• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Apostila geo brasil
 

Apostila geo brasil

on

  • 14,102 views

 

Statistics

Views

Total Views
14,102
Views on SlideShare
14,102
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
116
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Apostila geo brasil Apostila geo brasil Document Transcript

    • Pré-Vestibular Popular da UFF na Engenharia UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE mortalidade, graças a medidas sanitárias eficazes, DISCIPLINA: GEOGRAFIA DO BRASIL campanhas de saúde pública e a cesso a medicamentos por PROFESSORA: ANA PAULA boa parte da população. Taxas de natalidade permaneceram altas. A partir da década de 1960, houve um declínio da POPULAÇÃO natalidade. Este declínio está vinculado aos novos padrões de comportamento da população quanto à procriação, Taxa de natalidade: é a relação entre o nº de nascimentos derivados da urbanização ocorrida com o desenvolvimento ocorridos num determinado ano e o total de habitantes industrial e o êxodo rural. existentes nesse mesmo período num país. Gravidez na adolescência e morte de homens pela Taxa de mortalidade: é a relação entre o nº de pessoas violência. que morrem num ano e o total da população existente nesse mesmo período num país. DISTRIBUIÇÃO POPULACIONAL NO PAÍS Crescimento natural ou vegetativo: é a diferença entre a taxa de natalidade e a taxa de mortalidade de uma população num certo período de tempo. A ocupação da faixa litorânea deve-se essencialmente a fatores da nossa história, pelas ligações realizadas com População Economicamente Ativa (PEA): é aquela que o exterior, face à dependência externa. produz riqueza e é composta, em sua maioria, por adultos (entre 15 e 64 anos) e que, através da renda com o seu A evolução econômica do país, especialmente a partir trabalho, seja ele formal ou informal, sustenta a economia dos governos de Vargas, modificou bastante este nacional. quadro. Taxa de fecundidade: nº de filhos por mulher. Embora as grandes concentrações ainda correspondam às áreas mais próximas ao litoral, importantes fluxos Densidade demográfica: é a relação entre o nº de migratórios se dirigiram para o interior. Esta “marcha habitantes que vivem num país (ou região) e a área para o oeste” refletiu a expansão econômica do Sudeste territorial ocupada por esse país. em direção a aquela área. Também nos anos 70, a Amazônia recebeu um grande fluxo migratório. A Populoso X Povoado política governamental de atração para o norte era através da concessão de terras e grandes projetos Teoria Malthusiana: afirmava que a miséria e a pobreza agropecuários e minerais. Apesar de tudo, a área ainda resultam do desequilíbrio entre a população excessiva e a pode ser considerada um grande vazio demográfico. limitação dos meios de subsistência. A tecnologia agrícola evoluiu e os métodos contraceptivos ajudaram a frear a DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO NA ECONOMIA natalidade. Setor primário: agricultura, extrativismo vegetal/mineral Teoria Neomalthusiana: via com pessimismo um alto nº e pecuária. de nascimentos achando que isto representava um ônus Setor secundário: indústria, construção civil e muito grande para a população ativa, dificultando o seu mineração. desenvolvimento econômico. Setor terciário: comércio, serviços, transportes, comunicações, administração pública. Teoria Reformista: acha que a pobreza nos países Setor quaternário: biomedicina, biotecnologia, subdesenvolvidos é causada pela má distribuição de renda. nanotecnologia e informática avançada. Cabe ao Estado o papel de promover reformas que permitam o planejamento familiar e a conseqüente redução da natalidade. BRASIL – DISTRIBUIÇÃO SETORIAL DA POPULAÇÃO ATIVA (%) A DINÂMICA POPULACIONAL BRASILEIRA SETOR 1940 1950 1960 1970 1980 1990 Primário 65,9 60,0 51,6 44,3 29,9 27,0 1872 – 1940: foi marcado por altas taxas de natalidade e Secundár 10,3 13,6 13,2 17,8 24,4 25,0 uma regularidade nas taxas de crescimento vegetativo. O io Brasil agroexportador precisava de mão-de-obra no campo, Terciário 23,8 26,4 35,2 37,9 45,7 48,0 daí a idéia de uma prole numerosa. As altas taxas de mortalidade refletem as condições sanitárias precárias que havia no país. 1940 –1960: houve uma aceleração no crescimento populacional causada por uma redução das taxas de Geografia do Brasil 1
    • Pré-Vestibular Popular da UFF na Engenharia c) Consumir, cada vez mais, produtos industrializados. • A agricultura brasileira, nos últimos trinta anos, tem se caracterizado por dar prioridade à produção voltada para a exportação, aumento da tecnologia, expansão das fronteiras agrícolas, concentração fundiária e assalariamento do trabalhador rural. • Todas as características que foram apontadas fazem parte de um modelo que vê na agricultura a fornecedora de matéria-prima e energia para a indústria, a produtora de alimentos para a população e, principalmente, contribuir, por meio das exportações, pra abater o pagamento dos juros da dívida externa. No Brasil, a concentração fundiária tem relação com o processo histórico. Nas Capitanias Hereditárias, o capitão donatário recebia enormes pedaços de terra para explorar. Dessa situação para a criação de grandes latifúndios foi um rápido passo. Uma vez obtida a independência, a população cresce e avança para o oeste, o que determina as primeiras invasões e conflitos. Para regulamentar essa situação, é O ESPAÇO AGRÁRIO BRASLEIRO criada, em 1850, a Lei de Terras, que determina a posse privada das terras que tenham sido devidamente registradas e considera as demais como terras devolutas (pertencentes • A agricultura tem a finalidade de produzir alimentos e ao Estado por não possuírem donos). Sendo assim, temos matérias-primas. um conjunto de forças de contenção, oriundo do atraso da economia rural brasileira, como os monopólios, oligopólios • Na agricultura existem três fatores básicos: a terra, o e latifúndios priorizando a produção voltada para a trabalho e o capital. exportação e mais atualmente, as agroindústrias que formam o novo oligopólio do campo brasileiro, que • Agricultura arcaica: quando há uso de métodos resultam, além do êxodo rural, em conflitos fundiários, e ultrapassados, como a queimada e o aproveitamento do geração de movimentos em prol de uma reforma agrária solo é reduzido. plena. • Agricultura moderna: quando há uso de adubos, Modernização e industrialização da agricultura e formação fertilizantes e máquinas com alta produtividade. dos Complexos Agroindustriais apresentam características distintas. No processo de modernização, ocorreram • Agricultura contemporânea: quando há intensa mudanças na base técnica da produção agrícola. No mecanização, altíssima produtividade e processo de industrialização, a agricultura transformou-se desenvolvimento da biotecnologia. em um ramo de produção semelhante à indústria e conectada a outros ramos de produção. O processo de modernização da agricultura (através da importação de • Sistema agrícola extensivo: fator principal – a terra; máquinas e insumos) resultou no de industrialização (já mão-de-obra – pouco qualificada e em grande com as máquinas e insumos produzidos no Brasil), e essas quantidade; aplicação de capital – reduzida. transformações, aliadas às mudanças nas relações de trabalho, resultaram na constituição do Complexo • Sistema agrícola intensivo: depende do volume de Agroindustrial na década de setenta. capital investido (mecanização, tecnologia, insumos agrícolas) e da mão-de-obra qualificada e reduzida, O processo de unificação entre a agricultura e a indústria superando em importância a terra. teve conseqüências sócio-espaciais tanto no rural como no urbano. Entre elas, podemos destacar a perda da autonomia • A agricultura deve: econômica do camponês para a indústria, tornando-se caudatários da mesma. O camponês ainda é exteriormente, a) Oferecer matérias-primas e alimentos para o setor proprietário de suas terras, porém não possuem mais a sua urbano, com preços, relativamente, cada vez menos liberdade. A agricultura foi drenada nas duas pontas do valorizados; processo produtivo: na do consumo produtivo, pelos altos preços que teve e tem que pagar pelos produtos b) Produzir excedentes exportáveis para a obtenção de industrializados (maquinaria e insumos) que é praticamente divisas; obrigada a consumir, e na da circulação, onde é obrigada a Geografia do Brasil 2
    • Pré-Vestibular Popular da UFF na Engenharia vender a sua produção por preços vis. Nesse processo feijão subiu mesmo por causa de “boom” dos temos o monopólio da produção, ou seja, a circulação está biocombustíveis? O mundo vai passar fome porque dominada pela produção, aliás, dentro do mecanismo resolveram transformar comida em combustível? lógico do capitalismo na indústria. A industrialização da agricultura, que é uma evidência desse processo, gera a Analisando os fatos, é possível concluir que os EUA agroindústria. É, portanto, o capital que solda novamente o produzem etanol de milho, que é a base da alimentação de que ele mesmo separou: agricultura e indústria, cidade e muitas pessoas. Sendo assim, verifica-se que o que antes campo. Aqui, o capital sujeita o trabalho que se dá no campo, sujeitando assim também, a renda da terra ao era usado como alimento está virando combustível para os capital. Além disso, esse processo de unificação entre a carros dos americanos, e que, portanto, é possível que falte agricultura e a indústria acaba gerando concentração alimentos. fundiária no campo, pois o pequeno produtor não consegue competir com o latifundiário, que se tornou capitalista e No Brasil, o etanol é produzido a partir da cana-de-açúcar, detentor dos meios de produção.Sendo assim, acaba por se que não é usada como base na alimentação humana. Então gerar o êxodo rural no campo, refletindo em miséria, sub- aqui no nosso caso não dá pra dizer que está faltando emprego e aumento das áreas periféricas carentes no meio comida só porque a produção de alimentos está sendo urbano. usada para produzir energia. Os subsídios criam dependência, desmantelam estruturas Mas tanto no caso do Brasil quanto no caso dos EUA, a produtivas inteiras, geram fome e pobreza onde poderia verdade é que essa febre dos biocombustíveis animou haver prosperidade. É necessário uma “globalização da vários agricultores que antes plantavam arroz, feijão, agricultura”, nos moldes em que os países desenvolvidos tanto se