Teoria da funções
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
11,785
On Slideshare
11,785
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
203
Comments
0
Likes
4

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Μ∆ΠΣΜ∆ΠФ¢∆ APENAS 6 NÚMEROS. AS FORÇAS PROFUNDAS QUE CONTROLAM O UNIVERSO SÁBADO, 6 DE JUNHO DE 2009 BEM VINDO VOCE JA É O VISITANTE DE NÚMERO ABAIXO TEORIA DAS FUNÇÕES conteúdo ministrado para a primeira série, turmas 11, hospedagem 12, 13 e 13-A - segundo trimestre. APRESENTAÇÃO DE SLIDES DEFINIÇÃO Loading... Dados dois conjuntos A e B não vazios , chama-se função (ou aplicação) de A em B, representada por f : A -> B ; y = f(x) , a qualquer relação binária que associa a cada elemento de A , um único elemento de B. Portanto , para que uma relação de A em B seja uma função , exige-se que a cada x pertence A esteja associado um único y pertence B , podendo entretanto existir y pertence B que não esteja associado a nenhum elemento pertencente ao conjunto A. PESQUISAR ESTE BLOG Pesquisar powered by VOCÊ ESTA NESTE UNIVERSO ON-LINE
  • 2. Obs : na notação y = f(x) , entendemos que y é imagem de x pela função f, ou seja: y está associado a x através da função f. Exemplo: f(x) = 4x+3 ; então f(2) = 4.2 + 3 = 11 e portanto , 11 é imagem de 2 pela função f ; f(5) = 4.5 + 3 = 23 , portanto 23 é imagem de 5 pela função f , f(0) = 4.0 + 3 = 3, etc. Para definir uma função , necessitamos de dois conjuntos (Domínio e Contradomínio ) e de uma fórmula ou uma lei que relacione cada elemento do domínio a um e somente um elemento do contradomínio . Quando D(f) C R e CD(f) C R , sendo R o conjunto dos números reais , dizemos que a função f é uma função real de variável real . Na prática , costumamos considerar uma função real de variável real como sendo SE NÓS NÃO apenas a lei y = f(x) que a define , sendo o conjunto dos CUIDARMOS DESSA SEMENTE, NOSSSOS valores possíveis para x , chamado de domínio e o HERDEIROS NÃO conjunto dos valores possíveis para y , chamado de TERÃO FUTURO conjunto imagem da função . Assim , por exemplo , para a função definida por y = 1/x , temos que o seu domínio é D(f) = R* , ou seja o conjunto dos reais diferentes de zero (lembre-se que não existe divisão por zero) , e o seu conjunto imagem é também R* , já que se y = 1/x , então x = 1/y e portanto y também não pode ser zero . Dada uma função f : A -> B definida por y = f(x) , podemos representar os pares ordenados (x , y) E f onde x C A e y E B ,num sistema de coordenadas cartesianas . O gráfico obtido será o gráfico da função f . Assim , por exemplo , sendo dado o gráfico cartesiano de NÓS SOMOS UM uma função f , podemos dizer que: UNIVERSO a ) a projeção da curva sobre o eixo dos x , nos dá o domínio da função . SEJAM BEM VINDOS A ESTE BLOG b ) a projeção da curva sobre o eixo dos y , nos dá o conjunto imagem da função . Olá! Este blog foi criado em c ) toda reta vertical que passa por um ponto do domínio janeiro de 2009 com o da função , intercepta o gráfico da função em no máximo intuito de auxiliar 0s um ponto . Veja a figura abaixo: alunos da Escola Estadual de Ensino Médio 9 de Maio - Imbé/RS/Brasil; da qual sou professor de matemática, com perfil filosófico e uma visão voltada para o holístico da humanidade, buscando o mesmo entendimento, a mesma linguagem... A linguagem
