Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
No Downloads

Views

Total Views
28,956
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
15

Actions

Shares
Downloads
134
Comments
9
Likes
20

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. ATUALIZAÇÃO NOPROTOCOLO DE RCPResidentes de Enfermagem em Cardiologia – PROCAPE:Autores Co-autoresCatiuscia Rebecca Andrey QueirogaFlavia Lima Eduardo GomesLiane Lopes Renata MeloThaisa Remigio Tallita VeríssimoPronto Socorro Cardiológico de Pernambuco Profº Luiz TavaresPrograma de Especialização em Enfermagem em Cardiologia namodalidade ResidênciaMaio, 2013
  • 2. 0bjetivos• Apresentar as modalidades de PCR;• Descrever os procedimentos de ressuscitaçãocardiopulmonar (RCP) baseados nas novasdiretrizes da American Heart Associaton(Guideline 2010).FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 3. Parada cárdio-respiratória:O que é ??????
  • 4. É a cessação súbita dos batimentos cardíacos emovimentos respiratórios.
  • 5. Quadro Clínico▫ Inconsciência;▫ Ausência de respiração ou gasping;▫ Ausência de pulso central (carotídeo ou femoral)(GUIMARÃES HP, LOPES RD, FLATO UAP, FEITOSA FILHO GS, 2008);▫ Convulsões breves e generalizadas podem ser aprimeira manifestação da PCR (HAZINSKI MF et al, 2010).FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 6. Modalidades de Parada CardíacaFibrilação Ventricular (FV)Contração incoordenada do miocárdio em consequência daatividade caótica de diferentes grupos de fibrasmiocárdicas, resultando na ineficiência total do coração demanter um volume de rendimento sanguíneo adequado.(TIMERMAN A, CESAR LAM, 2000).FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 7. ECG: Ausência de complexos ventriculares individualizadosque são substituídos por ondas irregulares em ziguezaguecom amplitude e duração variáveis. (TIMERMAN A, CESAR LAM, 2000)FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 8. Taquicardia Ventricular (TV) sem PulsoSucessão rápida de batimentos ventriculares que podem levar àacentuada deterioração hemodinâmica, chegando mesmo adetecção de ausência de pulso arterial palpável (TIMERMAN A,CESAR LAM, 2000).ECG: Repetição de complexos QRS alargados não precedidos de ondas P.FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 9. Atividade elétrica sem pulso (AESP)Ausência de pulso detectável na presença de algum tipo deatividade elétrica com exclusão de FV ou TV.ECG: Complexos QRS largos e bizarros, sem contração mecânica ventricularcorrespondente.FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 10. Assistolia▫ Ausência de qualquer atividade ventricular contrátil eelétrica em pelo menos duas derivaçõeseletrocardiográficas (GUIMARÃES HP, LOPES RD, FLATO UAP, FEITOSAFILHO GS, 2008).ECG: Linha isoelétricaFONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 11. ATENÇÃO!• FV acontece em 85% dos casos de PCR extra-hospitalar e 5,4% de PCR intra-hospitalar (GUIMARÃES HP,LOPES RD, FLATO UAP, FEITOSA FILHO GS, 2008).• TV sem pulso corresponde a 5% das PCR em UTI(GUIMARÃES HP, LOPES RD, FLATO UAP, FEITOSA FILHO GS, 2008).• Assistolia - ritmo final de todos os mecanismos dePCR e de pior prognóstico.FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 12. Ressuscitação cardiopulmonar (RCP)▫ Conjunto de procedimentos realizados após umaPCR com o objetivo de manter artificialmente acirculação de sangue arterial ao cérebro e outrosórgãos vitais até a ocorrência do retorno dacirculação espontânea. (GUIMARÃES HP, LOPES RD, FLATO UAP, FEITOSAFILHO GS, 2008).FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 13. Ações iniciais:Avaliar a cenaVerificar responsividadee respiração.Pedir AjudaAcionar o 192Pedir um DEA
  • 14. ▫ Verificação do pulso• Sem pulso palpado em 10 segundos, para todas as idades(apenas para profissionais de saúde) (HAZINSKI MF et al, 2010);FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 15. Suporte Básico de Vida (SBV)CirculaçãoCirculaçãoAberturaAbertura de Vias Aéreasde Vias AéreasBoa RespiraçãoBoa Respiração
  • 16. CC (Circulação): Compressões torácicas - 30 /2
  • 17. Posicionamento das mãos – compressões torácicasFONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 18. Retorno da parece torácica• Permitir retorno total entre as compressões;• Profissionais de saúde, alternar as pessoas queaplicam as compressões a cada 2 minutos(HAZINSKI MF et al, 2010);FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 19. Interrupções nas compressões• Minimizar• Tentar limitar as interrupções a menos de 10 segundos;• Motivo: reduz a sobrevivência de uma vítima de PCR.• Relação compressão ventilação (até a colocaçãoda via aérea avançada)Adultos• 30:2 (1 ou 2 socorristas)Crianças e bebês• 30:2 (Um socorrista)• 15:2 (2 socorristas profissionais de saúde) (HAZINSKI MF et al,2010);