empenham em ter na produção industrial. A visão batata, tomate, laranja, etc, a plantar milho no primeiro de segurança que prevalece no mundo de hoje está centrada caso e cana-de-açúcar no segundo. Sendo assim, os campos no controle e na garantia do território, da oferta de que antes cultivavam feijão, agora cultivam cana. Desta alimentos e da oferta de energia. Os subsídios à produção forma, estamos produzindo menos feijão e agrícola e as barreiras comerciais, que tanto têm retardado conseqüentemente há menos deste produto disponível no o crescimento da agricultura dos países mais pobres, são mercado, elevando-se assim, o seu preço. também conseqüências dessa visão. É preciso reconhecer que, se a agricultura dos países em desenvolvimento tivesse Então, em parte, o preço do feijão subiu sim por causa do sido estimulada por um mercado livre, talvez não aumento da produção de etanol. Mas, por outro lado, estivéssemos vivendo essa crise de alimentos. A globalização, que se instalou de maneira tão ampla na também tem que se levar em conta a elevação do preço do indústria, precisa chegar à agricultura. A chamada crise petróleo. E com o petróleo caro, fica caro encher o tanque mundial de alimentos é, acima de tudo, uma crise de dos tratores que fazem o plantio, ou que fazem a colheita. distribuição causada pelos subsídios e pelo protecionismo Isso também eleva o custo da aplicação de fertilizantes e relacionados à agricultura. agrotóxicos e do transporte do alimento do campo até o local de consumo, ou seja, o petróleo caro também impacta Importantes transformações ocorridas na agricultura no preço dos alimentos. brasileira com a participação do capitalismo no campo: Sendo assim, é possível concluir que se dependermos do a) Mecanização da lavoura, implicando, petróleo, vamos ter que pagar caro; se usarmos positivamente, num aumento do rendimento e biocombustíveis iremos pagar caro também. negativamente na dispensa de mão-de-obra. EXERCÍCIOS b) Substituição das culturas alimentares por culturas comerciais e de exportação, de maior rentabilidade. 1)A participação crescente do capitalismo no campo c) Valorização da terra como mercadoria, implicando brasileiro ocasionou relevantes transformações. na concentração fundiária. A) Cite um aspecto positivo e outro negativo da BIOCOMBUSTÍVEIS E A CRISE NA PRODUÇÃO mecanização da lavoura: DE ALIMENTOS B) Explique como a inserção do capitalismo no campo aumentou a concentração fundiária: Ultimamente houve um aumento de notícias sobre a disputa entre biocombustíveis e alimentos.Mas afinal, o preço do Geografia do Brasil 3
    • Pré-Vestibular Popular da UFF na Engenharia ular 2)As duas figuras mostram a adoção de técnicas diferentes As age no sentido de manter estruturas arcaicas de domin dominação, de aproveitamento de encostas para a produção agrícola. rodução ao lado de “ilhas” dinâmicas e bolsões de pobreza. A desertificação do solo começou nas matas devastadas no Figura I final do século XIX para a plantação de café e cana cana-de- açúcar. Com a decadência econômica, o solo empobrecido foi abandonado. Como as cidades da região ficam em vales muito comprimidos e compartimentados, se tornou muito difícil a recomposição natural. É importante destacar também a relevância do recebimento dos royalties do petróleo por parte da região. Mesmo recebendo um montante bem inferior à região Norte (zona de produção principal), ainda assim, tais cifras são fundamentais para os orçamentos municipais da região. Centro regional: Itaperuna Figura II REGIÃO NORTE FLUMINENSE • Municípios: Campos dos Goytacazes, São Fidélis, Cardoso Moreira, São Francisco do Itabapoana, São João da Barra, Quissamã, Carapebus, Conceição de Macabu e Macaé. • • Passado: tradição no cultivo da cana cana-de-açúcar; área portuária no século XIX; indústria açucareira; ferrovias; teve a primeira usina em funcionamento na América Latina Na figura I, utiliza-se a técnica do plantio alinhado. Na se que foi o Engenho Central de Quissamã, instalado pelo governo imperial brasileiro em 1877. figura II, o plantio é feito seguindo as curvas de nível. • • Presente: nas últimas décadas, as principais Apresente as vantagens desta última técnica sobre a transformações que vêm ocorrendo no Norte Fluminense primeira. podem ser associadas a três fatores: a exploração do petróleo na Bacia de Campos, a contínua crise do setor eo REGIÃO NOROESTE FLUMINENSE sucro-alcooleiro regional e a expansão da fruticultura. As alcooleiro alterações na configuração territorial dos municípios da Municípios: Itaperuna, Santo Antônio de Pádua, B Bom região têm sido fruto de movimentos emancipatórios Jesus do Itabapoana, Italva, Laje do Muriaé, Natividade, atrelados principalmente às novas oportu oportunidades que, direta Porciúncula, Varre-Sai, Aperibé, Cambuci, Itaocara, Sai, ou indiretamente, surgem com a atividade petrolífera. Miracema e São José do Ubá. Desde o final da década de 80, Macaé foi o centro urbano de maior crescimento da região, justamente porque lá se Passado: cana-de-açúcar; café; agricultura de subsidência açúcar; encontram a sede regional da Petrobrás e grande parte das nas fazendas de café; pecuária leiteira e indústrias de instalações necessárias ao refino e distribuição do petróleo. laticínios. Esta atividade reverte capitais para as prefeituras por meio do pagamento de impostos sobre o direito de exploração Presente: é o maior produtor de leite do estado; indústria (royalties). A quebra do monopólio na exploração do de laticínios; pecuária de corte e leiteira; cana cana-de-açúcar; petróleo, combinada com a recente des descoberta de novas fruticultura; café (em escala estadual); vazio demográfico reservas petrolíferas no litoral da região, poderão em algumas áreas por falta de perspectivas de transformar os municípios do Norte Fluminense em desenvolvimento; extração de rochas ornamornamentais; localização privilegiada de novos investimentos associados indústria de papel; turismo; agroindústria; metalurgia. O à operação industrial e a logística de exploração do Noroeste Fluminense está sujeito a um período de inércia, petróleo, desde que haja ações dirigidas nesse sentido. As ções sem grandes mudanças, onde ações pontuais tentam alterar oportunidades de negócio são numerosas, pois os produtos a falta de dinamismo sócio-econômico. A falta de econômico. demandados pelas companhias de petróleo incluem desde o perspectivas de melhora futura e o quase total descaso do tura atendimento médico nas plataformas, passam pela poder público (nas esferas municipal, estadual e nacional) produção de equipamentos e peças especiais, e chegam ao contribuem para o grande êxodo populacional marcante na ensino à distância e às pesquisas tecnológicas de ponta. região. A associação entre os atores hegemônicos também Geografia do Brasil 4
    • Pré-Vestibular Popular da UFF na Engenharia Agroindústria açucareira; Pólo de Fruticultura Irrigada; pousadas, construção civil. A Região Serrana caracteriza-se favelização; especulação imobiliária; turismo. pela significativa diversificação da sua economia, com destaque, sobretudo, pela existência do pólo de moda Centros regionais: Campos dos Goytacazes e Macaé. íntima de Nova Friburgo, pelo crescimento da produção de hortigranjeiros para o atendimento do mercado consumidor da Região Metropolitana e pela intensificação das REGIÃO DAS BAIXADAS LITORÂNEAS atividades ligadas ao turismo. Municípios: Araruama, Armação de Búzios, Arraial do Centros regionais: Petrópolis, Teresópolis e Nova Cabo, Cabo Frio, Cachoeiras de Macacu, Casimiro de Friburgo. Abreu, Iguaba Grande, Marica, Rio Bonito, Rio das Ostras, São Pedro de Aldeia, Saquarema e Silva Jardim. REGIÃO METROPOLITANA Passado: exploração de sal; produção de laranja; pesca; Municípios: Rio de Janeiro, Belford Roxo, Duque de criação de gado; caminho para a penetração no Norte Caxias, Guapimirim, Itaboraí, Japeri, Magé, Mesquita, Fluminense. Nilópolis, Niterói, Nova Iguaçu, Paracambi, Queimados, Presente: Turismo de veraneio; grande participação do São Gonçalo, São João de Meriti, Seropédica e Tanguá. setor terciário; turismo; transporte; comunicações; construção civil; maior urbanização; formação de sítios em Passado: área portuária; ferrovias; processo de ocupação municípios mais interioranos (Casimiro de Abreu, Silva estreitamente ligado à expansão do município do Rio de Jardim e Cachoeiras de Macacu); especulação imobiliária; Janeiro, já que este último constitui-se no ponto de partida imobiliária; degradação ambiental; maior ligação à região para a expansão da região, que teve início nas metropolitana depois da construção da BR101 em 1970; proximidades do Morro do Castelo e Praça XV, junto ao pecuária leiteira; citricultura; vestuário de moda praia, primeiro porto da cidade; foi tanto a capital colonial quanto fábrica da Schincariol em Cachoeiras de Macacu. a federal (administração pública); café; cana-de-açúcar; e prestação de serviços. Centro regional: Cabo Frio Preente: turismo; uma das características principais da região é a concentração. Concentração tanto do ponto de REGIÃO SERRANA vista demográfico quanto econômico, assim como no que tange aos serviços referentes aos setores financeiro, Municípios: Bom Jesus, Cantagalo, Carmo, Cordeiro, comercial, educacional e de saúde, bem como órgãos e Duas Barras, Macuco, Nova Friburgo, Petrópolis; São José instituições públicas. Possui uma grande variedade de do Vale do Rio Preto; São Sebastião do Alto; Santa Maria indústrias. Se destaca no contexto regional, no que tange Madalena; Sumidouro; Teresópolis e Trajano de Morais. não somente à concentração populacional, mas principalmente, no que diz respeito aos fluxos de Passado: ouro (Cantagalo); agricultura de subsistência; investimentos, já que é para tal região que convergem a área de fixação de imigrantes europeus; agricultura; maioria destes fluxos. Quanto ao peso do setor de serviços pecuária. na economia regional, este é bastante evidente em praticamente todos os municípios da região, mais Presente: indústria têxtil; turismo; veraneio; comércio; especialmente na cidade do Rio de Janeiro, fruto das prestação de serviços; metalurgia; indústrias mecânica, de funções administrativas exercidas pela mesma no período matéria plástica e editorial e gráfica; horticultura; em que foi capital colonial e federal. Entretanto, apesar do avicultura; agroindústria; pecuária leiteira; Cantagalo crescimento econômico e do dinamismo apresentado, possui jazidas de calcário e, por conseguinte, apresenta constitui-se também um espaço marcado por acentuadas indústrias cimenteiras de grande porte; floricultura. A disparidades e contradições sociais, evidenciados pela família pluriativa é produto da expansão das atividades de distribuição desigual dos serviços e equipamentos urbanos, turismo e veraneio que, juntamente com a presença de a crescente demanda por habitação, marcada pelo aumento outros serviços e algumas indústrias, vêm oferecendo das submoradias e pela expansão das favelas, a intensa outras alternativas de sobrevivência às famílias rurais, e degradação do meio ambiente, violência e o conseqüente deve ser encarada antes de tudo como uma estratégia de esgotamento dos recursos naturais. sobrevivência dos pequenos produtores com o objetivo de garantirem a sua reprodução enquanto produtores rurais. Centro regional: Rio de janeiro Ao invés de constituir-se em solução para os problemas do campo, esta é antes de tudo, reflexo da condição de REGIÃO CENTRO-SUL FLUMINENSE subordinação e exploração ao qual estes pequenos produtores estão submetidos. Isto porque além de trabalhar na própria produção, a família também atua em serviços Municípios: Três Rios, Areal, Comendador Levy nas funções de jardineiros, caseiros, empregados de Gasparian, Paraíba do Sul, Sapucaia, Vassouras, Paty do Geografia do Brasil 5