  • 3. dos números. No principio era o caos, e o Grande Arquiteto do Universo disse: - Faça-se a luz e a luz foi feita... Como seres humanos, todos nós buscamos a perfeição, então, se for encontrada alguma falha, que seja ela o inicio do processo de criação em busca do SABER. ÍNDICE - CLICK NA SETA PARA ENCONTRAR O ASSUNTO ► 2010 (4) Tipos de funções Função sobrejetora ▼ 2009 (76) É aquela cujo conjunto imagem é igual ao ► Dez 2009 (2) contradomínio . ► Nov 2009 (2) Exemplo: ► Out 2009 (4) ► Set 2009 (5) ► Ago 2009 (1) ► Jul 2009 (7) ▼ Jun 2009 (10) POLIGONOS INSCRITOS E CIRCUNSCRITOS NA CIRCUNFERÊN... ORAÇÃO DA Função injetora MATEMÁTICA Uma função y = f(x) é injetora quando elementos A VIDA COMO ELA É distintos do seu domínio , possuem imagens distintas, UMA MENSAGEM DE isto é: OTIMISMO x1 # x2 => f(x1) # f(x2) # x2 => f(x1) # f(x2) # x2 => f (x1) # f(x2) # x2 => f(x1) # f(x2) # x2 => f(x1) # f GEOMETRIA PLANA (x2) # x2 => f(x1) # f(x2) # x2 => f(x1) # f(x2) .(# conteúdo sendo siginifica diferente) organizado Exemplo: conform... EUCLIDES POLÍGONOS E POLIEDROS NÚMEROS DECIMAIS UM TORMENTO
  • 4. SEM O USO DA CALCULAD... Função bijetora PLANO Uma função é dita bijetora , quando é ao mesmo tempo , CARTESIANO - injetora e sobrejetora . RELAÇÕES E Exemplo: FUNÇÕES TEORIA DAS FUNÇÕES ► Mai 2009 (10) ► Abr 2009 (7) Exercícios ► Mar 2009 (9) resolvidos: ► Fev 2009 (11) 1 - Considere três funções f, g e h, tais que: ► Jan 2009 (8) A função f atribui a cada pessoa do mundo, a sua idade. A função g atribui a cada país, a sua capital A função h atribui a cada número natural, o seu dobro. Podemos afirmar que, das funções dadas, são injetoras: MEU PERFIL a) f, g e h CLAUDIO LOVENIR b) f e h CUNHA c) g e h quem sou eu: d) apenas h e) nenhuma delas facil de Solução: entender. Sou eu...as vezes é preciso Sabemos que numa função injetora, elementos distintos do domínio, possuem imagens distintas, ou seja: perder para me x1 # x2 -> f(x1) # f(x2) . compreender. Sou a Logo, podemos concluir que: Ausência de uma vida que já passou... O f não é injetora, pois duas pessoas distintas podem ter a mesma idade. presente constante de g é injetora, pois não existem dois países distintos com a um amor ainda em mesma capital. vida.... Sou a saudade h é injetora, pois dois números naturais distintos, possuem os seus dobros também distintos. vivida de quem ficou.. Assim é que concluímos que a alternativa correta é a de Sou apenas uma lágrima letra C. que findou..Sou uma 2 - Seja f uma função definida em R - conjunto dos números reais - tal que ingónita do infinito em f(x - 5) = 4x. Nestas condições, pede-se determinar f(x busca de uma + 5). solução,sou um teorema, Solução: posso ser um enunciado, Vamos fazer uma mudança de variável em f(x - 5) = 4x, quem sabe ...do relativo da seguinte forma: ao absoluto, um zero que x - 5 = u logo x = u + 5 faça a diferença. Substituindo agora (x - 5) pela nova variável u e x por (u VIEW MY COMPLETE PROFILE + 5), vem: f(u) = 4(u + 5) logo f(u) = 4u + 20 Ora, se f(u) = 4u + 20, teremos: f(x + 5) = 4(x+5) + 20 Então f(x+5) = 4x + 40 Agora resolva este:
  • 5. A função f em R é tal que f(2x) = 3x + 1. Determine 2.f (3x + 1). Resp: 9x + 5 3 - Paridade das funções 3.1 - Função par A função y = f(x) é par, quando x qualquer que seja D (f) , f(- x ) = f(x) , ou seja, para todo elemento do seu domínio, f( x ) = f ( - x ). Portanto , numa função par, elementos simétricos possuem a mesma imagem. Uma conseqüência desse fato é que os gráficos cartesiano das funções pares, são curvas simétricas em relação ao eixo dos y ou eixo das ordenadas. Exemplo: y = x4 + 1 é uma função par, pois f(x) = f(-x), para todo x. Por exemplo, f(2) = 24 + 1 = 17 e f(- 2) = (-2)4 + 1 = 17 O gráfico abaixo, é de uma função par. Função ímpar A função y = f(x) é ímpar , quando qualquer que seja x E D(f) , f( - x ) = - f (x) , ou seja, para todo elemento do seu domínio, f( - x) = - f ( x ). Portanto, numa função ímpar, elementos simétricos possuem PROGRESSÕES imagens simétricas. Uma conseqüência desse fato é que os gráficos cartesianos das funções CONJUNTO ímpares, são curvas simétricas em relação ao ponto NUMERICO (0,0), origem do sistema de eixos cartesianos. Exemplo: MACETES DE y = x3 é uma função ímpar pois para todo x, teremos f(- MATEMATICA x) = - f(x). Por exemplo, f( - 2) = (- 2)3 = - 8 e - f( x) = - ( 23 ) = - 8. TEOREMA DE O gráfico abaixo é de uma função ímpar: PITAGORAS Nota: se uma função y = f PLANO CARTESIANO (x) não é par nem ímpar, dizemos que ela não possui paridade. LOGARITMOS Exemplo: O gráfico abaixo, TRIGONOMETRIA representa uma função que não possui paridade, pois a curva não é
