ABDIB - Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústria de Base Perspectivas do mercado deredução de emissões de gases...
Experiência profissional• Pesquisador na USP e na Universität Stuttgart (1989-1999)• Co-fundador da Ecoinvest/Ecopart/EQAO...
Fonte: Rubens Paiva http://www.flickr.com/photos/rubenspaiva/2985281491/15-Setembro-2011     ABDIB - A. R. J. Esparta, Per...
15-Setembro-2011   ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no p...
15-Setembro-2011   ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no p...
Evidências da mudança do clima(Fonte: Nasa, http://climate.nasa.gov/evidence/)• Aumento do nível do mar: o nível do mar su...
Evidências da mudança do clima                                          Fonte: IPCC Fourth Assessment Report (AR4)15-Setem...
Ciência da Mudança do Clima (atualização)15-Setembro-2011   ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução d...
Ciência da Mudança do Clima• Emissões mundiais cresceram 70% entre 1970 e 2004       (de 28,7 para 49 GtCO2e)• Maior cresc...
15-Setembro-2011   ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no p...
Ciência da Mudança do Clima• Potenciais econômicos de mitigação em 203015-Setembro-2011   ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspe...
Convenção do Clima (1992 ... 1994)• Artigo 2 – Objetivo: O objetivo final desta convenção .. é  de alcançar ... a estabili...
Mecanismo de Desenvolvimento Limpo• Art.12,           §2.              -         O            objetivo                    ...
Cenário de referência (“baseline”)                   Emissões de GEEs                                              Projeçã...
Ciclo de projeto MDL15-Setembro-2011   ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases d...
Ciclo de projeto MDL1. Comunicação de consideração do MDL (6 meses do “início” do   projeto)2. Elaboração de documento de ...
Tema complexo e multidisciplinar                   Fonte: Economia do Clima – Estudos econômicos das mudanças climáticas n...
Emissões per capita15-Setembro-2011   ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de...
Aspectos que norteiam o debate• Princípio da precaução• Poluidor pagador• Responsabilidades comuns porém  diferenciadas   ...
Aspectos que norteiam o debate• Metas indicativas dos países desenvolvidos         – Redução de 20-40% até 2020         – ...
Desenvolvimento Econômico e Emissões15-Setembro-2011   ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emi...
Mercados reagem a políticas• Reagindo a políticas de enfrentamento ao aquecimento  global, três mercados estão em desenvol...
Ética da mudança do clima    The Ethics of Climate Change: Pay Now or Pay More Later. J. Broome (2008)•      O que devemos...
Mercados reagem a políticas                                        Exportação Brasileira dos Setores Industriais - 2009   ...
APA – American Power Act• Fontes renováveis de energia         – Incentivos financeiros;         – Facilitando o licenciam...
Política Nacional de Mudança do Clima•      Lei Federal nº 12.187, 29/12/2009•      Art. 12. - Para alcançar os objetivos ...
Política Nacional de Mudança do Clima• Ações de mitigação nacionalmente apropriadas  (NAMAs - National Apropriated Mitigat...
Política Estadual de Mudanças Climáticas• Estado de São Paulo, lei 13.798, 9/11/2009• Artigo 32 - O Poder Executivo, por i...
Mercados Voluntários• Oportunidade real para pequena escala (MDL   altos custos e risco regulatório favorecem projetos  H...
Mercados Voluntários• Busca de padronização/normas         – Chicago Climate Exchange (http://www.chicagoclimatex.com/)   ...
Como se preparar?• O que significaria aceitar uma congelamento de  emissões de GEEs por um período de 5 a 10 anos?• E se f...
Conclusões• Mercado de redução de emissões veio para ficar mas  alta volatilidade é provável (indecisão sofre o pós-  Quio...
Contato         A. Ricardo J. Esparta         EQAO         Rua Padre João Manoel 222         01411-000 São Paulo-SP       ...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no pós-Quioto

720 views
667 views

Published on

Apresentação realizada em 15 de setembro de 2011 na sede da ABDIB em São Paulo.