    • Pré-Vestibular Popular da UFF na Engenharia Alferes, Mendes, Miguel Pereira e Engenheiro Paulo de história do país, já que durante 197 anos foi a capital Frontin. federal (1763/1960) e, nesta condição, era o centro repercussão da política nacional. A presença dos três Passado: caminho para Minas na época do ouro; economia poderes e de toda a máquina administrativa deu à cidade cafeeira; e comunicação entre diferentes regiões através do uma grandiosidade que a distanciou do interior. Esse entroncamento rodo-ferroviário. distanciamento foi agravado com a transferência da capital do país para Brasília, já que foi criado o Estado da Presente: metalurgia; indústria de alimentos, de matérias Guanabara que, mais tarde, em 1975, seria unido ao Estado plásticas, de máquinas e equipamentos e de bebidas; do Rio de Janeiro, dando origem ao atual estado. pecuária de corte e leiteira; indústria química e farmacêutica; construção civil; setor terciário; atividade O lugar escolhido para a fundação da cidade em 1565, por turística e de veraneio; agricultura (tomate, chuchu, Estácio de Sá, foi o Morro Cara-de-Cão, junto ao Morro de cenoura, alface, manga, maracujá, goiaba, e banana); sítios Pão-de-Açúcar, na entrada da Baía de Guanabara. Alguns de fim de semana; turismo rural. anos depois, a sede da cidade foi transferida para o Morro Centro regional: Três Rios. do Descanso, mais tarde denominado Morro do Castelo. O relevo e a hidrografia tiveram grande influência na REGIÃO DO MÉDIO VALE DO PARAÍBA organização do espaço da cidade, já que o mar e o morro determinavam a ocupação do espaço. Municípios: Volta Redonda, Barra Mansa, Piraí, Itatiaia, Na fase inicial as pessoas preferiam morar nos morros, Porto Real, Resende, Quatis, Rio Claro, Pinheiral, Barra do porque eram lugares mais seguros e arejados. As partes Piraí, Valença e Rio das Flores. mais baixas eram, em geral, alagadiças, úmidas e abafadas. O homem, para aumentar o espaço a ser ocupado, arrasou Passado: área de passagem para Minas e São Paulo; café; morros, aterrou lagoas, canalizou rios e abriu túneis. No rede ferroviária; pecuária. início do século XX, o centro do Rio passou por uma Presente: metalurgia; siderurgia; 2ª maior bacia leiteira do grande reforma urbanística. O prefeito Pereira Passos criou estado, CSN; indústria automobilística ( Volkswagem, a Avenida Central e a cidade ganhou ares parisienses. Mais Peugeot e Citroen); setor de comércio e de serviços; tarde, o Morro do Castelo foi arrasado para aterrar parte do indústria química, de alimentos e têxtil; região mais mar. Nesse aterro foi construído o Aeroporto Santos dinâmica e industrializada do interior do estado; Dumont. O mesmo aconteceu com o Morro de Santo Antônio, com o seu material foi feito o aterro do Flamengo. Centro regional: eixo Resende-Volta Redonda-Barra Mansa. A maior parte do relevo do município é constituída por REGIÃO DA BAÍA DA ILHA GRANDE (COSTA planícies com menos de 100 metros de altitude e maciços VERDE/LITORAL SUL FLUMINENSE) que correspondem à divisão da Serra do Mar Municípios: Angra dos Reis, Parati, Itaguaí e Mangaratiba. • Maciço do Gericinó no norte do município. • Maciço da Pedra Branca, na Zona Oeste. Passado: área portuária de escoamento da produção • Maciço da Tijuca, que separa a Zona Norte da Zona mineira de ouro e café do Vale do Paraíba; cultivo de Sul. banana; atividade pesqueira. Presente: turismo; usinas nucleares; prestação de serviços; comércio; cultivo de banana, mandioca, palmito e cana-de- Devido ao processo de ocupação mais intenso, o Maciço da açúcar; Terminal Marítimo de Petróleo da Petrobrás; a Tijuca deve ser mais bem estudado. Possui uma área de abertura da Rodovia Rio-Santos favoreceu uma maior 119 km2 , é conhecido por abrigar a maior área de floresta integração e desenvolvimento; especulação imobiliária; urbana no mundo. Ao longo dos anos, tem perdido boa degradação ambiental. parte de sua área verde e, as principais causas do Centro regional: Angra dos Reis. desmatamento são incêndios provocados por balões, queima de lixo e queima para ocupação desordenada, não MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO só pr favelas, mas também por condomínios d classe média e alta. O desmatamento traz sérios riscos à população. O Da fundação da cidade do Rio de Janeiro, em 1565, até a deslizamento de encostas é o mais visível, mas há outros fusão dos estados do Rio de Janeiro e da Guanabara, em menos perceptíveis a curto prazo, como o empobrecimento 1975, o Rio de Janeiro teve um grande peso político na Geografia do Brasil 6
    • Pré-Vestibular Popular da UFF na Engenharia da biodiversidade, desestabilização do microclima e o Desta forma, o aumento da violência na cidade está abastecimento de água. associado ao seu esvaziamento financeiro, à perda de importância política e a falta de oportunidades de trabalho. Desde o final do século XIX, a cidade expandiu-se em duas Passamos a assistir a expansão do trabalho informal, a direções: a Zona Sul, que tornou-se atraente para as deterioração dos serviços públicos, o aumento do processo camadas de maior poder aquisitivo devido às vantagens de favelização e o crescente poderio dos traficantes. Nos locacionais que oferecia, e a Zona Norte, que, recebendo anos 80 e 90, a mídia divulgava, de forma insistente, os menores investimentos, vai ser ocupada por populações de arrastões em nossas praias e o poder dos chefões do tráfico; menor renda. No centro da cidade concentram-se as os camelôs vendiam mercadorias contrabandeadas sem atividades comerciais e financeiras qualquer repressão. Andar de ônibus tornou-se uma Com o objetivo de tornar o centro da cidade também um aventura. O medo da bala perdida passou a unir os cidadãos de todas as classes sociais, bairros e idades. pólo turístico, os órgãos municipais vêm pondo em prática um projeto de revitalização do centro, e para isto, conta No início do século XX, o Rio de Janeiro passava por um com parcerias do governo federal e da iniciativa privada. processo de modernização. A idéia dos governantes era transformar o Rio em uma “cidade das luzes”, como Paris. Assim, foram recuperados prédios históricos, igrejas, Ruas foram alargadas, cortiços destruídos. O Centro da monumentos, teatros e cinemas. Na Rua Primeiro de Março foi criado um “corredor cultural” que inclui o Centro cidade deixou de ser um lugar de becos escuros e passou a Cultural Banco do Brasil, a Casa França-Brasil, e o Paço ter o formato dos dias atuais. Só havia um “pequeno” entrave: o povo! Imperial. A Praça Tiradentes e a Cinelândia voltaram a exibir peças teatrais e filmes capazes de atrair públicos de Modernizar era na visão dos governantes, impor medidas à todas as idades. A Lapa recuperou o seu glamour. A Rua população da capital federal. Além de destruir moradias do Lavradio atrai os interessados em mobiliários e peças de populares, o governo tornou obrigatória a vacinação contra antiquários. doenças como febre amarela e varíola. Talvez você esteja Nenhuma cidade do Brasil ou do mundo mantém tão pensando: “ora, vacinações em massa são importantes para próximos os dois opostos da pirâmide social quanto o Rio. a erradicação de doenças”. Certamente, só que para aquelas É o modelo carioca de segregação. Nos anos 90, o pessoas, a vacinação representava uma intervenção direta no cotidiano, que se refletia em um controle do governo na encarecimento dos imóveis expulsou da Zona Sul setores moradia e no corpo dos indivíduos. Aceitar a vacinação de classe média, o que acentuou a elitização desses bairros. Ao mesmo tempo, as favelas da região não pararam de tinha o mesmo significado de aceitar a demolição de sua crescer. De todas as partes da cidade, e de outros residência para passar uma avenida. Outro fator que municípios e estados, novos moradores desembarcaram nos contribuiu para eclosão da revolta foi o desconhecimento a respeito da vacinação. No início do século XX, poucos morros em busca de melhores oportunidades de emprego e sabiam o que era vacinação e para que servia. salário na área nobre da cidade. Diferentemente de outras cidades, onde os moradores A Revolta da Vacina, em si, não foi um movimento organizado. As ações dos revoltosos baseavam-se no pobres foram empurrados para a periferia, como guetos, o quebra-quebra. O governo reprimiu as ações, que se Rio descobriu um jeito de misturar asfalto e favela. espalharam por toda a cidade do Rio de Janeiro. O Rio de Janeiro foi capital do país por quase 200 anos. O nome Revolta da Vacina, em si, não reflete o verdadeiro Nos anos 70, o Brasil tinha dois centros financeiros: Rio e conteúdo deste movimento: a resistência popular às São Paulo. Nos anos 80, diversos grupos transferiram sedes ou a tesouraria de suas empresas para São Paulo. O diversas intervenções do governo federal em remodelar o mercado financeiro do Rio tornou-se apêndice das bolsas espaço urbano e adequá-lo aos padrões de modernização do início do século XX. paulistas. Afora todos esses itens, a fusão do Estado da Guanabara com o antigo Estado do Rio foi tão ruim para a A partir dos anos 50, vários fatores contribuíram para a cidade que o primeiro prefeito, Marcos Tamoio, chegou a degradação da Baía de Guanabara: dizer: “Transformaram um estado rico em um município pobre”. • Aterros, como o Aterro do Flamengo, a ponte Rio-Niterói, a estrada Niterói- Manilha e recentemente a Linha Vermelha, Geografia do Brasil 7