  • 20. FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.Manobra de Inclinaçãoda Cabeça e Elevação doMento (Chin Lift).Manobra de ElevaçãoModificada daMandíbula (Jaw Thurst).AA (Abertura de vias aéreas):
  • 21. BB (Respiração):
  • 22. • Consiste na aplicação de uma corrente elétricacontínua NÃO SINCRONIZADA.• Esse choque despolariza em conjunto todas asfibras musculares do miocárdio, tornando possívela reversão de arritmias graves, permitindo ao nósinusal retomar a geração e o controle do ritmocardíaco.DD (Desfibrilação):
  • 23. Desfibriladores automáticos
  • 24. Colocação dos EletrodosEletrodo direito•À direita do ossoesterno.•Abaixo da clavículaacima do mamiloEletrodo esquerdo•Para fora do mamiloesquerdo, cerca de 20cms abaixo da axilaesquerda
  • 25. Aderência Efetiva dos Eletrodos• Tórax suado▫ Seque com toalha▫ Não use álcool• Excesso de pêlos▫ Pode ser necessáriadepilação
  • 26. Operação do DEA• LIGAR• CONECTAReletrodos• ANALISAR ritmo• CHOQUE (serecomendado)
  • 27. Suporte Básico de Vida em PediatriaCompressões torácicas Recém-nascidos: polegares lado a lado do esterno, imediatamenteabaixo da linha intermamilar; Crianças de um mês a 1 ano: compressão sobre o esterno, um dedoabaixo da intersecção da linha intermamilar com a linha esternal,utilizando um ou dois dedos de uma das mãos, enquanto a outraapóia o dorso da criança; Crianças de 1 a 8 anos: compressão dois dedos acima do apêndicexifóide, sem colocar as pontas dos dedos sobre as costelas (TIMERMAN A,CESAR LAM, 2000).FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 28. FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 29. Suporte Avançado de Vida em Cardiologia (SAVC)
  • 30. ATENÇÃO!• O acesso vascular, a administração de fármacos ea colocação de via aérea avançada, embora aindarecomendados, não devem causar interrupçõessignificativas nas compressões torácicas, nemretardar os choques.FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 31. Fibrilação Ventricular e Taquicardia Ventricular semPulso: Sequência de Atendimento no SAVC,FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 32. Atividade elétrica sem pulso e Assistolia: Sequência de atendimento noSAVCFONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 33. Fármacos Utilizados na RCPFONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 34. Causas ReversíveisEtiologia TratamentoHipovolemia SF 0,9%Hipóxia Ventilar com O2 A 100%Hipercalemia Bicarbonato – Sol. PolarizanteHipotermia ReaquecimentoHidrogênio BicarbonatoHipoglicemia Glicose IVPneumotórax DescompressãoTamponamento PericardiocentoseTEP TrombóliseIAM ReperfusãoFONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 35. FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEARTASSOCIATON.Motivo: Evidênciadisponível sugere serimprovável que o uso derotina de atropinadurante AESP ou assístoleproduza beneficiosterapêuticos.
  • 36. Complicações da RCP▫ Distensão gasosa do estômago (com eventualregurgitação do conteúdo gástrico e sua aspiração;▫ Fratura do esterno ou de costelas;▫ Separação condroesternal;▫ Pneumotórax;▫ Hemotórax;▫ Embolia gordurosa;▫ Laceração do fígado, baço e coração (TIMERMAN A,CESAR LAM, 2000);FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 37. Cuidados Pós PCRObjetivos1. Otimizar a função cardiopulmonar e a perfusão de órgãosvitais após o RCE;2. Transportar/transferir para um hospital apropriado ouUTI com completo sistema de tratamento pós-PCR;3. Identificar e tratar SCAs e outras causas reversíveis;4. Controlar a temperatura para otimizar a recuperaçãoneurológica;5. Prever, tratar e prevenir a disfunção múltipla de órgãos.Isto inclui evitar ventilação excessiva e hiperóxia.Obs: hipotermia terapêuticaFONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 38. Questões éticas na decisão de iniciarou parar a RCP▫ Considerar fatores éticos, legais e culturais associados aprestação de atendimento a indivíduos com necessidadede ressuscitação;▫ Na tomada de decisões guiar-se pela ciência, aspreferências do indivíduo ou de seus representantes,bem como pelas exigências legais e dos programas deações locais;FONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.
  • 39. Considerações finaisFONTE: GUIDELINE 2010. AMERICAN HEART ASSOCIATON.