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
720
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
23
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no pós-Quioto

  1. 1. ABDIB - Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústria de Base Perspectivas do mercado deredução de emissões de gasesde efeito estufa no pós-Quioto A. Ricardo J. Esparta EQAO 15 de setembro de 2011
  2. 2. Experiência profissional• Pesquisador na USP e na Universität Stuttgart (1989-1999)• Co-fundador da Ecoinvest/Ecopart/EQAO (1999)• Professor de Pós-graduação do IMT (2000)• Quarenta e seis projetos MDL registrados, 35 projetos em geração de eletricidade por fontes renováveis de energia (biomassa, PCH e eólica)• Vinte e seis projetos MDL com ~ 7,5 milhões de CERs/RCEs emitidas (~ R$ 200 milhões de faturamento)• Membro do “CDM-Accreditation Panel”• Participação em projetos de geração de eletricidade por fontes renováveis (Central Geradora Eólica Gargaú)15-Setembro-2011 ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no pós-Quioto 2/33
  3. 3. Fonte: Rubens Paiva http://www.flickr.com/photos/rubenspaiva/2985281491/15-Setembro-2011 ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no pós-Quioto 3/33
  4. 4. 15-Setembro-2011 ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no pós-Quioto 4/33
  5. 5. 15-Setembro-2011 ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no pós-Quioto 5/33
  6. 6. Evidências da mudança do clima(Fonte: Nasa, http://climate.nasa.gov/evidence/)• Aumento do nível do mar: o nível do mar subiu 17 cm no século XX. No período 1999-2008 subiu a uma taxa equivalente a mais de 30 cm por século.• Aumento global da temperatura: Todas as reconstruções da temperatura global superficial indicam aquecimento desde 1880. A maior parte desse aquecimento aconteceu a partir da década de 1970, com os 20 anos mais quentes ocorrendo desde 1980 e os 10 mais quentes nos últimos 12 anos. Apesar da baixa atividade solar no anos 2000, com um mínimo no período 2007-2009, as temperaturas superficiais continuaram a aumentar.• Aquecimento dos oceanos: os oceanos absorveram parte importante desse calor adicional, com os 700m superficiais aquecendo 0.17 graus Celsius desde 1969.• Redução da massa de gelo da Groenlândia e da Antártica: Groenlândia perdeu 150-250 km3 de gelo entre 2002 e 2006 e a Antártica aproximadamente 150 km3 entre 2002 e 2005.• Redução da extensão e espessura do gelo no Ártico: a extensão e a espessura do gelo no Ártico decresce constantemente nas últimas décadas. Um novo mínimo histórico foi atingido em 8 de setembro de 2011 (Fonte: http://www.iup.uni-bremen.de/seaice/amsr/)• Aumento da concentração de CO2 no oceano: aumento consistentemente desde 1750, aumentando cerca de 30% a acidez dos oceanos; taxa atual de 2 bilhões de toneladas por ano.15-Setembro-2011 ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no pós-Quioto 6/33
  7. 7. Evidências da mudança do clima Fonte: IPCC Fourth Assessment Report (AR4)15-Setembro-2011 ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no pós-Quioto 7/33
  8. 8. Ciência da Mudança do Clima (atualização)15-Setembro-2011 ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no pós-Quioto 8/33
  9. 9. Ciência da Mudança do Clima• Emissões mundiais cresceram 70% entre 1970 e 2004 (de 28,7 para 49 GtCO2e)• Maior crescimento no setor energético (145%) e transporte (120%)• Tendência de aumento mantida nas próximas décadas: 25 a 90% entre 2000 e 2030, ou seja um aumento entre 9,7 e 36,7 GtCO2e/a15-Setembro-2011 ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no pós-Quioto 9/33
  10. 10. 15-Setembro-2011 ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no pós-Quioto 10/33
  11. 11. Ciência da Mudança do Clima• Potenciais econômicos de mitigação em 203015-Setembro-2011 ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no pós-Quioto 11/33