    • Pré-Vestibular Popular da UFF na Engenharia obras rodoviárias que resultaram em Uma confusão de coisas assim é a Avenida Brasil prejuízo da baía; • Instalação de indústrias poluidoras, Linha Vermelha vem cortando a Maré (...) principalmente químicas, farmacêuticas e refinarias; Do importado à carroça o contraste social • Expansão urbana que leva ao despejo de 8,5 toneladas de lixo doméstico em suas Nesse rio de asfalto o dinheiro fala alto margens, com a liberação de cerca de 800 litros/dia de chorume. É a filosofia nacional (...) A poluição por óleo é, talvez, uma das formas mais (Jefinho / Dico da Viola / Jorge Gannen – 1994) freqüentes de contaminação das águas. São lançadas 1) Tanto a marcha do carnaval de 1959 quanto o samba- diariamente, em média, 9 toneladas de óleo na baía, onde a enredo da Mocidade Independente de Padre refinaria Duque de Caxias contribui com cerca de 30% do total, os estaleiros e dois mil postos de gasolina com mais Miguel de 1994 fazem referência às condições da 2,5 toneladas/dia de óleo. Todos esses fatores levaram a circulação urbana na cidade do Rio de Janeiro. uma mudança radical na qualidade das águas, flora, fauna, balneabilidade das praias e declínio da pesca na baía. Uma característica associada aos meios de transporte preservada durante o tempo decorrido entre os dois A indústria naval que chegou a concentrar mais de 40 mil momentos retratados e sua conseqüência urbana são: trabalhadores entrou num período de estagnação no fim da década de 70 e, somente agora, o quadro começa a ser (A) estatização do sistema de transporte – intensificação da revertido. A participação do capital estrangeiro foi a forma ocupação da periferia encontrada para dar gás ao combalido setor naval (B) longa duração dos movimentos pendulares – aceleração brasileiro. A recuperação está trazendo cada vez mais do processo de favelização postos de trabalho ao setor. (C) prioridade para o transporte de massa – incentivo ao EXERCÍCIOS processo de segregação urbana Trem da Central (D) custo elevado de tarifas – concentração espacial de comércio e serviços na Área Central Empurra pra entrar dez mil 2) O desmonte do Morro do Castelo, em 1922, e a nesse trem da Central do Brasil reabilitação do Paço Imperial, a partir de 1985, são exemplos de ações políticas que se baseiam em distintas Eu já vou na porta pra saltar em Bangu concepções de preservação de sítios históricos. sei que vou ser chutado e pisado pra chuchu Os fatores ideológicos que nortearam tais ações nesses momentos históricos de mudança e de permanência, No outro dia não saltei onde moro respectivamente, são: me chutaram do trem na estação de Deodoro (...) (A) superação da ordem colonial e resgate da memória (César Cruz / Silvinha Drumond – 1959) social Avenida Brasil, tudo passa, quem não viu? (B) negação da origem européia e estruturação do poder público De lá pra cá, daqui pra lá eu vou (ah, como vou) (C) difusão dos princípios positivistas e construção da cidadania ativa Com meu amor vou viajando nessa Avenida (D) substituição do ideário monárquico e emergência da pela faixa seletiva no sufoco dessa vida cultura popular tudo passa, quem não viu? 4) O mapa mostra a intensidade do processo de favelização no município do Rio de Janeiro, ao longo da década de Geografia do Brasil 8
    • Pré-Vestibular Popular da UFF na Engenharia 1990. O crescimento da população nessas comunidades e a B) A taxa de desemprego no Rio de Janeiro tem sido mais distribuição das mesmas no espaço urbano podem ser significativa na região metropolitana. explicados, respectivamente, por: C) A indústria do petróleo, um dos sustentáculos (A) estagnação dos níveis de escolaridade e oferta econômicos do Rio de Janeiro, é intensiva em mão-de-obra. igualitária dos serviços públicos D) Uma elevada parcela dos trabalhadores no Rio de (B) redução do valor dos salários e concentração espacial Janeiro encontra-se na informalidade. das atividades tecnológicas E) O Rio de Janeiro é a metrópole com o menor percentual (C) segregação de parte da classe trabalhadora e acesso de trabalhadores qualificados. desigual à rede de transporte O CLIMA NO BRASIL (D) desaceleração dos fluxos migratórios e crescimento acentuado da especulação fundiária Tempo: é o estado momentâneo da atmosfera em “Os limites de Vila Isabel são tão confusos que a estátua determinado lugar. de Noel Rosa pode estar fora do bairro. O monumento fica na Praça Maracanã, no início do Boulevard Vinte e Oito Clima: a sucessão dos estados de tempo de um determinado de Setembro, no Maracanã. Estranho, não? Como Vila lugar, em um determinado período de tempo vão determinar o Isabel está entrelaçada com Andaraí, Grajaú, Engenho seu tipo de clima. Novo,Tijuca e Maracanã, essa geografia confunde a Nossa principal fonte energética ou de calor é a radiação emitida população.” pelo Sol. Entretanto, o aquecimento da atmosfera é feito de maneira indireta. Em primeiro lugar ocorre o aquecimento da (Adaptado de Notícias da Vila. Faculdade de Comunicação superfície terrestre e, a seguir, a superfície emite o calor da Social / UERJ. Rio de Janeiro, maio, 2002.) radiação solar para o ar atmosférico, aquecendo-o. Daí, temperatura costuma ser definida como a quantidade de 5) O texto apresenta a dificuldade no reconhecimento de calor existente na atmosfera. limites geográficos estabelecidos para determinado lugar. A origem desta dificuldade está relacionada ao seguinte fator: Fatores do clima: (A) a dinâmica sócio-espacial que cria limites territoriais difusos a) Latitude: a temperatura diminui com o aumento da latitude, (B) as tradições culturais que produzem espaços uma vez que a fonte de calor, isto é, a radiação indiferenciados é mais intensa no Equador e diminui no sentido dos pólos. (C) a ação dos interesses econômicos que impedem a b) Relevo/ Altitude: chuvas orográficas/ como a Terra é delimitação dos espaços aquecida de forma indireta e por raios refletidos, a temperatura diminui à medida que estamos em pontos (D) os fluxos sociais que cristalizam a divisão político- mais elevados. administrativa dos lugares c) Correntes Marítimas: as correntes marítimas exercem 6) Os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de grande influência sobre a temperatura e a umidade. As correntes frias tornam o ar mais frio e seco, enquantoas correntes quentes Domicílios (PNAD-2001), divulgados pelo IBGE, tornam o ar mais quente e úmido. mostraram que a taxa de desemprego no Estado do Rio de Janeiro atingiu seu nível mais alto, chegando a 12,2% da d) Continentalidade e Maritimidade: as áreas próximas força de trabalho. Com relação ao desemprego no Estado ao mar têm temperaturas mais amenas porque a água do mar do Rio de Janeiro, são corretas as afirmativas abaixo, à se aquece mais lentamente que os continentes. Em compensação, exceção de uma. Identifique-a: os mares se resfriam também de modo mais lento. As áreas distantes do mar têm temperaturas mais acentuadas, porque as A) O Rio de Janeiro vem perdendo empresas para outros rochas e o solo perdem calor muito rápido e o ar sobre elas estados. logo se resfria. Amplitude térmica corresponde à diferença entre temperaturas máximas e mínimas. Assim, tanto maior será a amplitude térmica quanto mais nos afastarmos do mar. Geografia do Brasil 9
    • Pré-Vestibular Popular da UFF na Engenharia ELEMENTOS CLIMÁTICOS a) Umidade Atmosférica: é a presença do vapor de água na atmosfera. b) Temperatura: é a quantidade de calor existente na atmosfera. c) Pressão atmosférica: é a força que o ar exerce sobre a Terra(peso do ar). Dois fatores provocam variações na pressão atmosférica: altitude e temperatura. Quanto maior a altitude, menor a pressão; quanto maior a temperatura, menor a pressão. As diferenças entre as regiões de alta e baixa pressão provocam a formação dos ventos. VENTOS É o ar em movimento, deslocando-se de uma área de alta BRISA TERRESTRE pressão (anticiclone) para uma de baixa pressão (ciclone) e pode ser quente ou frio, seco ou úmido, conforme as características da atmosfera do local de origem. Há vários tipos de ventos. Uns são constantes e outros periódicos. Os ventos constantes são chamados alísios e contra-alísios. Os ventos alísios sopram das zonas de alta pressão para as de baixa pressão. Quando atingem o Equador, esses ventos se aquecem e sobem, porém, nas maiores altitudes voltam a se resfriar e retornam às zonas de origem, formando os contra-alísios. Observe a figura abaixo: MASSAS DE AR São porções de ar que ao se deslocarem influenciam o clima e o tempo em diversos lugares do planeta. Elas podem ser, de acordo com o local de origem, frias ou quentes, secas ou úmidas. As brisas sopram do mar para a terra e ora sopram da terra para o oceano, inversamente, devido à diferença de Massas de ar que atuam no Brasil: aquecimento entre as terras e as águas do mar. a) Equatorial Atlântica (MEA): é uma massa BRISA MARÍTIMA quente e úmida que atua no litoral das regiões Norte e Nordeste do país. b) Equatorial Continental (MEC): é quente e úmida, sendo responsável pelas chuvas de verão em boa parte do país na época do verão. No inverno ela recua, permitindo o avanço da MPA. c) Tropical Atlântica (MTA): é uma massa quente e úmida que provoca chuvas orográficas no Sudeste e chuvas frontais no Nordeste. Geografia do Brasil 10
