund. Raising/religioso 3,5 Outros diversos 29Indicadores ABEMD Fonte: Simonsen Associados, empresas consultadas
  • 123. MERCADO BRASILEIRO DE MARKETING DIRETO PARTICIPAÇÃO NA RECEITA POR TIPO DE OPERAÇÃO ESTUDO SOBRE 2007 B2B 34% B2C 66% Total = R$ 17,4 BiIndicadores ABEMD
  • 124. FORMATOS• Mala direta• Catálogos• Telemarketing• Envio de brindes• E-mail marketing• E-commerce• Newsletter• SMS 124
  • 125. EXEMPLOS 125
  • 126. EXEMPLOS 126
  • 127. EXEMPLOS 127
  • 128. MKT DIRETO X CICLO DE VIDA DO CONSUMIDOR 128
  • 129. ÉTICA E-MAIL MKT X SPAM• “Boas maneiras” nas ações de e-mail marketing 1 - Ética 2 - Opt in 3 - Opt out 4 - Uso do endereço eletrônico 5 - Tamanho dos arquivos 6 - Auto-executáveis 7 - Relevância. 8 - Freqüência 129
  • 130. CENÁRIO ATUAL• Multiplicidade de mídias• Estruturas em rede• “Conversas” na rede• Mais possibilidades para formação e gerenciamento de bancos de dados• Interatividade 130
  • 131. CRM• Marketing de relacionamento• Customer Relationship Management – Estratégias e tecnologias de CRM devem proporcionar à empresa meios de relacionar-se em real time 131
  • 132. MODELOS DE SERVIÇO - CRM• Recompensa: recompensa o ato de compra com bônus ou outra forma de ganho• Contratual: exige adesão mediante paga mento de taxa• Educacional: prevê envio regular de informações sobre a empresa/cliente/produto• Valor agregado: agrega algum serviço ao produto. Reconhece a condição de cliente fiel e não apenas no ato da compra. – Básico – essencial ex: caixa eletrônico – Esperado - parte do negócio ex: assistência pós-venda – Desejado – não espera, mas aprecia ex: ao comprar roupa ganha lavagem em lavanderia – Inesperado – ex: oferecer transporte para um evento 132
  • 133. PLANEJAMENTO DE MARKETING DIRETO• Definição dos objetivos• Desenvolvimento da oferta/proposição (inauguração, brindes, descontos, parcelamentos, liquidação etc.)• Seleção do mix de produtos• Diagnóstico do mercado• Segmentação• Seleção das mídias• Controle 133
  • 134. CASE• A Campanha de Aquisição – Agência Datamídia• Cliente – Nivea• Estratégia: combinava a promessa de informações em primeira mão sobre os produtos e dicas personalizadas, além de amostras grátis. Os canais utilizados foram e-mail, banners e hotsite. Ao clicar no banner ou no link do e-mail, a consumidora era direcionada para um hotsite com o formulário de inscrição no programa. No próprio hot site, ela poderia indicar amigas para se inscrever também. Foram testadas duas ofertas: – 1. Bastava se inscrever para ganhar um necessaire com um produto NIVEA. 2. As primeiras 1.000 pessoas que se inscrevessem ganhariam o necessaire com um produto NIVEA. 134
  • 135. CASE• A oferta que obteve mais respostas foi a do brinde para os 1.000 primeiros. A taxa de resposta das duas ofertas foi de 1,16% para mídia on-line, e 20,8% para e-mail, que geraram 164.496 cadastros no programa. Do total de cadastros, 6% ou 9.853 pessoas vieram através de indicações de amigos.• Participação da Datamidia,FCBi neste case:• Planejamento Estratégico• Seleção e aluguel de listas• Planejamento e compra de mídia online• Criação e produção de peças de Comunicação Dirigida (on e offline)• Matriz de testes para campanhas e listas• Plano Amostral• Mensuração e Análise de resultado• Gerenciamento do processo de Fulfillment• Gerenciamento de banco de dados 135
  • 136. 136
  • 137. NEWSLETTER• Definição: o envio periódico de notícias de interesse do público-alvo via email.• Vantagens: a newsletter, quando bem planejada, oferece uma maior proximidade entre o público-alvo e a empresa, por meio do compartilhamento de interesses comuns. – Segmentar as informações de sua empresa, aos usuários cadastrados – Lançar promoções exclusivas aos internautas – Informar novas ofertas ou promoções de novos produtos e serviços – Atualizar endereços, telefones e contatos de sua empresa. 137
  • 138. NEWSLETTER - OBJETIVOS· Informar a clientes, fornecedores, parceiros e colaboradores tudo o que acontece com a empresa e que tem relevância jornalística. · Informar a prospects (possíveis clientes) que você existe, o que faz e quem é a sua empresa. · Criar uma imagem positiva da empresa. · Valorizar colaboradores. · Valorizar clientes e parceiros, através de notícias deles publicadas na newsletter. · Mostrar ao mercado o quanto sua empresa "se mexe", o que ela anda fazendo, no que está investindo. · Fidelizar clientes, parceiros, fornecedores e colaboradores. · Gerar venda direta e indireta. · Aumentar a visitação ao site da empresa. 138
  • 139. NEWSLETTERProcedimento: o cliente, ao assinar a Newsletter, enviaseus dados básicos, como: nome, e-mail, telefone, quesão automaticamente armazenados em um banco dedados, gerando para empresa uma lista de e-mails dosclientes. Tendo esta lista cadastrada e atualizada, aempresa pode adotar uma comunicação ampla e rápidajunto aos clientes. 139
  • 140. NEWSLETTER Layout básico:• Topo: onde está localizado o nome do site ou o assunto principal da newsletter. Corpo: onde estão localizados todos os assuntos da newsletter. Rodapé: o final da newsletter, onde se localiza, geralmente, um link para o site.• No subject o assunto deve estar de forma clara e simples. 140