  12. 12. Convenção do Clima (1992 ... 1994)• Artigo 2 – Objetivo: O objetivo final desta convenção .. é de alcançar ... a estabilização das concentrações de gases de efeito estufa (GEEs - formadores do efeito estufa) na atmosfera num nível que impeça uma interferência antrópica perigosa no sistema climático. Este nível deverá ser alcançado num prazo suficiente que permita aos ecossistemas adaptarem-se naturalmente à mudança do clima, que assegure que a produção de alimentos não seja ameaçada e que permita ao desenvolvimento econômico prosseguir de maneira sustentável.• Compromissos voluntários (redução aos valores de 1990 até 2000)15-Setembro-2011 ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no pós-Quioto 12/33
  13. 13. Mecanismo de Desenvolvimento Limpo• Art.12, §2. - O objetivo do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo deve ser prestar assistência às Partes não incluídas no Anexo I para que possam atingir o desenvolvimento sustentável e contribuir para o objetivo final da Convenção, e assistir às Partes incluídas no Anexo I para que possam cumprir a sua limitação quantificada de emissões e compromissos de redução assumidos no Artigo 3.15-Setembro-2011 ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no pós-Quioto 13/33
  14. 14. Cenário de referência (“baseline”) Emissões de GEEs Projeção de Emissões 5% ?? % Ano 1990 2008 2012 201615-Setembro-2011 ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no pós-Quioto 14/33
  15. 15. Ciclo de projeto MDL15-Setembro-2011 ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no pós-Quioto 15/33
  16. 16. Ciclo de projeto MDL1. Comunicação de consideração do MDL (6 meses do “início” do projeto)2. Elaboração de documento de concepção de projeto (DCP), usando metodologia de linha de base e plano de monitoramento aprovados;3. Validação (verifica se o projeto está em conformidade com a regulamentação do Protocolo de Quioto);4. Aprovação pela Autoridade Nacional Designada – AND, que no caso do Brasil é a Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima – CIMGC (verifica a contribuição do projeto para o desenvolvimento sustentável);5. Submissão ao Conselho Executivo para registro;6. Monitoramento;7. Verificação/certificação;8. Emissão de unidades segundo o acordo de projeto.15-Setembro-2011 ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no pós-Quioto 16/33
  17. 17. Tema complexo e multidisciplinar Fonte: Economia do Clima – Estudos econômicos das mudanças climáticas no Brasil, 200915-Setembro-2011 ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no pós-Quioto 17/33
  18. 18. Emissões per capita15-Setembro-2011 ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no pós-Quioto 18/33
  19. 19. Aspectos que norteiam o debate• Princípio da precaução• Poluidor pagador• Responsabilidades comuns porém diferenciadas – Países desenvolvidos – Países em desenvolvimento• Crescimento: econômico/energético/emissões• Transferência de tecnologias• Pobreza e impacto climático15-Setembro-2011 ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no pós-Quioto 19/33
  20. 20. Aspectos que norteiam o debate• Metas indicativas dos países desenvolvidos – Redução de 20-40% até 2020 – Comprometimento de redução de 80% até 2080 – Lideram a iniciativa mostrando a viabilidade de uma economia de baixo carbono• Metas indicativas dos países em desenvolvimento – Comprometimento com metas futuras* – Desenvolvimento de um plano de mitigação nacional – Meta de 2 ton de CO2/habitante até 2050• Comércio de emissões – Barateiam o custo de redução – Possibilitam a inserção dos mais pobres no modelo15-Setembro-2011 ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no pós-Quioto 20/33
  21. 21. Desenvolvimento Econômico e Emissões15-Setembro-2011 ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no pós-Quioto 21/33