    • Pré-Vestibular Popular da UFF na Engenharia d) Tropical Continental (MTC): é uma massa CHUVA OROGRÁFICA OU DE RELEVO quente e seca, com isto provoca estabilidade no tempo das áreas que alcança. e) Polar Atlântica: é uma massa fria que toma três trajetórias no Brasil. No litoral provoca as chuvas frontais, no interior provoca geadas, chuvas, neve nas áreas elevadas durante o inverno e quando consegue chegar à Amazônia Ocidental provoca uma queda na temperatura conhecida por friagem. Quando parcela do ar encontra um obstáculo, que pode ser uma montanha, acaba por sofrer ascensão. Ao subir, o ar esfria-se, condensa-se e forma uma nuvem. Como a umidade torna-se muito elevada, ocorre a precipitação, normalmente do lado onde houve o “ataque” da massa de ar, ou seja, o lado barlavento da encosta. Quando essa massa consegue atravessar o topo da montanha e passar para o outro lado da mesma, já perdeu umidade fazendo com que o clima do lado sotavento seja quente e seco. CHUVA FRONTAL Massa de ar é uma parcela extensa e espessa da atmosfera, com milhares de quilômetros quadrados de extensão, que O tipo chuva frontal é aquele em que o ar quente, com apresenta características próprias de pressão, temperatura e bastante umidade, recebe o ar frio que se desloca. A zona umidade, determinadas pela região na qual se originam. Conforme a zona em que se desenvolvem são classificadas de contato entre o ar quente e o ar frio chama-se frente. como equatoriais (quentes e muito húmidas), tropicais Isso ocorre porque as massas de ar são deslocadas da área (quentes) e polares (frias) ou massas de ar marítimas de pressão alta para as áreas de pressão baixa. Se você (geralmente muito húmidas) e massas de ar continentais mora no Sul ou no Sudeste do Brasil, já deve ter ouvido (geralmente secas). . Quando uma massa de ar se desloca,a algum comentário do tipo: "Está se aproximando uma sua parte dianteira passa a ser conhecida por frente. frente fria" . Como você viu, isso acontece porque as Geografia do Brasil 11
    • Pré-Vestibular Popular da UFF na Engenharia massas de ar frio tendem a se deslocar em direção às O Centro-Sul destaca-se como centro econômico do Brasil, zonas mais quentes. Nesse caso, o que ocorre é um concentrando 70% da população nacional e a maior parte choque de um ar de origem polar com a massa de ar da produção industrial e agropecuária do país. O Nordeste individualiza-se pela estagnação econômica, pela repulsão quente que na ocasião cobre o território em que você se populacional e pela disseminação da pobreza, expressa nos encontra. Quando se dá o avanço do ar frio, o ar quente, altos índices de mortalidade infantil, subnutrição e por ser mais leve, é empurrado para cima, o que também analfabetismo. O Complexo Amazônico caracteriza-se pela ocasiona um movimento de convecção. O ar quente sobe, presença da floresta equatorial, pelas baixas de densidades perde temperatura, se condensa e se precipita. populacionais e ainda pelo processo de ocupação recente ,ligado aos grandes projetos agropecuários e minerais. CHUVA CONVECTIVA O forte calor, a vegetação florestal densa e a grande quantidade de rios caudalosos provocam grande evaporação de água, que se acumula no ar atmosférico. No decorrer do dia, a temperatura vai se elevando e a evaporação se intensifica, formando nuvens carregadas de umidade. O vapor de água contido nessas nuvens se eleva em conseqüência do aquecimento e, ao atingir maiores altitudes, resfria-se e se precipita. Esse tipo de precipitação é denominado chuva convectiva e sua ocorrência é comum nos fins de tarde. CENTRO-SUL E INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA • É a região geoeconômica mais dinâmica do Brasil. • Concentra a maior parte da produção industrial do Brasil • Desenvolve uma agropecuária moderna • Pratica uma agricultura mais desenvolvida e OS COMPLEXOS REGIONAIS BRASILEIROS mecanizada • É a sede das principais empresas financeiras • Apresenta a maior taxa de urbanização Nas últimas décadas uma outra proposta de regionalização • Nela se localizam as duas cidades mais populosas vem ganhando espaço nas publicações geográficas e na do país: São Paulo e Rio de Janeiro imprensa em geral. Trata-se da divisão do país em três • Nela se situa o centro político e administrativo do grandes complexos regionais, individualizados segundo país: Brasília critérios geoeconômicos. Essa delimitação não leva em • Milhões de brasileiros pobres e miseráveis conta as fronteiras entre os estados: o norte semi-árido de • A maior concentração de favelas e cortiços Minas Gerais, por exemplo, integra o Complexo Regional • Situação social de fome e desnutrição Nordestino; metade do território do Maranhão integra o • Desemprego e subemprego Complexo Amazônico, a outra metade pertence ao • Violência urbana • Altos índices de poluição ambiental Complexo Regional Nordestino. • Climas: Tropical litorâneo úmido (sudeste); Subtropical úmido (Sul); Tropical (Centro-Oeste) Geografia do Brasil 12
    • Pré-Vestibular Popular da UFF na Engenharia • Vegetação: Mata Atlântica ou Floresta Tropical; Mata Subtropical, Araucária ou dos Pinhais; Campos (Pampas Gaúchos); Cerrado e Pantanal. Industrialização clássica = países desenvolvidos . Extrativas vegetais minerais Industrialização tardia = países subdesenvolvidos . Transformaçãobens de consumo Indústrias tradicionais bens de capital duráveis A INDÚSTRIA NO BRASIL não duraveis Indústrias de ponta República Velha (oligarquias cafeeiras) = transição de uma TEXTO PARA REFLEXÃO: economia agrário-exportadora para urbano-industrial A EVOLUÇÃO DO HOMEM E A GÊNESE Criação de infra-estrutura com a economia cafeeira INDUSTRIAL Substituição de importações com Vargas a partir de 1930 (indústrias de base e de bens de consumo); capital estatal A evolução do macaco antropóide para o homem atual foi de relevante importância para a gênese do processo industrial, no qual, a nossa sociedade está inserida. O fato do Forte presença do Estado na industrialização (regulamentação de esses macacos começarem a perder o hábito de se mercado de trabalho e criação de estatais) servirem das mãos para caminhar e foram se adaptando a posição vertical, foi o passo decisivo para a transformação JK = indústria automobilística (oligopólio) e de equipamentos do macaco em homem. elétrico/eletrônicos; implementação de rodovias Já que as mãos ficaram livres da marcha quadrúpede, as mesmas começaram a ganhar novas funções, sofreram Segunda Guerra mundial = tecnologia própria; mercado adaptações, aprimorando cada vez mais o trabalho do consumidor nacional; alavancada na industrialização brasileirahomem. E a parti de então, elas podiam adquirir capacidades novas e a agilidade assim adquirida, foi transmitida de geração em geração. Governos militares = aumento da infra-estrutura; busca por matéria-prima; incentivos fiscais para as multinacionais Sendo assim, como citou Friederich Engels em sua obra, “A Dialética da Natureza”, “Portanto a mão não é apenas o órgão do trabalho, ela é também o produto do trabalho.” Anos 80 = crise; recessão; “década perdida para a América (Pág. 174). E o resultado desse trabalho constante se Latina” adaptando sempre à operações novas, juntamente com o desenvolvimento anatômico relativo aos músculos e Anos 90 = fim do “Estado empresário” com as privatizações e tendões que foram transmitidos hereditariamente, temos fim do protecionismo e dos monopólios (Neoliberalismo) então o alcance da mão humana ao mais alto grau de perfeição, criando afinamentos técnicos que possibilitaram realizar operações cada vez mais complexas. Desconcentração industrial Mas é importante ressaltar que esse desenvolvimento manual teve conseqüências sobre o resto do corpo, já que Desemprego estrutural as mãos fazem parte de um organismo como um todo. Com isso, o homem passou a ter domínio sobre a natureza, melhorando a sua qualidade alimentícia, o que culminou K num grande progresso em relação ao seu horizonte, alargando-o, permitindo que ele percebesse nos elementos naturais, propriedades novas que até então, haviam sido ignoradas por ele. ESTATAL ESTRANGEIRO NACIONAL O homem passou a criar ferramentas que lhe possibilitaram caçar com mais facilidade, o que interferiu relevantemente Geografia do Brasil 13
    • Pré-Vestibular Popular da UFF na Engenharia na sua alimentação. O aumento da ingestão de carne, e Juntamente com a vida em sociedade, o sedentarismo, o conseqüentemente, de proteínas, resultou num grande aprimoramento de suas técnicas, o domínio da natureza, desenvolvimento de seu cérebro e lhe deu mais força física, veio a emancipação do homem, fazendo com que o mesmo tornando-o mais independente e mais dominador da aprendesse a viver sob todos os climas, do mesmo modo natureza, sobressaindo-se em relação às outras espécies. que aprendeu a comer tudo o que era comestível, culminando então, na sua diáspora por toda a parte Além disso, a alimentação carnívora possibilitou a habitável da terra, por todo o ecúmeno terrestre. utilização do fogo e a dominação dos animais, fazendo com que o mesmo se dispusesse cada vez mais sedentário e “ Graças à ação conjugada da mão, dos órgãos da palavra assim, progrediu em relação à sua vida em sociedade, e do cérebro, não só em cada indivíduo, mas na sociedade aprofundando cada vez mais os laços entre os membros da inteira, os homens foram podendo realizar operações cada mesma. vez mais complexas e impor-se atingindo fins cada vez mais elevados. De geração em geração, o próprio trabalho Com isso, a vida em sociedade culminou na necessidade foi-se tornando diferente, mais perfeito, mais variado. A latente de uma maior comunicação entre os membros, agricultura veio acrescentar-se à caça e à criação; à fazendo com que a emissão de sons cada vez mais agricultura vieram acrescentar-se a fiação, a tecelagem, o aprimorados gerasse um desenvolvimento da laringe, um trabalho dos metais, a olaria, a navegação. A arte e a órgão novo que possibilitou a evolução de sons primários ciência apareceram, enfim, paralelamente ao comércio e à em sílabas pronunciadas em seqüência, evoluindo assim, indústria, as tribos transformaram-se em nações e em para a linguagem falada, que nasceu do trabalho e o estados, o direito e a política desenvolveram-se e com eles, acompanha sempre. o reflexo fantástico das coisas humanas no cérebro dos O trabalho e a especialização da linguagem falada foram homens: a religião. Perante todas estas formações que importantes fatores que auxiliaram na evolução contínua do começaram por apresentar-se como produtos do cérebro e cérebro do macaco até atingir o desenvolvimento e que pareciam dominar as sociedades humanas, os produtos mais modestos do trabalho manual passaram para segundo perfeição do cérebro do homem. E por esse mesmo plano; e tanto mais, quanto a cabeça que estabelecia o caminho, houve também o desenvolvimento dos órgãos dos sentidos, que resultou num maior grau de aperfeiçoamento plano do tratamento da sociedade (por exemplo na família do homem em relação às outras espécies animais. primitiva), permitir-se fazer executar por outras mãos que não as suas, o trabalho projetado. Foi ao espírito, ao “O desenvolvimento do cérebro e dos sentidos