  • 6. simétrica em relação ao TRIGONOMETRIA eixo dos x e, não é simétrica em relação à origem. Loading... 1 - FUNÇÃO INVERSA Dada uma função f : CICLO A -> B , se f é TRIGONOMETRICO bijetora , então define- se a função inversa f - 1 como sendo a GEOMETRIA função de B em A , tal ESPACIAL que f-1 (y) = x . Veja a representação a seguir: POLÍGONOS REGULARES GEOMETRIA PLANA GEOMETRIA METRICA EXERCÍCIOS DE GEOMETRIA É óbvio então que: CALCULO DE ÁREAS a) para obter a função inversa , basta permutar as variáveis x e y . b) o domínio de f -1 é igual ao conjunto imagem de f . GEOMETRIA c) o conjunto imagem de f -1 é igual ao domínio de f . ANALITICA d) os gráficos de f e de f -1 são curvas simétricas em relação à reta y = x ou seja , à bissetriz do primeiro quadrante . ANALISE Exemplo: COMBINATÓRIA Determine a INVERSA da função definida por y = 2x + 3. Permutando as variáveis x e y, fica: x = 2y + 3 Explicitando y em função de x, vem: PORCENTAGEM, 2y = x - 3 então y = (x - 3) / 2, que define a função JUROS inversa da função dada. O gráfico abaixo, representa uma função e a sua inversa. Observe que as curvas representativas de f e de f-1, são ESTUDO DAS simétricas em relação à reta MATRIZES y = x, bissetriz do primeiro e terceiro quadrantes. by Mamanunes Templates
  • 7. Exercício resolvido: A função f: R -> R , definida por f(x) = x2 : a) é inversível e sua inversa é f -1 (x) = Raiz de x b) é inversível e sua inversa é f -1(x) = - Raiz de x c) não é inversível d) é injetora e) é bijetora SOLUÇÃO: Já sabemos que somente as funções bijetoras são inversíveis, ou seja, admitem função inversa. Ora, a função f(x) = x2, definida em R - conjunto dos números reais - não é injetora, pois elementos distintos possuem a mesma imagem. Por exemplo, f(3) = f(-3) = 9. Somente por este motivo, a função não é bijetora e, em conseqüência, não é inversível. Observe também que a função dada não é sobrejetora, pois o conjunto imagem da função f(x) = x2 é o conjunto R + dos números reais não negativos, o qual não coincide com o contradomínio dado que é igual a R. A alternativa correta é a letra C. 2 - FUNÇÃO COMPOSTA Chama-se função composta ( ou função de função ) à função obtida substituindo-se a variável independente x , por uma função. Simbologia : fog (x) = f(g(x)) ou gof (x) = g(f(x)) . Veja o esquema a seguir: Obs : atente para o fato de que fog # gof , ou seja, a operação " composição de funções " não é comutativa . Exemplo:
  • 8. Dadas as funções f(x) = 2x + 3 e g(x) = 5x, pede-se determinar gof(x) e fog(x). Teremos: gof(x) = g[f(x)] = g(2x + 3) = 5(2x + 3) = 10x + 15 fog(x) = f[g(x)] = f(5x) = 2(5x) + 3 = 10x + 3 Observe que fog # gof . Exercícios resolvidos: 1 - Sendo f e g duas funções tais que: f(x) = ax + b e g (x) = cx + d . Podemos afirmar que a igualdade gof(x) = fog(x) ocorrerá se e somente se: a) b(1 - c) = d(1 - a) b) a(1 - b) = d(1 - c) c) ab = cd d) ad = bc e) a = bc SOLUÇÃO: Teremos: fog(x) = f[g(x)] = f(cx + d) = a(cx + d) + b então fog(x) = acx + ad + b gof(x) = g[f(x)] = g(ax + b) = c(ax + b) + d então gof (x) = cax + cb + d Como o problema exige que gof = fog, fica: acx + ad + b = cax + cb + d Simplificando, vem: ad + b = cb + d ad - d = cb - b então d(a - 1) = b(c - 1), que é equivalente a d(a - 1) = b(c - 1), o que nos leva a concluir que a alternativa correta é a letra A. . 