  22. 22. Mercados reagem a políticas• Reagindo a políticas de enfrentamento ao aquecimento global, três mercados estão em desenvolvimento – Mercado para cumprimento de metas do Protocolo de Quioto • Países anexo-I – Comércio de emissões com outros países anexo-I (ET) – Mecanismos de flexibilização (JI - CDM) – Mercado relacionados à Quioto • EU-ETS (Comércio Europeu de Licenças de Emissão) – Outorga de quantidade limitada de licenças de emissão – Mercado voluntário no Japão – Mercados não relacionados à Quioto • Chicago Climate Exchange (mercado voluntário, melhoria continua) • RGGI (10 Estados do NE dos EUA, cap & trade, http://www.rggi.org/) • Austrália – “July 10, 2011 the 500 largest emitters in Australia will be taxed at $23/tonne of carbon emission, effective from July 1, 201215-Setembro-2011 ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no pós-Quioto 22/33
  23. 23. Ética da mudança do clima The Ethics of Climate Change: Pay Now or Pay More Later. J. Broome (2008)• O que devemos fazer a respeito da mudança global do clima? A ciência, incluindo a economia, pode ajudar a descobrir as causas e efeitos. Pode ajudar a indicar o que podemos fazer. Entretanto, o que devemos fazer é uma questão ética.• A questão do clima é ética porque qualquer resposta deve considerar interesses conflitantes de pessoas/sociedades diferentes. Se o mundo tiver que fazer algo, algumas pessoas, principalmente aqueles em melhores condições econômicas na presente geração, terão que reduzir suas emissões de gases de efeito estufa para livrar gerações futuras da de uma vida mais limitada em um mundo mais quente.• As gerações futuras serão mais afetadas pelos possíveis efeitos danosos da mudança global do clima. Entretanto, se houver crescimento econômico, essas gerações terão mais recursos que a presente geração para atacar o problema.• A presente geração tem que decidir se devemos tentar reduzir esse risco de dano futuro ou se devemos deixar nossos descendentes, supostamente mais ricos, cuidarem de si mesmos.• Mesmo uma chance ínfima de grandes catástrofes e problemas advindos da mudança do clima conduz a discussões éticas importantes e inevitáveis.15-Setembro-2011 ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no pós-Quioto 23/33
  24. 24. Mercados reagem a políticas Exportação Brasileira dos Setores Industriais - 2009 (US$ milhões FOB) Total 152.995 Produtos industriais (*) 104.608 Produtos não industriais 48.387 Setores Valor exportado (US$ milhões) Alimentos, bebidas e tabaco 31.737 Produtos metálicos 14.963 Veículos automotores, reboques e semi-reboques 9.351 Produtos químicos,excl. farmacêuticos 7.536 Máquinas e equipamentos mecânicos n. e. 6.976 Madeira e seus produtos, papel e celulose 6.722 Produtos de petróleo refinado e outros combustíveis 5.791 Aeronáutica e aeroespacial 4.536 Têxteis, couro e calçados 3.854 Máquinas e equipamentos elétricos n. e. 2.997 Borracha e produtos plásticos 2.320 Equipamentos de rádio, TV e comunicação 2.045 Outros produtos minerais não-metálicos 1.522 Farmacêutica 1.550 Produtos manufaturados n.e. e bens reciclados 1.326 Instrumentos médicos de ótica e precisão 714 CERs 476.5 Equipamentos para ferrovia e material de transporte n. e. 346 Material de escritório e informática 203 Construção e reparação naval 119 Fonte: CantorCO2e Brasil15-Setembro-2011 ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no pós-Quioto 24/33
  25. 25. APA – American Power Act• Fontes renováveis de energia – Incentivos financeiros; – Facilitando o licenciamento; – Investindo em P&D.• CCS - Carbon Capture and Storage (captura e armazenamento de carbono) – Institui um programa nacional para desenvolvimento da tecnologia; – Estabelece “permissões” para empresas de energia e carbono- intensivas que utilizarem CCS; – Estipula padrões de desempenho para termelétricas à carvão.• Transporte Limpo – Estabelece um programa piloto de veículos elétricos; – Inclusão de gestão de GEE no planejamento de transportes.15-Setembro-2011 ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no pós-Quioto 25/33