que lhe desenvolvimento e à atividade do cérebro que foi atribuído estão subordinados, a clareza crescente da consciência, o todo o mérito do desenvolvimento rápido da sociedade; os aperfeiçoamento da faculdade de abstração e do raciocínio homens habituaram-se a explicar a sua atividade pelo seu atuaram sobre o trabalho e a linguagem e foram pouco a pensamento em vez de a explicarem pelas suas pouco novas impulsões para o aperfeiçoamento destes. Tal necessidades (que no entanto se refletem no seu espírito, aperfeiçoamento não terminou no momento em que o tornam-se conscientes), e foi assim que com o tempo se homem ficou definitivamente separado do macaco; pelo assistiu ao nascimento da concepção idealista do mundo contrário, de uma maneira geral ele foi prosseguindo. Com que, sobretudo depois do declínio da antiguidade, dominou progressos diferentes em grau e em direção entre os os espíritos.” (ENGELS, Friederich - “A Dialética da diversos povos e nas diferentes épocas, progressos Natureza”, página 180). interrompidos aqui e além por uma regressão local ou temporária, ele avançou de um passo vigoroso, recebendo Posteriormente a todo esse processo, veio o por um lado uma nova e poderosa impulsão e por outro desenvolvimento do camponês-artesão durante o feudalismo, porém, é importante ressaltar que a sociedade lado uma direção maior definida de um novo elemento que feudal não se apoiava no capital e sim, na transferência de surgiu com o homem acabado: a sociedade.” (ENGELS, Friederich - “A Dialética da Natureza”, páginas 176 e 177). parte da produção para o senhor feudal. No feudalismo não há propriedade privada, o senhor feudal não era o dono da Sendo assim, o trabalho se inicia quando o homem começa terra e sim do domínio; o feudalismo era um sistema em a fabricar ferramentas e armas cada vez mais complexas, que se possuía a renda da terra; era um sistema de troca, de sendo estas utilizadas tanto para a caça/pesca, quanto para a renda em trabalho em forma de proteção militar; era a terra sua defesa pessoal, o que demonstra a evolução do mesmo o meio de produção principal; era um sistema de e fomenta o aumento da ingestão de proteínas para que seu obrigações; o feudalismo possuía uma natureza militarista, cérebro pudesse se desenvolver continuamente. Geografia do Brasil 14
    • Pré-Vestibular Popular da UFF na Engenharia caracterizada na fidelidade ao senhor, que é bem gênese do processo industrial, processo esse, que se estende representada na relação soberania e vassalagem. até os dias atuais, já que o desenvolvimento das habilidades do homem proporcionou um acúmulo de excedentes que Mas o desenvolvimento latente do camponês-artesão posteriormente foram usados como mercadoria, gerando resultou no artesanato como uma forma de indústria assim um acúmulo primitivo de capital. E esse capital caracterizada por ser uma economia familiar autônoma e acumulado, juntamente com todo o organismo integrada, fazendo com que da mercadoria “força de desenvolvido do homem, fomentou esse embrião industrial, trabalho” (M – D – M) viessem todas as outras fomentou o embrião da gênese do capital industrial. mercadorias. A combinação de atividades artesanais num mesmo espaço, PETITO, A. P. B./2008. criando uma divisão interna de trabalho e fazendo com que os artesãos se tornem empregados, culminou no surgimento Bibliografia: ENGELS, Friederich - “A Dialética da do capital industrial manufatureiro, produzindo Natureza” mercadorias ao invés de subsistência somente, tornando assim, a manufatura uma propriedade de um comerciante REGIÃO NORDESTE que conseguiu uma acumulação mercantil na forma monetária, sendo o intermediador mercantil o dono da É formada por oito estados mais o centro-leste do manufatura. Maranhão e o norte de Minas Gerais. A crise no sistema feudal levou ao avanço da manufatura, Aspectos físicos ou naturais que é uma forma de transição do artesanato para a indústria, levando ao surgimento do capitalismo mercantil e do Renascimento. Juntamente com a manufatura, surge o • É dividida em quatro sub-regiões: relógio mecânico pra controlar o trabalhador e a) Zona da Mata: faixa litorânea. conseqüentemente a produção. b) Agreste:área de transição entre a Zona da Mata Lentamente as relações de troca vão aumentando e o e o Sertão. dinheiro surge como ponte dessa troca, mas a Europa não tinha metais suficientes para manter o crescimento c) Sertão:área semi-árida do interior. capitalista, daí a necessidade das Grandes Navegações, a Expansão Marítima. E é o Brasil com o seu ouro que vai d) Meio-Norte ou Zona dos Cocais: área de alimentar a Revolução Industrial. transição entre a caatinga e a Floresta Amazônica. No início da acumulação mercantil, não havia relação de trabalho no campo, ou seja, o camponês tinha uma relação AGROINDUSTRIA DA CANA-DE-AÇUCAR mais subjetiva com a terra. Mas com a expropriação fundiária, toda a família • Cana: planta nativa da Ásia, aperfeiçoada pelos camponesa foi expulsa do campo para as cidades buscando portugueses na ilha de Açores, Cabo Verde e emprego nas manufaturas, porém, essa oferta de emprego Madeira. não era suficiente, causando um aumento de camponeses desempregados nas cidades, o que gerou um ambiente • Foi introduzida no século XVI em Pernambuco. próprio para a exploração das indústrias/fábricas, posteriormente, durante a Revolução Industrial, o que • Fatores favoráveis: auxiliou no acúmulo de riquezas na forma de capital nas a) Clima quente e úmido (clima tropical úmido) mãos dos capitalistas. É um momento de grande miséria, mas por mais que houvesse o êxodo rural, o campo não se b) Rios que correm do interior para o litoral esvaziou, permitindo a produção de alimentos para atender facilitando o transporte do açúcar até os a cidade. portos para ser exportado para a Europa Desta forma, é possível perceber a relação que a evolução do macaco antropóide para o homem completo tem com a Geografia do Brasil 15
    • Pré-Vestibular Popular da UFF na Engenharia c) Abundância de madeira na Mata Atlântica • Área de transição entre a Zona da Mata e o Sertão. utilizada no transporte, combustível e em habitações. • Possui os climas e a s vegetações das áreas em volta. d) Maior proximidade com Portugal – menor custo com transporte • Área de planaltos (paredões rochosos) com a e) Grande mercado europeu porque a produção ocorrência de chuvas orográficas ou de relevo, o era escassa. que acaba intensificando a seca no sertão. • Área de produção de gêneros de subsistência para a • Desmatamento da Zona da Mata: Zona da Mata (agricultura,carne,leite), baseado em pequenas e médias produções, sendo resultado da 1º) Desde o início da colonização com a extração de pau- repartição de grandes propriedades. brasil. • Área fornecedora de mão-de-obra para a Zona da 2º) Agroindústria açucareira Mata na época do corte da cana, como bóias-frias ou trabalhadores temporários nas usinas. • Com a introdução da agroindústria açucareira a Zona da Mata tornou-se a área econômica mais Sertão importante no Brasil nos séculos XVI e XVII, atraindo um grande fluxo populacional. • Clima tropical semi-árido: altas temperaturas e • O capital comercial e o grande mercado europeu amplitude térmica elevada; chuvas irregulares e mais incentivaram a plantação de cana-de-açúcar na concentradas no verão por causa da irregularidade das colônia sob o regime da colonização por massas de ar. exploração. • A seca ocorre quando não há chuva no período previsto. • O açúcar modificou o espaço em torno dele e estruturou uma sociedade sob esse mesmo • Caatinga: vegetação xerófila. comando. • Criação de atividades acessórias: tabaco para a • Rios temporários e rios perenes. troca por escravos, gado e agricultura de subsistência. • Atividades econômicas: pecuária e agricultura • Decadência do açúcar na segunda metade do século XVII com a produção de açúcar nas Antilhas e a Meio-Norte ou Zona dos Cocais descoberta do açúcar de beterraba. O Nordeste tornou-se área de repulsão populacional e esse fluxo se dirigiu posteriormente para a região das • Área de transição entre o sertão semi-árido e a minas no século XVII com a descoberta da Amazônia úmida. mineração. • Vegetação: mata de transição – marca a passagem da caatinga para a Floresta SITUAÇÃO ECONOMICA DA ATUAL ZONA DA Amazônica. MATA • A vegetação é composta por palmeiras (babaçu), também chamada de Mata dos • Possui atividade açucareira e produção de álcool, Cocais de Babaçu. porém quem lidera é São Paulo. • Atividades econômicas: agricultura de arroz • Extrativismo mineral: sal marinho nas áreas de várzeas, extrativismo vegetal e cultura de algodão. • Atividade industrial: bens de consumo duráveis, não duráveis e intermediários. • Indústrias: beneficiamento de matéria –prima oriunda do extrativismo vegetal, têxtil e siderurgia que aproveita o minério de ferro Agreste vindo da Serra dos Carajás, no Pará. Geografia do Brasil 16