  • 141. PROCESSO DE PRODUÇÃO DIGITAL• Briefing (conceito) – definição do foco da peça digital, seu consumidor, objetivos de marca e venda.• Estrutura ou roteiro – como vai ser a navegação, definição do mapa de dados e arquitetura de navegação• Interface – design estrutural, projeto gráfico e direção de arte• Programação – escolha da tecnologia e viabilização do projeto 141
  • 142. RELATÓRIO TÉCNICO DE SITE1) Objetivos de comunicação do site2) Público-alvo3) Conteúdo4) Design5) Meios de divulgação do site6) Plano tático-operacional: equipe; provedor; registro de domínio; tecnologia; infra-estrutura; política de privacidade; política de segurança; banco de dados7) Orçamento8) Avaliação de resultados 142
  • 143. RELATÓRIO TÉCNICO DE SITE1) Objetivos de comunicação do site – Quantos novos clientes são esperados? – Qual a taxa de cliques desejada? – Que imagem se espera que o cliente tenha da empresa? – Qual o grau de lembrança da marca se espera alcançar? – Quantas pessoas deverão ser expostas à comunicação? 143
  • 144. RELATÓRIO TÉCNICO DE SITE2) Público-alvo – Qual o perfil do público a ser atingido? (faixa etária, renda, sexo, ocupação, nível educacional, estilo de vida, estado civil, personalidade, hábitos de uso da internet, linguagem) – Outros públicos serão contemplados: (imprensa, governo, fornecedores, investidores, funcionários) 144
  • 145. RELATÓRIO TÉCNICO DE SITE3) Conteúdo – O que deve ser comunicado sobre a empresa? – Que tipo de informações e dados serão fornecidos? – Que tipo de serviços serão oferecidos? – Quais informações deverão ser coletadas? – Os textos serão fornecidos pela empresa ou deverão ser redigidos? – Que tipo de interatividade será estabelecida com o cliente? – Terá FAQs? 145
  • 146. RELATÓRIO TÉCNICO DE SITE4) Design – Quais as cores do site? – Tipologia? – Terá ilustrações? – Qual será o estilo/ estética do site? – Terá elementos visuais temáticos? 146
  • 147. RELATÓRIO TÉCNICO DE SITE5) Meios de divulgação do site – Como será a divulgação do site para os diversos públicos? – Que incentivos serão oferecidos aos clientes para atraí-los ao site?6) Plano tático-operacional:• equipe – Quem será a equipe do site? Definir nomes e funções – A equipe será contratada pela empresa? Será uma empresa terceirizada? 147
  • 148. RELATÓRIO TÉCNICO DE SITE• provedor – Qual será o provedor de acesso/ hospedagem?• registro de domínio – Já possui domínio registrado? – Qual será o domínio?• tecnologia – Quais softwares serão utilizados?• infra-estrutura – Qual será a infra-estrutura necessária? – Será necessário manter estoques, contratar uma empresa de logística, uma equipe para atendimento on line? 148
  • 149. RELATÓRIO TÉCNICO DE SITE• política de privacidade e segurança – Será implantado um sistema de criptografia – Será necessário contratar uma empresa especializada em segurança on line?• banco de dados – Será formado um banco de dados a partir de clientes cadastrados? 149
  • 150. RELATÓRIO TÉCNICO DE SITE7) Orçamento – Quais os gastos na construção, implementação, manutenção e atualização do site?8) Avaliação de resultados – Que relatórios serão obtidos para medir os resultados? – Quais serão os indicadores de resultados selecionados? 150
  • 151. REVISÃO DE SITE• Clareza da comunicação – As informações estão claras para o público-alvo? – A linguagem é adequada para os leitores?• Acessibilidade – Demora para carregar? – É apropriado para o tipo de conexão do meu público? – Existe uma forma fácil de entrar em contato com o webmaster ou autor do site?• Design – O site possui um design adequado? O formato favorece a visualização e leitura? – As páginas do site possuem um design unificado/ coerente? – Para isso usa recursos visuais que dão unidade visual ao site? 151
  • 152. REVISÃO DE SITE• Navegação – Os links estão perceptíveis? Usam padrões de cor? – Os links estão em locais coerentes? – É fácil encontrar as informações desejadas? – Existem páginas “sem saída”?• Manutenção – Existem links “mortos”? Imagens que não abrem ou demoram a carregar? – Formulários ou e-mails com problemas para envio de informações? 152
  • 153. MENSURAÇÃO DE RESULTADOS• n. de visitas: quantidade de impressões do site• páginas vistas por visita e tempo de visita: como interagem com o conteúdo do site• distinção entre primeira visita e visitantes habituais: fidelidade do usuário• tempo e horários de uso mais comuns: bons para fazer manutenção do site em horário de poucas visitas• páginas mais populares e menos visitadas: identifica o conteúdo de maior interesse 153
  • 154. MENSURAÇÃO DE RESULTADOS• caminho seguido dentro do site: condições de navegabilidade• taxa de click through: mostra o desempenho de cada anúncio• brownser usado: ajuda na concepção/tecnologia do site• URL de referência: mostra de onde vem o usuário• plataforma do computador do usuário: PC ou Mac• página de entrada do site: nem sempre os usuários entram pela home page• página de saída do site: redesenhar as páginas de saída para torná-las mais atraentes 154