2 - Sendo f e g duas funções tais que fog(x) = 2x + 1 e g (x) = 2 - x então f(x) é: a) 2 - 2x b) 3 - 3x c) 2x - 5 *d) 5 - 2x e) uma função par. SOLUÇÃO: Sendo fog(x) = 2x + 1, temos: f[g(x)] = 2x + 1 Substituindo g(x) pelo seu valor, fica: f(2 - x) = 2x + 1 Fazendo uma mudança de variável, podemos escrever 2 - x = u, sendo u a nova variável. Portanto, x = 2 - u. Substituindo, fica: f(u) = 2(2 - u) + 1 então f(u) = 5 - 2u Portanto, f(x) = 5 - 2x , o que nos leva à alternativa D. Agora resolva esta: Dadas as funções f(x) = 4x + 5 e g(x) = 2x - 5k, ocorrerá gof(x) = fog(x) se e somente se k for igual a: *a) -1/3 b) 1/3 c) 0 d) 1 e) -1 Tipos particulares de funções FUNÇÃO CONSTANTE Uma função é dita constante quando é do tipo f(x) = k , onde k não depende de x . Exemplos:
  • 9. a) f(x) = 5 b) f(x) = -3 Obs : o gráfico de uma função constante é uma reta paralela ao eixo dos x . Veja o gráfico a seguir: FUNÇÃO DO 1º GRAU Uma função é dita do 1º grau , quando é do tipo y = ax + b , onde a # 0 . Exemplos : f(x) = 3x + 12 ( a = 3 ; b = 12 ) f(x) = -3x + 1 (a = -3; b = 1). Propriedades da função do 1º grau : 1) o gráfico de uma função do 1º grau é sempre uma reta 2) na função f(x) = ax + b , se b = 0 , f é dita função linear e se b # 0 f é dita função afim . 3) o gráfico intercepta o eixo dos x na raiz da equação f (x) = 0 e, portanto, no ponto de abcissa x = - b/a . 4) o gráfico intercepta o eixo dos y no ponto (0 , b) , onde b é chamado coeficiente linear . 5) o valor a é chamado coeficiente angular e dá a inclinação da reta . 6) se a > 0 , então f é crescente . 7) se a < 0 , então f é decrescente . 8) quando a função é linear, ou seja, y = f(x) = ax , o gráfico é uma reta que sempre passa na origem. Exercício resolvido: 1 - Determine a função f(x) = ax + b, sabendo-se que f (2) = 5 e f(3) = -10. SOLUÇÃO: Podemos escrever:
  • 10. 5 = 2.a + b -10 = 3.a + b Subtraindo membro a membro, vem: 5 - (- 10) = 2.a + b - (3.a + b) 15 = - a então a = - 15 Substituindo o valor de a na primeira equação (poderia ser na segunda), fica: 5 = 2.(- 15) + b então b = 35. Logo, a função procurada é: y = - 15x + 35. Agora resolva esta: A função f é definida por f(x) = ax + b. Sabe-se que f(-1) = 3 e f(3) = 1, então podemos afirmar que f(1) é igual a: *a) 2 b) -2 c) 0 d) 3 e) -3 FUNÇÃO DO 2º GRAU Uma função é dita do 2º grau quando é do tipo f(x) = ax2 + bx + c , com a # 0 . Exemplos: f(x) = x2 - 2x + 1 ( a = 1 , b = -2 , c = 1 ) ; y = - x2 ( a = -1 , b = 0 , c = 0 ) Gráfico da função do 2º grau y = ax2 + bx + c : é sempre uma parábola de eixo vertical . Propriedades do gráfico de y = ax2 + bx + c : 1) se a > 0 a parábola tem um ponto de mínimo . 2) se a < 0 a parábola tem um ponto de máximo 3) o vértice da parábola é o ponto V(xv , yv) onde: xv = - b/2a yv = - Delta /4a , onde Delta = b2 - 4ac 4) a parábola intercepta o eixo dos x nos pontos de abcissas x' e x'' , que são as raízes da equação ax2 + bx + c = 0 . 5) a parábola intercepta o eixo dos y no ponto (0 , c) . 6) o eixo de simetria da parábola é uma reta vertical de equação x = - b/2a. 7) Ymax = - Delta / 4a ( a < 0 ) 8) Ymin = - Delta /4a ( a > 0 ) 9) Im(f) = { y E R ; y > - Delta /4a } ( a >0 )
  • 11. 10) Im(f) = { y E R ; y < - Delta /4a} ( a < 0) 11) Forma fatorada : sendo x1 e x2 as raízes da de f(x) = ax2 + bx + c , então ela pode ser escrita na forma fatorada a seguir : y = a(x - x1).(x - x2) POSTADO POR CLAUDIO LOVENIR DA CUNHA ÀS 18:40 MARCADORES: CLAUDIO LOVENIR DA CUNHA 0 COMMENTS: Post a Comment Postagem mais recente Home Postagem mais antiga Subscribe to: Postar comentários (Atom)