    • Pré-Vestibular Popular da UFF na Engenharia • Aumento do polígono das secas e do processo estabelecidos projetos de energia elétrica, de rodovias, de de desertificação. habitação popular, de abastecimento de água e de construção de rede de esgoto para as cidades, de agricultura, de industrialização e de irrigação de terras, O ATUAL QUADRO SOCIAL ECONÔMICO DO NORDESTE esta, inclusive, com a assistência de técnicos de Israel. Com o Golpe de Estado de 64, o novo governo federal • A seca não é responsável pela miséria e alterou objetivos iniciais da Sudene, que passou a ser um pobreza – motivos órgão preocupado sobretudo com a industrialização do Nordeste, principalmente com a implantação de complexos a) As secas ocorrem no Sertão e não na Zona da Mata. industrias petroquímicos, cloroquímicos, alcooquímicos e de outros ramos industriais. b) Há grande concentração de propriedade de terra Para atrair as indústrias para o Nordeste, a Sudene c) Grande parte da população tem baixa renda. ofereceu vantagens, como pagamento de menos impostos, empréstimos de dinheiro a juros baixos, facilidades para d) A migração de nordestinos, principalmente para São comprar o terreno para instalar a indústria, etc. Paulo e Rio de Janeiro, não é causada pela seca e sim, pelas Por volta de 1975, a Sudene retomou, em parte, seus péssimas condições de vida, pela miséria. Há migração objetivos iniciais, passando a coordenar vários programas oriunda do Agreste e da Zona da Mata. para o Nordeste. Entretanto, apesar da atuação da Sudene e do desenvolvimento industrial do Nordeste, os graves problemas sociais dessa região não foram resolvidos. A A “indústria da seca” miséria e a pobreza da sua população continuam ou até se agravaram, pois ainda não foi resolvido o problema fundamental, que é a questão da distribuição da riqueza ou • Beneficiamento dos grandes proprietários, que da renda. muitas vezes são políticos, em relação às ajudas governamentais. Adas, Melhem. “O Brasil e suas regiões geoeconômicas” • As obras de abertura de estradas e de construção Vol. 2 – págs 77 e78. de açudes são feitas nas grandes propriedades, com AMAZÔNIA mão-de-obra barata (frente de trabalho). • Envio de cestas de alimentos do governo federal • Relevo: Planície de Várzea, Platôs e Planaltos (das que são distribuídas pelos coronéis. Guianas e Central). • Clima Equatorial: Quente e úmido com baixa TEXTO PARA REFLEXÃO: amplitude térmica. A SUDENE E A INDUSTRIALIZAÇÃO DO NORDESTE • Vegetação: Floresta Amazônica – floresta equatorial latifoliada, densa, sem vegetação rasteira, árvores de grande porte e heterogênea. A SUDENE (Superintendência do Desenvolvimento do a) Mata de Igapós: Área sempre Nordeste), projetada pelo economista Celso Furtado, foi inundada pelos rios (Vitória-Régia) criada em 1959, durante o governo do presidente Juscelino b) Mata de Várzea: Área sujeita a Kubitschek. Seu objetivo era promover o desenvolvimento inundações na época de cheias social e econômico da Região Nordeste, através de (Seringueira) planejamento regional e da coordenação dos órgãos c) Mata de Terra firme: Área livre das federais que aí atuam, como é o caso do Dnocs inundações (Mogno) (Departamento Nacional de Obras contra as Secas). • Solo: Pobre, ácido, dependente da floresta; possui Inicialmente, a Sudene elaborou o então chamado Plano fina camada de matéria-orgânica e sem a floresta Diretor para o Desenvolvimento do Nordeste. Aí estavam fica sujeito à desertificação e lixiviação. Geografia do Brasil 17
    • Pré-Vestibular Popular da UFF na Engenharia • Hidrografia: Bacia Amazônica e Bacia do Tocantins. • Não é o “pulmão do mundo”. • Agricultura: Policultura de subsistência e soja para exportação (+atualmente). • Extrativismo vegetal: Drogas do Sertão (cacau, cravo, castanha-do-pará e urucum), madeira, borracha. • Extrativismo mineral: Ouro, diamante (garimpo), minério de ferro, manganês e alumínio (bauxita). • Construção de hidroelétricas. • Zona Franca de Manaus: criada em 1967 – multinacionais. • Área pouco povoada • Causas do desmatamento: a) A prática da agricultura de subsistência (agricultura itinerante) e Assinale a opção que apresenta a seqüência extração de lenha. b) A formação de pastagens para a correta da numeração. criação de gado. (A) 2, 3, 1, 4 c) A inundação de áreas da Floresta Amazônica para a construção de (B) 3, 1, 4, 2 barragens das hidroelétricas. d) A exploração de madeira realizada por (C) 2, 3, 4, 1 empresas nacionais que destroem não somente as espécies vegetais que lhes (D) 2, 4, 1, 3 interessam, mas também outros vegetais. (E) 3, 2, 1, 4 2) UFF 1999 O controle e a distribuição da água, por meio EXERCÍCIOS de obras de engenharia, tem sido a forma pela qual os governos vêm enfrentando a questão da seca no Nordeste 01) UFF 2000 Sub-Regiões do Nordeste semi-árido. Seguindo este modelo histórico, a solução desta questão refere-se, atualmente, à: (A) canalização e perenização dos rios Jaguaribe e Parnaíba; Assinale a opção que apresenta a seqüência correta da numeração. (A) 2, 3, 1, 4 (B) 3, 1, 4, 2 (C) 2, 3, 4, 1 Geografia do Brasil 18
    • Pré-Vestibular Popular da UFF na Engenharia (D) 2, 4, 1, 3 redemoinhos, e os garranchos se torciam, negros e torrados.” (E) 3, 2, 1, 4 Ramos,Graciliano.Vidas Secas 2) UFF 1999 O controle e a distribuição da água, por meio de obras de engenharia, tem sido a forma pela qual os Acerca do tipo de vegetação em destaque no texto acima, é governos vêm enfrentando a questão da seca no Nordeste correto afirmar que: semi-árido. Seguindo este modelo histórico, a solução desta questão refere-se, atualmente, à: (A) canalização e perenização dos rios Jaguaribe e (A) vem expandindo-se em todas as sub-regiões do Nordeste, devido à ação das secas periódicas; Parnaíba; (B) está associado à ocorrência do clima semi-árido, predominante no sertão nordestino; (B) criação de grandes represas nos rios temporários da (C) justifica a chamada “indústria da seca”, devido ao região; mau aproveitamento dos seus recursos; (D) é uma conseqüência biogeográfica do fenômeno (C) transposição das águas do rio São Francisco para outras “El Nino” que impede as chuvas no Nordeste; áreas do semi-árido; (E) ocorre, predominantemente, no Agreste, dificultando as atividades produtivas e provocando (D) perfuração e multiplicação de poços artesianos pela migração. zona semi-árida; (E) irrigação das várzeas criadas pelo curso do rio São 5) A grandiosa área da Floresta Amazônica não é mais Francisco. tão grandiosa assim. Atividades econômicas estão sendo desenvolvidas na região sem tanta preocupação 03) UERJ 1999 Leia o trecho do roteiro do filme “Central com o meio ambiente. Cite 2 dessas atividades do Brasil”, dirigido por Walter Salles: explicando como elas se relacionam com o crescente desmatamento existente na região norte do Brasil: “70 - Sertão – Externa - Noite O caminhão está parado no meio do mato próximo da 6) Observando o climograma abaixo, cite qual clima ele estrada. César e Dora estão sentados no chão junto a uma representa e em qual região ele ocorre, abordando as suas características fundamentais: fogueirinha. Josué ficou no caminhão. César: - É, no sertão também faz frio.” A característica climática do sertão nordestino que se relaciona ao frio referido no texto acima é: (A) intensificação de secas no verão (B) expressiva amplitude térmica diária (C) regularidade na distribuição das chuvas 7) As hidrelétricas são consideradas formas “limpas” de (D) permanente atuação da massa equatorial continental obtenção de eletricidade, porém, sua implementação acarreta sérios danos sócio-ambientais. Descreva 2 desses problemas ocasionados pela construção das hidrelétricas na Amazônia: 04) UNIFICADO “A vida na fazenda se tornara difícil. Sinhá Vitória se benzia tremendo, manejava o rosário, mexia os beiços rezando rezas desesperadas. Encolhido no 8) A Floresta Amazônica caracteriza-se por sua banco do copiar, Fabiano espiava a caatinga amarela, vegetação densa, heterogênea, com árvores de grande onde as folhas secas se pulverizavam, trituradas pelo porte. Qual é a característica desse tipo de formação vegetal que está relacionada ao seu processo de Geografia do Brasil 19
    • Pré-Vestibular Popular da UFF na Engenharia transpiração? Como se chama tal processo e qual a sua • Circulação de mercadorias e pessoas no espaço. importância para a manutenção do clima da região? • Fatores fundamentais: custo e tempo. 9) A exuberância da Amazônia esconde uma certa • O sistema de transporte brasileiro foi implantado fragilidade em relação à manutenção da floresta. com base em uma economia determinada por um Caracterize o componente desse ecossistema modelo exportador primário: riquezas minerais e responsável por essa fragilidade: agrícolas transportadas do interior do país para os portos litorâneos. 10) Cite quais os governos que foram fundamentais para o • Transporte rodoviário: grande incentivo com JK desenvolvimento industrial brasileiro, explicando a atuação para atrair as indústrias automobilísticas; tornou-se do Estado neles: o principal meio de transporte no país; é um sistema frágil. 11) No Brasil, as queimadas consomem todos os anos uma grande quantidade de biomassa. • Transporte hidroviário: o custo/km é 2X mais baixo que a ferrovia e 5X menor que o da rodovia; causa problemas ambientais devido às alterações Considerando os desequilíbrios ambientais provocados pela feitas nos rios para torná-los navegáveis, o que retirada da cobertura vegetal, analise as seguintes provoca modificações em suas características de afirmativas: fluxo, afetando a biodiversidade das regiões por onde passam. I - O aumento do processo erosivo acarreta o • Transporte ferroviário: implantação e empobrecimento dos solos. desenvolvimento associado ao ciclo do café; II - O assoreamento dos rios compromete os ecossistemas prioridade ao transporte de cargas, mas o transporte aquáticos. de pessoas vem aumentando gradativamente. É III - A diminuição da evapotranspiração altera o regime de mais adequado para áreas com grandes extensões chuvas. de terras. IV - A ruptura das cadeias alimentares provoca o aumento de pragas e doenças. • Transporte marítimo: iniciou-se com a manutenção do pacto colonial e atualmente está Assinale a opção que apresenta as afirmativas corretas. voltado para uma maior participação do país na economia global. (A) As afirmativas I e II estão corretas; (B) As afirmativas III e IV estão corretas; • Transporte multimodal: é a combinação entre (C) As afirmativas I e IV estão corretas; diferentes modalidades de transportes como (D) As afirmativas II, III e IV estão corretas; alternativa para diminuir custos, estimular a (E) Todas as afirmativas estão corretas. produção e integrar regiões isoladas. 12) “A guerra fiscal é, na verdade, uma guerra global entre EXERCÍCIOS os lugares”. Milton Santos, Folha de São Paulo. 1. (UERJ) “SEM CAMINHÃO O BRASIL PÁRA.” Um cartaz com os dizeres acima está afixado na maioria dos caminhões que circulam pelas nossas De que forma os estados e municípios competem entre si estradas. Tendo como referência principal o modelo que praticando a guerra fiscal? de desenvolvimento que criou o chamado “milagre econômico brasileiro” da década de 70, podemos 13) O que se entende pela expressão “substituição de afirmar que o conteúdo explicado no cartaz torna importações”? Qual foi a sua importância no governo em evidente a: que foi adotada? a) necessidade do uso do caminhão pelo seu menor O TRANSPORTE E A ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO custo, em contraste com o fracasso do transporte BRASILEIRO ferroviário, mais oneroso; Geografia do Brasil 20