  26. 26. Política Nacional de Mudança do Clima• Lei Federal nº 12.187, 29/12/2009• Art. 12. - Para alcançar os objetivos da PNMC, o País adotará, como compromisso nacional voluntário, ações de mitigação das emissões de gases de efeito estufa, com vistas em reduzir entre 36,1% e 38,9% suas emissões projetadas até 2020.• A Política a Nacional de Mudança do Clima se desdobra em cinco planos setoriais: – Plano de Ação para a Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia Legal (redução de 80%); – Plano de Ação para a Prevenção e Controle do Desmatamento e das Queimadas no Cerrado (redução de 40%); – Plano Decenal de Expansão de Energia; – Plano para a Consolidação de uma Economia de Baixa Emissão de Carbono na Agricultura; e – Plano de Redução de Emissões da Siderurgia.15-Setembro-2011 ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no pós-Quioto 26/33
  27. 27. Política Nacional de Mudança do Clima• Ações de mitigação nacionalmente apropriadas (NAMAs - National Apropriated Mitigation Actions)15-Setembro-2011 ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no pós-Quioto 27/33
  28. 28. Política Estadual de Mudanças Climáticas• Estado de São Paulo, lei 13.798, 9/11/2009• Artigo 32 - O Poder Executivo, por intermédio da Secretaria do Meio Ambiente, deverá finalizar e comunicar, até dezembro de 2010, o inventário das emissões por atividades antrópicas dos gases de efeito estufa que definirão as bases para o estabelecimento de metas pelo estado. – § 1º - O Estado terá a meta de redução global de 20% (vinte por cento) das emissões de dióxido de carbono (CO2), relativas a 2005, em 2020.15-Setembro-2011 ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no pós-Quioto 28/33
  29. 29. Mercados Voluntários• Oportunidade real para pequena escala (MDL  altos custos e risco regulatório favorecem projetos HFC, N2O e CH4)• “Patinhos feios” do MDL (eficiência energética, transporte, reflorestamento) têm mais chances• Tese: mais flexibilidade, mais desenvolvimento sustentável, menos burocracia (capital para os projetos, não para a estrutura)• Forte crescimento entre 2007 e 2009 nos EUA e para ações de imagem (marketing)15-Setembro-2011 ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no pós-Quioto 29/33
  30. 30. Mercados Voluntários• Busca de padronização/normas – Chicago Climate Exchange (http://www.chicagoclimatex.com/) – CDM Gold Standard (http://www.cdmgoldstandard.org/) – ISO 14064 (http://www.iso.org/) – Voluntary Carbon Standard (http://www.v-c-s.org/) – “Over the counter markets” (OTC)• Credibilidade depende da transparência e aceitação de normas e de registro• Mercado emergente e pouco padronizado (“market- driven”) mas uma concorrência saudável para o MDL15-Setembro-2011 ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no pós-Quioto 30/33
  31. 31. Como se preparar?• O que significaria aceitar uma congelamento de emissões de GEEs por um período de 5 a 10 anos?• E se fosse necessária uma redução de emissões?• Quais ações são fisicamente viáveis? Tecnologicamente viáveis? Economicamente viáveis?• Inventário de emissões pode ser um primeiro passo a um custo relativamente baixo.• Participar politicamente da discussão.• Essenciais: entendimento do tema, transparência por parte dos formuladores de políticas, simplicidade, participação da sociedade…15-Setembro-2011 ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no pós-Quioto 31/33
  32. 32. Conclusões• Mercado de redução de emissões veio para ficar mas alta volatilidade é provável (indecisão sofre o pós- Quioto/2012)• Hoje há três grandes tendências competindo: duas essencialmente europeias e “top-down” (Quioto e EU- ETS) e uma “bottom-up” (mercados voluntários, principalmente nos EUA)• Biênio 2011-12 será chave para definir rumos: para onde vão Europa, EUA, Japão...? E grandes países em desenvolvimento (BR, IN, CH, MX, ZA, ID, NG...)?• Iniciativa privada “acordou” para o tema e deverá influenciar mais (capacitação é essencial)15-Setembro-2011 ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no pós-Quioto 32/33
  33. 33. Contato A. Ricardo J. Esparta EQAO Rua Padre João Manoel 222 01411-000 São Paulo-SP Tel. (11) 3063-9068 E-mail: ricardo.esparta@eqao.com.br15-Setembro-2011 ABDIB - A. R. J. Esparta, Perspectivas do mercado de redução de emissões de gases de efeito estufa no pós-Quioto 33/33

×