    • Pré-Vestibular Popular da UFF na Engenharia b) perversidade do modelo baseado no “rodoviarismo”, que transforma o caminhão no meio prioritário de transporte de carga no país; c) terceirização da economia brasileira, com cargas predominantes leves, adotando-se o caminhão pela possibilidade de transporte porta-a-porta (mais barato); d) qualidade da malha rodoviária brasileira, o que justifica a preferência pelo caminhão para o transporte de cargas pesadas; Identifique: e) vantagem do uso do caminhão em relação a outros tipos de transporte, representada pelo baixo custo A) duas mudanças na estrutura da população entre de manutenção das estradas. os dois momentos; B) uma conseqüência socioeconômica para cada 2. Dados estatísticos veiculados por várias fontes revelam uma dessas mudanças. que não foram as grandes metrópoles que mais cresceram no Brasil na década de 90, mas sim as cidades médias. 2) Brasil – População por grupos de idade (1991- Duas causas diretas para esse fenômeno são: 1996) a) Sobrecarga das áreas metropolitanas, fixação dos Grupos de idade 1991 1996 trabalhadores rurais no campo. até 14 anos 34,73% 31,62% b) Redirecionamento dos fluxos migratórios de 15 a 64 anos 60,45% 63,01% internos; dispersão espacial de diversos setores produtivos. a partir de 65 anos 4,83% 5,37% (Adaptação de dados do IBGE divulgados por O c) Incentivos fiscais por parte das periferias locais; Globo,06/08/97) melhoria da qualidade de vida nas grandes metrópoles. A mudança no perfil demográfico brasileiro, expressa pelo envelhecimento da população, reforçou o discurso governamental para as reformas na Previdência Social, hoje d) Desaceleração do crescimento populacional; já encaminhadas, com a proosta de aumento da idade dinamização do setor agrário nas imediações das mínima para a aposentadoria. Todavia, outros estudiosos, médias cidades. inclusive demógrafos do IBGE, vêm ressaltando a PENGE 01 GEOGRAFIA DO BRASIL necessidade de reorientação da política econômica, para priorizar o aspecto social no tratamento da questão. 1) Observe as pirâmides etárias do Estado do Rio de Se, por um lado, a mudança na estrutura etária favoreceu os Janeiro nos anos de 1991 e 2000, que apresentam as os argumentos governamentais sobre a necessidade de freqüências percentuais das classes de idade em intervalos reforma na Previdência, poderia também, por um outro de cinco anos. lado, ter despertado a sensibilidade para um dos maiores prblemas da atualidade: o desemprego. a) Cite dois fatores que explicam a mudança ocorrida no perfil demográfico brasileiro manifestada acima. Geografia do Brasil 21
    • Pré-Vestibular Popular da UFF na Engenharia de vigilância eletrônica. Nós vivemos em cidades brutalmente divididas entre “células fortificadas” da b) Explique como a geração de empregos seria uma opção sociedade afluente e “lugares de terror” onde a polícia para o enfrentamento das mudanças recentes na estrutura guerreia contra o pobre criminalizado.” etária da população brasileira, no que diz respeito à situação da Previdência Social. (Adaptado de DAVIS, Mike. Cidade de Quartzo. São Paulo: Página Aberta, 1993.) 3) Até outro dia, a empresa privada brasileira com maior número de empregados era a Volkswagem, com 30775 1O texto acima descreve um processo socioespacial que postos de trabalho. No momento, a montadora está também pode ser observado em metrópoles brasileiras, passando a faixa de campeã de empregos para, como o Rio de Janeiro. A partir dessa comparação, imaginem, a Mc Donald’s. A rede de fast food terá 32000 empregados até dezembro – número que, em dois A) identifique esse processo e aponte o fator comum que o anos, chegará a 51000. desencadeou nas duas cidades; (Revista Veja, Edição 1560, 19/08/98) B) cite duas ações do Estado que reforçam esse processo na cidade do Rio de Janeiro. a) Cite e explique um fator determinante para a redução de empregos no setor industrial. b)Exponha duas razões para a concentração maior de empregos no setor terciário (comércio e prestação de serviços) no país. PENGE 02 GEOGRAFIA DO BRASIL 1) A devastação da vegetação original foi uma das marcas mais expressivas do modelo econômico adotado em nosso país. Atualmente, o desmatamento alcança quase 40% do território nacional, promovendo diferentes problemas sócio-ambientais. Relacione as atividades sócio- econômicas predominantes na faixa litorânea do país com o processo de desmatamento. 2 Correlacione as seguintes sub-regiões do Rio de Janeiro: 2) Como os complexos agroindustriais modificaram o tipo de cultura existente no Brasil? 1- NORTE 2- NOROESTE 3- REGIÃO DOS LAGOS 4- REGIÃO SERRANA 5- CENTRO-SUL 3) Sabendo-se como se encontra a estrutura fundiária no 6- METROPOLITANA 7- MÉDIO PARAÍBA 8- Brasil, faça a co-relação da mesma com o modelo histórico LITORAL SUL de ocupação das terras brasileiras: ( ) Área marcada por intenso processo de desertificação. PENGE 03 GEOGRAFIA DO BRASIL ( ) Área tradicionalmente voltada para a produção de cana-de-açúcar que vem perdendo em importância para o petróleo. “Florestas de pequenas e ameaçadoras plaquinhas que avisam: “Resposta Armada!” crescem nos ( ) Possui a maior concentração populacional. gramados cuidadosamente aparados do West Side de Los ( ) Área produtora de hortifrutigranjeiros e possui Angeles. Até mesmo os bairros mais ricos indústrias têxtil e cimenteira. se isolam atrás de muros guardados por polícia privada ( ) No passado a extração de sal era a sua base econômica armada e por moderníssimos equipamentos e atualmente sofre com a poluição e a especulação imobiliária. Geografia do Brasil 22
    • Pré-Vestibular Popular da UFF na Engenharia ( ) Foi uma grande produtora de café e atualmente se b) Explique de que maneira as condições destaca na siderurgia. climatológicas e ambientais influenciaram no aumento das mortes e internações. ( ) O turismo rural tem sido importante para a sua economia. 2) (UFF/2008) “O modelo de desenvolvimento adotado pelos países centrais e por parte dos países periféricos ( ) Co-existem a beleza natural de suas praias e usinas gerou impactos ambientais que ultrapassam os limites nucleares territoriais das unidades políticas, sem respeitar os limites elaborados pela geografia e pela história dos lugares e de 3 (UFRJ/2008) “O espaço é a acumulação quem os habita.” (RIBEIRO, W. C. A ordem ambiental desigual de tempos”. (Milton Santos) internacional. São Paulo: Contexto, 2001, p. 12.) a) Mencione três eventos vinculados diretamente a impactos ambientais, que exemplifiquem a afirmativa do autor. b) Explique um dos eventos mencionados no item anterior. 3) (UERJ/2008) Como pode ser observado na figura, a Indique como a imagem acima expressa o conteúdo da Terra possui uma inclinação de 23º27´em relação ao plano afirmativa do importante geógrafo. de sua órbita em torno do Sol, o que gera vários fenômenos PENGE 04 GEOGRAFIA DO BRASIL físicos. Aponte duas alterações, uma no clima e outra na duração dos dias e das noites, que a ausência dessa inclinação provocaria. 1) (UFF/2008) O gráfico abaixo apresenta dados obtidos em uma pesquisa realizada entre 1993 e 1997, quando foram registrados os números médios mensais de mortes (maiores de 64 anos) e internações por problemas respiratórios atribuíveis a poluentes atmosféricos (poeiras) no Município de São Paulo. PENGE 05 GEOGRAFIA DO BRASIL 1) Caracterize os governos Collor e FHC em relação a sua política industrial: 2) Sabendo-se que, após 1930 o desenvolvimento industrial a) Indique o período do ano em que as mortes e internações se intensificaram, especificando os foi impulsionado, caracterize as formas industriais meses em que as médias de internações atingiram presentes no território brasileiro apresentadas abaixo e suas ou estiveram próximas dos valores máximos. subdivisões: A) Indústrias extrativas Geografia do Brasil 23
    • Pré-Vestibular Popular da UFF na Engenharia B) Indústrias de transformação 3) Relacione a Segunda Guerra Mundial com o processo Identifique qual dos dois perfis é típico do semi-árido de industrialização brasileiro: nordestino brasileiro. Justifique sua resposta com base na noção de intemperismo. PENGE 06 GEOGRAFIA DO BRASIL 3AAmazônia é, sobretudo, diversidade.” GONÇALVES, Carlos Walter Porto – Amazônia, Amazônias, p.09, 2005. Asa Branca Quando olhei a terra ardendo qual fogueira de São João, A frase acima apresenta uma característica básica da Eu perguntei a Deus do céu, ai! por que tamanha judiação. Amazônia, já que a floresta reúne diversidades em vários campos. Apresente e explique 3 dessas diversidades Que braseiro! Que fornalha! Nenhum pé de plantação. encontradas nesses diferentes campos: Por falta d’água perdi meu gado, morreu de sede meu alazão. PENGE 07 GEOGRAFIA DO BRASIL Até mesmo a asa-branca bateu asas do sertão. 1. (UNICAMP) A situação dos transportes de carga Então, eu disse: Adeus, Rosinha! Guarda contigo meu no Brasil é ilustrada na tabela abaixo: coração. Hoje longe, muitas léguas, numa triste solidão, RODOVIÁRIO 55% Espero a chuva cair de novo pra eu voltar pro meu sertão. FERROVIÁRIO 23% Quando o verde dos teus olhos se espalhar na plantação, HIDROVIÁRIO 01% Eu te asseguro, não chores não, viu? Eu voltarei pro meu OUTROS 21% sertão.(...) Luiz Gonzaga a) Explique porque, no Brasil, os transportes mais baratos são o hidroviário e o ferroviário: 1) Retratado na canção Asa Branca, o sertão nordestino se b) Por que, apesar dos custos, a maior parte dos transportes caracteriza como uma sub-região marcada por fortes de carga no Brasil é feita por rodovias? conflitos. Analise as condições sociais do sertão nordestino, tendo em vista sua estrutura econômica e fundiária: 2. “O processo de urbanização, acelerado a partir de 1950, está associado ao processo de industrialização. As migrações do campo para a cidade passaram a ocorrer onde havia um forte 2 (UFRJ/2008) Analise os dois perfis de solo a seguir. fator de atração representado pela oferta de empregos industriais urbanos.” a) Cite e explique dois fatores que impulsionaram o processo de urbanização brasileiro: b) Relacione o Estatuto do Trabalhador Rural com a formação dos centros urbanos no Brasil Geografia do Brasil 24
    • Pré-Vestibular Popular da UFF na Engenharia 3. “A cidade é o lugar em que o mundo se move mais; e os homens também. A co-presença ensina aos homens a diferença. Quanto maior a cidade, mais numeroso e significativo o movimento, mais vasta e densa a co-presença e também maiores as lições e o aprendizado.” (Santos, Milton – Globalização e Meio) a) Cite um exemplo de contraste social existente no meio urbano explicando como se dá a sua existência: b) Explique o seguinte trecho do texto acima: “... quanto maior a cidade, mais numeroso e significativo o movimento, mais vasta e densa a co-presença ...” Geografia do Brasil 25